Bandas e Artistas de Reggae

País : Jamaica

Representante canções exemplos de Reggae



Videos do Reggae

Video clips do Reggae (YouTube e DailyMotion)

Artistas ou Grupos

340ml(2)[video]  -  Abdel Wright(1)  -  Abdou Day(2)  -  Abdoul Jabbar(1)  -  Abega(3)  -  Abijah(3)  -  Adioa(4)[informações]  -  Admiral Bailey(4)  -  Adrien Bass(1)  -  African Brothers(3)  -  African Bush Doctor(0)[video]  -  African Head Charge(17)[informações]  -  Agana(1)[video]  -  Ahmed Faras(0)  -  Akwe(0)  -  Al Campbell(11)  -  Al Pancho(1)  -  Albert Griffiths(0)  -  Alex Kajumulo(1)  -  Ali Moindzani(0)[video]  -  Alpha Blondy(25)[informações][audio][video]  -  Alpha Mim(1)  -  Alpha Oméga(1)  -  Alpha Rowen(1)[video]  -  Alpha Wess(1)  -  Amazulu(8)  -  Andrew Tosh(4)  -  Anguilé(1)  -  Annette Brissett(1)  -  Anthony B(21)[informações][video]  -  Anthony Johnson(2)  -  Apple Gabriel(4)  -  Arkaingelle(1)  -  Asher Senator(1)  -  Askia Modibo(1)[informações]  -  Aston "Family Man" Barrett(2)  -  Aswad(28)[video]  -  Augustus Pablo(33)[informações]  -  Aziz Wonder(0)[informações]  -  Babadi(5)[video]  -  Baby G(1)  -  Back Jardel(1)  -  Backom(2)  -  Baco(5)[informações][video]  -  Bafing Kul(1)  -  Baloji(1)  -  Baraka Oyuru(1)  -  Barbara Jones(0)  -  Barrington Levy(37)[video]  -  Barrington Spence(3)  -  Barry Brown(4)  -  Baster(12)[video]  -  Bee Pasteef(1)  -  Benjam(6)[video]  -  Benz'n(1)  -  Beres Hammond(28)[informações][video]  -  Big Youth(23)[informações][video]  -  Billy Boyo(2)  -  Bim Sherman(25)[informações]  -  Bingui Jaa Jammy(4)[informações][video]  -  Black Medio(0)  -  Black Roots(6)  -  Black Uhuru(34)[informações]  -  Bob Andy(5)  -  Bob Dahilou(1)[informações]  -  Bob Marley & The Wailers(11)[informações][video]  -  Bobby Ellis(2)  -  Brigadier Jerry(6)  -  Brother Ayouba(1)[video]  -  Buju Banton(19)[informações][video]  -  Bunny Wailer(26)[informações]  -  Burning Spear(41)[informações][video]  -  Burro Banton(3)[informações]  -  Bushman(11)[video]  -  COUP SEC(1)  -  Capleton(20)[informações][video]  -  Carl Harvey(1)  -  Carlene Davis(7)[informações]  -  Cedric "Im" Brooks(5)  -  Cedric 'Congo' Myton(3)  -  Chaka Demus & Pliers(8)[informações][video]  -  Charlie Chaplin(10)  -  Chata Addy(2)  -  Chezidek(4)[informações]  -  Chow Panachie(1)  -  Chrisinti(2)  -  Clancy Eccles(3)[informações]  -  Cliff Brown Tchiepi(0)  -  Clint Eastwood(3)  -  Clinton Fearon(9)  -  Clive Hunt(1)  -  Cocoa Tea(39)[informações]  -  Cornell Campbell(16)[video]  -  Cultural Roots(2)  -  Culture(32)  -  Défoul' la mêm(4)  -  Daddy Freddy(11)  -  Daddy Nuttea(5)[informações]  -  Daddy Rings(3)  -  Damian Marley(4)[informações][video]  -  Daweh Congo(7)  -  Deïdo Tree(0)  -  Dean Fraser(9)[informações]  -  Delroy Washington(2)  -  Delroy Williams(1)  -  Delroy Wilson(10)[informações]  -  Dennis Brown(90)[informações][video]  -  Dezarie(3)  -  Diana Rutherford(1)  -  Didyé Kérgrain(1)  -  Dillinger(9)  -  Dj Dan(2)  -  Djama(4)[video]  -  Djos Kezo(0)  -  Dolé(0)  -  Don Carlos(1)  -  Doniki(1)  -  Dr Mooch(1)  -  Dr. Alimantado(8)  -  Dread Maxim(2)  -  Earl Chinna Smith(3)  -  Earl Sixteen(5)[informações]  -  Earth and Stone(1)  -  Eek a Mouse(16)  -  Elie Kamano(1)[video]  -  Elijah Prophet(1)  -  Empress Ayeola(1)  -  Energy Crew(1)  -  Eric Donaldson(14)  -  Ernest Ranglin(13)  -  Etana(1)[video]  -  Fôô Fanick(0)[video]  -  Fac Alliance(3)[video]  -  Fadal Dey(0)[video]  -  Frankie Paul(7)[informações]  -  Freaky Joe aka Sing'A'Teh(1)[video]  -  Fred Locks(3)  -  Freddie Mc Gregor(41)  -  Ganga Vibes(0)  -  Garnett Silk(8)[informações]  -  Gato Negro(1)  -  General Degree(3)  -  Gladstone_Anderson(3)  -  Glen Washington(16)  -  Gondwana(5)  -  Guya Tchendo(0)  -  Gyptian(5)[video]  -  Half Cast(0)[video]  -  Harry Mo(1)  -  Hass Keita(0)  -  Hass Mosa(2)[video]  -  Hoba Hoba Spirit(0)[informações]  -  Horace Andy(44)[informações][video]  -  Horace Martin(3)  -  Hugh Mundell(8)  -  I Roy(17)[video]  -  I-Three(2)  -  Ijahman(24)  -  Inner Circle(21)[informações]  -  Innocent Galinoma(1)[video]  -  Ismaël Isaac(7)[informações][video]  -  Ismaël Wonder(1)  -  Israel Vibration(33)[informações][video]  -  Jackie Mittoo(29)[informações]  -  Jacob Miller(8)[informações]  -  Jah Cure(5)[informações][video]  -  Jah Lion(1)  -  Jah Lloyd(3)[informações]  -  Jah Mali(2)  -  Jah Mason(11)[informações]  -  Jah Milk(1)  -  Jah Nesta(1)  -  Jah Prince & The Prophets Band(1)  -  Jah Shaka(17)[informações]  -  Jah Stitch(4)[informações]  -  Jah Woosh(2)  -  Jah'Key Malle(0)  -  Jahel(0)  -  Jahwise(3)[video]  -  Jamadom(2)  -  Jede I Tafari(0)[video]  -  Jerry Jheto(1)  -  Jhiko Manyika(3)  -  Jim Kamson(1)  -  Jimmy Cliff(35)[informações]  -  Jimmy Riley(14)  -  Joe Gibbs(7)  -  Joe Higgs(3)[informações]  -  John Chibadura(7)[informações]  -  John Holt(42)  -  Johnny Clarke(8)[informações][video]  -  Joseph Cotton(8)  -  Josey Wales(3)  -  Judy Mowatt(10)[informações]  -  Julian Marley(4)[informações]  -  June Lodge(2)  -  Junior Delgado(23)[informações]  -  Junior Kelly(9)[informações][video]  -  Junior Murvin(3)[informações]  -  Junior Reid(19)[informações]  -  Justin Hinds(7)[informações]  -  Kajeem(2)[video]  -  Kalash(3)  -  Kaliroots(2)  -  Kalory Sory(1)  -  Kana(2)  -  Keith Hudson(11)  -  Ken Boothe(35)  -  Kiddus I(3)[informações]  -  King David(1)  -  King Sounds(7)  -  Kizito(2)[video]  -  Koko Dembele(1)  -  Kom'Zot(4)  -  Kuami Mensah(0)[video]  -  Kulcha Far I(3)  -  Kussondulola(6)[video]  -  Kwame Bediako(3)  -  Ky Mani Marley(1)  -  Kâyamanga(1)  -  Larry Cheick(1)  -  Lee "Scratch" Perry(22)  -  Leroy Brown(1)  -  Leroy Smart(6)  -  Linton Kwesi Johnson(15)[informações][video]  -  Linval Thompson(3)[video]  -  Little John(4)  -  Little Roy(7)[informações]  -  Lord Of Ajasa(1)  -  Luciano(41)  -  Lucky Dube(20)[informações][audio][video]  -  Lutan Fyah(11)  -  Lyricson(3)[video]  -  Macka B(17)[informações]  -  Mad Cobra(7)  -  Madoxx(0)  -  Maiko Zulu(1)  -  Majek Fashek(4)[informações][video]  -  Manleo(1)  -  Marcel Salem(2)[video]  -  Marcia Aitken(1)  -  Marcia Griffiths(18)[informações]  -  Marlaoui(0)  -  Marlon Asher(2)  -  Marloy(1)  -  Maroghini(2)[informações]  -  Mawana Slim(1)  -  Max Romeo(29)[informações]  -  Maxi Priest(13)  -  Mc Duc(1)  -  Merger(1)[video]  -  Message Roots(1)  -  Michael Prophet(21)[informações]  -  Michael Rose(27)[video]  -  Michael Smith(1)  -  Michel Legris(0)[video]  -  Mikey Dread(21)[informações]  -  Mikey General(2)  -  Mikey Ras Starr(1)  -  Mikey Spice(6)  -  Milton Henry(1)  -  Mireille Tikry(0)[video]  -  Misty in Roots(9)[informações]  -  Mo'Kalamity(2)  -  Momo Roots Soumah(1)  -  Morgan Heritage(14)[informações][video]  -  Moses I(1)  -  Muinguilo(2)  -  Mutabaruka(12)[informações]  -  Mystic Man(1)  -  NNeka(6)  -  NZH(0)[video]  -  Naftaly(1)  -  Nasio Fontaine(5)[informações][video]  -  Nasty D(6)  -  Natty Dread Reunion(4)  -  Nazarenes(3)  -  New Breed(1)  -  Nicy(1)  -  Nikko(4)  -  Niominka-bi(6)[informações]  -  Norris Reid(2)  -  Nuttea(10)[informações]  -  Nyala(1)  -  Nzela(2)  -  O'Yaba(5)  -  Olmyta(0)[video]  -  Pablo Gad(1)  -  Pablo Moses(15)[informações][video]  -  Pach Jahwara(0)  -  Papa San(11)[informações]  -  Paps Natty General(0)  -  Patra(2)[video]  -  Patrick Persée(4)[video]  -  Peter Broggs(9)[informações]  -  Peter Tosh(17)[informações][video]  -  Peterside Ottong(2)  -  Philip Toussaint(1)  -  Poglo(4)  -  Prince Alla (Prince Allah)(13)[informações]  -  Prince Far I(19)[informações]  -  Prince Jazzbo(1)[informações]  -  Prince Lincoln Thompson(5)  -  Prince Osito(0)  -  Queen Ifrica(2)[video]  -  Queen Omega(4)  -  Racine des Iles(1)  -  Ramses De Kimon(1)[informações]  -  Ranking Dread(3)[informações]  -  Ranking Joe(2)[informações]  -  Ras Amadeüs Bongo(1)  -  Ras Dumisani(2)[informações]  -  Ras Elia Hassou(0)  -  Ras Ly(0)[video]  -  Ras Natty Baby(6)[video]  -  Ras Naya(0)  -  Ras Noël(5)  -  Ras kimono(2)  -  Rasbawa(4)  -  Rass Kwame(1)  -  Rass Shiloh(5)  -  Richie Spice(7)[informações][video]  -  Rico Rodriguez(4)[informações]  -  Rita Marley(6)[informações]  -  Rocky Dawuni(5)[informações]  -  Rod Taylor(2)  -  Rootz Underground(2)  -  Salim Jah Peter(1)  -  Sally Nyundo(0)[video]  -  Salone Ishmael(2)  -  Salone JR(1)  -  Samx(4)  -  Saël(4)[video]  -  Scientist(13)  -  Sean Paul(7)[informações]  -  Selasee Atiase(1)  -  Serges Kassy(3)[video]  -  Seyni & Yéliba(2)  -  Shasha Marley(1)  -  Sistah Mad'Ness(0)  -  Sister Carol(7)[informações][video]  -  Sizzla(36)[informações][video]  -  Sly & Robbie(24)  -  Soumaïla Diarra(0)[informações]  -  Spraggy(1)  -  Steel Pulse(18)[informações]  -  Stephen Marley(3)[video]  -  Taj Weekes(3)  -  Takana Zion(4)[video]  -  Tangara Speed Ghôda(2)[video]  -  Tanya Stephens(5)[informações][video]  -  Tarrus Riley(3)[video]  -  Tatu Clan(1)[video]  -  Teba Shumba(0)[video]  -  Teezy(1)  -  Terry Linen(3)  -  The Abyssinians(11)[informações][video]  -  The Aggrovators(13)  -  The Black Missionaries(0)[video]  -  The Chantells(1)[informações]  -  The Congos(13)[informações]  -  The Ethiopians(11)[informações]  -  The Gladiators(40)  -  The Heptones(16)[informações][video]  -  The Itals(10)[informações]  -  The Mandators(1)  -  The Meditations(9)[informações]  -  The Melodians(5)  -  The Mighty Diamonds(38)  -  The Mighty Three's(1)  -  The Rastafarians(1)[informações]  -  The Royals(2)  -  The Slickers(2)[informações]  -  The Tamlins(8)  -  The Twinkle Brothers(45)  -  The Viceroys(5)  -  The Wailers(11)  -  Third World(18)  -  Tiken Jah Fakoly(12)[informações][video]  -  Tommy McCook(15)[informações]  -  Tommy T(1)  -  Tony Roots(1)  -  Tony Tuff(20)  -  Toots and the Maytals(27)  -  Trinity(6)  -  Triston Parmer(1)  -  Turbulence(11)  -  U Brown(5)  -  U Roy(22)  -  V Santym(0)  -  VIB(1)  -  Vagabond Squad(0)  -  Valley(2)  -  Vickson(0)[video]  -  Waby Spider(3)  -  Wailing Roots(1)  -  Wailing Souls(18)  -  Wailing Souls(10)[video]  -  Wanamah(0)  -  Warrior King(3)  -  Wayne Wade(3)  -  Welton Irie(6)  -  Willie Williams(4)  -  Winston Jarrett(6)  -  Winston Mc Anuff(6)  -  X-MAN(1)  -  Yabby You(9)[informações]  -  Yami Bolo(13)  -  Yaya Yaovi(1)[video]  -  YeahmanC(2)  -  Yellowman(56)[informações][video]  -  Yongy Lorenzo(0)  -  Youss Nassa(0)[video]  -  Zêdess(3)[video]  -  Zed-I(1)  -  Zhou-Mack(1)  -  Ziggy Marley(17)[informações]  -  Zoanet Comes(4)  -  

Compilações

Afro Reggae Party(1)  -  Dancehall Nice Again(3)  -  Fly African Eagle(1)  -  Planete Reggae(1)  -  Raggae Gold(10)  -  Raggae-Kolor(1)  -  Reggae Africa(1)  -  Reggae Meets Africa(1)  -  Reggae Over Africa(1)  -  Sun Splash(0)  -  

Notícia : Bandas e Artistas de Reggae

RIO - "Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós, e que a voz da igualdade seja sempre a nossa voz...", cantou a Imperatriz Leopoldinense em 1989, levando o caneco daquele carnaval. Para quem não se lembra, o refrão-libelo dos compositores Niltinho Tristeza, Preto Joia, Vicentinho e Jurandir, um clássico de qualquer roda de samba, celebrava a República, então uma vetusta senhora comemorando cem anos.

E foi a partir dela, a República - hoje um pouco mais rejuvenescida e buliçosa, às vésperas de mais uma eleição presidencial -, que o historiador André Diniz e o pesquisador de música brasileira Diogo Cunha deram início a um levantamento do tamanho de uma Marquês de Sapucaí em domingo de carnaval: a lista das canções brasileiras que contam a história política do país.

Da queda da monarquia ao governo Dilma, os dois chegaram a 200 músicas, cujas histórias, esmiuçadas, compõem o livro que acaba de ser lançado pela Zahar "A República cantada: do choro ao funk, a história do Brasil através da música".

- A pesquisa começou há quase dez anos, era um Frankenstein, muito grande. São cem anos de música e de história do Brasil - relata Diniz, que abandonou a ideia na gaveta e nesse meio-tempo lançou o "Almanaque do carnaval", o "Almanaque do choro", o "Almanaque do samba" e as biografias "Joaquim Callado, o pai do choro" e "O Rio musical de Anacleto de Medeiros". - O grande barato foi compreender que a música brasileira não é só boa para ouvir, ela é boa para conhecer a história do país, para entender os muitos países que existem dentro do Brasil. O livro recupera a história política, quando o mais comum é recuperar a história cultural. Não foi simples. Nosso corte foram os acontecimentos políticos mais importantes desse período entre 1889 e 2014. Tanto é que nós citamos todos os presidentes. Todos foram cantados.

