Alpha Blondy

Alpha Blondy

Origem : Costa do Marfim
Instrumento :
Estilos : Reggae
Outras informações : Biografia

Alpha Blondy : discografia

Alpha Blondy - Vision album cover Álbum : Vision
Ano : 2011
Alpha Blondy - Jah Victory album cover Álbum : Jah Victory
Ano : 2007
Alpha Blondy - Radical Roots From The Emperor Of African Reggae album cover Álbum : Radical Roots From The Emperor Of African Reggae
Ano : 2004
Alpha Blondy - Merci album cover Álbum : Merci
Label : EMI
Ano : 2002
Alpha Blondy - L'essentiel album cover Álbum : L'essentiel
Label : EMI
Ano : 2001
Alpha Blondy - Alpha Blondy Paris Bercy album cover Álbum : Alpha Blondy Paris Bercy
Label : EMI
Ano : 2001
Alpha Blondy - Elohim album cover Álbum : Elohim
Label : Sony Music
Ano : 2000
Alpha Blondy - Yitzhak Rabin album cover Álbum : Yitzhak Rabin
Label : Sony Music
Ano : 1998
Ref : CD U10032
Alpha Blondy - Grand Bassam Zion Rock album cover Álbum : Grand Bassam Zion Rock
Label : EMI
Ano : 1996
Ref : CD 852 470 2
Alpha Blondy - Dieu album cover Álbum : Dieu
Label : EMI
Ano : 1994
Ref : CD [829847 2]
Alpha Blondy - Live Au Zenith album cover Álbum : Live Au Zenith
Ano : 1993
Alpha Blondy - Masada album cover Álbum : Masada
Label : Pathé Marconi
Ano : 1992
Ref : CD [79 8620 2]
Alpha Blondy - The prophet album cover Álbum : The prophet
Label : Pathé Marconi
Ano : 1989
Ref : CD 79 1793 2
Alpha Blondy - Revolution album cover Álbum : Revolution
Label : EMI
Ano : 1987
Alpha Blondy - Jerusalem album cover Álbum : Jerusalem
Label : EMI
Ano : 1986
Alpha Blondy - Apartheid is nazism album cover Álbum : Apartheid is nazism
Label : EMI
Ano : 1985
Alpha Blondy - Cocody rock album cover Álbum : Cocody rock
Label : EMI
Ano : 1984
Alpha Blondy - Best of Alpha Blondy album cover Álbum : Best of Alpha Blondy
Label : EMI
Ref : CD 837 041-2
Alpha Blondy - Jah glory album cover Álbum : Jah glory
Label : Syllart
Ref : LP [38710-1]
Alpha Blondy - Rasta Poué album cover Álbum : Rasta Poué
Label : Syllart
Ref : CD 38726-2
Alpha Blondy - S.O.S. guerre Tribale album cover Álbum : S.O.S. guerre Tribale
Café cacao Sun/NeXT audio (338 K)

Noticias sobre Alpha Blondy

RIO - Ele se considera sortudo porque, mais uma vez, foi convidado para compartilhar sua música com “o público amistoso da América do Sul”. Após se apresentar na Argentina, em cidades como Buenos Aires e Rosário (província de Santa Fé), Alpha Blondy, voz clássica do reggae, chega ao Rio, para um único show, hoje, às 22h, no Circo Voador. Sua visita ao Brasil, país que diz “adorar”, também inclui escalas em Belo Horizonte, São Paulo, Fortaleza e Salvador.

— Vim pela primeira vez ao Brasil em 1995, onde sinto uma energia positiva que me faz muito bem — comenta o cantor, em entrevista ao GLOBO.

Seydou Koné, seu nome verdadeiro, esteve pela última vez nos palcos brasileiros em 2010, em parceria com a banda The Wailers, nos shows em comemoração aos 40 anos do grupo que acompanhou Bob Marley durante toda a sua trajetória. Para o músico nascido na Costa do Marfim em 1953 e radicado em Nova York, voltar à região “é um grande prazer”.

— O público aqui é mais amistoso do que na Europa, sinto-me como em casa — diz Alpha Blondy, que no Brasil apresentará seu mais novo trabalho, “Mystic Power”.

O público argentino ficou entusiasmado com seu reggae, que, no novo disco, também mistura um pouco de rock. Em Buenos Aires, ele participou, no domingo passado, da primeira edição do festival Vorterix, organizado por uma das rádios mais populares entre os jovens argentinos.

