Bandas e Artistas de Reggae

País : Jamaica

Representante canções exemplos de Reggae



Videos do Reggae

Video clips do Reggae (YouTube e DailyMotion)

Artistas ou Grupos

340ml(2)[video]  -  Abdel Wright(1)  -  Abdou Day(2)  -  Abdoul Jabbar(1)  -  Abega(3)  -  Abijah(3)  -  Adioa(4)[informações]  -  Admiral Bailey(4)  -  Adrien Bass(1)  -  African Brothers(3)  -  African Bush Doctor(0)[video]  -  African Head Charge(17)[informações]  -  Agana(1)[video]  -  Ahmed Faras(0)  -  Akwe(0)  -  Al Campbell(11)  -  Al Pancho(1)  -  Albert Griffiths(0)  -  Alex Kajumulo(1)  -  Ali Moindzani(0)[video]  -  Alpha Blondy(25)[informações][audio][video]  -  Alpha Mim(1)  -  Alpha Oméga(1)  -  Alpha Rowen(1)[video]  -  Alpha Wess(1)  -  Amazulu(8)  -  Andrew Tosh(4)  -  Anguilé(1)  -  Annette Brissett(1)  -  Anthony B(21)[informações][video]  -  Anthony Johnson(2)  -  Apple Gabriel(4)  -  Arkaingelle(1)  -  Asher Senator(1)  -  Askia Modibo(1)[informações]  -  Aston "Family Man" Barrett(2)  -  Aswad(28)[video]  -  Augustus Pablo(33)[informações]  -  Aziz Wonder(0)[informações]  -  Babadi(5)[video]  -  Baby G(1)  -  Back Jardel(1)  -  Backom(2)  -  Baco(5)[informações][video]  -  Bafing Kul(1)  -  Baloji(1)  -  Baraka Oyuru(1)  -  Barbara Jones(0)  -  Barrington Levy(37)[video]  -  Barrington Spence(3)  -  Barry Brown(4)  -  Baster(12)[video]  -  Bee Pasteef(1)  -  Benjam(6)[video]  -  Benz'n(1)  -  Beres Hammond(28)[informações][video]  -  Big Youth(23)[informações][video]  -  Billy Boyo(2)  -  Bim Sherman(25)[informações]  -  Bingui Jaa Jammy(4)[informações][video]  -  Black Medio(0)  -  Black Roots(6)  -  Black Uhuru(34)[informações]  -  Bob Andy(5)  -  Bob Dahilou(1)[informações]  -  Bob Marley & The Wailers(11)[informações][video]  -  Bobby Ellis(2)  -  Brigadier Jerry(6)  -  Brother Ayouba(1)[video]  -  Buju Banton(19)[informações][video]  -  Bunny Wailer(26)[informações]  -  Burning Spear(41)[informações][video]  -  Burro Banton(3)[informações]  -  Bushman(11)[video]  -  COUP SEC(1)  -  Capleton(20)[informações][video]  -  Carl Harvey(1)  -  Carlene Davis(7)[informações]  -  Cedric "Im" Brooks(5)  -  Cedric 'Congo' Myton(3)  -  Chaka Demus & Pliers(8)[informações][video]  -  Charlie Chaplin(10)  -  Chata Addy(2)  -  Chezidek(4)[informações]  -  Chow Panachie(1)  -  Chrisinti(2)  -  Clancy Eccles(3)[informações]  -  Cliff Brown Tchiepi(0)  -  Clint Eastwood(3)  -  Clinton Fearon(9)  -  Clive Hunt(1)  -  Cocoa Tea(39)[informações]  -  Cornell Campbell(16)[video]  -  Cultural Roots(2)  -  Culture(32)  -  Défoul' la mêm(4)  -  Daddy Freddy(11)  -  Daddy Nuttea(5)[informações]  -  Daddy Rings(3)  -  Damian Marley(4)[informações][video]  -  Daweh Congo(7)  -  Deïdo Tree(0)  -  Dean Fraser(9)[informações]  -  Delroy Washington(2)  -  Delroy Williams(1)  -  Delroy Wilson(10)[informações]  -  Dennis Brown(90)[informações][video]  -  Dezarie(3)  -  Diana Rutherford(1)  -  Didyé Kérgrain(1)  -  Dillinger(9)  -  Dj Dan(2)  -  Djama(4)[video]  -  Djos Kezo(0)  -  Dolé(0)  -  Don Carlos(1)  -  Doniki(1)  -  Dr Mooch(1)  -  Dr. Alimantado(8)  -  Dread Maxim(2)  -  Earl Chinna Smith(3)  -  Earl Sixteen(5)[informações]  -  Earth and Stone(1)  -  Eek a Mouse(16)  -  Elie Kamano(1)[video]  -  Elijah Prophet(1)  -  Empress Ayeola(1)  -  Energy Crew(1)  -  Eric Donaldson(14)  -  Ernest Ranglin(13)  -  Etana(1)[video]  -  Fôô Fanick(0)[video]  -  Fac Alliance(3)[video]  -  Fadal Dey(0)[video]  -  Frankie Paul(7)[informações]  -  Freaky Joe aka Sing'A'Teh(1)[video]  -  Fred Locks(3)  -  Freddie Mc Gregor(41)  -  Ganga Vibes(0)  -  Garnett Silk(8)[informações]  -  Gato Negro(1)  -  General Degree(3)  -  Gladstone_Anderson(3)  -  Glen Washington(16)  -  Gondwana(5)  -  Guya Tchendo(0)  -  Gyptian(5)[video]  -  Half Cast(0)[video]  -  Harry Mo(1)  -  Hass Keita(0)  -  Hass Mosa(2)[video]  -  Hoba Hoba Spirit(0)[informações]  -  Horace Andy(44)[informações][video]  -  Horace Martin(3)  -  Hugh Mundell(8)  -  I Roy(17)[video]  -  I-Three(2)  -  Ijahman(24)  -  Inner Circle(21)[informações]  -  Innocent Galinoma(1)[video]  -  Ismaël Isaac(7)[informações][video]  -  Ismaël Wonder(1)  -  Israel Vibration(33)[informações][video]  -  Jackie Mittoo(29)[informações]  -  Jacob Miller(8)[informações]  -  Jah Cure(5)[informações][video]  -  Jah Lion(1)  -  Jah Lloyd(3)[informações]  -  Jah Mali(2)  -  Jah Mason(11)[informações]  -  Jah Milk(1)  -  Jah Nesta(1)  -  Jah Prince & The Prophets Band(1)  -  Jah Shaka(17)[informações]  -  Jah Stitch(4)[informações]  -  Jah Woosh(2)  -  Jah'Key Malle(0)  -  Jahel(0)  -  Jahwise(3)[video]  -  Jamadom(2)  -  Jede I Tafari(0)[video]  -  Jerry Jheto(1)  -  Jhiko Manyika(3)  -  Jim Kamson(1)  -  Jimmy Cliff(35)[informações]  -  Jimmy Riley(14)  -  Joe Gibbs(7)  -  Joe Higgs(3)[informações]  -  John Chibadura(7)[informações]  -  John Holt(42)  -  Johnny Clarke(8)[informações][video]  -  Joseph Cotton(8)  -  Josey Wales(3)  -  Judy Mowatt(10)[informações]  -  Julian Marley(4)[informações]  -  Junior Delgado(23)[informações]  -  Junior Kelly(9)[informações][video]  -  Junior Murvin(3)[informações]  -  Junior Reid(19)[informações]  -  Justin Hinds(7)[informações]  -  Kajeem(2)[video]  -  Kalash(3)  -  Kaliroots(2)  -  Kalory Sory(1)  -  Kana(2)  -  Keith Hudson(11)  -  Ken Boothe(35)  -  Kiddus I(3)[informações]  -  King David(1)  -  King Sounds(7)  -  Kizito(2)[video]  -  Koko Dembele(1)  -  Kom'Zot(4)  -  Kuami Mensah(0)[video]  -  Kulcha Far I(3)  -  Kussondulola(6)[video]  -  Kwame Bediako(3)  -  Ky Mani Marley(1)  -  Kâyamanga(1)  -  Larry Cheick(1)  -  Lee "Scratch" Perry(22)  -  Leroy Brown(1)  -  Leroy Smart(6)  -  Linton Kwesi Johnson(15)[informações][video]  -  Linval Thompson(3)[video]  -  Little John(4)  -  Little Roy(7)[informações]  -  Lord Of Ajasa(1)  -  Luciano(41)  -  Lucky Dube(20)[informações][audio][video]  -  Lutan Fyah(11)  -  Lyricson(3)[video]  -  Macka B(17)[informações]  -  Mad Cobra(7)  -  Madoxx(0)  -  Maiko Zulu(1)  -  Majek Fashek(4)[informações][video]  -  Manleo(1)  -  Marcel Salem(2)[video]  -  Marcia Aitken(1)  -  Marcia Griffiths(18)[informações]  -  Marlaoui(0)  -  Marlon Asher(2)  -  Marloy(1)  -  Maroghini(2)[informações]  -  Mawana Slim(1)  -  Max Romeo(29)[informações]  -  Maxi Priest(13)  -  Mc Duc(1)  -  Merger(1)[video]  -  Message Roots(1)  -  Michael Prophet(21)[informações]  -  Michael Rose(27)[video]  -  Michael Smith(1)  -  Michel Legris(0)[video]  -  Mikey Dread(21)[informações]  -  Mikey General(2)  -  Mikey Ras Starr(1)  -  Mikey Spice(6)  -  Milton Henry(1)  -  Mireille Tikry(0)[video]  -  Misty in Roots(9)[informações]  -  Mo'Kalamity(2)  -  Momo Roots Soumah(1)  -  Morgan Heritage(14)[informações][video]  -  Moses I(1)  -  Muinguilo(2)  -  Mutabaruka(12)[informações]  -  Mystic Man(1)  -  NNeka(6)  -  NZH(0)[video]  -  Naftaly(1)  -  Nasio Fontaine(5)[informações][video]  -  Nasty D(6)  -  Natty Dread Reunion(4)  -  Nazarenes(3)  -  New Breed(1)  -  Nicy(1)  -  Nikko(4)  -  Niominka-bi(6)[informações]  -  Norris Reid(2)  -  Nuttea(10)[informações]  -  Nyala(1)  -  Nzela(2)  -  O'Yaba(5)  -  Olmyta(0)[video]  -  Pablo Gad(1)  -  Pablo Moses(15)[informações][video]  -  Pach Jahwara(0)  -  Papa San(11)[informações]  -  Paps Natty General(0)  -  Patra(2)[video]  -  Patrick Persée(4)[video]  -  Peter Broggs(9)[informações]  -  Peter Tosh(17)[informações][video]  -  Peterside Ottong(2)  -  Philip Toussaint(1)  -  Poglo(4)  -  Prince Alla (Prince Allah)(13)[informações]  -  Prince Far I(19)[informações]  -  Prince Jazzbo(1)[informações]  -  Prince Lincoln Thompson(5)  -  Prince Osito(0)  -  Queen Ifrica(2)[video]  -  Queen Omega(4)  -  Racine des Iles(1)  -  Ramses De Kimon(1)[informações]  -  Ranking Dread(3)[informações]  -  Ranking Joe(2)[informações]  -  Ras Amadeüs Bongo(1)  -  Ras Dumisani(2)[informações]  -  Ras Elia Hassou(0)  -  Ras Ly(0)[video]  -  Ras Natty Baby(6)[video]  -  Ras Naya(0)  -  Ras Noël(5)  -  Ras kimono(2)  -  Rasbawa(4)  -  Rass Kwame(1)  -  Rass Shiloh(5)  -  Richie Spice(7)[informações][video]  -  Rico Rodriguez(4)[informações]  -  Rita Marley(6)[informações]  -  Rocky Dawuni(5)[informações]  -  Rod Taylor(2)  -  Rootz Underground(2)  -  Salim Jah Peter(1)  -  Sally Nyundo(0)[video]  -  Salone Ishmael(2)  -  Salone JR(1)  -  Samx(4)  -  Saël(4)[video]  -  Scientist(13)  -  Sean Paul(7)[informações]  -  Selasee Atiase(1)  -  Serges Kassy(3)[video]  -  Seyni & Yéliba(2)  -  Shasha Marley(1)  -  Sistah Mad'Ness(0)  -  Sister Carol(7)[informações][video]  -  Sizzla(36)[informações][video]  -  Sly & Robbie(24)  -  Soumaïla Diarra(0)[informações]  -  Spraggy(1)  -  Steel Pulse(18)[informações]  -  Stephen Marley(3)[video]  -  Taj Weekes(3)  -  Takana Zion(4)[video]  -  Tangara Speed Ghôda(2)[video]  -  Tanya Stephens(5)[informações][video]  -  Tarrus Riley(3)[video]  -  Tatu Clan(1)[video]  -  Teba Shumba(0)[video]  -  Teezy(1)  -  Terry Linen(3)  -  The Abyssinians(11)[informações][video]  -  The Aggrovators(13)  -  The Black Missionaries(0)[video]  -  The Chantells(1)[informações]  -  The Congos(13)[informações]  -  The Ethiopians(11)[informações]  -  The Gladiators(40)  -  The Heptones(16)[informações][video]  -  The Itals(10)[informações]  -  The Mandators(1)  -  The Meditations(9)[informações]  -  The Melodians(5)  -  The Mighty Diamonds(38)  -  The Mighty Three's(1)  -  The Rastafarians(1)[informações]  -  The Royals(2)  -  The Slickers(2)[informações]  -  The Tamlins(8)  -  The Twinkle Brothers(45)  -  The Viceroys(5)  -  The Wailers(11)  -  Third World(18)  -  Tiken Jah Fakoly(12)[informações][video]  -  Tommy McCook(15)[informações]  -  Tommy T(1)  -  Tony Roots(1)  -  Tony Tuff(20)  -  Toots and the Maytals(27)  -  Trinity(6)  -  Triston Parmer(1)  -  Turbulence(11)  -  U Brown(5)  -  U Roy(22)  -  V Santym(0)  -  VIB(1)  -  Vagabond Squad(0)  -  Valley(2)  -  Vickson(0)[video]  -  Waby Spider(3)  -  Wailing Roots(1)  -  Wailing Souls(18)  -  Wailing Souls(10)[video]  -  Wanamah(0)  -  Warrior King(3)  -  Wayne Wade(3)  -  Welton Irie(6)  -  Willie Williams(4)  -  Winston Jarrett(6)  -  Winston Mc Anuff(6)  -  X-MAN(1)  -  Yabby You(9)[informações]  -  Yami Bolo(13)  -  Yaya Yaovi(1)[video]  -  YeahmanC(2)  -  Yellowman(56)[informações][video]  -  Yongy Lorenzo(0)  -  Youss Nassa(0)[video]  -  Zêdess(3)[video]  -  Zed-I(1)  -  Zhou-Mack(1)  -  Ziggy Marley(17)[informações]  -  Zoanet Comes(4)  -  

Compilações

Afro Reggae Party(1)  -  Dancehall Nice Again(3)  -  Fly African Eagle(1)  -  Planete Reggae(1)  -  Raggae Gold(10)  -  Raggae-Kolor(1)  -  Reggae Africa(1)  -  Reggae Meets Africa(1)  -  Reggae Over Africa(1)  -  Sun Splash(0)  -  

Notícia : Bandas e Artistas de Reggae

RIO - O CD era considerado o formato musical do futuro quando o Prêmio da Música Brasileira teve a sua primeira edição, em maio de 1988 (ainda com o nome Prêmio Sharp de Música), numa cerimônia no Golden Room do Copacabana Palace, que teve Vinicius de Moraes como homenageado e convidados como Dorival Caymmi, Renato Russo, Cazuza e Elizeth Cardoso. Passadas mais de duas décadas, a soberania do pequeno disco prateado foi abalada, a indústria fonográfica foi virada de cabeça para baixo pelo avanço da internet, o consumo mudou radicalmente e novas estrelas surgiram, enquanto outras deixaram saudades. O livro “25 anos do Prêmio da Música Brasileira”, escrito pelo jornalista Antônio Carlos Miguel, com design de Gringo Cardia - e que será lançado amanhã, às 19h, na Hípica -, acompanha um pouco dessas mudanças, refletidas num evento que se firmou como um dos mais importantes da MPB.

- Vinte e cinco anos é uma data muito emblemática, tanto que casais celebram suas bodas de prata - conta José Maurício Machline, idealizador do prêmio. - Quando percebemos a chegada dessa data, nos preparamos para esse livro. Afinal, tínhamos que registrar a nossa história, que reflete as inúmeras transformações que aconteceram na música brasileira ao longo desse período.

A publicação, que marca a chegada ao mercado da editora Edições de Janeiro, tem entrevistas com personalidades que se confundem com a história da premiação, como Gilberto Gil, Maria Bethânia, Fernanda Montenegro, Nelson Freire e Marisa Monte. Traz também as biografias de todos os homenageados do prêmio - cuja próxima edição acontece no dia 14 de maio, no Teatro Municipal - e a lista completa dos premiados em todas as categorias de suas edições.

- A produção desse livro foi muito emocionante porque me permitiu enxergar o prêmio de uma forma mais ampla, lembrando de tantas estrelas e pessoas queridas que passaram por ele, desde Dorival Caymmi e Elizeth Cardoso a amigos como Raul Cortez e Thales Pan Chacon, que apresentaram a primeira edição - diz Machline, destacando alguns momentos tocantes do evento. - Foram muitos, mas os shows em homenagem a Baden Powell e à própria Elizeth foram inesquecíveis.

Com a mente dividida entre o lançamento do livro e a próxima edição do evento - que vai homenagear o mais brasileiro dos ritmos, o samba, com 103 indicados em 16 categorias e Wilson das Neves como destaque -, Machline reconhece que mudou junto com a sua criação.

