Bandas e Artistas de Reggae

País : Jamaica

Representante canções exemplos de Reggae



Videos do Reggae

Video clips do Reggae (YouTube e DailyMotion)

Artistas ou Grupos

340ml(2)[video]  -  Abdel Wright(1)  -  Abdou Day(2)  -  Abdoul Jabbar(1)  -  Abega(3)  -  Abijah(3)  -  Adioa(4)[informações]  -  Admiral Bailey(4)  -  Adrien Bass(1)  -  African Brothers(3)  -  African Bush Doctor(0)[video]  -  African Head Charge(17)[informações]  -  Agana(1)[video]  -  Ahmed Faras(0)  -  Akwe(0)  -  Al Campbell(11)  -  Al Pancho(1)  -  Albert Griffiths(0)  -  Alex Kajumulo(1)  -  Ali Moindzani(0)[video]  -  Alpha Blondy(25)[informações][audio][video]  -  Alpha Mim(1)  -  Alpha Oméga(1)  -  Alpha Rowen(1)[video]  -  Alpha Wess(1)  -  Amazulu(8)  -  Andrew Tosh(4)  -  Anguilé(1)  -  Annette Brissett(1)  -  Anthony B(21)[informações][video]  -  Anthony Johnson(2)  -  Apple Gabriel(4)  -  Arkaingelle(1)  -  Asher Senator(1)  -  Askia Modibo(1)[informações]  -  Aston "Family Man" Barrett(2)  -  Aswad(28)[video]  -  Augustus Pablo(33)[informações]  -  Aziz Wonder(0)[informações]  -  Babadi(5)[video]  -  Baby G(1)  -  Back Jardel(1)  -  Backom(2)  -  Baco(5)[informações][video]  -  Bafing Kul(1)  -  Baloji(1)  -  Baraka Oyuru(1)  -  Barbara Jones(0)  -  Barrington Levy(37)[video]  -  Barrington Spence(3)  -  Barry Brown(4)  -  Baster(12)[video]  -  Bee Pasteef(1)  -  Benjam(6)[video]  -  Benz'n(1)  -  Beres Hammond(28)[informações][video]  -  Big Youth(23)[informações][video]  -  Billy Boyo(2)  -  Bim Sherman(25)[informações]  -  Bingui Jaa Jammy(4)[informações][video]  -  Black Medio(0)  -  Black Roots(6)  -  Black Uhuru(34)[informações]  -  Bob Andy(5)  -  Bob Dahilou(1)[informações]  -  Bob Marley & The Wailers(11)[informações][video]  -  Bobby Ellis(2)  -  Brigadier Jerry(6)  -  Brother Ayouba(1)[video]  -  Buju Banton(19)[informações][video]  -  Bunny Wailer(26)[informações]  -  Burning Spear(41)[informações][video]  -  Burro Banton(3)[informações]  -  Bushman(11)[video]  -  COUP SEC(1)  -  Capleton(20)[informações][video]  -  Carl Harvey(1)  -  Carlene Davis(7)[informações]  -  Cedric "Im" Brooks(5)  -  Cedric 'Congo' Myton(3)  -  CeePee(1)  -  Chaka Demus & Pliers(8)[informações][video]  -  Charlie Chaplin(10)  -  Chata Addy(2)  -  Chezidek(4)[informações]  -  Chow Panachie(1)  -  Chrisinti(2)  -  Clancy Eccles(3)[informações]  -  Cliff Brown Tchiepi(0)  -  Clint Eastwood(3)  -  Clinton Fearon(9)  -  Clive Hunt(1)  -  Cocoa Tea(39)[informações]  -  Cornell Campbell(16)[video]  -  Cultural Roots(2)  -  Culture(32)  -  Défoul' la mêm(4)  -  Daddy Freddy(11)  -  Daddy Nuttea(5)[informações]  -  Daddy Rings(3)  -  Damian Marley(4)[informações][video]  -  Daweh Congo(7)  -  Deïdo Tree(0)  -  Dean Fraser(9)[informações]  -  Delroy Washington(2)  -  Delroy Williams(1)  -  Delroy Wilson(10)[informações]  -  Dennis Brown(90)[informações][video]  -  Dezarie(3)  -  Diana Rutherford(1)  -  Didyé Kérgrain(1)  -  Dillinger(9)  -  Dj Dan(2)  -  Djama(4)[video]  -  Djos Kezo(0)  -  Dolé(0)  -  Don Carlos(1)  -  Doniki(1)  -  Dr Mooch(1)  -  Dr. Alimantado(8)  -  Dread Maxim(2)  -  Earl Chinna Smith(3)  -  Earl Sixteen(5)[informações]  -  Earth and Stone(1)  -  Eek a Mouse(16)  -  Elie Kamano(1)[video]  -  Elijah Prophet(1)  -  Empress Ayeola(1)  -  Energy Crew(1)  -  Eric Donaldson(14)  -  Ernest Ranglin(13)  -  Etana(1)[video]  -  Fôô Fanick(0)[video]  -  Fac Alliance(3)[video]  -  Fadal Dey(0)[video]  -  Frankie Paul(7)[informações]  -  Freaky Joe aka Sing'A'Teh(1)[video]  -  Fred Locks(3)  -  Freddie Mc Gregor(41)  -  Ganga Vibes(0)  -  Garnett Silk(8)[informações]  -  Gato Negro(1)  -  General Degree(3)  -  Gladstone_Anderson(3)  -  Glen Washington(16)  -  Gondwana(5)  -  Guya Tchendo(0)  -  Gyptian(5)[video]  -  Half Cast(0)[video]  -  Harry Mo(1)  -  Hass Keita(0)  -  Hass Mosa(2)[video]  -  Hoba Hoba Spirit(0)[informações]  -  Horace Andy(44)[informações][video]  -  Horace Martin(3)  -  Hugh Mundell(8)  -  I Roy(17)[video]  -  I-Three(2)  -  Ijahman(24)  -  Inner Circle(21)[informações]  -  Innocent Galinoma(1)[video]  -  Ismaël Isaac(7)[informações][video]  -  Ismaël Wonder(1)  -  Israel Vibration(33)[informações][video]  -  Jackie Mittoo(29)[informações]  -  Jacob Miller(8)[informações]  -  Jah Cure(5)[informações][video]  -  Jah Lion(1)  -  Jah Lloyd(3)[informações]  -  Jah Mali(2)  -  Jah Mason(11)[informações]  -  Jah Milk(1)  -  Jah Nesta(1)  -  Jah Prince & The Prophets Band(1)  -  Jah Shaka(17)[informações]  -  Jah Stitch(4)[informações]  -  Jah Woosh(2)  -  Jah'Key Malle(0)  -  Jahel(0)  -  Jahwise(3)[video]  -  Jamadom(2)  -  Jede I Tafari(0)[video]  -  Jerry Jheto(1)  -  Jhiko Manyika(3)  -  Jim Kamson(1)  -  Jimmy Cliff(35)[informações]  -  Jimmy Riley(14)  -  Joe Gibbs(7)  -  Joe Higgs(3)[informações]  -  John Chibadura(7)[informações]  -  John Holt(42)  -  Johnny Clarke(8)[informações][video]  -  Joseph Cotton(8)  -  Josey Wales(3)  -  Judy Mowatt(10)[informações]  -  Julian Marley(4)[informações]  -  June Lodge(2)  -  Junior Delgado(23)[informações]  -  Junior Kelly(9)[informações][video]  -  Junior Murvin(3)[informações]  -  Junior Reid(19)[informações]  -  Justin Hinds(7)[informações]  -  Kajeem(2)[video]  -  Kalash(3)  -  Kaliroots(2)  -  Kalory Sory(1)  -  Kana(2)  -  Keith Hudson(11)  -  Ken Boothe(35)  -  Kiddus I(3)[informações]  -  King David(1)  -  King Sounds(7)  -  Kizito(2)[video]  -  Koko Dembele(1)  -  Kom'Zot(4)  -  Kuami Mensah(0)[video]  -  Kulcha Far I(3)  -  Kussondulola(6)[video]  -  Kwame Bediako(3)  -  Ky Mani Marley(1)  -  Kâyamanga(1)  -  Larry Cheick(1)  -  Lee "Scratch" Perry(22)  -  Leroy Brown(1)  -  Leroy Smart(6)  -  Linton Kwesi Johnson(15)[informações][video]  -  Linval Thompson(3)[video]  -  Little John(4)  -  Little Roy(7)[informações]  -  Lord Of Ajasa(1)  -  Luciano(41)  -  Lucky Dube(20)[informações][audio][video]  -  Lutan Fyah(11)  -  Lyricson(3)[video]  -  Macka B(17)[informações]  -  Mad Cobra(7)  -  Madoxx(0)  -  Maiko Zulu(1)  -  Majek Fashek(4)[informações][video]  -  Manleo(1)  -  Marcel Salem(2)[video]  -  Marcia Aitken(1)  -  Marcia Griffiths(18)[informações]  -  Marlaoui(0)  -  Marlon Asher(2)  -  Marloy(1)  -  Maroghini(2)[informações]  -  Mawana Slim(1)  -  Max Romeo(29)[informações]  -  Maxi Priest(13)  -  Mc Duc(1)  -  Merger(1)[video]  -  Message Roots(1)  -  Michael Prophet(21)[informações]  -  Michael Rose(27)[video]  -  Michael Smith(1)  -  Michel Legris(0)[video]  -  Mikey Dread(21)[informações]  -  Mikey General(2)  -  Mikey Ras Starr(1)  -  Mikey Spice(6)  -  Milton Henry(1)  -  Mireille Tikry(0)[video]  -  Misty in Roots(9)[informações]  -  Mo'Kalamity(2)  -  Momo Roots Soumah(1)  -  Morgan Heritage(14)[informações][video]  -  Moses I(1)  -  Muinguilo(2)  -  Mutabaruka(12)[informações]  -  Mystic Man(1)  -  NNeka(6)  -  NZH(0)[video]  -  Naftaly(1)  -  Nasio Fontaine(5)[informações][video]  -  Nasty D(6)  -  Natty Dread Reunion(4)  -  Nazarenes(3)  -  New Breed(1)  -  Nicy(1)  -  Nikko(4)  -  Niominka-bi(6)[informações]  -  Norris Reid(2)  -  Nuttea(10)[informações]  -  Nyala(1)  -  Nzela(2)  -  O'Yaba(5)  -  Olmyta(0)[video]  -  Pablo Gad(1)  -  Pablo Moses(15)[informações][video]  -  Pach Jahwara(0)  -  Papa San(11)[informações]  -  Paps Natty General(0)  -  Patra(2)[video]  -  Patrick Persée(4)[video]  -  Peter Broggs(9)[informações]  -  Peter Tosh(17)[informações][video]  -  Peterside Ottong(2)  -  Philip Toussaint(1)  -  Poglo(4)  -  Prince Alla (Prince Allah)(13)[informações]  -  Prince Far I(19)[informações]  -  Prince Jazzbo(1)[informações]  -  Prince Lincoln Thompson(5)  -  Prince Osito(0)  -  Queen Ifrica(2)[video]  -  Queen Omega(4)  -  Racine des Iles(1)  -  Ramses De Kimon(1)[informações]  -  Ranking Dread(3)[informações]  -  Ranking Joe(2)[informações]  -  Ras Amadeüs Bongo(1)  -  Ras Dumisani(2)[informações]  -  Ras Elia Hassou(0)  -  Ras Ly(0)[video]  -  Ras Natty Baby(6)[video]  -  Ras Naya(0)  -  Ras Noël(5)  -  Ras kimono(2)  -  Rasbawa(4)  -  Rass Kwame(1)  -  Rass Shiloh(5)  -  Richie Spice(7)[informações][video]  -  Rico Rodriguez(4)[informações]  -  Rita Marley(6)[informações]  -  Rocky Dawuni(5)[informações]  -  Rod Taylor(2)  -  Rootz Underground(2)  -  Salim Jah Peter(1)  -  Sally Nyundo(0)[video]  -  Salone Ishmael(2)  -  Salone JR(1)  -  Samx(4)  -  Saël(4)[video]  -  Scientist(13)  -  Sean Paul(7)[informações]  -  Selasee Atiase(1)  -  Serges Kassy(3)[video]  -  Seyni & Yéliba(2)  -  Shasha Marley(1)  -  Sistah Mad'Ness(0)  -  Sister Carol(7)[informações][video]  -  Sizzla(36)[informações][video]  -  Sly & Robbie(24)  -  Soumaïla Diarra(0)[informações]  -  Spraggy(1)  -  Steel Pulse(18)[informações]  -  Stephen Marley(3)[video]  -  Taj Weekes(3)  -  Takana Zion(4)[video]  -  Tangara Speed Ghôda(2)[video]  -  Tanya Stephens(5)[informações][video]  -  Tarrus Riley(3)[video]  -  Tatu Clan(1)[video]  -  Teba Shumba(0)[video]  -  Teezy(1)  -  Terry Linen(3)  -  The Abyssinians(11)[informações][video]  -  The Aggrovators(13)  -  The Black Missionaries(0)[video]  -  The Chantells(1)[informações]  -  The Congos(13)[informações]  -  The Ethiopians(11)[informações]  -  The Gladiators(40)  -  The Heptones(16)[informações][video]  -  The Itals(10)[informações]  -  The Mandators(1)  -  The Meditations(9)[informações]  -  The Melodians(5)  -  The Mighty Diamonds(38)  -  The Mighty Three's(1)  -  The Rastafarians(1)[informações]  -  The Royals(2)  -  The Slickers(2)[informações]  -  The Tamlins(8)  -  The Twinkle Brothers(45)  -  The Viceroys(5)  -  The Wailers(11)  -  Third World(18)  -  Tiken Jah Fakoly(12)[informações][video]  -  Tommy McCook(15)[informações]  -  Tommy T(1)  -  Tony Roots(1)  -  Tony Tuff(20)  -  Toots and the Maytals(27)  -  Trinity(6)  -  Triston Parmer(1)  -  Turbulence(11)  -  U Brown(5)  -  U Roy(22)  -  V Santym(0)  -  VIB(1)  -  Vagabond Squad(0)  -  Valley(2)  -  Vickson(0)[video]  -  Waby Spider(3)  -  Wailing Roots(1)  -  Wailing Souls(18)  -  Wailing Souls(10)[video]  -  Wanamah(0)  -  Warrior King(3)  -  Wayne Wade(3)  -  Welton Irie(6)  -  Willie Williams(4)  -  Winston Jarrett(6)  -  Winston Mc Anuff(6)  -  X-MAN(1)  -  Yabby You(9)[informações]  -  Yami Bolo(13)  -  Yaya Yaovi(1)[video]  -  YeahmanC(2)  -  Yellowman(56)[informações][video]  -  Yongy Lorenzo(0)  -  Youss Nassa(0)[video]  -  Zêdess(3)[video]  -  Zed-I(1)  -  Zhou-Mack(1)  -  Ziggy Marley(17)[informações]  -  Zoanet Comes(4)  -  

Compilações

Afro Reggae Party(1)  -  Dancehall Nice Again(3)  -  Fly African Eagle(1)  -  Planete Reggae(1)  -  Raggae Gold(10)  -  Raggae-Kolor(1)  -  Reggae Africa(1)  -  Reggae Meets Africa(1)  -  Reggae Over Africa(1)  -  Sun Splash(0)  -  

Notícia : Bandas e Artistas de Reggae


O Rappa anunciou nesta quarta-feira, 3 que fazerá uma pausa na carreira "sem previsão de volta". Em comunicado oficial, a banda promete cumprir a agenda de shows até fevereiro de 2018, quando inicia a parada. O motivo da decisão não foi detalhado (leia íntegra do comunicado abaixo). Formada em 1993 no Rio de Janeiro, o Rappa ficou conhecido como uma banda de letras de forte cunho social, em uma mescla de rock, reggae, rap e MPB. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-05-04 00:15:00.0

RIO - Um violão com sotaque latino sem brilho, timbres e macetes genéricos de pop radiofônico, um suingue reggaeton baixos teores, versos de sensualidade pouco inspirada em espanhol na voz de um megastar para dar o sabor internacional — a receita não parece especialmente atraente, mas de alguma maneira, funcionou. Lançada em janeiro, a canção "Despacito", do porto-riquenho Luis Fonsi (com participação de Daddy Yankee) não para de bater recordes.

Em janeiro, tornou-se o vídeo em língua espanhola com mais visualizações (5,4 milhões) da história da Vevo. Agora, em sua versão remix que conta com o reforço de Justin Bieber (o tal megastar), a música chegou à primeira posição do ranking das mais tocadas no Spotify — onde se mantém desde o dia 22 de abril. É a primeira latina com letra em espanhol a atingir o feito — a versão original também não foi mal, alcalçando o 12º lugar do ranking global. No Youtube, o remix foi a maior estreia do ano.

'Despacito'

O serviço de streaming registra outros dados impressionantes a respeito da canção. "Despacito" está no Top 20 de pelo menos 14 países que não falam na língua espanhola, como Estados Unidos, Suécia, Alemanha, Dinamarca e Noruega. Mais de 10 milhões de usuários salvaram a música em suas playlists. A popularidade de Fonsi também cresceu vertiginosamente, de 2 milhões de ouvintes mensais para 22 milhões.

O segredo do sucesso de "Despacito" talvez esteja em sua maior fraqueza — sua superficialidade. A sensualidade dos versos não vai além (em inspiração ou ousadia) do "quero despir você com beijos lentamente". O ritmo do reggaeton aparece esvaziado de sua crueza agressiva (apelo central dessa música de periferia, no que se assemelha ao funk carioca). O violão latino soa como reprodução pálida de outros tantos usados antes por Shakira ou Ricky Martin.

Cinco reggaetons melhores do que 'Despacito'

Ou seja, a canção encosta em vários terrenos, mas não mergulha em nenhum. Assim, atinge a um gosto médio global — turbinado com um tempero de "exotismo". A definição do prórpio Fonsi para "Despacito" revela isso de certa forma: "O que eu queria era fazer uma canção divertida, com um sentimento latino e uma melodia que me sentisse confortável em cantar e que faria as pessoas simplemsnete dançarem".

Soma-se a isso o apelo de Justin Bieber (frequentador rotineiro das paradas de rádios e serviços de streaming) e do próprio reggaeton como gênero. Popularizado nos anos 1980, o ritmo — numa definição grosseira, uma fusão de reggae e hip hop — surgiu no Panamá, se firmou em Porto Rico e, a partir dos anos 1990 se espalhou pelas paradas de sucesso mundiais, com letras muitas vezes de forte teor sexual e abordando temas como drogas e crime — o uso do "espanglês" também é comum . Daddy Yankee, que canta com Fonsi e Bieber em "Despacito", é um dos maiores nomes do gênero.

No Brasil, o reggaeton está nas rádios no trabalho de artistas como Anitta (o colombiano Maluma, que faz dueto com a cantora em "Sim ou não", é outro de seus representantes mais populares), Nego do Borel e Wesley Safadão (que juntos com Anitta fazem um reggaeton-forró em "Você partiu meu coração") e mesmo Luan Santana ("Acordando o prédio").

'Você partiu meu coração', com Nego do Borel, Wesley Safadão e Anitta

Source : Globo Online | 2017-04-28 16:45:45.0

Em comemoração aos 38 anos do bloco Afro Olodum, nesta terça-feira, 25, o governo do estado da Bahia, por meio da Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), firmou um termo de compromisso que beneficiará o ícone do samba reggae com um centro de documentação digital. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-04-26 03:22:00.0

RIO — O prólogo de “Caetano — Uma biografia — A vida de Caetano Veloso, o mais doce bárbaro dos trópicos” (Seoman), de Carlos Eduardo Drummond e Marcio Nolasco, traz a cena de Caetano Veloso cantando “Burn it blue” na cerimônia de entrega do Oscar, em 2003. Nas páginas seguintes, desfolha-se a árvore genealógica santamarense do artista, a vida de seus avós e pais, até seu nascimento, a descoberta das letras (decorando versos de Castro Alves e Arthur de Salles), da música (as melodias cantadas pela mãe Canô, o rádio em casa, as sociedades filarmônicas da cidade), do amor (aos 8 anos, a primeira namorada, a menina Dó). O livro — cujo lançamento será no dia 3 de maio na Travessa do Leblon — desenrola-se entre as duas pontas, traçando o caminho que levou o compositor de Santo Amaro a Hollywood, desde sua formação, passando por suas escolhas estéticas (a aproximação com o samba-reggae em “Livro”, o experimentalismo de “Araçá azul”), pelas polêmicas em que se envolveu (com a crítica, com o público, com Fagner, com Décio Pignatari), por questões de sua vida pessoal (as paixões, o casamento aberto com Dedé, o início do romance com a adolescente Paula Lavigne, a perda de uma filha recém-nascida).

O abrangente apanhado, mais descritivo do que analítico, não traz teses ambiciosas sobre Caetano. Seu mérito é reunir histórias conhecidas do artista — contadas por ele mesmo em seu livro “Verdade tropical”, de 1997, ou em depoimentos ao longo das últimas décadas — e detalhes inéditos, colhidos em mais de cem entrevistas feitas pelos autores desde 1997, quando decidiram escrever o livro. Entre os entrevistados, estão familiares como Dona Canô e Maria Bethânia, artistas como Gal Costa e Chico Buarque, amigos de infância e músicos, além do personagem central.

