Bandas e Artistas de Reggae

País : Jamaica

Representante canções exemplos de Reggae



Videos do Reggae

Video clips do Reggae (YouTube e DailyMotion)

Artistas ou Grupos

340ml(2)[video]  -  Abdel Wright(1)  -  Abdou Day(2)  -  Abdoul Jabbar(1)  -  Abega(3)  -  Abijah(3)  -  Adioa(4)[informações]  -  Admiral Bailey(4)  -  Adrien Bass(1)  -  African Brothers(3)  -  African Bush Doctor(0)[video]  -  African Head Charge(17)[informações]  -  Agana(1)[video]  -  Ahmed Faras(0)  -  Akwe(0)  -  Al Campbell(11)  -  Al Pancho(1)  -  Albert Griffiths(0)  -  Alex Kajumulo(1)  -  Ali Moindzani(0)[video]  -  Alpha Blondy(25)[informações][audio][video]  -  Alpha Mim(1)  -  Alpha Oméga(1)  -  Alpha Rowen(1)[video]  -  Alpha Wess(1)  -  Amazulu(8)  -  Andrew Tosh(4)  -  Anguilé(1)  -  Annette Brissett(1)  -  Anthony B(21)[informações][video]  -  Anthony Johnson(2)  -  Apple Gabriel(4)  -  Arkaingelle(1)  -  Asher Senator(1)  -  Askia Modibo(1)[informações]  -  Aston "Family Man" Barrett(2)  -  Aswad(28)[video]  -  Augustus Pablo(33)[informações]  -  Aziz Wonder(0)[informações]  -  Babadi(5)[video]  -  Baby G(1)  -  Back Jardel(1)  -  Backom(2)  -  Baco(5)[informações][video]  -  Bafing Kul(1)  -  Baloji(1)  -  Baraka Oyuru(1)  -  Barbara Jones(0)  -  Barrington Levy(37)[video]  -  Barrington Spence(3)  -  Barry Brown(4)  -  Baster(12)[video]  -  Bee Pasteef(1)  -  Benjam(6)[video]  -  Benz'n(1)  -  Beres Hammond(28)[informações][video]  -  Big Youth(23)[informações][video]  -  Billy Boyo(2)  -  Bim Sherman(25)[informações]  -  Bingui Jaa Jammy(4)[informações][video]  -  Black Medio(0)  -  Black Roots(6)  -  Black Uhuru(34)[informações]  -  Bob Andy(5)  -  Bob Dahilou(1)[informações]  -  Bob Marley & The Wailers(11)[informações][video]  -  Bobby Ellis(2)  -  Brigadier Jerry(6)  -  Brother Ayouba(1)[video]  -  Buju Banton(19)[informações][video]  -  Bunny Wailer(26)[informações]  -  Burning Spear(41)[informações][video]  -  Burro Banton(3)[informações]  -  Bushman(11)[video]  -  COUP SEC(1)  -  Capleton(20)[informações][video]  -  Carl Harvey(1)  -  Carlene Davis(7)[informações]  -  Cedric "Im" Brooks(5)  -  Cedric 'Congo' Myton(3)  -  CeePee(1)  -  Chaka Demus & Pliers(8)[informações][video]  -  Charlie Chaplin(10)  -  Chata Addy(2)  -  Chezidek(4)[informações]  -  Chow Panachie(1)  -  Chrisinti(2)  -  Clancy Eccles(3)[informações]  -  Cliff Brown Tchiepi(0)  -  Clint Eastwood(3)  -  Clinton Fearon(9)  -  Clive Hunt(1)  -  Cocoa Tea(39)[informações]  -  Cornell Campbell(16)[video]  -  Cultural Roots(2)  -  Culture(32)  -  Défoul' la mêm(4)  -  Daddy Freddy(11)  -  Daddy Nuttea(5)[informações]  -  Daddy Rings(3)  -  Damian Marley(4)[informações][video]  -  Daweh Congo(7)  -  Deïdo Tree(0)  -  Dean Fraser(9)[informações]  -  Delroy Washington(2)  -  Delroy Williams(1)  -  Delroy Wilson(10)[informações]  -  Dennis Brown(90)[informações][video]  -  Dezarie(3)  -  Diana Rutherford(1)  -  Didyé Kérgrain(1)  -  Dillinger(9)  -  Dj Dan(2)  -  Djama(4)[video]  -  Djos Kezo(0)  -  Dolé(0)  -  Don Carlos(1)  -  Doniki(1)  -  Dr Mooch(1)  -  Dr. Alimantado(8)  -  Dread Maxim(2)  -  Earl Chinna Smith(3)  -  Earl Sixteen(5)[informações]  -  Earth and Stone(1)  -  Eek a Mouse(16)  -  Elie Kamano(1)[video]  -  Elijah Prophet(1)  -  Empress Ayeola(1)  -  Energy Crew(1)  -  Eric Donaldson(14)  -  Ernest Ranglin(13)  -  Etana(1)[video]  -  Fôô Fanick(0)[video]  -  Fac Alliance(3)[video]  -  Fadal Dey(0)[video]  -  Frankie Paul(7)[informações]  -  Freaky Joe aka Sing'A'Teh(1)[video]  -  Fred Locks(3)  -  Freddie Mc Gregor(41)  -  Ganga Vibes(0)  -  Garnett Silk(8)[informações]  -  Gato Negro(1)  -  General Degree(3)  -  Gladstone_Anderson(3)  -  Glen Washington(16)  -  Gondwana(5)  -  Guya Tchendo(0)  -  Gyptian(5)[video]  -  Half Cast(0)[video]  -  Harry Mo(1)  -  Hass Keita(0)  -  Hass Mosa(2)[video]  -  Hoba Hoba Spirit(0)[informações]  -  Horace Andy(44)[informações][video]  -  Horace Martin(3)  -  Hugh Mundell(8)  -  I Roy(17)[video]  -  I-Three(2)  -  Ijahman(24)  -  Inner Circle(21)[informações]  -  Innocent Galinoma(1)[video]  -  Ismaël Isaac(7)[informações][video]  -  Ismaël Wonder(1)  -  Israel Vibration(33)[informações][video]  -  Jackie Mittoo(29)[informações]  -  Jacob Miller(8)[informações]  -  Jah Cure(5)[informações][video]  -  Jah Lion(1)  -  Jah Lloyd(3)[informações]  -  Jah Mali(2)  -  Jah Mason(11)[informações]  -  Jah Milk(1)  -  Jah Nesta(1)  -  Jah Prince & The Prophets Band(1)  -  Jah Shaka(17)[informações]  -  Jah Stitch(4)[informações]  -  Jah Woosh(2)  -  Jah'Key Malle(0)  -  Jahel(0)  -  Jahwise(3)[video]  -  Jamadom(2)  -  Jede I Tafari(0)[video]  -  Jerry Jheto(1)  -  Jhiko Manyika(3)  -  Jim Kamson(1)  -  Jimmy Cliff(35)[informações]  -  Jimmy Riley(14)  -  Joe Gibbs(7)  -  Joe Higgs(3)[informações]  -  John Chibadura(7)[informações]  -  John Holt(42)  -  Johnny Clarke(8)[informações][video]  -  Joseph Cotton(8)  -  Josey Wales(3)  -  Judy Mowatt(10)[informações]  -  Julian Marley(4)[informações]  -  June Lodge(2)  -  Junior Delgado(23)[informações]  -  Junior Kelly(9)[informações][video]  -  Junior Murvin(3)[informações]  -  Junior Reid(19)[informações]  -  Justin Hinds(7)[informações]  -  Kajeem(2)[video]  -  Kalash(3)  -  Kaliroots(2)  -  Kalory Sory(1)  -  Kana(2)  -  Keith Hudson(11)  -  Ken Boothe(35)  -  Kiddus I(3)[informações]  -  King David(1)  -  King Sounds(7)  -  Kizito(2)[video]  -  Koko Dembele(1)  -  Kom'Zot(4)  -  Kuami Mensah(0)[video]  -  Kulcha Far I(3)  -  Kussondulola(6)[video]  -  Kwame Bediako(3)  -  Ky Mani Marley(1)  -  Kâyamanga(1)  -  Larry Cheick(1)  -  Lee "Scratch" Perry(22)  -  Leroy Brown(1)  -  Leroy Smart(6)  -  Linton Kwesi Johnson(15)[informações][video]  -  Linval Thompson(3)[video]  -  Little John(4)  -  Little Roy(7)[informações]  -  Lord Of Ajasa(1)  -  Luciano(41)  -  Lucky Dube(20)[informações][audio][video]  -  Lutan Fyah(11)  -  Lyricson(3)[video]  -  Macka B(17)[informações]  -  Mad Cobra(7)  -  Madoxx(0)  -  Maiko Zulu(1)  -  Majek Fashek(4)[informações][video]  -  Manleo(1)  -  Marcel Salem(2)[video]  -  Marcia Aitken(1)  -  Marcia Griffiths(18)[informações]  -  Marlaoui(0)  -  Marlon Asher(2)  -  Marloy(1)  -  Maroghini(2)[informações]  -  Mawana Slim(1)  -  Max Romeo(29)[informações]  -  Maxi Priest(13)  -  Mc Duc(1)  -  Merger(1)[video]  -  Message Roots(1)  -  Michael Prophet(21)[informações]  -  Michael Rose(27)[video]  -  Michael Smith(1)  -  Michel Legris(0)[video]  -  Mikey Dread(21)[informações]  -  Mikey General(2)  -  Mikey Ras Starr(1)  -  Mikey Spice(6)  -  Milton Henry(1)  -  Mireille Tikry(0)[video]  -  Misty in Roots(9)[informações]  -  Mo'Kalamity(2)  -  Momo Roots Soumah(1)  -  Morgan Heritage(14)[informações][video]  -  Moses I(1)  -  Muinguilo(2)  -  Mutabaruka(12)[informações]  -  Mystic Man(1)  -  NNeka(6)  -  NZH(0)[video]  -  Naftaly(1)  -  Nasio Fontaine(5)[informações][video]  -  Nasty D(6)  -  Natty Dread Reunion(4)  -  Nazarenes(3)  -  New Breed(1)  -  Nicy(1)  -  Nikko(4)  -  Niominka-bi(6)[informações]  -  Norris Reid(2)  -  Nuttea(10)[informações]  -  Nyala(1)  -  Nzela(2)  -  O'Yaba(5)  -  Olmyta(0)[video]  -  Pablo Gad(1)  -  Pablo Moses(15)[informações][video]  -  Pach Jahwara(0)  -  Papa San(11)[informações]  -  Paps Natty General(0)  -  Patra(2)[video]  -  Patrick Persée(4)[video]  -  Peter Broggs(9)[informações]  -  Peter Tosh(17)[informações][video]  -  Peterside Ottong(2)  -  Philip Toussaint(1)  -  Poglo(4)  -  Prince Alla (Prince Allah)(13)[informações]  -  Prince Far I(19)[informações]  -  Prince Jazzbo(1)[informações]  -  Prince Lincoln Thompson(5)  -  Prince Osito(0)  -  Queen Ifrica(2)[video]  -  Queen Omega(4)  -  Racine des Iles(1)  -  Ramses De Kimon(1)[informações]  -  Ranking Dread(3)[informações]  -  Ranking Joe(2)[informações]  -  Ras Amadeüs Bongo(1)  -  Ras Dumisani(2)[informações]  -  Ras Elia Hassou(0)  -  Ras Ly(0)[video]  -  Ras Natty Baby(6)[video]  -  Ras Naya(0)  -  Ras Noël(5)  -  Ras kimono(2)  -  Rasbawa(4)  -  Rass Kwame(1)  -  Rass Shiloh(5)  -  Richie Spice(7)[informações][video]  -  Rico Rodriguez(4)[informações]  -  Rita Marley(6)[informações]  -  Rocky Dawuni(5)[informações]  -  Rod Taylor(2)  -  Rootz Underground(2)  -  Salim Jah Peter(1)  -  Sally Nyundo(0)[video]  -  Salone Ishmael(2)  -  Salone JR(1)  -  Samx(4)  -  Saël(4)[video]  -  Scientist(13)  -  Sean Paul(7)[informações]  -  Selasee Atiase(1)  -  Serges Kassy(3)[video]  -  Seyni & Yéliba(2)  -  Shasha Marley(1)  -  Sistah Mad'Ness(0)  -  Sister Carol(7)[informações][video]  -  Sizzla(36)[informações][video]  -  Sly & Robbie(24)  -  Soumaïla Diarra(0)[informações]  -  Spraggy(1)  -  Steel Pulse(18)[informações]  -  Stephen Marley(3)[video]  -  Taj Weekes(3)  -  Takana Zion(4)[video]  -  Tangara Speed Ghôda(2)[video]  -  Tanya Stephens(5)[informações][video]  -  Tarrus Riley(3)[video]  -  Tatu Clan(1)[video]  -  Teba Shumba(0)[video]  -  Teezy(1)  -  Terry Linen(3)  -  The Abyssinians(11)[informações][video]  -  The Aggrovators(13)  -  The Black Missionaries(0)[video]  -  The Chantells(1)[informações]  -  The Congos(13)[informações]  -  The Ethiopians(11)[informações]  -  The Gladiators(40)  -  The Heptones(16)[informações][video]  -  The Itals(10)[informações]  -  The Mandators(1)  -  The Meditations(9)[informações]  -  The Melodians(5)  -  The Mighty Diamonds(38)  -  The Mighty Three's(1)  -  The Rastafarians(1)[informações]  -  The Royals(2)  -  The Slickers(2)[informações]  -  The Tamlins(8)  -  The Twinkle Brothers(45)  -  The Viceroys(5)  -  The Wailers(11)  -  Third World(18)  -  Tiken Jah Fakoly(12)[informações][video]  -  Tommy McCook(15)[informações]  -  Tommy T(1)  -  Tony Roots(1)  -  Tony Tuff(20)  -  Toots and the Maytals(27)  -  Trinity(6)  -  Triston Parmer(1)  -  Turbulence(11)  -  U Brown(5)  -  U Roy(22)  -  V Santym(0)  -  VIB(1)  -  Vagabond Squad(0)  -  Valley(2)  -  Vickson(0)[video]  -  Waby Spider(3)  -  Wailing Roots(1)  -  Wailing Souls(18)  -  Wailing Souls(10)[video]  -  Wanamah(0)  -  Warrior King(3)  -  Wayne Wade(3)  -  Welton Irie(6)  -  Willie Williams(4)  -  Winston Jarrett(6)  -  Winston Mc Anuff(6)  -  X-MAN(1)  -  Yabby You(9)[informações]  -  Yami Bolo(13)  -  Yaya Yaovi(1)[video]  -  YeahmanC(2)  -  Yellowman(56)[informações][video]  -  Yongy Lorenzo(0)  -  Youss Nassa(0)[video]  -  Zêdess(3)[video]  -  Zed-I(1)  -  Zhou-Mack(1)  -  Ziggy Marley(17)[informações]  -  Zoanet Comes(4)  -  

Compilações

Afro Reggae Party(1)  -  Dancehall Nice Again(3)  -  Fly African Eagle(1)  -  Planete Reggae(1)  -  Raggae Gold(10)  -  Raggae-Kolor(1)  -  Reggae Africa(1)  -  Reggae Meets Africa(1)  -  Reggae Over Africa(1)  -  Sun Splash(0)  -  

Notícia : Bandas e Artistas de Reggae

BARCELONA — A química dos Chemical Brothers continua explosiva. Com uma precisa combinação de sons e imagens, o duo britânico formado por Tom Rowlands e Ed Simons — que despontou em meio ao boom eletrônico dos anos 1990 — causou um abalo no palco principal do festival Sónar Barcelona, completamente lotado na noite de sábado, ao apresentar músicas do seu próximo álbum, “Born in the echoes”, e rever ácidos hits como “Hey boy hey girl”, “Star guitar” e “Believe”. A troca entre Rowlands, Simons e o artista visual Adam Smith gerou insanos patinadores em “Go”, robôs gigantes em “Under the influence” — duas músicas do novo disco —, silhuetas de animais em “Doesn’t matter” e um vermelho infernal em “Setting sun”, até a detonação final com “Galvazine” e “Block rocking beats”.

A noite de encerramento da edição de 2015 do evento espanhol — que terá uma versão brasileira em novembro, em São Paulo, com os próprios Chemical Brothers como atração principal — contou também com a hipnótica figura de FKA Twigs e seu narcótico r&b. Apesar da pequena estatura, Twigs se agiganta no palco, com intrincadas e sensuais coreografias, revelando seu passado de dançarina e dando um novo sentido às músicas do seu elogiado álbum de estreia, “LP1”, de 2014, seja na versão a capela de “Lights on” ou nas cortantes “Two weeks” e “Video girl”, com sua cristalina voz envolta por uma cacofonia de sons eletrônicos.

Não menos espetacular foi o show de Flying Lotus. Inserido num ambiente 3D, num cubo mágico criado pelo artista visual Strangeloop, o sobrinho de Alice Coltrane mostrou as músicas do seu mais recente trabalho, “You're dead”, carregando de tintas psicodélicas o seu já espacial som e remontando, ao vivo, suas partículas de jazz e hip-hop. O jazz, em combinação com batidas de reggae, jungle e dubstep, também deu o tom do animado DJ set do produtor britânico Swindle, que se apresentou mais cedo, na programação do Sónar Dia — em meio a demonstrações de realidade virtual, exibições de instrumentos eletrônicos e debates sobre cultura digital na mostra paralela Sónar + D.

Outra atração confirmada para o Sónar São Paulo, Evian Christ fez uma apresentação dispersa em outro palco, valorizada pelas projeções do designer Emmanuel Biard. Mais intrigante e bem resolvido foi o concorrido concerto para laptop da chamada rainha da tech-topia, a americana Holly Herndon, mostrando músicas do seu novo álbum, “Home”, encerrado com um singelo “thank you” projetado do seu aparelho para o telão.

Em seus três dias, o evento — cujo passe com acesso a todos os shows e atividades custava €195 — foi visto por quase 120 mil pessoas, sendo 56% de público internacional e 44% de espanhóis, segundo a organização.

— O Sònar é uma espécie de Ibiza com conteúdo — resumiu, com bom humor, a arquiteta Teresa Martínez, de Sevilha, que frequenta o evento há dez anos, sentada no gramado artificial que cobria a área do Sónar Dia.

*O repórter viajou a convite da produção do festival Sónar

Source : Globo Online | 2015-06-22 11:00:00.0

Sem fazer muito esforço nem apresentar bom futebol, a Argentina venceu a Jamaica por 1 a 0, neste sábado, e garantiu a primeira colocação do Grupo B, classificando-se às quartas de final da Copa América. Paraguai e Uruguai, que empataram em 1 a 1, terminaram em segundo e terceiro da chave, respectivamente, e também se classificaram. A Jamaica terminou em último, com três derrotas por placar mínimo e sem nenhum ponto.

Os argentinos só saberão no domingo quem será o adversário na próxima fase. Como primeiros do grupo B, eles enfrentarão um dos terceiros colocados, e a definição terá que esperar os jogos do grupo C, o do Brasil.

TABELA: Jogos e classificação da Copa América

Os argentinos ficaram devendo, embora em vários momentos tenham feito boas jogadas e criado chances de aplicar um placar maior. Entre aqueles de quem ainda se espera mais está Messi. Algumas arrancadas, passes e um quase gol de cobertura no segundo tempo. Pouco para o que se está acostumado a ver do craque. Talvez a pouca qualidade do adversário tenha influenciado, afinal o camisa 10 parecia totalmente desconectado do que se passava em campo.

O gol da vitória saiu cedo, com 10 minutos de bola rolando. Bola centrada por Di María, rasteira, e Higuaín girou em cima de quatro marcadores e mandou para a rede. Lance que dava a impressão que uma goleada poderia vir.

Pressionada, a Jamaica chegava a ter nove jogadores dentro de sua área. Estava tudo tão tranquilo que até Rojo acertou um cruzamento de letra. As chances se seguiam com Higuaín encobrindo o goleiro e a bola tocando o travessão, com o chute para fora de Messi e a boa defesa do goleiro Miller em bomba de Di María.

A impressão dos primeiros minutos do segundo tempo era que a Argentina finalmente iria resolver a parada. Di María acertou o travessão, Miller se esticou todo para evitar o gol de cobertura de Messi. Porém o gás foi acabando, a Jamaica foi ganhando mais posse de bola e chegou a exigir algumas defesas de Romero. A torcida, irritada com a pouca efetividade, ensaiou vaias. A arquibancada era o termômetro e Martino pôs em campo Tevez, o "jogador do povo".

Só que nem assim a Argentina acordou. Quem esteve animada mesmo nos minutos finais foi a Jamaica. Sem nada a perder os Reggae Boyz até tentaram diante de suas limitações empatar. Tiveram uma sequência de escanteios já nos acréscimos, porém não alcançaram o objetivo de se despedirem do Chile com pelo menos um golzinho. Algumas vaias merecidas, aplausos frios e cantoria sem embalo após o apito final. A favorita Argentina ainda não deu as caras nesta Copa América e na sexta disputará uma vaga nas semifinais.

ARGENTINA 1 X 0 JAMAICA

Local: Sausalito, em Viña del Mar (CHI)

Data-hora: 20/6/2015 - 18h30

Árbitro: Julio Bascuñán (CHI)

Público: 21.086 espectadores

Auxiliares: Carlos Astroza (CHI) e Marcelo Barraza (CHI)

Cartões Amarelos: Watson (JAM), Hector (JAM), Austin (JAM); Pastore (ARG), Zabaleta (ARG)

Cartões Vermelhos: Não houve

Gol: Higuaín 10'/1ºT (1-0)

ARGENTINA: Romero, Zabaleta, Garay, Demichelis e Rojo; Biglia, Mascherano e Pastore (Pereyra 13'/2ºT); Messi, Higuaín (Tevez 26'/2ºT) e Di María (Lamela 38'/2ºT) - Técnico: Gerardo Martino.

JAMAICA: Miller, Mariappa, Héctor (Taylor 25'/2ºT), Morgan e Lawrence; Austin, Watson, McCleary, McAnuff e Laing (Dawkins 26'/2ºT); Brown (Barnes 32'/2ºT) - Técnico: Winfried Schäfer.

Source : Globo Online | 2015-06-21 02:03:50.0
Conteudo da noticia não encontrado
Source : eptv.globo.com | 2015-06-20 23:04:31.0

Começa o famoso São João do estacionamento de Jaraguá. Na lista do G1 também tem shows de rock, música eletrônica e reggae.
Source : G1.com.br | 2015-06-19 10:40:29.0
Bandas e músicos portugueses como The Black Mamba e Mimicat vão atuar em São Paulo esta semana, levando à cidade brasileira expressões da nova música do país, com soul, blues, jazz, funk e reggae com toque lusitano.