- Eu era uma outra pessoa quando o prêmio começou. De lá para cá, vim de São Paulo para o Rio, sem muita noção do que faria da minha vida profissional, e acabei me reencontrando aqui. Hoje respiro música. É a maior paixão da minha vida.

Veja os indicados de 2014

Arranjador

Gilson Peranzzetta por “Edu Lobo e Metropole Orkest” - Edu Lobo e Metropole Orkest

Sacha Amback por “Atento aos sinais” – Ney Matogrosso

Vittor Santos por “Se me chamar, ô sorte” – Wilson das Neves

Melhor canção

“Cara de queixa”, de Wilson das Neves e Paulo Cesar Pinheiro - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

“Samba para João”, de Wilson das Neves e Chico Buarque - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

“Se me chamar, ô sort”’, de Wilson das Neves e Cláudio Jorge - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

Projeto visual

Vários, disco “Arca de Noé” – Adriana Calcanhotto e Fernanda Villa-Lobos

Ney Matogrosso, disco “Atento aos sinais” - Cassia D´Elia

Lula Queiroga, disco “Todo dia é o fim do mundo” – Zé Mateus Alves

Revelação

Bixiga 70, disco “Bixiga 70”

Patricia Bastos, disco “Zulusa”

Vento em Madeira, disco “Brasiliana”

Melhor álbum

“Arrastão da alegria”, de Monobloco, produtores C.A. Ferrari, Celso Alvim, Mário Moura, Pedro Luis e Sidon Silva

“Made in China”, de Carlos Careqa, produtor Marcio Nigro

“Reencontro”, de Ângela Maria e Cauby Peixoto, produtor Thiago Marques Luiz

Melhor dupla

Chitãozinho & Xororó (“Do tamanho do nosso amor – ao vivo”)

Léo Canhoto & Robertinho (“L&R 40 anos”)

Zezé di Camargo & Luciano (“Teorias”)

Melhor grupo

Banda Calypso (“Ao vivo no Distrito Federal”)

Cheiro de amor (“Flores”)

Monobloco (“Arrastão da alegria)

Melhor cantor

Cauby Peixoto (“Reencontro”)

Lazzo Matumbi (“Lazzo Matumbi”)

Serjão Loroza (“Carpe Diem”)

Melhor cantora

Ângela Maria (“Reencontro”)

Lana Bittencourt (“A diva passional – ao vivo”)

Roberta Miranda (“25 anos ao vivo em estúdio”)

Melhor álbum instrumental

“Continente”, de Yamandu Costa, produtores Yamandu Costa e Guto Wirtti

“Mundo de Pixinguinha”, de Hamilton de Holanda, produtores Lu Araújo, Marcos Portinari e Hamilton de Holanda

“Ninho de Vespa”, de Spok Frevo Orquestra, produtor Spok

Melhor solista

Hamilton de Holanda (“Mundo de Pixinguinha”)

Léo Gandelman (“Ventos do norte”)

Yamandu Costa (“Continente”)

Melhor grupo

Bixiga 70 (‘Bixiga 70’)

Spok Frevo Orquestra (‘Ninho de vespa’)

Vento em madeira (‘Brasiliana’)

Melhor álbum MPB

“Edu Lobo e Metropole Orkest” , de ‘Edu Lobo e Metropole Orkest’ , produtores Metropole Orkest

“Foi no mês que vem”, de Vitor Ramil, produtor Vitor Ramil

“Tudo”, de Joyce Moreno, produtor Joyce Moreno

Melhor grupo MPB

Boca Livre (“Amizade, Boca Livre”)

Orquestra Criôla (“Subúrbio Bossanova”)

Os Cariocas (“Estamos aí”)

Melhor cantor MPB

Edu Lobo (”Edu Lobo e Metropole Orkest”)

Milton Nascimento (”Uma Travessia – 50 anos de carreira ao vivo”)

Vitor Ramil (”Foi no mês que vem”)

Melhor cantora MPB

Maria Bethânia (“Carta de amor”)

Rosa Passos (“Samba Dobrado”)

Simone (‘É melhor ser’)

CATEGORIA POP/ROCK/REGGAE/ HIPHOP/FUNK

Melhor álbum

“Atento aos sinais” de Ney Matogrosso, produtores João Mário Linhares e Sacha Amback

“Recanto, ao vivo”, de Gal Costa, produtor Moreno Veloso

“Todo dia é o fim do mundo”, de Lula Queiroga, produtores Yuri Queiroga e Lula Queiroga

Melhor grupo

O Rappa (“Nunca tem fim”)

Passo Torto (“Passo elétrico”)

Tono (“Aquário”)

Melhor cantor

Lulu Santos (”Canta e toca Roberto e Erasmo”)

Moska (”Muito pouco para todos”

Ney Matogrosso (“Atento aos sinais”)

Melhor cantora

Blubell (“Diva é a mãe“)

Gal Costa (“Recanto, ao vivo“)

Ná Ozzetti (“Embalar“)

Melhor álbum regional

“3 Brasis”, de 3 Brasis, produtor gravadora Kuarup

“Canta Gonzagão”, de Quinteto Violado, produtor Quinteto Violado

“Zulusa”, de Patricia Bastos, produtores Du Moreira e Dante Ozzetti

Melhor dupla regional

Caju & Castanha (“Meu Deus que país é esse?”)

César Oliveira & Rogério Melo (“Era assim naquele tempo”)

Valdo & Vael (“Brasil com ‘S”)

Melhor grupo regional

3 Brasis (‘3 Brasis’)

Quinteto Violado (‘Canta Gonzagão’)

Ticuqueiros (’Foto do mundo’)

Melhor cantor regional

Felipe Cordeiro (‘Se apaixone pela loucura do seu amor’)

Sérgio Reis (‘Questão de tempo’)

Victor Batista (‘Manchete do tico-tico’)

Melhor cantora regional

Bia Goes (‘Bia Goes’)

Maria da Paz (‘Outro Baião’)

Patricia Bastos (‘Zulusa’)

Melhor álbum de samba

‘Matéria-prima’, de Sombrinha, produtor Arlindo Cruz

‘Mundão de ouro’, de Riachão, produtores Cássio Calazans e Serginho Rezende

‘Se me chamar, ô sorte’, de Wilson das Neves, produtores Wilson das Neves, Paulo César Pinheiro e Berna Ceppas

Melhor grupo de samba

Casuarina (’10 anos de Lapa’)

• Orquestra Imperial (‘Ao vivo’)

• Sururu na roda (‘Ao vivo’)

Melhor cantor de samba

Riachão (‘Mundão de ouro’)

Wilson das Neves (‘Se me chamar, ô sorte’)

Zeca Pagodinho (’30 anos – vida que segue’)

Melhor cantora de samba

Alcione (‘Eterna alegria’)

Fabiana Cozza (‘Canto Sagrado – uma homenagem a Clara Nunes’)

Mariene de Castro (‘Ser de luz – uma homenagem a Clara Nunes’)

Finalistas especiais

DVD

Criolo & Emicida / “Criolo & Emicida – ao vivo”, diretores Andrucha Waddington, Ricardo Della Rosa e Paula Lavigne

Gal Costa / “Recanto, ao vivo”, diretores Dora Jobim e Gabriela Gastal

Zélia Duncan / “Totatiando”, diretor Regina Braga

Álbum língua estrangeira

“As canções do rei” / Leny Andrade, produtor Raymundo Bittencourt

“Canta Billie Holiday in Rio” / Leila Maria, produtor Paulo Midosi

“Zeski”/ Tiago Iorc, produtor Maycon Ananias

Álbum erudito

“Concerto antropofágico”/ OSESP, produtor Arthur Nestrovski

“Heitor Villa-Lobos – Sinfonia n° 6 e n° 7” / OSESP, produtor Arthur Nestrovski

“Rachmaninov” / OSESP, produtor Arthur Nestrovski

Álbum infantil

“A família” / Cria, produtor Vinicius Castro

“Arca de Noé”/ Vários, produtor Dé Palmeira

“Rabiola, ola, catibiribola” /Silvia Negrão, produtor Caio Gracco

Álbum projeto especial

“Ao vivo”/ Marcos Valle e Stackey Kent, produtores Marcos Valle e Jim Tomlinson

“Caymmi” /Nana, Dori e Danilo, produtor Dori Caymmi

“Sambabook”/ Martinho da Vila, produtor Alceu Maia

Álbum eletrônico

“Carnaval beach club Vol.1”/ Rodrigo Sha, produtores Rodrigo Sha e André Bastos

Source : Globo Online | 2014-04-15 11:00:00.0

KINGSTON - O astro internacional do dancehall-reggae jamaicano Vybz Kartel foi sentenciado à prisão perpétua nesta quinta-feira depois de ter sido condenado no mês passado por assassinato.

Kartel, de 38 anos, que também é conhecido como "World Boss" (Chefão Mundial), foi a julgamento pelo assassinato de um de seus antigos sócios, Clive Williams, popularmente conhecido como "Lagarto".

Williams foi assassinado em agosto de 2011 depois que uma negociação comercial não deu certo, disseram os promotores.

A Jamaica é conhecida internacionalmente como o berço do reggae e o seu artista mais famoso, o lendário Bob Marley, é um herói nacional.

O dancehall é uma ramificação mais recente do reggae, embora os críticos acusem o gênero de ter letras violentas, misóginas e homofóbicas. O estilo ganhou destaque na década de 1990 e continua muito popular na ilha.

Kartel, cujo nome verdadeiro é Adidja Palmer, não terá direito à liberdade condicional durante 35 anos, de acordo com a sentença proferida pelo juiz Lennox Campbell, da Corte Suprema.

Outros três envolvidos no crime também receberam prisão perpétua. Os advogados de defesa disseram que irão recorrer da sentença.

Source : Globo Online | 2014-04-04 01:29:47.0
O astro internacional do dancehall-reggae jamaicano Vybz Kartel foi sentenciado à prisão perpétua nesta quinta-feira depois de ter sido condenado no mês passado por assassinato....
Source : Terra Brasil | 2014-04-03 23:44:12.0

RIO — Em seu site, eles se descrevem como uma “afronta definitiva aos dogmas da MPB” e dizem que “Badtriptych” — “bad trip” mais “tríptico”, referência ao fato de o disco compilar uma trilogia (sim, eles são muito bons de título) — é a prova de que no Brasil “também tem feiura, cinismo, arrogância e maldade”. Mas o diabo não é tão feio quanto se pinta. O Satanique Samba Trio é formado por ótimos instrumentistas, que produzem momentos de beleza (às vezes clássica, muitas não convencional, mas ainda assim bela) em meio ao seu discurso de “música insuportável” e que radicalizam não contra “dogmas da MPB”, e sim a favor de uma tradição que vem das vanguardas clássicas e, na música popular, de artistas como Arrigo Barnabé e Hermeto Pascoal.

Sob faixas de nomes inspirados como “Self-destructing samba-reggae”, “Lambada post-mortem”, “Pipocalipse” e “Sodoma & Gonzaga”, o grupo se apropria da gramática do samba, do baião, do frevo e outras para construir uma língua própria. Toma timbres, levadas e fraseados desses gêneros e os rearruma anarquicamente, criando uma nova hierarquia, sob uma impressão muitas vezes de colagem. “Cliches 04, 21 & 23” liquefaz furiosamente o samba — dos tamborins ao “lalaiá”. “Ana Lidia resurrection” é uma gafieira pintada por Picasso. “Piece for throat cleaning and some latino drum” é exatamente isso — sons guturais e tambores. “Banzo Bonanza” atravessa diversas variedades do samba — o funkeado contemporâneo, o pagode, o exaltação épico, o regional — como quem atravessa uma madrugada de carnaval. Inferno? Melhor chamar de outro olhar sobre o paraíso.

Cotação: Bom

Source : Globo Online | 2014-03-28 10:00:00.0

RIO - O ar condicionado do Fosfobox parece não dar conta. São 3h de sábado, e a pista do clube de Copacabana está lotada. O calor e a umidade fazem com que os corpos quase se grudem a cada contato, a cada inevitável esbarrão. Na cabine, onde brilha um logotipo avermelhado na forma de W, o DJ mineiro Nedu Lopes, convidado da noite, mixa com precisão uma música atrás da outra, passando por versões de temas de artistas como Cutty Ranks e Dawn Penn, oriundos do reggae. Mas assim que ele dispara os primeiros acordes de “Grizzly”, da dupla britânica Nu: Logic, com sua batida peso-pesada e sua marcante linha de baixo sintetizada, a coisa realmente pega fogo. E quando entra o break, épico, antes da virada que torna a música ainda mais esmagadora, a casa vai abaixo. Como se transformados no poderoso e ameaçador urso que dá nome à faixa, todos urram ferozmente — desde o garoto com chapéu florido enterrado na cabeça às três meninas de sandálias rasteiras, que dançam juntas, fazendo passinhos de funk. Mãos são levadas para cima. Algumas pessoas giram a cabeça e batem os pés no chão, aumentando ainda mais o barulho. O clima é de catarse coletiva, como se fosse um show de heavy metal ou de hardcore. Mas essa é a Wobble, a festa eletrônica mais rock and roll da cidade.

Com três anos de vida, recém-completados, tocada e produzida pelos DJs Rodrigo S, Fabio Heinz e a dupla Marginal Men (Pedro Fontes e Gustavo Elsas), a Wobble é o chamado talk of the town, reflexo de um diálogo inovador travado pelo quarteto com um público que não parece ter muito mais que 20 anos de idade, e que compõe os dez mil seguidores da festa no Facebook. Longe das afetações que se tornaram comuns em alguns eventos de som eletrônico na cidade — tomadas por poseurs, empoleirados em suas áreas VIPs —, é essa turma, despojada, pé no chão, que comenta e frequenta as diversas edições feitas pela Wobble, uma festa independente, que consagra gêneros bem próximos do funk carioca, como o dubstep e o trap, e que se fez no boca a boca virtual.

— Acho que sem as redes sociais não teríamos a Wobble como ela é hoje. O Facebook é nossa principal mídia e ferramenta de divulgação — conta Rodrigo S, 34 anos, que trabalha com videografismos e animação há mais de uma década, e está finalizando o curso de Comunicação Social. — Temos até uma comunidade dentro da comunidade, o Wobble Crew, com 600 integrantes, superativos, que repercutem a festa e geram um conteúdo próprio. Não poderia ser diferente, até porque temos um público muito jovem, conectado, ligadíssimo, que já ouvia esses sons na internet e até em videogames, mas que não encontrava no Rio uma festa nesse formato.

Esse é o perfil do público que vem lotando os eventos da Wobble, em clubes e ao ar livre (uma nova tendência que a festa ajudou a fortalecer na cidade), por onde já passaram artistas internacionais como Diplo, Mala, DJ Craze, Addison Groove, Hatcha e Zed Bias, nomes facilmente encontráveis na escalação de qualquer grande festival na Europa ou nos Estados Unidos, além de craques locais como Marky e Bruno Belluomini. As celebrações do aniversário da Wobble vão seguir em alto estilo, no próximo dia 12, na Usina, ex-The Week, com a presença dos americanos Machinedrum e DJ Rashad.

— Nós começamos a trazer DJs estrangeiros em 2012, bem devagar, e conseguimos, aos poucos, fazer conexões com produtores na Argentina e no Chile, o que ajuda muito na hora de fechar os contratos — explica Pedro Fontes, 32 anos, que trocou os estudos de Economia pela carreira de produtor de eventos (foi promotor do clube LovE, em São Paulo) e musical (com lançamentos pelo renomado selo Renegade Hardware). — Agora, que já temos mais cancha nessa área, estamos conseguindo puxar as turnês a partir do Rio, já que o boca a boca entre os DJs lá fora também é grande. O Hatcha, por exemplo, disse que a festa em que tocou, na rua, na Vila Mimosa, foi uma das melhores da vida dele.

O Marginal Men, duo que une Pedro e Gustavo Elsas desde 2012, é mais uma das conexões criadas depois que Rodrigo S disparou um e-mail, em 2011, para um grupo de amigos, sugerindo a criação de uma festa de dubstep, então um ritmo ainda restrito ao underground — e que hoje pode ser ouvido até mesmo em um comunicado no site da Casa Branca.

— Antes de me envolver com a noite, eu tinha um selo de punk e hardcore, Oxenti Records, que já trouxe algumas bandas internacionais para tocar no Rio — conta Gustavo, 26 anos, formado em Ciências Sociais e integrante do celebrado grupo de fotógrafos do site I Hate Flash. — É engraçado porque diversos amigos meus, que vieram também do universo hardcore, hoje curtem a atmosfera rock da Wobble.

Menor em estatura, mas não em importância no quarteto multifunção que comanda a festa, Fabio Heinz foi quem pilhou Rodrigo para que enviasse o tal e-mail que resultou na formação da Wobble. Hoje, atua na festa como produtor, mestre de cerimônias e DJ.

— Fiz minha estreia na pista principal na sexta-feira passada — conta Fabio, 27 anos, formado em Cinema e que trabalha com marketing digital. — Fiquei um pouco nervoso no começo, mas depois curti. Afinal, a Wobble é uma festa horizontal. Os DJs são tão importantes quanto o público. Todo mundo está junto nessa onda.

O sucesso da festa e dos seus integrantes — o Marginal Men acaba de lançar sua primeira música, “Shake that crack”, enquanto um set recente de Rodrigo S já tem mais de 12 mil “plays” no soundcloud — não tem passado despercebido por quem vem, há tempos, acompanhando a movimentação nas pistas cariocas.

— A Wooble e sua equipe estão entre as melhores coisas que aconteceram na noite do Rio em muito tempo — conta Cabbet Araújo, há dez anos à frente do Fosfobox. — São um retrato perfeito dessa nova geração, curiosa, interessada e ativa, sem pose ou afetação.