Drummond, que até então tinha publicado apenas um livro de poesias, explica por que ele e Marcio Nolasco escolheram o baiano para biografar. — O primeiro personagem em que pensamos foi Roberto Carlos, mas logo percebemos as dificuldades de trabalhar com ele, algo que pudemos confirmar anos depois acompanhando os problemas que Paulo Cesar de Araújo teve (sua biografia do Rei foi proibida e recolhida das livrarias). Então decidimos por Caetano, sabendo desde o início que não podíamos ficar no meio- termo: ou faríamos direito, ou nem começaríamos. Fizemos um levantamento monstruoso de periódicos e livros, fomos diversas vezes a Santo Amaro e a Salvador, visitamos todas as escolas em que ele estudou, localizamos personagens que ninguém procurou desde os anos 1960, como Johnny Dandurand, o hippie que invadiu o palco enquanto Caetano cantava “É proibido proibir”. .

O escritório de Caetano, comandado por sua mulher e empresária, Paula Lavigne, preferiu não se envolver com o projeto — que sai com status de “biografia não autorizada”. O autor conta que, por isso, a Objetiva, editora que originalmente publicaria o livro, em 2004, se retirou, temendo problemas. “Caetano — Uma biografia” ficou engavetado até 2015, quando foi retomado, desta vez pela editora Seoman. A versão que enfim sai agora foi totalmente revisada e ganhou um posfácio, que cobre em poucas páginas a última década, o que inclui a trilogia com a Banda Cê e a participação de Caetano na formação da Associação Procure Saber, que, entre suas causas, defendia a obrigatoriedade de autorização prévia para a publicação de biografias — causa perdida, aliás.

— A decisão do STF, em 2015, que derrubou a necessidade de autorização prévia para biografias, permitiu que o livro fosse publicado agora — conta Drummond. — Mas é importante ressaltar que “não autorizada” não é sinônimo de “desautorizada”. Caetano e Paula Lavigne autorizaram o uso de fotos, como a da capa (o livro transcreve um parecer de Caetano, dizendo que o que viu do material levantado pelos autores animou-o a “encorajar a continuação da pesquisa”).

Drummond vê o livro que escreveu com Nolasco (que tem como última frase a evocação: “Vida longa e próspera a Caetano Veloso!”) como complementar a “Verdade tropical”:

— “Verdade tropical” é o olhar dele, suas impressões, naquele tom ensaístico e memorialista próprio dele. Nós pusemos essa perspectiva em diálogo com outras.

“Caetano — Uma biografia”

Onde: Livraria da Travessa do Leblon — Av. Afrânio de Melo Franco, 290 (3138-9600). Quando: Lançamento dia 3/5, às 19h. Quanto: R$ 59,90.

Trechos

“Vai atirar em Caetano, pensou”

“No meio do tumulto, aproveitou o momento em que recitaria o poema de Fernando Pessoa e iniciou um esporro monumental: ‘Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder?!...’ Assustada, a plateia se virou para ver e deu início à selvageria. Tomate, latas, ovos, pedaços de pau, eram atirados ao palco, enquanto Caetano, aos gritos, continuava o sermão. ‘... Que juventude é essa? Vocês jamais conterão ninguém...’ Na plateia, Dedé assistia a tudo horrorizada, ao lado do bailarino Lennie Dale. No calor da confusão, viu um homem armado seguir em direção ao palco. “Vai atirar em Caetano”, pensou. Não fossem seus gritos, talvez a segurança não tivesse despertado para o que ocorria. O indivíduo foi arrastado para fora por seguranças e ainda levou uns catiripapos no pé da orelha.”

______

“Nos ensaios, Caetano conversava com Nara Leão, quando Fagner se aproximou. Sempre muito simpática, Nara trocou algumas palavras com o cearense. Já Caetano fingiu que nem era com ele. Ficou de costas para o jovem talento que começava a despontar. Fagner ficou sem entender. No fundo, tinha fascínio pelo baiano, queria ser como ele. Até chegar ali os dois já haviam se trombado algumas vezes pelo caminho. O ranço de um episódio anterior dera sua parcela de contribuição. Durante um encontro, pediram uma canja a Caetano, mas o cansaço não permitiu a reverência. Fagner, por sua vez, chegava motivado, cheio de gás. Nem tinha gravado disco ainda, mas trazia no bolso um repertório inteiro de boas canções. Não se fez de rogado e assumiu o posto. Saiu de lá aclamado pelos presentes. Rivalidade, vaidade, oportunismo, falta de química, muitos sentimentos se misturaram na ocasião. (...). Com o sucesso de seu primeiro LP, ‘Manera fru fru manera’, Fagner se tornou o xodó da gravadora e o paparico das grandes estrelas. Por outro lado, ‘Araçá azul’, de Caetano, continuava recordista em devoluções. O clima de ciumeira aumentou e o bolo desandou de vez.”

Source : Globo Online | 2017-04-21 09:30:27.0

RIO — Quase 14 anos após sua morte, em 2003, Itamar Assumpção segue cada vez mais necessário para desconcertar a fisionomia da música popular brasileira. A importância do autor de “Nego Dito” e a demanda por relançamentos, shows e tributos mantiveram sua banda, Isca de Polícia, positiva e operante. Este “Isca — Volume I” chega após longa gestação, fruto do necessário cuidado para honrar o finado band leader em um repertório relevante.

A batuta do baixista e produtor Paulo Lepetit mantém a alma sonora dos discos de Itamar, sem trair o chefão em antiexperimentos ou reinvenções. Vanguarda paulista como processo não rola aqui, até porque o som — que hoje, ironicamente, já pode reivindicar o status de vintage — permanece contemporâneo sem fazer força.

No círculo expandido de parceiros, cabem tanto um Tom Zé na linha reggae “desossado” (“Itamargou”) quanto um Zeca Baleiro de surpreendente encaixe, “É o que temos, é o melhor”. “Você não sabe como é que vai (...) Pensa, pensa, pensa e nada faz/ Nem samba-jazz nem afrobeat ou rock’n’roll”, alfineta a letra da faixa, que conta com a participação do próprio Baleiro.

Isca de Policia

A propósito, a canção inicial do disco, “Arisca”, um Péricles Cavalcanti de boa cepa, captura de cara o samba torto que tantos artistas mais novos perseguem sem conseguir sequer cercar. Arnaldo Antunes aparece bem como parceiro de Lepetit em duas músicas (“Dentro fora” e “Xis”) e ajuda os guitarristas Jean Trad, único remanescente do primeiro disco de Itamar, e Luiz Chagas a soltar seus demônios.

O rock é referência periférica na ótima “Atração pelo Diabo”, que termina lembrando um clássico dos Stones. A letra de Carlos Rennó sairia com naturalidade da garganta de Itamar, e esse parece ter sido o norte da seleção das composições. Humildemente, é claro, pois, como lembra “As chuteiras do Itamar” (parceria de Lepetit e Vange Milliet com o pernambucano Ortinho), “o que eu queria era ter feito uma canção que amarrasse as chuteiras do Itamar”.

Cotação: bom

Source : Globo Online | 2017-04-18 09:30:00.0

RIO — Nas paredes do estúdio Toca da Onça, localizado na casa de Evandro Mesquita, em um condomínio na Barra da Tijuca, fotos, discos e demais lembranças de uma época áurea da Blitz, banda que o cantor e compositor criou em 1982, ao lado de Lobão, Fernanda Abreu, Ricardo Barreto, Billy Forghieri, Marcia Bulcão e Antonio Pedro Fortuna, e que marcou época como uma das precursoras do BRock.

Entre tantos instrumentos e recordações — como os brilhantes certificados do sucesso de vendas do compacto “Você não soube me amar” e do LP “As aventuras da Blitz 1”, ambos lançados em 1982 —, Mesquita e o tecladista Forghieiri, únicos remanescentes da formação original, ensaiam para o show de gravação do próximo DVD da Blitz, marcado para este sábado, no Circo Voador — casa fundamental para o sucesso da banda, há 35 anos, quando ainda ficava no Arpoador. Em volta deles, o baterista Juba, o guitarrista Rogério Meanda, a baixista Cláudia Niemeyer e as backing vocals Andréa Coutinho e Nicole Cyrne, que completam a “formação estável” que a banda tem desde que decidiu voltar em definitivo, em 2009.

Juntos, na Toca, eles gravaram e lançaram, em novembro passado, “Aventuras 2”, o primeiro álbum de inéditas do grupo em seis anos. Blitz, álbum

— Foi um disco feito com muito prazer, na estrada. Levou dois anos e meio porque a gente vinha um ou dois dias por semana aqui no estúdio, botava uma guitarra, ia colorindo ele aos poucos... Começamos a ver que tinha o prazer do primeiro disco, umas coincidências bacanas. Ele tem a alma da Blitz, de falar as coisas sérias, mas com bom humor, sem ser muito panfletário ou didático — afirma Mesquita, hoje com 65 anos. — Acho que somos melhores em tudo, hoje. Tanto como seres humanos quanto como músicos. Então, o disco traz essa pegada além do primeiro. É um Instagram sonoro.

E, para fazer tal “Instagram sonoro”, que mistura rock, pop, funk, reggae, samba e blues, o grupo não poupou na diversidade dos convidados. Estão lá Paralamas do Sucesso, Frejat, Arnaldo Brandão, George Israel, Dadi, Seu Jorge, Sandra de Sá, Zeca Pagodinho, Alice Caymmi, Andreas Kisser, Pretinho da Serrinha e MC Cert, integrante do grupo de rap carioca Cone Crew Diretoria e filho de um amigo de longa data de Mesquita, que descreve os convites como “encontros de aeroportos”:

— O Paralamas foi na ponte aérea, inclusive — diz Evandro. — Já com o Andreas (Kisser, guitarrista do Sepultura), a gente tinha tocado com ele no show que abriu o último Rock in Rio, e ele nos salvou porque o amplificador da guitarra do Rogério tinha falhado. O disco é também uma celebração por termos conseguido tantos convidados bacanas.

PALCO SUNSET

Por falar em Rock in Rio, a Blitz está confirmada como atração do Palco Sunset na próxima edição do festival, em show que contará com participações de Alice Caymmi e Davi Moraes, no dia 16 de setembro. Evandro Mesquita ainda tocará com a banda The Fabulous Tab, formada por amigos dele, no espaço batizado de Rock District, no dia 22, e já avisou que faz questão de assistir ao show do The Who, marcado para o dia seguinte. Esse tesão por ver os ídolos ao vivo pela primeira vez é citado como exemplo quando o artista, que está fechando sua renovação com a TV Globo para entrar no elenco do humorístico “Zorra”, comenta a renovação do público da Blitz.

— A gente tem um pouco disso, de ser cult, de ter acrescentado muito em uma época importante da música brasileira. E os jovens que curtem essas coisas querem nos ver ao vivo. Tem uma garotada que redescobriu a banda. Isso mantém o show vivo e não fica só aquela coisa saudosista — diz Mesquita, que revela ainda “apanhar um pouco” das mudanças que o digital trouxe à indústria. — É uma boa batalha, porque saber usar o digital é fundamental hoje em dia. Por isso, ainda não tenho expectativa (quanto aos números de “Aventuras 2”). Claro, a gente quer fazer sucesso, vender muito, fazer muitos shows, mas sabemos que o mercado caiu muito. O disco é uma boa desculpa para continuar na estrada.

Source : Globo Online | 2017-04-15 09:30:00.0

NITERÓI - O próximo domingo promete ser um dia especial para quem gosta de música e procura por badalação em Niterói. O Festival 3R — Rock, Reggae & Rap reúne shows de O Rappa, Onze:20, Rael, Filipe Ret, Oriente e Sinara numa maratona de dez horas de música que começa a partir das 14h, no Teatro Popular Oscar Niemeyer, no Centro.

Acostumados a arrastar uma multidão, os cariocas do Rappa trazem pela primeira vez a Niterói o show da turnê “O Rappa no Brennand”. O repertório eletroacústico é o mesmo do CD e DVD “O Rappa — Acústico Oficina Francisco Brennand”, gravado pelo grupo no ano passado na galeria de arte a céu aberto que o ceramista pernambucano mantém no Recife: tem clássicos da banda e quatro músicas inéditas. No show de domingo serão usados instrumentos diferentes dos que os músicos estão habituados a tocar, como uma guitarra de 12 cordas, clavinete, piano elétrico, escaleta e os steel drums (tambores de aço). Nas palavras do vocalista Falcão, “é um acústico diferente, pra cima”.

— Uma coisa mais crua, mas sem perder a identidade do nosso som — corrobora o guitarrista Xandão.

SENSAÇÕES DA INTERNET

Outro grande nome do festival é Rael, MC versátil que sabe cantar, rimar e transita muito bem entre os estilos propostos pelo festival, com melodias que vão do rap ao samba, passando pelo reggae, rock, MPB e o R&B. Ele vem para Niterói com repertório fresquinho: apresentará show da sua nova turnê do CD “Coisas do meu imaginário”, lançado no mês passado.

Representando os talentosos músicos da cidade, os niteroienses do Oriente levarão seus hits da internet para o palco do festival. Com mais de 200 milhões de visualizações em seus vídeos no YouTube, os MCs Chino, Nissin, Bruno Silva e Geninho Beatbox não se apresentam na cidade desde o ano passado e prometem um show arrebatador para matar a saudade de casa.

Outro nome que é sensação na internet e também participará do festival é Filipe Ret. Dentro do universo do rap nacional, o carioca é quem mais transita pelo pop, já se apresentou ao lado de Anitta e fez um dueto com Ludmilla. O show que traz para a cidade é baseado em seu último CD “Revel”, que tem hits como “Neurótico de guerra”, cujo clipe tem mais de 31 milhões de visualizações, e “Invicto”, com 24 milhões. O Festival 3R — Rock, Reggae & Rap terá ainda shows da banda mineira Onze:20, que faz um som intitulado por eles de “roots rock reggae”; e da carioca Sinara, formada por cinco músicos, entre eles um filho e dois netos de Gilberto Gil.

Source : Globo Online | 2017-04-07 22:41:36.0

RIO — O grupo Cidade Negra se apresentará no Palco Sunset no dia 23 de setembro, como informou a organização do Rock in Rio nesta quinta-feira. A banda fará uma homenagem a Gilberto Gil, junto com as batidas eletrônicas do coletivo de música Digital Dubs e os seis sopros do Maestro Spok.

O show reunirá do eletrônico ao reggae, bem como o ritmo nordestino, essência do Maestro Spok. No mesmo dia também subirão ao palco Sunset Ceelo Green, Bomba Estéreo com Karol Conka e Quabales, ao lado de Margareth Menezes.

Cidade Negra já foi atração do Rock in Rio em outras edições. Em 2015, o grupo fez parte do Palco Mundo e, em 2011, do Palco Sunset, com Martinho da Vila e Emicida.

Source : Globo Online | 2017-04-06 19:45:05.0

RIO - Novos sons ecoam pelas ruas de Jacarepaguá e da Barra. Jovens artistas da região estão se lançando no mercado fonográfico e, entre vídeos com milhares de visualizações, shows com apelo relevante de público, composições lançadas em plataformas digitais e até assinaturas de contratos com gravadoras, o sucesso começa a ser medido. Enquanto a internet proporciona ferramentas diversas que permitem visibilidade através de filmagens caseiras e até gravações de álbuns sem auxílio profissional, destacam-se aqueles que aliam talento à criatividade e perseverança.

Se a tecnologia traz facilidades, ainda há muitos obstáculos a serem driblados. Um dos principais déficits de Jacarepaguá é a escassez de espaços culturais e palcos para apresentação de novas bandas. A ausência de um centro impulsionador dificulta a consolidação de uma cena consistente, ainda que a criação de conjuntos musicais seja frequente, mas muitas vezes efêmera. Há, porém, iniciativas recentes, como o Festival Movimente-se, que reúne jovens artistas da região, além do fortalecimento do circuito noturno, especialmente na Freguesia, com muitos bares que promovem shows.

Outra característica é a diversidade de gêneros musicais. A aposta no pop, com influências do R&B, funk e até do gospel, levou a dupla UM44K a uma ascensão meteórica. Em pouco mais de um ano, eles angariaram milhares de inscrições no canal do YouTube, escreveram músicas para artistas como Ludmilla e Nego do Borel, e no início de 2017 assinaram com a Warner Music. Já o Bastardo Roots surgiu da intenção de fortalecer o cenário de reggae-rock no Rio, depois de uma temporada de inspirações no Sul. Influenciados pelo som do Charlie Brown Jr, Sublime e Red Hot Chili Peppers, eles estão prestes a lançar dois EPs. Com apenas 19 anos, João Pedro Mello se aproveitou da sua formação em piano clássico e do autodidatismo musical para gravar totalmente sozinho o recém-lançado álbum “Formas”, com composições autorais e estilo próprio, mas que não esconde referências que passam por Caetano Veloso, Los Hermanos, Cícero e Rubel.

A relação de Mello, o nome que ele adotou artisticamente, com a música começou aos 5 anos, quando sua avó passou a lhe ensinar piano. Até os 15 anos, ele continuou com as aulas, especialmente no Conservatório de Música Villa-Lobos, e participou até de concursos, conquistando um quarto lugar na edição nacional. Formado em piano clássico, Mello ainda aprendeu violão, guitarra e baixo e passou a formar bandas com amigos de Jacarepaguá. A brincadeira começou a ficar mais séria quando ele conheceu o aplicativo GarageBand, que permitia a gravação de faixas diferentes e uni-las numa música.

— Quando descobri essas ferramentas, comecei a montar um miniestúdio em casa. No início eu gravava com minha antiga banda, a 404, no celular, com esse aplicativo. Foi ficando legal, as pessoas gostavam e eu quis tornar o negócio mais sério, mas não tinha dinheiro para gravar em estúdio. Gravar um álbum hoje não sai por menos de R$ 60 mil — explica Mello, que já em “carreira solo” começou a estudar sobre produção musical e comprou alguns equipamentos para refinar as gravações caseiras. — Fiquei entre 2014 e 2016 gravando o “Formas” (lançado em janeiro passado). Fiz tudo sozinho, composição, gravação e produção.

Para Mello, de 19 anos, o álbum lançado, que pode ser ouvido no Spotify e no iTunes, foi o primeiro objetivo conquistado. Ele também gravou um clipe, com sua câmera e a ajuda de amigos atores, e até pintou quadros que representavam algumas das músicas para usar na foto da capa do CD. Uma característica do trabalho de Mello é falar sobre Jacarepaguá em suas músicas, com referências a episódios pessoais ou processos urbanos, como o crescimento da Freguesia.

Os próximos passos são animadores, graças a um encontro fortuito. Há dois meses, o produtor Rafael Almeida estava procurando uma casa amarela para a gravação do clipe da música “Casa amarela”, da dupla sertaneja Guilherme e Santiago. O local das gravações acabou sendo a casa da avó de Mello. E então os dois se conheceram.

— Ele me chamou para gravar no estúdio dele. Já consegui muitos contatos, e está tudo certo para a produção do meu próximo EP. Por enquanto tenho quatro novas músicas compostas — explica Mello, que voltou ao conservatório agora para cursar Formação Musical.

O UM44K surgiu em 2015, quando um grande amigo de Luan Otten se casou com a irmã de Saulo Poncio. No primeiro encontro dos dois, que têm 21 anos, a música sobressaiu.

— No dia em que nos conhecemos, já escrevemos uma música — lembra Poncio, que é da Barra, enquanto Otten mora na Taquara.

Pouca oferta de palcos é um desafio

A carreira começou de forma até despretensiosa. Na ansiedade de mostrar algumas músicas compostas, a dupla resolveu criar um canal no YouTube, e o retorno foi arrebatador. O UM44K hoje conta com 339 mil inscritos e seus vídeos normalmente recebem mais de um milhão de visualizações.

— Na internet, as coisas podem acontecer de forma muito rápida. Tudo começou quando divulgamos a nossa música “Não dá mais” no canal da irmã do Saulo. Como fez muito sucesso, nós criamos o nosso — explica Otten.

Criado na Igreja Pentecostal Anabatista, Poncio tocou vários instrumentos desde pequeno, como piano, guitarra e violão. Já Otten diz que a música sempre fez parte da sua vida, mas ele só foi estudar mesmo aos 17 anos. No UM44K, os dois cantam e compõem, e Poncio ainda toca guitarra.

Depois de escreverem diversas músicas para artistas como Ludmilla, Nego do Borel, MC Gui e Biel, eles resolveram apostar na própria turnê e estão preparando um EP. O hit do momento é “Isso é ridículo”, que tem mais de 20 milhões de visualizações no YouTube. Hoje, às 17h, eles se apresentam no terraço do Grand Mercure.

— Para nós, tudo é uma novidade. Começamos logo a viajar para fazer shows — diz Poncio, que cita o gospel, o R&B e o pop como principais influências.

A semente do Bastardo Roots foi plantada no carnaval de 2013, na Praia da Ferrugem, em Santa Catarina. Inspirados pela forte presença de bandas de reggae-rock naquela região, os amigos Emanuel Lima, mais conhecido como Jupira, e Renan Guimarães, ou Renan GTM, resolveram fazer algo parecido no Rio.

— Acho que falta um som assim no Rio. Aqui é mais samba, funk, pagode — afirma Jupira, que cita elementos da Califórnia como influência. — Pegamos a parte agitada do rock e a pegada mais praiana do reggae, e assim fazemos um som mais animado, que é a cara da cidade. Ainda misturamos com um pouco de rap.

A dupla se vira como pode. Ambos compõem, produzem e gravam, principalmente no estúdio que Jupira tem na Tijuca. O Facebook e o Instagram são as principais formas de divulgação, e em breve eles vão lançar dois EPs, um semana que vem e outro daqui a dois meses.