RIO - Todo bairro carioca tem um ponto de referência informal: Copacabana tem o Posto Seis, Madureira tem o Mercadão, a Lapa tem os Arcos, Paquetá, um baobá. O Méier tem um leão — uma estátua de leão, em tamanho natural, com juba, bocarra e até testículos, que costumam ser pintados de vermelho pelos moleques da vizinhança.

Nascido no bairro, o DJ e produtor cultural Pedro Rajão, 29 anos, garante que nunca maculou o animal de pedra, que na verdade é um marco publicitário do Lions Club fincado no cruzamento da Rua Dias da Cruz com a Rua Hemengarda em 1989. Mas admite que sempre achou curioso um animal africano no meio daquela selva urbana de ônibus, camelôs e passantes. Por isso, não teve dúvida quando batizou o evento cultural que faz quinzenalmente na Praça Agripino Grieco (ao lado do leão), e que pouco mais de um ano tornou-se referência no calendário cultural de toda Zona Norte, arrastando até mil pessoas por edição: Leão Etíope do Méier. No último sábado, teve uma apresentação do “O triunfante circo etíope”, que reúne artistas circenses, e um show da Fanfarra Black Clube.

— O Leão do Méier me remete ao Leão de Judá, da antiga bandeira da Etiópia, um dos pouquíssimos países africanos que conseguiram resistir e não foram colonizados — comenta Pedro, um aficionado por música africana (ele dirige o documentário “Anikulapo” sobre Fela Kuti). — Sempre chamei de “leão etíope” por isso, e acabou pegando. O projeto virou “Leão Etíope do Méier” e nossa página no Facebook é “Perto do Leão Etíope”, que é onde todo mundo nos acha.

O primeiro evento foi feito de maneira improvisada, para arrecadar fundos para a reconstrução da sede do GRANES Quilombo (Grêmio Recreativo de Arte Negra e Escola de Samba Quilombo, uma dissidência da Portela, fundada em 1975 por Candeia, Nei Lopes e Wilson Moreira, hoje levada pela filha de Candeia, Selma). Em dezembro de 2013, uma enchente no Rio Acari destruiu parte da sede, que fica em frente à estação de metrô Fazenda Botafogo. Como Pedro é muito ligado à escola, fez uma roda de samba na praça para “passar um chapéu”. Deu certo. A praça encheu, juntaram mais de R$ 1 mil para a escola e os moradores elogiaram a iniciativa.

Quinze dias depois, Pedro organizou um evento de reggae com o DJ do gênero mais reconhecido do Maranhão, Serralheiro. Depois, um cineclube (que virou o “Cineclube Etíope do Méier”, com exibição de filmes seguido por debate com os diretores). Em um ano e meio de existência, o projeto virou palco fixo para artistas cariocas, e já levou nomes como Ava Rocha, Negro Leo, Orquestra Voadora, Siderais e Carlos Malta.

— No show do Negro Leo, que é bastante noisy, ele enlouquecendo no palco, vi um velhinho aplaudir muito. No final, ele foi o único a pedir bis. Nem o Negro Leo acreditou, e ofereceu o bis a ele. Achei sensacional — lembra Pedro. — Tem muito show, mas também fazemos apresentações de teatro, exposição de fotografias, já teve um ato contra a redução da maioridade penal e um aulão de história a céu aberto, quando o pessoal começou a ir para a rua pedir intervenção militar. Hoje já rolam outros eventos aqui. Esse é o maior legado, ocupar a praça.

FILME COM TRILHA AO VIVO

A ele se juntaram outros frequentadores, como a fotógrafa Marina Andrade, de 29 anos, moradora do bairro, que fazia imagens da praça cheia por conta própria e hoje é uma das produtoras do coletivo espontâneo. Ou o cicloativista Bernardo Lima, 28 anos, que também vive por ali e começou a chegar cedo “para dar uma força”.

— Sempre frequentei a praça, conhecia a roda de capoeira que sempre aconteceu aqui, mas não tinha mais nada. Não há equipamentos culturais no bairro, o Imperator reabriu agora, mas passou anos fechado. Tá vendo aquela igreja ali (aponta para o outro lado da praça)? Era o cinema Art-Méier, que fechou. À noite era, e ainda é, perigoso andar por aqui. Achei sensacional ver tanta coisa bacana rolando do lado de casa.

Outro que “colou” com o grupo foi Abelardo Oliveira de Melo, 46 anos, que se apresenta na praça com a alcunha de “Colecionador de Mágicas”. Não é mágico, explica ele, é “colecionador”. Ele surrupia truques alheios, desvendando-os e reproduzindo-os em suas apresentações. Morador do Engenho de Dentro, ele sempre pedia para fazer umas mágicas ao final dos shows do Leão Etíope. Fez sucesso principalmente com o “truque dos bombons”, geralmente dirigido às mulheres, e juntou-se à moçada.

As poucas reclamações de moradores são relacionadas ao barulho, mas nada que não seja resolvido imediatamente. Para fazer os eventos na praça, eles têm autorização na prefeitura, o “Nada a opor”. O documento, no entanto, não garante a estrutura, sequer banheiros químicos, principal queixa do grupo.

— Qualquer evento cultural na rua, no Rio, só acontece quando os donos de bares são parceiros, emprestando a tomada ou liberando o uso do banheiro — critica Pedro, que mantém o Leão com a contribuição espontânea do público.

Selecionado no edital Ações Locais — 450 anos, o Leão Etíope do Méier vai receber, ainda este mês, segundo a Secretaria Municipal de Cultura, R$ 40 mil do prêmio, oferecido a 85 projetos de impacto local. Com o dinheiro, o grupo pretende comprar um equipamento de som. Vai ser preciso: o próximo evento, antecipa Pedro, terá exibição do filme “O grande Lebowski” com a banda Beach Combers executando a trilha sonora ao vivo.

Source : Globo Online | 2015-06-14 23:16:42.0

RIO — Este fim de semana no Rio de Janeiro vai ser agitado. Não vão faltar opções para os casais comemorarem o dia dos namorados além de um jantar à luz de velas. Tem programa para todos os gostos: da música clássica ao rock dos anos 80, do jazz ao reggae. Um dos destaques é o retorno do Circo Voador ao Arpoador em homenagem a Cazuza para comemorar 30 anos da música 'Exagerado'.

Homenagem a Cazuza no Arpoador

Nesta sexta, Liminha, Dado Villa-Lobos, João Baroni e Toni Platão se apresentam como a banda Todos Envolvidos, para homenagear o ícone do rock nacional. A programação no novo antigo Circo continua com mais shows: Blitz, Dônica e Suricato também sobem ao palco no sábado. No domingo, oficinas de poesia e debates sobre música, além da festa de encerramento com o Baile do Almeidinha.

Liminha e João Barone comentam nova versão de 'Exagerado'

Na Lapa, Circo recebe Tulipa na sexta e Orquestra Imperial no sábado

Ainda que o antigo point no Arpoador seja relembrado, o Circo Voador atual não pára. A casa comemora o Baile dos Namorados em duas partes: na sexta, Tulipa Ruiz lança a turnê do seu terceiro disco "Dancê" e recebe João Donato no show. No sábado, o espaço abre as portas para a Orquestra Imperial, que conta com a participação de Teresa Cristina, Luiz Melodia e Clarice Falcão.

Reggae na Fundição

Logo ao lado, também no dia 12, a Fundição Progresso promove mais uma edição do festival Fundição Reggae Music, com os shows da banda californiana Groundation e a carioca Ponto de Equilíbrio. O grupo americano comemora dez anos de carreira.

Ponto de Equilíbrio 'Novo dia'

Angela Ro Ro no Rival

Angela Ro Ro apresenta o intenso show "De todas as maneiras" no Teatro Rival também neste dia dos namorados. No repertório, a cantora traz músicas que marcaram a vida dela, como um convite à plateia para fazer parte dela.

Solistas de São Petersburgo

Os amantes da música clássica podem aproveitar a apresentação do conjunto Os Solistas de São Petersburgo nesta sexta no Theatro Municipal. A menina Varvara Kutuzova completa 12 anos esta noite e vai tocar o Concerto para piano e orquestra nº 17 em sol maior, de Mozart.

Série MPB & Jazz

No sábado, o palco do teatro celebra os 450 anos do Rio com o show "Rio Sinfônico", da série MPB & Jazz. A Orquestra Sinfônica se apresenta com os solistas convidados Wagner Tiso, Jards Macalé, Moyseis Marques, Robertinho Silva, Marcos Suzano.

Mestre Vieira na Caixa Cultural

Sexta e sábado, Mestre Vieira, criador da guitarra paraense, lança o 15° disco "Guitarreiro do mundo", na Caixa Cultural. O novo disco traz baião, choro e samba e o músico também deixa a guitarra de lado para se apresentar no cavaquinho. Após os shows com entrada franca, o cantor participa de um bate-papo com o público. Inscrições via e-mail (producaomestrevieira@gmail.com).

Mestre Vieira Caixa Cultural

Rodrigo Leão na Cidade das Artes

Na Cidade das Artes, o português Rodrigo Leão traz o som da terrinha como atração do festival Portugal no Rio. Nesta sexta, ele apresenta o trabalho do álbum recém-lançado "Florestas submersas", encomendado pelo Oceanário de Lisboa para uma exposição do artista japonês Takashi Amano.

Sandra de Sá e Baleia nos palcos do SESC

A programação de sábado do SESC conta com Sandra de Sá na mostra "Negro Soul", que reúne representantes brasileiros da música soul, no Espaço Cultural Escola SESC. Já no SESC Tijuca, a banda Baleia se despede do disco "Quebra azul", mas já garante um novo álbum em produção.

Baleia Tardei

Extreme de volta ao Brasil

Com tantos eventos, o fim de semana não poderia terminar parado. No domingo, os fãs da banda de rock Extreme podem relembrar ao vivo os hits "More than words" e "Hole hearted". O grupo se apresenta na Fundição Progresso depois de 23 anos longe do Brasil. O show vai comemorar 25 anos do clássico "Pornograffiti".

Extreme Tardei

Source : Globo Online | 2015-06-12 17:25:59.0

Banda faz show neste sábado (13) no Sesc Thermas. Grupo possui mais de 90 canções autorais.
Source : G1.com.br | 2015-06-12 12:05:02.0

Às vésperas do Dia dos Namorados, na próxima sexta-feira, o comércio se mobiliza para conquistar a preferência dos casais apaixonados. Shoppings, hotéis e outros estabelecimentos investem em eventos e promoções especiais para a ocasião.

No segundo piso do Shopping Metropolitano, na Barra, entre as diversas promoções se destaca um painel com a hashtag #paixãodenamorados, diante da qual os casais podem tirar fotos de recordação e postar no Instagram, para ganhar a uma versão impressa com layout temático. Moradores da cidade de Bauru, em São Paulo, os namorados Caroline Fuzetti, de 23 anos, e Gabriel Teixeira, de 28, a passeio no Rio, aproveitaram para registrar o momento.

— Adorei a ideia da foto. E vai ser muito legal poder ver depois as imagens dos outros casais — afirmou Caroline.

Para saciar a fome dos apaixonados, o Metropolitano apostou em food bikes: serão dez espalhadas pelas duas praças de eventos localizadas no primeiro piso.

Pelo menos três delas, a Confeito Design, a É de Chocolate e a Le Sorbet estão fazendo sua estreia na data.

— Tenho uma loja em Botafogo e estou com a bike desde novembro. A expectativa de venda para os namorados é a melhor possível — diz Julia Borges, da Confeito Design.

O casal de argentinos Brian Ilheu e Alejandra Echenique, vindos de Mar Del Plata, não conhecia o modelo de venda sobre bicicletas.

— Na Argentina, isso não existe. É um tipo de comércio muito interessante. Chama a atenção de quem passa. Em Mar Del Plata, nem mesmo os trucks chegaram — contou Alejandra.

Confira a seguir outras opções de eventos para curtir o Dia dos Namorados.

ONDE NAMORAR:

Boliche social clube

O Boliche Social Club, no BarraShopping, contará, na noite da próxima sexta-feira, com a DJ Lohane Carnaval e sua setlist especial de Dia dos Namorados. O boliche funciona do meio-dia à meia-noite. R$ 80 (por uma hora de pista, para no máximo seis pessoas), até as 18h, e R$ 135 depois. Telefone: 2431-9566.

Na orla

Para o Dia dos Namorados, o chef Marcio Moutinho do quiosque Aloha Rio, entre os postos 2 e 3 da Praia da Barra, criou um menu de degustação para os casais, harmonizado com sua carta de vinhos. Acompanhando o jantar, uma apresentação da cantora holandesa Martie, que tem como repertório clássicos da bossa nova. R$ 110 (incluindo uma taça de vinho). Reservas: 2491-6953.

Hotéis

Windsor e Hilton terão queimas de fogos no Dia dos Namorados, como teste para uma possível festa de réveillon. No Windsor (Av. Lucio Costa 2.630. Tel.: 2195-5000), o show será acompanhado de música ao vivo. O chef Manoel Araújo, que cuida da cozinha do hotel, apostará em receitas com ingredientes afrodisíacos para a noite. O pacote de hospedagem e jantar custará a partir de R$ 890,20 na próxima sexta. O casal que pedir só o jantar paga R$ 280. No Hilton (Av. Abelardo Bueno 1.430), há vários pacotes para a data. Um deles inclui uma noite na suíte presidencial, jantar, porta-retrato com a foto do casal na mesa de cabeceira, joia da H.Stern e passeios de limusine e helicóptero por R$ 12.080.

Amor radical

No BarraShopping, até sexta-feira, quem apresentar R$ 500 em notas fiscais nos estandes da campanha dos namorados ganhará um cupom para concorrer a 90 câmeras Polaroid Cube, modelo resistente à água e a quedas, e a um Jeep Renegade.

Food Bikes e fotos

O Shopping Metropolitano, na Avenida Embaixador Abelardo Bueno, apostou em inovação para agradar aos namorados. Fotos junto à hashtag gigante #paixãodenamorados e food bikes instaladas nas praças de evento do primeiro piso são as atrações. As bikes podem ser encontradas hoje e entre os dias 11 (das 13h às 22h) e 14 (até as 21h).

Show Gratuito

Lui Medeiros, finalista do programa “The Voice Brasil” em 2014, vai embalar os casais na sexta-feira, no Américas Shopping. Às 20h, na praça de alimentação do segundo piso. Telefone: 2442-9900.

Na onda

O Espaço Lounge do Clubinho Marambaia, em Barra de Guaratiba, vai receber a banda Swell, na sexta, às 21h. No repertório, reggae, pop, rap e rock. A noite terá ainda a participação do DJ Xuxa. Estrada Roberto Burle Max 3.801, casa 4. Telefone: 3316-1913.

Conte a sua história

O Barra Garden está com uma campanha voltada para as grandes histórias de amor. Os relatos mais apaixonados feitos na página do shopping no Facebook até sexta-feira concorrerão a um prêmio surpresa.

Amor abaixo de zero

Os namorados que forem patinar no Estação on Ice pagarão apenas um ingresso entre amanhã e sexta. Há unidades no Barra Garden (3388-5810) e no Américas Shopping (2442-9514). R$ 40, por uma hora de patinação (equipamento incluído).

Source : Globo Online | 2015-06-07 11:00:00.0

RIO - Sucesso à frente dos batuqueiros A Parede e Monobloco, por que diabos Pedro Luís se mete a gravar seus próprios discos? Por uma necessidade comum a muitos compositores: a de reunir os “filhos”, as composições, nem que seja para um fim de semana no acampamento. Depois da temporada de um show em que homenageava as cantoras que já gravaram músicas suas (Adriana Calcanhotto, Roberta Sá, Zélia Duncan, Verônica Sabino...), Pedro muniu-se de suas cordas (vocais, de aço, de náilon) e da percussão de Paulino Dias e foi para o ateliê do cenógrafo e artista plástico Sérgio Marimba, no Rio Comprido, para cantar à frente de uma plateia de amigos. Dirigido por Bianca Ramoneda (que define o filme como “um enorme making of”) e Jorge Bispo, “Aposto” é uma reunião das músicas de um compositor sempre em trânsito, que anda por gêneros como o samba, o reggae, o pop, o baião — e em diversos momentos dá a impressão de se sair melhor nos formatos mais tradicionais —, em parcerias constantes, que vão de Rodrigo Maranhão e João Cavalcanti a Martinho da Vila e Mart’nália.

No ateliê de Marimba (que, tímido, é apresentado por Pedro e tenta fugir dos holofotes), são 18 músicas, de fases diferentes da vida do compositor, como o lindo baião “Noite severina”, parceria com Lula Queiroga (gravado em “Vagabundo”, disco de Pedro Luís e A Parede com Ney Matogrosso em 2004), e a inédita “De nós”, em que ele recebe Zélia Duncan e seu bandolim, em um belo dueto. A aposta no formato cru é tão clara que, além da cantora niteroiense, Pedro recebe apenas mais uma convidada, Nina Becker (em outro bom momento, “Parte coração”). Mesmo não sendo o mais técnico dos cantores (houve uma melhora flagrante nos últimos anos, aliás) e nem o mais virtuoso dos instrumentistas (nesse campo, diga-se, Pedro sempre se defendeu bem), o destaque absoluto para as canções se prova certeiro. O entrosamento com Paulino é preciso — em alguns momentos a dupla lembra Lenine e Marcos Suzano no clássico “Olho de peixe”, de 1993.

Os extras ganham esse nome apenas porque não são parte do show “principal”, mas integram a espinha dorsal do DVD com firmeza. O melhor momento é o encontro, no estúdio Toca do Bandido, com Martinho e Mart’nália ao som de “Samba de cabôco”, composta por Pedro e Roque Ferreira, apenas com vozes, palmas e cavaquinho. Uma delícia, como se pode pressupor. Depois de um canjerê com as simpáticas cantoras Duda Brack e Bruna Caram, no baião “Véu de filó”, Pedro vai brilhar em outra galáxia sonora: ao lado de João Cavalcanti, ele canta “Indivídua”, um exercício de humor e gramática ao som das bases eletrônicas de Marcelinho da Lua e Bruno DJ, com direito a intervenção do multiartista Cabelo. Uma espécie de Lego musical que monta um Pedro Luís completo e colorido.

Cotação: Bom

Source : Globo Online | 2015-06-02 11:00:00.0

RIO - Lembra do Snoop Dogg que se reinventou como cantor de reggae, entusiasta da filosofia rastafári, no álbum “Reincarnated” (de 2013)? Pois bem, ele acaba de sumir na fumaça de um novo lançamento: “Bush”, o 13º álbum da montanha-russa de qualidade que é a sua discografia. Nem parece, mas lá se vão 23 anos desde que o rapper surgiu no seio do gênero gangsta com o álbum “The chronic” (do produtor Dr. Dre) e 22 desde que seu primeiro álbum solo, “Doggystyle” (produzido por Dre), fez dele uma estrela mundial. Com uma única constante em sua carreira (o tema da maconha nas letras), Snoop Dogg agora faz o seu álbum de festa — e não decepciona, tampouco surpreende.

“Bush” é o primeiro disco desde “Doggystyle” que ele grava com um só produtor. E não haveria outro para a tarefa que não Pharrell Williams, hoje um popstar de luz própria, mas que em 2002, com o grupo de produtores Neptunes, o ajudou a chegar alto nas paradas com a canção “Beautiful”. Cantando bem mais do que fazendo rap, Snoop dá as mãos a Pharrell e os dois seguem na missão de recuperar o funk e o soul da música que ouviam quando crianças, nos anos 1970 (hoje, eles contam, respectivamente, 43 e 42 anos de idade). O que eles se propõem, basicamente, é trazer de volta o rádio de tempos mais felizes, como sugere a locução na faixa “This city”. Snoop Dogg - California Roll ft. Stevie Wonder, Pharrell Williams

Assim, Stevie Wonder é convidado de honra, com sua gaita, no soul “California roll”, celebração da maconha medicinal. E Charlie Wilson (cantor da Gap Band, que já havia estado com Snoop e Pharrell em “Beautiful”) volta para dar sabor à sexista-safadona “Peaches n cream”. Sim, porque nem as várias metamorfoses e nem o fato de ter sido recebido por Barack Obama na Casa Branca fizeram Snoop deixar de ser quem é: aquele malandrão de voz macia, que vai dizer algumas barbaridades eróticas, curtir a vida adoidado e voltar à erva sempre que possível (como em “Awake”, em que se apoia na vivência para aconselhar: “Não tente ficar mais chapado do que eu”).

A questão em “Bush” é: quantas faixas realmente memoráveis, como “Beautiful” ou “Sexual eruption”, há no disco? Difícil dizer. De qualquer forma, mesmo quando as bases são mais sem graça, como em “R U A freak” e “Run away” (com Gwen Stefani), Snoop não deixa a peteca cair. Só em “I’m ya dogg” é que a colaboração com os rappers Rick Ross e Kendrick Lamar soa meio despida de propósito. Mas ela passa batida no disco.

Cotação: regular

snoop dogg

Source : Globo Online | 2015-05-26 11:00:00.0
Os integrantes da banda de reggae carioca Ponto de Equilíbrio foram vítimas de um assalto na madrugada deste sábado, 23, por volta de 3h20, quando voltavam de um show em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS).
Source : atarde.com.br | 2015-05-23 18:09:00.0

'Recife+Verde' ocorre neste sábado; ingressos custam a partir de R$ 50. Groundation e Planta & Raiz também fazem shows no Chevrolet Hall.
Source : G1.com.br | 2015-05-22 23:39:29.0

RIO — Uma grande brincadeira com um fundo sério. Para promover a campanha "Red Nose Day", voltada para arrecadar fundos para crianças e jovens que vivem na pobreza, integrantes do Coldplay se juntaram ao elenco de "Game of thrones" e simularam ensaio para um musical sobre a série.

Depois de lançar vídeos isolados, como o que Peter Dinklage, que interpreta Tyrion Lannister, mostra que também é bom cantor, o Coldplay divulgou a íntegra de 12 minutos em seu canal no YouTube.

Na brincadeira, Chris Martin e Will Champion, vocalista e baterista da banda inglesa, escrevem canções para o musical, esperando a participação do elenco da série. Após um início complicado, as coisas mudam quando Kit Harington (Jon Snow) resolve aderir de maneira efusiva. No fim, além de Dinklage e Harington, atores como Nikolaj Coster-Waldau (Jaime Lannister), Emilia Clarke (Daenerys Targaryen), Rose Leslie (Ygritte), Mark Addy (Robert Baratheon), Iwan Rheon (Ramsay Bolton) e Alfie Allen (Theon Greyjoy) também participaram.