Source : Globo Online | 2014-03-22 12:00:00.0

RIO - Continuar reunindo e apoiando gerações de cineastas negros que estão despontando dentro e fora do Brasil, mas sem deixar que o olhar europeu sobre a negritude prevaleça nas produções. Quem assume esse desafio é a diretora de arte Biza Vianna, que, após a morte do companheiro Zózimo Bulbul, em 2013, toma a frente do 7º Encontro de Cinema Negro Brasil, África e Caribe. O evento começa amanhã e vai até o dia 30.

Na entrevista que concedeu à equipe do GLOBO- Zona Sul, em sua casa, no bairro de Botafogo, Biza contou como está sendo dar seguimento, sem Zózimo, ao projeto que existe desde 2007, e já é referência em intercâmbio audiovisual, e um convite irresistível a um mergulho na cultura negra.

Você sempre esteve junto com Zózimo Bulbul à frente dos encontros. Qual é o maior desafio agora que ele se foi?

Está sendo muito difícil dar segmento aos projetos sem ele, sinto uma falta terrível. Ainda não me acostumei. O nosso casamento era também ideológico. Estive sempre na produção dos encontros, mas numa esfera mais burocrática, inclusive correndo atrás de patrocínios. Neste ano em que assumi a direção de arte, preciso manter a qualidade das discussões que são levantadas nos encontros, tarefa que o Zózimo sempre prezou.

Durante todo esse tempo em que vocês organizaram os encontros, qual o maior legado que ficou?

Hoje é possível identificar uma geração de cineastas negros. Sem dúvida, a infinidade de oficinas e palestras que já demos em países da África e os artistas que trouxemos para o Brasil ao longo desses anos são fruto desse trabalho. Atualmente, não existe nada no Brasil como o projeto do Zózimo. Ele preza o encontro. A ideia da reunião é muito importante, porque não é só uma mostra de filmes de altíssima qualidade que aborda o universo negro, a magia está na troca que ocorre ao longo dos dias. São universos muito diferentes que se encontram num espaço democrático.

Quem fez a curadoria dos filmes, como eles foram escolhidos?

A curadoria é do cineasta brasileiro Joel Zito Araújo e conta com a participação de Mansour Sora Wade, do Senegal, e Rigoberto Lopez, de Cuba, dois grandes nomes atuais. Eu assino a direção de arte. A curadoria está sendo feita visando à continuação da influência marcante do olhar de Zózimo. Ele realmente acreditava no poder transformador do cinema, achava que esse tipo de arte era capaz de mudar a concepção de um país. Manteremos essa proposta.

O que mais surpreende na safra de filmes da mostra 2014?

O que mais mexeu comigo foi a idade dos cineastas. Muitos jovens de diversas partes do Brasil, da África e de países da diáspora. Destaco especialmente os jovens Rafhael Barbosa e Viviane Ferreira. E os filmes transcendem a questão racial, partem para uma esfera etnocêntrica poética, para o deleite do espectador.

Que novidades o público pode esperar para este ano?

Com a vinda do Joel Zito Araújo para a curadoria, observamos que poderíamos focar mais no público jovem. Além de contar com vários filmes premiados no Festival Panafricano de Cinema Ouagadougou (Fespaco 2013), vamos realizar seminários no teatro da Livraria Cultura, no Centro. Teremos também ações na Baixada Fluminense.

Oficinas de roteiro e debates

Uma das novidades deste ano do 7º Encontro de Cinema Negro Brasil, África, Caribe é a ocupação da Livraria Cultura, no Centro, antigo Cine Vitória, onde Zózimo Bulbu estreou em 1962, nas telas. No espaço, serão realizados debates e oficinas voltados para o público interessado em conhecer o universo técnico do cinema. Na segunda-feira, às 9h, o senegalês Mansour Wade fala sobre o cinema contemporâneo do Senegal. Já a partir das 11h, a dupla Pascalle Obolo e Nadine Otsobogo dão um panorama sobre a nova geração do cinema africano, a partir da Mostra Cheick Oumar Sissoko.

- Amanhã, faremos a abertura no lugar onde tudo começou. Está sendo maravilhoso reunir jovens cineastas. Estamos recebendo um grupo da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Eles vão ter acesso ao conteúdo atualizado sobre a história do cinema negro, e seus caminhos até aqui. A ideia é fomentar cada vez mais produções - conta o curador Joel Zito Araújo.

O Cine Odeon também abrigará oficinas de roteiro ministradas pelo cineasta cubano Antonio Molina, na terça-feira, às 9h. Já na quarta-feira, haverá um debate sobre produção de séries para TV, às 9h.

Ingressos a R$ 4.

Veja a programação completa no site

Destaques na programação

O dia De Jerusa

Bixiga, coração de São Paulo. Jerusa, moradora de um sobrado envelhecido pelo tempo, em um dia especial, recebe Silvia, uma pesquisadora de opinião que circula pelo bairro convencendo as pessoas a responderem questionários para uma pesquisa de sabão em pó. Direção: Viviane Ferreira. Amanhã, às 17h30m; sábado, às 15h30m; terça-feira (25), às 15h30m; quarta (26), às 15h30m. Duração 20'. Classificação 12 anos.

One Man’s Show

Um ator descobre, aos 50 anos, que tem câncer. Em meio a uma profunda crise existencial, ele terá que recuperar seu ego, cuidar do filho de 12 anos e repassar o fracasso de seus casos de amor com três mulheres que marcaram importantes períodos de sua vida. Direção: Newton I. Aduaka. Amanhã, às 19h30m; e domingo, às 17h30m. Duração 81’. Classificação 14 anos.

Guimba

Sitakili, uma cidade do Sahel, vive sob a dominação de um homem, Guimba Dunbaya, e seu filho Janguiné. Kani Coulibaly é noiva de Janguin desde que nasceu. Ela é agora uma bela moça, mas nenhum pretendente ousa declarar-se, de tão grande o terror imposto por Guimba. Direção: Cheik Omar Sissoko. Duração 93'. Sábado, às 13h30m; e terça-feira (25), às 19h30m. Classificação 14 anos.

Calipso Rose

Calypso Rose é a embaixatriz da música caribenha, a diva incontestável da Calypso Music. A cineasta franco-camaronesa Pascale Obolo passa quatro anos com a diva em uma jornada muito pessoal. Direção: Pascale Óbolo. Sábado, às 15h30m, e segunda-feira (24), às 21h30m. Duração 85'. Classificação 14 anos.

Moi — Zaphira

Burkina Faso

Zaphira, uma jovem que vive com sua filha de 7 anos, não está satisfeita com sua vida e deseja um futuro melhor para a menina. Um dia, ela se depara com uma revista de moda que ilustra muitas jovens bonitas modelos de moda. Ela tem uma revelação: a filha vai ser modelo. Direção: Apolline Traoré. Sábado, às 17h30m; e quarta-feira (26), às 19h30m. Duração 161'. Classificação 18 anos.

Dialemi Gabão

Uma casa à beira-mar. Um Homem, escultor, vive ali sozinho. Ele está sem inspiração. Uma tarde, uma mulher misteriosa aparece. Ele estava esperando por ela. É um filme sobre a criatividade e sobre o amor. Sobre a inspiração que alguém desfruta. Dialemi significa “meu amor”. Direção: Nadine Otsobogo. Sábado, às 19h30m; e quarta-feira(26), às 19h30m. Duração 20'. Classificação 14 anos.

O Grande Kylapy

Joãozinho é um jovem angolano, descendente de uma rica família do período colonial. Embora seja alto executivo do Banco Nacional Angolano, ele desvia os fundos da própria instituição onde trabalha, distribuindo dinheiro aos colegas, militantes pela libertação de Angola. Joãozinho vai preso, mas, quando sai da prisão, é acolhido pela sociedade como um herói local. Direção: Zezé Gamboa. Sábado, às 19h30m. Duração 100'. Classificação 18 anos.

Mostra Nigéria

Filmes do cineasta Tunde Kelane. Domingo, às 13h30m. Classificação 14 anos.

O Que Lembro, Tenho

A idosa Maria vive num apartamento de classe média, aos cuidados da filha Joana. Direção: Rafhael Barbosa. Domingo, às 15h30m; e terça-feira (25), às 17h30m. Duração 20'. Classificação 14 anos.

Cidade de Deus — Dez anos Depois

O filme resgata os dez anos passados desde o lançamento de “Cidade de Deus” (2002) e procura mostrar as transformações vividas pelos atores do longa na última década. Direção: Luciano Vidigal e Cavi Borges. Domingo, às 15h:30m. Duração 75'. Classificação 14 anos.

Aconteceu no Pelô

Em Salvador, Bahia, uma tranceira e um rastafari entram em choque por causa da rivalidade de seus times. Intercessão de uma banda de Reggae muda o desfecho do conflito. Direção: Flávio Leandro. Domingo, às 17h30m, e terça-feira (25), às 15h30m. Duração 6'. Classificação 14 anos.

O Velho Rei

A partir de um pedido inusitado de sua filha Cleonice, que vive fora do país, Climério passa a gravar tudo o que vê à sua volta, com a câmera enviada por ela, contando uma história através das memórias do passado e o encantamento do presente. Direção: Ceci Alves. Domingo, às 19h30m; terça-feira (25), às 15h30m; e quarta-feira (26), às 15h30m. Duração 9'50'. Classificação 14 anos.

Remoção

Filme documentário sobre o processo de remoção das favelas da zona sul do Rio de Janeiro, nas décadas de 1960 e 1970, que deram origem à criação de conjuntos habitacionais, como Vila Aliança, Cidade de Deus, Cidade Alta e Cruzada São Sebastião. Direção: Luiz Antonio Pilar e Anderson Quack. Domingo, às 19h:30m. Classificação 14 anos.

Todos os filmes citados acima, serão exibidos no Cine Odeon Petrobras. Praça Floriano 7, Centro. Ingresso a R$ 4.

Veja a programação completa no site .

Source : Globo Online | 2014-03-22 10:00:00.0

RIO - Musicalmente, o Pará é um Caribe amazônico, formado graças às rotas de contrabando. Nos anos 1950, os navios que traziam perfumes e uísque carregavam também vinis de merengue, salsa e zouk. Sessenta anos depois, a influência das sonoridades caribenhas fez a música paraense desaguar no tecnobrega e em seu principal palco, as festas de aparelhagem.

Não só a música, mas também as estruturas monumentais de som — que piscam, rodopiam e soltam fogo — têm uma história de mais de seis décadas. E é essa memória que o americano Darien Lamen, professor de etnomusicologia da Universidade de Wisconsin, busca preservar. Em parceria com o pesquisador musical Milton Almeida Júnior, de Belém, ele toca o Projeto Sonoro Paraense, site que recolhe depoimentos da velha guarda das aparelhagens (www.sonoroparaense.com). O projeto ainda inclui um documentário para a TV, que está sendo filmado pelo cineasta de Belém Afonso Galindo, e, no futuro, um museu das aparelhagens.

— Quando cheguei ao Brasil, para estudar a influência do Caribe na música brasileira, minha parada inicial foi o Nordeste. Lá, vi pela primeira vez o Mestre Vieira apresentar a guitarrada. E descobri que havia outro Caribe no país, que não é o Caribe do reggae, mas da cumbia e do merengue. Fui para Belém e passei três anos lá. Desde então, costumo voltar duas vezes por ano — conta Lamen, que fez 200 entrevistas durante a pesquisa.

A história que Lamen e Júnior buscam recuperar é a que veio antes da moderna aparelhagem “ostentação” — caso de Superpop, Rubi, Tupinambá e outras. Elas começaram em carrinhos de mão com um toca-discos ligado a um alto-falante, chamados nos anos 1950 de “picarpes”, e nos “sonoros”, estruturas já potentes de música, mas ainda distantes do espetáculo cheio de som e fúria de hoje. Naquela época, o “projetor de som” levava o singelo apelido de “boca de ferro”. Depois de três músicas, era preciso trocar a agulha, porque os discos de cera de carnaúba a cegavam. No começo, picarpes e sonoros tocavam nas gafieiras da periferia. Depois, nas chamadas “sedes”. A lógica era se apropriar da tecnologia de som estrangeira.

Aparelhagens como essas podem ser vistas nas fotos da mostra “Área 91”, de Thales Leite, em cartaz no Oi Futuro. O fotógrafo reúne tanto estruturas de som contemporâneas quanto as “de raiz”, mas ainda em atividade. É o caso da Brasilândia, que aparece na pesquisa de Lamen e, como outras surgidas no começo do movimento, hoje é vista nos “bailes da saudade” — festas que só tocam músicas daquele tempo, voltadas para um público mais velho. No início dedicadas ao bolero, essas festas ficaram mais agitadas com a entrada no merengue, que deixou os passos dos dançarinos mais soltos. A ele somaram-se, depois, o forró, o brega, a rumba e outros gêneros.

— A narrativa dominante do tempo da ditadura militar era que o avanço tecnológico salvaria a Amazônia. Como se a tecnologia viesse do centro para salvar a periferia — diz Lamen, num português com sotaque paraense. — Mas é o contrário. A periferia se apropria dessa tecnologia e faz outra coisa com ela. Claro que é uma forma de sobrevivência, mas também uma forma de arte. Muitos pensam no Norte do Brasil como um lugar provinciano, mas essas festas de subúrbio eram um espaço muito cosmopolita.

Um dos personagens mais importantes relembrados pelo Projeto Sonoro Paraense é Milton Almeida, pioneiro dos sonoros e pai de Milton Júnior, parceiro de Lamen na pesquisa. Filho de um garimpeiro de ouro no interior da Amazônia, Almeida se apaixonou pela tecnologia num parque de diversões. Era ele que comandava a roda-gigante, a montanha-russa e o Sputnik, um imenso brinquedo de metal que virava de cabeça para baixo em alta velocidade — “Ele guarda até hoje o segredo da transformação da Monga, a mulher monstro, e não revela para ninguém”, diz o filho. Dali para manipular equipamentos de som foi um pulo. A aparelhagem dele, a Alvi Azul, toca até hoje no interior do Pará.

— Meu pai sempre foi um cara curioso. Ele não se conformava com o que já vinha montado do mercado, achava pouco, queria mais amplificação do som. A aparelhagem sempre fez parte da nossa cultura. Ela acompanhava de aniversários a enterros. Eu praticamente nasci dentro de uma — diz Júnior. — Criamos o projeto porque as pessoas mais velhas estão morrendo, e não queremos que essa história vire só um papo de bar.

Como outros donos de sonoros, Milton Almeida gastava noites sem dormir em busca do som mais equalizado, do eco perfeito. O que fazia a diferença entre um sonoro e outro era a personalidade do dono e os discos que ele possuía — com a setlist escolhida pelo “discotecário” e executada pelo “controlista”, o precursor dos DJs das aparelhagens.

Em um ambiente de baixa escolarização, as músicas em espanhol ganhavam apelidos. Um disco com duas vacas na capa, por exemplo, virava o “Merengue da vaquinha”. Se uma música vinda da Guiana Francesa usava a palavra petit, ela virava tipiti, a prensa usada para secar a mandioca.

Os donos de aparelhagem também eram procurados por artistas sem espaço nas rádios, para conseguirem se tornar conhecidos. Também enfrentavam a repressão da polícia, como todos os movimentos culturais na periferia.

— Eles também tiveram um papel fundamental nas gravações de carimbó. Mestre Verequete e Pinduca não tinham suas músicas em vinil e foram convencidos a gravá-las pelos donos de aparelhagens. Era difícil para os grupos de carimbó gravarem suas canções — diz Afonso Galindo, diretor do documentário em produção.

“Para além da saudade”

Apesar de os “bailes da saudade” serem comuns no Norte do país, a ideia do Sonoro Paraense, afirma Lamen, é um “resgate para além da saudade”. Por isso, ele e Júnior também se dedicam a recuperar os equipamentos sonoros da época e a promover encontros da velha guarda nas antigas sedes, onde exibem os equipamentos. Montaram, por ora, uma espécie de museu itinerante.

Apesar de querer fugir do saudosismo, Lamen lamenta que, na era da aparelhagem “ostentação”, só o tecnobrega prevaleça como ritmo em meio à riqueza que deságua por ali. E cita o poeta paraense Ruy Barata: “Eu sou de um país que se chama Pará/ Que tem no Caribe seu porto de mar.”

Source : Globo Online | 2014-03-17 12:00:00.0

RIO - Há um novo som em Salvador. Mundialmente conhecida por seu carnaval, pelo axé e também pela forte influência da cultura africana nas tradições locais, a Bahia tem adentrado outro terreno fortemente relacionado com a diáspora negra: a bass music.

Do reggae ao dub, passando pelo hip-hop, onde você escutar um grave pulsando e uma batida conduzindo o transe, pode ter certeza de que a África está ali. Portanto, era de se esperar que o som eletrônico que carrega o grave no nome e que é a base do recente sucesso do dubstep e do trap encontrasse ecos na capital baiana.

Nesse movimento estão grupos como A.MA.SSA, Som Peba e Bemba Trio e DJs como Mauro Telefunksoul, Hashta, Lucas Brasil, Kongo, Toshiro, Murilo Lobo. Recentemente, alguns deles foram reunidos na coletânea “Bass culture Bahia”, lançada pelo governo do estado, que serviu como catalisador dessa cena.

— Esse conceito de bass para nós foi sempre uma experiência bastante familiar — explica Mahal, do A.MA.SSA. — Ouvimos reverberar pela cidade essa sensação de potência, em carros com paredões de som tocando pagodão, muitas vezes distorcido pela obsessão pelo grave, em festas com tropas de percussionistas tocando e, no topo da cadeia do poder sonoro, potentes em trios elétricos empurrando a massa.

Para Mahal, uma revolução na concepção musical vem acontecendo em diversos guetos do planeta, e Salvador não é uma exceção.