— Estamos em todas as plataformas, YouTube, Spotify, Sound Cloud, Deezer iTunes. Fazemos tudo, tem que correr atrás. Estou até aprendendo a editar vídeo agora — diz Jupira, que toca guitarra e canta.

Guimarães, que estudou na Escola de Música Villa-Lobos e toca desde os 9 anos, diz que a intenção do Bastardo Roots sempre foi fazer algo diferente. Como inspirações, ele cita Charlie Brown Jr, Sublime, Red Hot Chili Peppers, CPM 22, Tijuana, For Fun, Natiruts e Ultraman.

— Temos um estilo mais suingado e letras diferenciadas. Gostamos de falar sobre o cotidiano, a realidade do Brasil, do Rio. Queremos sempre inovar, com uma batida bacana — explica Guimarães, que toca percussão e canta.

Morador da Taquara, ele diz que já teve várias bandas no bairro, e lembra quando tocava em festas na região. Hoje, o jeito é ir para a Barra e a Zona Sul se apresentar. Mello, por sua vez, lembra que a Lona Cultural do Pechincha é, basicamente, o único equipamento cultural da região.

— Aqui sempre teve muitas bandas. A lona não chega a ser um polo impulsionador, pois o público fica muito fechado entre pessoas do mesmo círculo social. Mas ainda é algo positivo que temos aqui, ajuda bastante — diz Mello.

O jovem João Magalhães é um dos que lutam pela realização de mais eventos culturais em Jacarepaguá. Criador do Festival Movimente-se, que reúne bandas locais — o próprio Mello já se apresentou lá —, ele cita os novos bares como potenciais palcos para talentos emergentes.

— É difícil fazer cultura em Jacarepaguá. Ao menos surgiu um circuito noturno, principalmente na Freguesia, e hoje conseguimos ouvir sons novos nos bares das ruas — diz Magalhães.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Source : Globo Online | 2017-03-27 09:30:00.0

RIO — Depois de lançar, no ano passado, o EP "O clássico é rock", com versões de Pitty, Titãs, Ira! e Scalene e Far From Alaska, e de sair em uma turnê bem sucedida do "Ventura sinfônico", em que toca Los Hermanos, a Orquestra Petrobras Sinfônica dá sequência, em 2017, ao seu segmento "Mundo pop". Nesta linha, o primeiro lançamento será o EP "O clássico é samba", nesta sexta-feira, com releituras de Arlindo Cruz, Sorriso Maroto, Teresa Cristina e Revelação.

O primeiro single é "Meu lugar", sucesso de Arlindo, que ganha uma interpretação centrada em instrumentos de corda (violino, viola, contrabaixo e violoncelo), sopro (flauta e trompa), além, claro, de percussão e pandeiro. A versão deu origem a um registro em vídeo que O GLOBO antecipa nesta quinta, véspera do lançamento do EP. Veja (e ouça) abaixo: Orquestra Petrobras Sinfônica - Meu Lugar (Arlindo Cruz)

A ideia de homenagear Arlindo Cruz veio, obviamente, muito antes do problema de saúde do músico. O sambista, de 58 anos, está internado desde a última sexta-feira, no Rio, quando passou mal em sua casa e foi socorrido pela ambulância dos bombeiros. Através de exame de tomografia computadorizada cerebral, a equipe médica diagnosticou um AVC hemorrágico (saiba mais).

Além de "Meu lugar", "O clássico é samba" terá ainda “Futuro prometido” (Sorriso Maroto), “Grades do coração” (Revelação) e “Coração leviano” (versão de Teresa Cristina para a canção de Paulinho da Viola). O EP conta com arranjos de Rafael Smith e produção de Rafael Ramos. Em junho, será a vez da OPES fazer uma homenagem ao reggae nacional, com interpretações de sucessos de Natiruts, Cidade Negra, Maskavo, além de uma música da cantora Roberta Campos, que participou da turnê "Ventura sinfônico".

— A nossa ideia é que a Orquestra seja dividida em três mundos: urbano, clássico, que já estão consolidados e, agora, o pop. Acredito que já em 2017 o pop tenha o mesmo tamanho dos outros dois — disse Mateus Simões, diretor executivo da OPES, em entrevista recente ao GLOBO.

Na programação para 2017 do "Mundo pop", está previsto ainda um espetáculo que homenageia o Balão Mágico (em outubro, mês das crianças) e uma nova turnê, em dezembro, que vai suceder o "Ventura": o show “Thriller sinfônico”, relendo o álbum de Michael Jackson que completa 35 anos em novembro.

Source : Globo Online | 2017-03-23 16:36:26.0

Links Rock in RioRIO — Quando a Rock Street nasceu na edição do Rock in Rio de 2011, a primeira homenageada foi a cidade de Nova Orleans, nos Estados Unidos, berço de ritmos como o jazz e o blues. Nas edições seguintes, em 2013 e 2015, o rock da Grã Bretanha e Irlanda e a pluralidade do Brasil tomaram conta da rua do festival, respectivamente. Este ano, como o evento será sediado na Cidade Olímpica, um espaço maior do que nas edições anteriores, o grande homenageado será o continente africano, que será contemplado em sua magnitude com as tradicionais casas, que desta vez representarão 20 países da África, como Egito, Zimbábue e Camarões.

— Nossa ideia foi homenagear a África moderna, porque a música africana está na base da cultura contemporânea. Queremos contar isso paras as novas gerações. Muitas pessoas não sabem que os ritmos que nasceram na África inspiraram outros, como o rap, jazz, reggae e rock. Então, faz sentido trazer essa história para o Rock in Rio — afirmou Roberta Medina, vice-presidente do festival.

Durante todos os sete dias de evento, a Rock Street terá uma série de atrações, como a apresentação de dança da Escola Carioca de Danças Negras, grupos de percurssão, como o Les Tambours de Brazza, do Congo, e shows com artistas nativos, como a da cantora Mamani Keïta, nascida no Mali, e a banda Ba Cissoko, da Guiné. Confira o line-up do Rock in Rio 2017

A curadoria artística do espaço será de Toy Lima, em parceria com a diretora artística Marisa Menezes, que está à frente de toda a programação da rua.

— A África é a mãe de todos os ritmos. Queremos destacar como a música africana foi incrementada pelo "novo mundo". A Diáspora Africana tem um papel muito importante na música contemporânea. Então, nada mais feliz do que um festival como o Rock in Rio ter nessa edição de 2017 uma rua dedicada exclusivamente aos artistas do continente africano — disse Toy Lima.

O coreógrafo Fábio Batista, responsável pela parte artística da Escola Carioca de Danças Negras, localizada na comunidade do Andaraí, falou sobre a escolha do grupo, que tem apenas um ano, para se apresentar na Rock Street.

— Fomos convidados pelo Marmita, que fez a Rock Street inspirada no Brasil do ano passado. Nossa escola, além de ensinar danças clássicas como ballet, também é focada em danças de matrizes africanas. Para as coreografias que iremos apresentar este ano, nos inspiramos no grupo Ghetto Kids, de Uganda — afirmou Batista.

Atrações confirmadas na Rock Street:

- Ba Cissoko (Guiné)

- Mamani Keïta (Mali)

- Fredy Massamba (República do Congo)

- Alfred et Bernard (Burundi)

- Tyour Gnaoua (Marrocos)

- Les Tambours de Brazza (República do Congo)

- Escola Carioca de Danças Negras (Brasil)

Source : Globo Online | 2017-03-14 21:40:18.0
Entre os oito nomes agora anunciados estão também o multi-instrumentista camaronês Richard Bona e a grande figura do reggae marfinense, Tiken Jah Fakoly.
Source : publico.pt | 2017-03-07 14:09:45.0

RIO — Está aberta a temporada dos lançamentos de álbuns sobre casais desfeitos. Depois de “Prisioner”, de Ryan Adams, chegou a vez de “Dirty Projectors”, da banda de mesmo nome, uma das mais inventivas e sofisticadas a surgir no painel da música alternativa na última década. Aliás, a esta altura, chamar o Dirty Projectors de banda nem seria o correto: seu novo disco é, na verdade, um projeto solo do cantor, compositor e multi-instrumentista David Longstreth sobre o fim de sua relação com a cantora e guitarrista Amber Coffman, que deixou o grupo (e Longstreth) em 2013.

Bem menos enigmático do que de costume, o músico abre o coração em um ciclo de nove canções que cumprem seu papel confessional sem interromper a admirável trajetória de renovação musical que passa por álbuns como “Bitte Orca” (2009) e “Swing Lo Magellan” (2012).

Desta vez com a ajuda do produtor de música eletrônica Tyondai Braxton e do percussionista brasileiro Mauro Refosco (que toca com os Red Hot Chili Peppers), David Longstreth leva a um novo patamar o seu diálogo entre o indie rock de orientação mais experimental e o r&b. Com estrutura clássica de balada de piano, “I keep your name” abre “Dirty Projectors” com tom de grande tristeza e, também, de incômoda estranheza nos efeitos que desfiguram a voz que canta “você me abandonou, você era minha alma e minha companheira”. Não há guitarras na canção — do velho DP, apenas um sample saudoso (e sofrido) dos vocais femininos de “Impregnable question”, uma das faixas de “Swing Lo Megellan”.

Segunda canção do álbum, “Death spiral” aproxima os Dirty Projectors do hip-hop, com suas batidas, seu violão e piano esparsos e com o registro vocal soul de Longstreth. Ela desemboca em “Up in the Hudson”, talvez a grande faixa do disco, que abre com uma harmonia vocal de doo-wop robótico e navega por um sample de “The first time ever I saw your face”, de Roberta Flack, para contar a história dos tempos felizes dos dois cantores e amantes na estrada com os Dirty Projectors. Na segunda metade da faixa, percussão e microfonia de guitarra compõem uma das mais curiosas passagens instrumentais da história da banda.

O diário do casal avança pela rítmica e cuidadosamente orquestrada “Work together” (“você me fez sentir que talvez o amor / talvez o amor seja competição”), pela falsa balada soul dos anos 1970 “Little bubble” (“nós tivemos a nossa própria pequena bolha por um tempo”) e no r&b zoado de “Winner take nothing”, que explicita na letra a referência a “808s & heartbreak”, álbum de fim de caso do rapper Kanye West, clara influência de “Dirty Projectors”. Em “Ascent through clouds”, o clima muda, com piano e violão em clima folk/prog e várias intervenções eletrônicas.

Penúltima faixa, “Cool your heart” é algo que se poderia dizer que é um reggae, não fosse tão torto. É a faixa quase alegre do disco, com participação da vocalista Dawn Richard, do projeto D?WN. E o encerramento se dá com “I see you”, a música da redenção do ex-casal, com um órgão de inspiração religiosa, à la “Whiter shade of pale”, e a mensagem de letra: “Sim, eu acredito que o amor que fizemos é a arte”. Sim, com um punhado de memoráveis canções e um inspirado resumo da grande babel sônica de 2017, “Dirty Projectors” extrai arte do que seria apenas um registro pessoal.

Source : Globo Online | 2017-02-28 12:11:24.0

RIO - Um desfile parelho e marcado pela qualidades dos sambas-enredo abriu o carnaval 2017 do Grupo Especial. Em uma noite chuvosa de domingo - que também será lembrada pelo gravíssimo acidente com um carro alegórico do Paraíso do Tuiuti, que abria o desfile -, nomes de peso da folia carioca fincaram suas bandeiras na busca pelo título, sem que tenha havido um destaque nítido para ninguém. links_carnaval_domingo

O Tuiuti, em sua segunda passagem pelo Especial em 62 anos de história, vinha com a dura missão de se manter na elite. Ao longo do ano, a amarelo-e-azul de São Cristóvão até fez o dever de casa, contratando nomes como o puxador Wantuir (ex-Portela, Unidos da Tijuca, Porto da Pedra e outras) e o casal de mestre-sala e porta-bandeira Marquinhos e Giovanna, também donos de extenso currículo. Mas isso não seria suficiente, e a escola sabia disso: em anos recentes, agremiações como Renascer de Jacarepaguá, Inocentes de Belford Roxo, Império da Tijuca e Estácio de Sá bateram no Especial e voltaram, e esse deve também ser o destino do Tuiuti. Falando de Tropicália no enredo "Carnavaleidoscópio Tropifágico", do carnavalesco Jack Vasconcelos, a escola apareceu grande e colorida, passando pelas figuras típicas do movimento, como Caetano Veloso, Rita Lee e Carmen Miranda. Sem qualquer dos personagens presentes em carne e osso - curiosamente, Caetano foi enredo da escola em 2011, pelo então Grupo B, e apareceu para desfilar para um Sambódromo às moscas, na manhã da quarta-feira de cinzas, no desfile que deu o título ao Tuiuti -, a abordagem careceu de profundidade, apenas arranhando a superfície de um movimento complexo e interessante como o Tropicalismo.

O pior, de longe, foi o fim, quando o último carro, que representava Carmen Miranda, fugiu do controle e bateu dos dois lados da passarela, em frente ao Setor 1, ferindo 20 pessoas, duas delas em estado grave. A enorme alegoria, cuja movimentação foi prejudicada também pelo chão molhado, ficou avariada e precisou de dezenas de empurradores e diretores para chegar à dispersão. Por tudo isso, é muito difícil que o Tuiuti emplaque o Grupo Especial em 2018.

Do fim tenso, veio a explosão de carisma de Ivete Sangalo, enredo da Grande Rio, num encontro de ícones pop. A cantora baiana esbanjou o carisma e a energia de sempre, apresentando-se com a comissão de frente, que representava pescadores baianos, fazendo a coreografia e sambando no pé, além de levantar o público. No entanto, depois do furacão Ivete, veio uma escola previsível, passeando pela Bahia, pelo Rio e pelo programa "The Voice", da TV Globo, estrelado pela baiana. Até a amiga Xuxa, fulgurante numa roupa prateada, passou praticamente despercebida. O animado samba-enredo ganhou boa performance do intérprete Emerson Dias e da bateria comandada por Thiago Diogo, mas, como sempre, faltou "chão" (o canto e a empolgação do componente) à tricolor de Duque de Caxias. Ivete empolgou novamente ao reaparecer no último carro, mas foi pouco para quem pensava em título. A volta no Sábado das Campeãs já será um resultado bom demais.

Em seguida veio talvez o desfile mais completo da noite, se considerados os quesitos. A Imperatriz pegou um enredo batido, com cara de anos 1970 - "Xingu, o clamor que vem da floresta" -, apresentou uma versão revista e ampliada, emocionando o público. O carnavalesco Cahê Rodrigues ousou e esbanjou criatividade ao mostrar os índios, a Amazônia e os animais, velhos conhecidos de todos, em um conjunto alegórico impecável. O samba, dolente, quase um lamento, foi bem puxado por Arthur Franco e cantado com garra pelos componentes. A Imperatriz não empolgou como algumas das concorrentes, mas, na ponta do lápis, é difícil ver de onde sairão eventuais décimos perdidos.

A Unidos de Vila Isabel, quarta a desfilar, foi mais ou menos o contrário disso: empolgou e teve defeitos claríssimos, que custarão pontos preciosos. Com um dos melhores sambas do ano, puxador (Igor Sorriso) e bateria (do mestre Wallan Amaral) impecáveis e o "povo do samba", como a Vila chama seus componentes, quicando no chão molhado, a escola conseguiu empolgar apesar dos muitos problemas com as alegorias. Desde antes do carnaval se falava que "O som da cor", sobre a música de sabor africano nas Américas (samba, reggae, blues, rock e até tango entraram na dança), teria questões com o barracão, e no desfile ficou claro que a parte plástica não estava totalmente pronta. Ainda assim, a criatividade e o humor do carnavalesco Alex de Souza apareceram em alegorias como o navio negreiro prateado que abria o desfile e um quinteto de rapazes representando o grupo Jackson 5, que sambava em um carro.

De Vila Isabel o desfile foi para a Tijuca, com o gigante Salgueiro, na apresentação que pode ter sido a última dos carnavalescos Renato e Márcia Lage - comenta-se que eles teriam fechado com a Unidos da Tijuca para o próximo carnaval - e sua "Divina comédia do carnaval". O início do desfile foi o momento mais impactante da noite, quando as alegorias e fantasias representaram o inferno do livro de Dante Alighieri, lançado no século XIV: diabos, morcegos e outros demônios trouxeram Renato Lage no auge da forma, enquanto o samba-enredo era bem defendido por puxadores e componentes. O bloco inicial foi o que melhor se viu no domingo, mas o desfile caiu quando vieram o purgatório e o paraíso, que são de fato concorrência desleal ao inferno, plasticamente. A prometida homenagem aos carnavalescos Joãosinho Trinta, Arlindo Rodrigues e Fernando Pamplona passou praticamente despercebida. Apesar de impecável, o Salgueiro não entregou tudo o que prometia.

Com o samba eleito o melhor do ano em todas as pesquisas e vindo de um modestíssimo quinto lugar, a Beija-Flor começou avassaladora em sua interpretação de um clássico da literatura brasileira, que levou o nome "A virgem dos lábios de mel - Iracema": alegorias suntuosas e o samba cantado furiosamente por Neguinho da Beija-Flor e pelo povo de Nilópolis davam a impressão de jogo ganho. No entanto, alas e mais alas de índios, com fantasias praticamente idênticas, não explicaram o enredo, promovendo apenas um agradável desfile de bloco ao som de um lindo samba e com carros alegóricos de primeiríssima qualidade entre os setores.

A Beija-Flor acabou tendo um efeito semelhante ao da Vila Isabel: o samba-enredo levou o desfile, tentando mascarar seus defeitos. Ao final, até apareceu um pouco da história da Virgem dos Lábios de Mel, mas o "sacode" que se esperava, e que tinha as condições perfeitas para acontecer, inclusive o raiar do dia, não veio.O bom nível do desfile de domingo credencia várias escolas ao grupo das campeãs, mas, na noite desta segunda-feira, União da Ilha, São Clemente, Mocidade Independente de Padre Miguel, Unidos da Tijuca, Portela e Mangueira tentarão fazer povo e jurados esquecerem a primeira noite.

Source : Globo Online | 2017-02-27 12:30:01.0

A Vila Isabel foi a quarta agremiação a desfilar na primeira noite de exibições das escolas do grupo de elite do Rio de Janeiro, na madrugada desta segunda-feira (27). Com o enredo "O Som da Cor", a escola de Martinho da Vila contou a influência dos negros na música das Américas. O belo samba ajudou a contagiar as arquibancadas, mas a escola pecou em fantasias e alegorias - o acabamento ruim chamou atenção, inclusive no carro onde desfilou Martinho. Outro problema foi mecânico - um dos carros alegóricos espalhou óleo pela pista, fazendo com que a escola seguinte, o Salgueiro, solicitasse à organização uma limpeza cuidadosa antes de sua apresentação. Até serragem foi usada para absorver o óleo. Oitava colocada em 2016, a agremiação do bairro de Noel Rosa, na zona norte do Rio, não deve disputar o título.

O carnavalesco Alex de Souza, responsável pelo enredo, começou sua apresentação pela África, berço dos ritmos negros que mais tarde influenciariam a música americana. Depois seguiram-se referências a mambos, congas, rumbas, reggae, cumbia, tango, blues, jazz, soul, techno e outros ritmos desenvolvidos em países americanos que não o Brasil. Em seguida começaram os estilos musicais brasileiros influenciados pelos negros: calundu, axé, chorinho e, claro, o samba. A rainha da bateria, Sabrina Sato, usou fantasia que remetia ao funk, enquanto os ritmistas homenagearam o rap e o hip hop. Não faltaram perucas black power nem outros adereços típicos da cultura negra.

O sexto e último carro, chamado "Kizomba é a Vila", tinha Martinho da Vila como personagem principal e usava elementos do desfile de 1988, quando a escola de Vila Isabel conquistou seu primeiro título com o enredo "Kizomba, a Festa da Raça", para ilustrar a mistura de ritmos musicais promovida no Rio de Janeiro desde o período da escravidão.
Source : folhadaregiao.com.br | 2017-02-27 11:49:58.0

No seu décimo nono carnaval, o Bangalafumenga reuniu, neste domingo, no Aterro do Flamengo, Zona Sul do Rio, foliões de diferentes cantos do Rio. Com repertório variado da música brasileira, eles animaram o segundo dia de folia carioca.

blocos-2602A diversidade também está na idade do público. Aos 80 anos, Nilda Roriz, foi pela primeira vez assistir à apresentação do bloco. A filha de 53 anos e a neta, de 16, acompanharam a senhora.

— Tocam ciranda, samba de roda, gosto muito disso. Não dá mais para ficar saindo direto para blocos na minha idade, mas estou gostando bastante daqui — contou Nilda, que mora no Flamengo.

A professora Cecília Cardoso,de 67 anos, atravessou a ponte para curtir o som do Bangalafumenga:

— Moro em Niterói. Aqui é muito família e é ótimo poder atingir todas as idades.

A maranhense Elaine Martins, de 25 anos, está no Rio há um ano. Moradora de Bangu, na Zona Oeste do Rio,ela levou o filho Lucas, de 7 anos.

— Tenho medo de levá -lo para blocos em movimento. Assim é mais tranquilo. E eu me identifiquei com o repertório deles. É o primeiro bloco no Rio que participo — confessou.

A analista de Recursos Humanos Aline Mendes, de 27 anos, também decidiu levar a pequena Luiza, de 3, ao Banga. Moradora da Vila da Pena, na Zona Norte, ela disse que a festa é para todas as idades.

— Carnaval é para todos desde que saibam aproveitar com respeito — ressaltou, enquanto aproveitava o bloco com Luiza e o marido, o engenheiro Bruno Jacquen, de 30 anos.