"Tudo o que a gente precisa agora é a autorização de George R.R. Martin", diz Chris Martin no vídeo. Mas parece que o autor não gostou muito da performance dos atores e músicos envolvidos...

Veja o vídeo abaixo, assim como as apresentações "solo" de Emilia Clarke (cantando reggae com gorro e tudo!), Peter Dinklage e Nikolaj Coster-Waldau.

Vídeo Coldplay + Game of thrones

Vídeo Emilia Clarke Coldplay

Red Nose Day

Video Nikolaj Coster-Waldau Coldplay

Coldplay

Source : Globo Online | 2015-05-22 17:53:17.0

RIO — Um dos grandes nomes do reggae, o marfinense Alpha Blondy (nome artístico de Seydou Koné, de 62 anos) está em nova turnê pelo país. Depois de passar por São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre, o festival Positive Energy, criado para promover o 19º disco do músico, chega ao Rio nesta sexta-feira, no Circo Voador — a programação é completada pelo cantor e instrumentista Mark Kelly, o duo Dub Ataque e o DJ Calbuque.

Em "Positive energy", Alpha Blondy se propôs a homenagear sua avó Cherie Coco, responsável por sua criação na tribo Dioula, na cidade de Dimbokoro, na Costa do Marfim. Uma antiga imagem de Cherie ilustra a capa do álbum, como uma espécie de anjo da guarda do músico.

— Ela foi, ao mesmo tempo, minha avó, minha mãe e meu pai. Me ensinou tudo o que eu sei: a respeitar Deus, a respeitar meus semelhantes... Foi ela quem me apresentou o valor das coisas na vida. Nos deixou aos 105 anos de idade e eu sinto sua falta todos os dias — disse o músico em papo por telefone, antes do show em São Paulo.

Na homenagem, Alpha Blondy convidou amigos músicos de diversas nacionalidades para fazer um álbum de parcerias. Entre os escalados, estão os jamaicanos Ijahman e Tarrus Riley, o francês Jacob Desvarieux (um dos grandes nomes do zouk), a jovem cantora congolesa Pierrette Adams, o tunisiano Nawfel, o marroquino Assim e o marfinense Ismaël Isaac. Clipe Alpha Blondy - No brain, no headache

Apesar de sua base familiar, o novo disco mantém a tradição de letras de protesto que marcam a discografia de Alpha Blondy. Em "Maclacla macloco", por exemplo, o marfinense critica as ações do governo americano no Iraque e na Líbia

— Hoje em dia, há um uso incorreto da democracia. Eles diziam que Saddam Hussein não era democrático. O que fizeram? Foram até o Iraque e lançaram bombas nas pessoas, a maioria inocentes, e destruíram toda a estrutura do país. Agora, os iraquianos estão vivendo em condições ainda piores — afirmou Blondy, que toca quatro músicas do disco nesta turnê. — A mesma coisa na Líbia. Em nome da democracia, foram até lá, bombardearam o país e mataram Kadafi. Hoje, pessoas estão fugindo da Líbia de tão destruído que está o país. Na África, quando ouvimos falar em democracia, nos escondemos embaixo da cama.

Na África, quando ouvimos falar em democracia, nos escondemos embaixo da cama

Além da busca por um mundo mais justo, em entrevista ao GLOBO em 2013, quando se preparava para mais uma turnê por aqui (ele diz que, após 20 anos de recorrentes vindas ao país, já tem um "lado brasileiro"), confessou que tinha um sonho curioso: conhecer Daniela Mercury, de quem Blondy e suas filhas eram muito fãs. O aguardado encontro aconteceu naquele mesmo ano, quando o marfinense passou pela Bahia. Daniela, inclusive, participou do show do novo amigo em Salvador, registrado em DVD lançado no ano passado.

— Eu a amo muito! Daniela tem um coração lindo. Ela é uma senhora muito simpática, agradável e bonita, claro. Tenho uma respeito enorme pelo trabalho dela. Tirei algumas fotos com ela na Bahia e minhas filhas, que são muito fãs dela, adoraram as fotos. Torço muito para que ela se apresente um dia na Costa do Marfim. Todos vão amar! — se derrete.

SERVIÇO

Onde: Circo Voador — Rua dos Arcos, s/nº, Lapa (2535-0354)..

Quando: Sexta-feira, às 22h.

Quanto: R$ 120 (3º lote) e R$ 140 (4º lote).

Classificação: 18 anos Alpha Blondy

Source : Globo Online | 2015-05-21 11:00:19.0

LAS VEGAS - Se a sexta-feira foi dominada pelos jovens e coalhada de europeus, o sábado que encerrou o Rock in Rio-USA começou absolutamente americano e um pouco mais experiente. Com o sol brilhando, Mikky Ekko (nascido John Stephen Sudduth no estado da Louisiana, em 1984) deu a partida no palco Evolution, para poucas e animada pessoas. Sem se importar com o pequeno público, Ekko mostrou competência na voz e nas composições, muito influenciadas pelo gospel do Sul dos Estados Unidos.

Adicionado ao festival no ultimo momento - substituiu John Legend, que, por sua vez, ganhou um upgrade para o Palco Mundo com a cirurgia nas cordas vocais de Sam Smith -, Mayer Hawthorne, astro do neosoul de 36 anos, chegou por último e sentou-se confortavelmente na janelinha do Rock in Rio. Simpático, sorridente, Hawthorne comandou dancinhas do público em canções como "Backseat lover" e a balada "Get to know you", além de uma versão explosiva para o clássico "Walk this way", do Aerosmith.

O Palco Mundo foi aberto pelo rapper californiano Big Sean, que pulava como um alucinado ao cantar as tradicionais letras do gênero sobre mulheres e dinheiro, recheadas de palavrões. Apoiado em uma banda formada por um baterista, um tecladista (que soltava graves de abalar a alma) e um DJ, o cantor de 27 anos soube atrair a atenção do público (já bem maior ao final da tarde, chegaria a 48 mil pessoas, segundo a organização), que dançava e batia palmas ritmadas ao som do rap.

Mesmo durante shows concorridos como o de Big Sean, a menina dos olhos do Rock in Rio-USA, a Rock Street, recebeu um bom público ao longo de todo o dia. Alem de passear, consumir nas lojas e restaurantes os produtos típicos dos três países homenageados - Brasil, Estados Unidos e Grã-Bretanha - e descansar, as pessoas curtiam e dançavam ao som de atrações como o grupo Bossacucanova, Marcos Valle, Simoninha (que teve a inglória tarefa de fechar o palco brasileiro nas duas noites, concorrendo com os gigantes do Palco Mundo) e o grupo Terra Celta. Não que se formassem grandes muvucas à frente dos palcos (um para cada pais), mas a Rock Street fez bem o papel de espaço para o descanso dos grandes shows.

A tarde chegou ao fim ao som do reggae-pop do grupo canadense Magic!, que está escalado para o Sunset na versão brasileira do festival. Com apenas três anos de carreira, o Magic! mostrou competência técnica, mas ainda lhe falta um repertório com mais consistência. A citação de "Message in a bottle", do Police (uma inspiração obvia) e o sucesso "Rude" garantiram o remexer do público.

Um estranho no ninho no elenco pop-soul do dia, o duo australiano Empire of the Sun encarou o Palco Mundo em grande estilo. Sem o apelo pop ou os sucessos de John Legend e Bruno Mars, que viriam em seguida, os cantores e multi-instrumentistas Luke Steele e Nick Littlemore apostaram na produção (e na piração) e se deram bem. Com dançarinos vestindo roupas espaciais estranhas e videos psicodélicos (impossível não lembrar dos Flaming Lips), o duo, reforçado por um baterista, emplacou seu synthpop com entusiasmo e elegância junto ao público americano. Um show perfeito para um grande festival.

O palco Evolution teve sua despedida com a adorável cantora inglesa Joss Stone (que já tinha cumprido a mesma tarefa no Rio, em 2011). Bela, simpática (soltou até um "obrigada!" ao fim de uma música, esquecendo por um instante estar nos EUA) e afinada, ela justificou a reunião de fãs à frente do palco, de longe a maior concentração naquele espaço no dia. Com um set que variava entre momentos mais vigorosos e outros mais sutis, Joss fez bem o dever de casa, e saiu enquanto sua banda mandava o riff classico de "Back in black", do AC/DC.

Promovido de atração do Evolution, onde se apresentaria no meio da tarde, para vice-headliner da última noite do festival, John Legend esbanjou competência e elegância em seu show. O soulman de 36 anos (que vem ao Rock in Rio carioca em setembro, como atração do Palco Sunset) soube, à frente de sua big band, fazer com tranquilidade a transposição para o palco maior. Sua apresentação foi acompanhada com atenção pelo público (grande parte dele sentado na grama), mas a expectativa pelo explosivo Bruno Mars talvez tenha prejudicado um repertório repleto de baladas como o de Legend. De qualquer forma, foi uma performance sem erros, ainda que sem muito carisma, encerrada com "Glory", que o cantor e pianista gravou em dueto com o rapper Common para a trilha sonora do filme "Selma" e que faturou prêmios como o Oscar e o Globo de Ouro.

Após despedir-se de John Legend, o público acompanhou, feliz, a queima de fogos, mas sem a menor intenção de tomar o caminho da roça. Baixinho, usando sua tradicional camisa estampada de havaiano (ele de fato nasceu em Honolulu, em 1985), Bruno Mars incendiou o Palco Mundo com seu soul-funk de tintas latinas, justificando todas as pesquisas que o apontavam como o artista mais querido pelo público do Rock in Rio, assim como qualquer espera no frio (e, no caso, nem a espera foi longa e nem a temperatura caiu tanto).

Começando na bateria, ele passou pela guitarra e pelo piano, cantou, dançou, sapateou e soube com maestria variar as canções, das baladas aos funkões, passando pelos reggaes com cheiro de Caribe. Com apenas 29 anos, Bruno Mars é um artista no auge, responsável pelo melhor encerramento de um Rock in Rio em... 30 anos?

Source : Globo Online | 2015-05-17 13:53:51.0

LONDRES - Na porta dos estúdios de Abbey Road, em Londres, o clima é sempre o mesmo: turistas fazem fila para atravessar a faixa de pedestres, repetindo a imagem da capa do disco “Abbey Road”, na qual os Beatles cruzam a rua em passos sincronizados e imortalizados pelo fotógrafo Iain Macmillan em agosto de 1969. Os motoristas já sabem que precisarão frear para os pedestres posarem no meio da rua, em grupos de quatro. Mas a bagunça só é permitida do lado de fora dos estúdios. Da porta para dentro, respira-se um clima quase religioso. Os Beatles gravaram ali a maioria de seus discos, fazendo do lugar uma terra sacrossanta, venerada tanto pela alta qualidade dos equipamentos quanto pelas histórias que guarda. Pouca gente tem autorização para entrar, mas nos últimos dias 11 e 12 foi aberta uma exceção para um público não beatlemaníaco. Os fãs de Roberto Carlos invadiram Abbey Road com a devoção de sempre.

Para lembrar os 50 anos de sua estreia no mercado de língua hispânica, o cantor, de 74 anos, gravou CD e DVD comemorativos no Estúdio 1, o maior de Abbey Road. O salão ganhou painéis azuis para compor o cenário da gravação do álbum “Primera fila”, que será lançado no segundo semestre com a maioria das canções em espanhol. Avesso a inovações, Roberto aceitou uma mudança significativa para seus padrões: trocou os músicos da tradicional RC9 por uma banda com quem nunca havia tocado antes, comandada pelo guitarrista e diretor musical americano Tim Mitchell, um parceiro habitual de Shakira. Arranjos novos deram uma outra cara a clássicos como “Estrada de Santos” e “Eu te amo, te amo, te amo”, que ganhou uma batida de reggae. Mas não há nada no repertório que possa espantar o público fiel. Embora cercado de magia, Abbey Road, que viu o começo e o fim dos Beatles, não é capaz de transformar tanto assim um Roberto Carlos.

A ideia de gravar no local partiu da gravadora Sony Music. A simplicidade da fachada branca no número 3 da Abbey Road esconde corredores que veem a história da música sendo escrita. Definido por McCartney como o melhor estúdio do mundo, em 80 anos de existência o casarão recebeu nomes como Ella Fitzgerald, Glenn Miller, Pink Floyd, Michael Jackson e Radiohead, entre muitos outros. Em Abbey Road, Amy Winehouse fez sua última gravação, o tocante dueto “Body & Soul” com Tony Bennet (2011), e a London Symphony Orchestra produziu a trilha da série “Guerra nas estrelas”.

— É um momento de muita emoção para mim estar aqui, por onde passaram tantas celebridades. Mas vamos cantar, né? — anunciou Roberto em espanhol, logo no início da gravação, para um público de 150 convidados.

Se músicos profissionais cruzam a porta de Abbey Road profundamente emocionados, como se fizessem uma peregrinação, o público fiel do Rei não estava tão interessado em reverenciar as histórias do lugar e sim o repertório que abriu com “Emoções” e fechou com “Jesus Cristo”, ambas interpretadas em espanhol e português. A referência aos Beatles veio na primeira parte da apresentação, mas só depois de a plateia entoar junto com o ídolo “Amigo”, “Detalhes”, “Amada amante” e “O portão”.

— Meu inglês não é lá essas coisas, mas vou cantar Beatles, que gravavam aqui ao lado, no Estúdio 2 — explicou ele, antes de “And I love her”.

O público aplaudiu a homenagem, mas não delirou. Os urros estavam reservados para canções mais kitsch como “Mulher pequena”. “Sou eu! Sou eu, Roberto!”, gritavam moças na plateia, enquanto o cantor ria e dava uma piscadela malandra para Olgui Chirino (guitarra e back vocal), uma loura que disfarçava a baixa estatura com um par de sandálias azuis de saltos altíssimos.

Vestidos de azul, a banda de estrangeiros (os únicos brasileiros eram o guitarrista Grecco Buratto e o tecladista Tutuca Borba) parecia se divertir com as mãozinhas em forma de coração captadas pelas câmeras ao longo de toda a gravação. Antes da entrada de Roberto em cena, Olgui se encarregara de ensaiar com os convidados os refrãos mais importantes. Como se fosse preciso.

PROIBIÇÃO DE FOTOS IGNORADA

Com o usual domínio da plateia, por maior ou menor que ela seja, o cantor gravou durante duas horas e meia, passeando pelas fases romântica (“Eu te proponho”), rebelde (“Ilegal, imoral ou engorda”) e religiosa (“A montanha”). Quando errava uma letra e pedia desculpas, ouvia: “Você pode tudo, meu rei!”.

O sertanejo foi homenageado numa das surpresas da apresentação, um dueto com o astro pop mexicano Antonio Carlos Solís. Os dois cantaram “Arrasta uma cadeira”, parceria com Erasmo Carlos originalmente gravada com Chitãozinho e Xororó, e agora traduzida para o espanhol. Mas a maior novidade ficou por conta dos músicos. Além de Mitchell, Buratto, Borba e Olgui, participam do “Primera fila” Pedro Alfonso (violino), Albert Menendez (piano), Brendan Buckley (bateria), Richard Bravo (percussão) e Erik Kertes (baixo) — todos nomes disputados no mercado latino-americano.

— A proposta é apresentar novas versões de músicas que fiz há muito tempo. Achei que algumas mudanças foram radicais, mas eu gostei — explicou Roberto durante o show, simulando uma resistência que não passava de brincadeira com o público.

No final da apresentação, as regras de Abbey Road, como a proibição de fotos, foram tranquilamente quebradas. Na falta de selfie com o ídolo, as mulheres se contentavam em posar com as inevitáveis rosas vermelhas distribuídas pelo cantor. Para um lugar que já viu Lennon parar no telhado durante uma viagem lisérgica em 1967, o que são senhoras quase se estapeando por uma flor?

Source : Globo Online | 2015-05-17 11:00:08.0

Grupo gravou canção 'Reggae Town' com o Jota Quest recentemente. Banda fará apresentação única no Portuários, em Santos, neste sábado.
Source : G1.com.br | 2015-05-16 12:48:36.0

RIO — Esqueça os clichês, porque a música latino-americana que se espalha pela noite do Rio escapa dos estereótipos. Continua dançante e sensual, mas se apresenta agora com uma sonoridade ainda mais diversificada. Nas festas que têm ganhado um número crescente de adeptos cariocas, descobrem-se as mil vertentes de cumbia, o reggaeton e a bachata. Há espaço para o som eletrônico de vanguarda. E muitas setlists dialogam com o que há de mais antenado produzido aqui mesmo, no Brasil.

Essa mistura movimenta a La Cumbia, balada itinerante que, numa das edições recentes, no Arco do Teles, no Centro, chegou a reunir mais de seis mil pessoas. A festa surgiu há cerca de um ano, depois de o produtor Penna Firme participar de outro evento, a Rumba Tipo Colombia, que juntava basicamente imigrantes colombianos no Rio.

— A ideia era trazer o público carioca para conhecer ritmos como a cumbia, com suas batidas eletrônicas e que, diferente da salsa, não é uma dança a dois. Nasceu na Colômbia, da mistura de influências africanas, indígenas e europeias, e que se espalhou pela América Latina — explica o produtor.

A festa toca ainda reggaetons (mescla de reggae, hip hop, salsa e música eletrônica) e bachatas (mais lentas). Ritmos que também dão o tom da Noches de Sol, criada pelo DJ peruano Arnald Rayado, e que já aparecem em festas descoladas, mas não latinas, como a Sopa.

Os produtores lembram que dois fatores contribuem para essa moda. Nos últimos anos, mais cariocas viajaram para a América Latina, onde tiveram contato com a sonoridade “hermana” e passaram a buscá-la aqui. Além disso, uma quantidade maior de imigrantes latinos veio para o Brasil trabalhar e estudar, trazendo suas músicas na bagagem.

NOVA CENA ELETRÔNICA

Nessa onda, os sons tradicionais mantêm seu espaço. As quintas-feiras de salsa no Leviano Bar viraram point na Lapa. Mas também se abre caminho para a novíssima cena da música eletrônica experimental latina, como ocorre na Aperó, que nos últimos meses movimentou o restaurante Mira!, em Botafogo.

— É uma música muito calorosa. Por isso, ganha espaço no mundo inteiro. São artistas que produzem suas próprias faixas, com influências que vão da cumbia ao nosso carimbó — afirma Lincoln Otoni, o DJ Linco, residente da Aperó.

Source : Globo Online | 2015-05-16 11:00:00.0

Show de reggae, lançamento de DVD e outras atrações fazem parte da lista. Para saber qual é o destino ideal é só conferir lista preparada pelo G1.
Source : G1.com.br | 2015-05-08 10:26:49.0
Central Única dos Trabalhadores (CUT) promove ato do Dia dos Trabalhadores no Vale do Anhangabaú - Marcos Alves / Agência O Globo

SÃO PAULO E BRASÍLIA - As comemorações do 1º de Maio das duas principais centrais sindicais do país foram marcadas pelo embate em relação ao projeto de terceirização (PL 4330). Em São Paulo, onde se concentra o maior número de trabalhadores em dois grandes atos, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) ameaça uma greve geral caso a proposta seja aprovada no Congresso Nacional, enquanto a Força Sindical defende que a terceirização não fere os direitos trabalhistas.

No ato da CUT, realizado no Vale do Anhangabaú, região central da capital paulista, sindicalistas são contra o projeto de lei que trata da terceirização. O PL 4330, que permite a terceirização em todas as atividades da empresa, já foi aprovado pelos deputados e agora será analisado pelo Senado Federal. A ideia da central é realizar uma greve caso o PL seja aprovado.

— O ato do 1º de Maio é contra o projeto que prevê a terceirização. É também o primeiro movimento para uma greve geral caso a terceirização seja aprovada no Congresso — disse Vagner Freitas, presidente da CUT.

A greve geral seria só um primeiro passo, de acordo com Freitas. A ideia é que a central faça pressão para que a presidente Dilma Rousseff vete o projeto, caso ele seja aprovado no Congresso.

Ato da CUT em São Paulo vira protesto contra o projeto de terceirização em tramitação no Congresso - Agência O Globo

O evento em São Paulo teve início com um ato ecumênico e o discurso de lideranças de movimentos sociais. Está prevista a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

CRÍTICAS A CUT

O desejo da CUT de veto ao projeto foi justamente o alvo de críticas do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), que participou das comemorações de 1º de Maio organizada pela Força Sindical. Para Cunha, é perigoso para o governo assumir a pauta do PT, uma vez que a presidente é sustentada por uma base partidária.

— A presidente da República tem que ter cautela. Ela tem o direito de vetar qualquer proposta, embora a última palavra seja do Congresso. É muito importante que a pauta do partido não seja a do governo. A presidente não é sustentada politicamente somente pelo PT, mas por vários partidos. Todos esses partidos votaram pelo projeto. Passa a ser perigoso quando você assume a pauta do PT — disse.

Ainda sobre o projeto de terceirização, Cunha também aproveitou para acusar a Central Única dos Trabalhadores (CUT) de politizar o debate.

— A CUT teve um papel diferenciado na discussão da terceirização. Usou o PT para fazer um debate equivocado, já que o projeto da terceirização não causa qualquer prejuízo ao trabalhador. Pelo contrário, reconhece direitos — afirmou Cunha.

Para o presidente da Câmara, a central usou debate do projeto para proteger a arrecadação sindical.

— A CUT politizou esse processo. Ela quis fazer desse projeto da terceirização um embate político que visava única e exclusivamente a arrecadação sindical deles. Quero ver como a CUT vai se comportar no debate do ajuste fiscal e como vai ser o comportamento do PT com a CUT — disse.

O deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, também não poupou críticas à CUT, que realiza seu ato do 1º de Maio na região central da capital paulista.

— A CUT montou uma estratégia de pegar alguma coisa para criar dificuldade, fazer política e livrar a cara da (presidente) Dilma (Rousseff) — afirmou Paulinho.

Ele disse ainda que o projeto da terceirização é bom e que “só precisa corrigir uns detalhes”, o que será feito no Senado.

— Fiz o meu papel e apresentei quatro emendas. Não há racha da base da Força Sindical sobre isso, apenas algumas divergências — afirmou .

Antes de discursar, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), afirmou que irá discutir, com responsabilidade, o projeto de terceirização.

— Nós vamos, no Senado Federal, discutir a terceirização com enorme responsabilidade. De um lado, nós vamos garantir a regulamentação para aqueles que são terceirizados. Mas nós vamos propor também um limite para que as empresas possam terceirizar algumas das suas atividades. Eu acho que o Senado vai aprimorar o projeto — disse o tucano.