A varredura passa por lundus, modinhas, hinos, enredos de clubes de carnaval, polcas, maxixes, choros, marchas, ranchos, sambas, bossas, rocks, raps, funks. Todos os principais episódios históricos do país foram referenciados por músicas, como indica a pesquisa da dupla - das crises do governo do marechal Floriano Peixoto (fez muito sucesso no carnaval de 1893 a pagodeira "Florianal", que satirizava o então presidente, mas não da forma que o leitor pode estar pensando) às manifestações de 2013 (representadas pela música "Vem pra rua", do grupo O Rappa). Uma das conclusões de Diniz é que não há um período mais crítico do que outro.

- As pessoas tendem a achar que na ditadura militar a música foi mais crítica. Na ditadura, o processo crítico foi mais complexo, mas não necessariamente mais profícuo. A ditadura é um momento em que a música faz uma interlocução com outras linguagens, e desse ponto de vista é um momento singular. Mas há muitos momentos em que a música se colocava também como bandeira. Por exemplo, a geração do BRock estava tão sufocada que, quando se expressa, vai num crescente que diz até que vai matar o presidente (refere-se à música "Tô feliz (matei o presidente)", do rapper Gabriel O Pensador, composta no governo Collor). Cada momento tem sua reflexão crítica própria.

O pesquisador Diogo Cunha, coautor, com Diniz, dos livros "Nelson Sargento" e "Na passarela do samba", lembra que nem só de grandes episódios se alimenta a crônica pulsante das canções brasileiras. Pelo contrário. Muitos acontecimentos corriqueiros e notícias comezinhas também foram lembrados pelo cancioneiro popular.

Ele cita um episódio ocorrido durante a gestão turbulenta do marechal Hermes da Fonseca, que foi presidente entre 1910 e 1914 e era chamado nas ruas de "Dudu". Certa vez, ele pegou dinheiro emprestado de um banco inglês e decidiu aplicá-lo num russo. Mas o montante do militar foi confiscado pelo governo para financiar a ditadura comunista. O povo não aguentou. Tornou-se popular a canção "Ai, Philomena", do compositor J. Carvalho, lançada em 1915: "Ai, Philomena, se eu fosse como tu/ Tirava a urucubaca da careca do Dudu".

Outra história garimpada por eles foi a da marchinha "Seu Julinho", composta por Sinhô para enaltecer Júlio Prestes, então candidato à Presidência numa eleição que caiu num domingo... de carnaval. Dizia a letra: "Eu ouço falar/ Que, para o nosso bem, Jesus já designou/Que seu Julinho é que vem".

- Muitas músicas sumiram por serem datadas, e por isso nos causaram tanta surpresa quando as descobrimos - nota Cunha, para quem a maior surpresa foi a descoberta da música "Rei Chicão", de Wilson Baptista, uma clara alusão ao presidente Getúlio Vargas. - Na letra, ele diz "Hoje quem sobe o morro vê aquele velho caído no chão, não conhece sua história, ele foi o Rei Chicão/ Foi há mais de trinta anos, ajudou a vencer a revolução, as autoridades lhe entregaram o morro, ele então coroou-se Rei Chicão" (cantarola). Quase não é conhecida, é uma canção belíssima.

De todos os presidentes, Getúlio Vargas foi o mais cantado, contam os pesquisadores, que dedicaram a ele um capítulo. Em 1932, Lamartine Babo compôs a marcha "Gê-é-Gê"; em 1938, a dupla Nássara e Cristóvão Alencar tornou popular a cantiga "A menina presidência". No carnaval de 1956, a Mangueira defendeu o samba "O grande presidente", de Padeirinho. Anos depois, a dupla Alvarenga e Ranchinho cantou "Quem não conhece esse baixinho, tão gordinho, que agora tá quietinho?

Já morou lá no Catete quinze anos, hoje tá só 'urubuservano'". Nem Chico Buarque resistiu: em parceria com Edu Lobo, compôs "Doutor Getúlio" ("Abram alas que o Gegê vai passar..."). A lista é tão rica que em 1989 foi lançado um álbum por Beth Carvalho e João Nogueira intitulado "O grande presidente: homenagem à memória do presidente Getúlio Vargas".

O contrário também está no livro, que é recheado de informações históricas complementares e curiosas: a música preferida de Getúlio era "A jardineira", dos compositores Benedito Lacerda e Humberto Porto. Nos momentos de aflição, contam Diniz e Cunha, Getúlio pedia para o "cantor das multidões" Orlando Silva entoar os versos da "camélia que caiu do galho, deu dois suspiros e depois morreu".

Juscelino Kubitschek também foi bastante cantado, bem como os desmandos de Jânio Quadros e o poder escasso de João Goulart (foi para ele que Herivelto Martins compôs "Que rei sou eu?", canção que ironizava seu esvaziamento político com os versos "que rei sou eu/ sem reinado e sem coroa, sem castelo e sem rainha?").

A ditadura militar ganha um capítulo detalhado, com linha do tempo para ajudar o leitor a não se perder no período que deu à história da música popular pérolas como "Cálice", "Vai passar" ou "Para não dizer que não falei de flores" - aliás, quem pensaria que o presidente militar Costa e Silva, por exemplo, adorava "Carolina", de Chico Buarque?

- A história da música brasileira é riquíssima, cheia de detalhes surpreendentes e saborosos, mesmo num tema que em princípio soa árido, como a política - reforça Diniz. - A crítica está por toda parte, quem acha que a música brasileira é alienada é porque não a conhece.

Um dos exemplos é o da "Geração Coca-Cola", referência à música homônima do grupo Legião Urbana: listadas, as canções com referências políticas da geração Diretas Já somam quase 30 exemplos. Entre elas, "Homem primata", dos Titãs; "Inútil", do Ultraje a Rigor"; "O eleito", de Lobão em parceria com Bernardo Vilhena, que atacava até a faceta de escritor do então presidente Sarney; "Que país é esse?", também do Legião Urbana; "Ideologia", de Cazuza; e "É", de Gonzaguinha.

Dos tempos mais recentes, já nos anos 1990, os pesquisadores garimparam preciosidades como um samba-enredo de Lenine e Bráulio Tavares para o bloco de carnaval Suvaco do Cristo fazendo críticas à gestão do ex-presidente Collor (“E a República? República dos vira-latas, das concordatas, do economês/ República do golpe baixo, é muito escracho com a cara de vocês”); uma música de Gaúcho da Fronteira ironizando a ex-ministra da Economia Zélia Cardoso de Mello (“Tia Zélia disse e falou: não é como antigamente/ O povo que se prepare, no pacote tem presente”); e o samba-jingle “Se não fosse a ajuda da rapaziada”, um escracho do repertório de Bezerra da Silva, do mesmo período, que cantava “É o candidato caô, só visita o morro quando é tempo de eleições”.

- O final dos anos 1990 também é rico em canções críticas, mas muitos só se lembram das mais conhecidas, como Herbert Vianna cantando os “trezentos picaretas com anel de doutor” ou o “Rap da felicidade”, do Cidinho e Doca — lista Cunha, lembrando ainda que o paralelo paulistano do famoso verso “Eu só quero é ser feliz, andar tranquilamente na favela onde eu nasci...” é o refrão do pagode “Senhor presidente”, do grupo Negritude Júnior: - “Senhor presidente, espero que se encontre bem, pois a nossa gente ainda anda esmagada no trem, idosos vendendo pipoca e amendoim, que país é este, meu Deus, o que será de mim?”.

O livro, que será lançado no próximo sábado com uma roda de samba temática no Candongueiro, em Niterói, tem ainda referências ao grupo pernambucano Nação Zumbi (“A cidade”); ao grupo de reggae Tribo de Jah (“Globalização”, música que cita até a crise dos tigres asiáticos na virada dos anos 2000); ao rapper Gog (“Ei, presidente”); à dupla de repentistas Caju e Castanha (“A Fome Zero zerou”); e até ao grupo de funk Gaiola das Popozudas (“Funk do Lula”, que começa com os versos emblemáticos “Conheci o Lula no Complexo do Alemão, e ele não tirou o olho do meu popozão” e termina com “O funk não é problema, para alguns jovens é a solução, quem sabe algum dia viro ministra da Educação”).

Se estas eleições ainda não renderam nenhuma música, a conclusão a que se chega ao final da leitura do livro é que é só uma questão de tempo. Um último exemplo? Na campanha presidencial de 2010, durante um corpo-a-corpo, o então candidato José Serra fora atingido por uma bolinha de papel, incidente que o levou ao hospital para um raio x. O episódio não demorou muito para ser transformado em samba, no caso, “Bolinha de papel”, de autoria de Tantinho da Mangueira e do atual presidente da Portela, Serginho Procópio.

Serviço:

“A República cantada: do choro ao funk, a história do Brasil através da música”

Autores: André Diniz e Diogo Cunha

Editora: Zahar

Quanto: R$ 39,90

Source : Globo Online | 2014-09-14 12:00:00.0

Luau Capibaribe acontece no DNA Natural, na Avenida Rui Barbosa. Madeira Delay, Zero Bronca e The General Band se apresentam.
Source : G1.com.br | 2014-09-12 23:44:04.0

Álbum 'Galhos Concatenados' do Tio Zé Bá pode ser conferido na íntegra. Músicas do disco podem ser ouvidas e baixadas até o fim de setembro.
Source : G1.com.br | 2014-09-07 12:13:01.0

Gilberto Gil estreia no Festival de Inverno Bahia e marca sua passagem. Show teve "Tempo rei", "Realce", "A Paz", além de reggae, samba e xote.
Source : G1.com.br | 2014-08-30 06:23:44.0
Comemoração. Banda celebra 20 anos do álbum “Sobre todas as forças” - Divulgação

NITERÓI - Se todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite, como diz a música do Cidade Negra, os moradores de Niterói têm amanhã uma boa opção. A banda faz show no Bar do Meio, em Piratininga, às 22h, e comemora os 20 anos do álbum “Sobre todas as forças”, que reúne hits como “Pensamento” e “Onde você mora?”.

— Temos muita gratidão pelo álbum. Ele deu visibilidade para a banda e para o reggae no momento necessário. Com a turnê, é como se estivéssemos fechando um capítulo e dizendo: muito obrigada pelo que você trouxe para a gente — comenta o vocalista do grupo, Toni Garrido.

Além das músicas do álbum, o Cidade Negra deve apresentar o repertório de outros discos, como o mais recente, “Hei afro”, de 2012.

— Pode parecer piegas, mas Niterói é um dos três lugares do mundo que eu mais gosto de tocar. A energia é impressionante e faz com que os shows sejam muito especiais — diz Garrido, que no começo da carreira tocava na cidade com os niteroienses Arthur Maia e Claudio Zoli.

A relação da banda com a cidade não para por aí: o baixista Bino Farias é morador da Região Oceânica. Nos próximos meses, ele, Garrido e o baterista Lazão pretendem lançar o 14º álbum da banda, ainda sem título.

No começo de 2015, o grupo planeja gravar ainda um álbum de tributo a Gilberto Gil, de quem, para Garrido, o Cidade Negra é um filho natural.

SERVIÇO

O show do Cidade Negra acontece amanhã, às 22h, no Bar do Meio (Avenida Almirante Tamandaré 1.023, Piratininga). O valor dos ingressos varia de acordo com os lotes, que vão de R$ 80 a R$ 160 — com meia-entrada para estudantes e para quem levar um quilo de alimento não perecível. Classificação: 18 anos. Mais informações pelo telefone 2619-2505.

Source : Globo Online | 2014-08-22 20:00:00.0

Rio — Se ainda estivesse vivo, Bob Marley completaria 70 anos em 2015. Para comemorar a data o CenterStage está produzindo o musical "Marley", sobre a vida e obra do cantor de reggae jamaicano.

A história será ambientada no fim dos anos 1970, época em que Bob se exilou voluntariamente em Londres, onde gravou os álbuns "Exodus" e "Kaya". A decisão de deixar a Jamaica e morar na Inglaterra foi tomada depois que ele e sua banda foram vítimas de um atentado durante um ensaio para o concerto "Smile Jamaica”, em 1976.

Ainda sem elenco escolhido a montagem será escrita e dirigida por Kwame Kwei-Armah, e tem estreia prevista para maio de 2015. O show contará com canções compostas pelo músico, incluindo as canções "Exodus" e "Rastaman Vibration", escritas durante o exílio. "Marley" é uma colaboração entre o Baltimore’s Center Stage e The Public Theater de Nova York.

"Escrever esta peça é a minha forma de homenagear tudo o que eu aprendi com Marley ao longo dos anos" disse Kwei-Armah ao site oficial do músico.

O espetáculo tem a aprovação da família de Marley. "Estamos muito contentes com esse trabalho. Ficamos bastante atentos a escolha dos artistas que reproduzem o legado do nosso pai", ressalta Cedella Marley, filha do músico.

Morto em 1981, Bob Marley já vendeu mais de 50 milhões de álbuns em todo mundo. E sua popularidade permanece grande. A página oficial do cantor no Facebook tem mais de 69 milhões de fãs.

Source : Globo Online | 2014-08-21 17:35:01.0
Humor. Os meninos do Rivotrio 2mg: trio de músicos de Niterói conquista o público com canções de variados gêneros e um repertório muito bem-humorado - Márcio Alves / Agência O Globo

NITERÓI - Dentro do gigantesco universo da farmacologia, o Rivotril é um medicamento famoso que atua como ansiolítico, anticonvulsivante e relaxante muscular. Já em Niterói, o Rivotrio 2mg tem efeito inversamente proporcional. A banda tem provocado sintomas severos de agitação, histeria e gargalhadas incontroláveis no público que frequenta o cenário musical undergound da cidade.

FESTIVAIS NO CURRÍCULO

Formado pelo vocalista e guitarrista Lucas Araújo, o Mad Lucas; pelo baixista Marcelo Fontenelli, o Chef; e pelo baterista Pedro Tentilhão, o Marreta, o trio abriu shows para o Matanza e BNegão e participou de festivais importantes da cena alternativa, como o Fora do Eixo e o Araribóia Rock.

— O Rivotrio 2mg configura-se no somatório da sonoridade limpa mais suja de que se tem registro. São letras irreverentes e descontraídas, temáticas originárias de histórias cotidianas e utilização de expressões bem particulares — tenta definir Mad Lucas.

Determinar, aliás, em que seara musical navega o Rivotrio 2mg pode ser um tanto quanto complicado. Para definir a banda, é preciso, primeiro, entender a origem do grupo. A história começou em 2010, quando Lucas e um grupo de amigos faziam faculdade de Produção Cultural na UFF. Como os meninos apreciavam mais a arte de escolher nomes para bandas do que criar propriamente músicas para um único grupo, eles passavam horas nomeando diferentes conjuntos, um para cada estilo musical. A formação, no entanto, era sempre a mesma.

— Houve uma época em que nós tínhamos um monte de bandas, porque queríamos tocar vários gêneros musicais que não cabiam num mesmo grupo. Tivemos, ao mesmo tempo, um grupo de ska, que era o Skapamento; um de reggae, o MaracuJah; um de pagode, o Cheiro de Janta; e um sertanejo, o Peganimim & Balança — enumera Mad Lucas.

ATÉ O NOME É UMA SÁTIRA

Logo depois, surgiu a oportunidade de tocar no Encontro Nacional de Estudantes em Arte, em Ouro Preto. Como não havia uma maneira de inscrever todas as bandas ao mesmo tempo, nasceu o Rivotrio 2mg: uma sátira carinhosa aos mais diversos estilos musicais, com influências que vão de Metallica a Almir Satter.

O primeiro CD do trio, o "Tarja preta" foi lançado em junho de 2012. São sete faixas, com destaque para o samba rock "Vem morena", que fala sobre um homem que se apaixona, mas descobre que sua musa é, na verdade, um muso. Outra pérola é a country music "Wall the sea e a pranta" (lê-se "Valdeci e a pranta"). A canção é uma queixa de uma empregada ao filho da patroa, que quebrou o vaso de planta.

— Esse é um disco com várias experimentações. Tem ska com axé, um rock que se chama "Urróq" e um sertanejo bem inapropriado — afirma Marreta.

Atualmente a banda está gravando o segundo CD de estúdio, o "Procure um médico". O disco deve sair até dezembro, e os integrantes prometem que será ainda mais ácido.

— Esse será mais crítico. O primeiro era até bem light — diz Lucas, com um sorriso no canto da boca.

Source : Globo Online | 2014-08-12 19:00:00.0

RIO DAS OSTRAS - A chuva bem que tentou - logo no show de Pepeu Gomes, que respondeu à altura do aguaçal -, mas não esteve nem perto de estragar o primeiro fim de semana do Rio das Ostras Jazz & Blues Festival. Realizado há 12 edições no balneário da Região dos Lagos, o evento vem se consolidando no calendário cultural do estado e se gaba de ser "o maior do gênero na América Latina". Atrai, de fato, milhares de pessoas para a cidade a 165 km do Rio de Janeiro, que desta vez puderam optar por dois fins de semana: este e o próximo.

Rick Estrin & The Nightcats, Carlos Malta e Pife Muderno, Marcus Miller, Larry McCray, Raul Midón e o já citado Pepeu foram as principais atrações do três primeiros dias - neste domingo, Estrin e Midón fazem repetecos de seus shows em palcos menores e mais intimistas que o Costazul, onde se apresentaram na sábado.