— É música de periferia, baseada na tecnologia, ligada ao regional, mas sendo pensada mundialmente — afirma.

Telefunksoul, integrante dos coletivos Pragatecno, Crokant e Naxapa Controle de Som, acredita que a “mandinga, percussão forte, suingue, calor humano e a musicalidade” do baiano são um fator diferencial no som produzido em Salvador. Já Pedro Marighella, nome por trás do Som Peba e do OMÃ (esse com Thiago Felix), enxerga um posicionamento político nesse som.

— Apesar de a música de periferia ter a produção mais instigante da Bahia, o estado ainda sofre muito com as diferenças sociais e o racismo. A parte da população que atua nessa produção não é diretamente atendida pelos benefícios que ela gera. Canibalizar essas referências é também uma ação política.

Apesar dos avanços, Telefunksoul afirma que não é fácil encontrar espaço para esse som em Salvador.

— Todo e qualquer som mais alternativo é complicado de se trabalhar por aqui. Apesar de Salvador ser a terra do reggae e do samba-reggae, temos poucos lugares apropriados para se ouvir um bom soundsystem — diz ele

Mahal, porém, é otimista na expansão desse movimento “bass”:

— A Bahia vem assumindo cada vez mais o legado tropicalista de passear pelo mundo sem sair de casa. Já podemos observar o início dessas movimentações em outras cidades fora de Salvador. Mesmo que ainda bem tímido, já é um sinal de amplitude.

* Bruno Natal escreve na página Transcultura, publicada às sextas-feiras no Segundo Caderno

Source : Globo Online | 2014-03-14 12:00:00.0

"Samba Rock Esporte Club" mistura samba, hip-hop, reggae, entre outros. Músicas autorais fazem parte do show, realizado todos os domingos.
Source : G1.com.br | 2014-03-14 11:10:01.0

RIO - Uma mistura de jazz e blues deu ares de Nova Orleans ao desfile da Orquestra Voadora, realizado na tarde desta terça-feira, no Aterro do Flamengo. Com a força da bateria e dos metais de cerca de 200 ritmistas e o encantamento de 30 bailarinos em pernas de pau, o bloco arrebatou 90 mil pessoas, segundo a Riotur. O cortejo ainda foi precedido do casamento dos foliões Fábio Martins, de 33 anos, e Suane Martins, de 31. A união precedeu o início do bloco e foi muito aplaudida pela multidão.

A cerimônia de casamento ficou a cargo do animador do bloco, Carlos Eduardo Smith, conhecido como Lencinho. Ele sacramentou a união de Fábio e Suane, que moram em Nilópolis e vivem juntos há nove anos.

- Nesses tempos de vamos ver o que vai dar, os foliões Fábio e Suane decidiram casar no bloco. Dizem que o que o que.move o mundo é o dinheiro, o trabalho. O que move o mundo é o amor. Eu vos declaro marido e mulher - disse Lencinho para delírio da multidão.

A cerimônia vai ao encontro da temática do bloco que é "o amor move o mundo". Fábio Martins contou que se casou com Suane no cartório há um mês, mas decidiu esperar para fazer a festa no bloco de carnaval.

- É muito divertido. A nossa idéia é casar em vários lugares. No ano que vem vamos ao Peru e pretendemos casar em Machu Picchu - afirmou o folião recém casado.

A orquestra começou o desfile na altura do coreto modernista, na altura do Hotel Novo Mundo, no Aterro. O cortejo foi até a altura do Museu de Arte Moderna.

Apesar de enfrentar problemas no som, a orquestra divertiu foliões com ritmos como Jazz, Blues, Hip Hop, Marchinhas, Rock, MPB e Reggae e Maracatu. Nos intervalos entre uma música e outra foliões aproveitavam pra protestar aos gritos de "Não vai ter Copa!" e "Fora Cabral".

- A intenção da orquestra é subverter outros ritmos numa linguagem de samba e percussão - afirma Lencinho, que é mestre de cerimônias do bloco.

De acordo com a produtora da orquestra, Michelle Fran?a, colocar o bloco na rua está cada vez mais caro.

- No ano passado gastamos R$ 37 mil. Esse ano já foram R$ 45 mil. Metade desse valor foi bancado com patrocínio. O restante saiu do nosso bolso. Conseguimos colocar o bloco.na rua graças ao shows que fizemos pelo Brasil afora - disse a produtora.

Durante a apresentação da Orquestra Voadora, os agentes da Secretaria de Ordem Pública(Seop) levaram 46 pessoas, sendo 12 mulheres e um estrangeiro, para a delegacia por urinarem nas ruas.

Source : Globo Online | 2014-03-04 21:47:10.0

RIO - Aquelas músicas que você mais gosta dos anos 1980 e 1990 foram embaladas numa roupagem carnavalesca recheada de batuque, sob o comando do bloco oficial de carnaval da festa Ploc, que aconteceu na Praça Barão de Drummond, em Vila Isabel. O bloco se apresentou pela primeira vez no carnaval carioca e, segundo Luciano Vianna, organizador do bloco e da festa de mesmo nome, o repertório foi elaborado por 14 ritmistas para que todos pudessem viver seu momento de nostalgia. Segundo a Riotur, 5 mil pessoas participaram do evento que mais cedo teve o bloco Thriller Elétrico.

Gabriela do Valle, de 21 anos, que é estudante de Odonto, vibrou ao escutar as frenéticas. Ela saiu de Jacarepaguá para celebrar a apresentação do bloco. Ao lado dela, Bruno Roberto Flores da Cunha, que saiu da Barra da Tijuca, brincava com a fantasia do personagem Ryu, do jogo Street Fighter.

A Ploc saudou os anos 80 com batucadas de sambas-enredo retrô até clássicos do funk, trash, infantil. O grupo foi apadrinhado pelo cantor Silvinho Blau Blau e levou duas ex-paquitas para serem rainhas do bloco.

O bloco distribuiu 800 espadas de plástico do herói infantil He-Man para o ápice da festa. Quando a música do desenho tocou, todos levantaram suas espadas.

- É dessa forma que a Ploc mostra aos foliões quem realmente tem a força, o público - disse Luciano Vianna.

Concurso de Moon Walker anima fãs e foliões

Mais cedo, o bloco Thriller Elétrico, criado em homenagem ao rei do Pop Michael Jackson, deu o tom da festa antes da apresentação da Ploc. O repertório, levado por 50 ritmistas, segundo o organizador do bloco Antônio Elias Saviani, foi caprichado para que os fãs matassem a saudade do ídolo. Já na concentração, hits como Billy Jean, Thriller, Bad, I want you back, Human Nature e Of the wall, contagiaramn o público. O chapéu do astro era vendido no local pelo valor de R$ 10.

As músicas foram apresentadas em versão de Funk, Samba, Reggae, chote e cirandas. Grande emoção marcou a apresentação na hora em que a canção Black and White foi cantada. Em sintonia com a plateia, os ritmistas realizaram uma “paradinha” enquanto o mestre da bateria gritava “Direita, esquerda, dois passos pra frente e ôla!”.

Um cover do Michael Jackson contratado pela organização do bloco esteve no palco em todas as músicas e fez a galera delirar. Rogi Sasha é professor de dança do grupo Dança Arte, na Rua do Rezende, no Centro, onde ensina aos alunos passos do astro em suas aulas.

- Comecei me apresentando pelos bares do Méier e hoje muita gente me chama para os eventos ligados ao Michael - disse.

A grande novidade do bloco foi o concurso de Moon Walker, que elegeu o folião Robson Viana de Oliveira como o melhor representante do passinho imortalizado pelo rei do pop, marca registra de Michael Jackson.

- Não sabia que ia ter esse concurso. Quando anunciaram no microfone eu corri para a fila no palco e não acredito que fui o mais aplaudido de todos! Foi a primeira vez na minha vida que me vi sendo aplaudido andando pra trás - vibra Robson, morador do Santíssimo e integrante do fã clube MJFC Brasil, que ainda trouxe uma dica para quem quer realizar o passo com perfeição:

- A dica é assistir ao próprio Michael Jackson dançar, de preferência nos shows de música ao vivo, quando ele melhor executa o passo - frisa.

Diferente do ano anterior, o bloco também decidiu prestar homenagem aos Jackon Five, já demonstrando que alguns foliões vieram afiados com as coreografias. Durante a passagem de som da canção ABC, muitos dançaram. Fãs de Michael Jackson, Vera Ledelenco, Weliton Bastos, Ana Flávia Bastos e Alexandra Varj chegaram cedo, vestidos de Família Adams, em homenagem ao famoso videoclipe Thriller.

- Viemos de monstros e elaboramos nós mesmos as fantasia com o que tínhamos em casa e vamos ficar até o final mergulhando nesta magia de Carnaval. Sabemos que o Michael foi muito querido nesta país, principalmente depois que esteve no Dona Marta. E a figura dele ainda é muito acesa entre os cariocas - disse Alexandra.

Source : Globo Online | 2014-03-02 15:35:52.0

RIO - As mesmas perguntas que guiam um bom texto jornalístico — quem? quando? onde? como? por quê? — servem também para levar o diretor alemão Ralf Schmerberg numa viagem quase mística pelos sinuosos caminhos da criação musical no recém-lançado documentário “What difference does it make?” (“Que diferença isso faz?”). Produzido em meio às celebrações dos 15 anos da Red Bull Music Academy — uma experiência única no meio, que reúne artistas de diferentes gêneros, gerações e status, em eventos realizados anualmente, cada vez em uma cidade diferente —, o filme, que pode ser visto on-line, registra uma das etapas desse circuito, realizada em Nova York no ano passado. Com uma série de entrevistas, encontros e debates, a câmera de Schmerberg revela momentos de reflexão, raramente tornados públicos, de Brian Eno, Debbie Harry, James Murphy (LCD Soundsystem), Nile Rodgers, Erikah Badu, Phillip Glass e Giorgio Moroder, entre outros.

O celebrado produtor italiano de disco, renascido graças à sua participação no álbum “Random access memories”, do Daft Punk, por exemplo, aparece numa das cenas do filme, confessando o nervosismo antes de uma apresentação, como DJ, num dos eventos paralelos à academia. “Parece que há muita gente querendo me ver. Espero não sentir a pressão. Mas vou beber duas taças de vinho e fazer o que tiver vontade”, diz Moroder, de 73 anos. Já a ex-cantora do Blondie dá uma inusitada dica aos seus seguidores durante uma palestra: “Não se esqueçam de tirar férias. Trabalhamos por sete anos sem parar, e isso traz uma pressão intensa. Parar é importante”, afirma Debbie. Erykah Badu, por sua vez, fica visivelmente desconcertada quando alguém, durante uma palestra, revela que a música da estrela do soul mudou sua vida. “Acho incrível ter causado isso, já que meu trabalho sempre seguiu um modelo egoísta de produção”, conta ela. E Eno, ao mesmo tempo em que revela a forma quase mediúnica como compõe (“A música toma conta de mim”), faz a pergunta que gerou o título do filme, quase uma sessão de análise das estrelas: “Por que estou fazendo isso? Que diferença isso faz para o mundo?”

— Queria olhar a música de forma humana, e não fazer um filme para especialistas. A ideia era achar a linguagem da música e tentar entender como esses artistas se conectam com seu trabalho — conta Schmerberg. — No final, consegui que eles se abrissem para as câmeras. E ri e me emocionei junto com seus depoimentos.

Os festejos em torno do Red Bull Music Academy — que passou por São Paulo em 2002 e cuja próxima edição é em Tóquio, em outubro — não se resumem a “What difference does it make?” e incluem também “For the record — Conversations with people who have shaped the way we listen to music”, um parrudo livro de 400 bem desenhadas páginas com variações desse confessionário musical. Editado por Many Ameri e Torsten Schmidt — os idealizadores da Red Bull Music Academy —, o “coffee table book” reproduz o bate-papo entre artistas e grupos como Mulatu Astatke (o mestre do jazz etíope) e Buraka Som Sistema (o grupo português de kuduro); e Lee Perry (o gênio do reggae psicodélico) e Adrian Sherwood (o veterano produtor britânico), abordando os meandros do processo criativo.

— Sempre estivemos interessados em documentar esses encontros, já que às vezes é difícil explicar tudo o que envolve a academia — explica Ameri. — E, mesmo com todas as inovações tecnológicas, o livro é um formato clássico e adorável de imortalizar isso. Nele, os próprios artistas se explicam. É como se levassem as discussões para o sofá do leitor.

Início num galpão em Berlim

Em sintonia com filme e livro, Ameri também aproveita a data para refletir sobre o evento que ajudou a criar, inicialmente realizado em um galpão em Berlim e que evoluiu de um encontro entre DJs e produtores de sons alternativos para se transformar em um grande simpósio musical, que inclui também uma revista e uma rádio on-line. O cofundador do evento também responde pela curadoria de palcos em festivais como Sónar, na Espanha, e Montreux, na Suíça.

— Desde o começo, nossa ideia era reunir artistas de diferentes origens, fosse Gilberto Gil ou Flying Lotus, para que refletissem sobre seu processo criativo e ajudassem a inspirar as novas gerações. Era uma época bem diferente, quando a informação não estava tão acessível como agora, graças à internet, e havia uma demanda enorme por esse tipo de conhecimento — lembra ele. — Mesmo hoje, ainda é difícil reunir talentos assim, sem um compromisso comercial e em um nível mais humano, como nesses encontros, em que vale mesmo é o olho no olho. Por isso, acho que ainda temos um longo caminho pela frente, já que o interesse pela criação musical não se esgota nunca. Até porque o acesso a ferramentas de produção se democratizou incrivelmente. Quase todo mundo pode fazer música em casa hoje. Mas a inspiração vai sempre nos assombrar e encantar.

Source : Globo Online | 2014-03-02 10:00:00.0

A escola de samba União da Ilha da Magia, atual bicampeã do Carnaval de Florianópolis, levou o reggae para a passarela, na madrugada deste domingo (3), ao homenagear o cantor Bob Marley....
Source : Terra Brasil | 2014-03-02 06:31:33.0

RIO - A Jamaica não é aqui. Aqui é o Rio. E foi num tremendo clima carioca — todo mundo conversando no fundo, tirando fotos e depois conversando ainda mais alto — que Céu exibiu sua delicada e elegante versão de “Catch a fire”, imortal álbum de Bob Marley & The Wailers, ontem à noite na Miranda. Foi uma noite de reggae social clube.

O balanço começou com a leitura de “Concrete jungle”, que Céu já havia gravado em seu homônimo disco de estreia, lançado em 2005. A música serviu como uma espécie de amaciante para a cantora e sua banda, que fluiram suavemente para “Slave driver”, com a dinâmica do reggae — baixo e bateria destacados e guitarra marcante — já mais acentuada e a voz de Céu fluindo arrepiante na letra “catch a fire, so you can get burn” (”Pegue fogo, assim você pode se queimar”).

"Catch a fire" é um disco de peso. Foi o primeiro trabalho do gênero a ser criado com o conceito de álbum, coerente da primeira à última faixa, graças à mágica interação entre Marley, Peter Tosh e Bunny Wailer, à estupenda cozinha dos irmãos Barrett (Carlton, bateria, e Aston, baixo) e aos mágicos vocais de Rita Marley e Marcia Griffiths (que mais tarde formariam as I-Threes). Tem duas versões: a do disco, que se tornou mundialmente conhecida, com pequenas inserções feitas por músicos de estúdio depois das sessões originais, e a jamaicana, menos conhecida, apenas com as gravações sem retoques.

Foi essa versão, mais crua e seca, que a banda de Céu pareceu ter optado, deixando o colorido para a cantora. Juntos, brilharam em hipnóticos efeitos de dub inseridos em músicas como “Kinky reggae” e “No more trouble”. E na falta de um grupo vocal de apoio — excetuando a contribuição involuntária da turma do bate papo no fundo do palco — o jogo de canto e resposta feito por Rita e Marcia foi subvertido e reproduzido por vocais masculinos feitos por integrantes da banda. Homens cantando em falsete, algo que Céu declarou amar.

Depois de ser percorrido com segurança e leveza, o “Catch a fire” de Céu foi apagado, já no bis, com uma dobradinha que mixou “Concrete jungle” com “Cordão da insônia”, do segundo disco da cantora, “Vagarosa”. Nome perfeito, aliás, para uma noite de lento encantamento.

Cotação: bom

Source : Globo Online | 2014-03-01 18:30:00.0

Com dreadlocks coloridos, Denny, cantor da Timbalada, subiu ao trio para abrir o Carnaval de Salvador  com o desfile do bloco Nana Banana. A banda fez uma homenagem ao reggae, ritmo que embalou a festa nesta quinta-feira (27), entre um axé e outro....
Source : Terra Brasil | 2014-02-28 03:34:19.0

Faixa está no próximo álbum da cantora, previsto para dia 25 de março. Colombiana diz que novo álbum tem 'rock, folk, reggae e ritmo dançante'.
Source : G1.com.br | 2014-02-25 12:54:41.0
O cantor Wayne Smith, cuja canção "Under Mi Sleng Teng" ficou famosa por mudar a maneira como o reggae era produzido, morreu nessa segunda-feira (17) aos 48 anos. As informações são do jornal britânico "The Guardian". Segundo o diário, Smith deu entrada no Kingston Public Hospital, na Jamaica, na sexta-feira (14), com fortes dores no estômago.