ARTISTAS E SORTEIOS

Até mesmo integrantes do governo Dilma estão presentes no ato da Força Sindical. O ministro do Trabalho, Manoel Dias, participou de encontro com as lideranças políticas antes do início dos discursos para o público. Ele é do PDT, partido do ex-ministro Carlos Lupi, que deu uma declaração ao jornal O Estado de S. Paulo dizendo que o “PT roubou muito”. Questionado sobre a escolha de Manoel para representar o governo no ato da Força, Paulinho afirmou que deve ter sido uma punição.

— Mandei o convite para o governo e mandaram ele. Deve ser punição pelo Lupi. Acho que ele deve ser vaiado - afirmou Paulinho.

O ato da Força Sindical tem o tema “Crescimento Econômico com Garantia de Direitos e Empregos”. Os presentes concorrem a 19 automóveis, que serão sorteados durante a festa. Alguns artistas também foram convidados para o evento. São esperados Bruno e Marrone, Zezé de Camargo e Luciano, Paula Fernandes, Leonardo, Latino e Inimigos da HP.

Os organizadores do evento e a Política Militar ainda não tem uma estimativa de quantas pessoas estão presentes no local, que já se encontra cheio de trabalhadores que acompanham os shows no palco montado na Praça Campo de Bagatelle. A Força espera que, ao longo do dia, 1 milhão de pessoas passem pelo local.

A CUT promoveu caminhada junto com o MST e sindicato dos professores em Recife - Hans von Manteuffel / Agência O Globo

Em Recife (PE), a CUT promoveu uma caminhada da Praça Oswaldo Cruz, na Boa Vista, até o Palácio do Campo das Princesas, no bairro de Santo Antônio. A manifestação também foi contra a Lei da Terceirização e em apoio aos professores de diversos estados, incluindo Pernambuco, que estão em greve.

— O real motivo do 1º de maio é o trabalhador na rua lutando por seus direitos. Os trabalhadores em educação revindicam um direito já conquistado, que é a Lei do Piso. Além disso, continuamos na luta contra a terceirização, não podemos deixar que essa lei passe no Senado. Esse projeto aumenta o número de terceirizados e não resolve os problemas ja existentes — disse o presidente da Central Única dos Trabalhadores em Pernambuco, Carlos Veras, ao site G1.

APOIO AOS PROFESSORES EM CURITIBA

Em Curitiba (PR), o 1º de Maio foi marcado por um ato de apoio aos professores da rede pública. Cerca de cinco mil pessoas, segundo a Guarda Municipal, participaram de uma passeata em um trajeto de pouco mais de dois quilômetro entre o Centro da cidade e o Palácio Iguaçu, sede do governo paranaense.

O protesto foi convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública (APP) e reuniu, além de professores e estudantes, pessoas que ficaram indignadas com a repressão da Polícia Militar (PM) ao protesto de servidores estaduais na última quarta-feira, no Centro Cívico. Ao passar em frente à sede do governo, os manifestantes abaixaram a bandeira do Paraná e deixaram a bandeira do Brasil a meio mastro. Também houve vaias aos seguranças do Palácio, mas não houve conflito.

O protesto é uma resposta ao confronto da última quarta-feira, quando a PM reprimiu com violência os servidores que protestavam contra as mudanças nas regras da previdência estadual. Segundo a Prefeitura de Curitiba, foram 213 feridos. Para a Secretaria de Segurança Pública do Estado, os feridos totalizaram 62. O embate começou quando servidores tentaram invadir a Assembleia Legislativa, onde era votada as mudanças nas regras previdenciárias.

A festa de 1º de maio que seria realizada em frente ao Palácio Iguaçu foi cancelada pelo governador Beto Richa (PSDB) após os protestos.

EM BRASÍLIA, APENAS 200 PESSOAS

Na capital federal, a CUT, segundo a Polícia Militar, conseguiu reunir apenas 200 manifestantes na manhã desta sexta-feira. O grupo se reuniu na Torre de TV, na região central da cidade.

Assim como no ato de São Paulo, a manifestação centrou na crítica ao projeto de lei 4.330, de 2004, que regulamenta a terceirização e a amplia para a atividade fim das empresas. Há também no local faixas em defesa da Petrobras.

CUT faz ato em Brasília contra projeto de terceirização no Dia do Trabalhador - Geralda Doca / O Globo

Segundo o secretário de Políticas Sociais da CUT-DF, Ismael José César, a expectativa é reunir em torno de mil trabalhadores até o início da tarde.

— Estamos aqui em defesa dos trabalhadores. A pauta principal é esse PL 4.330 —disse o sindicalista.

Ele lamentou o fato de a CUT ter decidido apenas nesta semana fazer a mobilização em Brasília e, por isso, acredita que não será um evento muito cheio. O carro de som foi usado pelos sindicalistas e por grupos que os apoiam, como representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e de pequenos agricultores, para defender a manutenção dos direitos trabalhistas. Vários sindicatos ligados à CUT participaram do ato, entre eles, entidades de professores e de servidores públicos.

EM PORTO ALEGRE, TRÊS ATOS DISTINTOS

O Dia do Trabalhador foi dividido em três atos distintos em Porto Alegre nesta sexta-feira. Pela manhã, o ato da Força Sindical reuniu algumas dezenas e pessoas na procissão de Nossa Senhora do Trabalho, na zona norte de Porto Alegre. A missa campal teve a tradicional bênção das carteiras de trabalho.

À tarde, o ato na praça México, também na zona norte, teve atividades sociais, além de recreação com brinquedos infláveis e atividades esportivas a cargo do Exército. Favorável ao projeto da terceirização, a Força Sindical elegeu com bandeiras o fim do fator previdenciário e a correção da tabela do Imposto de Renda, além de juros menores e redução da jornada de trabalho.

Animado por bandas de pagode e de reggae, o ato da Central Única dos Trabalhadores (CUT), realizado na Usina do Gasômetro, no centro de Porto Alegre, reuniu cerca de 3 mil pessoas. As faixas e discursos criticaram principalmente a aprovação do projeto de lei 4.330, que estende a terceirização às atividades-fim das empresas. Mas havia faixas também contra a redução da maioridade penal e criticando o “arrocho salarial” do governo do estado.

Muitos militantes com bandeiras do PT participaram da manifestação, que teve clima festivo ajudado pelo dia ensolarado e temperatura amena. Entre as estrelas, o ex-governador Olívio Dutra foi quem mais atraiu a atenção dos presentes – ele foi assediado para tirar fotos e dar autógrafos em camisetas e bandeiras. O senador petista Paulo Paim também foi ao ato.

O ato da CUT foi engrossado por cerca de 2 mil manifestantes reunidos pela Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB) no largo Zumbi dos Palmares, também no centro da cidade.

Source : Globo Online | 2015-05-01 16:14:11.0
O mestre do reggae, Bob Marley, é homenageado em mais uma edição de tributo da "Three Little Birds", banda liderada pela cantora e compositora da nova geração da música baiana, Renata Bastos.
Source : atarde.com.br | 2015-04-23 01:54:00.0
Selecionados. Parte dos artistas que se apresentarão este mês no projeto: incrições para novas bandas estão abertas - Eduardo Naddar / eduardo naddar

NITERÓI — Lançado em março de 2013 pela Secretaria municipal de Cultura e pela Fundação de Arte de Niterói (FAN), o projeto “Arte na rua” chega pela primeira vez ao Ingá este mês. A iniciativa leva uma série de eventos gratuitos das mais diversas linguagens artísticas a praças, ruas e equipamentos culturais. A interação e a aproximação com o público são apontadas por Diego de Carvalho, coordenador do programa, como o grande diferencial da proposta.

— Uma apresentação pode gerar diversas oportunidades para os artistas, como contatos para outros shows e a chance de vender CDs. É a arte seduzindo o público, sem filtro algum — avalia Carvalho.

Responsáveis pela primeira apresentação na praça do Ingá, Eleuza Mancini e Juliano Antunes vão levar até lá a peça “O fabuloso”, neste sábado, às 11h. Eleuza é a narradora da montagem e Juliano interpreta 27 personagens de fábulas de Esopo e Fedro, autores da antiguidade greco-romana.

— Pela natureza do nosso espetáculo, estar numa praça é incrível. Há fábulas que falam de árvores e de tudo o que já está aqui. É sensacional — conta Antunes.

Pela primeira vez no “Arte na rua”, a banda Rhavana também se apresenta no sábado. A performance, porém, acontece no Largo do Marrão, em Santa Rosa. Os músicos esperam não perder a oportunidade para conquistar novos fãs.

— Este tipo de iniciativa é importante porque abre espaço para bandas e para o grande público, que pode conhecer novos artistas — afirma Mateus Oliveira, vocalista do grupo.

Com apresentação marcada para o dia 26 no Engenho do Mato, em Itaipu, Bruce Figueiredo aponta ainda para outro aspecto do evento:

— É uma ótima chance para quem não tem acesso à cultura, ou por falta de tempo ou por falta de dinheiro.

A inscrição de artistas interessados em participar do projeto está aberta até o dia 30 de setembro e é feita através de editais públicos. Outras informações pelo site culturaniteroi.com.br/editais ou pelo telefone 2621-5050, ramais 221 e 210.

PROGRAMAÇÃO

Sábado. Às 11h, peça “O fabuloso”, na Praça do Ingá .

Às 17h, show de rock com a banda Rhavana, no Largo do Marrão (esquina das ruas Santa Rosa e Noronha Torrezão).

Domingo. Às 11h, show com a banda Clangendun, no Campo de São Bento. Também às 11h, o coletivo Experimentalismo Brabo se apresenta no Horto do Barreto.

Dia 22. Às 18h, a banda Drenna Rock se apresenta no Skate Park, em São Francisco.

Dia 23. Às 17h, Edu Toledo inaugura o projeto “Arte na calçada” em frente ao Teatro Municipal, no Centro.

Dia 24. Às 18h30m, a cantora Loma Longotano se apresenta na Praça Dom Navarro, em Icaraí.

Dia 25. Às 11h, espetáculo teatral com o Projeto Grama, no Largo do Marrão.

Dia 26. Às 11h, apresentação do Teatro de bonecos Dengolengo, na pista de patinação do Campo de São Bento.

Às 18h, performance do do grupo de sopro Quintaventos, na esquina das Ruas Moreira César e Mariz e Barros, em Icaraí.

Às 20h, show Reggae no Asfalto, com Bruce Figueiredo, na Praça do Engenho do Mato, em Icaraí.

Source : Globo Online | 2015-04-17 20:00:00.0

RIO - A cidade natal de boa parte dos seus integrantes é, sim, tema fundamental de “Fortaleza”, o quarto álbum do Cidadão Instigado, que o grupo pôs esta semana para download (gratuito, caso o ouvinte deseje) no site www.cidadaoinstigado.com.br.

— As mudanças lá aconteceram muito rapidamente. Nos anos 1970, Fortaleza era uma cidade pacata, cheia de casas, tudo era mais lento. Nos anos 1980, houve aquela colonização dos shoppings, parece que nossos pais sonhavam em levar os Estados Unidos para lá. Não sacavam que daquele jeito mesmo de antes era muito mais massa — discorre, por telefone, de São Paulo, o guitarrista, vocalista e compositor do Cidadão, Fernando Catatau, de 43 anos.

Mas a desfiguração de uma cidade descrita em “Fortaleza” também serve como metáfora para a música que o Cidadão Instigado faz: rock de resistência, excêntrico, com uma sonoridade própria, pesquisada e burilada, que fez de seus músicos uma espécie de grife, com bons serviços prestados, em discos e shows, a cantores como Vanessa da Mata, Arnaldo Antunes, Céu e Otto.

— Nos últimos anos, tudo foi transformado, a cultura do barateamento foi injetada nas pessoas. Antes, as coisas eram feitas para durar — lamenta Catatau. — Todo mundo já sabia o que ia acontecer. Com a música, com tudo. Gravava-se em dois canais e o guitarrista tinha que mudar de posição na hora de solar. Hoje, é tudo colagem.

Com shows de lançamento agendados para esta quinta e sexta-feira, às 21h30m, no paulistano Sesc Pompeia (ainda não há previsão de apresentações no Rio), “Fortaleza” é, segundo o mentor do Cidadão, uma volta às origens mais remotas, de quando a banda sequer existia:

— Sinto um lance de juventude neste disco. É o que eu queria ter feito aos 16 anos.

Naquele fim dos anos 1980, Catatau, Dustan Gallas, Régis Damasceno e Rian Batista eram adolescentes descobrindo a música. Dustan e Rian tinham uma banda chamada A Tribo, que era meio Red Hot Chili Peppers. Catatau e Regis eram da Companhia Blue, que Gallas certa vez definiu como uma espécie de “Santana Zérramalheado”.

— A gente tocava no barzinho, tentando melhorar, era bem mais difícil do que hoje. Ficávamos imaginando como seria nos bons palcos — recorda-se o líder do Cidadão Instigado. — Fortaleza sempre foi uma cidade roqueira. Naquele época, tinha banda de garagem, de punk, de metal, de reggae. Era uma cidade em que se misturava tudo.

Se no começo dos anos 1970 a capital do Ceará passou por um importante momento de efervescência pop, liderada por Fagner, Belchior e Ednardo, quando os garotos do Cidadão chegaram, os modelos eram bem outros.

— Comecei a ouvir rock aos 13 anos de idade, 30 anos atrás — diz Catatau. — Eu escutava Black Sabbath, Pink Floyd e quase tudo do Iron Maiden. Mas não só isso. Peguei também bastante The Cure e Joy Division, Inocentes e Replicantes, Dead Kennedys... Era a música de época.

Em 1994, os garotos começaram a dar passos mais sérios em direção à carreira musical. Dustan e Rian foram para Viena, estudar no American Institute of Music. Catatau se mandou para São Paulo, para tocar na banda do guitarrista argentino de blues Danny Vincent. Ali, ele compôs as primeiras canções do que seria o Cidadão Instigado. E conheceu outros nordestinos expatriados, os pernambucanos do Chico Science & Nação Zumbi e Mestre Ambrósio, que viviam o primeiro grande momento de exposição do movimento mangue bit.

— Via as coisas acontecendo para eles, mas para mim, não — lembra Catatau. — Eles eram amigos, muito gente fina, mas eu ficava só sacando.

Depois de breve passagem pelo Rio (onde não tocou com ninguém e curtiu o seu “momento solidão”), o guitarrista voltou para Fortaleza em 1996, e lá deu a partida no Cidadão Instigado. Um primeiro EP, em 98, veio com um som experimental, jazzy, que ele hoje acha estranho (“Era um disco cheio de informação, eu tinha muitas ideias para botar pra fora”).

Nos anos 2000, já em São Paulo, o grupo aperfeiçoou sua mistura de Nordeste elétrico dos anos 1970, eletrônicas oitentistas, brega e rock de garagem nos álbuns “O ciclo da dê.cadência” (2002), “Cidadão Instigado e o Método Túfo de Experiências” (2005) e “UHUUU!” (2009).

“Fortaleza”, conta Catatau, foi uma tentativa deliberada da banda de escapar de seus próprios clichês. De não fazer um outro álbum cheio de teclados ou marcado por bateria eletrônica:

— Este disco está mais próximo do que a gente é ao vivo. Antes, nas gravações, a gente fazia o que dava na telha.

Uma outra banda nasceu em “Fortaleza” depois que o guitarrista Régis foi para o baixo, o baixista Rian passou a tocar violão e teclados, e o tecladista Dustan assumiu a segunda guitarra.

— Queria ver como soava. E deu certo — comemora Catatau, que ainda hoje se desdobra em outros trabalhos (toca com a cantora Karina Buhr), assim como os outros integrantes do grupo. — A gente gosta de ser funcionário também, dá para aprender tocando com os outros.

Mas sua prioridade agora é o Cidadão Instigado. Apesar de todos os pesares.

— O sonho da banda era esse, não era conquistar multidões. Estamos fazendo do jeito certo. Sei que, com grana, daria para fazer com mais de folga. Mas nunca fiquei tão feliz com um disco. Se for para tocar em garagem, a gente toca — diz. — O rock nunca deixou de existir no Brasil. Banda de garagem é o que mais tem. O que acabou foi o interesse das gravadoras.

Source : Globo Online | 2015-04-09 11:00:00.0

Ao comentar um pequeno acidente sofrido durante o último show do Planet Hemp, no Festival Back2Black, Marcelo D2 riu:

— Eu cansei de ser jovem. Vou começar a ser velho, já sou jovem há muito tempo.

O cantor, que durante a apresentações costuma zanzar pelo palco como um moleque hardcore de vinte e poucos anos, machucou o joelho depois de um pulo malsucedido. Aos 47, a saúde já não é mais a mesma de 1995. Há 20 anos, Marcelo Maldonado Peixoto estreava no showbiz ao lado da banda com "Usuário", disco que catapultou os cariocas que se orgulhavam de misturar "rap, rock’n’roll, psicodelia, hardcore e ragga" à fama, com uma breve escala na cadeia. Ele lembrou alguns dos enfumaçados capítulos dessas duas décadas no quarto episódio do "Música.doc", documentário da MTV dirigido por Dora Jobim e Clara Cavour. O programa vai ao ar no domingo de Páscoa, às 22h.

— Antes do disco, acho que não era uma carreira profissional. Começamos em 1993 e o meu sonho era ter um clipe na MTV e tocar uma vez no Circo Voador lotado. Nunca achei que eu fosse fazer turnê mundial, me apresentar em mais de 25 países. Na época que começamos, um amigo dizia: "você não vai largar esse osso nunca mais. A banda pode até acabar, mas você continua". E foi isso mesmo: achei uma maneira de me colocar no mundo. A música me fez o homem que sou — reflete.

De fato, ele continuou. Antes mesmo do conturbado fim do Planet Hemp, com quem gravou três discos de estúdio e um ao vivo, ele já havia apontado o caminho de sua carreira solo. Lançou "Eu tiro é onda" em 1998. No trabalho, ele aprofundou a alquimia entre rap e samba que seria consagrada em "À procura da batida perfeita", de 2003, e no Acústico MTV, de 2004. A eles, se seguiram os menos inspirados "Meu samba é assim" (2006) e a "A arte do barulho" (2008).

O diálogo com o samba chegou ao auge em 2010, quando gravou um álbum com versões de músicas de Bezerra da Silva, o mítico malandro do Rio de Janeiro. D2, que tatuou o sambista em um dos braços, sempre se deu bem com os bambas. É amigo pessoal de Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho, com quem gravou a ótima "Dor de verdade". Mas, depois de muito batuque, D2 resolveu voltar a um rap mais puro em "Nada pode me parar" (2013), seu mais recente trabalho.

— Estava com saudade de fazer "rap-rap". Acho que eu estava misturando demais. Foi uma coisa meio "back to the basics". O disco foi um agradecimento à cultura hip-hop. E o título veio de versos do Thaíde e DJ Hum que, lá em 1993, escrevi na parede do meu quarto. "Eu já cai no chão/ Só que me levantei/ Eu faço meu sistema/ Eu dito a minha lei/ Nada pode me parar". Não sei como não tinha pensado nisso antes.

Depois de matar as saudades, ele prepara o retorno da mistura entre o rap e outros ritmos. Atualmente, ele trabalha no projeto Matuto, onde — ao lado de Hélio Bentes, vocalista do Ponto de Equilíbrio — pretende experimentar as interseções entre o mundo do hip-hop e do reggae. A empreitada multiplataforma envolve a criação de um curta-metragem e também de um livro de quadrinhos.

O rebelde vocalista que, nos anos 1990, deixou as autoridades de cabelo em pé, hoje já é avô. Giovanna, filha do primogênito Stephan, nasceu no ano passado. D2, que admirava o avô Peixoto, citado na música "1967", quer ser exemplar. Para dar mais espaço às crianças (além da neta Giovanna, ele tem outros três filhos: Lourdes, de 16 anos, Luca, de 14, e Maria Joana, de 9), ele está de mudança para uma casa maior na Gávea.

— Meu avô era um homem que gostava de ler e escrever. Me lembro que ele tinha aquelas coleções de enciclopédia e falava de Londres, Paris e Veneza como se tivesse vivido nesses lugares durante anos. Foi isso que aprendi com ele: se tem uma coisa que não enche o pote, é o conhecimento. Me mudei para uma casa maior por isso. Para que as crianças possam crescer com arte em volta. Com quadros, livros e filmes.

Há 20 anos: Bnegão, Marcelo D2, Rafael Crespo, Formigão e Bacalhau no ano de lançamento de 'Usuário' - Arquivo / Agência O Globo

A sabedoria que costuma chegar junto com o passar dos anos talvez tenha feito os integrantes do Planet Hemp fazerem as pazes. Em 2010, os maconheiros mais famosos do país se reuniram para comemorar os 20 anos da MTV Brasil. Em 2012, saíram em turnê, que logo teve ingressos esgotados por onde passou. O grupo, que teve diferentes formações ao longo dos anos, é completado atualmente por Bnegão (vocais), Rafael Crespo (guitarra), Formigão (baixo) e Pedrinho (bateria).

— A gente voltou pisando em ovos, com medo de se magoar. Tinha ficado dez anos sem falar com o Bernardo (Bnegão). E hoje percebo que jogamos esse tempo fora! Ele é um cara que admiro muito. Na época em que a gente terminou, a gente brigava entre si e brigava com o mundo. Foi f*. Tínhamos que enfrentar a polícia, juízes, advogados e os nossos egos.

De fato, a briga foi dura. Com letras exclusivamente voltadas à luta pela legalização da maconha e à denúncia das arbitrariedades policiais, o grupo pagou pelo pioneirismo. Eles viviam com uma rotina de shows cancelados, clipes censurados e ameaças de prisão. Ameaças que, em 1997, se tornaram realidade. Após um show em Brasília, foram presos "em flagrante" e amargaram alguns dias atrás das grades.

Falando sobre a banda, D2 dá uma boa notícia. O outro cartucho da metralhadora giratória chamada Planet Hemp está prestes a retornar. O genial (e genioso) Black Alien, que havia se recusado a voltar, deu sinais que pretende, em breve, participar de algum show.

— Ele me ligou outro dia para me convidar para um show dele. Infelizmente eu não tinha data. Mas ele disse que quer estar em alguma apresentação do Planet. Estamos vendo se ele participa no show do João Rock — diz. O festival na capital paraíbana está marcado para 13 de junho.

Nos anos 1990, o Planet Hemp dividiu os holofotes da cena musical brasileira com bandas como Charlie Brown Jr., Raimundos e O Rappa. Ao comentar a morte conturbada de amigos daquela geração como Chorão, Champignon, do Charlie Brown Jr., e o rapper niteroiense Speed, que fazia parte da "Hemp Family", ele diz que seus contemporâneos fizeram questão de viver a vida no limite.