O cantor, que interpreta suas músicas em várias línguas (incluindo francês, inglês e, também, seu idioma nativo, o dioula), costuma vincular seus discos a questões políticas de sua terra natal. Neste novo trabalho estão presentes o período de transição, superadas as guerras civis, e as recentes eleições presidenciais. Alpha Blondy denuncia o racismo a partir de canções como “Danger ivoirité”, na qual faz um alerta sobre a ideologia ivoirité, usada por alguns políticos da Costa do Marfim para impor um sistema de segregação racial. Para o músico, que vem de um país onde as lutas sociais são intensas e que, em seu universo pessoal, já atravessou crises emocionais delicadas e tentativas de suicídio que o afastaram de sua carreira por algum tempo, a grande resposta para todos os problemas de seu país e do mundo é “a fé em Deus”.

— Acredito em Deus. Ele responde a todas as minhas perguntas... Deus é uma ótima medicina — diz Alpha Blondy, que hoje, assegura, sente-se bem “como uma dinamite”.

Com bons amigos no Brasil — entre eles, Carlinhos Brown —, o cantor confessa que sonha conhecer Daniela Mercury.

— Adoro a música dela. Quando estive pela primeira vez no Brasil, comprei seu CD. Eu e minha filha sempre gostamos de ouvi-lo — conta.

Source : Globo Online | 2013-11-07 10:00:00.0

RIO - “Ufa, acabou o Rock in Rio”, pensou o fã de música no fim de setembro, depois de ver Bruce Springsteen, Beyoncé, Iron Maiden, Justin Timberlake e tudo o mais que rolou na Cidade do Rock naqueles sete dias. “Agora é hora de descansar e guardar uma grana para ver shows em 2014, parece que tem um festival com os Rolling Stones vindo aí...”. O pensamento não pôde se completar, porque veio o Black Sabbath pela proa. E o Aerosmith. O xx. E agora, acabou, né?

Não exatamente. Além do Festival Planeta Terra, que levará muitos cariocas a São Paulo neste sábado para ver Blur e Beck, entre outros, no Campo de Marte, a agenda no Rio volta a esquentar. De hoje, quando o marfinense Alpha Blondy traz seu reggae ao Circo Voador, até dezembro, dúzias de atrações estrangeiras do pop, rock e congêneres vêm à cidade. Há nomes grandes, como Red Hot Chili Peppers (neste sábado, no Circuito Banco do Brasil, no Parque dos Atletas), Cat Stevens — ou melhor, Yusuf Islam, como ele se rebatizou, em 1978 — (20 de novembro no Citibank Hall), e a Dave Matthews Band (dia 8 de dezembro, no festival Summer Break, com Incubus, S.OJ.A. e O Rappa, na Praça da Apoteose).

Há também atrações mais direcionadas, como os veteranos punks ingleses The Exploited (5 de dezembro no Teatro Odisséia), e cults, incluindo Solange Knowles, a irmã mais indie de Beyoncé (19 de novembro no Circo Voador), e o heavy metal melódico alemão de Helloween e Gamma Ray (30 de novembro na Fundição Progresso).

Dave Matthews, sempre empolgado

Será que, a esta altura, os estrangeiros ainda veem aquela magia, aquele espírito de “Feitiço do Rio” (filme safadinho de 1984 com Michael Caine e José Lewgoy, em que a cidade é uma festa de exotismo e mulheres seminuas)? Um frequentador assíduo e entusiasmado do Rio jura que sim.

— É sempre diferente tocar aí — diz Dave Matthews, que vem à cidade há 15 anos, desde o Tim Festival de 1998. — Há uma empolgação natural, não sei se por gostarmos da cidade ou da música de vocês. Já tocamos em todo tipo de casa (Rock in Rio, HSBC Arena, MAM, Vivo Rio), acho até que o show do Rock in Rio de 2001 foi o maior da nossa carreira. Mas sabe que a apresentação naquele pequeno teatro (o Vivo Rio), para cerca de 5 mil pessoas, foi a mais emocionante? Tanto que lançamos o show em um disco (“Live in Rio”), que eu adoro.

Segundo André Matalon, diretor de turnês e festivais da XYZ, uma das principais promotoras de shows internacionais no Brasil, tendo levado Bruce Springsteen e Bon Jovi a São Paulo, o Rio e o país estão cada vez mais atraentes, principalmente a partir de setembro.

— Quando acaba o verão nos EUA e na Europa, as grandes turnês chegam ao fim, e o mercado se vira para nós — diz ele. — A época do Rock in Rio foi muito forte de shows pelo Brasil, e os dois últimos meses do ano não devem ficar atrás.

O que não quer dizer que as notícias sejam exclusivamente boas.

— Acho que o mercado está saturado — diz Matalon. — Justin Bieber foi bem de bilheteria no Rio e em São Paulo, possivelmente o suficiente para compensar uma produção cara, mas as notícias que tenho são de que as vendas de alguns festivais estão terríveis.

Ele vê os dois lados da ratificação do Brasil como destino das turnês internacionais.