Uma autópsia será realizada para determinar a causa da morte. Oriundo da cidade jamaicana de Waterhouse, Wayne Smith começou a trabalhar na década de 1980, ao lado de Lloyd "King Jammys" James, que produziu &
Source : folhadaregiao.com.br | 2014-02-19 09:36:32.0

RIO - Morreu na Jamaica o cantor Wayne Smith, aos 48 anos, de causa ainda não divulgada. Ele foi um dos pioneiros do dancehall, o reggae digital, que surgiu na ilha nos anos 1980. Nascido em Kingston, Smith começou sua carreira naquela década e causou impacto com o lançamento, em 1985, de “Under mi sleng teng”, ao lado do produtor King Jammy. Foi a primeira faixa do estilo composta inteiramente com uma bateria eletrônica.

Depois dela, o dancehall explodiu na Jamaica, aproximando o reggae do hip-hop (e, para muitos puristas, o afastando das raízes do estilo). Como a criação digital era mais barata que contratar uma banda, outros produtores adotaram a fórmula, criando discos com apenas uma base (o chamado “riddim”), com vários cantores e MCs cantando por cima dela. Desdobrando-se posteriormente em ramificações como o ragga, o dancehall é popular ainda hoje na Jamaica.

Source : Globo Online | 2014-02-18 21:15:00.0

RIO — A partir de março, a música ganha uma escala maior em todo o mundo. Com o SXSW, que acontece entre os dias 7 e 16, no Texas, nos EUA, começa a temporada dos grandes festivais de rock (e outros estilos paralelos). Até o fim do verão europeu, em setembro — período que concentra a maior parte desses eventos —, eles vão reunir centenas de artistas, das mais variadas tendências e estilos, dos mais próximos ao pop aos mais ligados ao underground. Uma boa apresentação num desses festivais costuma repercutir notavelmente, levantando carreiras novas ou reativando outras adormecidas.

Um dos nomes mais quentes do ano é a dupla de hip-hop Outkast, que volta aos palcos depois de sete anos afastada, com presença confirmada no Coachella, que vai ser realizado em abril, na Califórnia (foi ali, há dois anos, com uma “aparição” do saudoso rapper Tupac Shakur, que começou a onda dos hologramas em shows). Os canadenses do Arcade Fire também são vistos em destaque em várias escalações, como a do Lollapalooza Brasil — marco local nesse circuito, programado para abril em São Paulo — e a do prestigioso Primavera Sounds. Anunciado recentemente, o time do festival espanhol, que vai ser realizado em maio, em Barcelona, traz também Caetano Veloso como uma das suas principais estrelas, além de outros artistas brasileiros, como Rodrigo Amarante e Móveis Coloniais de Acaju (de Brasília).

Como alguns festivais ainda não anunciaram suas escalações, ou só anunciaram parte delas, é também a época dos boatos e das especulações online, feitos por aguçados cruzamentos de agendas ou mesmo por puros chutes. Assim, diz-se que Prince deve tocar no tradicionalíssimo Glastonbury, em junho, na Inglaterra, e também no Bonnaroo, no mesmo período, nos EUA — junto com Elton John, outra esperança dos fãs para o festival realizado no Tennessee, que teria também o Outkast (que, por sua vez, é esperado em Glastonbury).

Na Croácia, rock é dispensado

Em meio às especulações, cada evento tenta marcar presença no calendário com seu perfil de atrações, já confirmadas ou não. Realizado em dois fins de semana seguidos, o Coachella tem jeito ensolarado (seus palcos ficam no meio do deserto californiano). Por sua proximidade de Los Angeles, é comum ver celebridades de Hollywood misturadas à plateia, fazendo o papel de gente comum. Já o SXSW não tem perfil de grandes nomes, optando por reunir vários artistas e bandas, a maior parte de novatos, em diferentes palcos espalhados pela cidade de Austin (do Brasil, Tiê, rotulada como “folk”, e Rogê, como “world”, estarão por lá).

O Primavera Sounds, por sua vez, investe no perfil rock/pop/eletrônica, afastando-se da sombra do seu conterrâneo, o Sónar, tradicionalmente dedicado à vanguarda dos sons eletrônicos. A presença de Caetano Veloso em sua escalação gerou mais um boato: o de que o artista baiano vai fazer um show apresentando o disco “Transa”, de 1972, na íntegra.

Contrastando com os grandes nomes que muitas vezes se repetem nos outros eventos, o emergente Outlook Festival, que acontece na costa da Croácia, radicaliza e faz uma aposta única. Sua escalação é em torno dos sons que privilegiam as baixas frequências, a chamada “bass culture”, cada vez mais popular com o público abaixo dos 30 anos. Ali o rock não tem vez: o que vale é dubstep, drum’n’bass, dub e hip-hop.

Roteiro tem de Outkast a Caetano Veloso, confira:

SXSW Music Festival

Onde: Texas, EUA

Quando: 7 a 16 de março

Destaques: Lee Bannon, Julian Lennon, Machinedrum, The Magic Numbers, Bernie Worrel Orchestra

Perfil: Rock, soul, eletrônica

Lollapalooza Brasil

Onde: São Paulo

Quando: 5 e 6 de abril

Destaques: Muse, Arcade Fire, Soundgarden, Lorde, Nine Inch Nails, New Order

Perfil: Rock, pop

Coachella

Onde: Indio, Califórnia

Quando: 11 a 13, 18 a 20 de abril

Destaques: Outkast, Muse, Arcade Fire, Beck, Disclosure

Perfil: rock alternativo, eletrônica

Primavera Sounds

Onde: Barcelona, Espanha

Quando: 29 a 31 de maio

Destaques: Arcade Fire, Nine Inch Nails, Caetano Veloso, Kendrick Lamar, Pixies

Perfil: Rock alternativo, pop, eletrônica

Sónar

Onde: Barcelona, Espanha

Quando: 12, 13 e 14 de junho

Destaques: Massive Attack, Rudimental, Caribou, Plastikman, Four Tet

Perfil: Eletrônica, experimental

Bonnaroo

Onde: Tennesse, EUA

Quando: 12 a 15 de junho,

Destaques (ainda não confirmados): Outkast, Nick Cave & The Bad Seeds, Elton John, Prince, Foo Fighters

Perfil: Rock, pop

Glastonbury

Onde: Pilton, Inglaterra

Quando: 25 a 29 de junho

Destaques (ainda não confirmados): Arcade Fire, Prince, Robert Plant, Metallica, Outkast

Perfil: Rock, pop

Outlook Festival

Onde: Pula, Croácia

Quando: 3 a 7 de setembro

Destaques: Busta Rhymes, Horace Andy, Goldie, Buraka Som Sistema, Jah Shaka

Perfil: Eletrônica, reggae, hip-hop

Source : Globo Online | 2014-02-16 11:00:00.0
‘Breggae’ é uma mistura de brega com o reggae. Evento é neste sábado (15) no Espaço Alter do Chão.
Source : G1.com.br | 2014-02-14 00:17:27.0

RIO - Até o começo dos anos 1970, o reggae rodava na Jamaica de forma compacta, em pequenos discos de vinil de sete polegadas: uma música no lado A e sua versão instrumental (dub) no lado B. Álbuns nada mais eram do que uma coleção de singles de um determinado artista, reunidos por produtores e donos de estúdios, que comandavam o mercado fonográfico na ilha e ficavam sempre com a fatia maior dos lucros. Mas uma brisa mística estava no ar e tudo iria mudar, sussurravam os profetas rasta, entre baforadas de ganja.

Para Bob Marley, um talento forjado nas esquinas de Trenchtown, uma das favelas de Kingston, o sinal de mudança veio em 1971, com o convite para viajar rumo à Suécia e compor a trilha sonora de um filme estrelado pelo cantor americano Johnny Nash. O projeto não vingou, mas serviu para que, por intermédio de um empresário, Marley levasse da Jamaica seu grupo, The Wailers (Peter Tosh, Bunny Wailer e os irmãos Aston e Carlton Barret), para acompanhá-lo em uma curta turnê pela Europa. Só que esta também não vingou, e os Wailers se viram jogados à própria sorte, abandonados em Londres, sem dinheiro e sem perspectivas.

Com a ajuda de um promotor local, Marley conseguiu marcar uma reunião com Chris Blackwell, um empresário inglês, criado na Jamaica, dono da gravadora Island. Na tentativa de reverter aquele fiasco, Marley sugeriu a Blackwell, que já conhecia sua fama, algo inusitado: um álbum de reggae, assim pensado, do começo ao fim, e não apenas uma reunião de singles. O “sim” veio acompanhado de um adiantamento de algumas milhares de libras, com as quais os Wailers voltaram à Jamaica e começaram a gravar o disco.

Quando Marley retornou a Londres, quase um ano depois, com as fitas master do disco, Blackwell ficou boquiaberto com o resultado: nove militantes faixas que misturavam a religiosidade quase psicodélica dos rastas com temas sobre racismo e injustiças sociais. Com planos ambiciosos para o grupo e o sonho de que ele atingisse o público do rock também, Blackwell convidou dois músicos de estúdio (o tecladista “Rabbit” Bundrick e o guitarrista Wayne Perkins) para que fizessem pequenas inserções no disco, para torná-lo mais radiofônico e menos bruto.

Tais detalhes não diluíram a intensidade de “Catch a fire”, lançado em 1973, inicialmente com a reprodução de um isqueiro na capa e depois com a imagem que o tornou famoso: Marley, com sua cabeleira louca, desafiador, fumando um baseado. O reggae tinha chegado à superfície e, de fato, tudo iria mudar.

Source : Globo Online | 2014-02-12 11:00:00.0

RIO - A previsão para os dias 28 de fevereiro e 1° de março no Rio é de Ceú com rajadas de reggae. E não é uma nuvem passageira essa que vai trazer a cultuada cantora paulistana ao palco da Miranda, em cima do carnaval, para dar sua versão de “Catch a fire”, o clássico disco de Bob Marley and The Wailers, lançado em 1973. A artista, que já batizou seu segundo disco de “Vagarosa” (2009) e fez uma música chamada “Manemolência” no seu homônimo álbum de estreia (2005), garante que tem sintonia com o desacelerado ritmo jamaicano desde os tempos de adolescente.

— A música jamaicana faz parte da minha vida — conta ela. — E, ao longo dos anos, essa paixão só foi crescendo, à medida que ia descobrindo novos artistas e comprando discos, fossem de ska, lovers rock ou dancehall. Como cantora, é uma escola muito boa, porque há muitas referências de soul e r&b nos seus intérpretes. E, no geral, há também muita coisa legal em termos de texturas e timbres.

De fato, há provas irrefutáveis desse relacionamento na carreira de Céu. Seu mais recente trabalho, “Caravana sereia bloom”, de 2011, tem a embalante “You won’t regret it”, da obscura dupla Lloyd & Glen, que a cantora usava para embalar sua filha, Rosa Morena. E seu début já trazia uma versão de “Concrete jungle”, a mesma música que abre o imortal trabalho de Bob Marley and The Wailers, marco fundamental na história do reggae e invariavelmente considerado um dos maiores discos de todos os tempos (a revista “Rolling Stone” o incluiu em sua lista dos 500 álbuns mais importantes da música pop).

— Hoje eu vejo que foi uma tremenda ousadia regravar “Concrete jungle” já no meu primeiro disco, porque esse é um clássico, e muita gente acha que não se deve mexer em clássicos. Mas penso que música é para ser cantada, ainda mais com respeito e devoção, como foi o caso.

E é com esse mesmo sentimento respeitoso que Céu volta a “Catch a fire”, desta vez não apenas à faixa de abertura, mas também às suas outras oito hipnóticas canções, marcadas por letras sobre injustiças sociais, racismo, religião (e amor também). Esse abraçaço no disco gravado por Marley, Peter Tosh e Bunny Wailer surgiu a partir de um convite do site Radiola Urbana para que a cantora participasse do projeto 73 Rotações, que desafiou um grupo de artistas selecionados a reinterpretar alguns memoráveis discos lançados em 1973, em shows no Sesc Santana, em outubro do ano passado. Karina Buhr, por exemplo, reviu “Secos & Molhados”, enquanto o Cidadão Instigado lembrou “Dark side of the moon”, do Pink Floyd.

— Quando o Ramiro (Zwetsch, do Radiola Urbana e um dos curadores do projeto) me fez o convite, eu pirei. Mudei até a data original do show para encaixar na minha agenda porque eu não poderia perder essa oportunidade de forma alguma — conta Céu. — Fiz uma imersão no disco, fiquei quase bitolada de tanto ouvir “Catch a fire”, uma vez atrás da outra. Mas valeu a pena. O show foi ótimo.

Tão ótimo que, com ingressos rapidamente esgotados, a cantora teve que fazer mais duas apresentações. E é esse mesmo show que ela traz ao Rio pela primeira vez, mostrando não apenas sua interpretação do clássico, mas também a forma como resolveu alguns detalhes cruciais, como a falta de vocais de apoio femininos, feita de forma marcante no original, com Rita Marley e Marcia Griffiths (que mais tarde, com a chegada de Judy Mowatt, seriam batizadas como as I-Threes).

— Isso foi uma encrenca — brinca a cantora. — Sempre gostei do vocal das I-Threes, dessa interação de coro e resposta que elas faziam. Foi algo, inclusive, que eu trouxe para o meu trabalho. Mas não tinha como trazer vocais de apoio para o show, que faço com a minha banda (Dustan Gallas, guitarra e vocal; Lucas Martins, baixo; Chiquinho, teclados e vocal; Bruno Buarque, bateria; Zé Nigro, guitarra e vocal; e DJ Marcos, MPC e toca-discos). Acabamos resolvendo isso com os meninos da banda fazendo os vocais, homens cantando em falsete, o que acho lindo, e com o Marcos soltando alguns samples da minha própria voz.

Descartando a ideia de gravar um disco ao vivo desse show (“Um disco do disco não ficaria legal, ainda mais desse disco, talvez um DVD, mas não tenho certeza ainda”), Céu prefere valorizar cada uma das apresentações.

— São momentos efêmeros, que não vão ser gravados, ficando apenas na memória de quem for aos shows. Isso é legal também — conta ela, adiantando que não vai ficar na cidade para o resto do carnaval. — Achei incrível essa coincidência de os shows no Rio serem no carnaval. Gosto da festa, mas não sou de pular e ir para o meio da multidão. Vou para Recife, só para curtir mesmo.

Source : Globo Online | 2014-02-12 11:00:00.0

RIO - Sexo. Não é sensualidade, intimidade ou erotismo - não há palavra melhor que a crua "sexo" para definir o conceito de "#AC", show de Ana Carolina que estreou no Citibank Hall na sexta-feira (o show se repete no sábado), depois de passar por São Paulo. Nas letras, no apelo dançante direto, no canto forte e de poucas nuances da artista, em boa parte das projeções que ocupam todo o fundo do palco, a ideia que guia o show é o sexo - mesmo quando não há referências a ele em imagens e versos.

Já na abertura, a banda imprime essa apelo sem meias palavras. Pedro Baby (guitarra), Edu Krieger (baixo), Carlos Trilha (teclados), Leo Reis (bateria e percussão) e DJ Mikael Mutti (percussão eletrônica, scratches e efeitos) fazem juntos um som dançante e vigoroso, com peso e calor. Como no disco "#AC", a atmosfera eletrônica dá o tom, bem transposta para o palco, ganhando alguns níveis de pressão. Visualmente, chamam atenção especialmente os brinquedinhos de Mutti (como o controle do videogame Wii que ele usa para batucar o ar) e a postura de guitar hero de Pedro Baby - cada um numa extremidade do palco.

Essa configuração do som - que atravessa o show quase em sua totalidade - é apresentada mesmo antes da entrada de Ana, quando a banda prepara sua chegada. Sob os acordes de "Pole dance" e com gigantescas imagens de peitos, bundas, bocas e quadris de strippers no telão, ela aparece para cantar versos como "Acerta todo o cabaré, homem e mulher/ É muito mais do que bilíngue/ Faz com a língua o que quiser". A primeira sequência do show mantém a temperatura alta, com músicas como "Bang bang", "Esperta", "Libido" (o clipe da música, no qual a cantora aparece beijando e acariciando diversos homens e mulheres, é exibido ao fundo) e "Eu comi a Madonna" ("Me esquenta com o vapor da boca e a fenda mela"). O espaço de respiração é "Fire", de Bruce Springsteen.

A lógica sexual crua - desejo-estímulo-desejo - rege sua música, sua relação com a plateia e seu canto (inegavelmente poderoso, mas que ataca músicas como a doce "Eu sei que vou te amar", já no bis, e a rasgada "Garganta" se utilizando dos mesmos recursos, ou seja, a potência, o sentimentalismo derramado tratado como tesão e vice-versa). Da mesma forma, são tão eficientes quanto diretos versos como "Por isso é que você me quer/ Então vai ter que me encarar" ou "A libido está em toda parte". Mesmo suas baladas - talvez elas mais até que as outras - carregam essa vocação ganchuda.

Apesar de ser cortado por essa lógica básica, o show tem dinâmica. Num espetáculo no qual o apelo dançante/ pop é mais marcado (sucessos antigos são transpostos para essa roupagem), a direção de Monique Gardenberg explora bem os momentos em que outras cores aparecem, como nas canções românticas ou na releitura de "Coração selvagem", de Belchior, ponto alto do show, com a plateia aplaudindo de pé - a voz grave e o estilo forte de Ana combinam à perfeição com o compositor, e fazem pensar em como seria um projeto no qual ela se dedicasse exclusivamente a ele.

A sequência de samba - aberta por um quarteto de pandeiros formado pela cantora e músicos de sua banda, com referências ao tamborzão do funk - é a que melhor ilustra essa dinâmica. Ali se abre espaço para a malícia mais sutil - em ritmo, canto e versos - em canções como a boa "Resposta da Rita" e a razoável "iPhone" - que dialogam com os clássicos "A Rita" e "Pelo telefone", respectivamente. Nessa parte do show estão também os melhores momentos do telão, com o movimento de ombros, quadris e joelhos de mulheres sambando expondo um outra relação com o apelo sexual, mais sinuosa e rica.