Pretinho da Serrinha, Lucy Alves e Ana Bispo cantaram com o bloco

A cantora e atriz Lucy Alves falou da estreia num bloco do carnaval carioca. Ela foi uma das três participações especiais do grupo este ano.

— Já desfilei na Imperatriz e na Mangueira, ano passado. Agora, estou super feliz com essa estreia aqui. Admiro o trabalho do Rodrigo (Maranhão, compositor, que canta com o bloco), e aqui é uma família. Gosto dessa relação com o povo — disse.

Além de tocar sanfona e cantar, a paraibana de João Pessoal tocou guitarra baiana para delírio dos fãs:

— Esse instrumento representa o que é o nosso carnaval.

O músico Pretinho da Serrinha também fez participação especial. Compadre de Rodrigo Maranhão, ele conta que recebe o convite há anos, mas nunca conseguiu ir:

— Comentando os desfiles, eu não conseguia porque essa hora estava dormindo. Esse ano, só vou comentar o Grupo Especial. Então, deu para vir. Fiquei um pouco nervoso, por causa do tumulto, da multidão. Nunca estive num bloco para curtir.

Músico que toca com grandes nomes como Lulu Santos e Seu Jorge, Pretinho conta que se identifica com o Banga:

— Minha raiz é samba, mas toco com Lulu que é popular, e toquei com o D2 que é rap. Então o bloco tem muito a ver comigo. Além disso, dei aulas para muitos ritmistas daqui.

Se o Bangalafumenga é o bloco da diversidade musical, o ijexá não poderia ficar de fora. A cantora Ana Bispo, do Agitoê, embalou os foliões com o gênero:

— Estava nervosa por ser um bloco grande, essa coisa de bloco no Aterro assusta, mas estou curtindo. Sou cantora de samba e samba reggae. Então já é algo do meu universo.

Source : Globo Online | 2017-02-26 21:16:47.0

RIO - O compositor Chico Evangelista, pioneiro do reggae brasileiro e da axé music, morreu nesta terça-feira, de causas não informadas. O artista - que se tornou nacionalmente conhecido no festival MPB 80, no qual apresentou com Jorge Alfredo a canção "Rasta pé", parceria de ambos - sofria de problemas renais e estava internado numa Unidade de Terapia Intensiva em Salvador.

Evangelista foi um dos fundadores, em 1972, da Banda Arembepe, uma das primeiras a explorar o reggae no Brasil. O grupo chegou a participar de festivais e a abrir shows de artistas como Gilberto Gil e Caetano Veloso. Em 1974, gravaram no Rio, pela Odeon, um compacto com as musicas “Iaiá” e “Lá na esquina” — no disco, tiveram as participações de João Donato no piano elétrico e Wilson das Neves na bateria. Em 1975, eles gravaram um segundo compacto (“Rosa mulher” e “Afoxé ponto de Oxossi”), que encerrou sua discografia.

Em 2002, “Iaiá” foi pinçada para a coletânea britânica “Black Rio — Brazil Soul Power 1971-1980” — o grupo chegou a ensaiar um retorno no fim de 2016, com o projeto de gravar um disco de inéditas e um documentário sobre sua história, ambos previstos para o segundo semestre deste ano.

— Eu sou o dodói do suingue, não vivo sem ele. Sem balanço não é a minha — disse Evangelista em entrevista em novembro do ano passado, definido sua música.

Em 1978, o compositor deixou a banda. No ano seguinte, foi premiado no Festival de Música da Tupi, com o “Reggae da Independência”. O ponto alto de sua carreira viria em 1980, com o lançamento do álbum hoje cultuado “Bahia-Jamaica”, feito em parceria com Jorge Alfredo, e também com a participação da dupla no MPB 80, onde foram finalistas com “Rasta pé”. Na canção, que aproximava reggae e afoxé, e no disco, que incrementava ainda mais a mescla de ritmos jamaicanos e baianos, eles ajudaram a plantar as bases do que viria a ser conhecido como axé music — ainda no início dos anos 1980, "Música alegre" (uma das faixas do disco) foi gravada pelo Chiclete com Banana. Paulinho Boca de Cantor também gravou a dupla.

Em 1982, Evangelista lançaria um novo compacto, desta vez em carreira solo, com as canções “Frutas & línguas” e “Frevo do abafabanca”. Depois de um longo período longe dos palcos e dos estúdios, o compositor lançou em 2011 o disco "Luz e cor".

Source : Globo Online | 2017-02-21 23:10:16.0

RIO - Experimente procurar em algum dos serviços de música por streaming por “Meu pau te ama” ou “O pai te ama” — frases mais conhecidas, respectivamente, das versões pesada e leve da música “Deu onda”, o hit do verão brasileiro, do MC G15. A busca fatalmente o levará às canções com os tais títulos, de um tal de MC Bangu. E o que se ouve nelas nada tem a ver com o funk do G15: é rock tosco, desafinado e debochado.

Só que tem bem mais que isso nos 26 (isso mesmo, 26) álbuns que Bangu lançou no streaming desde o ano passado. Há músicas com os mesmos títulos de hits de outros artistas, como "Baile de favela" (MC João) e "Evidências" (Chitãozinho e Xororó). Ou então faixas que remetem a álbuns de sucesso de artistas internacionais — caso de “The life of Pablo” (Kanye West) e “Lemonade” (Beyoncé) e “A head full of dreams” (Coldplay). E tem aquelas criações que ele batizou com assuntos do momento, como “Delação premiada”, “Uber” e "Brexit". Outra das músicas se chama simplesmente “Lobão” (e, nela, o MC se limita a uivar “lobauuuum”).

Esse misterioso prodígio de produtividade (são 201 títulos on-line, ao todo) e de oportunismo, que faz álbuns em volumes — “Punk”, “Merderê”, “Explosão de funk” — sem falar nos discos de covers nacionais e internacionais e nas “OST”, com canções batizadas com nomes de conhecidas novelas e minisséries — chegou atá a entrar no “Viral 50” do Spotify com suas traquinagens. Meu Pai Te Ama - MC bangu

Depois de uma busca pela internet, O GLOBO chegou ao homem por trás do MC Bangu: um produtor musical de Porto Alegre, que, dadas as características controversas de seu trabalho, prefere não ter seu nome divulgado.

O projeto, ele conta, começou em 1994, quando ainda era estudante e sampleava batidas manualmente, com um aparelho de som double deck e um microfone. Assim, ele fazia algumas músicas de, como se diz na gíria gaúcha, “arreganho” (brincadeira).

— Publiquei inicialmente minhas músicas no antigo site mp3.com, só pela diversão mesmo, e em 2000 aconteceu um fato curioso: alguém achou um som meu lá e mandou para a Ipanema FM, antiga rádio alternativa aqui de Porto Alegre, que pôs uma música no ar — conta. — E isso gerou um contato de um produtor de uma grande cantora da MPB, que querendo colocar a minha versão maluca da música dela em uma coletânea de covers. Duas semanas depois, esse produtor me procurou novamente dizendo: a tal cantora não tinha aceitado.

Em 2014, depois de lançar o primeiro disco do seu “projeto sério de música” (o Projeto Ladislau) e colocá-lo nas plataformas digitais, o produtor teve a ideia de desenterrar os experimentos e rascunhos do MC Bangu e publicá-los on-line “só pelo prazer de ter os sons disponíveis ao redor do mundo”:

— De lá pra cá, fiz uma penca de músicas novas, algumas sérias, outras totalmente aleatórias, algumas com piadas internas, brinquei com os ritmos de que gosto, como o funk (de onde surgiu a alcunha MC Bangu), o reggae, o rap (sou um grande fã do rap old-school e acho os Beastie Boys sensacionais) e o punk rock, porque podia fazer as coisas “à Bangu”, que é de onde veio o nome do projeto. É uma atitude que remete às origens do punk. EP Carreta Furacão - MC Bangu

Um recurso malandro que ele usou como forma de chamar a atenção para suas músicas de MC Bangu foi botar títulos similares às de músicas conhecidas ou de assuntos em voga no momento. Contava ele com a curiosidade dos que procuravam pelos hits da estação. Boa tentativa:

— Mas eu notei que as pessoas não dão muita bola pra isso, exceto nos casos da música em homenagem à Carreta Furacão, que teve um número surpreendente de plays, e no de uma original com o sugestivo nome de “Vai tomar no cu!”, que, sabe-se lá como, teve também mais de 10 mil plays no Spotify.

As inspirações para as criações "à Bangu" do MC que não é MC, ele diz, são as mais diversas:

— “Camionete”, por exemplo, eu fiz quando uma camionete bateu bem na frente da minha casa no ano passado. A capa, inclusive, é uma foto que eu tirei da própria. Eu estava de férias e ajudei os feridos, assim como também chamei a EPTC (órgão de trânsito) e o SAMU. Camionete - MC Bangu

Bangu diz que consegue publicar tantas músicas nas plataformas digitais (ao lado das faixas de MC G15 e as de astros internacionais) simplesmente porque é produtor fonográfico registrado e porque tem tempo e habilidade para gerenciar tudo sozinho: composições, fonogramas, arte gráfica, metadados e publicação.

— Tem um trabalho meio burocrático nisso tudo, mas eu já estou acostumado agora, depois de aprender tudo na marra, quando da publicação do meu primeiro disco, em 2014. Aprendi bastante, gastei tempo e dinheiro, e hoje inclusive dou uma espécie de consultoria para bandas e artistas locais sobre isso — revela. — Outro dia, conversei com um senhor que quer divulgar a banda dele nas plataformas on-line. Os caras são muito bons, já têm quatro discos prontos e não sabiam como fazer essa questão burocrática de registro e publicação, tanto on-line como em meio físico.

Para o gaúcho, mais do que aprimorar as composições e o som, o que importa é ter as músicas do MC Bangu nas quatro grandes plataformas: Google Play, iTunes/Apple Music, Spotify e Deezer.

— Tem trocentas outras plataformas, como Amazon MP3, Algar, Claro Música, Vivo Música/Napster, 7Digital e outras que nem estão disponíveis no Brasil, que não vão agregar muito na divulgação de sons do MC Bangu. Mas o que eu faço questão mesmo é que as músicas do Projeto Ladislau estejam em todas — revela ele, que ainda tem mais dois projetos musicais, o Fodasko Man e o 11:11 PM, de música experimental.

Source : Globo Online | 2017-02-20 22:00:42.0

RIO — Em meio a dez candidatos, e uma seleção que durou 48 horas sobre os cuidados de Spider J, músico que colabora com grandes nomes como Lee Perry, Madness e Massive Attack, os jovens brasileiros Aghata Saan e Pedro Starling foram escolhidos para participar da sétima edição do Roundhouse Rising Festival, evento de música que acontece de 11 a 19 de fevereiro, em Londres. A cantora paulista, de 24 anos, e o DJ do coletivo de neofunk carioca Arrastão, de 20, vão se apresentar na capital inglesa, nesta sexta-feira, junto com músicos da Inglaterra, China, Indonésia, Nigéria e Jamaica.

A viagem é fruto de uma parceria entre o Circo Voador e o Roundhouse, tradicional casa de shows da Inglaterra onde já tocaram nomes como Pink Floyd, Hendrix, Stones e, recentemente, foi o local escolhido pelo Radiohead para lançar seu último álbum, "A Moon Shaped Pool" (2016).

A seleção dos jovens, que saíram do país pela primeira vez rumo à Londres, aconteceu através do BMundo Label, selo responsável por disseminar a música brasileira contemporânea na Europa.

Pedro Starling - Deu Onda

— Para nós, está sendo a melhor experiência que já vivemos. Nós abrimos o show do Paralamas no Circo, e fizemos um domingo que vai ficar gravado na nossa memória pra sempre — comentou o músico sobre a noite em que ele e Aghata tocaram no quintal do Circo Voador com o soundsystem do grupo Digitaldubs. Agora, eles se preparam para apresentar nesta sexta o material que criaram junto com músicos de outros países.

— Até agora, já participamos de vários ensaios, workshops e assistimos algumas aprentações. Com certeza, quando voltarmos pro Brasil ficaremos com saudade — acrescentou o DJ.

Aghata Saan - Miragem

A paulista Aghata Saan, que canta, produz e também toca teclado, contou que desde a chegada em Londres, no começo da semana, já finalizou três tracks nos headquarters da Roundhouse.

— Só está sendo um pouco complicado para me comunicar em inglês, mas estamos falando de música e fazendo música, que é uma linguagem universal. Quando começamos a produzir e tocar, somos todos iguais — declarou a artista, participante de um coletivo paulista chamado Feminine Hi Fi, responsável por eventos de reggae que reúnem 15 mulheres para tocar nas ruas de São Paulo.

— Aqui em Londres, somos mais ou menos 15 jovens, e a maioria são homens. Tem apenas duas DJs e uma cantora nesse grupo, além de mim. Mas acredito que aos poucos vamos mudando essa cultura machista e ocupando nosso espaço — finalizou Aghata.

Source : Globo Online | 2017-02-17 20:18:41.0

Links OPESRIO — Quando decidiu abrir a série de apresentações em que a Orquestra Petrobras Sinfônica faz versões de álbuns notáveis da música pop com “Ventura” (2003), dos Los Hermanos, Mateus Simões, diretor executivo da OPES, tinha dois argumentos fortes. O primeiro, claro, é o sucesso comercial alcançado pelo terceiro dos quatro discos lançados pela banda carioca, considerado um dos últimos triunfos mercadológicos do pop rock brasileiro. Depois, a possibilidade de angariar uma fiel, carente e numerosa base de fãs — afinal, tirando uma ou outra turnê de reunião, o quarteto está oficialmente em hiato há dez anos e, ainda assim, segue conquistando novos admiradores.

O resultado da aposta pode ser medido em números: em 21 minutos, todos os mais de 2 mil ingressos para as apresentações de estreia do “Ventura sinfônico”, em dezembro, no Teatro João Caetano, estavam vendidos. Uma apresentação extra foi marcada para este sábado, na Fundição Progresso — que, pela primeira vez, vai sediar um concerto de orquestra — e, logo depois, os 40 músicos da OPES, acompanhados pelos cantores Roberta Campos e Rodrigo Costa (ex-Forfun), saem em turnê que vai passar por São Paulo e Porto Alegre nos próximos dias.

O que nasceu como um projeto experimental acabou virando um segmento oficial dentro da temporada da OPES, batizado de “Mundo pop”. Dentre dele, está previsto, por exemplo, o lançamento de dois EPs da série “O clássico é...”, com releituras de sucessos do samba (em março) e do reggae nacional (em junho) — “O clássico é rock” está disponível nas plataformas digitais desde agosto passado. Em outubro, mês das crianças, a OPES dará sequência aos sucessos dos espetáculos infantis “A arca de Noé” (2015) e “Os saltimbancos sinfônicos” (2016) com uma homenagem ao Balão Mágico. E o sucessor do “Ventura sinfônico” já está escolhido: em dezembro, estreia o show “Thriller sinfônico”, relendo o álbum de Michael Jackson que completa 35 anos em novembro.

— A nossa ideia é que a Orquestra seja dividida em três mundos: urbano, clássico, que já estão consolidados e, agora, o pop. Acredito que já em 2017 o pop tenha o mesmo tamanho dos outros dois — aposta Simões. — O segredo do sucesso foi manter a temporada tradicional intacta. Seguimos tocando no Municipal, na Cecília Meireles, trazendo grandes solistas, ao mesmo tempo em que apostamos em projetos para alcançar novos públicos. Se a gente não experimentar, não tentar descobrir novos passos, a renovação não acontece.

VEJA TRECHOS DOS ENSAIOS DO 'VENTURA SINFÔNICO'

Veja trechos dos ensaios do espetáculo 'Ventura sinfônico'

Com isso, a OPES dribla a crise que assola a música clássica nacional — em carta enviada ao GLOBO em setembro, por exemplo, a Orquestra Sinfônica Brasileira ameaçava fechar as portas, alegando ausência de investimento dos setores público e privado, enquanto na última quinta-feira a Banda Sinfônica de São Paulo demitiu todos os seus 64 integrantes.

— Torcemos muito por uma reestabilização do setor, que o Municipal volte a funcionar a pleno vapor, que a OSB se estabilize… Da nossa parte, exalto o relacionamento de amizade que temos com a Petrobras há 30 anos, ao mesmo tempo em que fazemos o máximo para atingir novos públicos, evitando o lugar-comum, crescendo conforme a demanda. A OPES vê um futuro muito próspero — afirma o diretor.

A estratégia para renovação do público vai além da música. No “Ventura sinfônico”, que teve apoio dos Hermanos pelas redes sociais desde seu anúncio, por exemplo, diversos elementos trazem um ar mais informal ao espetáculo: os músicos trocam o traje passeio completo por jeans e camiseta e têm até coreografia; o maestro Felipe Prazeres rege tanto a orquestra quanto o público, estimulado a cantar desde o início. E, neste sábado, na Fundição, as pessoas ainda poderão acompanhar o espetáculo em pé, tomando cerveja, com direito ao tradicional bis com “Pierrot” — uma novidade em relação à estreia no João Caetano. Petrobras Sinfônica - De Onde Vem a Calma (Los Hermanos)

— Não é o público que precisa se adaptar ao mundo da música clássica. Nós também devemos nos adaptar ao ambiente das novas gerações, nos permitir estar em outros ambientes, seja no Municipal ou na Fundição. Essa é a forma de conquistar essa turma, que vai ser nosso públicos nos próximos 5, 10, 15 anos — explica Prazeres. — Tirar essa imagem série e sisuda da orquestra sempre foi uma missão tanto minha quanto do meu irmão (Carlos Prazeres, hoje maestro e diretor artístico da Orquestra Sinfônica da Bahia). A gente quer mostrar que a orquestra pode trazer uma roupagem muito bonita para as canções, sem ficar chata.

A performance bem-humorada do maestro, aliás, é um dos destaques do “Ventura sinfônico”, eleito por críticos do GLOBO um dos dez melhores concertos de 2016 e que traz, no repertório, 15 músicas — oito delas interpretadas apenas pela OPES (e pelo “coral formado pelo público”, lembra Prazeres), enquanto as demais são divididas entre os cantores Roberta e Rodrigo.

— O (arranjador) Marcelo Caldi foi bem feliz ao enriquecer as músicas do álbum, reorquestrando-as, sem esquecer em momento algum da voz. Isso estimula a participação do público. E a minha responsabilidade segue sendo segurar a orquestra, mas é diferente de reger um concerto clássico. A levada do rock já me permite improvisar, brincar com a plateia. É um show divertido para os músicos e para o espectador — conclui o maestro. Petrobras Sinfônica - Do Sétimo Andar (Los Hermanos)

SERVIÇO

“Ventura sinfônico”

Onde: Fundição Progresso — Rua dos Arcos, 24, Lapa (3212-0800). Quando: Neste sábado, às 22h. Quanto: R$ 160. Classificação: Livre.

Source : Globo Online | 2017-02-11 07:30:45.0

RIO — Ao longo das duas horas de entrevista por telefone — em que esteve imóvel, no meio da sala de casa, em Salvador, único lugar em que o sinal do celular pegava —, o cantor e compositor Russo Passapusso usou a palavra “absurdo” pelo menos 20 vezes. As festas religiosas na Bahia são um absurdo, os pequenos sistemas de som dos carrinhos que vendem café no Pelourinho são absurdos, é absurda a música jamaicana e igualmente absurdos são os fãs que se abrem espontaneamente em roda ao final dos seus shows, que quando acontecem nas ruas, a céu aberto, em vez de nas casas de show fechadas, véi, são absurdos. Links BaianaSystem

A absurdez do músico nascido Roosevelt Ribeiro de Carvalho, de 34 anos, natural de Feira de Santana, na Bahia, é mais mantra do que gíria. É realmente absurdo o que ele tem feito à frente de uma das bandas mais elogiadas de 2016, o BaianaSystem (responsável por um dos melhores shows do ano passado, segundo os críticos do GLOBO), que se apresenta hoje na Marina da Glória, no Pepsi Twist Land, às 22h, com a cantora Larissa Luz.

Nas apresentações comandadas por ele, que misturam guitarra baiana, hip-hop, samba do recôncavo, reggae e os graves do sound system jamaicano, ninguém fica parado. Ao som dos seus gritos de convocação (“Cavalo do cão!” é um deles, expressão que evoca o inseto com a picada mais dolorida do mundo; “Playson!” é outro, título da música do grupo que virou vinheta do game Fifa 16), o público pula sem parar, como num transe coletivo. E só para quando o show vai se aproximando do final e o frenesi de hits como “Duas cidades” (nome do disco lançado em 2016), “Jah Jah revolta” e “Calamatraca” cessa e dá lugar a canções mais arrochadas, como “Amendoim, pão de mel”, transformando a roda aberta naturalmente pelos mais animados (“absurda”, repete ele) em uma pista de gafieira.

— O BaianaSystem é um quebra-cabeça. Cada um tem uma referência, a gente diz que são “quatro cabeças pensantes a serviço da arte dançante” — diz Russo, que começou a se apresentar com o BaianaSystem nas festas religiosas da capital. — Nas lavagens da Bahia, o sistema de som se parece muito com os da Jamaica: com o povo todo na rua, cada carrinho de café é um sistema de som, cada ambulante de cerveja, por toda parte se vê um sound system. E o sistema de som é uma das bases de pesquisa de onde começamos a entender a estrutura do reggae e do samba-reggae, que é uma das últimas grandes experimentações da música baiana. E o Baiana começa a formatar essas experimentações, relacionando com os ijexás, o frevo, o samba do recôncavo. A gente tenta reunir essas informações da diáspora.