— Os artistas estão mais acessíveis, feliz ou infelizmente — analisa. — Os Red Hot Chili Peppers, por exemplo, estão vindo ao Brasil pela segunda vez na mesma turnê, “I’m with you”, que esteve no Rock in Rio de 2011. Eles não pensavam em voltar, mas receberam o convite do Circuito Banco do Brasil, que tem um patrocínio forte, e toparam.

Travis estreia no país

Segundo Matalon, o festival patrocinado pelo banco estatal é um caso hoje raro de patrocínio firme, que independe das vendas de ingressos.

— Não há dinheiro para tudo — diz. — Pensamos em trazer Cat Stevens e Sarah Brightman, mas os dois pediram cachês que consideramos muito altos, seria arriscado trazê-los.

O cantor inglês se apresenta no Citibank Hall depois de passar pelo Credicard Hall, em São Paulo (nos próximos dias 16 e 17). E só. Não irá a outras praças, o que seria um bom desafogo financeiro.

— Uma saída para tirar as bandas de casa é marcar mais shows — avalia o especialista. — Cidades como Salvador, Fortaleza e Goiânia estão, aos poucos, entrando no circuito. Os novos estádios, construídos para a Copa do Mundo de 2014, também serão bem-vindos nesse aspecto.

Entre as poucas bandas que jamais vieram ao Brasil está o Travis, atração do Planeta Terra, e, entre as mais raras, o Incubus, que se apresenta no Summer Break. Sucesso no fim dos anos 1990 com músicas como “Tied to the 90’s” e “Why does it always rain on me?”, a banda escocesa Travis deixou marcas com seu rock melódico e sensível — grupos como Coldplay e Keane são sempre apontados como seus seguidores. Agora, o quarteto estreia em São Paulo, sábado, meses após ter lançado “Where you stand”, seu primeiro álbum depois de um hiato de cinco anos.

— Toda banda que conversava conosco dizia: “Vocês já foram ao Brasil?” E nós: “Poxa, não...”. Mal posso esperar para chegar aí — diz o baixista Dougie Payne, que promete um show recheado de sucessos, mas também de canções de “Where you stand”.

Já a americana Incubus volta a bordo do repertório do álbum “If not now, when?” (2011). Um trabalho mais introspectivo que de costume para o grupo formado em 1991, que ganhou destaque alguns anos depois em meio à onda do rap-metal de Korn e Limp Bizkit.

— Evoluímos ao longo do tempo e ficamos felizes que o público tenha compreendido e aceitado nossas mudanças. Reciclar as mesmas ideias de sempre é a sentença de morte de uma banda — diz o vocalista Brandon Boyd. — Hoje em dia, quando ouvimos nossas músicas do começo da carreira, é como olhar para um velho livro de fotografias. Algo terno, nostálgico, como que a dizer “Caramba, meu cabelo era assim!”... Mesmo assim, tocamos músicas de todos os nossos sete álbuns.

Programação:

Alpha Blondy: O astro do reggae canta hoje, às 22h, no Circo Voador.

Circuito Banco do Brasil: Red Hot Chili Peppers, Yeah Yeah Yeahs, Titãs, Raimundos, Detonautas e Rodrigo Amarante são as atrações no Parque dos Atletas, sábado, às 14h. (Ingressos esgotados)

Planeta Terra: Festival em São Paulo, neste sábado, reúne Blur, Beck, Travis e outros.

Lana Del Rey: Depois de passar por SP, a cantora faz show no Citibank Hall, domingo, às 20h.

Madball: A banda de hardcore americana se apresenta no Teatro Odisséia, no domingo, às 18h.

Devendra Barnhart: O astro canta no Circo Voador, no dia 14.

Mpire of evil: A banda do guitarrista Mantas, ex-Venom, toca no Rio Rock & Blues Club, dia 14.

Back2Black: O festival reúne nomes como Bobby Womack e os Blind Boys of Alabama na Cidade das Artes, do dia 15 ao 17.

Gilby Clarke: O ex-guitarrista do Guns N’ Roses toca no Circo Voador, no dia 17.

Solange Knowles: A irmã de Beyoncé leva sua música ao Circo Voador, no dia 19.

Cat Stevens: O cantor inglês, que adotou o nome de Yusuf Islam, se apresenta no Citibank Hall, no dia 20.

Off!: A banda punk toca no Teatro Odisséia, no dia 20.

Falling in Reverse: Mais uma banda punk vai ao Odisséia, no dia 24.

Helloween e Gamma Ray: A dupla de bandas do heavy metal melódico alemão toca na Fundição Progresso, no dia 30.

Sarah Brightman: A cantora se apresenta no Citibank Hall, no dia 1º de dezembro.

The Exploited: A lenda punk toca no Odisséia, no dia 5/12.

Steve Vai: O mago da guitarra leva seu virtuosismo ao Circo Voador, no dia 7/12.