O mergulho no universo popularíssimo no mashup de "Periguete" (MC Papo) e "Você não vale nada" (de Dorgival Dantas, sucesso com Calcinha Preta) não soa tão sofisticado - por ignorar que Ana já é, naturalmente, interlocutora dessa fatia da música brasileira e também por explorar um recurso gasto (a releitura de hits do povão numa atmosfera cool) sem adicionar nenhum dado original.

Com temperos que vão do samba-reggae à Jovem Guarda, passando pelo tango, a boa banda valoriza o repertório - apesar de canções como "Combustível", pastiche sem sangue do universo brega dos anos 1970 (uma descrição que se adequa à parte mais frágil do trabalho de Ana como um todo, aliás). O balanço? Depende das expectativas de quem está na plateia. Visualmente e sonoramente, o show satisfaz e mantém o interesse e certo prazer do início ao fim. Mas deixa a desejar para quem busca doses maiores de ousadia estética e sutileza - lastro poético, enfim. Sexo até vistoso, mas com pouco erotismo.

Cotação: Regular

Source : Globo Online | 2014-02-08 13:54:35.0

Filhos de Gaya empolgaram o público com músicas próprias e covers. Banda do Litoral Norte do RS participa pela primeira vez do festival.
Source : G1.com.br | 2014-02-08 02:20:02.0

Cantor abriu o show com 'Ilha', cuja letra está gravada na cabeça dos fãs. Show do artista gaúcho contou com reggae e músicas românticas.
Source : G1.com.br | 2014-02-07 22:39:42.0

Show de reggae será às 18h de sexta-feira (7), primeiro dia do festival. Argentino é um dos maiores fenômenos do gênero na atualidade.
Source : G1.com.br | 2014-02-06 11:19:11.0

Baiano Duda Diamba fez participação especial na apresentação. Grupo lendário de 1969 teve 12 álbuns ao lado de Bob Marley.
Source : G1.com.br | 2014-02-01 08:29:43.0

Can't Remember to Forget You é o novo clipe da cantora Shakira. A música estará em seu novo disco, que deve ser lançado no dia 25 de março, e mostra a tradicional mistura pop da colombiana ao adicionar ritmos como rock e reggae....
Source : Terra Brasil | 2014-01-31 13:56:03.0

RIO - Em comum, além do fato de serem musicistas, elas têm um currículo de dar inveja a muito marmanjo. Com uma batuta na mão, ou melhor, um apito na boca, comandam mais de 40 instrumentistas, cada uma. Coisa de homem? Elas garantem que não. Lina Miguel, de 24, é a maestrina do Bloco Maracutaia e Maju Nunes, de 22 anos, a do Bloco Virtual. As moças conseguem, na folia de carnaval, colocar todo mundo no eixo.

A função de reger um grupo musical não foi por acaso. Lina é maestrina desde 2010, mas está na área há 11 anos. Ela toca instrumentos de percussão, entre seus favoritos estão: alfaia e agbe (instrumentos de uma bateria de Maracatu).

— Essa arte é meu meio de vida e só percebo que há uma estranheza, por ser mulher, quando estou fora do grupo musical. Mas não me importo, me arrumo e vou com garra repassar o que aprendi nesses anos de musicista — diz Lina que, antes de comandar o Maracutaia, já desfilava no bloco desde 2008.

Outro dom de Lina é cantar. Como está à frente do bloco, não consegue expressar esse seu lado. Mas ela arrumou um jeitinho:

— Temos o Bailijesá, que é o projeto de palco do Maracutaia e ali eu sou cantora. O importante para mim é viver esse meio cultural — garante a jovem, que iniciou na música ainda na época de colégio, quando o Rio Maracatu (bloco mais antigo da cidade de Maracatu), ofereceu um curso sobre o ritmo musical.

A maestrina do Bloco Virtual, Maju Nunes, também faz bonito. Pela segunda vez no comando do bloco, que mistura instrumental e percussão, ela está otimista com o desfile.

— É uma alegria. Mas, mesmo assim, há momentos inusitados. Muitos foliões querem pegar os instrumentos e tocar, sem saber a técnica, e é nessa hora que, na posição de maestrina, tenho que ter muito jogo de cintura. Mas eu tiro de letra — garante Maju, que iniciou na música aos cinco anos.

Apesar de estudar design, ela garante que a música é a sua profissão.

— Já fiz Conservatório Brasileiro e licenciatura musical na UniRio. Faço mais uma faculdade porque é bom ter uma outra profissão. A arte é a minha vida — destaca Maju, confessando ter uma quedinha por um surdo, instrumento de percussão.

De família de músicos, ela comanda 40 componentes do Bloco Virtual. O repertório, como adianta, é variado, passando por ritmos excêntricos ao clima carnavalesco, como música clássica, reggae e forró. No cardápio irreverente figuram ilustres compositores como Caetano Veloso, Gonzagão, Capiba, Timbalada, Brahms dentre outros.

— Não toco instrumentos de sopro, mas tive que aprender alguns macetes. Minha contribuição é colocar em prática tudo o que sei e fazer bonito no carnaval — diz.

O Virtual se apresenta toda sexta, às 18h, na pedra do Leme e o Maracutaia aos sábados, a partir das 19h, na Praça XV.

Source : Globo Online | 2014-01-31 12:00:00.0

RIO - Em comum, além do fato de serem musicistas, elas têm um currículo de dar inveja a muito marmanjo. Com uma batuta na mão, ou melhor, um apito na boca, comandam mais de 40 instrumentistas, cada uma. Coisa de homem? Elas garantem que não. Lina Miguel, de 24, é a maestrina do Bloco Maracutaia e Maju Nunes, de 22 anos, a do Bloco Virtual. As moças conseguem, na folia de carnaval, colocar todo mundo no eixo.

A função de reger um grupo musical não foi por acaso. Lina é maestrina desde 2010, mas está na área há 11 anos. Ela toca instrumentos de percussão, entre seus favoritos estão: alfaia e agbe (instrumentos de uma bateria de Maracatu).

— Essa arte é meu meio de vida e só percebo que há uma estranheza, por ser mulher, quando estou fora do grupo musical. Mas não me importo, me arrumo e vou com garra repassar o que aprendi nesses anos de musicista — diz Lina que, antes de comandar o Maracutaia, já desfilava no bloco desde 2008.

Outro dom de Lina é cantar. Como está à frente do bloco, não consegue expressar esse seu lado. Mas ela arrumou um jeitinho:

— Temos o Bailijesá, que é o projeto de palco do Maracutaia e ali eu sou cantora. O importante para mim é viver esse meio cultural — garante a jovem, que iniciou na música ainda na época de colégio, quando o Rio Maracatu (bloco mais antigo da cidade de Maracatu), ofereceu um curso sobre o ritmo musical.

A maestrina do Bloco Virtual, Maju Nunes, também faz bonito. Pela segunda vez no comando do bloco, que mistura instrumental e percussão, ela está otimista com o desfile.

— É uma alegria. Mas, mesmo assim, há momentos inusitados. Muitos foliões querem pegar os instrumentos e tocar, sem saber a técnica, e é nessa hora que, na posição de maestrina, tenho que ter muito jogo de cintura. Mas eu tiro de letra — garante Maju, que iniciou na música aos cinco anos.

Apesar de estudar design, ela garante que a música é a sua profissão.

— Já fiz Conservatório Brasileiro e licenciatura musical na UniRio. Faço mais uma faculdade porque é bom ter uma outra profissão. A arte é a minha vida — destaca Maju, confessando ter uma quedinha por um surdo, instrumento de percussão.

De família de músicos, ela comanda 40 componentes do Bloco Virtual. O repertório, como adianta, é variado, passando por ritmos excêntricos ao clima carnavalesco, como música clássica, reggae e forró. No cardápio irreverente figuram ilustres compositores como Caetano Veloso, Gonzagão, Capiba, Timbalada, Brahms dentre outros.

— Não toco instrumentos de sopro, mas tive que aprender alguns macetes. Minha contribuição é colocar em prática tudo o que sei e fazer bonito no carnaval — diz.

O Virtual se apresenta toda sexta, às 18h, na pedra do Leme e o Maracutaia aos sábados, a partir das 19h, na Praça XV.

Source : Globo Online | 2014-01-29 19:00:00.0

RIO - O segredinho bem guardado da natureza - como as próprias Ilhas Virgens Britânicas se denoninam - verá mais cruzeiristas nos futuros anos. O governo das ilhas assinou um acordo com duas grandes armadoras, a Norwegian Cruise Line e a Disney Cruise Line, com o propósito de aumentar o número de navios que passam pelo arquipélago. As duas empresas devem levar um total de 425 mil passageiros por ano a partir de 2015.

As autoridades portuárias devem investir em infraestrutura ainda neste ano. As Ilhas Virgens Britânicas perderam turistas por não terem docas grandes o suficiente para receber navios gigantescos. Em 2008, receberam 571 mil cruzeiristas. Em 2013, 340 mil.

A Norwegian já oferece oito roteiros, de sete a 21 dias, que incluem o porto de Tortola, ilha onde fica a capital do arquipélago, saindo de Miami ou Nova York. Três navios, o Getaway, o Gem e o Pearl, chegam às Ilhas Virgens Britânicas. O Getaway - embarcação mais nova da empresa com capacidade para 4.028 passageiros - se lança ao leste do Caribe a partir de abril. Essa viagem custa desde US$ 649, num itinerário que sai de Miami e para, além de Tortola, em St. Thomas e nas Bahamas durante sete dias. Os passeios da Norwegian por essa região do Caribe têm paradas também em St. Thomas, nas Ilhas Virgens Americanas; alguns incluem São Cristóvão e Nevis, Antigua e Martinica.

Nem tantas grandes companhias têm o porto de Tortola como parada rotineira. É mais comum encontrar o destino em roteiros de navios de menor porte, como a Seabourn, a Regent Seven Seas e a Oceania.

A Seabourn inclui dois portos das Ilhas Virgens Britânicas: Prickly Pear, ao norte de Virgem Gorda; e Great Harbour, em Jost Van Dyke - os roteiros de sete ou catorze dias saem de Philipsburg, em St. Maarten (Antilhas holandesas) ou de Bridgetown (Barbados) - a bordo do Seabourn Spirit, para só 208 passageiros. O roteiro “Caribe exótico em profundidade” passa também por St. Barth, Martinica, São Cristóvão e Nevis e Granada. Os exclusivos passeios custam desde US$ 2.799 para viagens de sete dias.

A Regent usa o porto de Miami como base e, até o porto de Tortola, leva somente o Seven Seas Navigator, renovado em maio de 2012. O navio tem capacidade para 490 passageiros. O roteiro “Joias do Caribe” tem dez dias, sendo duas noites em alto mar e paradas em Turcs e Caicos, Porto Rico, St. Barth, St. Maarten, República Dominicana e Bahamas. As viagens custam desde US$ 5.299 por pessoa e incluem excursões, refeições e outros mimos.

A Oceania inclui o porto de Tortola no roteiro “Segredos do Caribe”, com dez dias de viagem saindo e chegando em Miami. A empresa oferece vários tipos de passeios, como o mergulho no navio naufragado Rhone, visita a Virgem Gorda e tour gastronômico. Outros portos incluídos no roteiro são Antigua, Barbados, St. Barth e St. Lucia. Os pacotes custam desde US$ 2.398.

Um dos maiores navios que passa por Tortola é o Costa Magica, de 2004, com capacidade para 3.470 passageiros. O passeio de sete dias sai de e retorna a Guadalupe, nas Antilhas Francesas, e explora as Antilhas, a República Dominicana e as Ilhas Virgens Britânicas em pacotes desde US$ 699.

Source : Globo Online | 2014-01-29 18:55:08.0

RIO - O segredinho bem guardado da natureza - como as próprias Ilhas Virgens Britânicas se denoninam - verá mais cruzeiristas nos futuros anos. O governo das ilhas assinou um acordo com duas grandes armadoras, a Norwegian Cruise Line e a Disney Cruise Line, com o propósito de aumentar o número de navios que passam pelo arquipélago. As duas empresas devem levar um total de 425 mil passageiros por ano a partir de 2015.

As autoridades portuárias devem investir em infraestrutura ainda neste ano. As Ilhas Virgens Britânicas perderam turistas por não terem docas grandes o suficiente para receber navios gigantescos. Em 2008, receberam 571 mil cruzeiristas. Em 2013, 340 mil.

A Norwegian já oferece oito roteiros, de sete a 21 dias, que incluem o porto de Tortola, ilha onde fica a capital do arquipélago, saindo de Miami ou Nova York. Três navios, o Getaway, o Gem e o Pearl, chegam às Ilhas Virgens Britânicas. O Getaway - embarcação mais nova da empresa com capacidade para 4.028 passageiros - se lança ao leste do Caribe a partir de abril. Essa viagem custa desde US$ 649, num itinerário que sai de Miami e para, além de Tortola, em St. Thomas e nas Bahamas durante sete dias. Os passeios da Norwegian por essa região do Caribe têm paradas também em St. Thomas, nas Ilhas Virgens Americanas; alguns incluem São Cristóvão e Nevis, Antigua e Martinica.

O porto de Tortola é parada rotineira tanto de navios de grandes portes, como o Costa Magica e o Carnival Freedom, e embarcações menores, como da Seabourn, da Regent Seven Seas e da Oceania.

A Seabourn inclui dois portos das Ilhas Virgens Britânicas: Prickly Pear, ao norte de Virgem Gorda; e Great Harbour, em Jost Van Dyke - os roteiros de sete ou catorze dias saem de Philipsburg, em St. Maarten (Antilhas holandesas) ou de Bridgetown (Barbados) - a bordo do Seabourn Spirit, para só 208 passageiros. O roteiro “Caribe exótico em profundidade” passa também por St. Barth, Martinica, São Cristóvão e Nevis e Granada. Os exclusivos passeios custam desde US$ 2.799 para viagens de sete dias.

A Regent usa o porto de Miami como base e, até o porto de Tortola, leva somente o Seven Seas Navigator, renovado em maio de 2012. O navio tem capacidade para 490 passageiros. O roteiro “Joias do Caribe” tem dez dias, sendo duas noites em alto mar e paradas em Turcs e Caicos, Porto Rico, St. Barth, St. Maarten, República Dominicana e Bahamas. As viagens custam desde US$ 5.299 por pessoa e incluem excursões, refeições e outros mimos.

A Oceania inclui o porto de Tortola no roteiro “Segredos do Caribe”, com dez dias de viagem saindo e chegando em Miami. A empresa oferece vários tipos de passeios, como o mergulho no navio naufragado Rhone, visita a Virgem Gorda e tour gastronômico. Outros portos incluídos no roteiro são Antigua, Barbados, St. Barth e St. Lucia. Os pacotes custam desde US$ 2.398.

Um dos maiores navios que passa por Tortola é o Costa Magica, de 2004, com capacidade para 3.470 passageiros. O passeio de sete dias sai de e retorna a Guadalupe, nas Antilhas Francesas, e explora as Antilhas, a República Dominicana e as Ilhas Virgens Britânicas em pacotes desde US$ 699.

Outro grande navio que para no arquipélago é o Carnival Freedom, com capacidade para 2.970 passageiros. Partindo de Fort Lauderdale, o navio faz roteiros de oito dias pela porção oriental do Caribe, parando em Tortola, além de Nassau (Bahamas), Antigua e St. Thomas (Ilhas Virgens Americanas), com saídas em fevereiro e março, desde US$ 469.

Source : Globo Online | 2014-01-29 18:55:08.0

RIO - Organizar um bloco de carnaval com sugestões e contribuições recebidas pela internet, em 2000, foi um desafio. Mas a ousadia de criar, naquela época, o Bloco Virtual deu certo, garante Luiz Jardim, um dos responsáveis pelo grupo. Hoje, mesmo sem depender exclusivamente do auxílio das redes sociais, o bloco figura na lista dos que arrastam multidões por ruas da Zona Sul da cidade. Os motivos da popularidade são vários, entre eles: oferecer aos participantes muita animação ao som dos mais variados ritmos carnavalescos, como frevos, olodum, marchinhas, maracatus e outros.

— A ideia era criar essa interação com o público, o que é fácil hoje com essa construção virtual coletiva. Por meio da fan page nas redes sociais, o Bloco Virtual está aberto para contribuições, sugestões e a participação do internauta folião — diz Jardim, destacando que o bloco já desfilou na praia de Ipanema e na Lagoa e, agora, promete entusiasmar seus milhares de foliões na sexta-feira de carnaval, no Leme.

Formado por uma orquestra composta por mais de 40 sopros e percussionistas, o Bloco Virtual não vai deixar ninguém parado. E música, tem para todos os gostos. Sem temas anuais, Virtual é uma celebração ao carnaval de rua e no repertório estão ritmos de vários carnavais brasileiros, do frevo ao maracatu de Pernambuco, do samba às marchinhas cariocas, passando também pelo afoxé e o olodum baianos.

— Tudo apresentado com muita energia e alegria como deve ser no carnaval — garante.

Jardim destaca que o Virtual, assim como o carnaval, também é um espaço de inovação.

— Por isso incorporamos canções autorais de nossos colaboradores e adaptamos ritmos excêntricos ao clima carnavalesco, como música clássica, reggae e forró — adianta. No repertório irreverente, figuram ilustres compositores como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gonzagão, Capiba, Moacir Santos, Timbalada, Brahms e outros.

Para Jardim, a expectativa com o carnaval deste ano é ainda maior e ele faz o convite:

— Um belo por de sol visto da praia do Leme, muita fantasia e animação a vontade, enquanto a boa música fica por nossa conta

Ensaios:

Sextas-feira (dias 31/01, 07/02 e 14/2), às 18h30m, na Pedra do Leme.