Disco BaianaSystem

Na última apresentação de Russo, no dia 2 de fevereiro, na Festa de Iemanjá, em Salvador, com o coletivo MiniStereo Público — além do BaianaSystem, o músico integra outros grupos de sound system, e também tem um trabalho solo lançado em 2014, o álbum “Paraíso da Miragem” —, um dos que mais pulavam na plateia era o músico carioca BNegão, fã do baiano.

— Eu conheci o Russo como um dos MCs do MiniStereo Público, sound system fundamental da Bahia. Fui tocar lá várias vezes, e sempre me impressionei com o talento dos caras. Dentre todos eles, o Russo ainda era o que mais me chamava a atenção, por ter um estilo próprio. Para quem se emociona com originalidade, é uma felicidade muito grande. Isso foi o que me fez querer espalhar o nome dele aos quatro ventos — conta BNegão. — Russo tem voz marcante, rima ágil, um frontman daqueles que aparecem de tempos em tempos. Ele sempre traz alguma coisa interessante e contagiante, seja comandando 30 mil pessoas, como no carnaval da Bahia, ou num show underground, pra pouca gente. Está sempre aberto ao aprendizado, sempre em movimento. #BAIANASYSTEM #NAVIOPIRATA #BSPIRATA

“AQUI TEM UM CASO SÉRIO”

Foi BNegão quem apresentou Russo Passapusso ao músico paulistano Curumin, que se tornou seu produtor e gravou duas de suas canções (“Afoxoque” e “Passarinho”) no álbum “Arrocha”, de 2012.

— BNegão estava em São Paulo, e sei que ele é um cara que roda muito. Perguntei o que ele tinha visto nessas andanças. E aí ele me falou do Russo e me mostrou o primeiro disco do Baiana. Lembro que pensei: aqui tem um caso sério. Poucas vezes vi um artista com tanta força criativa tão poderosa como ele, é difícil ver mesmo. Depois nos conhecemos, ele foi me mandando as músicas que fazia. Ouvir Russo era como encontrar uma pedra preciosa. E sugeri gravarmos três músicas. Ali nascia o disco solo dele, “Paraíso da Miragem” — conta Curumin, admitindo que a forma como Russo aproxima melodia e letra, como se estivesse conversando, também influenciou sua maneira de compor. — É um menino que transpirou uma história de música que é sem igual no Brasil. E com a antena muito ligada. O Russo traz um poder de renovação muito grande da música brasileira. É uma renovação que carrega a tradição, não vem do nada, carrega no DNA toda a nossa história, galopada, samba duro, frevo, forró, tudo. E traz coisas novas, como essa pesquisa que ele faz com a música africana e a jamaicana.

O interesse de Russo pelos gêneros musicais que o cercavam começou com o rádio do pai, que trabalhava “na roça”, em pequenas plantações na cidade de Senhor do Bonfim, ao norte do estado. A mãe, funcionária do Banco do Nordeste, era transferida a toda hora e foi a responsável pela diáspora pessoal que levou Russo a experimentar outras cidades, até parar em Salvador, adolescente.

'Invisível' - BaianaSystem

— Foi no interior que eu fui respirando essa música cantada nas esquinas, ou dos programas de rádio do meu pai, que era louco por rádio. Comecei a partir dessas lembranças, tanto da cantoria da viola, o forró, o carnaval de marchinha, de tacar maisena nos outros, ou já da coisa eletrônica que eu ouvia nas praças, aquela febre do teclado, que hoje é o arrocha. Eu toquei muito assim, houve um “Passapusso e seus teclados” no passado — diverte-se ele, rindo, mas ainda imóvel, para a ligação não cair. — Chegando a Salvador, vi toda aquela explosão, que já era axé, mas a presença do tradicional no axé era ainda muito forte. Estou falando de Margareth Menezes, de Gerônimo, de Lazzo Matumbi. É absurda a música “Eu sou negão”, de Gerônimo, eu ouvi aquilo e queria chorar, véi.

Na capital, Russo trabalhou em telemarketing, como vendedor de uma loja de discos de vinil. Mas foi demitido porque gastava o que ganhava em discos e não conseguia pagar aluguel. Participou de rádio comunitária, se casou, se separou, mergulhou nas pesquisas sobre sound systems jamaicanos, até integrar o BaianaSystem. O resto da história “absurda” o público carioca poderá ver, pulando, ao vivo, mais tarde.

SERVIÇO

BaianaSystem e Larissa Luz

Onde: Pepsi Twist Land — Marina da Glória (Avenida Infante Dom Henrique, s/nº, 2555-2200). Quando: Nesta sexta-feira, 22h. Quanto: R$ 120. Classificação: 18 anos.

Source : Globo Online | 2017-02-10 09:00:00.0

Links Felipe DylonRIO — Nesta quarta-feira, o cantor Felipe Dylon deu mais um passo na retomada de sua carreira musical ao lançar um novo single, intitulado "Para tudo!" — no fim do ano passado, ele já tinha soltado a faixa e o clipe "Ligação astral".

Até aí, tudo bem. A questão é que a nova música é, desde sua abertura, muito parecida com "Ride", um dos grandes sucessos do duo americano Twenty One Pilots, um fenômeno popular entre os jovens. A bateria eletrônica, por exemplo, é muito semelhante. Além disso, o intervalo entre o início da batida e o primeiro verso cantado é o mesmo em ambas: 13 segundos.

Em entrevista ao GLOBO, Dylon admitiu que o Twenty One Pilots é uma das suas refêrencias para este novo momento da carreira, mas negou que "Para tudo!" seja uma versão nacional da canção da dupla formada pelos americanos Tyler Joseph e Josh Dun, que tocou na última edição do Lollapalooza Brasil:

— No estúdio, estudamos muito a música lá de fora, da cena londrina, para tentarmos fazer uma coisa legal e que tenha a que ver com o que está bombando. Ouvimos muitas bandas do perfil do Twenty One Pilots. É uma referência bacana. Mas a gente procura fazer diferente, não é uma versão. "Para tudo!" é um pop reggae eletrônico, com umas coisas meio afro, bem brasileira.

O novo single de Dylon foi lançado pela plataforma Soundcloud, acompanhada por um texto de apresentação. Nele, Dylon, conhecido pelo hit "Musa do verão", não faz qualquer referência ao Twenty One Pilots, e aponta que o single é uma parceria entre os compositores Zé Henrique (da banda Yahoo), Marcelão e Ricardo Rodrigues.

Compare as duas músicas: Felipe Dylon - Para tudo!

twenty one pilots: Ride (Video)

Quando a semelhança foi levada à tona no Twitter, Dylon respondeu apenas com um "Pelo amor de Deus". Dylon Twitter

Tweet Dylon

Tweet Dylon 2

Tweet Dylon 3

Vale apontar que, no single anterior, "Ligação astral", o músico carioca fez o contrário e admitiu que tratava-se de uma versão nacional de "You are so beautiful".

FASE INDEPENDENTE

Depois do boom de popularidade que teve no meio da década de 2000, quando acumulou hits como "Musa do verão", "Deixa disso" e "Quero você", Dylon viveu um período afastado da mídia e do grande público. Agora, sem contar mais com o apoio de gravadoras, ele montou um time de profissionais para assessorá-lo. Zé Henrique, do Yahoo, que o ajudou a ter dois discos de ouro, segue dirigindo a criação, composição e produção dos novos trabalhos de Dylon.

— Estamos com uma galera jovem e bem moderna nos ajudando nessa reestruturação. Minha expectativa é que venha muita coisa boa por aí. Quero fazer um trabalho que fuja do padrão, próximo do pop rock romântico que sempre fiz, mas que traga uma evolução — afirma. Ligação astral - Felipe Dylon

O músico carioca diz não ter uma previsão de lançamento para um novo disco. Quer, através do lançamento de singles, medir a resposta do público para dar novos passos com segurança, "esperando cair no gosto da galera".

— São 14 anos de carreira e acabamos de fazer um show bem legal em Londrina. A repercussão de "Para tudo!" tem sido bem positiva. Acredito nos fãs que conquistei no passado, quando eu tinha um destaque legal em uma cena, para continuar fazendo música e cair na estrada.

Source : Globo Online | 2017-02-09 19:35:10.0

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult) divulgou, ontem, a relação das entidades que estão habilitadas a participar do projeto Carnaval Ouro Negro este ano. Ao todo, serão 91 agremiações, distribuídas entre afro, afoxé, índio, samba e reggae. O investimento em recursos foi superior a R$ 5 milhões. Entre as entidades afros estão blocos conhecidos, como Afro Bankoma, Didá, Ibeji, Malê Debalê e Muzenza. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-02-08 01:45:00.0

RIO - Domingo de sol a pino no Aterro. Minutos depois das 16h, 80 meninas e meninos desenham uma roda de mãos dadas. Vestem blusas brancas ou azuis e saias coloridas de chita. É dia de saudar Iemanjá. Em sentido anti-horário, cada um diz uma palavra em voz alta: “amor”, “energia”, “respeito”, “sororidade”. Quando todos se pronunciam, chacoalham as duas mãos ao alto e pedem axé. Os pelinhos dos braços dão sinal de arrepio. À frente do círculo está o baque de maracatu — grupo de percussão formado por outros 80 integrantes. O mestre Alexandre Garnizé assopra um apito indicando o começo do ensaio do bloco Tambores de Olokun. Puxa um canto em iorubá, chamado de loa, que é reproduzido, em coro, por todos que ali estão. No compasso em que alfaias e atabaques rufam, a roda gira. E se transforma numa hipnotizante dança marcada por movimentos de braços que se entrecruzam no ar e de passos firmes no chão.

— No primeiro ano, havia nove meninas dançando. No segundo, foram 20. No terceiro, 40. Foi muito rápido, cresceu absurdamente — percebe a professora da oficina de dança do Tambores de Olokun, Juliana Sotero, de 24 anos, referindo-se a 2013, primeira vez em que o bloco saiu às ruas com um “corpo de baile”.

Alas de dança ganham destaque no carnaval de rua carioca

A roda se desmancha e as catitas (“Apelido carinhoso para as meninas que dançam no bloco”, ela explica) formam oito filas de dez integrantes. Com o corpo virado para frente, esticam os dois braços na altura dos ombros. Viram para a esquerda com os braços na mesma posição e encostam as pontas dos dedos nas mãos da pessoa que está ao lado. O movimento é um macete para calcularem o espaço que precisam para rodopiar sem esbarrar na vizinha.

— Uma cena simples que para mim demonstra uma conexão muito grande é quando as meninas juntam as mãos para medir o espaço entre si — observa Ana Carolina Muratori, de 25, que tira fotos dos ensaios do bloco e publica na página “Retratista”, no Facebook.

Foi na cara e na coragem que Juliana se apresentou para o mestre dizendo que queria montar uma ala de dança. Sucinta, a resposta foi: “Faz aí”. Em 2014, então, criou a oficina que hoje tem três horários de ensaios por semana. Fora os encontros abertos ao público aos domingos.

— Imagina se não tivesse oficina? A gente precisa criar uma linguagem em comum. Existem o ensaio da percussão e o ensaio da dança — separa a professora.

Rodopiar no carnaval requer um bocado de empenho. As aulas começam em abril numa sala na Lapa e a condição para desfilar é marcar presença. O maracatu é a alma do bloco, mas referências de outros ritmos são pinceladas para incrementar.

— A inspiração principal é o maracatu de baque virado do Recife. Mas dentro da linguagem corporal do Olokun, a gente trabalha jongo, coco e boi. Convidamos professores que têm história dentro da cultura popular da dança para comandar alguns ensaios — conta Juliana.

Fato é que a dança está na rua e o carnaval também. E, hoje, é um movimento natural dos blocos fazer com que essa relação seja mais que uma amizade colorida.

— Em termos de dança, ainda não vejo um ganho estético ou de linguagem, mas acho maravilhoso porque o carnaval solta as pessoas na rua com alegria — opina a coreógrafa Deborah Colker.

Comissão de frente do Amigos da Onça, as veneradas oncetes deitam e rolam nos cortejos. Literalmente. As nove dançarinas oficiais do bloco imitam movimentos de animais selvagens como cobras, jacarés e, claro, onças, fazem caras e bocas superexpressivas, esbravejam “raw”, se lambem e misturam referências musicais baianas com marchinhas, funk e hip-hop.

— O repertório do bloco não tem uma definição, é muito diverso. Nosso exercício é entender o que cada música está pedindo de movimento para criar uma coreografia. Eu diria que absorvemos influências do passinho, do baile de charme, da dança de salão, da dança contemporânea, da música baiana do É o tchan e do Thackabum — resume Bruna Gouvea, de 24, uma das professoras de dança do bloco.

A primeira oncete a ir para a rua foi Iara Cassano, de 28. Em 2012, por sugestão de uma amiga que plantou a ideia de que o bloco tinha que ter uma onça, ela vestiu um macacão animal print, desenhou um focinho com lápis de olho no nariz, tomou um banho de purpurina e foi sozinha para o desfile.

— Incorporei uma onça. Mas ninguém me reconheceu — lembra Iara. — No ano seguinte, o bloco ficou um tempão parado na Praça Tiradentes e eu comecei a dançar com amigas coreógrafas. Quando olhamos para trás, eram mais de 50 meninas imitando.

Ano passado foi criada a oficina de dança do Amigos da Onça no mesmo sobrado na Lapa onde acontecem os ensaios da bateria do bloco. Detalhe: a aula é apenas uma porta de entrada para quem quer aprender a sensualizar como as meninas (“É do felino essa coisa da sensualidade do movimento”, defende Iara). O abre-alas do cortejo é fechado e fica dentro de uma corda. E ensaia noutro esquema, nas casas das próprias meninas. No calendário de atividades da oficina, está uma aula de maquiagem. Produção é ponto forte delas.

— Teve um ano que contratamos uma maquiadora para arrumar as meninas. Levamos mais de seis horas. Por isso é importante que cada uma faça a sua. Neste verão, investimos no make néon — conta a líder da oficina Jessica Queiroz, de 25, que acorda à meia-noite, no dia do cortejo do bloco (em geral, às 4h) para se aprontar.

O Rio de Janeiro tem uma pirâmide. O monumento triangular em homenagem a Estácio de Sá, no Aterro é, vez ou outra, ponto de encontro dos integrantes do Agytoê. Toda trabalhada em peças de roupas com penduricalhos e pinturas corporais em dourado, azul e branco, a turma do bloco absorve referências de ritmos africanos e do samba-reggae para criar repertório e dança próprios.

— As manifestações populares não dividem dança e percussão. Na música africana, você dança para o tambor e o tambor toca para a dança — defende Tyaro Maia, de 26, cantor e criador do bloco.

Este ano, o bloco comemora quatro carnavais. No primeiro desfile, Tyaro convocou três bailarinas para improvisar uma coreografia. A proposta evoluiu e, em 2015, foi instituída a Oficina do Movimento Transante do Agytoê. Começa no meio do ano, também com aulas semanais. O sintonizado corpo de baile configurado por homens e mulheres, que vai às ruas em fevereiro e faz apresentações ao longo do ano no Circo Voador, tem como identidade visual a reprodução de movimentos egípcios e faraônicos.

— No cortejo, cada hora, um dos integrantes da oficina assume a liderança para puxar a dança. É um improviso em cima de uma base de passos que ensaiamos nas aulas — resume Helena Heyzer, de 26, professora de dança da oficina. — É um exercício que exige uma preparação física forte.

É impossível ignorar a disposição de quem curte o carnaval de camarote, do alto de pernas-de-pau de 60, 70 ou 90 centímetros. Dançando. E é evidente que frequentar oficinas, nesta situação, é obrigatório. Eterna musa dos blocos, Raquel Potí, de 28, atingiu o auge no ano passado: levou a ala dos pernaltas para 17 blocos de rua. Entre eles, Monobloco, Carmelitas, Terreirada Cearense, Pérola da Guanabara e Cordão do Boitatá.

— Você passa a ver o mundo de outro ângulo — propõe Raquel. — Acho que o meu papel é o da democratização do acesso à perna-de-pau. O que aconteceu foi que a gente criou uma liga. Você não sai de casa sozinha no carnaval “na perna”. A dança vem muito do fato de estarmos sempre em grupo.

Atualmente mãe de um bebê de um mês, ela planeja um carnaval mais suave. Já a oficina, aos sábados nos jardins do MAM e durante a semana na Praça São Salvador, segue o fluxo normal. Professora de português, Fátima Cajueiro, de 47, lembra sua estreia na perna-de-pau.

— A primeira coisa que a gente aprende na aula é a cair. Depois que você ganha confiança, não tem volta. Hoje, sei dançar forró e tocar triângulo — conta Fafá, como é conhecida.

Trabalho intenso de pernas praticam os integrantes do Bunytos de Corpo, sempre papagaiados com polainas, leggings e maiôs coloridos, no estilo flashdance. Por mais que o bloco não tenha uma oficina de dança anual organizada, ele não dá a largada no carnaval sem que o idealizador Luis César, de 39, o Gigante, puxe uma coreografia inspirada em exercícios de alongamento e em movimentos aeróbicos. Séries de agachamento, flexão, polichinelo e uma corridinha sem-vergonha parada no lugar dão o tom dos cortejos.

— O Bunytos de Corpo surgiu em 2010 em Recife e chegou ao Rio em 2012 com uma caixa de som amarrada num carrinho (o bloco não tem percussão) e umas 60 pessoas acompanhando a coreografia. No ano seguinte, havia mais de mil — recapitula Gigante. — Na concentração, antes de o bloco sair, promovo uma aula de aquecimento.

Consagrada por provocar surpresas na Avenida, Priscilla Mota, coreógrafa da comissão de frente da Grande Rio que faz dupla com o marido, Rodrigo Negri, enxerga com leveza e admiração a profissionalização das alas de danças no carnaval carioca de rua.

— O que é bacana dos blocos é que não existe uma relação de competição. Não tem problema se um adereço cair. A dança é uma maneira muito bonita de agregar. E, na rua, é mais fácil de as pessoas se divertirem. Na Marquês de Sapucaí, tudo tem que parecer muito simples, como se nós estivéssemos brincando. Mas exige um preparo muito intenso com um profissional — ressalta Priscilla.

A espontaneidade, para o antropólogo Roberto DaMatta, é marca registrada dos blocos desde que a manifestação cultural existe. Ele lembra inclusive a origem da expressão “pular carnaval” ao refletir sobre o papel que a dança ocupa na rua.

— O carnaval sempre foi dançado. Quando a gente fala em “pular carnaval”, o gesto de pular não é literal. Mas a expressão provoca ideia de movimento. Agora, a profissionalização dos blocos, esse agenciamento das manifestações carnavalescas com requinte como aconteceu na Sapucaí, é um movimento que aparece nos últimos anos — analisa DaMatta.

O historiador Luiz Antonio Simas consegue separar bem uma coisa da outra.

— Há uma série de manifestações de carnaval de rua que independem do bailado. Já na tradição dos blocos de frevo, por exemplo, a dança sempre teve um destaque especial, dividindo o protagonismo com as músicas apresentadas — contrapõe Simas.

Ao mesmo tempo, ele afirma que é “absolutamente normal e saudável” a associação dos dois movimentos.

— Sobretudo porque estamos falando de blocos que incorporam a ideia de que o cortejo deve ser acompanhado por um bailado coreográfico articulado aos sons que embalam a apresentação do grupo. A dança, neste caso, divide o protagonismo com a trilha sonora — acrescenta Simas.

Oncete oficial dos Amigos da Onça, a psicóloga Nicole Meireles, de 25, dá uma de territorialista, no bom sentido:

— Hoje em dia, a gente conseguiu construir o espaço da dança no mesmo lugar do músico.

Que assim seja.

Source : Globo Online | 2017-02-05 07:30:00.0

A próxima edição da Terça da Benção, que tem como anfitriã a banda Olodum, recebe a cantora Daniela Mercury, Márcio Victor, do Psirico, Durval Lelys, Lazzo e o cantor Dão. O evento acontece na Praça Tereza Batista, no Pelourinho, a partir das 20h. A festa fundamentada no tema do Carnaval do grupo "O Sol – Akhenaton: Os Caminhos da Luz", também festejará os 30 anos de Samba Reggae e da campanha "Eu Falei Faraó", primeiro LP da Banda Olodum. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-02-03 19:00:00.0

RIO - O ano é 2017, mas, para a Blitz, poderia muito bem ser 1982. Foi com o mesmo espírito daquela época, em que Evandro Mesquita e seus companheiros lançaram o primeiro álbum que a banda produziu “Aventuras II”. O show deste trabalho chega ao Rio pela primeira vez no Teatro Bradesco, na sexta.

Quem sugeriu o título foi Gringo Cardia, designer que desenvolveu a arte do “Aventuras” original e também a do novo álbum. Segundo Mesquita, ele disse que o disco tinha “a alma da Blitz”.

— Ao produzirmos, tivemos o mesmo prazer da época dos bailes underground. Quando fomos gravar o primeiro álbum, não rolou pressão, as músicas já estavam prontas. Entramos naqueles estúdios gigantes e foi tudo uma brincadeira. Esse lançamento resgata essa onda, de tratar de temas sérios com humor — conta Mesquita.

O novo show mescla canções do “Aventuras II” com sucessos da carreira.

— Com a quantidade de músicas que temos em nosso repertório, fazer o setlist é sempre dramático. Então, dividimos em dez canções do novo CD, mais sucessos e canções que foram censuradas — diz.