Summer Break: O festival na Praça da Apoteose reúne Dave Matthews, Incubus, Soja e O Rappa, no dia 8/12.

T. Mills: O rapper americano faz show no Circo, no dia 8/12.

DRI e Ratos de Porão: Festa hardcore no Odisséia, em 11/12.

Tim ‘Ripper’ oOwens: O ex-cantor do Judas Priest vai ao Rio Rock & Blues, no dia 13/12.

Carminho: Fechando o ano, a fadista portuguesa canta na Miranda, nos dias 20 e 21/12.

Source : Globo Online | 2013-11-07 10:00:00.0

RIO - A parceria surgiu por acaso, entre um chope e outro no carioquíssimo Bar do Gomez - o nome oficial é Armazém São Thiago -, em Santa Teresa. Era o carnaval de 2011, e a parada estratégica para recarregar as baterias antes de encarar mais um bloco rendeu, além da amizade, uma boa oportunidade profissional. De lá para cá, os franceses Joa Azria e Gregory Evrard já produziram turnês da Orquestra Voadora, do Toca Rauuul e trazem, nesta quinta-feira, o reggae do marfinense Alpha Blondy para o Circo Voador.

Em comum, os dois carregam a nacionalidade, o interesse voraz pelo Rio e a bagagem no mundo cultural. Evrard rodou o mundo como produtor-executivo de diversas bandas, enquanto Azria, além das produções, já foi dono de uma casa de shows em Genebra, na Suíça. O novo projeto em gestação é a Green Go, agência que pretende estabelecer uma ponte para trazer artistas internacionais ao Brasil. A ideia é que os shows contem também com a presença de um nome da música nacional.

- Temos muitos contatos na Europa, o que facilita o trabalho. Com a mistura entre os artistas de fora e os daqui, vamos criar um intercâmbio cultural interessante - destaca Azria.

A expressão que dá o nome à empresa tem duas funções: formar o som de “gringo”, como os estrangeiros são chamados, e oferecer a noção de sustentabilidade, com a palavra “green” (verde, em inglês). A partir de 2014, quando a produtora já estiver estruturada, o objetivo é que todo o processo que cerca as apresentações aconteça dentro de uma concepção sustentável. Para ficar em dois exemplos, copos plásticos e filipetas serão proibidos.

- Estamos nos preparando para implementar este conceito no ano que vem - explica Azria.

A sede, como não poderia ser diferente, será em Santa Teresa. O clima de cidade do interior do bairro encantou a dupla logo na chegada ao Brasil — em momentos diferentes. Evrard costumava vir ao país sempre no fim do ano, aproveitando os intervalos das turnês. Em uma dessas oportunidades, conheceu a mulher com quem se casaria posteriormente, motivo que acelerou a decisão de fixar residência na cidade. Azria, por sua vez, visitou o Rio há três anos, e a primeira impressão foi avassaladora.

- Voltei para a Europa só para fechar o que eu tinha lá.

A escolha de viver e trabalhar no bairro foi uma consequência natural.

- Sempre morei na Santa Teresa de cada cidade por onde passei - diz Azria, com temporadas na Costa do Marfim e na Suíça.

Source : Globo Online | 2013-11-07 08:00:00.0
A temporada lírica do Theatro Municipal continua com a estreia, na terça (dia 15), das óperas "Jupyra", de Antônio Francisco Braga, e "Cavalleria Rusticana", de Pietro Mascagni. Divulgação Cena de "Jupyra", de Antônio Francisco Braga, que será apresentada no Theatro Municipal a partir do dia Leia mais (15/10/2013 - 07h00)
Source : Folha Online | 2013-10-15 11:09:28.0
Fãs de reggae já podem comemorar: a primeira edição do One Drop Festival será realizado no dia 14 de novembro na Estância Alto da Serra, em São Bernardo do Campo (Grande São Paulo). Os ingressos variam entre R$ 60 e R$ 190, e podem ser adquiridos no site ticket360.com.br . A programação completa está no site do evento . No festival estarão presentes o músico Matisyahu, que mistura reggae, rock e hip hop, e Alpha Blondy, da Costa do Marfim, autor de hits como "Jerusalém" e que já cantou da banda The Wailers. Leia mais (10/10/2013 - 07h00)
Source : Folha Online | 2013-10-10 10:23:35.0

Alpha Blondy : videos

Live In Peace Tour Video : Live In Peace Tour
Ano : 2009
Elohim Tour 2000 Video : Elohim Tour 2000
Ano : 2001
Video Cover Video : En concert (Aux Eurockéennes 92)
Label : Pathé Marconi
Ano : 1992
Ref : VHS 491 073 3
Live In Abidjan Video : Live In Abidjan
Ano : 1992