Na sexta-feira, Malta e seu grupo, formado por grandes percussionistas como Oscar Bolão e Marcos Suzano, levaram até dançarinas para o palco. Um atraso por causa da passagem de som fez com que os shows entrassem madrugada adentro, e Pepeu foi deixar o palco só às 6 horas da manhã de sábado. Com um público considerável encarando o frio e o cansaço para assisti-lo.

Pepeu abençoado

Preparada com capas e guardas-chuvas, a plateia não arredou o pé e dançou sem parar no show de Pepeu Gomes - Divulgação/Cezar Fernandes

Mas foi no sábado, no show que fez às 14h15 no Palco Iriry, que Pepeu e seu público passaram pela maior prova. As nuvens despejaram um pesado pé d'água bem na hora da apresentação. Preparada com capas e guardas-chuvas, a plateia não só não arredou o pé, como dançou sem parar ao ver o guitarrista tocar clássicos como "Um bilhete para Didi" e "Malacaxeta" e versões nada ortodoxas do Hino Nacional, de "Tico-tico no fubá" e de "Vassourinha", que ganhou uma pegada de afoxé.

- Hoje estamos dando um cacete na chuva - comemorou ele, para logo emendar mais um solo, ao lado da banda familiar que conta com os irmãos Didi (baixo) e Jorginho (bateria) e o filho Filipe Pactual, também guitarrista.

Marcus Miller em forma

O contrabaixista norte-americano Marcus Miller mostrou boa forma - Divulgação/Cezar Fernandes

O contrabaixista norte-americano foi escolhido por Miles Davis há quase três décadas, quando tinha 25 anos, para produzir o disco "Tutu", hoje um clássico. Três anos atrás, trouxe ao Brasil o show "Tutu revisited". A música que dá nome ao álbum, também composta por ele, não poderia faltar no repertório do show, realizado pela primeira vez na madrugada de sexta e repetido no sábado no Palco Tartaruga, estrategicamente colocado no fim de uma pedra que vai mar adentro.

Foi bonito de ver o público, de cerca de mil pessoas, bem atento à performance de Miller, que, como bom músico de instrumento quase sempre "coadjuvante", deu bastante espaço para seus companheiros de banda, formada por sax, trompete, guitarra e bateria, brilharem. Aparentando muito menos do que os 55 anos que tem, o vencedor de dois Grammys tocou músicas de seu repertório, como "Dr Jekyll & Mr Hyde". Mas como bom produtor - já trabalhou com Mariah Carey, Jay Z e Eric Clapton, entre muitos outros -, Miller soube criar (mais) empatia com o público ao encerrar com uma delicada versão de "I'll be there", de Michael Jackson (toda solada no baixo, que está no seu último disco, "Renaissance") e "Come together", dos Beatles.

Larry McCray, vozeirão que agradou o público

O vozeirão de Larry McCray agradou o público - Divulgação/Cezar Fernandes

Os shows internacionais "inéditos" da noite ficaram para o Palco Costazul - localizado no que ficou conhecido como Cidade do Jazz, complexo com capacidade para dezenas de milhares de pessoas, formado por praças de alimentação e a Casa de Jazz, com programação de bandas locais intensa e público idem todos os dias. Os trabalhos foram abertos pela brasileiríssima banda AfroJazz, que passou por números de ska, rap e até salsa. Larry McCray, que já havia demonstrado simpatia ao promover quase uma jam na piscina do hotel, mais cedo, subiu ao palco e alternou peças de blues suingado com baladas soul com pegada bem pop. O vozeirão agradou o público.

Raul Midón, o multifuncional

O americano Raul Midón é cego de nascença, e não é só pelos óculos escuros e pelo condutor no palco que se percebe isso. Ele faz questão de falar bastante no assunto, fazendo uma espécie de terapia de grupo no palco sobre sua capacidade de superação (com frases como: "Eu tinha pena de mim, ficava triste porque não podia dirigir, mas aí pensei no que podia fazer, se não podia dirigir, podia compor uma canção"). Já na primeira música, tocou violão, bongô, fez as vezes de um instrumento de sopro com a voz, cantou em inglês e castelhano (ele é filho de argentino)...

Com um violão cheio de recursos percussivos e uma boa voz, da escola de Stevie Wonder (que participou de seu disco "State of mind", de 2005), Midón é um "one man show". Mesmo sozinho no palco conseguiu cativar a plateia durante toda a performance, fosse com um reggae como "Invisible chains", fosse na engajada "Mi amigo cubano", parceria com Bill Withers que trata das desavenças entre EUA e Cuba.

Rick Estrin & The Nightcats, os fanfarrões do bem

Mas o troféu simpatia (e também figurino e figuraça da noite) foi para Rick Estrin. O cantor e gaitista de 64 anos caprichou num terno grafite e subiu ao palco depois das 2h da manhã. Mas quem resistiu não teve como não se contagiar com a alegria do músico e de seus companheiros de banda, que tocavam guitarra, baixo (ou teclado) e bateria como se fossem crianças se divertindo. Resultado: um bailão a céu aberto, com músicas como "Dump that chump" e "My next ex-wife".

Um balanço

No todo, o festival está bem servido no que mais interessa: atrações bacanas e som bom nos palcos, todos ao ar livre. Outro aspecto que chama atenção (e que anda cada vez mais raro) é a plateia atenta e interagindo muito com os músicos, sobretudo nos palcos menores. Mesmo no grandalhão Costazul, ao fim do show o público pode comprar discos autografados e bater papo com os instrumentistas. De negativo, apenas o 3G capenga (e o wi-fi instável nas áreas prometidas) e a dificuldade de transporte público em horários mais críticos, como a madrugada.

Confira a programação:

DIA 10 de agosto (Domingo)

SÃO PEDRO 11h15

Ângelo Nani

IRIRY 14h15

Rick Estrin & The Nightcats

TARTARUGA 17h15

Raul Midón

DIA 15 de agosto (Sexta)

COSTAZUL 19h30

Adriano Grineberg

Badi Assad com participação de Marcos Suzano

The Jig

Randy Brecker

Popa Chubby

DIA 16 de agosto (Sábado)

SÃO PEDRO 11h15

Zuzo Moussawer Trio

IRIRY 14h15

Popa Chubby

TARTARUGA 17h15

Randy Brecker

COSTAZUL 19h30

Taryn, Toninho Horta e Rio Jazz Orquestra

HBC Super Trio c/ Scott Henderson, Jeff Berlin e Billy Cobham

Al Jarreau

Rockin' Dopsie Jr & The Zydeco Twisters

DIA 17 de agosto (Domingo)

SÃO PEDRO 11h15

Glaucus Linx & Ancestrais Fututros

IRIRY 14h15

Rockin' Dopsie Jr & The Zydeco Twisters

TARTARUGA 17h15

HBC Super Trio c/ Scott Henderson, Jeff Berlin e Billy Cobham

Source : Globo Online | 2014-08-10 15:14:12.0
Três shows de reggae pelo preço de um. É essa a proposta do Encontro das Tribos, que leva as bandas Ponto de Equilíbrio, Mato Seco e Tribo de Jah ao Audio Club, na zona oeste de São Paulo. As apresentações ocorrem na sexta (8), a partir das 22h. Os ingressos custam entre R$ 40 e R$ 120 e estão disponíveis na bilheteria, no site Ticket 360 ou pelo telefone (11) 2027-0777.

Leia mais (08/07/2014 - 06h30)

Source : Folha Online | 2014-08-07 10:51:29.0

O GLOBO pediu para que seus leitores contassem os momentos que mais lhes marcaram em suas passagens pela Flip. Envie você também o seu relato em 500 caracteres, pelo email: prosaeverso@oglobo.com

THELMA KHURIYEH

“Em 2009, moveu-me de Taubaté-SP à Paraty, o sonho de conhecer pessoalmente Chico Buarque. Ingressos esgotados e autógrafos limitados, evoquei o poeta: “Pelo amor de Deus, não vê que isso é pecado, desprezar quem lhe quer bem?” Inconformada, fui jantar e como “às vezes o que a gente procura, não é o que a gente procura, é o que a gente encontra”, quem encontrei no restaurante? A estrela mais disputada da 7ª FLIP! Resumo da “Ópera da Malandra”: livro autografado e abraços. Até hoje eu não acredito!”

FLÁVIO DE ARAÚJO, POETA DE PARATY

“Sou nascido em Paraty, filho de pescadores vindos da comunidade caiçara da Praia do Sono, e escrevia há alguns anos para o jornal local, mas era preciso dar um passo maior na escrita e o passo era a edição do primeiro livro. Não compreendia a distância e direção para chegar a editar, estava em crise, e a coisa se complicou no exato momento que Paraty estava em completo reboliço com mais uma edição da FLIP (2006) e eu trabalhando como motoboy (também já fui correria truta!), entregando marmitex a sempre 20, sempre 30 por hora, tipo o Mad Max das quentinhas, totalmente frustrado por não estar assistindo aos grandes nomes da literatura nacional e mundial como Ferreira Gullar, Affonso Romano, Christopher Hitchens, Ondjaki... Mas repito, frustrado por não estar participando da maior festa literária da América Latina bem no quintal da minha casa, por isso o único meio de estar atento e participando de algum modo da festa era mudar todo o itinerário de entrega dos pedidos, passando com a motoca frente a tenda do telão e assim, de algum modo, ver alguns nomes, ainda que muito rapidamente. Por fim, naquela balbúrdia toda, acelerei a motoca e do nada quase atropelo um cara de rastafári que surgiu fantasmagoricamente a minha frente, e parando a minha Harley Davidson com o coração na boca vi que era nada mais, nada menos, que Benjamin Zephaniah, performer de dub., autor de poesia infantil, DJ de reggae, dramaturgo, apresentador de TV e rádio, ativista político, rastafári, mestre em artes marciais ou seja, perdi de atropelar um dos nomes mais importantes da FLIP e ficar famoso por passar por cima de um cara que é tanta coisa!”

SIMONE MANSO

“A surpresa foi em 2011, quando vivenciei essa inesquecível experiência antropofágica com meu filho. Era Oswald de Andrade na Praça da Matriz! Aquele local já exuberante decorado com cores fortes me impressionou bem. A disponibilidade das pessoas que, fora de seu cotidiano, desfrutavam e conversavam livremente. Ver um filósofo rindo da criança correndo atrás ou à frente de um dos bonecos do” Assombroso”, tudo junto e misturado na praça, foi a minha agradável surpresa nesta festa literária”.

SYLVIA ROCHA MENDES

- Reprodução

“Em um cenário que evoca o passado a vida palpita efervescente. Lembro com emoção da primeira FLIP em que o Millôr Fernandes ,atual homenageado, participou. Como as palestras foram na Casa de Cultura estávamos bem próximo dos escritores. Podíamos encontrá-los sempre. As filas para autógrafos são concorridas e por ocasião do lançamento de “Bob Gold Leão de Chácara” de Anthony Bourdain obtive o seu autógrafo. É uma festa de inúmeras descobertas. Vá ver e descubra você também”.

LUIZA LAGÔAS

“Não construímos pontes simplesmente para evitar andar sobre a agua.Ela é um lugar de encontro, do acaso. Na ponte sobre o Rio Perequê se deu o meu encontro, o meu acaso com Mia Couto. Falei de meu encantamento por suas Estórias Abensonhadas e como uma Menina sem Palavras escutei as suas: “Canetas,papeis,sensibilidade e fantasia. Antes do Nascer do Mundo lhe encontro–escritora convidada–nesta ou em outra ponte.”

ANAMARIA NABUCO

- Reprodução

“Minha ida à Flip em 2004 me causou uma transformação. Eu estava num momento de reflexão sobre minha vida profissional numa área técnica que não me nutria igual após tantos anos. Ao ouvir a palestra de José Miguel Wisnik sobre Guimarães Rosa, começou a ficar claro que eu devia procurar uma atividade que me trouxesse alegria e prazer como a literatura. Na Flip de 2006 eu já sabia o caminho: queria estudar Filosofia. Hoje me aposentei da Engenharia e sou aluna de Filosofia numa universidade no Rio”.

MAURETTE BRANDT

“— Israel é um grande país, mas se continuar nesse caminho, não tem futuro.

Com essas palavras, que me tomaram como lava quente, David Grossman mudou para sempre o meu sentimento do mundo. Abriu-me os olhos e a alma, tocou o mais humano que havia em mim. Contei o que senti, pedi pra tirar foto. Ganhei sorriso, aperto de mão na ponte, o rap que encerrou aquela Flip. Escrevi, a resposta veio. Devorei livros e artigos, sofri com a morte de seu filho Uri na Guerra do Líbano. Em 2009, na Bienal do Rio, nos reconhecemos e lembramos. É por causa da Flip que David Grossman corre comigo, hoje e sempre”.

Source : Globo Online | 2014-07-30 12:00:00.0

SALVADOR — Mulheres de todas as cores, já cantou Martinho. Benjor, por sua vez, citando Gil, já afirmou que o negro é a soma de todas as cores. Os dois versos sugerem um painel do que foi a segunda noite do 20º PercPan - realizado no Pelourinho neste fim de semana, entre sexta e domingo. Apenas com atrações femininas (o grupo Leilía, da Galícia, a cantora Sayon Bamba, de Guiné, além das baianas Ganhadeiras de Itapuã, Banda Obinrin e Margareth Menezes), a noite foi uma celebração da mulher em suas diferentes forças, da materna à sedutora – num acaso simbolicamente forte, foram festejadas em diferentes momentos a imagem de Sant'Ana (seu dia é 26 de julho) e o Dia da Mulher Negra (25 de julho).

Com pandeiros de diferentes tamanhos e vozes que remetiam a tradições de cantadeiras nordestinas, as espanholas do Leilía abriram a noite. A simpatia e as belas melodias conquistaram a atenção da plateia, num show que ainda teve em seu favor o parentesco com uma sonoridade bastante familiar ao público, fosse quando os melismas vocais e os batuques árabes soavam como cantos de tias do sertão, fosse quando o que ficava mais evidente era a influência portuguesa.

Integrantes do grupo galego Leilía - Marcos Hermes

A proximidade entre as espanholas e a Bahia ficou mais evidente quando - vindas numa procissão que passava pelo meio do público, carregando a imagem de Sant'Ana e entoando cânticos à santa sob o espocar de fogos de artifício – as Ganhadeiras de Itapuã se juntaram a elas. Unidas, antes de as baianas assumirem o palco sozinhas, elas fizeram “Promessa de pescador”, de Dorival Caymmi. A louvação à Iemanjá e à Sant'Ana lado a lado, os versos sobre o mar (o mesmo que separa Brasil e Ibéria), o encontro entre as diferentes escolas da Bahia e da Galícia (nome de um time de Salvador, aliás), potencializaram a força do show. Os cruzamentos entre as atrações (a que está entrando sempre canta uma ou duas canções com a que está saindo) mostrou-se um acerto do 20º PercPan.

Após a crueza refinada do samba das Ganhadeiras (com uma participação de Margareth Menezes), foi a vez da Banda Didá. As percussionistas lembraram Neguinho do Samba, figura fundamental na história do Olodum, criador da batida do samba-reggae e idealizador da Didá (“Em 1993, numa época em que as mulheres não podiam tocar tambor”, lembrou uma das integrantes). Depois de anunciarem “o mais puro, o mais nítido samba-reggae de Neguinho do Samba”, elas iniciaram um batuque-bailado que sintetizava em grande parte o espírito daquela noite feminina: a beleza, a afirmação da herança negra (ritmo, pele, cabelos), o vigor da baqueta nos couros.

Banda Didá em ação no PercPan - Marcos Hermes

Margareth ainda voltou ao palco com a Obinrin, banda formada especialmente para o PercPan pelo maestro Letieres Leites (Rumpilezz), e juntas com a Didá fizeram o frenético “Coco do M”, de Jacinto Silva. A cantora Sayon Bamba e a baiana fizeram um dueto em “Dandalunda”, outro diálogo potente, desta vez entre a a África e a Bahia.

Procissão carrega a imagem de Sant’Ana - Marcos Hermes

Quando assumiram o palco, Sayon e Obinrin mostraram a integração entre ancestralidade e linguagem pop. A formação da Obinrin – que inclui metais, tambores, guitarra baiana e DJ – dava o chão para a música extremamente dançante e rica da cantora de Guiné. Trafegando entre gêneros como o funk, afrobeat e juju music, elas encerrraram uma noite (com as outras atrações de volta, juntas) que equacionou bem o que pode ser o PercPan em seu novo formato de praça pública, achando o meio do caminho entre o apelo popular e a investigação rítmica que marca a origem do conceito do festival.