Desfile:

Dia 28 de fevereiro (sexta), a partir das 18h, na Pedra do Leme. Concentração: 16h

Source : Globo Online | 2014-01-27 19:44:53.0
Quando se fala em bandas na região de Araçatuba, a primeira referência que se tem é o rock. São vários os grupos do gênero por aqui, assim como o espaço para shows e o público são crescentes. Porém, no fim de 2012, quatro músicos, que tinham também sua relação com o rock, decidiram enfatizar uma outra vertente da música. Com um repertório focado no reggae, no ska e no dub, gêneros de origem jamaicana, a banda araçatubense Low Beach toca no domingo (26) em Birigui, na praça Anna Nunes Garcia, às 20h30.

David Nunes (voz e guitarra), 29, Fernando Patrocínio (guitarra, teclado e bac
Source : folhadaregiao.com.br | 2014-01-25 19:17:16.0

'Não é um disco temático e também não é conceitual', justifica cantora. Colombiana diz que novo álbum tem 'rock, folk, reggae e ritmo dançante'.
Source : G1.com.br | 2014-01-22 21:20:05.0

KINGSTON - Famosa por suas belas praias, seus atletas super rápidos e a sua cultura descontraída, a Jamaica tem em sua ficha uma mancha negra, no que se refere à legislação homofóbica. Este quadro acaba por afastar muitos viajantes do país, sempre listado entre os piores do mundo para os turistas LGBT. Mas esse quadro pode estar prestes a mudar.

Em setembro do ano passado, em Nova York, durante conferência da ONU, a primeira-ministra Portia Simpson Miller foi alvo de protestos de grupos de ativistas dos direitos dos homossexuais. Tais manifetações são incomuns na Jamaica, onde a homofobia é uma norma cultural. E apesar do estigma associado ao homossexualismo, o movimento em favor dos direitos iguais para lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros está ganhando força. Ela mesmo já havia, durante a campanha, em 2011, defendido mudanças na legislação. O governo diz que planeja fazer um teste implantando uma votação informal no Parlamento sobre o fim da controversa legislação antes do ano legislativo em março, abrindo uma porta para uma revisão da legislação, possivelmente mais adiante em 2014.

Para analistas, a decisão de estabelecer a votação informal vem em bom tempo à medida em que aumentata pressão que a comunidade gay vem exercendo sobre a ilha, que preza a sua imagem internacional mediante à indústria do turismo. Legalmente, não há direitos específicos para a comunidade LGBT na Jamaica. A tolerância Pública vem crescendo, acompanhando uma tendência mundial em que a mídia vem dando atenção nos últimos anos para cobrir questões LGBT, mas a expressão aberta da homossexualidade ainda é desaprovada por lá.

Source : Globo Online | 2014-01-21 20:11:44.0
Lembra que avisamos que toda quinta o Nicolas Krassik está no Semente, tocando samba, forró e choro, ao lado da cantora Renata Jambeiro e banda? Então, nesta, dia 23 de janeiro, antes do francês tem Glaucus Linx com o show Afrojazzblues.

Mais sobre Glaucus: "O saxofonista, compositor e produtor musical . Nos anos 80 e 90 foi produziu, arranjou ou tocou com Elza Soares, Sandra de Sá, Lobão, Nelson Sargento, Zezé Mota, Ritchie, Cazuza, D. Ivone Lara, Carlinhos Brown, Banda Black Rio, entre outros. Mudou-se para a França onde aprofundou sua pesquisa musical trabalhando com várias bandas Africanas. Foi saxofonista e arranjador de sopros da super estrela africana Salif Keita por 5 anos acompanhando-a em várias tournês mundiais, tocou com Isaac Hayes (SHAFT), ícone da música negra americana, Eddie Louiss, organista de jazz francês, SOUL II SOUL(Londres), Participando de Festivais de Jazz como Montreux, Caiscais, Skopje (Macedônia), Jazz à Nantes, Nice e o brasileiro Freejazz dentre outros. Com Salif Keita,Glaucus Linx entrou de vez para o universo da musica africana, tocando, a partir daí, com Mangala (Mali), Kiala & Ghetto Blasters (Nigéria-Afro-Beat), Jules N'Diaye (Senegal) viajando pela Africa e percorrendo mais de 14 países desse continente.
O Ancestrais Futuros é um projeto que se originou de um disco que gravou em parceria com o baterista juizforano Big Charles (1995), no qual a ancestralidade é o fio condutor e filosofia de criação. É a música feita sem compromissos com as tendências midiáticas justamente para que futuramente exista um ponto de vista baseado na função maior da música, que é a de comunicar através do som.

Em abril de 2013, de volta ao Rio de Janeiro depois de 7 anos afastado do show business, Glaucus Linx encontra-se com Pedro Strasser (Blues Etílicos), batrerista reconhecido por sua genialidade intuitiva, com Pedro Leão (Fausto Fawcet, Fábio Fonseca trio, Rappa), amigo de mais de trinta anos e baixista com extrema experiência no Blues, Funk e música Africana, e com Marcus Kenyatta (Bongo Band, André Sampaio, Laranja Mecânica), guitarrista da nova geração, de cultura funk, reggae e afrobeat, brilhante por suas escolhas timbrais e melodias atípicas. Ficou tão inspirado e entusiasmado com esse encontro musical que resolveu recriar a nova formação do Ancestrais Futuros, agora, acrescido de releituras de Thelonious Monk, Miles Davis, Eddie Harris, além de suas próprias composições e as novas composições do grupo atual. Que estilo ? Somente três estilos poderiam definir o som dos Ancestrais: AfroJazz & Blues" (release).

Serviço

19h - Show do Glauco. R$ 20,00
22h - violinista Nicolas Krassik e Renata Jambeiro. R$ 25,00


Às terças e quartas de janeiro, eventos fechados.

Endereço: Rua Evaristo da Veiga, 149 – Lapa
Tel. 21-2507-5188 e 21-9781-2451
contato@barsemente.com.br

Capacidade para 150 pessoas
Horário de funcionamento: das 20h às 2h
Preço do couvert: de 20 a 30 reais

Preços:
garrafa de cerveja 600 ml:
Brahma - 9 reais
Original e Antártica - 10 reais
Serramalte - 11 reais
long neck Heinneken, Budweiser, Stella Artois - 7,80
Source : samba-choro.com.br | 2014-01-21 13:25:23.0

RIO — Pobre do folião que torce o nariz para tudo o que não for marchinha carnavalesca ou samba e é capaz de sustentar brigas no Facebook contra aglomerados mais moderninhos do carnaval de rua carioca. Porque na festa momesca há espaço para todo mundo — e a cada ano blocos de rock, reggae e outras batidas se espalham em meio à batucada. Conhecido por misturar rock´n roll com batida do samba, o Bloco Cru chega ao sexto desfile este ano e promete carregar uma multidão à Praça Quinze no dia 3 de março. Apostando numa mistura de reggae com samba, o Devotos de Marley debuta na folia em data ainda não definida. E tem ainda o inusitado Super Mario Bloco, cujas músicas do famoso joguinho de videogame envoltas em fanfarra atraíram 2 mil pessoas a Santa Teresa, ano passado. Outro debutante é o Bloco Pra Iaiá, que faz a primeira homenagem ao Los Hermanos no dia 22 de fevereiro, no Leme.

Não pense o leitor que essa farra toda é vista com desdenho por quem carrega os estandartes mais tradicionais da festa de rua carioca. Para o presidente do Cordão da Bola Preta, Pedro Ernesto Araújo Marinho, novos blocos, com diferentes matizes, são sim, muito bem-vindos. Mas com uma ressalva:

— Carnaval é o momento em que o povo expressa seus sentimentos. Desde que os novos blocos tenham conexões com o samba, que não esqueçam a origem disso tudo, não vejo nenhum problema. Eu particularmente adoro os Beatles, mas não frequento o Sargento Pimenta. Não gosto, e por isso não vou. Mas respeito.

Um dos fundadores do Escravos da Mauá, Ricardo Sarmento, afirma que os blocos de rua nasceram num contexto de luta por liberdade de expressão, e, exatamente por isso, não faz sentido ser contra os novatos.

— Essa turma que prefere outros ritmos não tem nada a ver com a gente. Mas não faz sentido a gente ser contra, pois sempre defendemos a democratização dos espaços públicos. Não somos contra, mas também não incentivamos. Quem tiver a fim de ir para esses blocos, que vá. A nossa lógica é mais afirmar o que acreditamos, a cultura popular — diz Sarmento.

‘Sigo a cartilha do carnaval e da brasilidade’, diz Lu Baratz

A sobrevivência da nova safra de blocos é dura. A agitadora cultural Lu Baratz, fundadora do Bloco Cru, ainda não sabe quem vai financiar a farra deste ano. Ano passado, sua mãe, a socióloga Fani Baratz, 69 anos, pagou tudo pro próprio bolso para garantir que fez 30 mil sacolejassem as cabeças ao som de Barão Vermelho, Mutantes, Tim Maia, White Stripes e Prince.

— Somos da leva que abriu as portas dessa inovação no carnaval de rua do Rio, assim como a Orquestra Voadora. Sigo a cartilha do carnaval e da brasilidade. Sou filhinha de mamãe no bom sentido. Ela é uma guerreira que acredita na multiplicidades da cultura. Mas decidi que este ano não vou mais usar dinheiro da véia. De jeito nenhum — diz Lu Baratz, que torce o nariz para os críticos de plantão: — Já fizeram, no passado, passeata contra a guitarra elétrica. É melhor separarem o joio do trigo, porque essa cena é bem diversa, tem blocos temáticos e tem gente que faz musica bacana mesmo. Olhar de longe é fácil, quero ver é conhecer a realidade.

O produtor cultural Rodrigo Rezende, criador da Liga Carnavalesca Amigos do Zé Pereira, fundada no ano passado, também defende a multidisciplinaridade da folia:

— Acho absolutamente tranquila e saudável essa diversidade. Na liga temos blocos de bairro, que tocam sambas tradicionais, como o Laranjada Samba Clube, até os “supermodernos” e temáticos, como o Toca Raul. Não existe essa história de as pessoas fazerem bloco para ganhar dinheiro. Isso é mito.

Source : Globo Online | 2014-01-21 10:00:00.0

Secretaria diz que concessão é apenas para serviço de restaurante. 'A filosofia reggae é discriminada', diz empresário responsável pelo local.
Source : G1.com.br | 2014-01-21 00:16:12.0

Festival teve pop, rap, rock, reggae, samba e música eletrônica. No sábado, norte-americano Flo Rida foi um dos destaques.
Source : G1.com.br | 2014-01-19 08:12:59.0

Shows acontecem no Lago Quitandinha e na Cervejaria Bohemia. Atrações são Tribo de Jorge e Chutando o Balde com Tati Veras.
Source : G1.com.br | 2014-01-18 23:06:57.0

Festival continua neste sábado (18), no Sapiens Parque, em Florianópolis. O Rappa, Ivete Sangalo e Donavon Frankenreiter foram os destaques.
Source : G1.com.br | 2014-01-18 07:54:55.0

Show do cantor gaúcho teve 15 músicas e durou pouco mais de uma hora. "Desenho de Deus", "Rosa Norte e "Semente" estiveram no repertório.
Source : G1.com.br | 2014-01-17 23:53:43.0

RIO - Moradores de Hackney, no leste de Londres, os amigos Piers Agget, Kesi Dryden, Amir Izadkhah e Leon Rolle, de diferentes etnias, cresceram em meio a um caldeirão cultural que acabou se traduzindo na música que fazem sob o nome de Rudimental. Reggae, r&b, jazz, garage, drum’n’bass e house se misturam sem medo em “Home”, álbum de estreia do grupo (lançado há algumas semanas no Brasil), que rapidamente bateu no primeiro lugar das paradas britânicas. O sucesso ajudou para que o quarteto caísse na estrada e não saísse mais — eles são atração confirmada do festival californiano Coachella, em abril. Por telefone, de seu estúdio, Piers conta um pouco sobre a gênese do Rudimental, cinco anos atrás.

— Em Londres, nós temos uma cultura muito boa de clubes, de raves. E crescemos ouvindo as emissoras piratas de rádio. Aos 13 anos, eu já discotecava com o DJ Locksmith (Leon Rolle). Tocávamos garage, grime, jungle e drum’n’ bass. Ao mesmo tempo, víamos DJs como Shy FX, Grooverider e Goldie. Estava tudo ali — conta o produtor, de 26 anos. — Acho que fundimos essas vertentes da música eletrônica com algum instrumental, com a musicalidade do soul, do jazz e do blues, do funk. Pensávamos em mostrar o jeito pelo qual percebemos a música.

Em 2012, a faixa “Feel the love” (gravada com o cantor John Newman) inesperadamente chegou ao número um das paradas do Reino Unido. E aí tudo mudou para o Rudimental.

— 2013 foi cheio de shows fantásticos, de muitos festivais. E ainda fomos indicados a premiações como o Brit Awards e o MOBO (dedicado à música de origem negra) — diz Piers. — De repente, nos vimos numa montanha-russa de shows e sucesso. Mas adoramos tudo. Cada um de nós queria viver de música desde que tínhamos, sei lá, 5 anos.

Gravado com a colaboração de vários vocalistas (entre eles, as bombadas Emeli Sandé e Angel Haze), “Home” virou um show, com uma banda que os produtores montaram com um trompetista, um baterista e três vocalistas. Piers toca teclados e órgão Hammond, Kesi ataca de teclados e percussão, Amir é o guitarrista e Leon se divide entre as teclas e a atividade de MC.

— Muitas pessoas achavam que nós éramos só produtores ou DJs, mas nós concebemos a música com nossos instrumentos — conta o rapaz. — O engraçado é que só fizemos nosso primeiro show há pouco tempo. Desde então, viemos nos aperfeiçoando. É uma grande festa.

O grupo já trabalha em faixas para o seu segundo álbum. Os últimos dias, eles passaram em estúdio com a banda, fazendo improvisos.

— Vamos ver o que sai. Estamos focados neste novo disco, deixamos até o trabalho com remixes de lado — diz Piers, que ainda se considera “do underground”, mas vê um lado muito positivo no sucesso. — Ele nos permite estar no palco. Não gostamos muito de ser só os caras dos vídeos, investimos numa banda. Nossa inspiração é Funkadelic, é Sly & The Family Stone. Queremos mais é encher o palco de músicos!

Colaborações são sempre bem-vindas para o Rudimental. Ultimamente, eles andaram conversando com o cantor de r&b Charlie Wilson (da Gap Band). Mas eles miram mais alto.

— Ainda não chegamos perto de Stevie Wonder. Mas quem sabe? Quanto mais formos para a América, maior a chance — aposta o produtor, para quem o Brasil também está nos planos. — Não vejo a hora. Seria perfeito se pudéssemos nos apresentar durante a Copa do Mundo.

Source : Globo Online | 2014-01-17 11:00:00.0

SAN JUAN - Talvez você ainda não tenha ouvido falar de Dorado Beach, mas esse canto de Porto Rico é um lugar cheio de histórias interessantes. A começar por sua localização. Dorado Beach fica a menos de uma hora de San Juan, capital da ilha porto-riquenha. É uma linda praia de areias douradas e águas azuis, com condomínios e resorts de luxo. Um deles, com o mesmo nome da praia, foi reinaugurado há um ano como um Ritz-Carlton Reserve.

O novo hotel é tão luxuoso quanto o seu passado. A propriedade, uma antiga fazenda de coco e frutas cítricas, pertencia a Clara Livingston no início do século XX. Herdeira de fazendeiros, vinda de Nova York, Clara era aviadora, e fez sua primeira viagem pilotando um avião em 1927. Entre os hóspedes frequentes de Dorado Beach estava a intrépida Amelia Earhart, grande amiga de Clara e a primeira mulher a atravessar o Atlântico pilotando sozinha um avião, em 1932 - até hoje, Amelia é musa das mulheres que amam viajar sozinhas. Foi de Dorado Beach que ela partiu para seu último voo, em 1937, quando pretendia fazer uma circunavegação. Notícias do ano passado, não confirmadas, dizem que seu o avião, um Lockheed Electra, teria sido encontrado perto de Kiribati, no Pacífico Sul.

Veja fotos de Dorado Beach no passado e no presente

No final da década de 1950, Laurance S. Rockefeller, financista da terceira geração da família e também aviador, comprou Dorado Beach de Clara. Ambientalista, Rockefeller transformou o lugar em um refúgio de inverno para a família, e também em um resort ecológico, muito antes de sustentabilidade ser assunto de mesa de bar - ele é considerado um dos inventores do ecoturismo. Entre os hóspedes ilustres dessa época estão Elizabeth Taylor, Ava Gardner, Joan Crawford, Joe DiMaggio e os presidentes americanos Dwight D. Eisenhower e John F. Kennedy.

Porto Rico é o segundo destino caribenho mais visitado pelos americanos em busca de luxo, perdendo somente para as Bahamas, segundo uma pesquisa de 2013 feita em parceria pela Resonance Consultancy e o Luxury Institute. O resort do grupo Ritz-Carlton é o segundo com o selo Reserve (o primeiro fica em Phuket, na Tailândia; o terceiro será em Bali). Porto Rico está a três horas de voo de Miami ou da Cidade do Panamá, e Dorado Beach pode ser uma escapada luxuosa a dois ou com crianças, cercada de boas histórias.

Dorado Beach. Praia, piscinas e tapas caribenhas

Em Dorado Beach, o Ritz-Carlton Reserve se espalha por 114 apartamentos e suítes ao longo da praia, entre uma vegetação exuberante, preservada desde os tempos de Clara Livingston. Por determinação de Laurance Rockefeller, seguida até hoje, nenhuma construção é mais alta que a copa das árvores.