“Aventuras II” está lotado de participações especiais. São 27. Entre tantos, Frejat, George Israel, Sandra de Sá, Alice Caymmi, Seu Jorge, MC Cert (do grupo Cone Crew) e Zeca Pagodinho. Mesquita diz que convidados surpresa podem dar as caras no show.

— O Davi Moraes e o George Israel já confirmaram presença. O Frejat ainda precisa ajeitar uns compromissos na agenda, mas pode aparecer. Como o show é no Rio, fica muito mais fácil os amigos participarem — afirma.

As parcerias surgiram naturalmente. Mesquita deu a letra de “Nu na ilha” a Moraes ao encontrá-lo no aeroporto de Belo Horizonte. O mesmo aconteceu com os Paralamas do Sucesso, com quem ele esbarrou na ponte aérea Rio-São Paulo. No caso de Frejat e Israel, o que o levou a compor novamente com os amigos foi a paixão compartilhada pelo funk setentista.

— Estávamos conversando muito sobre esse tipo de som, tanto sobre o que saiu aqui quanto sobre os artistas lá de fora. Daí nasceu “Baile quente”, que abre o show — conta.

Outros dois casos curiosos foram os das parcerias com Alice Caymmi e Zeca Pagodinho.

— Falei que gostava da música dela e que sempre admirei o trabalho da família. Contei sobre a vez que o avô (Dorival Caymmi) e a mulher, Estela, nos visitaram no camarim do Canecão. Foi a maior honra. Mostrei as fotos e a convidei para participar do disco. Ela ficou toda empolgada, dizendo que ia cantar uma música animada da Blitz. Acabou que apresentamos a ela a música mais dramática, que é meio um tango — conta.

Já com Zeca, o papo era sobre a história do samba e a carreira cinematográfica de Mesquita:

— A participação dele foi a cereja no bolo. Conversávamos muito sobre Moreira da Silva. E ele também me disse que era apaixonado pelo filme “Os normais”, dizia que eu deveria ter ganhado um Oscar por ele. Convidei e ele topou sem ouvir a música. A canção tem alma de samba, mas tem uma poluição ali, meio que um reggae.

Mesquita, que mora no Joá, vê-se nostálgico ao comparar o Rio da época do primeiro “Aventuras” ao de agora.

— Tem mais lixo, mais poluição, mais gente. Eu ia à praia no Arpoador. Via Vinicius, Tom, Jaguar, Ziraldo, todos em Ipanema. Ando por lá, tento achar um rosto conhecido e nada. Sou saudosista, lembro do píer, do Asdrúbal Trouxe o Trombone, dos shows no Tereza Rachel. Mas tem muita coisa legal acontecendo. Lapa, Rivalzinho efervescente, os bares de Botafogo. Os points só mudaram.

Source : Globo Online | 2017-01-29 07:30:35.0

Links Pabllo VittarRIO — No universo pop, particularmente, unir-se a um produtor talentoso é meio caminho andado para um(a) cantor(a) lançar um trabalho de destaque.

Citando apenas exemplos recentes, Justin Bieber conquistou a crítica e um público que normalmente torcia o nariz para seus discos ao dar voz a hits como “Sorry” e “Where are ü now”, assinados por Skrillex e Diplo. Lady Gaga, por sua vez, juntou-se a Mark Ronson em seu quinto álbum, “Joanne”. Para sua estreia, Pabllo Vittar não fugiu à regra ao trabalhar com o duo Brabo, formado pelo talentoso Rodrigo Gorky (Bonde do Rolê) e pelo promissor Maffalda.

A dupla embalou as dez faixas de “Vai passar mal” com o que de melhor tem sido feito de produção de EDM a nível mundial — tanto é que “Então vai”, cuja base foi criada pelo badalado Diplo, não chega a sobressair no repertório. Isso, claro, sem deixar de lado os ritmos nacionais. Dessa mistura nasceu, por exemplo, “K.O.”, cuja melodia rapidamente sai de um reggae e emenda com um forró para Wesley Safadão nenhum botar defeito. O mesmo acontece em “Corpo sensual”, um arrocha eletrônico que traz participação de Mateus Carrilho, um dos vocalistas da Banda Uó — a química entre a voz aguda de Pabllo e o timbre sensual de Carrilho chama a atenção.

Por falar em parcerias acertadas, “Todo dia”, que traz participação de Rico Dalasam (autodeclamado o primeiro rapper negro e gay do Brasil) tanto na composição quanto na voz, tem potencial para conquistar um público além do universo LGBT. Não só pelo apelo popular (e, por que não?, político) do refrão “eu não espero o carnaval chegar para ser vadia/ Sou todo dia”, mas também pelo batidão funk perfeito para as pistas.

“Vai passar mal” não é um disco conceitual, como está na moda entre as chamadas divas pop (Rihanna e Beyoncé, por exemplo), e tem seus altos e baixos — a surpreendente pegada synthpop de “Irregular”, por exemplo, remete a sucessos da dinamarquesa MØ e é mais um dos acertos, enquanto o trap genérico “Pode apontar” e a balada de piano “Indestrutível” — apesar dos fortes versos “Minhas mãos se unem para que tirem do meu peito o que há de ruim/ Tudo vai ficar bem, e as minhas lágrimas vão secar/ Tudo vai ficar bem, e essas feridas vão se curar” — dão um fim morno ao álbum.

Mas, em geral, suas faixas curtas e bem produzidas, com letras que exalam a autoestima e a afirmação de Pabllo, fazem do disco de estreia da drag queen um belo cartão de visitas — feito sob medida para o público que ela atinge.

Cotação: bom. Pabllo Vittar - 'Vai passar mal'

Source : Globo Online | 2017-01-27 07:30:00.0
Mudanças de comportamento positivas são vistas em cachorros expostos a música, afirmam cientistas.
Source : BBCBrasil.com | 2017-01-26 21:13:29.0

RIO — A partir de sexta-feira, fãs do skatista carioca Bob Burnquist terão a oportunidade de curtir uma festa na casa do maior medalhista da história do X Games. A propriedade do mestre das quatro rodinhas, localizada na Ilha da Gigóia, será palco da primeira edição do SpotLab Summer 2017, com a festa “Na casa do Bob”. O evento — que também terá edições nos quatro domingos seguintes (terminando em 19 de fevereiro) — reúne música, gastronomia, arte e esporte, e contará com uma programação escolhida a dedo pelo ícone mundial do skate.

verão 21/01

A maratona começará na sexta-feira, com apresentação dos DJs Zé Gonzales e André Laudz, do Tropkillaz, que faz sucesso no exterior. Além deles, tocarão nesse dia DJ Nepal, Tamempi e Rapha Lima. Nas outras datas, diferentes atrações musicais se apresentarão no palco montado no jardim da casa.

O clima jamaicano promete dar o tom da festa. Serão preparadas iguarias do país caribenho como o Jerk Chicken (churrasquinho apimentado), o Ackee & Salt Fish (peixe preparado com a fruta típica da Jamaica) e o I-tal Food (comida vegetariana rastafari). Também serão exibidos filmes jamaicanos e estarão expostas uma série de fotografias, além de obras de grafiteiros. Uma competição de manobras de skate — é claro que não poderia faltar — acontecerá na própria pista do campeão, e tem tudo para ser o centro das atenções.

Embora não seja a residência atual do skatista — Burnquist se divide entre outra propriedade na Barra e uma casa na Califórnia, nos Estados Unidos —, a casa da Ilha da Gigóia funciona como uma espécie de QG do esportista, onde são realizados eventos privados, reuniões e encontros. Para organizar a festa, dois amigos do atleta com experiência em eventos foram convocados: a apresentadora, atriz e DJ Diana Bouth e o produtor de TV Akira Matsui, atualmente à frente do “Caldeirão do Hulk”, da TV Globo.

— Estamos seguindo o gosto do Bob, levando em consideração o que ele curte. O reggae e a arte do grafite, por exemplo, fazem parte do universo dele — explica Diana, que também participará como DJ no primeiro dia de festa.

Amigo de longa data do skatista, Matsui acredita que o público viverá uma experiência única no evento.

— A casa do Bob sempre despertou curiosidade. Todo mundo que passa por aqui de barco para para olhar. Até os barqueiros costumam mostrá-la como uma atração turística. Desta vez, as pessoas terão livre acesso a ela — explica Akira.

Para chegar à Ilha da Gigoia, deve-se pegar uma balsa atrás do shopping Barra Point, na Avenida Armando Lombardi 350 (entre o posto Shell e Unimed). No primeiro lote, o ingresso, que pode ser adquirido pelo site Bilheteria Digital, custa R$ 120. Quem for cadastrado na página paga meia-entrada. É proibida a participação de menores de 18 anos.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Source : Globo Online | 2017-01-23 07:30:00.0

Imagens de velhos carnavais embaladas por uma terna interpretação de Ivete Sangalo para “Baianidade nagô”, da Banda Mel, dão um quê saudosista e sentimental à abertura de “Axé: canto do povo de um lugar”, documentário de Chico Kertész que chegou ontem aos cinemas do país. A explosão nacional, a partir de 1985, da música feita exclusivamente para a folia de Salvador — e que, em pouco mais de dez anos, chegaria a um auge de popularidade capaz de elevar o Brasil ao posto de um dos maiores mercados de música do mundo — dá início a uma história que o publicitário baiano, em sua primeira incursão pela direção de longas-metragens, se esmera para contar num filme de pouco menos de duas horas de duração.

— O aniversário de 30 anos do axé tinha passado e não havia ainda nenhum documento produzido com cuidado — explica o diretor, que, depois de um longo trabalho de pesquisa, filmagem e edição, optou por lançar seu filme próximo ao carnaval, “para aproveitar o clima”. — A primeira versão tinha três horas e meia de duração. Foi dolorido, muito difícil mesmo eliminar cenas.

Uma abundância de personagens desfila pela tela, em depoimentos tomados para o filme e cenas de arquivo que remontam aos anos 1950, quando Dodô e Osmar energizaram o carnaval ao inventarem o trio elétrico. Embora a sua paternidade ainda seja alvo de incontáveis discussões, para a gênese do encontro de estilos musicais que ficaria conhecido como axé, fundamental foi o sucesso, em 1985, da música “Fricote”, do cantor, compositor e multi-instrumentista Luiz Caldas. Reggae, ijexá, frevo, samba e latinidades diversas entraram na receita do músico que já chamava a atenção, no começo dos anos 1980, ao lado de outra futura estrela do axé — o percussionista Carlinhos Brown — no grupo Acordes Verdes.

A chegada de “Fricote” ao público do Sudeste, com a inevitável ajuda do programa do Chacrinha, movimentou ainda mais a cena musical de Salvador, que orbitava em torno do estúdio do produtor Wesley Rangel e que fervilhava com os blocos afro e cantores como Gerônimo, das canções “É d’Oxum” e “Eu sou negão”. Logo, outros nomes — como a cantora Sarajane, de “A roda”, um dos muitos hits que atravessam o filme — fariam a sua passagem para um mainstream da música brasileira (então bem afeito à cultura dos videoclipes) levando cor, sensualidade e ritmo à programação das grandes emissoras.

— As coisas aconteciam simultaneamente. Aquela era uma época em que as pessoas ligavam a TV, viam aqueles artistas da Bahia e se perguntavam de onde saía aquilo tudo — observa Chico Kertész, que investe numa estreia do filme em 28 salas (Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Santos e interior da Bahia), aumentando para 40 na semana que vem (quando o “Axé” se estende para cinemas do Nordeste).

Com uma narrativa na qual a história de um astro puxa a do seguinte (e sobram pedestais, com validações dadas pelos baianos tropicalistas Caetano Veloso e Gilberto Gil), “Axé: canto do povo de um lugar” não foge, porém, de relatar passagens pouco abonadoras, como a do pagamento de jabá. Artistas, produtores, radialistas e empresários ajudam a desvendar um pouco da história subterrânea do axé, com revelações e um bocado de bom humor.

— A gente deu a sorte de não estar mais no auge do movimento, pudemos contar com o distanciamento e a sinceridade das pessoas — conta o diretor.

Depois daqueles anos 1980 em que o grande vendedor de discos foi a Banda Reflexu’s, criada para emular na bateria o som dos tambores do Olodum (especialmente com o hit “Madagascar Olodum”), o axé entrou em nova fase. Em 1992, foi a vez de Daniela Mercury (que Vovô do Ilê chama no filme de “a branquinha mais pretinha da Bahia”) chegar ao estrelato, marcado por um show no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP) que parou a Avenida Paulista e ameaçou as estruturas do prédio. Após o Olodum gravar com Paul Simon e se apresentar com o americano no Central Park, em Nova York, nos anos 1990, foi Daniela quem levou o axé para uma excursão pelo exterior.

Revivendo os bons tempos

Na pré-estreia carioca do filme (na última terça-feira, no Espaço Itaú de Cinema), a cantora fechou a noite com um pocket show que lembrou os tempos nos quais monopolizou rádios e palcos com o disco “O canto da cidade”, de 1992 — a apresentação acabou na rua, com Daniela cantando, cercada pelo público, em cima do carro que a levaria de volta para o hotel. Ela era, ali, a memória viva de quando a Bahia era conhecida entre os executivos do ramo musical como “um estado disfarçado de gravadora”. Depois de Daniela Mercury, viriam ainda a consagração do ex-cantor da Banda Beijo Netinho (de “Milla”, música onipresente em 1997), do samba de roda do Recôncavo turbinado de sexualidade do É o Tchan, além da ex-vocalista da Banda Eva e estrela maior surgida no axé, Ivete Sangalo.

“Axé: canto do povo de um lugar” também não deixa passar batida a decadência comercial do movimento a partir dos anos 2000. Seja por seu caráter extrativista ou pela desunião de seus artistas (os argumentos são vários), ele chega ao fim do filme com apenas um astro das gerações mais recentes em pleno brilho: o cantor Saulo Fernandes. Isso, embora nas últimas semanas, o MC Beijinho, misturando funk e Olodum na música “Me libera nega”, tenha surgido como promessa.

— Fiz um recorte no filme, mas é óbvio que a história não acaba ali — assegura Chico Kertész.

Source : Globo Online | 2017-01-20 07:30:00.0

Organizadores de blocos tradicionais do carnaval de rua do Rio estão preocupados com os rumos da festa. Este ano, a prefeitura autorizou o desfile de 469 blocos, num total de 577 desfiles. Um deles está provocando a controvérsia: o Bloco Eva, de Salvador, que deve sair na Praia do Pepê, zona oeste do Rio, no dia 4 de março. O grupo baiano já havia tentado se apresentar na cidade em outros carnavais, mas havia sido vetado.

A jornalista Rita Fernandes, presidente da Sebastiana, associação que reúne 11 blocos, está apreensiva com a "invasão" e com a "visão comercial" que a gestão do novo prefeito, Marcelo Crivella (PRB), em sua avaliação, tem do carnaval. "Eles chamam o carnaval o tempo todo de 'principal produto turístico da cidade'. Essa abordagem nos deixa inseguros, porque não sabemos para onde eles querem levar esse produto. A autorização do Eva nos deu um sinal negativo, acendeu a luz de alerta. A gente não quer perder a essência do carnaval", afirmou.

A desconexão do bloco com a cidade vem sendo ressaltada nas redes sociais pelos foliões cariocas. A crítica não se concentra no gênero musical - que já está presente do carnaval do Rio em outros blocos -, mas na vinda de um grupo de fora. O engenheiro Floriano Torres, fundador do Que merda é essa?, que desfila há 22 anos em Ipanema, contou que a "importação" já foi tentada no passado, mas os blocos resistiram, e o antigo prefeito, Eduardo Paes (PMDB), não deu autorização.

"Dessa vez, não nos ouviram. O carnaval do Rio é espontâneo, e esse tipo e bloco é totalmente comercial. Recife e Olinda nunca permitiriam isso, porque não cabe lá. O Rio já tem bloco demais. Há os que tocam outros ritmos, como frevo e sertanejo, mas estes são do Rio, e não 'importados'. Vir caminhão da Bahia para o Rio é um absurdo", disse Torres.

O Bloco Eva, que tem como atração a Banda Eva, sai três vezes em Salvador, no circuito Barra-Ondina; uma vez, no esquema "pipoca" (gratuito), e duas, com cobrança de abadá de R$ 200. No Rio, será gratuito. A Riotur garante que ele terá estrutura de bloco, e não de trio elétrico. O local do desfile ainda está sendo acertado entre as partes, de acordo com a Riotur, mas o bloco informou à reportagem que já foi acordada a Praia do Pepê.

O presidente da Riotur, Marcelo Alves, defendeu a presença do Eva no Rio: "No carnaval de rua do Rio tem rock, tem reggae, tem funk, por que não axé? Não posso discriminar um gênero musical. O que não permito é que se perca a essência do carnaval", declarou, em entrevista à GloboNews.

O boom do carnaval de rua na cidade se deu no início dos anos 2000. Na gestão Eduardo Paes (2009-2016), a festa foi organizada, ganhando maior estrutura de segurança e limpeza - ainda considerada insuficiente. O número de banheiros aumentou 25% em relação a 2016, chegando a 31,8 mil unidades, contando contêineres e mictórios. São esperados 1,5 milhão de turistas e um impacto na economia de R$ 3,3 bilhões.

Em ano de crise, em que as pessoas têm menos dinheiro para viajar, organizadores de blocos acreditam que o público deve aumentar. O número de desfiles também poderá crescer. Por ora, os 469 blocos já autorizados estão concentrados na zona sul (26,9%) e centro (19,9%). O Cordão da Bola Preta, Bloco da Preta, Giro do Arar com Anitta e Monobloco sairão na Rua Primeiro de Março, e não mais na Avenida Presidente Vargas, como havia sido aventado.

"Estamos sendo muito rigorosos com segurança e conforto, trabalhando 25 horas por dia nisso, e o número de blocos pode ser ampliado. Vamos fazer um carnaval inesquecível", garantiu Marcelo Alves.
Source : folhadaregiao.com.br | 2017-01-14 12:49:21.0

Elas procuram um espaço no meio musical que, muitas vezes, é difícil de encontrar. Foi justamente pensando em ajudar algumas bandas a mostrarem seus trabalhos que os músicos Leandro Ueel, Ágda dos Santos, Rômulo Machado e Max Ueel criaram o Rio Entretenimento e Cultura (REC). Neste sábado e domingo, na Lona Cultural Carlos Zéfiro, em Anchieta, eles apresentam 16 novos grupos , que vão explorar diferentes estilos musicais como hip hop, reggae, rock sertanejo e MPB.

ZN eventos 14/01

A inspiração para a criação do festival veio através do músico e compositor Luiz Felisberto, pai dos irmãos Leandro e Max Ueel.

— Toda vez que procurava espaço para tocar, ninguém dava. Então, quando queríamos tocar, tínhamos que alugar um clube ou ir para a praça e montar um palco. Não recebíamos apoio de ninguém. E isso foi passando de geração para geração — conta Felisberto.

Segundo ele, quando uma banda ainda pouco conhecida procura um lugar para se apresentar geralmente encontra portas fechadas.

— Por isso, surgiu o REC. Aproveitaremos para fazer propaganda dos espaços que abrem para músicos underground. O festival é um braço desse grande projeto, de onde muitos outros ainda virão. É uma oportunidade para que os músicos anônimos tenham um espaço com estrutura para poderem se apresentar sem tirar um centavo do bolso — completa Felisberto.

Mas nem todos os artistas presentes no evento são iniciantes. Alguns, como a amazonense Hêmily Lira, de 28 anos, já têm algum tempo de estrada, mas ainda estão à procura do grande público. A cantora começou a carreira, pautada no pop romântico, em 2009, e tem mais de quatro mil seguidores no Instagram (@flordelira). Em breve, deverá lançar o álbum digital “Sigo em frente”.

Também na estrada há algum tempo, os cariocas da banda Multiversos, com sua fusão de pop rock e reggae alternativo, já lançaram três singles e três vídeos: “Apenas um sonho” (áudio e clipe), “Sua imagem” (áudio e lyric vídeo) e “Caçador do pôr-do-sol” (áudio e lyric vídeo). Em 2017, eles pretendem lançar um EP com a nova música, “Vendaval”.

+ INFO

Lona Cultural Carlos Zéfiro — Av. Marechal Alencastro 4.113, Anchieta. Tel.: 2148-0813. Hoje, às 18h. Amanhã, às 17h.

Ingresso: R$ 15 (por dia).

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Source : Globo Online | 2017-01-14 07:30:00.0

RIO – Juliana Areias era uma garota que amava não os Beatles e os Rolling Stones, mas Tom, Vinicius e João Gilberto. Aos 12, comprava revistinhas de violão de bossa nova, ia para o centro cultural ouvir discos de bossa nova. Nessa época, conheceu Ruy Castro no lançamento de seu livro “Chega de saudade”. Ganhou dele o apelido de Bossa Nova Baby. Vinte e cinco anos depois, é esse o nome que batiza seu disco de estreia como cantora e compositora, que ela apresenta hoje no Beco das Garrafas:

— Minha ligação com a bossa nova veio da infância, meu pai ouvia em casa. Depois que ele e minha mãe se separaram, quando eu tinha 4 anos, essa conexão se rompeu. Mas o reencontro veio quando eu tinha 12, e vi “Chega de saudade” na TV — conta a cantora, que morou em Itapuã (“na rua do Vinicius”) e há 20 anos saiu do Brasil para a Suíça, depois para Nova Zelândia e Austrália, onde vive hoje.

“Bossa nova baby” traz músicas suas com tratamento bossanovista (de acento samba-jazz), mas com uma perspectiva moderna.