* O repórter viajou a convite da produção do festival

Source : Globo Online | 2014-07-27 18:25:25.0

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, defendeu nesta sexta-feria a redução da maioridade penal para crimes hediondos, ao visitar a comunidade de Vigário Geral, na zona norte do Rio de Janeiro, onde assistiu a apresentações de dança e música na sede da ONG Afro Reggae e conversou com moradores....
Source : Terra Brasil | 2014-07-25 23:29:32.0

RIO — A curtição com a onda de intérprete, exercitada com bons resultados no álbum de sambas “Estação Melodia” (de 2007, que se estendeu no ano seguinte em um CD/DVD ao vivo da MTV), continua para Luiz Melodia em “Zerima”. Por um lado, este é o seu primeiro disco de inéditas em 13 anos (desde “Retrato do artista quando coisa”). Por outro, é uma coleção de composições que brilham, em muito, por causa da voz do artista do Estácio e do cuidado com os arranjos e a execução. Quarenta e um anos após a estreia com o desafiador “Pérola negra”, Melodia, hoje aos 63, desfruta da tranquilidade em seu próprio quintal, sem a ansiedade de quem tem que disputar espaço com os mais jovens.

É antigo mesmo o estilo com que ele desfila, com rigor de crooner e sem o menor pudor, pelos seus sambas “Vou com você” e “Dor de carnaval” (com participação amorosa da cantora Céu) e por “Do coração de um homem bom”, de Ricardo Augusto, bela em moldura de cordas. Toques de jazz perpassam “Caindo de bêbado” (de Melodia e Rubia Matos), “Sonho real” (parceria com Renato Piau) e a fina instrumental “Amusicadonicholas”, que o cantor fez para o neto.

Um sabor de Bahia se insinua na faixa-título (entre o alegre e o melancólico) e depois se evidencia em “Moça bonita” (da mulher de Melodia, Jane Reis). E Sérgio Sampaio, contemporâneo de transgressões poéticas e musicais, a quem o cantor sempre homenageia, volta em “Zerima” com “Leros e leros e boleros” — clássico relido bem de acordo com o espírito agridoce do álbum.

Para não dizer que não falou de pop, Melodia abre algumas janelas em “Papai do Céu” (reggae com banjo, primo-irmão do seu “Cara a cara”), com sua “Cheia de graça” e com “Maracangalha” (de Dorival Caymmi), dois sambas vestidos do mais fino funk-soul. Exceções em um disco mais voltado para a dor de cotovelo e a dança cheek-to-cheek.

Source : Globo Online | 2014-07-22 11:00:00.0
Uma mistura de reggae, metal alternativo e hardcore punk abriu o palco principal do festival Marés Vivas que decorre até sábado em Vila Nova de Gaia.Seguiu-se o cocktail de "dubstep" servido pelos Modstep.
O cantor de reggae Richie Campbell e ainda José Cid e Amor Electro são os nomes de cartaz do Festival Oeste Fest, que se realiza a partir de hoje, pela primeira vez, na praia da Foz do Arelho, Caldas da Rainha.
Source : rtp.pt | 2014-07-17 10:16:02.0
Muito samba, pagode, reggae e rap ditam os shows do fim de semana em São Paulo —começando pelas apresentações das bandas Planta e Raiz e Jai Mahal e Os Pacíficos da Ilha , que agitam o sábado (5) no Sesc Osasco e na Fábrica de Cultura Jardim São Luiz. Do reggae para o pagode, ainda no sábado (5) o grupo Art Popular anima a tradicional festa Feijoada com Pagode do Carioca Interlagos com os convidados Leci Brandão e Reinaldo, o "Príncipe do Pagode". O rap do cantor Dexter invade o Sesc Pinheiros para o lançamento do DVD "A Liberdade Não Tem Preço", que conta com a participação da cantora Paula Lima nos shows de sábado (5) e domingo (6), além dos músicos Thaíde (5) e Seu Jorge (6). Leia mais (07/05/2014 - 06h40)
Source : Folha Online | 2014-07-05 11:17:09.0
A festa Domingo de Cabeça Pra Baixo, que acontecerá no próximo dia 6, no Espaço Cultural Dona Neuza, no bairro do Marback, em Salvador, traz novidades: reggae digital, da banda A Ban-K do Ragga, e o rock instrumental do grupo Vendo 147.
Source : atarde.com.br | 2014-07-04 22:54:00.0
No parque de campismo, a dois passos da praia, o Summer Fest é um dos primeiros festivais de música de verão, destinado a um público sobretudo adolescente, com um cartaz marcadamente "reggae".
Source : rtp.pt | 2014-06-26 23:32:48.0

RIO — Entre a escola carioca e a escola paulistana de rap, Flávio Renegado vem traçando, nos últimos anos, um possível caminho mineiro, próprio. Em dois discos, construiu uma equação que combina o testemunho de quem cresceu na periferia de Belo Horizonte (“O rap é a CNN dos pretos”, como cravou Chuck D, do Public Enemy) com um desejo indisfarçável de misturar (reggae, soul) e se lançar numa linguagem pop. Agora, lançando seu primeiro DVD, expõe no título a bandeira dessa via que ele vem desenhando: “#suaveaovivo”.

— “Suave” (música de seu segundo CD, “Minha tribo é o mundo”) nasceu de uma forma despretensiosa, mas acabou virando algo maior, virou a definição de um comportamento — explica o rapper mineiro. — Rap não precisa ter só cara de mau, mas também não precisa ser fútil. Pode falar o que tem pra dizer, mas suave.

A lista de participações especiais do DVD — gravado no Parque Municipal de Belo Horizonte, com produção de Liminha e Kassin, cenário de Gringo Cardia e direção de Joana Mazzucchelli — dá pistas do que Renegado busca em seu rap suave. Seu chão marca presença com o grupo Meninas de Sinhá — formado por senhoras que vêm da comunidade onde ele cresceu, Alto Vera Cruz. Aline Calixto traz o samba e Rogério Flausino, do Jota Quest, aponta para o desejo pop de Renegado.

A presença especial mais contundente, porém, canta apenas um verso (“A vida do crime é ilusória, nego”). Sentada numa cadeira no palco, somente ouvindo as palavras de “Benção”, composta para ela, a mãe de Renegado é responsável por um dos momentos mais emocionantes do DVD. Na letra, o compositor lembra das dificuldades da vida de mãe solteira na favela, inclusive quando ele, na adolescência, se envolveu com o crime.

— Você vê aquela parada de poder, as meninas no morro andando com os caras mais legais, eles têm as motos, os tênis. Aí comecei a frequentar mesmo o poder paralelo. Mas minha mãe foi muito mulher, a gente trocou uma ideia: “Estamos juntos, vamos superar isso” — lembra Renegado.

Entre suas antigas e canções de Chico Buarque, Tim Maia e Adoniran Barbosa, o DVD traz três inéditas: “Nice to meet you”, “Na palma da mão” e “Estamos no jogo".

— Estou fechando um ciclo. Venho fazendo um rap que dialoga com a música brasileira, um caminho meu. Agora meu desafio é saber para onde avançar, se para uma evolução dessa linguagem ou se para algo totalmente diferente disso.

Source : Globo Online | 2014-06-23 11:00:00.0
O bar Angu do Gomes, ali pertinho da Praça Mauá, acena com opções musicais nos próximos sábados. Veja:

Dia 21 de Junho - Grupo Arruda (samba)
Dia 28 de junho - Jamelão Netto (samba)
Dia 5 de julho - Dorina (samba)
Dia 12 de julho - Coquetel Acapulco (reggae)

Pra quem nunca foi, vale a pena provar tanto o carro-chefe da casa, o angu, quanto o petisco do último festival Comida di Buteco, um churros salgado maneiríssimo.

Serviço

Ingresso: R$ 25
Rua Sacadura Cabral, 75 – Gamboa 2233-7765
20 horas
Source : samba-choro.com.br | 2014-06-20 15:18:40.0

RIO — “Me liga em meia hora, vou parar o barco e descansar um pouco. Acabei de filmar algo sensacional, preciso contar”, dizia o SMS do diretor francês Vincent Moon, alcunha de Mathieu Saura, do Rio Amazonas. Moon está em Manaus há menos de uma semana com o diretor Benjamin Rassat (do documentário “I am the media”), onde estão filmando o documentário “Obá, obá, obá”, um projeto em parceria com Pierre Barouh que é uma espécie de continuidade do clássico filme “Saravah”, de autoria do veterano, feito em 1969. No longa, Barouh fez um registro precioso da cena musical brasileira à época, com cenas espontâneas — e históricas — de Pixinguinha, Paulinho da Viola e Maria Bethânia. Desta vez, Barouh se juntou a Vincent Moon e Rassat, também adeptos de uma estética mais delicada e espontânea, para viajar o Brasil gravando músicos locais interpretando canções de Jorge Ben Jor (que deve entrar nas fimagens ao final do projeto).

Quando parou o barco e atendeu o telefone, Moon mal conseguia disfarçar a excitação com as primeiras cenas do projeto: depois de ter passado o dia gravando a banda de reggae amazonense Os Tucumanus e o poeta e músico Mac Gyver, conheceu por acaso um compositor local, o violonista Salomão Rossy. Como o sol já estava caindo, fizeram as imagens num barco no Rio Amazonas.

— Eu não tenho palavras para descrever. Ele toca lindamente, e a música foi acontecendo junto com o pôr-do-sol mais bonito que eu já vi — encanta-se Moon, na última noite no Amazonas, no último sábado, antes de embarcar para o Rio, neste domingo. — Foi muita sorte ter acontecido do jeito que foi. E posso dizer que somos especialistas em sorte. O que me importa quando estou filmando é justamente isso, a magia que acontece quando o instrumentista começa a fazer sua música. Como ele toca bateria ou violão? Como nasce a música? É o que quero entender quando estou filmando músicos. E geralmente as respostas são simples, mas mágicas.

SESSÕES COMENTADAS NO CENTRO

É sobre esta linguagem mais poética e intimista, na qual importa mais o registro de um pôr-do-sol caindo na hora certa do que efeitos especiais de última geração, e que vem influenciando diversos vídeos musicais ultimamente (como o DVD “O micróbio do samba”, de Adriana Calcanhotto) que o cineasta vai falar hoje, em palestra na Maison de France, no Centro. Serão duas sessões: às 18h, o diretor vai fazer uma exibição comentada dos curtas “An Island”, sobre a banda Efterlang, e de “Burning”, sobre a banda Mogwai. Às 20h, vai exibir novos filmes da sua famosa coleção “Petites Planètes”, com registros etnográficos que fez em Kosovo, África e América do Sul, e falar sobre sua experiência no cinema.

— Fico feliz em perceber que muitas pessoas gostam do meu trabalho, mas a verdade é que sou um cineasta independente, pouco conhecido. Trabalho com pouco dinheiro, ficando na casa das pessoas, contando com muitos amigos por onde passo. Essa minha linguagem vem muito desta maneira de trabalhar de um modo mais simples, apesar de vivermos num mundo tão capitalista, vem do desejo de descobrir a simplicidade com que as coisas são feitas ou podem ser feitas. O desafio é usar tecnologia de ponta para fazer coisas simples — alega Moon, interrompendo a si mesmo para dizer que estava “maravilhado com tantas estrelas sobre sua cabeça”.

Moon ficou conhecido pelos vídeos feitos em 2006 para as “Take away sessions”, do site francês La Blogothèque. Passaram pelas suas lentes bandas como Yo la tengo, Arcade Fire, Phoenix, Animal Collective, Bon Iver, Beirut, sempre em situações menos óbvias do que o palco ou o estúdio. Em meados de 2011, Moon começou a fazer registros mais etnográficos pelo mundo, que ficavam menos em uma banda ou músico específico, e mais na maneira de fazer música de algumas culturas. Nesta leva de curtas, registrou no Brasil Tom Zé, Jards Macalé, Gaby Amarantos, Luiz Melodia, Ney Matogrosso, Elza Soares (os vídeos estão disponíveis no site vincentmoon.com).

O pouco tempo que passará no Rio (apenas três dias) são só um rápido intervalo nas gravações do documentário “Obá, obá, obá”, explica ele, que depois continua sua viagem pelo interior do Brasil. O projeto independente teve início no dia 31 de maio, no Rio, onde Moon gravou Moysés Marques e o grupo Casuarina fazendo uma versão de “O telefone tocou novamente” e Maurício Carrilho e Luciana Rabello em nova leitura de “Descalço no parque”. Seguiu por três dias em Ouro Preto, Minas Gerais, até desembarcarem em Manaus, onde também gravaram com a Orquestra de Câmara do Amazonas — que fez uma versão para a canção “Errare Humanum Est”. Pierre Barouh entra na caravana pessoalmente apenas na última semana.

— São 45 dias de filmagens, no total, durante a Copa do Mundo, para fazer um retrato contemporâneo do “país tropical”, através da música do seu inventor: Jorge Ben Jor — complementou Benjamin Rassat, pelo Facebook, que além de filmar com Moon também atualiza o blog do projeto com fotos feitas por ele do seu celular, como as que ilustram a reportagem (oba2014.tumblr.com).

Source : Globo Online | 2014-06-09 11:00:00.0
Com duração de 8 horas, já incluindo os tempos de cada jogo, a Fan Fest Salvador, no Farol da Barra,  contará com atrações musicais que vão do forró ao reggae, passando pelo axé e samba, além de dança e apresentação de balé.
Source : atarde.com.br | 2014-06-07 19:47:00.0

Banda com milhares de fãs europeus diz representar 'Berlim multicultural'. Estourado na Alemanha, grupo toca no Ibirapuera no sábado, com Criolo.
Source : G1.com.br | 2014-05-22 12:37:51.0

RIO - Nenhum morador da Praça Seca diria que a área, cercada por duas favelas comandadas por facções rivais, está num bom momento. Relatos de crimes são constantes, assim como tiroteios, o que motivou, em janeiro deste ano, a instalação de uma companhia destacada da PM no local. Simultaneamente, moradores vivem os transtornos causados pelas obras do corredor expresso de ônibus Transcarioca, que cortam a praça ao meio. Nem todos, porém, aderiram ao clima de desânimo. Um grupo de artistas decidiu reagir e retomar o sub-bairro de Jacarepaguá por meio da cultura.

O movimento, batizado de Praça Seca Cultural, foi uma ideia do músico Marcelo Serralva, que, ao lado da mulher, Marissa de Britto, forma a banda infantil Turminha do Tio Marcelo. Marissa, que é surda oralizada, dará à luz em breve Mariane. A filha ainda não nascida do casal foi vital para motivar o engajamento do pai:

— Notei que não tem atividade cultural por aqui. A praça está abandonada, minha filha vai nascer por agora e não terei nenhum lugar onde levá-la. Temos artistas aqui, mas, assim como eu, eles se apresentam fora da região.

Do desejo de mudar este cenário, afirma ele, nasceu o Praça Seca Cultural. O projeto visa a realizar ações pelo sub-bairro, mas principalmente na área da Praça Seca próxima ao coreto, local que, segundo Serralva, antes era aprazível e agora se tornou um canteiro de obras do Transcarioca. Em duas semanas, a iniciativa teve mais de 600 curtidas no Facebook e ganhou apoio da Associação dos Amigos e Moradores da Praça Seca (Amapsa). Outros artistas embarcaram na ideia.

— Estamos descobrindo por aqui várias pequenas atividades culturais que ficavam escondidas — diz Serralva.

O grupo é eclético. Tem pintores, atores e músicos. A primeira ocupação deverá ser em 25 de maio, um domingo. Ela contará com uma biblioteca itinerante e apresentações musicais.

Bloco fará ensaio aberto

Uma das adesões ao Praça Seca Cultural foi a da banda Brazucas. O grupo, que faz cover de rock brasileiro dos anos 80 e 90, tem planos de virar um bloco que interprete os clássicos da época em ritmo de samba. Já são 15 membros, e eles querem fazer seu primeiro ensaio aberto no próximo dia 25.

— Será nossa primeira aparição. Queremos estar com o bloco pronto para a Copa do Mundo. Faremos uma oficina para que as pessoas aprendam a tocar e possam participar — conta a produtora da banda, Ana Paula Araújo.

Duas cantoras também vão emprestar sua voz à causa. Meri de Liz, moradora da Praça Seca há um ano e meio, identificou em pouco tempo a falta de espaços culturais no bairro. Ela e Ana Quintas, cantora da Velha Guarda da Portela e intérprete de sucessos de Clara Nunes, vão contribuir para a apresentação do dia 25.

—Quero fazer algo, nem que seja um pequeno tributo a Clara Nunes no coreto — diz Meri.

O cantor e compositor Wagner José ressalta a importância de criar opções culturais nas proximidades:

— Queremos ações para atender o jovem que hoje sai da Praça Seca atrás de propostas alternativas de cultura.

Música alternativa, aliás, é o combustível do coletivo Nosso Ambiente Sound (NA Sound), formado por músicos de estilos diferentes, como funk, soul music, grunge e reggae ska. Advogado durante o dia, Marcus Santana produz eventos à noite:

— O cenário de música alternativa aqui é quase inexistente. Queremos fortalecer e mostrar este lado, pois temos público mas não temos espaço. Usar a Praça Seca pode ser a solução.

Nem só de música viverá o Praça Seca Cultural. O pintor e fotógrafo Wanderson Silva de Souza quer promover exposições de fotos e eventos da Trupe Axé Tupã, à qual pertence. Já o ator Marcelo Marrakett acalenta um sonho de anos: montar uma lona cultural no local para fazer apresentações de textos ou peças.

— A classe artística da Praça Seca passou muito tempo desconectada. Por morar aqui, quero ver este espaço revitalizado — justifica.