— Foi assim nos anos 1980 e também nos anos 1970. Estava falando sobre isso com meu filho. Você estudou quatro anos de jornalismo para exercer a sua profissão. Ninguém se prepara para ser um popstar. De uma hora para outra, a vida vira uma festa. Quando isso some, é muito difícil. Foram casos diferentes, claro, mas faltou estrutura emocional a todos eles. Acho que eu sempre quis ter uma família. E, de certa forma, isso me ajudou a manter minha cabeça no foco.

Quase cinquentão e com o joelho machucado, D2 parece estar pronto para mais 20 anos de juventude musical. Prova disso foi o show no Lollapalooza. Convocado às pressas para substituir uma das atrações canceladas pelo festival, sacudiu a plateia formada quase que exclusivamente por jovens com hits atemporais como "Qual é?", "Mantenha o respeito" e "Desabafo". Embora queira envelhecer, parece que o rapper carioca não vai conseguir.

* Reportagem publicada na revista digital “O Globo a Mais”

Source : Globo Online | 2015-04-04 12:00:00.0

RIO - Ao comentar um pequeno acidente sofrido durante o último show do Planet Hemp, no Festival Back2Black, Marcelo D2 riu:

— Eu cansei de ser jovem. Vou começar a ser velho, já sou jovem há muito tempo.

O cantor, que durante a apresentações costuma zanzar pelo palco como um moleque hardcore de vinte e poucos anos, machucou o joelho depois de um pulo malsucedido. Aos 47, a saúde já não é mais a mesma de 1995. Há 20 anos, Marcelo Maldonado Peixoto estreava no showbiz ao lado da banda com "Usuário", disco que catapultou os cariocas que se orgulhavam de misturar "rap, rock’n’roll, psicodelia, hardcore e ragga" à fama, com uma breve escala na cadeia. Ele lembrou alguns dos enfumaçados capítulos dessas duas décadas no quarto episódio do "Música.doc", documentário da MTV dirigido por Dora Jobim e Clara Cavour. O programa vai ao ar no domingo de Páscoa, às 22h.

— Antes do disco, acho que não era uma carreira profissional. Começamos em 1993 e o meu sonho era ter um clipe na MTV e tocar uma vez no Circo Voador lotado. Nunca achei que eu fosse fazer turnê mundial, me apresentar em mais de 25 países. Na época que começamos, um amigo dizia: "você não vai largar esse osso nunca mais. A banda pode até acabar, mas você continua". E foi isso mesmo: achei uma maneira de me colocar no mundo. A música me fez o homem que sou — reflete.

De fato, ele continuou. Antes mesmo do conturbado fim do Planet Hemp, com quem gravou três discos de estúdio e um ao vivo, ele já havia apontado o caminho de sua carreira solo. Lançou "Eu tiro é onda" em 1998. No trabalho, ele aprofundou a alquimia entre rap e samba que seria consagrada em "À procura da batida perfeita", de 2003, e no Acústico MTV, de 2004. A eles, se seguiram os menos inspirados "Meu samba é assim" (2006) e a "A arte do barulho" (2008).

O diálogo com o samba chegou ao auge em 2010, quando gravou um álbum com versões de músicas de Bezerra da Silva, o mítico malandro do Rio de Janeiro. D2, que tatuou o sambista em um dos braços, sempre se deu bem com os bambas. É amigo pessoal de Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho, com quem gravou a ótima "Dor de verdade". Mas, depois de muito batuque, D2 resolveu voltar a um rap mais puro em "Nada pode me parar" (2013), seu mais recente trabalho.

— Estava com saudade de fazer "rap-rap". Acho que eu estava misturando demais. Foi uma coisa meio "back to the basics". O disco foi um agradecimento à cultura hip-hop. E o título veio de versos do Thaíde e DJ Hum que, lá em 1993, escrevi na parede do meu quarto. "Eu já cai no chão/ Só que me levantei/ Eu faço meu sistema/ Eu dito a minha lei/ Nada pode me parar". Não sei como não tinha pensado nisso antes.

Depois de matar as saudades, ele prepara o retorno da mistura entre o rap e outros ritmos. Atualmente, ele trabalha no projeto Matuto, onde — ao lado de Hélio Bentes, vocalista do Ponto de Equilíbrio — pretende experimentar as interseções entre o mundo do hip-hop e do reggae. A empreitada multiplataforma envolve a criação de um curta-metragem e também de um livro de quadrinhos.

O rebelde vocalista que, nos anos 1990, deixou as autoridades de cabelo em pé, hoje já é avô. Giovanna, filha do primogênito Stephan, nasceu no ano passado. D2, que admirava o avô Peixoto, citado na música "1967", quer ser exemplar. Para dar mais espaço às crianças (além da neta Giovanna, ele tem outros três filhos: Lourdes, de 16 anos, Luca, de 14, e Maria Joana, de 9), ele está de mudança para uma casa maior na Gávea.

— Meu avô era um homem que gostava de ler e escrever. Me lembro que ele tinha aquelas coleções de enciclopédia e falava de Londres, Paris e Veneza como se tivesse vivido nesses lugares durante anos. Foi isso que aprendi com ele: se tem uma coisa que não enche o pote, é o conhecimento. Me mudei para uma casa maior por isso. Para que as crianças possam crescer com arte em volta. Com quadros, livros e filmes.

Há 20 anos: Bnegão, Marcelo D2, Rafael Crespo, Formigão e Bacalhau no ano de lançamento de 'Usuário' - Arquivo / Agência O Globo

A sabedoria que costuma chegar junto com o passar dos anos talvez tenha feito os integrantes do Planet Hemp fazerem as pazes. Em 2010, os maconheiros mais famosos do país se reuniram para comemorar os 20 anos da MTV Brasil. Em 2012, saíram em turnê, que logo teve ingressos esgotados por onde passou. O grupo, que teve diferentes formações ao longo dos anos, é completado atualmente por Bnegão (vocais), Rafael Crespo (guitarra), Formigão (baixo) e Pedrinho (bateria).

— A gente voltou pisando em ovos, com medo de se magoar. Tinha ficado dez anos sem falar com o Bernardo (Bnegão). E hoje percebo que jogamos esse tempo fora! Ele é um cara que admiro muito. Na época em que a gente terminou, a gente brigava entre si e brigava com o mundo. Foi f*. Tínhamos que enfrentar a polícia, juízes, advogados e os nossos egos.

De fato, a briga foi dura. Com letras exclusivamente voltadas à luta pela legalização da maconha e à denúncia das arbitrariedades policiais, o grupo pagou pelo pioneirismo. Eles viviam com uma rotina de shows cancelados, clipes censurados e ameaças de prisão. Ameaças que, em 1997, se tornaram realidade. Após um show em Brasília, foram presos "em flagrante" e amargaram alguns dias atrás das grades.

Falando sobre a banda, D2 dá uma boa notícia. O outro cartucho da metralhadora giratória chamada Planet Hemp está prestes a retornar. O genial (e genioso) Black Alien, que havia se recusado a voltar, deu sinais que pretende, em breve, participar de algum show.

— Ele me ligou outro dia para me convidar para um show dele. Infelizmente eu não tinha data. Mas ele disse que quer estar em alguma apresentação do Planet. Estamos vendo se ele participa no show do João Rock — diz. O festival de Riberão Preto (SP) está marcado para 13 de junho.

Nos anos 1990, o Planet Hemp dividiu os holofotes da cena musical brasileira com bandas como Charlie Brown Jr., Raimundos e O Rappa. Ao comentar a morte conturbada de amigos daquela geração como Chorão, Champignon, do Charlie Brown Jr., e o rapper niteroiense Speed, que fazia parte da "Hemp Family", ele diz que seus contemporâneos fizeram questão de viver a vida no limite.

— Foi assim nos anos 1980 e também nos anos 1970. Estava falando sobre isso com meu filho. Você estudou quatro anos de jornalismo para exercer a sua profissão. Ninguém se prepara para ser um popstar. De uma hora para outra, a vida vira uma festa. Quando isso some, é muito difícil. Foram casos diferentes, claro, mas faltou estrutura emocional a todos eles. Acho que eu sempre quis ter uma família. E, de certa forma, isso me ajudou a manter minha cabeça no foco.

Quase cinquentão e com o joelho machucado, D2 parece estar pronto para mais 20 anos de juventude musical. Prova disso foi o show no Lollapalooza. Convocado às pressas para substituir uma das atrações canceladas pelo festival, sacudiu a plateia formada quase que exclusivamente por jovens com hits atemporais como "Qual é?", "Mantenha o respeito" e "Desabafo". Embora queira envelhecer, parece que o rapper carioca não vai conseguir.

* Reportagem publicada na revista digital “O Globo a Mais”

Source : Globo Online | 2015-04-04 12:00:00.0
DJ vivido pelo ator Félix de Givry é inspirado em Sven, corroteirista e irmão da diretora: trilha sonora influenciou os rumos do roteiro - Divulgação / Divulgação

RIO — Poderia ter sido um filme sobre Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem-Christo, os jovens parisienses alçados à fama planetária nos anos 1990 sob a alcunha de Daft Punk. Mas, em “Eden”, longa da diretora Mia Hansen-Love (conhecida por “Adeus, primeiro amor” e “O pai dos meus filhos”), eles são pouco mais que pano de fundo na história do fictício Paul Vallée (Félix de Givry), DJ que viveu com intensidade os tempos das raves ilegais e da explosão do house garage, mas sucumbiu às drogas e à força com que a vida adulta abate aqueles que não se tornam astros. Mais ou menos como ocorreu com o irmão mais velho de Mia, o DJ Sven Hansen-Love, corroterista e principal inspiração para o filme, que estreou na quinta no Rio.

— Não é que eu tivesse pensado em fazer um filme sobre o meu irmão — explica por telefone, Mia, de 34 anos. — “Eden” era desde o começo ficção profunda, inspirada por eventos reais e por pessoas que existem. Quando começo a escrever, não dá para dizer o que pertence à realidade ou à ficção.

“Eden” começa em novembro de 1992, nas primeiras incursões de Paul pelas raves, e chega aos tempos atuais. No meio do caminho, o rapaz forma uma dupla com o amigo Stan, o Cheers, para produzir faixas dançantes. Paralelamente a eles, corre o Darlin’, projeto de Thomas e Guy-Man (que, no filme são identificados como garotos “que passam a noite fazendo som com umas máquinas bizarras”).

CANÇÕES “DITARAM” CENAS

Por volta de 1995, o Darlin’ virou o Daft Punk, e aí volta a dar as caras no filme numa cena de festa, mostrando em primeira mão o “Da funk”, faixa com a qual viraria sensação internacional pouco tempo depois. Uma história que Mia, de fato, viu acontecer.

— Em 1992, eu tinha 11 anos e era muito pequena para curtir aquilo tudo. Mas graças ao meu irmão, aos 14, já tinha começado a ir às festas e ouvir a música — conta Mia, que graças aos velhos contatos, conseguiu do Daft Punk o direito para usar três faixas no filme: “Da funk”, “One more time” e “Veridis quo”. — Tenho vagas memórias dos dois na época, só os via nas festas. Os dois tinham uma aura, mesmo ainda quando não eram exatamente famosos.

A paixão pela música e, sobretudo, pelo movimento francês de house garage, é o que mais incentivou Mia a fazer “Eden”.

— Eu sabia que aquela música era importante, que ela meio que ia servir para definir aquela geração jovem. Era uma música diferente do que as pessoas estavam ouvindo quando estava no colégio: reggae, rock, Nirvana... — lembra Mia. — O mais empolgante é que aquilo era dançante, mas não como dance music popular. Era algo sutil, profundo e underground. Música para dançar, mas com alma.

Estrelas do garage americano, como o DJ Tony Humphries e os cantores Arnold Jarvis e La India, interpretam a si mesmos em “Eden”, filme que faz uma viagem no tempo através de sua trilha sonora, selecionada por Mia e Sven.

— Essa foi uma parte do trabalho que me deixou muito animada — diz a diretora, que começou no cinema aos 17 anos como atriz do filme “Fin août, début septembre”, do diretor Olivier Assayas, com quem acabaria se casando. — Nunca achei que ia fazer um filme dessa forma, mas fomos escolhendo as músicas enquanto escrevíamos o roteiro. Algumas vezes, as músicas até nos influenciavam a compor determinadas cenas. Antes de começar a filmar, eu já sabia a ordem em que as faixas iam entrar. O estilo de cada canção ditou o jeito que cada cena foi filmada.

O ponto de vista dos que não deram certo liga “Eden” a “Inside Llewyn Davis: Balada de um homem comum”, longa dos irmãos Coen de 2013. O que Mia não vê como demérito:

— O “Balada” é um filme que adoro, mas que eu só vi depois que o meu estava pronto. Apesar de serem filmes bem diferentes, fiquei impressionada com o quanto eles tinham em comum. A história de quem chegou ao sucesso todos conhecem. (Fazer um filme sobre o Daft Punk) provavelmente deixaria “Eden” mais popular, mas quis contar a história do cara que era mais frágil e que tinha suas qualidades e talentos. Pra mim, de certa forma, há mais humanidade, mais universalidade nesse tipo de filme.

E os caras do Daft Punk, o que acharam de “Eden”?

— Sei que um deles viu ainda nos primeiros estágios de produção e acho que ficou emocionado — diz Mia, mantendo o mistério sobre as identidades. — Não gosto de falar por ele, mas creio que gostou do uso que fizemos de seu personagem e da música. Pareceu não prestar tanta atenção a si mesmo e ao Daft Punk. Ele viu o filme como a história de um DJ.

Source : Globo Online | 2015-04-03 11:00:22.0

RIO - Em uma época em que serviços de assinatura de música por streaming estão se tornando onipresentes, um aspecto que é comumente ignorado é a curadoria. Mais do que isso, o fator surpresa. Quem cresceu ouvindo rádio sabe bem o que é ser surpreendido por um música nova e excelente que você não sabem nem de quem é. Bom, isso acontecia ao menos quando se falava de rádios como a Fluminense FM ou de bons programas, como o ainda ativo “Ronca Ronca”, de Maurício Valladares. Hoje em dia, com raras excessões, o dial brasileiro anda desértico nesse quesito.

Menos mal que pelo mundo existem boas opções e, graças à internet, várias rádios podem ser escutadas por aí. Baseada em Santa Mônica, na Califórnia, a KCRW (kcrw.com) é uma delas. Ela foi fundada em 1945, no campus da faculdade local, e sua programação mistura notícias com música. O carro-chefe da emissora é o programa “Morning becomes eclectic”, apresentado por Jason Bentley desde 2008. No ar diariamente das 9h ao meio-dia (iniciando às 13h no Brasil no atual fuso horário), a programação é exatamente como o nome sugere, misturando de música eletrônica a bandas indie e até mesmo artistas brasileiros (Rodrigo Amarante já fez parte das tradicionais sessões ao vivo do programa). Além desse, os programas apresentados por Travis Holcombe (segunda a quinta) e Jeremy Sole (quarta e quinta) valem muito a pena.

Baseada em Seattle, a KEXP (kexp.org) segue linha parecida com a da KCRW. Totalmente ligada em música, sem notícias, também opera a partir de um centro de ensino, a Universidade de Washington, desde 1972. É uma instituição sem fins lucrativos e recebe doações para seguir funcionando.

As sessões ao vivo são das mais comentadas. Neste ano já passaram por lá Ariel Pink, Father John Misty, Kindness, Dengue Fever, Viet Cong e vários outros. Como não podia deixar de ser, tarde da noite a programação fica ainda mais avançada e um dos destaques é o programa “Midnight in a perfect world”, sempre com DJs convidados fazendo sets exclusivos.

A gigante inglesa BBC (bbc.co.uk/radio) não fica atrás e através do seu iPlayer transmite online o conteúdo da clássica Radio 1, com uma programação mais comercial, embora muito boa, assim como a 1Xtra, dedicada aos sons mais alternativos. Entre os apresentadores da 1Xtra estão do DJ Diplo, a instituição do reggae David Rodigan e o produtor Benji B.

* Bruno Natal escreve na página Transcultura, publicada às sextas-feiras no Segundo Caderno

Source : Globo Online | 2015-04-03 11:00:00.0

Atrações se apresentam no bairro de Periperi na noite desta sexta-feira (27). Diamba e Adão Negro também estão na programação da 'Noite do Reggae'.
Source : G1.com.br | 2015-03-27 10:47:02.0

RIO — Simone Mazzer — que lança nesta terça-feira, no Teatro Rival, seu disco de estreia solo, “Férias em videotape” (Pimba) — lista referências para seu canto com sangue nas veias e nas mãos. Em meio a Elza Soares, Angela Ro Ro, Iggy Pop e Nana Caymmi — o que já explica muito —, ela cita o fotógrafo tcheco Jan Saudek. Cenas cruas — apesar de coloridas, estranhamente estetizadas — que misturam a sensualidade e a dor, o bizarro e o sublime.

— Tem uma coisa de um belo que não é só plástico em seu trabalho. Uns nus estranhos, chega a ser quase violenta a maneira como ele coloca a beleza — sintetiza Simone.

Sua música — que mergulha em gêneros nos quais a emoção se revela rasgada, como blues, tango, soul, flamenco — não é uma tradução em som das imagens de Saudek. Mas é evidente o traço que as aproxima. Ela mesmo expõe, com humor, mas de forma contundente, o vínculo ao universo de beleza violenta do fotógrafo, na faixa que abre o disco — e está incluída na trilha da novela “Babilônia”. Em “Tango do mal” (Luciano Salvador Bahia), ela anuncia com o pé na porta sua chegada ao cenário contemporâneo da música brasileira: “Eu vou jogar um tango/ Na sua cara de bolero comedido/ No seu nariz de rock’n’roll arrependido/ No seu olhar de samba-reggae industrial/ Vou esfregar um tango/ No seu jeitinho serenata de encomenda/ No seu estilo hip-hop da fazenda/ No seu appeal de rap instrumental”. Uma cantora que, como define Ronaldo Bastos com tintas fortes no texto de contracapa do disco, vem “na contramão do ‘cool’ esquálido e chatinho que uma tsunami de cantoras anêmicas propaga aos sete ventos”.

— A canção é um deboche, mas não é. Não me encaixo muito bem nos rótulos do mercado de hoje. A velocidade das coisas atualmente acabou afetando todas as áreas artísticas. Na música, ficou mais fácil gravar, compor, lançar seu hit da internet. E ficou fácil para todo mundo cantar. Como venho do teatro (há 20 anos ela integra a Armazém Companhia de Teatro, pela qual foi indicada aos prêmios Shell e APTR), trabalho com algo mais concreto. Vejo muita gente cantando sem saber o que está cantando. E sempre tive esse cuidado com a palavra, talvez pelo teatro, talvez pelas cantoras de que gosto desde criança — avalia Simone, antes de cravar: — O mundo está careta demais, com medo de ousar, se atrever.

Sua originalidade — que vem do canto, da trajetória consistente no teatro, da estreia em disco aos 46 anos — se afirma no disco também pela marcação de sua origem. Simone nasceu e se formou em Londrina (“Não tinha FM quando eu era criança, só AM”). A cidade, fora do eixo da MPB (seu filho mais ilustre na área é o gauche vanguardista Arrigo Barnabé), mostra-se no álbum numa leva de compositores locais que a cantora traz à luz: Bernardo Pellegrini, Maurício Arruda Mendonça, Robinson Borba, Elton Mello e Silvio Ribeiro.

— É uma galera que já estava produzindo quando comecei, nos anos 1990 (quando integrou o Chaminé Batom, coral vocal performático na linha do Garganta Profunda que depois virou uma banda). São a resistência cultural da cidade. São da bebida, do amor, da boemia, vão nisso até o fim, se unem nesse universo. E a canção deles traz isso — diz Simone, que gravou desses artistas versos como “Essa mulher quando esfola o couro do cara/ Esfola com gosto como o cara gosta” ou “Na rodoviária meu mundo caiu/ Peguei na mala uma meia/ Vai fazer frio, vai fazer frio” (ambos de músicas de Pellegrini), “E não te ter faz te amar muito mais” (Mendonça), “E me aperte furiosamente/ Mente, mente, mente, mente” (Borba).

‘RELAÇÃO COM A ROÇA’

Da safra de Londrina, “Essa mulher” tem a voz de Elza Soares em dueto com Simone. A cantora de voz rouca e penetrante é um dos faróis que a londrinense crava em seu disco, marcando o caminho que a interessa. Há outros entre os autores pinçados ali. De Assis Valente, ela faz “Camisa listada”, numa leitura que acentua o drama da letra (“É uma história triste que todo mundo canta animadíssimo, quis fazê-la profundamente dramática”). Itamar Assumpção é lembrado no humor-drama alucinado de “Parece que bebe”. O romantismo nada linear de “Hyper-ballad”, de Björk (“uma das maiores artistas do mundo, com a esquisitice de seu timbre e de suas melodias”) está lá, assim como o soul-pulsos-cortados do “Back to black” de Amy Winehouse. Ronaldo Bastos e Celso Fonseca são os parceiros de “Você não sacou” (do verso ilustrativo “Era o casamento de Pessoa com a loucura de Rimbaud”).

“Férias em videotape”, a canção, é sua única composição (com Mello e Ribeiro). Feita com os amigos em um carnaval chuvoso em Londrina, trancados em casa, assistindo à animação tropical de transmissões como o “Carnaval da Band”, a música fala de alguém vendo a beleza do mar pela TV.

— Essa canção me define de uma forma quase boba e literal. Essa pessoa que cresceu a sete horas de carro da praia mais próxima, que tem uma relação com a roça, com a família — conta Simone, que descobriu que cantava no karaokê de uma festa, em 1990, interpretando “Como uma onda”.

Atualmente morando na Zona Norte do Rio, no Engenho Novo, Simone vem se integrando à cena musical da cidade há alguns anos — em espaços pequenos, crescendo no boca a boca, flertando com o espírito underground sofisticado para o qual sua música aponta. Fez temporadas em espaços como o Semente e o Café Pequeno, e está no Buraco da Lacraia Dance Show, apresentado no inferninho da Lapa.

Foi num desses shows que conheceu Leonel Pereda, produtor de seu disco. Ele conta que, no álbum, buscaram imprimir o impacto da cantora ao vivo — inclusive uma certa sujeira que se afina com a interpretação e o repertório de Simone.