— Defino esse disco como um diálogo contemporâneo, quente, 2016, da bossa nova com outros gêneros, como o choro, o tango, o funk americano, o samba-reggae. Meu trabalho é um bebê australiano de sotaque jazz. Sou neta da bossa nova, mas ela é uma linguagem que, como qualquer outra, está evoluindo o tempo inteiro — observa a cantora.

Source : Globo Online | 2016-12-28 11:01:35.0

RIO — Na estrada há 15 anos, o rapper paulistano Rael é conhecido pela naturalidade com que aproxima, musicalmente, o rap de gêneros como MPB, jazz e forró entre rimas repletas de críticas sociais, da intolerância religiosa à impessoalidade trazida pela era digital. A mistura de ritmos e tópicos é evidenciada em “Coisas do meu imaginário”, quarto disco solo do ex-integrante do grupo Pentágono, lançado em novembro — uma parceria entre o selo Laboratório Fantasma, de Emicida, e o projeto Natura Musical.

No álbum, Rael apresenta desde baladas radiofônicas, como “Aurora boreal”, cuja levada pop remete a “Envolvidão” — hit de Rael que acumula mais de 30 milhões de reproduções no YouTube —, a raps com tempero caribenho, como o reggae “Papo reto”, que traz participações de Black Alien e Daniel Yorubá.

— Eu gosto de música popular, ouço samba, reggae, nasci em uma família de músicos. Essas influências e o fato de eu pensar na música como um todo, não só no rap, me dá a possibilidade de mesclar gêneros. E, nesse processo, acaba calhando de sairem músicas que dialogam com o que toca nas rádios. Não tenho essa preocupação de a música estar com uma cara mais popular ou não. Tanto é que “Envolvidão” nem ia entrar no EP (“Diversoficando”, de 2014, que antecede o novo disco). Só entrou porque estava faltando uma música mesmo. E, no final, foi a que mais funcionou — diz Rael, de 33 anos. Rael - Minha Lei - clipe oficial (part. Apolo, Massao e Ogi)

Nascido e criado no Jardim Iporanga, zona sul de São Paulo, o rapper comemora a ascensão do alcance de seu trabalho. Ele lembra de um episódio em que foi abordado por uma fã que usou “Ser feliz” (outra faixa de “Diversoficando”) como trilha para superar um passado de agressões do pai.

— Desde que os Racionais apareceram o rap tem essa função no Brasil, de ser a voz dos acontecimentos. A gente verbaliza o que vê, os problemas que acontecem, o que sente. Por isso, mesmo sem saber, nós temos essa função de representantes do povo, ainda mais no momento em que vivemos — opina o rapper em discurso que reflete os versos da faixa de abertura do disco, “Do jeito”, uma reflexão sobre como “as coisas andam” na sociedade (“Vejo pouco casamento e muito mais separação/ Força e movimento, manifestação/Vejo brechas no governo e na oposição”).

Rael diz que o título de seu novo trabalho fala tanto dos temas que aborda quanto da realização de fazer um disco com pessoas que admira — além de Alien e Yorubá, Chico César, Ogi e os ex-companheiros de Pentágono Apolo e Massao participam de “Coisas do meu imaginário”. O álbum tem produção assinada por Daniel Ganjaman, de trabalhos de destaque com Criolo, BaianaSystem e Curumin. Parceria celebrada pelo músico:

— O disco surgiu das pré-gravações que eu fazia em casa e levava para o estúdio. Lá, eu via como Ganjaman conseguia otimizar o DNA do artista, um lance de pegar e já entender aquilo, o que você quer. Rael - Coisas do meu imaginário

Source : Globo Online | 2016-12-11 06:30:00.0

Sapatos vermelhos, dourados e verdes se misturam no chão da Arena Fonte Nova. Não são chuteiras, não é futebol, é o Festival de Verão, é a juventude celebrando a nova estação que se aproxima. Estranho seria não haver um all star azul no meio. Não à toa, o primeiro músico a se apresentar na 18ª edição do evento foi Nando Reis. "Cada show é único… Na verdade, adorei! Adoro tocar à luz do dia, é tão raro, tão bonito. E é sempre bom saber que tem interesse pelo que faço", declarou o cantor. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-12-10 22:48:00.0

RIO - A banda Ponto de Equilíbrio inicia a turnê de divulgação do novo álbum “Essa é a nossa música”, lançado em março, neste fim de semana, com direito a uma apresentação na Zona Norte. O grupo de reggae formado por músicos que se conheceram ainda na juventude, em Vila Isabel, há 16 anos, e mantém a formação original, se apresenta neste domingo, às 20h, na Lona Cultural Carlos Zéfiro, em Anchieta.

matérias leves ZN 10/12

Após três álbuns produzidos em estúdio e um DVD, o grupo busca deixar sua zona de conforto, o reggae roots. Para isso, o álbum investe em participações especiais de artistas de outros ritmos, como Gabriel Pensador, Emicida e Ivete Sangalo. Os cantores não estarão presentes na apresentação de Anchieta, mas os áudios das faixas com eles serão tocados na lona, para que possam participar, mesmo que indiretamente, do show.

O baixista Pedro Paulada reforça que, apesar de o trabalho destoar um pouco da discografia do grupo, não há a intenção de negar o estilo musical do Ponto de Equilíbrio, que preservou até mesmo a tradição de álbuns formados majoritariamente por composições autorais.

— Não estamos negando o roots de maneira alguma, mas sentíamos necessidade de investir mais em outros estilos e diversificar um pouco o trabalho. Neste álbum, apenas a faixa “A vista de um rastaman” não é autoral. É uma criação do Alexandre Carlos, do Natiruts — informa o baixista.

SERVIÇO

Lona Cultural Carlos Zéfiro

Av. Marechal Alencastro 4.113, Anchieta. Dia 11/12, às 20h.

Ingressos: R$ 40

Source : Globo Online | 2016-12-10 06:30:57.0

Nem os avós de Bob Marley — o cão na foto ao lado — eram nascidos (e o rei do reggae, que o batizou, já tinha morrido) quando, em setembro de 1987, 15 mil latas cheias de maconha atracaram nas praias do Rio, fazendo a cabeça de muita gente que não tinha nada a ver com o barco australiano que, na mira da polícia, havia dispensado as 21 toneladas da erva. Semanas atrás, quase 30 anos depois do Verão da Lata, centenas de milhares de reais brotaram nas margens da famosa mureta da Urca, fazendo a alegria — e não tanto a cabeça — de pescadores e mergulhadores.

Se as latas de 1987 herdavam símbolos do desbunde pré-abertura política, a dinheirama no costão, três dias depois da prisão de Sérgio Cabral, foi a metáfora perfeita de um Brasil que mostra sua cara.

Mas, para além de um possível Verãoda Nota, a Urca, faz tempo, é um tesouro encrustado no mais famoso balneário do mundo. Nascido no bairro, o amigo humano de Bob Marley, Gabriel Wilcox Furley, 40 anos, professor de Educação Física, atesta que, nesse tempo todo, o lugar mudou, mas não perdeu o valor e, muito menos, a essência:

—Lembro das latas, era moleque. Na época, a Urca era só sossego e patotas na rua jogando bola. Hoje é um meio-sossego. No Bar Urca aqui em frente, onde só tinha cachaceiro, agora vem gente do Brasil e do mundo beber e comer sardinhas. No verão, para segurar nossa vaga, não dá para sair de carro do bairro. Mas aí a gente pega o barquinho, eu, Teresa (esposa, artista plástica), e nosso “filho” Bob e vai dar rolé, ver a gruta poderosa, o morro, a mata. Qualquer um pode, é só dar uma ideia nos barqueiros, e ver que o elo perdido da paz está aqui...

A boataria está rolando solta, principalmente no quadrilátero perto da ponte e do Baixo Mureta, onde a cerveja é mais barata, e local em que primeiras notas apareceram.

— Foi queima de arquivo.

— Que queima nada, mané. Se foi no mar, foi afogamento de arquivo.

— É dinheiro do ex-governador.

— Diz que lá no fundo tem rubi.

— Foi uma traineira cheia de muamba que naufragou.

— Para mim, foi o Roberto Carlos, que mora ali na esquina e se livrou das notas verdes para ficar com as azuis.

A conversa é interrompida por uma aparição: vestido a rigor com traje de mergulho, arpão e tudo o mais, um homem termina de escalar o costão e vencer a balaustrada colonial da ponte trazendo, enganchada, meia dúzia de peixes gordos e um misterioso saco plástico que ele logo esvazia.

— Olha só, não passa de R$ 200, e parte das notas já está desfeita. Tem mais dinheiro em peixe que em notas. Mas na semana passada coletei pelo menos R$ 20 mil — gaba-se Samuel Correa Ferreira.

Pelo jeito, a safra vai acabar logo e a vitrine da Urca vai continuar a mostrar a ampla variedade de suas coleções: no ex-aterro onde tudo é curvo e sensual, reina a grande senhora, Baía de Guanabara, o mar pertinho, o Cristo, o Pão de Açúcar... A silhueta da turma do anzol, com as garças, algumas já conhecidas, que vêm comer na mão dos pescadores. Os cavalos-marinhos, heróis da resistência, que podem ser vistos em mergulhos amadores. Os bares que já fizeram fama, Garota da Urca, Expresso; a Julius Brasserie, mais gourmet, o caseiro Habitual e, acima de tudo, a mureta, grande ponto de encontro de moradores e forasteiros de todas as tribos. De noite, o point se adensa e todos são amigos da diversidade. A família é bem-vinda: vinho branco, bambolês e a menina, aniversariante, que, pincel à mão, copia e recria a paisagem numa tela cercada de amor e festa.

A Urca, como observa o habitué Custódio Coimbra, fotógrafo destas páginas, é “umbilical”. Tudo acontece lá dentro. Há o porto recuado, com a maior concentração de traineiras da cidade. O casario. A ruazinha de comércio dando para o ex-Cassino. E, “lá fora”, o Rio, nu, em esplendor. Até as praias (da Urca, mais popular, com a gente que vem dos subúrbios, e a Vermelha, onde, a cada lua cheia, tem festa) são “internas”, ocultas.

Luciane Rocha, de 40 anos, veio de Jacarepaguá.

— Eu vinha desde menina, trazida pelos meus pais. Há décadas não voltava e vim hoje, encontrar minha amiga, e deu um arrepio, chorei muito. Meu pai usava uma grande bermuda, e minha mãe, um sunkini. Agora, neste verão, vou trazer minha filha e minha netinha de 1 ano e meio, sem medo de ser roubada. No caminho, eu estava tensa e agora, nem quero saber onde está minha carteira — recorda Luciane Rocha, que, sentada na mureta, brinda com Aline Waldeck, moradora do bairro.

— Verão na Urca é cerveja, é pastel, é tranquilidade, é família, é beleza natural e segurança. Uma paz que a gente não tem mais no Rio, nem na Zona Sul. Em dia de semana é mais tranquilo, mas quando está cheio, menos elitizado, é bom ver todo mundo usufruir.

Ao fundo da silhueta das duas amigas, a ex-escola de mergulho Argonauta, onde também funcionava uma colônia de mariscos. Recentemente, foi comprada e reformada. Neste momento, seu novo dono rodeia, num barco, a balsa flutuante que pretende transformar em casa de festas. A associação de moradores resiste. Perto da banca de jornal, três guardas municipais parecem não saber muito bem o que fazem ali.

— No passado, teve furto de automóveis. Assalto a transeuntes, nunca ouvi falar. A violência é quase zero — diz um dos guardas.

O gostosinho da Urca parece ser esse circuito mureta-ruas bucólicas-morros- vista, e as lojinhas da Marechal Cantuária. Mas praias, que há, há. Na “da Urca”, o latão de cerveja vai de R$5 e chega no máximo a R$ 7 no verão, enquanto no eixo Copa-Leblon já beira os R$ 10 hoje.

— O Rio inteiro vem para cá e nunca vi arrastão. O preço é barato e a vista é dez — explica José Geraldo Ferreira, vendedor ambulante, que desistiu de São Conrado por considerar que havia uma quantidade excessiva de “maus elementos”.

Há a praia do Forte de São João (e seus passeios e vistas), só aberta a parte dos moradores e cuja autorização é muito disputada. Mas é a Praia Vermelha, envolta por instalações militares, pelo bondinho, pela trilha da Claudio Coutinho, e cujo amanhecer é cor de vinho, com águas voltadas para o mar aberto, que atrai um público mais plural, de moradores, turistas e estudantes da UniRio. A quase inexistente circulação de automóveis faz com que o único ruído seja o das crianças num parquinho ou dos ginastas que fazem “funcional”.

— Nunca vi algo assim no mundo. Estas pedras, estas ilhas — exulta Delia Eid, americana de 20 anos, pela primeira vez no Rio, com o namorado irlandês. — Viemos de Ipanema, muito comercial. Aqui é mágico, não sei nem explicar.

Sentado na calçada, aliviado por ter acabado de entregar sua tese de doutorado em Artes Cênicas (sobre cantores cover), um curitibano menciona a ausência de zum zum para poder contemplar, em paz, esse “quadro de museu” que é a Vermelha, para ele “a mais bela praia urbana do Brasil”. Mais adiante, um estudante baiano de Biologia comemora o fato de se relacionar com a ampla fauna de moluscos que adere às rochas e com os répteis e mamíferos que dão as caras nas trilhas.

— A Urca é animal — resume, dando uma das possíveis senhas para o verão.

Source : Globo Online | 2016-12-04 06:30:15.0
Dois homens não identificados foram mortos na tarde deste domingo, 27, em Salvador. De acordo com as informações da Superintendência de Telecomunicações das Polícias Civil e Militar (Stelecom), houve um tiroteio no Jardim Nova Esperança, às 14h20, que resultou na porte de um homem. Não há informações se ele participou da ação ou passava pelo local. Já ao meio-dia, um homem foi morto a tiros na localidade conhecida como Baixa do Reggae, na Engomadeira. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-11-27 19:54:00.0

RIO - Desde 2010, quando deu uma mão ao rapper B.o.B para que ele chegasse às paradas com “Nothing on you”, o havaiano Bruno Mars se insinuava como um possível menino de ouro do pop internacional. Dois discos solo (“Doo-wops & hooligans”, de 2010, e “Unorthodox jukebox”, de 2012) e uma fileira de hits depois, o cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista quer provar que seu metal precioso e reluzente é também sólido. E chega bem perto disso com seu terceiro álbum, “24K magic”, um estudado tributo ao r&b no que ele teve mais de mais espetacular, dos anos 1960 aos 90.

Com apenas nove faixas, o lançamento não é apenas uma volta ao tamanho de disco que cabia em um LP de vinil, mas também uma mostra de poder concentrado: cada canção é tiro certeiro, sem enrolação e sem recurso a outros estilos, como o reggae e a new wave dos outros álbuns. A faixa-título é funk eletrônico de estirpe, puro Zapp de Roger Troutman, com baixos de borracha e efeito de talkbox em seu esplendor — reafirmação de “Uptown funk”, canção com a qual Mars e o produtor Mark Ronson varreram o mundo ano passado. Bruno Mars - "24K Magic"

Com uma incrível atenção para detalhes sonoros, o cantor volta a emular o som dançante de 1982 com “Chunky” e faz uma junção de dois James de diferentes décadas — James Brown e Ricky James — em “Perm”. Com a perícia de quem já trabalhou como imitador de Elvis Presley e de Michael Jackson, ele faz ainda perfeitas recriações do new jack swing dos 90, em “That’s what I like” (com curvas melódicas de profissional), “Calling all my lovelies” (na qual a atriz Halle Berry faz participação em recado de secretária eletrônica) e “Finesse” (a que mais remete às produções de Jimmy Jam e Terry Lewis).

Como não poderia deixar de ser num disco de Bruno Mars, em “24K magic” o romantismo fala alto. Em “Versace on the floor”, ele mete os dois pés na lama do baladismo oitentista, com teclado DX7 e guitarra staccatto, lembrando muito “Yes”, hit de Tim Moore. Já “Too good to say goodbye” vai mais longe ainda: é parceria com o velho Babyface e, de tão requintada construção melódica, faz “Talking to the moon”, um Mars safra 2010, parecer uma baladinha simplória.

Cotação: Ótimo. 24k magic

Source : Globo Online | 2016-11-22 06:30:11.0

RIO - Em uma de suas visitas recentes à casa de Marisa Monte, o cantor e compositor capixaba Silva tocou, despretensiosamente, uma peça de piano composta por ele durante a criação de “Júpiter” (2015), seu terceiro disco. A melodia chamou a atenção de Marisa, que pediu para ouvi-la de novo. Foi o suficiente para a música virar o assunto do encontro, e, alguns rascunhos depois, o esboço de “Noturna (Nada de novo na noite)” estava pronto. Assinada por Marisa, Silva e Lucas Silva (seu irmão e parceiro de composição), a música, cantada pelos dois primeiros e gravada na casa da cantora, é o principal chamariz de “Silva canta Marisa” (Slap/Som Livre), disco de tributo lançado na última sexta-feira nas plataformas digitais.

Silva canta "Noturna (Nada de novo na noite)"

A relação entre os dois artistas, expoentes de diferentes gerações da MPB — ela com 49 anos, ele com 28 —, nasceu de uma participação de Silva no programa “Versões”, do canal Bis, que foi ao ar em dezembro passado. Fã de Marisa desde seus 12 anos, quando ouviu o disco “Memórias, crônicas e declarações de amor” (2000), o capixaba escolheu 14 músicas dela para fazer suas releituras. Pouco depois, ele recebia um e-mail-convite carinhoso agradecendo a escolha e o convocando para uma visita no Rio.

— Isso acabou virando uma relação de amizade que eu não esperava. Na primeira vez que eu e Lucas fomos à casa da Marisa, chegamos à tarde e saímos no meio da madrugada, já com algumas músicas — lembra Silva. — Percebi que aquele trabalho despretensioso merecia ser feito direito, com uma boa gravação. A música inédita, com participação da Marisa, faz com que esse não seja só mais um disco de tributo.

“SE ELA NÃO GRAVAR, EU GRAVO”

Em suas 12 faixas, “Silva canta Marisa” traz, claro, grandes sucessos da cantora e compositora carioca, como “Ainda lembro”, “Não vá embora” e “Infinito particular”, mas também canções menos famosas, como “O bonde do dom” (faixa do álbum “Universo ao meu redor”, de 2006) e “Pecado é lhe deixar de molho”, d’Os Tribalistas (projeto que reuniu Marisa, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes).

— A escolha das músicas foi baseada naquilo de que eu mais gostava, claro, e também no que melhor combinava comigo. Existem várias canções de Marisa que eu amo, mas que eu preferi respeitar e não mexer porque corria o risco de não ficarem legais. Optei por deixá-las quietinhas e mexer só no que eu considerei que faria algo interessante ao rearranjar — afirma.

Em suas versões repaginadas, “Não vá embora”, por exemplo, ganha uma levada de reggae, enquanto “Na estrada” traz beats mais dançantes. Mas, no geral, “Silva canta Marina” aparece como o álbum de sonoridade mais orgânica da discografia do músico.

— Eu resolvi partir para uma onda mais minimalista. De uma forma geral, as músicas têm mais guitarra, baixo e bateria e menos sintetizador e bateria eletrônica. A ideia foi não trazer arranjos demais, e sim me divertir com eles, por isso dá para identificar um reggae mais roots, um techno/house — explica o músico, que brinca ao responder quando as demais parcerias com Marisa seriam lançadas: — Já disse para ela que, se ela não gravar, eu gravo. São músicas que eu gostei muito de ter feito, mas ainda não sabemos quando vão sair.

Bem recebido pela crítica ao lançar, em 2012, seu álbum de estreia, “Claridão”, Silva lidou com reações mistas por explorar, em “Júpiter”, novas abordagens para além da mistura de letras românticas e intervenções eletrônicas — um desvio do óbvio elogiado pelo crítico do GLOBO Silvio Essinger, à época do lançamento do disco. Prestes a completar, em dezembro, um ano de “Júpiter”, Silva faz um balanço positivo da empreitada:

— Enquanto meus dois primeiros discos tiveram uma resposta positiva da crítica, “Júpiter” trouxe uma resposta do público muito boa. Antes, eu não podia deixar de tocar “A visita” (seu principal hit) nos shows, ou era capaz de apanhar. Hoje, eu nem a toco mais, porque as novas ganharam muita força ao vivo. Foi um processo enriquecedor.

Source : Globo Online | 2016-11-21 06:30:00.0

RIO – Pinturas corporais tribais afropop, os graves do reggae, o brilho quanto-mais-purpurina-melhor da disco music - num ano em que o Festival Back2Black foi condensado num dia, nada melhor do que uma atração principal como Grace Jones, síntese de várias vertentes da presença negra na cultura pop ao longo do século XX. Em seu show na Grande Sala da Cidade das Artes, na noite de sábado, entre o rigor de um espetáculo visual e musical de alto nível e a frouxidão de quem se divertia no palco como numa festa de amigos íntimos, a diva fez dançar o público que encheu o teatro. Links GJ

Mais cedo, no caminho para o Back2Black, de quem vinha da Zona Norte, a cidade fervia por motivos diferentes. Um dia de intensos tiroteios na Cidade de Deus entre policiais e traficantes culminou com a queda de um helicóptero da PM (e a morte de seus quatro ocupantes) por volta de 19h30m, fazendo com que a Linha Amarela ficasse fechada por três horas nos dois sentidos – o que talvez tenha justificado o atraso de cerca de uma hora na programação do festival.