O evento dia 25 pode esbarrar no decreto 38.366/14 do prefeito Eduardo Paes, que tornou mais difícil a realização de eventos na cidade de 22 de maio a 18 de julho, devido à Copa do Mundo. No que depender da Subprefeitura da Barra e Jacarepaguá, porém, o projeto sairá do papel. O órgão informa que já conversa com os artistas para viabilizar o projeto.

Violência preocupa

A violência na Praça Seca, que em parte motivou a união dos artistas, está forçando a companhia destacada montada no Morro São José Operário a ter uma relação de proximidade inédita com a população. O presidente da Amapsa, Alexandre Fiani, solicitou no mês passado a instalação de um telefone fixo para que os moradores tenham uma linha direta com a polícia.

— Além do aumento do efetivo, pedimos este telefone fixo, que é algo quase sem custo para nós, mas que vai ajudar a população a denunciar crimes — conta Fiani.

O tenente Igor Lima, comandante da destacada, diz que em breve o número do canal direto será divulgado. Segundo ele, a instalação do equipamento deve ocorrer ainda esta semana. Há 15 dias, acrescenta, o efetivo na área foi aumentado, de sete para 16 PMs. Para ele, isso ajudou na redução dos roubos, que caíram de 43 na primeira semana de abril para 22 no mesmo período de maio.

Source : Globo Online | 2014-05-16 11:00:00.0

RIO - Esse homenageado sem “nome, sobrenome ou naturalidade certa” (de acordo com o texto da cantora Zélia Duncan, lido com graça pelos apresentadores Camila Pitanga e Mateus Solano), o samba deu o tom para a cerimônia de entrega dos troféus aos vencedores do 25º Prêmio da Música Brasileira, na noite de quarta-feira. E, dessa vez, ele não apenas entrou pela porta da frente do Teatro Municipal, como foi mote e inspiração para que os artistas da MPB fizessem alguns dos melhores e mais emocionantes shows já vistos na história dessa premiação, que, mui compreensivelmente, começou com um tributo do organizador, Zé Mauricio Machline, a José Wilker, Oscar Castro Neves, Nelson Ned, Reginaldo Rossi, Dominguinhos, Delcio Carvalho, João Araújo, Alexandre Pessoal e Jair Rodrigues – artistas e amigos da música que se foram.

O encontro entre o sambista Péricles e a cantora africana Angelique Kidjo, para celebrar as ancestralidades do estilo, em uma junção de “O canto das 3 raças” (sucesso de Clara Nunes, composto por Paulo Cesar Pinheiro e Mauro Duarte) e “Sinfonia da paz” (de Altay Veloso), era para ser o momento especial da noite – e, de fato, arrepiou a plateia. Já o encontro do rapper Criolo (cantando bem, sorridente) com o veteraníssimo sambista baiano Riachão (92 anos e energia de 20) em “Vá morar com o diabo” também conquistou pela força que uma inusitada reunião poderia (ou não) gerar. Mas não foi só. O esperado, o mais óbvio, também vingou.

Uma Maria Bethânia radiante executou seu pot-pourri de temas folclóricos em torno do “Reconvexo”, do irmão Caetano, exatamente como nos seus shows, e saiu triunfante, aclamada pelo povo. A baiana (de Niterói) Baby do Brasil prestou um tributo à baiana (de Marco de Canaveses, Portugal) Carmen Miranda, numa versão apimentada de choro e jazz de “E o mundo não se acabou”, do baiano (esse sim, de verdade) Assis Valente. Mesmo que tenha mudado a letra de acordo com suas convicções religiosas (um “orar” ao invés de “rezar”), Baby ainda é a tal. Beth Carvalho, a madrinha, venceu as dificuldades físicas para prestar emocionante tributo a Candeia, Nelson Cavaquinho e Cartola. E os três cavaleiros do samba, Arlindo Cruz, Zeca Pagodinho e Almir Guineto representaram o partido alto com louvor.

Teve samba de todo jeito na noite do Municipal. Gilberto Gil e Mariene de Castro lembraram o passado de Ary Barroso e Geraldo Pereira. Fabiana Cozza e uma impecável Leci Brandão passaram a limpo o samba de São Paulo, de Adoriran, Paulo Vanzolini e Eduardo Gudin. Já João Cavalcanti, Pedro Miranda e Moyséis Marques trouxeram a nova Lapa para o palco.

Na premiação, o estilo também fez bonito – e fora da sua categoria específica (onde foram premiados Zeca, Alcione e o grupo Sururu na Roda). Wilson das Neves (melhor álbum de samba por “Se me chamar, ô sorte”) ainda levou o prêmio de melhor canção por sua parceria com Chico Buarque, “Samba para João”. “Ô, sorte!”, ironizou algum gaiato da plateia, já que a composição concorria com outras duas do próprio Wilson, em diferentes parcerias.

De resto, a boa surpresa ficou por conta da escolha do Passo Torto na categoria Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk – a mesma que, veja só, que teve Ney Matogrosso como melhor cantor e autor do melhor álbum e Gal Costa como cantora. “Reencontro”, disco de Angela Maria e Cauby Peixoto, foi o melhor álbum de canção popular e ainda rendeu os troféus de melhor cantor e cantora da categoria – que, na ausência dos astros, foram recebidos pelo produtor do CD, Thiago Marques Luiz.

A MPB, como categoria, foi premiada em sua experiência: Edu Lobo (álbum), Boca Livre (grupo), Maria Bethânia (cantora) e um muito aplaudido Milton Nascimento (cantor). O bandolinista Hamilton de Holanda confirmou seu bom momento, ganhando dois prêmios do Instrumental: por seu álbum (“Mundo de Pixinguinha”) e como solista. Ele voltaria ao palco para acompanhar Paulinho da Viola (anunciado por Camila Pitanga como “a personificação da nobreza do samba”) em “Onde a dor não tem razão”. E, assim, a noite chegou ao ápice e encerramento ao som de “Foi um rio que passou em minha vida”, com Paulinho e a bateria da Portela. Arlindo Cruz, à beira do palco, liderou o levante geral, e, num segundo, os ternos e vestidos de gala estavam todos sendo sacudidos, para o bem da nação e da música brasileira.

Vencedores, por categoria:

MPB

Álbum – “Edu Lobo e Metropole Orkest”, de Edu Lobo e Metropole Orkest

Grupo – Boca Livre

Cantor – Milton Nascimento

Cantora – Maria Bethânia

Samba

Álbum – “Se me chamar, ô sorte”, de Wilson das Neves

Grupo – Sururu na Roda

Cantor – Zeca Pagodinho

Cantora – Alcione

Canção

“Samba para João”, de Wilson das Neves e Chico Buarque

Projeto Visual

“Arca de Noé – Vinicius de Moraes”, por Adriana Calcanhotto e Fernanda Villa-Lobos

Arranjador

Gilson Peranzzetta (por “Edu Lobo e Metropole Orkest”)

Canção popular

Álbum – “Reencontro”, de Angela Maria e Cauby Peixoto

Dupla – Chitãozinho e Xororó

Grupo – Monobloco

Cantor – Cauby Peixoto

Cantora – Angela Maria

Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk

Álbum – “Atento aos sinais”, de Ney Matogrosso

Grupo – Passo Torto

Cantor – Ney Matogrosso

Cantora – Gal Costa

Revelação

Bixiga 70

Instrumental

Álbum – “Mundo de Pixinguinha”, de Hamilton de Holanda

Solista – Hamilton de Holanda

Grupo – SpokFrevo Orquestra

Especiais

Álbum projeto especial – “Caymmi”, de Nana, Dori e Danilo

Álbum eletrônico – “Carnaval Beach Club Vol.1”, de Rodrigo Sha

Álbum erudito – “Heitor Villa-Lobos – Sinfonia no 6 e no 7”, da OSESP

Álbum infantil – “Arca de Noé – Vinicius de Moraes”, de vários artistas

Álbum de língua estrangeira – “Canta Billie Holiday in Rio”, de Leila Maria

DVD – “Criolo e Emicida ao vivo”, de Criolo e Emicida

Regional

Álbum – “Zulusa”, de Patrícia Bastos

Dupla – Caju & Castanha

Grupo – Quinteto Violado

Cantor – Sérgio Reis

Cantora – Patrícia Bastos

Source : Globo Online | 2014-05-15 08:09:51.0

KINGSTON — A questão de quem realmente compôs o clássico de Bob Marley "No Woman, No Cry" tem fascinado os estudiosos da lenda do reggae há 40 anos. Agora, a canção de 1974, um de seus hits mais tocados, está no centro de uma batalha na Suprema Corte sobre os direitos de edição do catálogo do pioneiro jamaicano.

A Blue Mountain Music, empresa criada por Chris Blackwell, o fundador da Island Records – que lançou a carreira internacional de Marley –, está sendo processada pela Cayman Music, que representou o catálogo do cantor entre 1967 e 1976. Cayman acusa a Blue Mountain de "atribuição equivocada e desvio de renda" de uma série de sucessos da estrela jamaicana.

A Cayman disse à Suprema Corte que nunca foi creditado por sua participação em "No Woman, No Cry" e em 12 outras canções escritas por Marley entre 1973 e 1976. O advogado Hugo Cuddigan, que representa a companhia, disse que Marley assinou um contrato de edição com ela em 1973, mas atribuiu "fraudulentamente" as músicas para outras pessoas, para evitar as aplicações deste acordo.

Vincent Ford, um amigo de Marley que tinha um sopão em Trenchtown, o gueto de Kingston onde ele e Marley cresceram, está listado como No Woman, No Cry compositor. A canção, uma representação de como era a vida para o par "no jardim público em Trenchtown", tornou-se um sucesso internacional. Os cheques de royalties recebidos pela Ford garantiu a sobrevivência e funcionamento contínuo da seu refeitório até a sua morte em 2008.

Em um obituário de Ford no "The Independent", Spencer Leigh escreveu que evidências circunstanciais sugerem que ele não chegou a escrever a canção, embora ele e Marley recordassem que ela tinha sido escrito no apartamento do amigo do músico.

Leigh concluiu: "[Marley] não queria que suas novas canções fossem associadas à Cayman e assim, com toda a probabilidade, as colocava em nome de sua esposa, Rita, os Wailers e de outros amigos próximos, para encontrar uma maneira de contornar as apertadas restrições de edição. Este costume de dar créditos também teria ajudado Marley a fornecer ajuda duradoura para a família e amigos íntimos."

A Cayman argumenta que seu direito foi negado por mais de 40 anos. Seu advogado disse que "No Woman, No Cry" era a "joia no catálogo de Marley" e sua canção mais famosa.

Ian Mill QC, da Blue Mountain, afirmou que, na "aplicação direta de princípios comuns do direito de contratos", a alegação teria de ser rejeitada. Ele aceitou a acusação de que Marley tinha "afirmou falsamente" que as 13 músicas foram compostas por outras pessoas, na tentativa de "fugir à atribuição automática de seus direitos autorais para a Cayman".

No entanto, ele disse que, como questão de lei, o "artifício foi ineficaz". A "intenção clara" de um acordo de 1992, 11 anos após a morte de Marley, era "transferir todos os direitos" à Cayman. As músicas contestadas incluem "Positive Vibration", outra faixa creditada para Ford, e "Crazy Baldhead", um ataque contra os colonialistas brancos que oprimiam os jamaicanos, que é compartilhada com Rita Marley.

"No Woman, No Cry" já ganhou covers de artistas como The Fugees, Nina Simone, Linkin Park e Boney M.

Source : Globo Online | 2014-05-14 20:01:16.0

RIO - O cabelo cor de fogo parece combinar com o discurso inflamado que a cantora do Benin Angélique Kidjo - atração internacional da 25ª edição do Prêmio da Música Brasileira, que acontece hoje, às 21h, no Teatro Municipal - adota assim que começa a falar sobre o recente sequestro de cerca de 200 meninas em uma escola na Nigéria pelo grupo extremista Boko Haram.

- Absurdos assim vão continuar acontecendo enquanto não forem criadas estruturas mínimas de desenvolvimento humano não apenas na Nigéria, mas em diversas outras regiões do continente africano - afirma ela, que é Embaixadora da Boa Vontade da Unicef. - Viajei muito pela África como embaixadora da ONU e vi que falta saneamento básico, faltam hospitais, faltam moradias, faltam empregos e, ironicamente, falta educação. Mas num caso extremo como o desse sequestro coletivo das garotas, o que falta é humanidade.

Angélique sorri, porém, quando o assunto é a música, que mais uma vez a traz ao país (ela já se apresentou nos festivais Back2Black, em 2009, e no Rock In Rio, em 2013). Dessa vez, a conexão é com o samba, o "homenageado" do evento criado por José Maurício Machline.

- Samba para mim quer dizer liberdade, comunhão e também carnaval, claro - conta ela, vencedora do Grammy de 2007 na categoria world music pelo álbum "Djin djin". - Minha família tem laços distantes com o Brasil. Meu avô foi um escravo dos muitos que voltaram da Bahia para o Benin. Quando eu era pequena nós sempre celebramos o carnaval, à nossa maneira. Então, posso dizer que tenho uma certa familiaridade com o ritmo. Ele também está no meu sangue.

Na cerimônia, Angélique vai cantar duas músicas ao lado de Péricles ("O canto das três raças", de Paulo César Pinheiro e Mauro Duarte, e "Sinfonia da paz", de Altay Veloso) com versos adaptados para o yourubá.

- Tentei ficar próxima das letras originais, mas também dando minha perspectiva de africana, falando sobre como a escravidão viajou até o samba. Não foi muito difícil, mas tive que ouvir as músicas e ler as letras diversas vezes para me sentir à vontade com elas.

Com direção musical de Rildo Hora, roteiro de Zélia Duncan e consultoria de Beth Carvalho, o espetáculo vai apresentar uma série de encontros inéditos. Além de Angélique e Péricles, vão se juntar Gilberto Gil e Mariene de Castro (com "É luxo só", "O escurinho"), Criolo e Riachão (com "Vá morar com o diabo"), Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Almir Guineto ("Vai vadiar", "Dor de amor" e "Pedi ao céu"), Leci Brandão e Fabiana Cozza (com "Chorei", "Saudosa maloca" e "Volta por cima") e João Cavalcanti, Pedro Miranda e Moyseis Marques (com "Quem te viu quem te vê", "Além da razão" e "Não deixe o samba morrer").

O evento - que terá apresentação de Camila Pitanga e Mateus Solano, cenografia de Gringo Cardia e 103 indicados em diversas categorias, da MPB à música eletrônica - vai ter também apresentações de Maria Bethânia ("Santo Amaro ê ê", "Quixabeira", "Reconvexo/Minha senhora/Viola meu bem"), Baby do Brasil (com "E o mundo não se acabou"), a própria Beth Carvalho (com "Preciso me encontrar", "Juízo final" e "O sol nascerá") e Paulinho da Viola no encerramento (com "Onde a dor não tem razão", "Timoneiro" e "Foi um rio que passou em minha vida").