— A gente queria sair da sonoridade limpinha e aconchegante que impera hoje nos discos de artistas novos. Isso não é uma crítica, tem muita gente produzindo muito bem. Só que tínhamos consciência da diferença que esse trabalho tem e quisemos um som mais vivo, sem excesso de pós-produção. As bases foram gravadas em quatro dias, e em dois a Simone colocou todas as vozes . Só num dia ela gravou dez vozes — conta o produtor.

Simone — que na adolescência teve a fase em que só ouvia música britânica (“Bowie, The Cure, Siouxsie, Police...”), antes de abrir os ouvidos para artistas americanos, para somente anos depois prestar atenção à música brasileira — mostrou a Pereda, como referência de sonoridade, o disco “The idler wheel...”, de Fiona Apple (“Um som simples, mas quente”, ela define). Um álbum que tem a dor em seu centro, um traço em comum, mas que não esgota “Férias em videotape”.

— O meu disco fala de pessoas que erram, que acertam, que são felizes, que se matam. Sou uma pessoa pé na jaca — brinca, pra arrematar: — Mas me policio para não ser só isso.

Top Músicas
No musica.com.br músicas | fãsOuvir playlist
Source : Globo Online | 2015-03-24 10:00:00.0
A africana Angelique Kidjo foi um dos destaques da segunda noite do festival Black2black - Foto: Divulgação/Stéphane Munnier

RIO - A distância entre Brasil e África foi significantemente encurtada na noite de sábado, segunda noite do festival Back2Black, no pilotis da Cidade das Artes. E a grande responsável por isso foi uma mulher: a cantora Angelique Kidjo, um dos grandes nomes da world music, nascida no Benim, que promoveu uma verdadeira micareta durante a sua apresentação, no Palco Rio, com a adesão de boa parte do público.

E a presença feminina sob os refletores do festival teve outros destaques: a funkeira Ludmilla, no Palco Cidade, deitando e rolando com sua popularidade; e as atuações de Alcione, Mart’nália, Fernanda Abreu e da cantora portuguesa Raquel Tavares, em uma homenagem aos compositores negros cariocas, que incorporou também as vozes de Xande de Pilares e de Gabriel Moura.

A segunda e última noite do Black2Black começou por volta das 19h45m, no Palco Cidade, com o grupo Alabê Ketujazz, um quarteto de percussões e sax, que navegou pelos sons afro-brasileiros da tradição do candomblé. Mal acabou o show, iniciou-se no outro palco uma espécie de continuação deste: o encontro de Lenine com a Orkestra Rumpilezz, do maestro Letieres Leite.

Trabalhando com refinamento e ousadia o legado de Moacir Santos e da Orquestra Afro-Brasileira de Abigail Moura, Leite e a Rumpilezz propuseram novos caminhos para a música do cantor e compositor pernambucano, que se fez acompanhar pelo time instrumental em releituras radicais, quase sempre belas, das suas “Relampiano”, “Do it”, “Paciência” e “Leão do Norte”. De quebra, foi apresentada ali a inédita “À meia noite dos tambores silenciosos”, de Lenine e Carlos Rennó, que fará parte, em gravação com a Orkestra, do novo disco do cantor, “Carbono”, que sai dia 30 de abril.

A cantora lusa Raquel Tavares roubou a cena na homenagem aos compositores negros cariocas - Foto: Divulgação/João Wainer

Entrosados, a brasileira Natasha Llerena e os angolanos Aline Frazão e Toty Sa’med trançaram vozes, no Palco Cidade, para mostrar o quanto um tem do país do outro em sua música. E, em seguida, foi a vez de Angelique Kidjo, no Palco Rio, dar partida à festa do afropop, com vitalidade de estrela do axé, dançando como se não houvesse amanhã. Aos 54 anos de idade, a cantora mantém não só a animação em dia, mas também a voz e um raro poder de comunicação – mesmo cantando em língua africana. Em canções como “Batonga”, “Senamou”, “Afirika” e “Pata pata” (hit mundial da sua grande inspiração, a cantora Miriam Makeba), Angelique deu provas de sua qualidade de estrela e terminou o show com várias meninas do público dançando no palco.

Uma sessão do animado ritmo moçambicano da marrabenta, com Mingas, Wazimbo e Moreira Chonguiça, preparou o espírito do público para a homenagem aos compositores negros cariocas organizada pelo produtor Kassin (que tocou o baixo na banda junto com o produtor Liminha, diretor artístico e guitarrista do espetáculo). Alcione (uma beleza em “Enredo do meu samba”, de Jorge Aragão; e “Eu e a brisa”, de Johnny Alf), Mart’nália (numa emocionante “Zumbi”, de Jorge Ben Jor) e Fernanda Abreu (comandando o suingue em “Acende o farol”, de Tim Maia) brilharam, mas quem roubou a noite foi a lusa Raquel Tavares, totalmente carioca em uma recriação dub reggae de “Vapor barato”, hino contracultural de Waly Salomão e Jards Macalé. E o show terminou com uma homenagem ao recentemente falecido arranjador Lincoln Olivetti e ao seu parceiro Robson Jorge (morto em 1993), com o balanço funk oitentista de “Aleluia”, grande hit da dupla.

Madrugada corria quando Ludmilla subiu ao Palco Cidade para fazer um desfile non stop de hits. Boa parte deles seus (“Hoje”, Fala mal de mim”, Sem querer”, “Garota recalcada”, Te ensinei certin”), o que chega a ser impressionante para quem tem 19 anos de idade e pouco tempo de carreira. Com total presença de palco, banda competente e bailarinos, a moça não se fez de rogada e pegou hits de Anitta (“Não para”), Valesca Popozuda (“A diva que você quer copiar”) e Beyoncé (um “Halo” com todas as peripécias vocais) para não perder tempo em sua curta mas avassaladora passagem pelo Back2Black.

O belga filho de ruandense Stromae foi a principal atração da noite - Divulgação/João Wainer

Alguns já tinham ido embora quando, bem passado das duas da manhã, entrou no Palco Rio o que seria a atração principal da noite: o belga filho de ruandense Stromae. Um artista que canta em francês e que carregou público em boa parte por causa do sucesso da faixa puxada para a dance music “Papaoutai”. No palco bem produzido, ele revelou ser um performer muito mais interessante do que se poderia supor, usando os dotes de ator para desdobrar-se em várias vozes, e a sua estilosa banda de quatro músicos, todos com chapéu coco e gravata borboleta, para passear pela canção de cabaré (“Tout les mêmes”) ou para homenagear a dama da canção caboverdiana Cesária Évora (“Ave Cesaria”).

Source : Globo Online | 2015-03-22 13:06:03.0
Damien Marley fechou o primeiro dia de festival - Guito Moreto / Agência O Globo

RIO — Com um palco principal no qual se revezaram o Planet Hemp e dois artistas de destaque do reggae mundial, era mesmo de se esperar: os cigarrinhos proibidos rolaram soltos entre o público que foi na noite de sexta-feira ao pilotis da Cidade das Artes para os shows de abertura da edição 2015 do festival Back2Black. O poeta dub jamaicano Linton Kwesi Johnson mandou seu recado político e o cantor Damian Marley, filho de Bob, chamou todos para a dança, enquanto a banda carioca defensora da maconha – em mais uma das suas esporádicas apresentações desde que voltou à ativa, em 2010 – foi quem mais gente atraiu para a frente do palco, com música de alta voltagem.

Escasso ainda era o público (em parte, por causa dos problemas de trânsito no Rio em uma sexta à noite), pouco depois das 21h, quando Linton Kwesi Johnson iniciou sua apresentação, com a multirracial Dub Band, do baixista Dennis Bovell, no Palco Rio. Elegante e bem-sucedido aos 62 anos de idade, ele mostrou animação ao lado do grupo, que mostrou categoria, embora o som não tivesse a pressão necessária a um bom show de dub reggae. Com sua voz monocórdica e hipnótica, Linton se moveu pelo balanço do baixo elástico de Bovell para contar as suas histórias.

Expressando seu contentamento em estar num festival negro (e o “máximo respeito” por Gilberto Gil), o jamaicano radicado na Inglaterra passou por canções como “Forces of viktry” (sobre a luta dos imigrantes pelo direito de fazer seu carnaval), “Sonny’s lettah” (uma carta em que um rapaz explica à mãe como ele e o irmão foram presos) e “Licence fi kill” (sobre brutalidade policial). Embalado (e esfumaçado), o público seguiu o fluxo poético, político e altamente rítmico de Linton Kwesi Johnson.

Depois de uma apresentação forte do rapper Dughettu no Palco Cidade, o Planet Hemp ocupou o Palco Rio fazendo barulho desde o primeiro minuto. Com “Legalize já”, o grupo dos MCs Marcelo D2 e BNegão abriu o primeiro ato do show, com o repertório de seu primeiro álbum, “Usuário” (1995). Reduzidos ao power trio do baixista Formigão, o guitarrista Rafael Crespo e o baterista Pedro Garcia, o grupo atacou com admirável fome (e pegada punk) o seu repertório – parecia que o tempo não tinha passado desde os anos 1990, com os rappers trançando rimas na velocidade da luz em “Dig dig dig”, “Fazendo a cabeça”, “Zero vinte um” e “Queimando tudo”. No fim da apresentação, eles ainda lembraram o “Soul Makossa” de Chico Science e Nação Zumbi.

Marcelo D2 e BNegão no show do Planet Hemp - Guito Moreto / Agência O Globo

Por volta de uma e meia da manhã, depois dos ataques de frequências graves e rimas ferinas da MC Karol Conká (no Palco Cidade, onde o show sempre acabava pouco antes de começar o seguinte, do Rio), Damian Marley começou o seu espetáculo de reggae festeiro, com uma trupe afiada, da qual fazem parte duas backing vocals e um sujeito que passou o tempo todo agitando uma bandeira da Jamaica. Com grande animação, o incansável cantor (que une a facilidade para a melodia à pegada rítmica de rapper) foi noite adentro num passeio por vários estilos de reggae (do romântico ao mais combativo), no qual não faltaram, é claro, clássicos do pai, como um “Exodus”.

O Back2Black continua na noite de sábado, no Palco Rio, com shows de Lenine + Letieres Leite e Orquestra Rumiplezz, da cantora africana Angelique Kidjo, do rapper belga Stromae e uma homenagem aos compositores negros cariocas com Alcione, Mart’nália, Xande de Pilares, Fernanda Abreu, Raquel Tavares e Gabriel Moura. No Palco Cidade, tem Alabê Ketujazz, o encontro dos angolanos Aline Frazão e Toty Sa’med com a brasileira Natasha Llerena, os moçambicanos Mingas, Wazimbo, Moreira Chonguiça e os Bailarinos de Marrabenda e a funkeira Ludmilla, fechando a noite.

Source : Globo Online | 2015-03-21 13:31:47.0
O rapper Snoop Dogg no período em 2013, quando usava o pseudônimo Snoop Lion - Divulgação

RIO — Snoop Dogg anunciou nesta sexta-feira, durante o festival SxSW, no Texas, que está desenvolvendo uma série de TV para a HBO. O seriado se passará na costa oeste dos Estados Unidos, onde o rapper cresceu e aperfeiçoou seu estilo musical. A direção da atração ficará a cargo de Allen Hughes (de "Dead Presidents").

"A HBO é a rede de TV número um do mundo e trabalhar com Allen Hughes... Isso é um sonho que está se tornando realidade poder contar a história que será contada do jeito certo, na rede de televisão certa", disse Snoop Dogg durante palestra do festival.

O rapper também falou sobre seu novo álbum "Bush", que tem lançamento previsto para maio. O disco foi todo produzido por Pharrell Wiliams e terá participação de Stevie Wonder e Charile Wilson, vocalista da "The Gap Band", que aparece em "Peaches N Cream", primeira música liberada do novo trabalho.

"Eu achei que ele (Wilson) e Pharrell juntos seria mágico. A nave mãe está se reconectando. É um passeio pelo funk, um passeio pela 'funkmosphere'. Eu gostei muito de ouvir o disco. Eu não escuto a minha música, é difícil para mim ouvir Snoop Dogg porque eu sou Snoop Dogg, mas esse álbum está morando comigo. É uma batida completamente diferente.", disse o rapper sobre o álbum.

Durante a conversa com os fãs no festival, Snoop Dogg também falou sobre a sua constante evolução musical que já o levou a trabalhar com hip-hop, rock, funk e reggae:

"Eu deixo meus ouvidos ligados na rua e os pés no asfalto. Eu sempre presto atenção no que está acontecendo na indústria da qual faço parte. Poder continuar sendo relevante é a chave... Eu acho que música é música e se você fizer música de qualidade, as pessoas vão gostar."

O rapper também comentou seu trabalho com Willie Nelson.

"Eu não sei porque as pessoas acham que a gente não tem nada em comum, porque nós gostamos de animais, de boa música e de mato. Foi amor a primeira vista", afirmou.

Source : Globo Online | 2015-03-20 22:04:50.0

RIO - No lugar dos dreadlocks, chapéu, óculos de aro fino e cavanhaque. Em vez das extravagantes roupas com as cores da bandeira da Etiópia (verde, vermelho e amarelo), terno e gravata. O impecável visual de Linton Kwesi Johnson — que lembra o lendário pianista de jazz Thelonious Monk ou mesmo um sóbrio professor universitário — não é a única coisa que o destaca dos lugares-comuns dos artistas de reggae, mas é a primeira a chamar a atenção, causando até algumas confusões.

— Já encontrei discos meus na seção de jazz, ao lado de trabalhos de Monk, o que não deixa de ser uma honra — diz ele, atração da primeira noite do festival Back2Black, nesta sexta-feira, na Cidade das Artes. — Mas não sei explicar o meu visual. Talvez ele reflita minha formação, meu jeito ou o ambiente onde cresci. Não é, de qualquer forma, algo que me preocupe.

Quando se expressa musicalmente, Johnson — nascido na Jamaica há 62 anos, mas radicado na Inglaterra (em Londres) desde os 10 — também sobrevoa chavões, como as batidas saudações rastafári e as menções a uma determinada erva. Sociólogo, escritor, ex-integrante dos Panteras Negras e criador da chamada dub poetry, poesia feita sob hipnóticas bases reggae, ele cria letras repletas de jogos de palavras, gírias e forte conteúdo político, num idioma próprio, que construiu desde que lançou seu primeiro álbum, “Dread beat an' blood”, no já distante ano de 1978. O mais recente, ao menos no Spotify, é o ao vivo “Di eagle and di bear”, de 2014. Só que...

— Nunca lancei esse disco. Não é um trabalho original, deve ser um desses piratas que se passam por oficiais — reclama LKJ, como é conhecido. — Estou longe dos estúdios há muito tempo.

De fato, seu canto falado — semelhante ao do saudoso poeta americano Gil Scott-Heron (1949-2011), um dos avôs do rap, e parente do toasting jamaicano — foi ouvido pela última vez interpretando inéditas no álbum “Tings an' times”, de 1991. Desde então, só compilações (como as oficiais “Independent intavenshan”, de 1998, e “Straight to Inglan's head”, de 2003) ou álbuns instrumentais (como “LKJ in dub vol.3”, de 2002).

— Estou tentando me aposentar, mas não deixam — brinca ele, casado e pai de três filhos, já adultos, todos ingleses. — Os garotos no pub perto da minha casa me descobriram e volta e meia vêm falar comigo sobre música. Às vezes, trazem vinis para eu autografar.

É compreensível. As canções de LKJ — a maior parte composta durante os tensos anos do governo de Margaret Thatcher (entre 1979 e 1990) — nunca deixaram de encontrar eco junto à juventude britânica (e de outras regiões). Ao abordar, de forma serena e articulada, temas como racismo, violência policial e desigualdades sociais, músicas como “Sonny's lettah” (também nome do seu primeiro poema, publicado em 1982), “Di great insohreckshan” (sobre os distúrbios raciais que sacudiram o bairro londrino de Brixton em 1981), “Inglan is a bitch” e “Wat about di workin' class?” atravessaram décadas e se mantiveram atuais. Boa parte delas voltou a ser citada e tocada durante os conflitos de rua em Londres, em 2011.

— Racismo e desigualdade são temas que nunca deixam de nos assombrar, principalmente em meio à crise econômica, que leva à intolerância, principalmente em relação aos imigrantes, não só na Inglaterra, mas em toda a Europa — reflete ele.

Primeiro poeta negro a ter um livro (”Mi revalueshanary fren”, de 2002) publicado pela prestigiosa série Penguin Modern Classics, LKJ colabora regularmente com publicações como “The Guardian” e “Huffington Post” e fez uma recente “residência artística” na Universidade de Nova York. Mesmo assim, também não publica um poema novo desde 2006.

— Tenho feito alguns esboços, mas não tenho mais pressa para nada. Acho que a poesia ainda é uma arma brilhante contra a opressão e as injustiças sociais — conta ele, que venceu recentemente um câncer na próstata. — Isso me deixou mais consciente sobre minha mortalidade. Passei a viver com mais prazer, mudei minhas prioridades. Vivo agora em ritmo de cruzeiro, sem turbulências.

São as raras apresentações ao vivo — sempre acompanhado pela Dub Band do supremo baixista Dennis Bovell — que mantém LKJ em contato com o público que o cultua há tanto tempo.

— Estou um pouco nervoso com relação a esse show no festival, não tocamos juntos há um certo tempo — diz ele, que se apresentou em Salvador, em 1990, e também na edição do Back2Black em Londres, em 2012. — Mas sinto-me em família ao lado da Dub Band. Vai ficar tudo bem.

A PROGRAMAÇÃO DO FESTIVAL

Sexta, dia 20

Palco Rio:

Linton Kwesi Johnson e Dennis Bovell Dub Band (21h)

Planet Hemp (22h45m)

Damien Marley (0h45m)

Palco Cidade:

Dughettu (22h)

Karol Conká (0h)

Dream Team do Passinho + Bailarinos Kuduro (2h)

Sábado, dia 21

Palco Rio:

Lenine e Letieres Leite e Orquestra Rumpilezz (20h15m)

Angelique Kidjo (22h)

Homenagem ao Rio (23h30m)

Stromae (1h25m)

Palco Cidade:

Alabê Ketujazz (19h30m)

Aline Frazão, Natasha Llerena e Toty Sa’Med (21h15m)

Mingas, Wazimbo, Moreira Chonguiça e Bailarinos de Marrabenta (23h)

Ludmilla (0h45m)

Source : Globo Online | 2015-03-19 10:00:00.0
Herbert, Bi e Barone. Paralamas do Sucesso vai se apresentar de show em comemoração aos 30 anos do primeiro Rock in Rio - Adriana Lorete

RIO — Os 30 anos do Rock in Rio I serão comemorados com um show especial logo na abertura da edição 2015 do festival, no dia 18 de setembro. A apresentação vai reunir grandes estrelas da música nacional, como Ivan Lins, Ney Matogrosso, Erasmo Carlos, Paralamas do Sucesso e Blitz, que pisaram no palco do primeiro Rock in Rio, ainda em 1985.

Ivete Sangalo, Samuel Rosa e Aroldo Ferreti (Skank), Titãs, Frejat, Dinho Ouro Preto, Jota Quest, Andreas Kisser e George Israel completam o time de craques que aos poucos vai preencher o Palco Mundo no dia 18. A produção musical será de Dinho Ouro Preto e Marco Mazzola.

— O Rock in Rio alimenta o rock, e o rock alimenta o Rock in Rio. O festival é um momento de celebração, é o que a Marquês de Sapucaí é para o samba. Fomos adquirindo respeito. Ninguém sabia o que ia acontecer na primeira edição, e hoje somos tratados com o mesmo respeito dos gringos. Foi uma conquista para os artistas brasileiros. Por isso a importância desse show que vai abrir — disse Dinho Ouro Preto, em coletiva realizada nesta terça, na Barra. — A ideia é que o show flua, que as pessoas achem que é uma única banda. A palavra que me veio à cabeça é fluidez. Vai ser apresentação antológica.

A promessa é de que todos esses músicos interajam no espetáculo. Para isso, ao final de cada música o artista que estiver se apresentando vai tocar um riff indicando a próxima canção — e o próximo artista a subir no palco.

— O Rock in Rio virou sinônimo de megaevento, e estamos indo para mais essa edição sem perder a grandiosidade. É incrível como começou com tanto idealismo e virou uma marca consagrada — afirmou o baterista João Barone, dos Paralamas.

— Para o Paralamas foi muito importante o show de 1985, porque éramos pouco conhecidos no Rio. No ano seguinte já estávamos na Argentina — lembrou o baixista Bi Ribeiro.

“A música não vai parar e, aos poucos, a banda vai aumentando de tamanho", explica Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio. "Será como se cada artista, ao final de sua apresentação, fizesse questão de estender, simbolicamente, um tapete vermelho para o próximo convidado. Um gesto de união e entrosamento, que representa o espírito do Rock in Rio, que é o de reunir todas as tribos e todos os sons”, detalha Roberta Medina.

Evandro Mesquita, da banda Blitz, comparou o clima da edição de 1985 com o da atual.

— Eu estou sentindo um clima parecido no ar. Estávamos na época do fim da ditadura, da censura, Diretas Já. A juventude teve acesso a outras bandas e mudou o panorama das rádios. O primeiro Rock in Rio foi inesquecível. O pôr do sol, depois as luzes do show. E nós também estamos com 30 e poucos anos de estrada, provando que música boa não tem prazo de validade.

CPM 22 E CIDADE NEGRA CONFIRMADOS NO PALCO MUNDO

Além do show de abertura, também foram divulgados os nomes de duas bandas brasileiras que vão tocar no Palco Mundo: CPM22 e Cidade Negra.

O grupo paulista se apresentará no dia 24 de setembro, abrindo os shows de System of a Down, Queens of the Stone Age e Hollywood Vampires. Já o Cidade Negra, levará o ritmo jamaicano para a Cidade do Rock no dia 27, quando também se apresentaram A-ha e a cantora Katy Perry.

— O Cidade Negra já se apresentou no Rock in Rio, no Sunset, em 2011, e foi incrível. Acho que os encontros que são característicos daquele palco são inesquecíveis. Mas o Palco Mundo é um sonho para todo mundo. É uma honra participar nesse lugar monumental. É uma oportunidade de fazer o maior espetáculo de reggae e muitas bandas do gênero teriam condições de estar aqui. Vamos representar todo esse coletivo nessa noite — disse Toni Garrido.

Dos sete dias de festival, cinco já tiveram pelo menos o headliner divulgado. No dia de abertura, 18 de setembro, o Queen, com Adam Lambert nos vocais, será a atração principal, na mesma do show especial de 30 anos. John Legend também se apresentará na primeira sexta-feira, no Palco Sunset. O primeiro sábado, dia 19, terá o Metallica, que já passou por outras duas edições do festival no Brasil.