Depois de um debate no Teatro de Câmara com artistas como Daúde, Deize Tigrona e Rico Dalasam (que no fim do dia cantaram ao lado de outros no show "Nós por nós"), o Baiana System abriu a noite musical do evento. Com a excelência e os graves de costume, a banda mostrou seu "dubaiano" (dub+Bahia) em músicas como "Panela" e o clássico "Depois que o Ilê passar". Caminhos abertos para a jamaicana Grace Jones.

Já nos primeiros segundos no palco, Grace afirma a força de sua imagem – em torno da qual foi construída sua carreira. Sua pintura corporal – que atesta a boa forma aos 68 anos – e suas perucas são lidas pela plateia brasileira a partir de referências que cruzam os impactos da Timbalada e da "mulher do fim do mundo" de Elza Soares. Na verdade, o buraco pop é mais fundo: a arte faz referência à pintura que Keith Haring fez no corpo da artista, transformando-a numa divindade africana nascida no olho da exuberância da pop art.

É com a exuberância da pop art – que deu a ela régua e compasso – que Grace Jones conta sua história no palco. Ora usa crina e cauda, como uma leitura bem humorada de um unicórnio. Mais tarde, o chapéu coco com brilho que, sob o canhão laser, simula um globo espelhado. Bambolês, máscaras douradas, indumentária tribal feita de palha – tudo sob o filtro de Warhol e Haring (e Madonna e Gaga, mestra e aprendiz).

Grace não conta sua história simplesmente expondo sua coleção de músicas antigas (um repertório que, para a alegria dos fãs, teve clássicos como "Nightclubbing", "Private life" e "Slave to the rhythm", na mão de uma boa banda, que imprimiu grooves que passeiam da disco music ao electropop, passando por reggae e new wave), mas uma história viva em seu comportamento e falas.

A personagem que marcou a noite novaiorquina está ali – mais como resistência do que como pastiche, que ela também toca. Em sua performance, ela carrega o hedonismo da era que representa. Sexo e drogas atravessam a apresentação. Ela provoca a plateia sobre tirar a roupa e, quando os fãs reagem com empolgação, brinca: "minha buceta não é tão grande". Comenta uma irritação no nariz dizendo que "não é cocaína, ainda". Pede um baseado de uma fã da fila do gargarejo. Se toca na região genital e nos mamilos. Leva um dançarino de pole dance ao palco.

Até que, perto do fim, vem o convite: "agora vamos para a igreja". E ela faz uma "Amazing grace" enxuta, só sua voz – e seu figurino, obviamente nunca enxuto. Beleza crua que ajuda a dar sentido à sinceridade chic-camp-junkie que Grace sustenta, e que a sustenta como artista.

Cotação: Bom

Source : Globo Online | 2016-11-20 11:55:31.0
Eventos celebram o Dia da Consciência Negra com samba, reggae e música africana
Source : estadao.com.br | 2016-11-19 10:00:00.0

O berço do reggae é a Jamaica. Em terras brasileiras, a Bahia, acompanhada pelo Maranhão, é o lugar onde o estilo (de música e de vida) é mais reverenciado no país, com um público vasto e que acompanha com devoção os shows. "Isso tem a ver com a cultura afro, que é muito forte em Salvador, a capital onde a coisa ferve", diz o cantor Hélio Bentes, da banda carioca Ponto de Equilíbrio. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-11-18 12:15:00.0
Eventos acontecem na zona oeste e no centro da cidade, com homenagem a Tim Maia e ao reggae
Source : estadao.com.br | 2016-11-12 10:00:00.0

RIO - Pat Thomas é um dos mais legítimos representantes do highlife, música do Gana com inspiração de Cuba, tocada em instrumentos elétricos, especialmente guitarras. Popularizado pela influência que exerceu no disco africano de Paul Simon, “Graceland” (1986), o estilo encontrou em Thomas sua voz mais eloquente — e também uma espécie de embaixador informal. Nascido em 1951, o cantor africano se apresenta no Rio amanhã, às 22h30m, com sua Kwashibu Area Band. Pela primeira vez no Brasil, ele é uma das principais atrações do Mimo, que acontece de hoje a domingo, com shows em dois palcos na Praça Paris, na Glória. Com a proposta de mostrar a riqueza musical de várias partes do mundo, o festival traz, ainda, entre outros, o caboverdiano Mário Lúcio, a “rainha da cúmbia” da Colômbia Totó La Momposina, os jazzistas franceses Jacky Terrasson e Stéphane Belmondo e o grupo inglês de fusões Sons of Kemet. Link Mimo

— O highlife é o highlife, mas ele continua se modernizando — aposta Thomas, em entrevista ao GLOBO por telefone.

Intérprete que, em 1978, foi eleito o Mr. Golden Voice of Africa (O Senhor Voz Dourada da África), ele desconversa sobre o assunto:

— Ah, isso foi um título que me deram, não fui eu que escolhi...

Pat começou sua carreira em 1971, quando se fixou em Acra, capital do Gana, um dos países mais multiculturais do continente africano. Lá, passou a fazer parte de uma das bandas mais importantes do highlife, os Blue Monks (do guitarrista, arranjador e mito da música ganense, Ebo Taylor), que se notabilizaram pelas noites quentes que proporcionaram em sua residência no Tip Toe Nite Club.

— Comecei cantando músicas de Stevie Wonder, que é um mentor para mim, e um tanto de reggae, principalmente de Jimmy Cliff, que chegou às paradas de sucessos antes de Bob Marley. Mas eu também adoro Bob Marley! — corrige-se Pat. — Gostava também muito do meu tio (o lendário guitarrista King Onyina, colaborador de Nat King Cole) e de um monte de outros músicos que eu não vou mencionar porque posso esquecer algum.

Em meados dos anos 1970, o cantor, já em carreira solo e muito bem situado na cena de seu país, acompanhou de perto o desenvolvimento de uma nova e poderosa música, nascida do encontro da tradição africana com o jazz, o funk, o reggae e novos estilos — em especial, o afrobeat, criado na quase vizinha Nigéria pelo multi-instrumentista Fela Kuti.

— Foi ótimo estar nesse mesmo movimento musical de Fela e (do saxofonista camaronês Manu) Dibango — conta Thomas. — Fela costumava vir a Gana muitas vezes, e chegou mesmo a viver um tempo no país com seus músicos. Com ele e Tony Allen (baterista da banda do nigeriano e criador da batida do afrobeat), montamos um quinteto. Aí aconteceu de o meu produtor ter a ideia de chamar Tony para gravar comigo algumas músicas para as quais escrevi a letra. E foi o que aconteceu agora no meu novo disco.

O cantor se refere a “Pat Thomas & Kwashibu Area Band”, álbum que gravou no ano passado, em Acra, no estúdio Lovelite, em equipamento analógico, como 40 anos atrás. Além de Tony Allen, participaram das gravações Ebo Taylor, o organista e guitarrista Kwame Yeboah (que tocou com Stevie Wonder e Cat Stevens) e músicos jovens, como o baixista Emmanuel Ofori, o percussionista “Sunday” Owusu e a filha de Thomas, a cantora Nannaya.

Dividido entre recriações de hits do cantor e novas músicas, esse é o primeiro disco do astro do highlife desde 1991, e seu primeiro lançamento para o mercado internacional. O burburinho causado foi suficiente para inseri-lo, com sua banda, na programação dos principais festivais de música da Europa.

— (Correr os festivais) não é nada difícil para mim, é algo que estou adorando fazer. Estamos tocando juntos há uns dois anos, mas parece bem mais tempo. Viver em turnê não é novidade, passei minha vida inteira viajando para tocar. Hoje, de vez em quando fico meio gripado, mas tudo bem, dá para levar — conta Thomas, que propõe um intercâmbio musical entre seu país e o Brasil. — Vocês aí têm o samba, assim como nós temos o highlife. Vamos fazer um encontro dos dois para ver no que é que dá.

A missão agora, ele diz, é espalhar seu som pelo mundo:

— As coisas aconteceram para o álbum na Europa, mas ele ainda nem foi lançado na África. E vamos tentar levar alguns discos aí para o Brasil, é claro.

Source : Globo Online | 2016-11-11 06:30:00.0

O desembargador Siro Darlan, defendeu hoje sua posição em julgamentos de liminares do Plantão Judiciário do estado. O procurador-geral de Justiça do estado, Marfan Vieira, representou contra Darlan, no caso de um habeas corpus que beneficiou um réu já defendido pelo filho de Darlan. No artigo ao GLOBO, Darlan volta a dizer que é perseguido pela defesa das garantias individuais:

"O Desembargador Siro Darlan, visando esclarecer o conteúdo da reportagem publicada em O Globo no dia 29 de outubro, informa que o perfil garantista que marca suas decisões no plantão judiciário, onde atua voluntariamente, assim como o faz vários outros ilustres desembargadores mais antigos, é o mesmo que baseia seus acórdãos na Sétima Câmara Criminal, que preside, e que é uma das mais liberais e garantistas câmaras do Tribunal de Justiça. A Câmara através dos cinco desembargadores que a compõem e de seus dedicados servidores mantém um invejável índice de 92% das decisões de todos os processos que recebe no prazo médio de 35 dias. Além disso, é responsável pela expedição até o momento de 735 alvarás de soltura, contra quase mil que foram expedidos em 2015, e não foi o magistrado quem mais os deferiu.

Ultimamente, em razão do alto índice de violência, os juízes têm sido cobrados como solução de todos os problemas. Juízes não são justiceiros, mas garantidores de direitos. Acredito que o papel de um juiz é evitar toda forma de constrangimento aos direitos dos cidadãos. Por isso se filia às ações de ressocialização dos que cometem delitos, como as conduzidas pelo Afro Reggae e a CUFA que procuram oportunizar meios de retirar criminosos do crime. Muitas vezes essa posição é confundida e juízes garantistas em todo o Brasil têm sofrido perseguições por suas posições doutrinárias na interpretação das leis. Em São Paulo uma desembargadora ilustre está sendo processada por haver soltado um preso que já havia cumprido a pena. Em Manaus outro juiz está sendo acusado de ser muito liberal. No Rio de Janeiro um magistrado está sendo processado por haver absolvido um acusado de desacato utilizando uma poesia.

A sociedade está vivendo um momento altamente punitivista e o Brasil já tem quase 700 mil presos, sendo 42% presos provisórios. Essa é uma medida cara, injusta e que não pacifica a sociedade. Tanto assim que o STF e o Conselho Nacional de Justiça se empenharam na instalação das audiências de custódia e tem pregado a redução dessas prisões contra as quais a lei prioriza a aplicação das medidas cautelares.

Contudo quando um magistrado aplica essas medidas cautelares, cumprindo o mandamento legal, sofre esses recursos que quando amparados na lei são perfeitamente compreensíveis, mas quando se busca a condenação através do tribunal midiático é uma desqualificação do próprio judiciário".

Source : Globo Online | 2016-10-29 20:33:31.0

RIO - Os jovens Titãs Arnaldo Antunes, Branco Mello, Charles Gavin, Marcelo Fromer, Nando Reis, Paulo Miklos, Sérgio Britto e Tony Bellotto viajavam de ônibus, década de 1980. A certa altura, Miklos sacou uma fita cassete e mostrou aos colegas uma gravação de índios do Xingu: “É música para afugentar maus espíritos”. Ali mesmo, alguém cantou sobre aquela base: “Cabeça dinossauro/ Cabeça dinossauro/ Cabeça, cabeça, cabeça dinossauro”. Minutos depois, a letra completa estava pronta. Violenta, primal, com um sarcasmo que beira o nonsense, a música surgida na estrada funcionou como síntese do clássico álbum “Cabeça dinossauro” — que tem seus 30 anos celebrado na peça “Cabeça”, com estreia nesta quinta-feira no Sesc Ginástico, e no livro “Cada um por si e deus contra todos”, com contos inspirados nas suas faixas. Um disco que atacava os maus espíritos que rondavam o Brasil de 1986, em canções como “Polícia” e “Igreja”. E outros demônios internos da banda, lembra Gavin: Links Titãs

— Havia o momento do Brasil que estava se desenhando muito problemático, uma ditadura militar ainda se desmanchando, a morte de Tancredo. O clima era de desilusão, um cenário de distopia. E havia também nosso momento como banda. Tínhamos vindo de “Televisão”, nosso segundo disco, incompreendido pela gravadora (Warner), que não foi bem trabalhado. Isso nos provocou certo dissabor, ceticismo com a música, a carreira. Chegamos ao disco com raiva do mercado, da gravadora, de todo mundo.

O disco condensa essa raiva e desilusão — da banda, da geração — em 13 faixas, quase todas curtas (e grossas, algumas). Certas questões eram mais de uns que de outros — os ataques iconoclastas de “Igreja” eram importantes para Nando, mas Arnaldo se sentia desconfortável com eles a ponto de sair do palco quando a música era tocada ao vivo.

— O terceiro disco era o momento da verdade — lembra Pena Schmidt, produtor do disco ao lado de Liminha e Vitor Farias. — Os Titãs tinham crises entre se entregar à perfeição fonográfica ou à afirmação da rebeldia. Ali o resultado se equilibra faixa a faixa. A perfeição mântrica de “O que” abriu caminho para uns três discos seguintes. Dali saíram diplomados em produção e engenharia pop, prontos para assumir a própria carreira.

Por onde andam os ex-Titãs

A ideia central dos Titãs para o álbum era conseguir levar ao disco a sonoridade crua que a banda apresentava no palco.

— Ficamos só nós trancados no estúdio, tentando chegar no som que queríamos. E conseguimos, tanto que essa demo (lançada numa edição especial em 2012) traz arranjos bem próximos do disco. Já têm o que ficou conhecido como nossa marca — conta Branco.

Inspirado no álbum, o novo projeto do diretor teatral Felipe Vidal, “Cabeça”, é um documentário cênico que observa o signo da urgência — e a sua relação com a juventude — em dois tempos, 1986 e 2016. Em 1986, exortava a urgência de viver uma liberdade recém-adquirida, com o fim da ditadura, hoje, luta para manter tal conquista, num cenário mundial conturbado por crescentes forças conservadoras.

— Olhamos para 1986 e vemos aquele início de um novo momento histórico chegando ao fim. Hoje vemos uma retomada autoritária de poder, o retorno de uma mentalidade reacionária que, em 1986, ninguém poderia imaginar que voltaria com tudo 30 anos depois — diz Vidal.

Em vez de construir um espetáculo calcado em documentos históricos, e com a intenção de tecer um panorama geral sobre aquele tempo, o diretor optou por um recorte específico e uma abordagem poética, musical, que toma o disco “Cabeça dinossauro’’ como emblema de uma geração e de uma época em que a liberdade de crítica em relação ao poder estabelecido e às instituições começava a se tornar possível novamente. Discografia completa dos Titãs

“Cabeça” leva ao palco oito atores, que dão forma a uma banda e tocam a íntegra do álbum. Assim como um LP, a peça tem dois lados, ou atos, permeados por cenas e projeções que põem em diálogo acontecimentos dos anos 1980 e dos dias de hoje. Para conceber a dramaturgia, Vidal contou com a interlocução da pesquisadora — com foco em teatro documental — Daniele Avila Small. Juntos, tecem um arranjo dramatúrgico que concatena letras, fatos históricos e as memórias e experiências dos integrantes do elenco, que, nos anos 1980, eram adolescentes descobrindo o mundo (e a si próprios) através do som de bandas como os Titãs.

— Em 1986, ainda havia censura no Brasil, oficialmente, mas os Titãs lançaram uma faixa como “Igreja” e a cantavam em programas de TV. Não sem algum desconforto, claro. Mas em que programa de TV alguém cantaria hoje “Eu não gosto de bispo/ Eu não gosto de Cristo/ Eu não digo amém”? — ressalta Daniele.

Além da peça, o livro “Cada um por si e deus contra todos” (Tinta Negra), organizado por André Tartarini, toma o disco como ponto de partida. Com lançamento previsto para 24 de novembro, a obra trará contos inéditos inspirados nas 13 faixas do disco. Cada narrativa é assinada por um autor — Letícia Novaes, Juliana Frank e Renato Lemos entre eles — e há um texto introdutório de Tony Belloto.

— Enquanto no disco temos reggae, rock, funk, punk e até industrial, no livro os contos são levados para o humor, ou para o absurdo, ou para o tom confessional, narrativa linear ou mais abstrata — afirma Tartarini.

“Cabeça — Um documentário cênico”

Onde: Sesc Ginástico — Av. Graça Aranha 187, Centro (2279-4027).

Quando: Qui. a sáb., às 19h; dom., às 18h. Até 13/11.

Quanto: R$ 20.

Classificação: 16 anos

Source : Globo Online | 2016-10-20 06:30:00.0

RIO — Uma faixa inédita e censurada de "Refazenda", disco lançado por Gilberto Gil em 1975, foi divulgada no YouTube, nesta terça-feira, 41 anos depois, pelo cineasta baiano Jorge Alfredo, compositor da música. Links Gil

O artista explicou, em uma publicação no blog "Caderno de Cinema", mantido por ele, que a música, intitulada "Rato míudo", foi censurada por conta de seu refrão, que reproduzia os dizeres de seu certificado de reservista: "Por ter sido julgado incapaz, definitivamente, podendo exercer atividades civis".

"A gravação de Gil é muito bonita, mas, infelizmente, foi proibida pela censura. Se a gravação de 'Rato miúdo' tivesse sido incluída em 1975 no LP 'Refazenda' provavelmente seria considerado o primeiro reggae brasileiro. Gilberto Gil na voz e no violão Ovasion, Dominguinhos no acordeão, Moacir Albuquerque no baixo, e Chiquinho Azevedo na bateria. Swingue puro", exaltou.

Ainda segundo Jorge Alfredo, a censura fez com que Gil fosse proibido de tocar a música em seus shows e a retirou de "Refazenda", disco que apresentou composições como "Ela", "Pai e mãe", "Tenho sede", "Lamento sertanejo" e a homônima "Refazenda".

Até o momento, Gil não se pronunciou em suas redes sociais sobre a música inédita.

Ouça abaixo: Jorge Alfredo_Rato Miudo_Gilberto Gil

Source : Globo Online | 2016-10-19 12:07:19.0

Os escravos africanos levados a diferentes países das Américas a partir do século 16 deixaram nos locais para onde foram, além de sua história de dor e sofrimento, uma parte grande de sua cultura. Assim, elementos da música africana reunidos com novas técnicas e diferentes instrumentos deram origem à chamada Black Music (música negra). Jazz, blues, funk, rhythm and blues, soul, rock and roll, reggae, rap e samba estão dentro da vasta lista de gêneros que a compõem.

Foi a partir dos anos 1960 que as canções de James Brown e os lançamentos da emblemática gravadora Motown Records repercutiram para o mundo todo. A Motown foi a principal lançadora de artistas negros, desde seu surgimento, em 1959, até os anos 1970. Stevie Wonder, Diana Ross, Marvin Gaye, Louis Armstrong, Ella Fitzgerald, The Supremes e Jackson 5 são apenas alguns dos nomes que fizeram parte do catálogo de artistas da empresa.

Esse tipo de música fez muito sucesso e as mais dançantes, claro, foram parar nas pistas das discotecas dos mais diversos países. Em Araçatuba, não foi diferente. Nos anos 1980, a extinta danceteria Batuki, que era localizada no bairro Paraíso, dedicava a maior parte de sua seleção musical a artistas da Black Music. A fim de resgatar os velhos tempos, o produtor de eventos Robson Richard (mais conhecido como Robinho, que era frequentador assíduo do Batuki e costuma acompanhar baladas do gênero na capital paulista) resolveu realizar a festa "Flashback - Pegada Black", neste sábado (15), a partir das 22h, no espaço Casa Nova, em Araçatuba.

O evento terá três atrações locais: DJ Laércio Bachega (responsável pela discotecagem da antiga danceteria araçatubense), que toca das 22h às 2h, e os DJs Jhonny Wazagood e Pica-Pau, que se revezam no set até as 4h. Como frisa Robinho, a programação da noite começa com o flashback mais convencional (com músicas de artistas como Cindy Lauper, Michael Jackson, Bee Gees e Madonna, por exemplo); as músicas da black music começam a ser tocadas após a meia-noite.

INGRESSOS
Os ingressos para a pista custam R$ 15 e os do camarote (com open bar de cerveja, refrigerante e água), que estão no terceiro lote, custam R$ 60; os valores na portaria podem subir.

Os pontos de venda são a Hyppe Store (no piso superior do Araçatuba Shopping) e a Casa do Som (Rua do Fico, 1.680, Araçatuba), ou por meio do telefone (18) 99607-8264. Assinantes da Folha da Região com cartão FolhaVip pagam R$ 40 no ingresso para o camarote, adquirindo-o antecipadamente no Balcão de Anúncios da Folha (Rua Afonso Pena, 638, Araçatuba); o telefone é (18) 3624-7777.
Source : folhadaregiao.com.br | 2016-10-15 00:03:32.0

Mart'nália e Russo Passapusso vão animar a 18ª edição do Festival de Lençóis nesta sexta-feira, 14, na Chapada Diamantina. A programação ainda vai contar com show de Délcio Luiz e Cidade Liberal.O festival começou nesta quinta, 13, no ritmo de reggae de Lazzo Matumbi, que homenageou Roberto Carlos, cantando "Eu te amo" e "Sentado a beira do caminho". [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-10-14 15:31:00.0

Links : Bandas e Artistas de Reggae

reggaeportugal-comReggae Portugal

REGGAE PORTUGAL - Portal da música Reggae


reggaetrade-comReggaeTrade

O maior guia de cds e dvds de Reggae do Brasil.


uol-com-br-tribodejah-centralreggaeCentral Reggae

O reggae em todas as mídias



Pode apresentar uma Link nesta categoria