A lista completa dos indicados

Arranjador

Gilson Peranzzetta por “Edu Lobo e Metropole Orkest” - Edu Lobo e Metropole Orkest

Sacha Amback por “Atento aos sinais” – Ney Matogrosso

Vittor Santos por “Se me chamar, ô sorte” – Wilson das Neves

Melhor canção

“Cara de queixa”, de Wilson das Neves e Paulo Cesar Pinheiro - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

“Samba para João”, de Wilson das Neves e Chico Buarque - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

“Se me chamar, ô sort”’, de Wilson das Neves e Cláudio Jorge - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

Projeto visual

Vários, disco “Arca de Noé” – Adriana Calcanhotto e Fernanda Villa-Lobos

Ney Matogrosso, disco “Atento aos sinais” - Cassia D´Elia

Lula Queiroga, disco “Todo dia é o fim do mundo” – Zé Mateus Alves

Revelação

Bixiga 70, disco “Bixiga 70”

Patricia Bastos, disco “Zulusa”

Vento em Madeira, disco “Brasiliana”

Melhor álbum

“Arrastão da alegria”, de Monobloco, produtores C.A. Ferrari, Celso Alvim, Mário Moura, Pedro Luis e Sidon Silva

“Made in China”, de Carlos Careqa, produtor Marcio Nigro

“Reencontro”, de Ângela Maria e Cauby Peixoto, produtor Thiago Marques Luiz

Melhor dupla

Chitãozinho & Xororó (“Do tamanho do nosso amor – ao vivo”)

Léo Canhoto & Robertinho (“L&R 40 anos”)

Zezé di Camargo & Luciano (“Teorias”)

Melhor grupo

Banda Calypso (“Ao vivo no Distrito Federal”)

Cheiro de amor (“Flores”)

Monobloco (“Arrastão da alegria)

Melhor cantor

Cauby Peixoto (“Reencontro”)

Lazzo Matumbi (“Lazzo Matumbi”)

Serjão Loroza (“Carpe Diem”)

Melhor cantora

Ângela Maria (“Reencontro”)

Lana Bittencourt (“A diva passional – ao vivo”)

Roberta Miranda (“25 anos ao vivo em estúdio”)

Melhor álbum instrumental

“Continente”, de Yamandu Costa, produtores Yamandu Costa e Guto Wirtti

“Mundo de Pixinguinha”, de Hamilton de Holanda, produtores Lu Araújo, Marcos Portinari e Hamilton de Holanda

“Ninho de Vespa”, de Spok Frevo Orquestra, produtor Spok

Melhor solista

Hamilton de Holanda (“Mundo de Pixinguinha”)

Léo Gandelman (“Ventos do norte”)

Yamandu Costa (“Continente”)

Melhor grupo

Bixiga 70 (‘Bixiga 70’)

Spok Frevo Orquestra (‘Ninho de vespa’)

Vento em madeira (‘Brasiliana’)

Melhor álbum MPB

“Edu Lobo e Metropole Orkest” , de ‘Edu Lobo e Metropole Orkest’ , produtores Metropole Orkest

“Foi no mês que vem”, de Vitor Ramil, produtor Vitor Ramil

“Tudo”, de Joyce Moreno, produtor Joyce Moreno

Melhor grupo MPB

Boca Livre (“Amizade, Boca Livre”)

Orquestra Criôla (“Subúrbio Bossanova”)

Os Cariocas (“Estamos aí”)

Melhor cantor MPB

Edu Lobo (”Edu Lobo e Metropole Orkest”)

Milton Nascimento (”Uma Travessia – 50 anos de carreira ao vivo”)

Vitor Ramil (”Foi no mês que vem”)

Melhor cantora MPB

Maria Bethânia (“Carta de amor”)

Rosa Passos (“Samba Dobrado”)

Simone (‘É melhor ser’)

CATEGORIA POP/ROCK/REGGAE/ HIPHOP/FUNK

Melhor álbum

“Atento aos sinais” de Ney Matogrosso, produtores João Mário Linhares e Sacha Amback

“Recanto, ao vivo”, de Gal Costa, produtor Moreno Veloso

“Todo dia é o fim do mundo”, de Lula Queiroga, produtores Yuri Queiroga e Lula Queiroga

Melhor grupo

O Rappa (“Nunca tem fim”)

Passo Torto (“Passo elétrico”)

Tono (“Aquário”)

Melhor cantor

Lulu Santos (”Canta e toca Roberto e Erasmo”)

Moska (”Muito pouco para todos”

Ney Matogrosso (“Atento aos sinais”)

Melhor cantora

Blubell (“Diva é a mãe“)

Gal Costa (“Recanto, ao vivo“)

Ná Ozzetti (“Embalar“)

Melhor álbum regional

“3 Brasis”, de 3 Brasis, produtor gravadora Kuarup

“Canta Gonzagão”, de Quinteto Violado, produtor Quinteto Violado

“Zulusa”, de Patricia Bastos, produtores Du Moreira e Dante Ozzetti

Melhor dupla regional

Caju & Castanha (“Meu Deus que país é esse?”)

César Oliveira & Rogério Melo (“Era assim naquele tempo”)

Valdo & Vael (“Brasil com ‘S”)

Melhor grupo regional

3 Brasis (‘3 Brasis’)

Quinteto Violado (‘Canta Gonzagão’)

Ticuqueiros (’Foto do mundo’)

Melhor cantor regional

Felipe Cordeiro (‘Se apaixone pela loucura do seu amor’)

Sérgio Reis (‘Questão de tempo’)

Victor Batista (‘Manchete do tico-tico’)

Melhor cantora regional

Bia Goes (‘Bia Goes’)

Maria da Paz (‘Outro Baião’)

Patricia Bastos (‘Zulusa’)

Melhor álbum de samba

‘Matéria-prima’, de Sombrinha, produtor Arlindo Cruz

‘Mundão de ouro’, de Riachão, produtores Cássio Calazans e Serginho Rezende

‘Se me chamar, ô sorte’, de Wilson das Neves, produtores Wilson das Neves, Paulo César Pinheiro e Berna Ceppas

Melhor grupo de samba

Casuarina (’10 anos de Lapa’)

• Orquestra Imperial (‘Ao vivo’)

• Sururu na roda (‘Ao vivo’)

Melhor cantor de samba

Riachão (‘Mundão de ouro’)

Wilson das Neves (‘Se me chamar, ô sorte’)

Zeca Pagodinho (’30 anos – vida que segue’)

Melhor cantora de samba

Alcione (‘Eterna alegria’)

Fabiana Cozza (‘Canto Sagrado – uma homenagem a Clara Nunes’)

Mariene de Castro (‘Ser de luz – uma homenagem a Clara Nunes’)

Finalistas especiais

DVD

Criolo & Emicida / “Criolo & Emicida – ao vivo”, diretores Andrucha Waddington, Ricardo Della Rosa e Paula Lavigne

Gal Costa / “Recanto, ao vivo”, diretores Dora Jobim e Gabriela Gastal

Zélia Duncan / “Totatiando”, diretor Regina Braga

Álbum língua estrangeira

“As canções do rei” / Leny Andrade, produtor Raymundo Bittencourt

“Canta Billie Holiday in Rio” / Leila Maria, produtor Paulo Midosi

“Zeski”/ Tiago Iorc, produtor Maycon Ananias

Álbum erudito

“Concerto antropofágico”/ OSESP, produtor Arthur Nestrovski

“Heitor Villa-Lobos – Sinfonia n° 6 e n° 7” / OSESP, produtor Arthur Nestrovski

“Rachmaninov” / OSESP, produtor Arthur Nestrovski

Álbum infantil

“A família” / Cria, produtor Vinicius Castro

“Arca de Noé”/ Vários, produtor Dé Palmeira

“Rabiola, ola, catibiribola” /Silvia Negrão, produtor Caio Gracco

Álbum projeto especial

“Ao vivo”/ Marcos Valle e Stackey Kent, produtores Marcos Valle e Jim Tomlinson

“Caymmi” /Nana, Dori e Danilo, produtor Dori Caymmi

“Sambabook”/ Martinho da Vila, produtor Alceu Maia

Álbum eletrônico

“Carnaval beach club Vol.1”/ Rodrigo Sha, produtores Rodrigo Sha e André Bastos

Source : Globo Online | 2014-05-14 11:00:00.0
'Festival Sumo Reggae' comemora dia nacional do Reggae. Programação se estende até o sábado (9).
Source : G1.com.br | 2014-05-09 12:08:47.0
A banda baiana de reggae Kwanza lança neste sábado, 10, o seu novo CD, "Insistência, Persistência e Paciência".
Source : atarde.com.br | 2014-05-09 00:02:16.0

RIO - A vida e a morte — e a caminhada que se dá de um ponto ao outro, com sua dinâmica ora nervosa, ora ralentada; ora deixa-solto-relaxado, ora segura-forte-a-rédea; ora tambores e guitarras de uma tonelada, ora violinos e Marisa Monte; ora reggae, ora surf music. É assim, em som e versos, “Nação Zumbi”. Em vez de fechar o olhar nos detalhes, a banda trata dos grandes temas com uma mirada panorâmica — o amor (“Foi de amor”), o tempo (“Novas auroras”), o desejo (“Um sonho”), a possibilidade do fim por um triz (“Bala perdida"), as marcas da experiência (“Cicatriz”), o sexo (“Pegando fogo”).

Mas sem linearidade. É a psicodelia (de letras e arranjos) e a sinuosidade (de melodias) que mandam. Ambas cruzadas pela morenice de Ben Jor (versos como “Toda a paz da minha guerra” ou “Senhora bala, me dê licença” acusam a filiação).

Source : Globo Online | 2014-05-08 11:00:00.0

RIO - O guitarrista Lúcio Maia, que tem marcas pelo corpo, como boa parte das pessoas, reconhece que é bastante simbólico que, duas décadas depois de debutar com o aclamado "Da lama ao caos", ainda tendo Chico Science à frente, a Nação Zumbi lance um álbum novo, de título homônimo, aberto por uma faixa como "Cicatriz" ("Quando fica a cicatriz/Fica difícil esquecer (...) Mas essa daqui me traz uma boa lembrança/Não preciso esconder").

- Eu tenho cicatrizes, como todo mundo, mas a mais profunda de todos nós na banda foi aquela deixada pela perda do Chico (morto em um acidente de carro, em 1997) - diz o músico. - Mas é uma marca cuja dor conseguimos superar, e hoje nos orgulhamos dela. Por isso, escolhemos essa música para ser o carro-chefe.

null

Lançado pela dobradinha slap/Natura Musical, "Nação Zumbi" é o primeiro álbum de inéditas do grupo pernambucano - que faz shows nesta sexta-feira e sábado no Circo Voador, às 22h - desde "Fome de tudo", de 2007. Nesse período, além de lançar o CD e DVD "Ao vivo em Recife" (2012), seus integrantes enriqueceram o currículo em atividades paralelas.

Lúcio e Pupilo (bateria) participaram do projeto Seu Jorge e Almaz, que gerou um elogiado disco em 2010. O guitarrista, que lançou seu segundo disco solo, "Mundialmente anônimo", em 2010, também fez parte da banda de Marisa Monte na turnê "Verdade, uma ilusão", entre 2012 e 2013, ao lado de Pupilo e Dengue (baixo). E assim se passaram sete anos.

- Não sentimos que foi tanto tempo assim. Acho que foi porque a configuração da banda estava partida, entre diversos projetos - explica Dengue. - Só agora, com o disco pronto e com a expectativa em torno dele, é que deu para notar que tinha sido uma ausência tão grande.

Produzido por Berna Ceppas e Kassin e trazendo o mesmo nome do disco que o grupo lançou em 2002 ("Faz de conta que somos o Led Zeppelin e esse é o nosso volume dois", brinca Dengue), "Nação Zumbi" (que tem a participação de Marisa Monte em "A melhor hora da praia") nasceu, como nos outros trabalhos do grupo, a partir de jams entre seus integrantes, sem um conceito amarrando suas 11 canções.

- São 11 histórias diferentes, 11 capítulos de um mesmo livro, que ora remetem ao passado, ora apontam para o futuro - conta o guitarrista.

Nesse balanço, que ricocheteia entre a força da letra de "Bala perdida" ("Ela quase lhe levou/Chegou perto de ser dela") e o reggae-funk de "Defeito perfeito" (que traz a filha de Chico Science, Lula Lira, nos vocais de apoio), a participação de Marisa surge como um fruto da relação da banda com a cantora nesses dois anos de estrada. Um fruto que a timidez da banda em relação a ela quase tornou proibido.

- A gente já tinha o esboço dessa música e achava muito bonita, mas todo mundo era meio envergonhado de convidá-la para cantar - confessa Dengue. - Até que sobrou pro Pupilo. "Vai lá, a bomba tá na sua mão", dissemos. E, claro, a Marisa aceitou na hora. Acabou ficando ótimo.

Source : Globo Online | 2014-05-08 11:00:00.0
Criolo e a banda alemã de reggae Seed fazem apresentação única, dia 24, no Auditório Ibirapuera. A data marca o encerramento do Ano da Alemanha no Bra






Source : estadao.com.br | 2014-05-04 06:04:00.0

Em abril de 1973, Bob Marley e a banda The Wailers lançavam seu quinto disco, Catch A Fire. O álbum, considerado até hoje como um dos melhores do gênero, foi o primeiro long play de reggae que fez sucesso fora da Jamaica. Na semana em que se celebra os 33 anos de morte de Bob [...]

O post Céu lembra Bob Marley em curta temporada ao público paulistano apareceu primeiro em Jornal Correio do Brasil.

Source : correiodobrasil.com.br | 2014-05-03 12:01:49.0

RIO — Ivete Sangalo abre seu show na Arena Fonte Nova falando em off: “A nossa história é agora. E o nosso tempo é de alegria”. Ela aparece ao som dos beats eletrônicos do novo hit “Tempo de alegria” — uma das quatro inéditas apresentadas. A consciência de seu tempo e a convocação ao entusiasmo, anunciados no texto, atravessam o DVD/ CD “Multishow ao vivo — Ivete Sangalo 20 anos”. Celebrando a data redonda, a cantora — que assina a direção musical com Radamés Venâncio — quis marcar a pluralidade que identifica em sua carreira, espalhando blocos temáticos: canções festeiras, a ligação com a Bahia, o reggae, o romantismo.

— É um registro desses 20 anos, um período no qual eu adquiri uma pluralidade. E o curioso é que minha carreira nunca teve um momento pop, axé, romântico... Sempre veio tudo misturado nos meus trabalhos — avalia Ivete.

O primeiro bloco de canções é o que ela classifica como pop, com sucessos como ““Acelera aê (Noite do bem)”, “Festa” e “Sorte grande” — destaque para as referências ao funk carioca, no ritmo e na dança.

— Depois mostro minha vertente rítmica — diz, referindo-se à parte em que ela recebe os convidados Bell Marques (ex-Chiclete com Banana) e o grupo de percussão Stomp, com o qual ela arrisca um número como se fosse uma integrante.

Influência de Elis Regina

Mais do que os convidados, chama a atenção a referência rítmica que ela mesma destaca:

— Aprendi muito de ritmo com Elis Regina. Cadência, respiração — explica, antes de citar outro artista por quem tem admiração profunda mas que não aparece como uma influência clara. — Sempre ouvi muito Lô Borges. Até hoje. Gosto de não perder a conexão com coisas que ouvia há muito tempo. É como o reggae (Alexandre Carlo, do Natiruts, é um dos convidados do show, numa lista que tem ainda Alexandre Pires, Saulo Fernandes e o Olodum).

Na concepção do show — da qual Ivete participou ativamente —, porém, ela afirma não buscar referências de cantoras pop internacionais, como Madonna, Beyoncé ou Rihanna.

— Não gosto de fazer nada igual aos outros. E também tem a coisa de eu ter uma relação com o meu lugar, a Bahia, outros elementos. O que pode ter é uma afinidade pelo inconsciente coletivo. Teve um disco que lancei, “As supernovas”, que tinha as cores muito parecidas com o que Madonna lançou dois meses depois. Se eu tivesse lançado depois, estava ferrada — diz, rindo.

A série de hits bem amarrados no DVD mostra mais uma vez Ivete — a cantora mais popular do Brasil há anos — exercendo a intuição e o conhecimento adquirido sobre a dinâmica do gosto do grande público. Algo que ela tem demonstrado no programa “Superstar”, ao aconselhar bandas novas.

— Tenho uma autoestima desconcertante. Jamais faria algo que não soubesse fazer bem.

O repórter viajou a convite da Universal Music

Source : Globo Online | 2014-04-30 11:00:49.0
Festival reúne bateria, maracatu e reggae em Ribeirão Preto
Source : eptv.globo.com | 2014-04-27 23:33:53.0

CIDADE DO PANAMÁ — A máquina brilha. A do neon reflete com limpeza cirúrgica pelas bebidas enlatadas. A moeda cai pela fenda.

Nicolás Mercado tira uma lata de Mountain Dew da máquina de alimentos e a coloca sobre a testa por alguns segundos. As ruas de Casco Viejo, com seus paralelepípedos e suas casas coloniais, semelhantes às de Cartagena das Índias, parecem ferver enquanto ele caminha até seu bar, o La Vecindad, um dos locais mais recomendados na região por publicações como o “Lonely Planet” e o “New York Times”, que dedicam páginas cada vez mais páginas a esta cidade. Mesmo com ar-condicionado, o La Vecindad não escapa do calor panamenho, nem das mudanças que a cidade atravessa.

— Estamos aqui há dois anos. Vai tudo muito bem, são várias as bênçãos aqui. Primeiro, sobreviver às gangues, e agora poder seguir com o bar — conta Mercado.

O Vecindad é um dos bares mais populares da região. Descoberto em 1501, o Panamá foi uma colônia espanhola durante três séculos, e o que restou desta época está neste bairro antigo, conhecido como Casco Viejo, uma área histórica, declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1997.

Esse marco é parte da história que tem ditado o novo rumo que a Cidade do Panamá parece seguir. Desde a década de 1990, e com a proximidade da virada do milênio, uma série de eventos transformou o destino do país: em 1989 terminou a ditadura de Manuel Noriega, e com ele se foi a estagnação econômica. Em seguida veio a entrega do controle do Canal do Panamá por parte dos Estados Unidos. Com esses marcos, comentam alguns panamenhos, começou a mudança. A Cidade do Panamá hoje se assemelha a uma espécie de Singapura centro-americana, graças à explosão imobiliária e econômica, e se converteu num polo de luxo e comércio: uma espécie de nova Miami que não para de atrair cada vez mais estrangeiros. Segundo números do Banco Mundial, o número de turistas internacionais pulou de 457 mil em 1999 para 1,6 milhão em 2012.

Alheio às estatísticas, Mercado, um jovem moreno com sobrancelhas marcantes e tatuagens tribais acredita que o novo milênio também trouxe uma vida diferente. Situado na Avenida A, o La Vecindad é um bar simples onde se bebe cervejas locais — Panamá, Balboa, Suarana e Atlas (nenhuma delas especialmente recomendável) — e onde o reggae e o reggaeton mantém a energia alta nas noites de casco Viejo. Essa é a visão do proprietário do bar, ex-membro de uma gangue que se dedicava ao tráfico de drogas e aos assaltos a turistas na década de 1990. Hoje, aos 30 anos, Mercado trata de animar as viagens dos visitantes.