A segunda semana de festival começa na quinta-feira, dia 24, com CPM 22, System of a Down, Queens of the Stone Age e Hollywood Vampires (Alice Cooper, Johnny Depp e Joe Perry) já confirmados. Na sexta (25), é a vez de Slipknot e Faith No More comandarem a festa. No domingo (27), a sexta edição carioca do festival será encerrada com Cidade Negra e o pop de Katy Perry e dos veteranos do A-Ha.

Segundo Roberta Medina, o lineup do Palco Sunset será anunciado na semana que vem.

Source : Globo Online | 2015-03-17 20:06:30.0
Conteudo da noticia não encontrado
Source : eptv.globo.com | 2015-03-11 23:18:14.0

Grupo de reggae alagoano comenta show de lançamento no Recife. Com mais de 15 anos de carreira, banda faz sucesso em diversas cidades.
Source : G1.com.br | 2015-02-28 14:55:28.0

FERNANDO DE NORONHA - Depois de uma programação alternativa, que inclui pedaladas e trilhas selvagens, nada como renovar energias, na Vila dos Remédios, onde se concentram o centro histórico e a maioria dos serviços turísticos. A vida noturna de Noronha é discreta, mas cumpre bem sua função de entretenimento em, basicamente, dois locais.

A Pizzaria Muzenza, administrada pela simpática etíope Leila, recebe forasteiros e ilhéus com reggae (quintas e sábado) e samba (aos domingos). Projeções feitas no paredão lateral da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios parecem querer reinventar aquele cenário histórico, infelizmente, não preservado da Vila dos Remédios.

Já o vizinho Bar do Cachorro ganhou fama mundial com suas noites embaladas pelo ritmo arrastado do forró (às segundas, quartas e sextas). Mas é às segundas que esse bar-restaurante surpreende com inusitadas e animadas apresentações do Maracatu Nação Noronha encabeçadas por 11 moradores do arquipélago.

— Existia muita resistência dos moradores de Noronha por não reconhecerem o maracatu como manifestação cultural, mas como religião. O projeto só teve aceitação local com a parceria com o Projeto Golfinho Rotador, que levou o ritmo para dentro da escola — conta Waldeck Junior, coordenador do Maracatu Nação Noronha, grupo que foi criado há dez anos por Dona Nanete. — Pode até não ter forró na segunda, mas o maracatu é garantido — completa Waldeck, depois de uma apresentação animada no Bar do Cachorro, que até pouco tempo era considerado a única balada da ilha.

Reformado há três anos para abrigar uma cozinha que pudesse servir os clientes, o local chega a receber 400 pessoas, aproximadamente, em uma única noite (número bastante expressivo para uma ilha com 3.600 habitantes, segundo o último censo).

Aliás, é sobre a mesa que Noronha também surpreende visitantes. A ilha nos dá opções que, há até pouco tempo, pareciam improváveis para um lugar a mais de 500 quilômetros do continente e com consideráveis dificuldades de logística para o transporte de ingredientes.

Seja em uma plataforma suspensa sobre palafitas, feita com eucaliptos reflorestados, ou entre obras de arte, assinadas por J. Borges, cordelista declarado Patrimônio Vivo de Pernambuco, a ilha principal de Noronha sabe receber muito bem. Não só do lado de fora mas também dentro dos restaurantes.

Membro da Associação de Hotéis Roteiros de Charme, a Pousada Teju-açu é endereço da cozinha cuidadosa do catarinense Maurício Jasnievicz. Além da gastronomia molecular, preparada com ingredientes da horta hidropônica localizada no empreendimento, Jasnievicz assina pratos caprichados, como sardinhas empanadas de entrada e tentáculos de polvo salteados com legumes no prato principal.

O uso de ingredientes como milho roxo, broto de beterraba e sementes peruanas, como amaranto, são inspirações do período em que esse chefe de Florianópolis trabalhou no restaurante Astrid y Gastón, em Lima, no Peru.

NOTÍCIAS DE ALTO-MAR

E como a gente não quer só comida, o artístico O Pico é outro endereço obrigatório, onde os clientes correm o risco de dividir o mesmo teto com algumas das celebridades que sempre dão as caras em Fernando de Noronha, ao longo do ano.

É ali — entre xilogravuras do pernambucano J. Borges inspiradas, exclusivamente, na geografia noronhense e decoração rústica despretensiosa — que são servidos os pratos, inclusive com ingredientes da horta orgânica que fica bem na entrada.

— Quando você está com fome, prepara com o que tem em casa. A cozinha de Noronha não é diferente. Variamos com o mínimo de produtos possíveis, baseada nas cozinhas italiana e oriental — diz o gaúcho Álvaro Silva II, consultor de gastronomia e um dos sócios da casa.

Há bruschettas, yakisoba e arroz frito. E o restaurante ainda garante diversão e arte, com sessões de cinema ao ar livre, no quintal do fundo da casa, e artesanato pernambucano vendido na lojinha local, inclusive a arte nordestina das telas de J. Borges.

E assim, do lado de dentro e do lado de fora, Fernando de Noronha vai mandando boas notícias para quem está do lado de cá do Brasil.

SERVIÇO

ONDE FICAR

Pousada Solar dos Ventos: Bangalôs duplos com diárias a partir de R$ 1.220. O empreendimento está localizado na Praia do Sueste. pousadasolardosventos.com.br.

Pousada Mar Atlântico: Diárias a partir de R$ 398 (casal). Fica na Vila da Floresta Nova, ao lado da Vila dos Remédios, área central da ilha. pousadamaratlantico.com.br.

ONDE COMER

Pousada Teju-açu: O restaurante da ecopousada fica à beira da piscina. Endereço: Estrada da Alamoa, Boldró. pousadateju.com.br. Reservas através do email: reservas@pousadateju.com.br.

O Pico: O restaurante está localizado no bairro de Floresta Nova. Tel. (81) 3619-1377. opiconoronha.com.br.

TAXAS

TPA: Na chegada a Noronha é cobrada a Taxa de Preservação Ambiental, que sai a R$ 51,4 por dia, nos quatro primeiros dias. Para uma semana, o valor é R$ 318,68. A tabela está em noronha.pe.gov.br.

Parque Nacional Marinho: Desde que a EcoNoronha ganhou o edital de prestação de visitação pública à ilha, foi criada outra taxa, para passear pelo parque, onde está a maioria das áreas ícones do arquipélago. Sai a R$ 81 para brasileiros e a R$ 162 para estrangeiros.

Source : Globo Online | 2015-02-12 09:58:00.0
Confete e serpentina. Cerveja gelada ou outra bebida de sua preferência. Fantasia e muita animação. Está faltando algo para seu Carnaval? Como boa música é um ingrediente indispensável, a pedida de abertura da festa de momo é o Bailinho Abre Alas 2015.

Uma verdadeira "noite do prazer", com muito "balancê", um pé na tradição de sambas, frevos e marchas do menu carnavalesco, outro na contemporaneidade da moderna música popular brasileira. Uma festa para agradar a gregos e troianos, baianos e piauienses, mas sobretudo a você, sua família e seus amigos presentes.

O Bailinho Abre Alas 2015 terá como atrações os cantores Marconi Rezende e Katiana Duarte e o DJ Pedro Sobrinho e acontecerá dia 13 (sexta-feira gorda de carnaval), às 21h, no Bar Bendita Hora (Rua dos Maçaricos, nº. 2, Lagoa da Jansen). Os ingressos, à venda no local, custam apenas R$ 25,00.

"Eu gosto desse carnaval das misturas. O importante é a pessoa chegar no salão fantasiado e cair na folia independente da música que está tocando", afirma o dejota, para usarmos a expressão que ele prefere. Pedro Sobrinho é um dos mais renomados djs do Maranhão e seu nome está sempre aliado a um profundo trabalho de pesquisa. Em seu set list convivem samba, rock, reggae, salsa, ska, blues, jazz, world music e o que mais pintar. Não será diferente no Bailinho. "O bacana é que vou compartilhar essa mistura armando o terreno para a música orgânica de Marconi Rezende e Katiana Duarte. Estou preparando um repertório para garantir a diversão do folião ludovicense", promete.

Marconi Rezende, embora mais conhecido pelo refinamento com que trata o repertório de Chico Buarque, seu maior ídolo, passeia com desenvoltura pela obra de grandes nomes da música brasileira. É o que ele apresentará no Bailinho, com foco na tradição do carnaval. Ele passeará por um repertório de marchas, sambas e frevos de nomes como Chico Buarque, Caetano Veloso e Moraes Moreira, entre muitos outros. "Será uma boa mistura de recordação e entusiasmo contemporâneo, um ensejo para extrairmos todo o prazer dessas canções que nos encheram de alegria, cada uma em seu momento, e que continuam com uma grande força neste período", antecipa Marconi.

"Adorei o convite para participar do Bailinho Abre Alas junto com Marconi Rezende e Pedro Sobrinho. O que me encanta na proposta é a diversificação de estilo musical, passeando do moderno ao tradicional e vice-versa. Será uma experiência inesquecível, estou ansiosa", revela a cantora Katiana Duarte, que, com quase 20 anos de carreira na noite de São Luís, apresentou-se recentemente no Bar Café Brasil, em Oslo, Noruega. Seu repertório será baseado em nomes mais recentes da música brasileira, como Nando Reis, Vanessa da Mata e Zeca Baleiro.

Os produtores acreditam que o grande trunfo do Bailinho Abre Alas seja justamente essa diversidade de repertório, a qualidade dos artistas e, sem dúvida, a alegria, diversão e disposição do público. A quem porventura pensar tratar-se de evento infantil, pelo nome, eles avisam: é uma festa para um público seleto, daí o nome; a alegria e satisfação dos presentes serão enormes, prometem.

Serviço

O quê: Bailinho Abre Alas – 2015
Quem: Marconi Rezende, Pedro Sobrinho e Katiana Duarte
Quando: 13 de fevereiro (sexta-feira gorda de carnaval), às 21h.
Onde: Bar Bendita Hora (Rua dos Maçaricos, nº. 2, Lagoa da Jansen)
Quanto: R$ 25,00
Informações: (98) 983033995 (Tim) e 98822-6206 (Oi)
Source : samba-choro.com.br | 2015-02-09 18:36:35.0

SALVADOR — O “Furdunço” está armado. O circuito Barra-Ondina, em Salvador, recebe neste domingo na avenida 22 trios elétricos, que representam desde a origem do axé aos contemporâneos. Dos tradicionais blocos afro Ilê Aiê e Muzenza à revelação Baiana System. De Armandinho a Alavontê, projeto formado no verão passado por veteranos como Ricardo Chaves. Os 30 anos do axé, celebrados no carnaval 2015, vêm sendo comemorados desde os ensaios de verão.

No palco em que Daniela Mercury faz seu tradicional “Pôr do som”, no primeiro entardecer do ano, foram celebradas as protagonistas. Uma viagem no tempo, que começou com Sarajane e Márcia Freire e terminou em Claudia Leitte. Mesmo quem rejeita o gênero se lembra de versos como “Vamos abrir a roda, enlarguecer”, “Eu quero te abraçar, te beijar, preciso desse amor”, “A cor dessa cidade sou eu”, “Ae, ae, ae, ae. Ei, ei, ei, ei. Oô, oô, oô, oô, oô, ô”. São incontáveis os hits que fizeram milhões de brasileiros levar as mãos para o alto e tirar o pé do chão. Mas, ao longo dessas três décadas, não foram só as mulheres que reinaram. É de um homem o refrão que determina o início de tudo.

DO BAR ÀS MULTIDÕES

Luiz Caldas tocava com a banda Acordes Verdes (da qual fazia parte um jovem Carlinhos Brown) quando foi a Simões Filho, região metropolitana de Salvador, rever amigos do Trio Tapajós. Num bar, encontrou Paulinho Camafeu, do bloco afro Filhos de Gandhy. Entre cervejas, pescou a brincadeira entre um rapaz e uma garota: “Pega ela aí pra passar batom”. Estava feito o refrão de “Fricote”, faixa do disco “Magia”. A pedra fundamental.

Enquanto os holofotes se voltavam naqueles idos de 1985 ao frenesi do primeiro Rock in Rio e à leva de álbuns de uma cena que viria a ser protagonizada por Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso, Titãs e outros, um estilo musical nascia paralelamente em Salvador.

— “Fricote” finca a axé music da Bahia para o mundo, trazendo uma dança que invadiu as ruas de Salvador. Uma dança que não foi criada por mim. Ela estava ali, à minha frente, traduzindo a espontaneidade do povo — conta Caldas.

Só na Bahia, o álbum com o hit vendeu 100 mil cópias. Um burburinho formou-se. Chacrinha levou Caldas para o seu programa, depois Sarajane, Banda Mel, Reflexu’s, Cheiro de Amor... As gravadoras, é claro, detectaram algo novo a ser explorado.

Naquele mesmo 1985, saíram outros dois discos emblemáticos: “Rio de leite”, de Sarajane, e “Mensageiros da alegria”, de Gerônimo. Sarajane explodiria dois anos depois, com “A roda”, com repercussão nacional e clipe no “Fantástico”.

O carnaval da Bahia, antes concentrado entre clubes e a Avenida Sete de Setembro, ganhava as ruas. A partir de 1992, ganhou o Brasil, quando Daniela Mercury fez, em São Paulo, um histórico show no vão livre do Masp. Num projeto para iniciantes, ela parou a Avenida Paulista. No mesmo ano, lotou a Praça da Apoteose, no Rio. Virou especial da Globo.

— Eu tive de interromper o show no Masp porque diziam que eu ia derrubar o museu — lembra ela. — No dia seguinte, os jornais estamparam “Uma baiana para São Paulo”. Depois teve a Apoteose... Esse show no Rio dá a dimensão do sucesso no Brasil.

No mesmo período, era lançado “O bicho”, de Ricardo Chaves, e “Nossa gente (Avisa lá)”, do bloco afro Olodum, grupo que define o samba-reggae e a marcante célula rítmica do gênero — e principal influência de Daniela Mercury.

— Olodum, com “Faraó”, foi um divisor de águas. Muita gente absorveu aquela sonoridade. Construí minha música em cima dela — reconhece Daniela.

Para Chaves, a cantora protagoniza um segundo momento marcante do axé:

— O “Canto da cidade” trouxe uma outra visão para o que estava acontecendo no carnaval de Salvador — diz ele, referindo-se ao crescimento mercadológico do gênero, que passou a atrair atenção nacional.

Em meio à turbulência do confisco das poupanças, do processo que gerou o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello e às vésperas da recuperação, com o Plano Real, a trilha sonora do país era a música festiva da Bahia.

As gravadoras festejavam milhões de cópias vendidas, os empresários se encontraram no carnaval baiano, todo domingo Gugu e Faustão disputavam as sensações do momento.

— Foi a melhor época musical que vi no Brasil. O axé era o exótico, as pessoas exibiam seus discos nas prateleiras. Fizemos muita gente feliz. E com o meu “tira o pé do chão”, muita gente se esqueceu dos problemas — diz Netinho, que coleciona sucessos como “Beijo na boca” e “Milla” e está ausente do carnaval desde o ano passado por problemas de saúde.

DE MÃOS DADAS COM O PAGODE

Ainda nos anos 1990, o axé abraçou o pagode baiano, com a ascensão meteórica de É o Tchan. Após anos fora da mídia, o grupo de Beto Jamaica e Compadre Washington voltou a lotar seus ensaios neste verão, embalados pelo fenômeno comercial de “Sabe de nada, inocente”.

Sucedido pelo Harmonia do Samba e seu “Vem neném”, o pagode tem hoje o seu maior representante na banda Psirico, de Márcio Victor, o homem do “Lepo lepo” e do “Xenhenhém”, candidata ao posto de música do carnaval 2015.

Pupilo de Brown e percussionista de Caetano Veloso por uma década, ele desmistifica a diferença dos gêneros.

— Pra mim, tudo o que é produzido na Bahia é axé — diz Márcio Victor.

Se os anos foram dourados para o axé na década de 1990, nos anos 2000 ele pouco se expressou. Também atingido pela crise da indústria, manteve-se forte com Ivete Sangalo, como mostra o levantamento anual da Crowley Broadcast Analysis das canções mais executadas nas rádios. Entre as dez mais de 1999 a 2014, Ivete apareceu duas vezes com axé: “Flor do reggae” e “A festa”. Em outras três, figurou com sons de apelo romântico, como “Se eu não te amasse tanto assim”.

Criador do termo “axé music”, em 1987, o jornalista baiano Hagamenon Brito coloca Ivete como protagonista da terceira fase. Ela seria iniciada com o sucesso da carreira solo pós-Banda Eva e viria até hoje, “com a cena enfraquecida em seu showbiz, mas ainda capaz de gerar uma estrela pop como Claudia Leitte, de amadurecer um talento como Saulo e ter em Brown uma usina de ideias criativas”.

— O futuro é preocupante, porque o axé, ao contrário do sertanejo, não está sendo capaz de gerar novos artistas com star quality — observa Brito.

Desde 2010 o axé perdeu de vez o império para o sertanejo universitário. Em 2011, das dez mais executadas nas rádios, nove eram do gênero. Ele, junto ao arrocha-sofrência de Pablo, também invade o carnaval baiano, com trios e como atrações dos camarotes. Márcio Victor deseja que a cena mude:

— Devolvam meu axé, tragam ele de volta pro sucesso. Gostamos do sertanejo, mas queremos o axé.

CRISE DE IDENTIDADE

Uma crise de identidade ronda os bastidores. Basta, no entanto, passar uns dias no verão de Salvador para detectar que o gênero ainda atrai muito investimento privado e turistas.

Um dos maiores hitmakers baianos (“Água mineral”, “A namorada”, “Maimbê dandá”) e fundador da Timbalada, Carlinhos Brown é um agitador, capaz de promover até três eventos por semana no Museu du Ritmo. Para os 30 anos do axé, fez a canção-tributo “Por causa de você”. Um dos trechos diz: “Ilê Ayê, quem era eu pro que hoje sou?”.

— Teve muita gente que passou a se achar autossuficiente, parou de ligar para quem era compositor, e a música perdeu muito em qualidade. Acho que essa mexida no axé se dá porque não aguentamos mais fazer música para vender abadá — observa Brown.

Para Sarajane, “as pessoas sentem falta do axé das antigas, com mais harmonia e mais bem trabalhado”.

— Trinta anos é uma data marcante: ou você se estabiliza ou vira lenda — dispara.

Netinho afirma que “o axé estacionou lá atrás e tudo o que se fez por aqui até agora foi uma tentativa de repetição dos mesmos formatos que a minha geração usou com sucesso e à exaustão”.

Apontado como representante da nova geração e autor da música-tema dos 30 anos, com a bela “Raiz do bem”, Saulo foi impactado pelo axé quando tinha 7 anos e viu Daniela Mercury em cima do trio. Hoje, aos 37, vê o aniversário com otimismo e esperança:

— O axé está de parabéns por ter mexido generosamente com a economia do país e ter revelado artistas maravilhosos que estão aí até hoje. Ele precisa voltar a deixar a música falar mais alto. Foi assim que o axé começou, e é assim que vai se reconfigurar.

A fórmula do sucesso, para Brown, está em sua essência:

— O axé é alegria e festa. A responsabilidade dele é convidar piano de cauda e levantar defunto. Se não cumprir essa função, já era.

Source : Globo Online | 2015-02-08 09:00:00.0
O reggae e Chimarruts e da banda Onze:20 irão divertir o público no Luau de Verão do Armazém Vilas, em Lauro de Freitas, neste sábado, 7, às 22h.
Source : atarde.com.br | 2015-02-06 23:20:00.0

Em Birigui tem show de reggae nesta sexta-feira (6) a partir das 20h30. Esquenta para o carnaval é aposta de uma casa noturna em Votuporanga.
Source : G1.com.br | 2015-02-06 20:35:01.0

Ídolo do reggae completaria 70 anos nesta sexta; ele morreu em 1981. 'Há um mistério poético que o faz brilhar ainda hoje', disse biógrafo.
Source : G1.com.br | 2015-02-06 11:44:02.0
Primeiro bloco afro a levar o samba-reggae para a avenida, o Muzenza começou sua trajetória em 1981, no bairro da Liberdade.
Source : atarde.com.br | 2015-02-05 11:16:00.0

Em Rio Preto tem show que mistura reggae, rap, jazz e muito mais. Também tem estreia de filma nas salas de cinema da região.
Source : G1.com.br | 2015-01-30 19:42:17.0

RIO - Muita gente ouviu algum dia as músicas “What I got”, “Santería” e “Wrong way”, do grupo californiano Sublime. Mas poucos foram os que atinaram para o fato de a voz e a guitarra dessas gravações, Bradley Nowell, ter morrido de overdose de heroína em 1996, dois meses antes do lançamento de “Sublime” — o disco que faria do trio um caso sem igual de sucesso post mortem no mundo pop.

Pois em 2009, os membros remanescentes Eric Wilson (baixo) e Bud Gaugh (bateria) operaram o milagre de conseguir um subsituto para Nowell: Rome Ramirez, que volta nesta sexta-feira ao Rio de Janeiro (às 21h30m, no Citibank Hall) para mais um show na cidade com o Sublime with Rome.

O grupo de ska-punk esteve pela primeira vez no Brasil em 2010, para participar do festival SWU, em Itu, no interior de São Paulo. Voltaria em 2011 e 2013 — e, nas duas vezes, passou pelo Rio, apresentando-se no Circo Voador. Por telefone, o vocalista e guitarrista Rome (nascido em 1988, mesmo ano da fundação do Sublime) diz lembrar de "galões de caipirinha maiores do que nossas cabeças" em suas temporadas cariocas.

— Foram maravilhosas todas as vezes em que estivemos aí, cada vez tocando para mais gente. Mas agora será um pouco diferente, temos músicas novas e não há melhor lugar para testá-las do que aí.

O grupo prepara para este ano o sucessor de “Yours truly”, álbum de 2011 que marcou a estreia do novo integrante e a volta do Sublime aos estúdios depois de 15 anos (entre 1997 e 2002, Wilson e Gaugh se dedicaram ao projeto Long Beach Dub Allstars). Rome conta que essas novas músicas “vão mais para o lado do reggae e do ragga.”

— Estamos indo mais fundo no nosso som, buscando algo mais experimental — adianta ele, sempre reverente ao legado de Bradley Nowell. — Sinto até hoje que estou me apoiando em fundações muito sólidas. Brad pavimentou o caminho para um gênero inteiro.

Sem Buddy Gaugh (que deixou a banda logo após o lançamento de “Yours truly”), o Sublime with Rome conta com a bateria de Josh Freese, verdadeira lenda da cena punk californiana, com o grupo Vandals, que também tocou com os Guns N' Roses e o Nine Inch Nails e hoje presta serviços ao Devo e aos Replacements.