A maioria dos espaçosos apartamentos tem piscina privativa de frente para todos os azuis do mar. Uma barreira de pedras, construída na época de Rockefeller, faz com que, em parte da propriedade, o mar seja sempre uma piscina. Mas se preferir água doce, além da sua piscininha particular há outras duas, ambas com vista para o mar. A alta temporada é agora. O verão porto-riquenho é época de muito calor, chuvas e, às vezes, furacões.

Na casa principal ficam dois dos restaurantes da propriedade (o terceiro, Encanto, está no outro extremo da praia). O bar da piscina, Positivo Sand Bar, pé na areia como diz o nome, vira um restaurante informal à noite. Na happy hour, é o lugar perfeito para ver o pôr do sol cor-de-rosa. O outro restaurante é o delicioso Mi Casa, do chef hispano-americano José Andrés, um dos primeiros a servir tapas nos Estados Unidos. Andrés tem mais de dez restaurantes nos EUA, em cidades como Washington, Miami, Los Angeles e Las Vegas (um dos mais recentes é o ótimo Jaleo, no hotel Cosmopolitan, um dos mais novos de Vegas). A criativa cozinha hispano-caribenha contemporânea está à disposição de quem não estiver hospedado no resort (há outros hotéis na região), e os hóspedes podem aproveitar também o cardápio de room service assinado por José Andrés.

O Mi Casa tem mesas de madeira escura, sofás estampados, adega envidraçada, obras de arte, fotos, muitas luminárias e uma cabeça de touro (o Jaleo também tem uma delas). Está cheio em uma terça-feira à noite, e a música latina em volume baixo não inibe a conversa. O jantar gourmet, com cardápio à escolha do chef, começa com gazpacho de pepino acompanhado de um pinot noir francês, o Perrot-Minot. Segue com pão com tomate e presunto ibérico; cones com mamão e queijo de cabra; espuma de foie gras com café; ostras com suco de abacaxi e coco. Continua com croquetes servidos em um calçado de fibra de vidro fazendo às vezes de suporte, “louça” que os frequentadores do Jaleo já conhecem. Pequenos hambúrgueres com carne de porco em estilo cubano e um inesquecível ceviche com abacate vêm em seguida.

Dorado Beach mantém a casa original de Clara Livingston, Su Casa, onde Amelia Earhart se hospedou no fim dos anos 1920 e na década de 1930. Hoje Su Casa pode ser alugada para famílias ou grupos de até oito pessoas. Com quatro quartos, construída em 1928 em estilo colonial espanhol, a casa da fazenda passou por uma restauração milionária. Entre os móveis, muitos são da época, trazidos por Clara de suas viagens pelo mundo — ela foi também a 11ª mulher a ter licença para pilotar helicóptero. Mesmo depois de ter vendido a propriedade para Laurence Rockefeller, Clara continuou morando por três décadas em Dorado Beach.

Além da preocupação em preservar a história e o meio ambiente, Dorado Beach também se propõe a valorizar a cultura local. Todas as noites os hóspedes recebem cartões com histórias da região, dos índios tainos aos dias de hoje, passando pelos colonizadores espanhóis, e também com informações sobre a flora e a fauna locais. O artesanato dos tainos inspira a decoração do resort. O lindíssimo spa tem até casas nas árvores para massagens que seguem as tradições locais.

A locomoção em Dorado Beach é feita em carrinhos elétricos, bicicletas ou a pé. Uma parte da praia tem mar aberto, e há programas aquáticos conduzidos por Jean-Michel Cousteau, filho de Jacques Cousteau. Entre as atividades oferecidas, estão snorkel e passeios de caiaque, ambos, inclusive, à noite. Na propriedade há ainda um campo de golfe e um parque aquático, inspirado em um moinho de cana-de-açúcar, que na realidade faz parte do condomínio de casas vizinho, mas pode ser usado pelos hóspedes.

San Juan. Mofongo, mojito e história

Por mais que Dorado Beach seja encantadora, ou mesmo se o seu destino forem as praias das ilhas de Vieques e Culebra, não deixe de reservar um dia da sua escapada porto-riquenha para passear por San Juan. Estado livre associado aos EUA, o arquipélago de Porto Rico tem 3,7 milhões de habitantes. Nos prédios públicos, a bandeira americana está sempre ao lado da porto-riquenha. O idioma é predominantemente espanhol, ainda que nos lugares turísticos todo mundo fale inglês. As estradas que ligam a capital a Dorado e ao aeroporto seguem o padrão de qualidade americano, e na capital há vários hotéis de grandes redes, como Meliá, InterContinental e Hilton.

No centro histórico, bonito e conservado, ruas calçadas de pedra e construções em estilo colonial espanhol - com fachadas coloridas, balcões trabalhados em ferro e portas de madeira - contrastam com policiais com todo o aparato americano. San Juan Viejo pode (e deve) ser percorrida a pé - leve água e protetor solar.

O centro histórico se concentra entre dois fortes da época do domínio espanhol (que durou quase 400 anos), o de San Cristóbal, um dos maiores das Américas, construído entre os séculos XVII e XVIII, e o de San Felipe del Morro, do século XVI. De ambos descortinam-se belas vistas para o mar em tom de azul caribenho, que na realidade é o Oceano Atlântico. O mais inusitado no conjunto é o cemitério de Santa María Magdalena de Pazzis, que tem vista eterna para o mar, ao lado da fortaleza de San Felipe, ambos precedidos de uma imensa área gramada.

Em San Juan Viejo encontram-se ainda o Parlamento e a universidade. Nas construções antigas, há muitas lojas, galerias de arte, cafés, bares e restaurantes charmosos, onde é possível almoçar um mofongo (prato típico com carne ou camarão e banana) acompanhado de um mojito. Ou tomar uma piña colada no bar em que teria sido inventada há 50 anos - a destilaria do rum Bacardi também pode ser visitada, mas está fora do centro histórico. Em uma das lojas, é possível acompanhar parte da confecção dos chapéus panamá. Você pode comprar um modelo quase personalizado, escolhendo o tom da palha e da faixa de tecido.

Para quem prefere compras mais, digamos, tradicionais, San Juan tem ainda o Plaza de las Americas, o maior shopping do Caribe, com mais de 300 lojas, entre elas Macy’s, Sears e uma J.C. Penney, que é ma das que mais vendem em todos os EUA.

Carla Lencastre viajou a convite da Copa Airlines e do Ritz-Carlton Reserve

Source : Globo Online | 2014-01-13 18:50:39.0

Trio esbanja energia, vitalidade e positividade no reggae e soul. Apresentação é gratuita e começa às 17h na comedoria da unidade.
Source : G1.com.br | 2014-01-05 13:35:01.0

RIO — Em 1963, o violonista Baden Powell (1937-2000) misturou samba, bossa nova, choro e jazz com ritmos africanos e gravou as dez faixas do disco “À vontade”, pelo selo Elenco. Três anos depois, juntou-se ao compositor Vinicius de Moraes (1913-1980) e, na gravadora Forma, registrou as oito músicas de “Os afrosambas”. O vinil estampava na capa uma foto em preto e branco dos dois artistas. A imagem, clicada por Pedro de Moraes, filho do Poetinha, tinha uma chamativa moldura vermelho-sangue.

No Reino Unido, as duas raridades viraram uma só. O selo Él Records, da gravadora Cherry Red, pôs à venda “Os afrosambas/À vontade”. O CD, que custa 9,95 libras (cerca de R$ 40), tem 18 faixas (a soma dos dois discos) e uma capa que, apesar de manter a foto, trocou o vermelho pelo verde.

No mesmo selo, há outras “novidades” da MPB: duas coletâneas de João Gilberto que, segundo especialistas, jamais foram lançadas por ele, e “Brasília — Sinfonia da alvorada”, disco feito por Tom Jobim e Vinicius em 1961, com oito faixas, que jamais pôde ser reeditado no Brasil pela impossibilidade de conseguir todas as autorizações necessárias. Na versão britânica, o CD tem 23 faixas: as excedentes são de Heitor Villa-Lobos.

Apesar disso, a Cherry Red está tranquila. Mike Alway, fundador do selo Él Records, não vê problema nos CDs à venda. Diz que, segundo a lei europeia, um fonograma cai em domínio público (fica livre do pagamento de direitos autorais e conexos) 50 anos após sua gravação. O prazo de 70 anos, fixado pela lei brasileira, não valeria por lá.

— Temos essa liberdade porque as gravações têm mais de 50 anos e já não têm copyright — afirma ele, por e-mail. — Tudo o que lançamos de João, por exemplo, já está em domínio público.

Mas, navegando pelo catálogo do selo, encontram-se “Chega de saudade” (1958), “O amor o sorriso e a flor” (1960) e “João Gilberto” (1961). Os três álbuns estão no centro da disputa judicial entre o músico (que proibiu reedições) e a gravadora EMI. Mesmo assim, eles podem ser adquiridos no Brasil no site da Livraria Cultura. Cada um dos discos importados da Él custa R$ 84,90.

Sobre “Brasília — Sinfonia da alvorada”, considerado uma raridade, Alway usa argumento semelhante. Diz que o álbum “está claramente livre de direitos”. Já, sobre os discos de Baden, diz:

— O que lançamos não foi uma versão expandida de “Os afrosambas”, como se sugere, mas uma combinação de dois originais. E isso está claro na capa do CD. Eles foram licenciados da Universal em 2008, e a licença provavelmente inclui uma permissão de uso da arte original.

Procurada, a Universal não confirmou a informação até o fechamento desta edição.

Enquanto isso, familiares e advogados dos músicos classificam o argumento do domínio público europeu como “inaceitável”. Dizem que os lançamentos são “graves” e prometem medidas.

— Vários discos brasileiros vêm sendo lançados na Europa por gravadoras que tomam por base a legislação europeia, mas, em nosso entendimento, essa legislação não pode ser aplicada a produtos lançados originalmente no Brasil. O domínio público europeu só deve valer para os produtos deles — diz a advogada Adriana Vendramini Terra, da Copyrights, escritório que representa herdeiros de Baden Powell.

“Capas mutiladas à revelia dos herdeiros”

Para Adriana, há ainda outro ponto problemático: a alteração feita na capa do disco.

— “Os afrosambas” e “À vontade” foram compilados e tiveram suas capas mutiladas à revelia dos herdeiros do artista — acusa ela, que levará o caso ao conhecimento de Philippe Baden Powell, filho do músico que trata dos direitos dele no exterior. — A grande dificuldade nesses casos é que as demandas (ações) necessariamente teriam que ter lugar nos países em que os produtos foram lançados, o que torna a tomada de medidas cara e pouco acessível.

Os advogados de João Gilberto, por sua vez, também se mostram indignados.

— Essa alegação de que as obras teriam caído em domínio público demonstra total desconhecimento da legislação cabível — defende Rafael Pimenta. — Nos termos da lei brasileira, o prazo de proteção é de 70 anos, e obviamente ele não expirou. As obras, portanto, são protegidas e pertencem exclusivamente a seu criador. Estudaremos a adoção de medidas cabíveis para retirar esses discos de circulação e cobrar os valores devidos a título de direitos autorais.

A EMI, gravadora de João Gilberto, não quis se pronunciar sobre a polêmica.

Por e-mail, Maria de Moraes, filha de Vinicius, disse também estar ciente do caso e que “o jurídico da VM Cultural já trabalha na questão”.

A Livraria Cultura informou que “sua preocupação é atender à expectativa dos clientes”, que “não cabe à empresa entrar na briga entre artistas e selos” e que, “se houver algum movimento judicial, poderá rever a política de comercialização”.

Selo independente fundado em Londres em 1978, a Cherry Red começou lançando discos de pós-punk, mas descobriu sua vocação nos relançamentos de obras esquecidas de reggae, rock clássico, soul e MPB. Recentemente, decidiu apostar em novos discos de artistas veteranos, como Todd Rundgren e The Fall.

‘Se esse domínio público aí realmente existir, valeria a pena abrir um selo na Inglaterra só para relançar ‘Louco por você’, de 1961.” É assim, com indisfarçável ironia, que o pesquisador musical e dono do selo Discobertas, Marcelo Froes, comenta o argumento usado pela gravadora britânica Cherry Red para vender gravações de MPB com mais de 50 anos.

“Louco por você” é o primeiro LP gravado por Roberto Carlos, um registro único do tempo em que ele ainda trabalhava como crooner e um dos discos mais raros de sua carreira. Está fora de catálogo no Brasil há anos, mas, de acordo com a lógica dos diretores do selo Él Records, poderia ser relançado no Reino Unido sem a autorização do Rei. Já estaria em domínio público.

— Os ingleses resolveram meter o pé no nosso domínio público. Aplicar a lei europeia em produtos brasileiros é um absurdo — queixa-se Froes. — No início dos anos 2000, eu e Luciana, filha de Vinicius (morta em 2011), tentamos conseguir todas as autorizações para incluir o disco “Brasília — Sinfonia da alvorada” numa caixa especial que fizemos para lembrar os 20 anos da morte do poeta. Tentamos de todos os jeitos, por todos os lados e não encontramos o contrato original assinado entre ele, Tom Jobim e a Columbia. Então não conseguimos relançar a obra. Aí você navega na internet, no site da Cherry Red e encontra essa raridade por 9,95 libras. Comprei na hora.

No pacote, Froes também adquiriu os três “proibidões” de João Gilberto.

— Todos no Brasil sabem que as fitas masters de “Chega de Saudade”, “O amor, o sorriso e a flor” e “João Gilberto” estão no centro da disputa dele com a EMI, que são fitas que estão guardadas sob sete chaves. Então podemos concluir que todos esses CDs foram gravados a partir de outros formatos — alerta. — Sobre as coletâneas que estão à venda sem nunca terem sido lançadas aqui por João, o curioso é ver que elas têm mais de 30 faixas. Misturam diversos discos. Nos anos 1960, cada vinil tinha entre 12 e 14, no máximo.

Raridades de Carlos Lyra

Mas, em meio à polêmica dos lançamentos de MPB do selo Él Records, houve quem ficasse feliz e até comemorasse.

Magda Botafogo, a empresária de Carlos Lyra, se surpreendeu ao saber pela reportagem que “Bossa nova”, disco de 2011 que traz os fonogramas dos dois primeiros álbuns do cantor e compositor (“Bossa nova”, de 1959, e “Carlos Lyra”, de 1961) estavam à venda. Na mesma obra, que custa 9,95 libras, foram incluídas gravações de músicas de Lyra interpretadas por Sylvia Teles (“Menina”), pelo grupo vocal Os cariocas (“Criticando”) e pelo organista Walter Wanderley (“Lobo bobo”).

— Parece um disco-homenagem! — disse Magda, lembrando que os dois primeiros álbuns de Lyra já foram reeditados em todo o mundo, menos no Brasil. — É que a Universal alega que não acha parceiros como o Daniel Caetano, que fez a letra de “Mister Golden” (faixa de “Carlos Lyra”). E foi a única letra que ele fez na vida. Então eles não querem relançar sem todas as autorizações.

Depois da entrevista, Magda postou em seu Facebook um convite para que fãs de Lyra visitassem o site britânico:

“Pra quem procura no Brasil e não acha, foi lançado na Inglaterra um CD contendo os dois primeiros LPs do Carlos Lyra de 59 e de 61, com algumas faixas bônus e dá pra comprar na internet”.

Legalidade de discos divide especialistas

Enquanto a lei europeia estabelece que os fonogramas caem em domínio público 50 anos depois de gravados — ou 70 depois de serem colocados à venda —, a brasileira fixa prazo mais longo: de 70 anos, em ambos os casos. E é apostando nessa diferença que gravadoras como a Cherry Red vendem sem conhecimento dos autores discos de MPB lançados no Brasil.

Especialistas no assunto se dividem quanto à legalidade da estratégia. Para alguns, a medida é “arriscada” e “penaliza os brasileiros”. Para outros, está amparada no artigo 3º de uma diretiva da União Europeia. A polêmica é grande.

— Se o autor não disser nada em contrário, estabelecendo novo foro, o uso de suas obras deve obedecer às leis da cidade em que os contratos originais foram firmados — diz Paulo Oliver, presidente da Comissão de Direito Autoral da OAB-SP. — No caso dos discos da MPB, seria o Brasil, sem dúvida.

Para José Carlos Vaz e Dias, que ensina propriedade intelectual na Uerj, a medida também deve ser alvo de críticas e ações.

— A Cherry Red corre muito risco vendendo esses CDs. Ela deveria obedecer à lei do domínio público no Brasil e ao prazo de 70 anos. Fora isso, também pode estar ferindo os direitos das gravadoras. No caso dos discos de João Gilberto, a EMI ainda detém os direitos comerciais.

Mas o advogado Sérgio Branco, doutor em Direito Civil pela Uerj e autor da tese “O domínio público no direito autoral brasileiro”, discorda de ambos.

— Cada país decide o prazo em que as obras caem em domínio público, independente de onde foram lançadas. Na UE, isso está na Diretiva 93/98/CEE — diz. — Por isso, os britânicos podem usar a MPB. Os discos gravados antes de 1964, seja no Brasil ou na China, estão livres lá.

E acrescenta, revelando curiosidades:

— No México, as obras de Frida Kahlo cairão em domínio público cem anos após a morte dela. Aqui, isso ocorrerá em 70 anos. Por outro lado, no Canadá, que fixou prazo em 50 anos, Graciliano Ramos está liberado. Aqui, isso só ocorrerá em 2023.

Source : Globo Online | 2014-01-05 10:00:00.0

Links : Bandas e Artistas de Reggae

reggaeportugal-comReggae Portugal

REGGAE PORTUGAL - Portal da música Reggae


reggaetrade-comReggaeTrade

O maior guia de cds e dvds de Reggae do Brasil.


uol-com-br-tribodejah-centralreggaeCentral Reggae

O reggae em todas as mídias



Pode apresentar uma Link nesta categoria