Sentado no balcão principal da mansão centenária, Mercado explica a decoração simples, porém atrativa, do bar. Vários posteres com figuras parecidas com Bob Marley anunciam a programação de DJs, e o corredor que leva a um grande pátio tem o nome do bar escrito em grafite sobre paredes de pintura descascada com luzes de natal iluminando o caminho.

Mercado hoje está longe das aventuras que vivia aos 15 anos, quando liderava a gangue dos Hot Boys: em 1999, cinco tiros durante uma negociação de drogas tiraram sua vontade de seguir neste mundo. Com o tempo, ele aproveitaria a ajuda de um grupo de reinserção social para fundar o La Vecindad em 2009, e seguir o ritmo desse novo Panamá que continuava a crescer.

— Esta foi minha saída, minha verdade. Ou me adaptava ou morria, entende? Agora quero aproveitar, fazer com que os clientes se divirtam e que sintam o verdadeiro Panamá — conta Mercado, antes de falar em "espanglês" como o cantor porto-riquenho Daddy Yankee.

Não é fácil. para chegar ao centro do novo coração da Cidade do Panamá, que reúne um milhão de pessoas, é necessário atravessar uma infinidade de arranha-céus. A cidade se estende ao longo da costa, e suas dezenas de torres prateadas são visíveis de qualquer outra parte da cidade: umas com desenho em espiral, outras com o perfil de um veleiro, a maioria com a silhueta de enormes pilares que brilham sob o sol tropical.

Como era de se imaginar, os enormes edifícios trazem um custo: o tráfego na capital panamenha é atualmente um dos assuntos mais comentados pela população que, antes de sair de qualquer lugar, adiciona meia hora no trajeto, graças aos engarrafamentos que es estendem por quase todo o dia.

A área mais congestionada é o Distrito Financeiro, onde são visíveis as marcas da mudança: os hotéis Starwood e Trump receberam em março a companhia do primeiro Waldorf-Astoria da América Latina. O atual mercado hoteleiro da cidade era algo impensável no fim dos anos 1990, quando só havia cerca de mil quartos disponíveis em toda a cidade. Hoje, segundo a agência londrina de mercados hoteleiros STR Global, esse número já aumentou para 15 mil quartos, e a maioria dessas novas opções aposta em um público similar ao do Waldorf-Astoria que, com sua piscina coberta com azulejos de ouro e um spa adjacente, oferece a cada hóspede do hotel o apoio de um concierge pessoal.

Esse Distrito Financeiro é o retrato perfeito das aspirações panamenhas: com a aproximação das eleições presidenciais de 4 de maio, o candidato da situação e ex-ministro de Habitação, José Domingo Arias, fala em continuar com o boom imobiliário e seguir o caminho "do primeiro mundo". Seu adversário, Juan Carlos Navarro, mais amigo da Venezuela de Maduro que de qualquer político americano, cobre as ruas da cidade com cartazes que falam "ao povo", aos antigos panamenhos, enquanto jura que, com ele, o país irá "para a frente, não para trás".

As duas visões se enfrentam, enquanto os jornais afirmam que Arias provavelmente sairá vitorioso: a última pesquisa do diário panamenho "La Prensa", a um mês das eleições, mostra o candidato do governo com 39% das intenções de voto, contra 32% de Navarro.

Para Andrés Fernández, a decisão sobre o que o Panamá quer está bem clara. O engenheiro de 33 anos deixa sua Mercedes Benz nas mãos de um manobrista do Hotel Trump, o edifício mais alto da cidade, com 284 metros, e um dos locais mais frequentados pela nova geração de panamenhos após a saída do escritório. Ele limpa seus óculos Armani, que se embaçam no primeiro contato com a umidade, e caminha até o lobby, onde seu terno Hugo Boss parece se diluir entre dezenas de outros homens imitando o visual de Patrick Bateman, o protagonista de "Psicopata Americano", que trocam informações sobre ações na Bolsa de Valores como lobos de Wall Street.

Aqui, no Distrito Financeiro panamenho, o auge econômico significou também uma completa mudança estética, tanto na cidade, como em seus habitantes, especialmente aqueles que aceitaram, com um certo pragmatismo, países como os Estados Unidos como referência. Fernández é um deles, um desses panamenhos que aproveitam ao máximo o novo perfil de sua cidade.

— Cocktails na torre Trump e uma jantar na Bóveda — responde ele quando pergunto seu programa ideal para uma sexta-feira.

Fernández, moreno cuidadosamente barbeado, trabalha em uma imobiliária a poucas quadras do hotel.

— Durante a crise dos subprime, enquanto o resto do mundo enfrentava a recessão, aqui, a economia crescia sem parar. Esta já não é mais a mesma cidade em que cresceram meus pais, nem a quela em que passei minha infância. Metade dos edifícios do centro foram construídos durante o novo milênio, e todos os dias há novas inaugurações - conta Fernández, saboreando um gim com tônica.

Andrés Fernández diz que não tem irmãos e que seus pais, ambos professores, se dedicaram completamente a fazer dele "alguém com futuro". Hoje diz, sem esconder seu orgulho, que ganha a vida sem preocupações, e que parte fundamental de sua existência é ir ao Multiplaza Pacific Mall, o shopping center mais exuberante da cidade, que reúne lojas luxuosas como Cartier, Chanel, Bvlgari, Hermés, Louis Vuitton, Tiffany & Co., Jimmy Choo, Rolex, Carolina Herrera, D&G, Salvatore Ferragamo, Loewe, Emporio Armani, Omega, Ermenegildo Zegna, entre outras. Para Fernández, esse é o ritmo que move o país.

— Há quem diga que estamos perdendo as tradições, que já não se sabe mais qual é nossa identidade, mas a estas pessoas eu pergunto se por acaso gostariam de voltar ao tempo em que vivíamos entre golpes de governo, sem avanços. Isso aqui pode ser uma cópia, mas é uma boa cópia.

À noite, a rua Uruguay é como a Pangeia, uma estudada mistura da gastronomia mundial. Por toda a rua se estende uma série de restaurantes onde é possível provar pratos que vão da cozinha francesa à cubana.

Enquanto o Canal do Panamá vive uma expansão de US$ 5,25 milhões para duplicar sua capacidade, o resto da capital também continua a se remodelar. Com a construção do primeiro metrô do país, prestes a ser inaugurado, é possível enxergar duas cidades distintas na capital: a do primeiro mundo, cheia de símbolos da fortuna com seus arranha-céus no Distrito Financeiro, e a dos bairros ainda em desenvolvimento, com pequenas populações cercadas por esses mesmos titânicos edifícios de vidro, os pontos de ônibus muitas vezes quebrados e com tetos de lona que se multiplicam pela periferia, juntamente com ruas abertas e cones de suspensão de trânsito que estão por toda a parte. São as credenciais de uma metrópole em constante construção, onde os guindastes de um novo imóvel e o cimento fresco de uma ponte formam parte da paisagem cotidiana.

Na rua Uruguay, centro de várias festas e jantares frequentados depois dos grandes eventos panamenhos e festivais culturais de cinema e dança cada vez mais frequentes, também há lugar para inovações. O hotel e restaurante Le Meridien é atualmente um dos novos locais na moda no local. A designer Alisa Maxwell diz que o restaurante de paredes brancas e decoração minimalista é um de seus favoritos.

Alisa é descendente de americanos e conta a história de sua família como se fosse a história do Panamá. Seu pai, engenheiro americano que chegou ao Panamá para trabalhar na manutenção do canal durante o período de controle dos Estados Unidos, decidiu ficar no país após casar-se com uma panamenha. Alisa conta que sua mãe, que trabalhava como cozinheira em um pequeno restaurante próximo do canal, não estava disposta a deixar o país, e tinha dificuldades em aprender outro idioma, logo, a imigração estava fora de discussão.

— Cresci com essas duas culturas na cabeça. Os americanos que trabalhavam no canal tinham uma comunidade muito unida, e passavam muito tempo juntos. Me considero panamenha, porque nasci aqui, mas não acredito que haja muita diferença entre um e outro. Aqui a influência americana foi muito forte — diz Alisa, segurando um mojito e ostentando um coque que mantém seu cabelo ruivo perfeitamente esticado.

Os Estados Unidos devolveram o canal ao Panamá em 1999, mas desde então a relações entre os dois países permanecem muito próximas.

Próximo ao canal está a Cidade do Saber, uma espécie de mini-cidade cultural e educativa, localizada nos antigos terrenos militares utilizados pelos Estados Unidos. Esta área, conhecida como Fuerte Clayton, é hoje um centro de desenvolvimento cultural e tecnológico patrocinado por organizações como a Cruz Vermelha e diversas universidades americanas. para Alisa, que trabalha no centro de inovação deste eixo acadêmico, sua vida cada vez mais se parece com a de suas primas em Los Angeles.

— Lembro-me que viajei à Califórnia e à Flórida quando era pequena para ver alguns parentes, e perguntei a meu pai por que nossa casa era tão diferente. Agora já não poderia dizer isso, mas também não acredito que isso seja algo bom. Sinto falta das casas coloridas. Agora só se veem arranha-céus com alguns guetos no meio e engarrafamentos que duram o dia todo.

Do lado de fora do Le Meridien, a rua Uruguay começa a se encher de visitantes, muitos deles americanos e outros com sotaques caribenhos, enquanto o litoral se ilumina com as luzes de arranha-céus e automóveis apressados.

Observo o cenário quando Alisa Maxwell, com entusiasmo latino e sotaque americano, levanta seu mojito e diz:

— "Cheers"!

Source : Globo Online | 2014-04-26 12:00:00.0

RIO - Para fortalecer o turismo em dois dos principais destinos do país, o governo da Venezuela está investindo 120 milhões de bolívares (R$ 42 milhões) na recuperação dos aeroportos das ilhas La Tortuga, a 85 quilômetros da costa do estado de Miranda, e La Blanquilla, a 125 quilômetros do litoral de Margarita. As ilhas ficam no Caribe venezuelano.

No aeroporto da Isla La Tortuga, a capacidade atual será ampliada, com três quilômetros em pistas, um novo terminal para voos internacionais e um píer multimodal para catamarãs e embarcações menores. Antes disso, uma pista provisória, de 200 metros deverá ser concluída até julho. Em La Blanquilla, o novo aeroporto terá 1.200 metros de pistas e um novo terminal turístico. Com as melhorias, as autoridades esperam fazer da ilha um destino complementar à agitada Isla Maragarita.

Source : Globo Online | 2014-04-23 17:49:21.0

RIO - Desde que surgiu no cenário, em 1996, como uma colombiana aspirante a Alanis Morissette, muito aconteceu a Shakira. Hoje, a menina de Barranquilla faz parte do primeiro time de um pop mundial cada vez mais miscigenado, e suas transformações envolveram grandes remodelações de som e imagem. Surpreendentemente, porém, o que se encontra nesse seu novo disco (o primeiro pela RCA) é uma cantora que obedece aos mesmos princípios daquele seu primeiro álbum, “Pies descalzos”. O jogo da indústria é cruel, mas há coisas das quais ela não abre mão.

Os cabelos podem estar louros. As roupas, curtas. E os produtores, dispostos a lhe dar um som de boate de pegação. Mas Shakira dará um jeito de sair pela tangente, esquivando-se da vulgaridade dos colegas e fazendo um disco que, se não chega a ser casto e carola, também não é o festival de tédio embalado em beats e sexualidade já despida de metáforas que se ouve por aí no mercado.

“Shakira” tem ao menos uma faixa forte, já nas cabeças, que é o ska-rock “Can’t remember to forget you”, a qual ela divide, em uma das versões, com Rihanna (e a moça de Barbados fica com toda a responsabilidade pelo elemento erótico da coisa). Já o departamento latin-dance (hoje dominado por Pitbull) é atendido por “La la la”, uma daquelas produções descartáveis do onipresente Dr. Luke, que não cresce muito na remodelagem “Brasil 2014”, que tem a participação de Carlinhos Brown.

Mas essa é a parte, digamos, não autoral do disco. A Shakira de verdade está no romantismo meio torturado, meio latin-rock, de “You don’t care about me”. Na cancão folk “23”, feita para o filho Milan, com açúcar e afeto na medida. No exercício country “Medicine”, dueto com o seu companheiro do programa “The Voice”, Blake Shelton. E em “Cut me deep”, reggae com gosto colombiano que assume ares rockabilly-punks.

Ou seja, em “Shakira”, há um outro disco que se esconde por baixo da nudez da estrela. Um disco que faz lá suas traquinagens (como “Boig per tu”, cantada em catalão, foi vista como um estímulo ao separatismo) mas que quer muito acertar.

Cotação: regular

Source : Globo Online | 2014-04-22 11:00:00.0

RIO — A perspectiva que atravessa “Segue o som” (Sony), novo disco de Vanessa da Mata, é marcadamente feminina. Natural que seja assim, afinal a cantora é mulher e mãe — e tem uma história familiar repleta de mulheres fortes, como ecoa em seu romance de estreia, “A filha das flores”, lançado em 2013. De qualquer forma, é difícil ignorar a força feminina num disco que abre com a canção-enunciado “Toda humanidade veio de uma mulher”, remonta com graça à figura da avó (“My grandmother told me”), evoca o poder dos quadris (“Rebola nêga”) e avalia o amor, essa equação de encontros e desencontros com olhos de doçura e agudeza de... mulher.

— Nunca tive essa inveja do pinto de que Freud falava — brinca a cantora. — Gisa (personagem principal de “A filha das flores”) é feminista, eu sou pós-feminista. Ela tinha que reivindicar as coisas, eu já tenho. Meu primeiro disco já tinha esse direito de estar e ser mulher. Essa minha mulher, a das minhas canções, é forte. E, por outro lado, presencio a insegurança masculina, o homem está frágil em sua virilidade psicológica.

O homem, coadjuvante do álbum de Vanessa — que se separou após anos de relacionamento (“Não teve drama, foi tão bem desenrolado que nem influenciou o disco”) —, aparece muitas vezes refletindo essa fragilidade. Ele é alvo dos “toques” da compositora, que assina 12 das 13 canções do CD: “Vai ver que sou uma menina/ Só quero me divertir/ (...)/ Vai ver que sou uma menina/ E é capaz de me fazer feliz”; “Dramas são sempre enrolados/ Tome mais cuidado/ Não vá sem razão”; “Não vejo um sorriso verdadeiro por aí/ Acostumado a mentir/ Quem mente para todos mente para si”.

Teclados e “grooves”

O tema corta o disco, aparecendo de forma evidente em “Ninguém é igual a ninguém” (“O mundo capital/ O marketing da aparência superficial/ A contramão do amor puro/ O fast-fode, o jato do alívio”) e “Homem invisível no mundo invisível” (“Nesse consumismo/ Plastificado o rosto, amor, religião”). De forma mais sutil, ele está presente na defesa do rebolado de “Rebola nêga” e na leveza do gingado existencial, da escolha pelo caminho da suavidade de canções como “Um sorriso entre nós dois” (“Não pense em segurar, a vida tem asas”).

Como sonoridade, tudo isso se reflete na exuberância de teclados e variações de grooves (do carimbó-tecnobrega de “Se o presente não tem você” ao indie rock contemporâneo de “Por onde ando tenho você”, da trilha de musical mezzo-Julie-Andrews-mezzo-Björk de “My grandmother told me” ao reggae de “Homem invisível no mundo invisível”) . Por trás da arquitetura de timbres e ritmos, estão os produtores Kassin e Liminha.

— Desde o início tinha essa ideia de trazê-los, juntar duas pessoas fortes na minha carreira. Eles são completamente diferentes, mas complementares. Pelos pedaços de canções que eu vinha compondo (durante a turnê que fez em tributo a Tom Jobim, que gerou um álbum), já percebia que seria um disco diferente do (anterior de inéditas) “Bicicletas, bolos e outras alegrias”, que era mais contemplativo, com um lado africano acentuado. Este tem mais experimentação. Kassin tem muito isso. Liminha tem o suingue, faz a base de baixo e bateria bem estruturada. E a base carrega a sexualidade, a sedução — explica Vanessa, novamente puxando o disco para o rebolado feminino. — Cheguei com referências, mostrando coisas que achei que pudessem servir ao disco como (o cantor americano de r&b) Miguel, Marvin Gaye, Police, UB40, Black Uhuru...

Além de ter composto sua primeira música em inglês, “My grandmother told me — Tchu bee doo bee doo” (“Ela entra nesse universo romântico brega que adoro e fala daquele momento da paixão no qual você exagera, ouve Bryan Adams e chora”), Vanessa dá sua versão para o clássico de flashback “Sunshine on my shoulders”, sucesso com John Denver:

— Fiquei esperando que Kassin ou Liminha me dissesse: “John Denver?”. Mas não disseram. Porque a princípio parece muito diferente do meu universo, mas não é. Sou do Mato Grosso. Essa canção me remetia a um universo sertanejo, ao mesmo tempo pop, que entra na gaveta de um “Na rua, na chuva, na fazenda”.

Estreia no Circo Voador

Num álbum marcadamente feminino, a figura mítica que surge na canção “Homem preto” serve quase como um guia. Feita em homenagem ao avô de Vanessa — negro que se casou com uma branca numa época em que o casamento inter-racial era um tabu mais forte do que o que ainda se pode presenciar hoje —, a música traz versos como “Há um homem preto/ De olhos machucados/ Que habita um terno azul/ No meu peito”.