— Agora Josh está com a gente em regime permanente, ao vivo e no estúdio. Ele é um grande baterista, um profissional — elogia Rome, que em maio acusou o Linkin Park, banda com quem tocava em um festival no Arizona, de tê-lo dedurado para as autoridades, incomodado com o consumo de maconha do Sublime. — Eles chamaram a polícia, e os agentes levaram a nossa erva enquanto estávamos no palco. Infelizmente, eles riram por último!

Sublime with Rome

Onde: Citibank Hall - Av. Ayrton Senna, 3.000, Shopping Via Parque, Barra da Tijuca (2156-7301)

Quando: Nesta sexta-feira, às 21h30m

Quanto: De R$ 160 a R$ 300

Classificação: 16 anos

Top Músicas
No musica.com.br músicas | fãsOuvir playlist

Source : Globo Online | 2015-01-29 09:00:00.0
Ana está mantendo os fios azuis só para o carnaval - Luiz Ackermann

RIO - “É crença minha que, no dia em que deus Momo for de todo exilado deste mundo, o mundo acaba”. Em uma crônica publicada em fevereiro de 1894, diante da proibição da folia de rua no Rio de Janeiro aquele ano, Machado de Assis já sentenciava o carnaval como necessidade vital. O tom do escritor não pareceria exagerado para uma multidão de gente que, a menos de um mês (ufa!) para a festa de Momo, já não aguenta mais esperar para colorir as vias da cidade com seus trajes, adereços, confetes, serpentinas, e — cada vez mais! — purpurina.

Às vésperas da data oficial, a ansiedade vira combustível para a criatividade, e se materializa em fantasias cheias de história. Os foliões mais assíduos garantem: já está mais do que na hora de escolher e, de preferência, produzir os trajes para os blocos oficiais, e mesmo para os não-oficiais, informais ou “secretos”, que surgem e saem às ruas ao gosto dos foliões, sem horários e sem cordas, e — dizem os fãs — preservam a espontaneidade que está na essência da festa.

LISTA: Cinco lojas onde você pode montar sua fantasia

O GLOBO-Zona Sul foi atrás de meninas apontadas como referência quando o assunto é botar a mão na massa para transformar-se em personagens mil. Com diferentes perfis, elas compartilham aqui suas dicas de badulaques, tecidos, maquiagem e roteiros de folia para se guardar para quando o carnaval chegar com bastante alegria.

Moradora do Jardim Botânico, a designer belga Bruna Aragão teve seu primeiro flerte com Momo em 2008, quando se rendeu aos encantos de blocos como o Carmelitas e o Céu na Terra, este, um dos seus xodós em Santa Teresa. O bairro, para ela, é uma das melhores rotas para os foliões, graças à acolhida especial dos moradores.

— Eles compram mesmo a ideia da festa. Muitos, inclusive, refrescam o público com banhos de mangueira e acenam para a gente de suas casas. O carnaval é felicidade escorrendo pelo corpo. Tinha que ser assim o ano todo — defende, com um sorriso que soa como gargalhada.

A designer belga Bruna Aragão adora ficar com brilho pelo corpo por vários dias seguidos: “o produto mais eficiente para afixar o glitter é a manteiga de cacau; para remover, uso creme hidratante”, indica. - guilherme leporace / Guilherme Leporace

Adepta ao escambo entre amigas, Bruna é dona de uma mala recheada de fantasias.

— É sempre bom ter muita opção, inclusive para trocar figurinos e evitar repetir o look — diz a designer, ajeitando um de seus decalques imitando pérolas que compõem sua fantasia de sereia. — Por conta do calor, o ideal é investir em fantasias aquáticas — completa.

O look escolhido para a sessão de fotos, feito com a ajuda de uma costureira, conta com um top de voil cintilante amarrado no pescoço e uma saia verde de paetês. Argolas com conchas e pulseiras completam a produção, mas indispensável mesmo é a purpurina.

— Faço colares com vários potinhos para levar para os blocos. Em troca, peço cerveja. Justo, não? — brinca ela, que usa manteiga de cacau para colar os adereços no corpo. — Eu adoro ficar com os resquícios de purpurina por vários dias, mas para uma remoção eficiente, sugiro creme hidratante.

Outra apaixonada pelo realce dos dias carnavalescos é a fotógrafa Ana Andrade, que diz ser foliã recente, mas não menos devotada.

— Só incorporei o espírito do carnaval há uns três anos. Injetaram glitter na minha veia e, de repente, parecia que minha vida não fazia sentido antes disso — declara-se. — Essa liberdade total de poder ser quem você quiser me fascina, chega a ser uma autodescoberta — afirma ela, que posou para as lentes do fotógrafo Ramon Moreira, autor do celebrado projeto “Construindo fantasias”, com ensaios de foliões nus.

Para a matéria, Ana selecionou um traje que representa a expressão “caiu na rede, é peixe”. Ela, que adora fantasias interativas e perucas coloridas, garimpa minuciosamente seus acessórios em brechós pela cidade — o paraíso dos achados, para ela, é o “Ge e Gege”, na Rua Campos da Paz, no Rio Comprido.

— Comprei o vestidinho de rede azul lá, por R$ 5. Já com os peixinhos, foi mais difícil. Tive que ir ao Saara três vezes para achar do jeito que eu queria — conta Ana, que sugere as lojas menos óbvias do centro comercial. — Fujo das que têm fantasias prontas, as feitas por você mesma te dão outra energia!

Essa animação ela exala pelos poros em blocos como o Desce, mas não sobe?, um desses orgulhosamente misteriosos, que sai entre o Catete e a Glória em dia e horário a definir, com marchinhas e releituras de canções famosas.

Moradora de Santa Teresa, um dos epicentros da folia, Sofia Feijó respira carnaval o ano inteiro: ela, que puxa o cordão da dança nos blocos Maracutaia (de maracatu de baque virado) e Agytoê (de samba-reggae), também ajuda a produzir fantasias, adereços e estandartes para os grupos. O envolvimento na organização dos blocos, que realizam diversos ensaios e festas ao longo do ano, tornou-se para ela uma divertida profissão.

— Foi desfilando no Rio Maracatu há muitos anos que eu descobri que queria trabalhar com carnaval a vida inteira. Para mim, essa época é mágica, uma grande brincadeira coletiva, mas também a encaro com disciplina e respeito, já que, nos cortejos, louvo os orixás e penso nos deuses egípcios. Ao mesmo tempo, é puro êxtase estar no meio da bateria, olhando para trás e vendo um monte de gente seguindo as coreografias — ressalta.

Sofia Feijó puxa a dança no Maracutaia e no Agytoê - Bárbara Lopes

Para a voluptuosa mistura da Bahia com Egito que marca o som e a energia do Agytoê, ela capricha na produção, carregada de “ouro”. Na maquiagem, o glitter holográfico dourado usado nas pálpebras dá um toque especial. No top e no turbante, não pode faltar paetê.

— E a saia precisa ser, acima de tudo, bem fluida para rodar à vontade — acrescenta.

Panos e brilhos foram todos comprados no Babado da Folia, loja-sensação do Saara.

— Minha família inteira é muito ligada ao carnaval. Pensamos muitos figurinos juntos — o da foto, segundo ela, custou aproximadamente R$ 100.

MARATONISTAS DE BLOCOS

Gabriela Monteiro posa com a sua produção na pedra do Leme - Guilherme Leporace

No ano passado, a designer de moda Gabriela Monteiro quebrou a cabeça para criar um figurino que reunisse glamour e frescor com o intuito de driblar o calor escaldante do Rio. O desejo era um só: ser a rainha africana mais bonita do carnaval de rua carioca. E ela conseguiu. Com três metros de tecido com estampa de animal print e sobras de uma antiga produção do carnaval, ela confeccionou um vestido longo com aberturas laterais. O look, complementado por um lenço étnico que emoldurou o turbante, foi arrematado por pulseiras douradas e um colar multiuso, também criado por ela especialmente para a sua grife, a Exímia, enquanto um colar dado por uma tia virou enfeite pro rosto.

— Busquei muitas referências, mas fiquei apaixonada por um modelo que vi no baile de carnaval da revista Vogue. Eu mesma modelei, com auxílio de cola quente e Super Bonder. Amo esse processo criativo — acrescenta a jovem moradora do Chapéu Mangueira, que diz ter gasto R$ 40 com a produção final.

A fantasia, que fez sucesso no ano passado, vai ser usada novamente, desta vez com apetrechos novos, que um amigo que está em Pernambuco ficou de trazer. Além da purpurina (sempre ela!), como trunfo da maquiagem;

Carnavalesca desde pequena e figurinha fácil de ser encontrada em blocos como Cordão do Boitatá e Viemos do Egyto, Gabriela faz parte de um grupo no Facebook que já troca todas as informações para cair na folia. A relação dos blocos, ela conta, já está separada por data, local e horário em uma planilha do Google Docs.

Já a jornalista Elisa Maria Campos diz que agenda de carnaval é com ela mesma. Até porque seu cronograma é digno de maratonista: ela toca alfaia, instrumento de percussão, em nada menos que sete blocos. O maior deles é a majestosa Orquestra Voadora, mas ela também participa de outros clássicos como o Boitolo e o Prata Preta.

A dançarina de cancan é uma das fantasias que Elisa faz questão de repetir: tecido e aviamentos foram comprados no Saara e em São Cristóvão. - Luiz Ackermann / Luiz Ackermann

Este ano, ela ainda vai sair como porta-estandarte de um bloco que estreará na quarta-feira de cinzas, entre o Largo do Machado e a Glória: é o “Mulheres rodadas”, que ironiza o machismo com humor. Para cada dia, a jornalista trata de adotar uma faceta, e faz questão de repetir as mais bem-sucedidas.

— A de dançarina de cancan é uma que eu sempre uso, mas me reinvento, introduzindo novos acessórios — conta ela, que mandou fazer a saia na costureira, com tecidos comprados na Casa Pinto, no Saara; e aviamentos adquiridos na Caçula, em São Cristóvão.

Outro personagem que ela encarna todo ano é o de dragão, sempre no desfile da Orquestra. Para a produção, ela vai recorrer à ajuda da prima (“ela campeã de nado sincronizado e tem os maiôs mais lindos”), e já garantiu uma touca com chifres, trazida dos Estados Unidos.

— Eu me empolgo tanto que aprendi até a cuspir fogo — revela, rindo.

Ela que, no período de carnaval levanta às 5h da manhã para começar a se pintar, tem uma gaveta no banheiro só com purpurina, glitter tipo “escaminha”, decalques, sombras coloridas e cílios postiços, e reforça a loja Babado da Folia como oásis para esses apetrechos.

— Ao fim de cada carnaval, já decido com minhas amigas o que a gente vai querer ser no próximo. Neste, vou apostar em fantasias clássicas brasileiras que nunca usei, como baiana e índia. Mas eu gosto é de elaborar: não vou usar um cocar do Saara, o meu vai vir da Amazônia — conta ela, que, como foliã de mão cheia que é, ainda vai desfilar na Portela.

Source : Globo Online | 2015-01-22 09:00:00.0

RIO - O bloco dos ansiosos cada vez aumenta mais. E não estamos falando do Bloco da Ansiedade, que desfila antes do carnaval (este ano vai ser dia 7 de fevereiro), mas bem depois dos foliões que já estão de plantão nas ruas. Ainda faltam quatro semanas para o carnaval oficial chegar, mas basta dar uma volta pela cidade para perceber que Momo precisa, urgentemente, atualizar seu calendário. Em 2015, a folia começou (bem) mais cedo que de costume: logo no primeiro fim de semana do ano, dias 3 e 4 de janeiro, blocos arrastaram multidões na Praça Quinze e na Lapa.

De lá para cá, a batucada só esquentou. Dos ensaios técnicos das escolas do Grupo Especial, que começaram há uma semana, às quadras das agremiações, o sambão tradicional está a mil. E o mesmo se pode dizer dos blocos, que estão prestes a se espalhar nas ruas como confete e serpentina. Muitos caem na pista pela primeira vez. Entre os estreantes, tem homenagem a Marisa Monte (Encanta Marisa), Bezerra da Silva (Malandragem Dá um Tempo), Zeca Pagodinho (Mulheres de Zeca), Novos Baianos (Enquanto Corria o Bloco) e até Rolling Stones (Love Stone). Afinal, se os fãs de Beatles têm um bloco para chamar de seu, por que os de Mick Jagger & cia não teriam? Pois eles terão! A data de desfile ainda não foi definida, mas é certo que “Satisfaction” vai acabar em samba...

Enquanto os novatos ainda se organizam, os veteranos já fazem a festa. Hoje mesmo é a vez de o Sargento Pimenta, que tem Beatles no coração, aquecer os tamborins na Fundição Progresso. Em seu quinto carnaval, o grupo tem como samba-enredo “Help! I need sambare”, que homenageia os 50 anos do álbum “Help”, misturando a música homônima do quarteto de Liverpool com samba-reggae.

— Neste primeiro ensaio, mostraremos nosso lado dançante, com uma coreografia que criamos para a nossa versão da música e que será mostrada pela primeira vez pela nossa bateria — adianta o diretor musical do bloco, Felipe Reznik.

Também hoje, o bloco Viemos do Egyto leva suas performances especiais, ou “especiays”, para o vizinho Circo Voador, convidando Baby do Brasil para um pocket show em que cantará os sucessos de Carmen Miranda, unindo diversas facetas do carnaval carioca no mesmo palco.

E por falar em mistura... Em homenagem aos Mamonas, o novíssimo Brasília Amarela vai unir a irreverência da banda dos anos 90 à galhofa típica do carnaval, com versões de “Pelados em Santos”, “Uma Arlinda mulher” e “Vira”, entre outros hits, além do samba-enredo “Vem com a Brasília em seu primeiro carnaval! Mamonas, um amor pra eternidade’’ e rocks nacionais. O desfile será em Copacabana, e os ensaios estão rolando aos domingos no Praia Club, na Lagoa. O produtor e vocalista Caio Bucker, que tem o mangueirense Ivo Meirelles como padrinho no samba, diz que eles chegaram para “causar”.

— Não somos uma banda cover, mas fãs prestando uma homenagem e unindo o rock deles aos ritmos brasileiros. No ano que vem, os Mamonas fazem 20 anos. Digo no presente porque os Mamonas são eternos, “tchã!” — diz o vocalista da banda, que vai desfilar no Arco do Teles.

Fazendo a união entre a música amazônica e o samba carioca, o CaBloco Muderno estreia no carnaval do Rio. Do Rio, que fique claro: cria do diretor musical paraense Marco André, o bloco já existe no Pará, mas desfila aqui pela primeira vez, com integrantes formados pela oficina de percussão da Maracatu Brasil, em Laranjeiras. O próximo ensaio é dia 28, no Teatro Odisseia.

— A nossa ideia é essa mistura de instrumentos típicos de lá e feita a partir de materiais reciclados, como a saia percussiva, o curimbó, com elementos do samba de raiz — explica André.

Outro calouro na universidade do samba, o Põe na Quentinha saiu do forno no fim de 2014, pelas mãos de um bando de chefs. Além de o samba-enredo ter como tema a feijoada, os cozinheiros aproveitam os ensaios para montar barracas de comidinhas. Amanhã tem: é no Cine Botequim, na Praça Mauá.

Já a receita do Mulheres de Zeca é... o repertório de Zeca Pagodinho. Tendo à frente a cantora Dorina, o bloco ensaia domingo, em Vista Alegre. E domingo também é dia da concorrida Orquestra Voadora, que faz seu tradicional ensaio nos jardins do MAM, no Aterro. Na semana passada, o clima ainda era bem tranquilo, com espaço até para os integrantes treinarem nas perna de pau.

O fim de semana ainda tem Desliga da Justiça no Arco do Teles, ensaio do Cardosão, Baile do Concurso de Marchinhas, na Fundição, Sapucapeta no Jockey, Fica Comigo, no Lagoon... Nesse ritmo, vai ser difícil se guardar para quando o carnaval chegar.

SEXTA

Sargento Pimenta: Fundição Progresso: Rua dos Arcos 24, Centro — 2220-5070. Sex, às 22h. R$ 60.

Viemos do Egyto: Circo Voador: Rua dos Arcos s/nº, Centro — 2220-5070. Sex, às 22h. R$ 40.

SÁBADO

Carnabeach com os blocos Gamei Samba Retrô, Simpatia é Quase Amor e do Arar: La Isla: Estrada da Barra 793, Itanhangá — 2493-0005. Sáb, às 15h. R$ 30 (mulher) e R$ 40 (homem).

Maracutaia: Praça Quinze s/nº, Centro. Sáb, às 17h. Grátis.

Primeiro Amor Samba Retrô: Vivo Rio: Av. Infante Dom Henrique 85, Aterro do Flamengo — 2240-4944. Sáb, às 17h. R$ 120 (mulher) e R$ 140 (homem).

Põe na Quentinha: Cine Botequim: Rua Conselheiro Saraiva 39, Praça Mauá — 2253-1414. Sáb, às 14h. Grátis.

Rola Preguiçosa: Quilombo Sacopã: Rua Sacopã 250, Lagoa — 99271-0363. Sáb, às 14h. Grátis.

Samba de Santa Clara: 00: Av. Padre Leonel Franca 240, Gávea — 2540-8041. Sáb, às 15h. R$ 30 (mulher) e R$ 40 (homem).

Só Caminha: Chopp Time: Rua Voluntários da Pátria 89, Botafogo — 35980167. Sáb, às 21h. R$ 20 (mulher) e R$ 25 (homem).

DOMINGO

Brasíla Amarela: Praia Club: Av. Borges de Medeiros 1.426, Lagoa — 2303-5185. Dom, às 20h. R$ 20 (mulher) e R$ 30 (homem).

Guri da Merck: Praça da Merck: Estrada Marechal Miguel Salazar Mendes de Moraes s/nº, Taquara. Dom,às 16h. Grátis.

Orquestra Voadora: Jardins do MAM. Av. Infante Dom Henrique s/nº, Aterro do Flamengo. Dom, às 16h. Grátis.

Desliga da Justiça: Arco do Teles: Praça Quinze s/nº — Centro. Dom, às 15h. Grátis.

Fica Comigo: Lagoon: Av. Borges de Medeiros 1.424, Lagoa — 2529-5300. Dom, às 15h. R$ 80 (mulher) e R$ 120 (homem).

Mulheres de Zeca: Lona Cultural João Bosco: Av. São Félix 601, Vista Alegre — 2482-4316. Dom, às 16h. R$ 20.

Sapucapeta: Jockey Club: Praça Santos Dumont 31, Gávea — 3534-9000. Dom, às 17h. R$ 80 (mulher) e R$ 120 (homem).

Baile do Concurso de Marchinhas: Fundição Progresso: Rua dos Arcos 24, Lapa — 2220-5070. Dom, às 19h. R$ 10 (com fantasia) e R$ 20 (sem fantasia).

SEGUNDA

Bloco da Preta: Clube Monte Líbano: Av. Borges de Medeiros 701 — 2512-8833. Seg, às 22h. R$ 40 (mulher) e R$ 50 (homem).

Cordão do Boitatá: Quadra do Morro dos Prazeres: Rua Gomes Lopes 3.476, Santa Teresa. Seg, às 18h.

Quizomba: Circo Voador: Rua dos Arcos s/nº, Centro — 2220-5070. Seg, às 22h. R$ 60.

TERÇA

Banda do Pechincha: Largo do Pechincha: Estrada do Pau Ferro s/nº, Pechincha. Ter, às 20h

Source : Globo Online | 2015-01-16 15:12:53.0

Quinta-feira (15) terá dois especiais em homenagem a bandas de reggae. Confira a programação com eventos; shows musicais são maioria.
Source : G1.com.br | 2015-01-15 23:01:02.0

RIO - Saulo Duarte lembra-se de ouvir, ainda criança, no rádio do avô, nas tardes abafadas de Belém, o balanço suave de “Tô que tô... saudade” (“Meu coração aventureiro é um zabelê apaixonado/ No meio do teu querer fica aperreado”), interpretada por um astro local, o cantor e violonista Nilson Chaves.

Essa memória parece ser a ponta do novelo desenhado pelo artista plástico Tarik Klein para a capa de “Quente”, refletindo um pouco do embaralhamento da obra do cantor e guitarrista paraense em seu segundo álbum (o primeiro, “Saulo Duarte e a Unidade”, com o nome de sua banda acoplado e produzido por Carlos Eduardo Miranda, é de 2012).

Nascido em Belém há 25 anos, criado em Fortaleza e residente em São Paulo desde 2009, Duarte segue a trilha de conterrâneos como Gaby Amarantos e Felipe Cordeiro, misturando sonoridades regionais com um olhar urbano, criando uma estética que classifica como “Brasil amazônico”.

— É a busca de uma roupagem particular para a canção, refletindo timbres e influências que trago de minhas origens dentro de uma vivência urbana, já que moro em São Paulo há quase cinco anos — diz. — O Brasil amazônico é o reflexo do diálogo entre esses universos, apimentado pela relação com as Américas Latina e Central. É a música do nosso país a partir de um ponto de vista nem sempre observado.

Dentro dessa linha, é natural não apenas a regravação de “Tô que tô... saudade”, mas também a presença no álbum de convidados como o guitarreiro-hero paraense Manoel Cordeiro (pai de Felipe, também presente), o multi-instrumentista paulistano Curumim, o percussionista guianense David Hubbard e o trompetista cubano Jorge Ceruto (liderando um naipe de metais).

— O primeiro disco nasceu da pura necessidade de existir no mercado — explica Duarte. — Esse novo, com mais estrutura, é um disco de encontros, juntando convidados que sempre sonhei. O David Hubbard, por exemplo, vem de uma família que tem uma orquestra de steel drums.

O resultado é um caloroso mix que traz guitarrada (“Flores pelo ar”), afrobeat (“Na companhia dos seus”), reggae (“Me dei conta”), lambada (“Zonzon”) e até um rock tropical (“Massafera”).

— Nunca tive o interesse em fazer um disco genuinamente paraense, nem um disco de tecnobrega, mas sim um que trouxesse todas essas misturas que sempre me cercaram — resume.

Source : Globo Online | 2015-01-10 09:00:00.0

Links : Bandas e Artistas de Reggae

reggaeportugal-comReggae Portugal

REGGAE PORTUGAL - Portal da música Reggae


reggaetrade-comReggaeTrade

O maior guia de cds e dvds de Reggae do Brasil.


uol-com-br-tribodejah-centralreggaeCentral Reggae

O reggae em todas as mídias



Pode apresentar uma Link nesta categoria