A canção estará no show de lançamento no Circo Voador, no próximo dia 25, que terá um rap exclusivo de Emicida na abertura. Vanessa está tranquila com a estreia na casa:

— Saí do Mato Grosso com 14 anos, não vou ter medo do Circo Voador — diz, rindo. — Circo é o mais fácil, é aberto para quem quer se jogar, dançar. As casas de shows com mesas É que são mais delicadas, porque estimulam uma postura mais analítica.

Source : Globo Online | 2014-04-19 11:00:04.0

RIO — O som segue por debaixo dos caracóis do cabelo de Vanessa da Mata, ondulando em várias tonalidades. Num lugar distante do passado ficou a garota que, sentada nos degraus de um teatro vazio em São Paulo, foi apresentada a Gilberto Gil como “uma menina” de quem todos ainda ouviriam falar, como lembra o próprio Gil no texto de apresentação do disco.

No seu sexto trabalho, ela fixa seu nome num singular patamar da MPB, entre a cantora pop, que a massa reconhece de hits como “Não me deixe só” e “Boa sorte/Good luck”, e a intérprete de fino trato, que é capaz de reconhecer a força de Sly & Robbie (a mais potente cozinha do reggae, que a acompanhou em “Sim”, seu terceiro disco) e que traz para o seu lado, desta vez, craques como Fernando Catatau, Marcelo Jeneci, Lincoln Olivetti e Money Mark.

Num disco de forte marca feminina, é apoiada neles e nos fortes ombros dos produtores Liminha e Kassin que Vanessa resume sua carreira e tenta avançar, entre as curvas do reggae estilizado (“Toda humanidade veio de uma mulher” e “Homem invisível no mundo invisível), brilhando na alegria (“Rebola nêga”, com seu balanço sincopado) e na tristeza (com a dramática “Ninguém é igual a ninguém”, colorida pelo teclado de Jeneci). Nos extremos, a dispensável versão de “Sunshine on my shoulders" (de John Denver) e o poderoso encanto de “Homem preto”.

Cotação: Bom

Source : Globo Online | 2014-04-19 11:00:00.0

RIO - O CD era considerado o formato musical do futuro quando o Prêmio da Música Brasileira teve a sua primeira edição, em maio de 1988 (ainda com o nome Prêmio Sharp de Música), numa cerimônia no Golden Room do Copacabana Palace, que teve Vinicius de Moraes como homenageado e convidados como Dorival Caymmi, Renato Russo, Cazuza e Elizeth Cardoso. Passadas mais de duas décadas, a soberania do pequeno disco prateado foi abalada, a indústria fonográfica foi virada de cabeça para baixo pelo avanço da internet, o consumo mudou radicalmente e novas estrelas surgiram, enquanto outras deixaram saudades. O livro “25 anos do Prêmio da Música Brasileira”, escrito pelo jornalista Antônio Carlos Miguel, com design de Gringo Cardia - e que será lançado amanhã, às 19h, na Hípica -, acompanha um pouco dessas mudanças, refletidas num evento que se firmou como um dos mais importantes da MPB.

- Vinte e cinco anos é uma data muito emblemática, tanto que casais celebram suas bodas de prata - conta José Maurício Machline, idealizador do prêmio. - Quando percebemos a chegada dessa data, nos preparamos para esse livro. Afinal, tínhamos que registrar a nossa história, que reflete as inúmeras transformações que aconteceram na música brasileira ao longo desse período.

A publicação, que marca a chegada ao mercado da editora Edições de Janeiro, tem entrevistas com personalidades que se confundem com a história da premiação, como Gilberto Gil, Maria Bethânia, Fernanda Montenegro, Nelson Freire e Marisa Monte. Traz também as biografias de todos os homenageados do prêmio - cuja próxima edição acontece no dia 14 de maio, no Teatro Municipal - e a lista completa dos premiados em todas as categorias de suas edições.

- A produção desse livro foi muito emocionante porque me permitiu enxergar o prêmio de uma forma mais ampla, lembrando de tantas estrelas e pessoas queridas que passaram por ele, desde Dorival Caymmi e Elizeth Cardoso a amigos como Raul Cortez e Thales Pan Chacon, que apresentaram a primeira edição - diz Machline, destacando alguns momentos tocantes do evento. - Foram muitos, mas os shows em homenagem a Baden Powell e à própria Elizeth foram inesquecíveis.

Com a mente dividida entre o lançamento do livro e a próxima edição do evento - que vai homenagear o mais brasileiro dos ritmos, o samba, com 103 indicados em 16 categorias e Wilson das Neves como destaque -, Machline reconhece que mudou junto com a sua criação.

- Eu era uma outra pessoa quando o prêmio começou. De lá para cá, vim de São Paulo para o Rio, sem muita noção do que faria da minha vida profissional, e acabei me reencontrando aqui. Hoje respiro música. É a maior paixão da minha vida.

Veja os indicados de 2014

Arranjador

Gilson Peranzzetta por “Edu Lobo e Metropole Orkest” - Edu Lobo e Metropole Orkest

Sacha Amback por “Atento aos sinais” – Ney Matogrosso

Vittor Santos por “Se me chamar, ô sorte” – Wilson das Neves

Melhor canção

“Cara de queixa”, de Wilson das Neves e Paulo Cesar Pinheiro - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

“Samba para João”, de Wilson das Neves e Chico Buarque - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

“Se me chamar, ô sort”’, de Wilson das Neves e Cláudio Jorge - intérprete Wilson das Neves (CD “Se me chamar, ô sorte”)

Projeto visual

Vários, disco “Arca de Noé” – Adriana Calcanhotto e Fernanda Villa-Lobos

Ney Matogrosso, disco “Atento aos sinais” - Cassia D´Elia

Lula Queiroga, disco “Todo dia é o fim do mundo” – Zé Mateus Alves

Revelação

Bixiga 70, disco “Bixiga 70”

Patricia Bastos, disco “Zulusa”

Vento em Madeira, disco “Brasiliana”

Melhor álbum

“Arrastão da alegria”, de Monobloco, produtores C.A. Ferrari, Celso Alvim, Mário Moura, Pedro Luis e Sidon Silva

“Made in China”, de Carlos Careqa, produtor Marcio Nigro

“Reencontro”, de Ângela Maria e Cauby Peixoto, produtor Thiago Marques Luiz

Melhor dupla

Chitãozinho & Xororó (“Do tamanho do nosso amor – ao vivo”)

Léo Canhoto & Robertinho (“L&R 40 anos”)

Zezé di Camargo & Luciano (“Teorias”)

Melhor grupo

Banda Calypso (“Ao vivo no Distrito Federal”)

Cheiro de amor (“Flores”)

Monobloco (“Arrastão da alegria)

Melhor cantor

Cauby Peixoto (“Reencontro”)

Lazzo Matumbi (“Lazzo Matumbi”)

Serjão Loroza (“Carpe Diem”)

Melhor cantora

Ângela Maria (“Reencontro”)

Lana Bittencourt (“A diva passional – ao vivo”)

Roberta Miranda (“25 anos ao vivo em estúdio”)

Melhor álbum instrumental

“Continente”, de Yamandu Costa, produtores Yamandu Costa e Guto Wirtti

“Mundo de Pixinguinha”, de Hamilton de Holanda, produtores Lu Araújo, Marcos Portinari e Hamilton de Holanda

“Ninho de Vespa”, de Spok Frevo Orquestra, produtor Spok

Melhor solista

Hamilton de Holanda (“Mundo de Pixinguinha”)

Léo Gandelman (“Ventos do norte”)

Yamandu Costa (“Continente”)

Melhor grupo

Bixiga 70 (‘Bixiga 70’)

Spok Frevo Orquestra (‘Ninho de vespa’)

Vento em madeira (‘Brasiliana’)

Melhor álbum MPB

“Edu Lobo e Metropole Orkest” , de ‘Edu Lobo e Metropole Orkest’ , produtores Metropole Orkest

“Foi no mês que vem”, de Vitor Ramil, produtor Vitor Ramil

“Tudo”, de Joyce Moreno, produtor Joyce Moreno

Melhor grupo MPB

Boca Livre (“Amizade, Boca Livre”)

Orquestra Criôla (“Subúrbio Bossanova”)

Os Cariocas (“Estamos aí”)

Melhor cantor MPB

Edu Lobo (”Edu Lobo e Metropole Orkest”)

Milton Nascimento (”Uma Travessia – 50 anos de carreira ao vivo”)

Vitor Ramil (”Foi no mês que vem”)

Melhor cantora MPB

Maria Bethânia (“Carta de amor”)

Rosa Passos (“Samba Dobrado”)

Simone (‘É melhor ser’)

CATEGORIA POP/ROCK/REGGAE/ HIPHOP/FUNK

Melhor álbum

“Atento aos sinais” de Ney Matogrosso, produtores João Mário Linhares e Sacha Amback

“Recanto, ao vivo”, de Gal Costa, produtor Moreno Veloso

“Todo dia é o fim do mundo”, de Lula Queiroga, produtores Yuri Queiroga e Lula Queiroga

Melhor grupo

O Rappa (“Nunca tem fim”)

Passo Torto (“Passo elétrico”)

Tono (“Aquário”)

Melhor cantor

Lulu Santos (”Canta e toca Roberto e Erasmo”)

Moska (”Muito pouco para todos”

Ney Matogrosso (“Atento aos sinais”)

Melhor cantora

Blubell (“Diva é a mãe“)

Gal Costa (“Recanto, ao vivo“)

Ná Ozzetti (“Embalar“)

Melhor álbum regional

“3 Brasis”, de 3 Brasis, produtor gravadora Kuarup

“Canta Gonzagão”, de Quinteto Violado, produtor Quinteto Violado

“Zulusa”, de Patricia Bastos, produtores Du Moreira e Dante Ozzetti

Melhor dupla regional

Caju & Castanha (“Meu Deus que país é esse?”)

César Oliveira & Rogério Melo (“Era assim naquele tempo”)

Valdo & Vael (“Brasil com ‘S”)

Melhor grupo regional

3 Brasis (‘3 Brasis’)

Quinteto Violado (‘Canta Gonzagão’)

Ticuqueiros (’Foto do mundo’)

Melhor cantor regional

Felipe Cordeiro (‘Se apaixone pela loucura do seu amor’)

Sérgio Reis (‘Questão de tempo’)

Victor Batista (‘Manchete do tico-tico’)

Melhor cantora regional

Bia Goes (‘Bia Goes’)

Maria da Paz (‘Outro Baião’)

Patricia Bastos (‘Zulusa’)

Melhor álbum de samba

‘Matéria-prima’, de Sombrinha, produtor Arlindo Cruz

‘Mundão de ouro’, de Riachão, produtores Cássio Calazans e Serginho Rezende

‘Se me chamar, ô sorte’, de Wilson das Neves, produtores Wilson das Neves, Paulo César Pinheiro e Berna Ceppas

Melhor grupo de samba

Casuarina (’10 anos de Lapa’)

• Orquestra Imperial (‘Ao vivo’)

• Sururu na roda (‘Ao vivo’)

Melhor cantor de samba

Riachão (‘Mundão de ouro’)

Wilson das Neves (‘Se me chamar, ô sorte’)

Zeca Pagodinho (’30 anos – vida que segue’)

Melhor cantora de samba

Alcione (‘Eterna alegria’)

Fabiana Cozza (‘Canto Sagrado – uma homenagem a Clara Nunes’)

Mariene de Castro (‘Ser de luz – uma homenagem a Clara Nunes’)

Finalistas especiais

DVD

Criolo & Emicida / “Criolo & Emicida – ao vivo”, diretores Andrucha Waddington, Ricardo Della Rosa e Paula Lavigne

Gal Costa / “Recanto, ao vivo”, diretores Dora Jobim e Gabriela Gastal

Zélia Duncan / “Totatiando”, diretor Regina Braga

Álbum língua estrangeira

“As canções do rei” / Leny Andrade, produtor Raymundo Bittencourt

“Canta Billie Holiday in Rio” / Leila Maria, produtor Paulo Midosi

“Zeski”/ Tiago Iorc, produtor Maycon Ananias

Álbum erudito

“Concerto antropofágico”/ OSESP, produtor Arthur Nestrovski

“Heitor Villa-Lobos – Sinfonia n° 6 e n° 7” / OSESP, produtor Arthur Nestrovski

“Rachmaninov” / OSESP, produtor Arthur Nestrovski

Álbum infantil

“A família” / Cria, produtor Vinicius Castro

“Arca de Noé”/ Vários, produtor Dé Palmeira

“Rabiola, ola, catibiribola” /Silvia Negrão, produtor Caio Gracco

Álbum projeto especial

“Ao vivo”/ Marcos Valle e Stackey Kent, produtores Marcos Valle e Jim Tomlinson

“Caymmi” /Nana, Dori e Danilo, produtor Dori Caymmi

“Sambabook”/ Martinho da Vila, produtor Alceu Maia

Álbum eletrônico

“Carnaval beach club Vol.1”/ Rodrigo Sha, produtores Rodrigo Sha e André Bastos

Source : Globo Online | 2014-04-15 11:00:00.0

KINGSTON - O astro internacional do dancehall-reggae jamaicano Vybz Kartel foi sentenciado à prisão perpétua nesta quinta-feira depois de ter sido condenado no mês passado por assassinato.

Kartel, de 38 anos, que também é conhecido como "World Boss" (Chefão Mundial), foi a julgamento pelo assassinato de um de seus antigos sócios, Clive Williams, popularmente conhecido como "Lagarto".

Williams foi assassinado em agosto de 2011 depois que uma negociação comercial não deu certo, disseram os promotores.

A Jamaica é conhecida internacionalmente como o berço do reggae e o seu artista mais famoso, o lendário Bob Marley, é um herói nacional.

O dancehall é uma ramificação mais recente do reggae, embora os críticos acusem o gênero de ter letras violentas, misóginas e homofóbicas. O estilo ganhou destaque na década de 1990 e continua muito popular na ilha.

Kartel, cujo nome verdadeiro é Adidja Palmer, não terá direito à liberdade condicional durante 35 anos, de acordo com a sentença proferida pelo juiz Lennox Campbell, da Corte Suprema.

Outros três envolvidos no crime também receberam prisão perpétua. Os advogados de defesa disseram que irão recorrer da sentença.

Source : Globo Online | 2014-04-04 01:29:47.0
O astro internacional do dancehall-reggae jamaicano Vybz Kartel foi sentenciado à prisão perpétua nesta quinta-feira depois de ter sido condenado no mês passado por assassinato....
Source : Terra Brasil | 2014-04-03 23:44:12.0

RIO — Em seu site, eles se descrevem como uma “afronta definitiva aos dogmas da MPB” e dizem que “Badtriptych” — “bad trip” mais “tríptico”, referência ao fato de o disco compilar uma trilogia (sim, eles são muito bons de título) — é a prova de que no Brasil “também tem feiura, cinismo, arrogância e maldade”. Mas o diabo não é tão feio quanto se pinta. O Satanique Samba Trio é formado por ótimos instrumentistas, que produzem momentos de beleza (às vezes clássica, muitas não convencional, mas ainda assim bela) em meio ao seu discurso de “música insuportável” e que radicalizam não contra “dogmas da MPB”, e sim a favor de uma tradição que vem das vanguardas clássicas e, na música popular, de artistas como Arrigo Barnabé e Hermeto Pascoal.

Sob faixas de nomes inspirados como “Self-destructing samba-reggae”, “Lambada post-mortem”, “Pipocalipse” e “Sodoma & Gonzaga”, o grupo se apropria da gramática do samba, do baião, do frevo e outras para construir uma língua própria. Toma timbres, levadas e fraseados desses gêneros e os rearruma anarquicamente, criando uma nova hierarquia, sob uma impressão muitas vezes de colagem. “Cliches 04, 21 & 23” liquefaz furiosamente o samba — dos tamborins ao “lalaiá”. “Ana Lidia resurrection” é uma gafieira pintada por Picasso. “Piece for throat cleaning and some latino drum” é exatamente isso — sons guturais e tambores. “Banzo Bonanza” atravessa diversas variedades do samba — o funkeado contemporâneo, o pagode, o exaltação épico, o regional — como quem atravessa uma madrugada de carnaval. Inferno? Melhor chamar de outro olhar sobre o paraíso.

Cotação: Bom

Source : Globo Online | 2014-03-28 10:00:00.0

RIO - O ar condicionado do Fosfobox parece não dar conta. São 3h de sábado, e a pista do clube de Copacabana está lotada. O calor e a umidade fazem com que os corpos quase se grudem a cada contato, a cada inevitável esbarrão. Na cabine, onde brilha um logotipo avermelhado na forma de W, o DJ mineiro Nedu Lopes, convidado da noite, mixa com precisão uma música atrás da outra, passando por versões de temas de artistas como Cutty Ranks e Dawn Penn, oriundos do reggae. Mas assim que ele dispara os primeiros acordes de “Grizzly”, da dupla britânica Nu: Logic, com sua batida peso-pesada e sua marcante linha de baixo sintetizada, a coisa realmente pega fogo. E quando entra o break, épico, antes da virada que torna a música ainda mais esmagadora, a casa vai abaixo. Como se transformados no poderoso e ameaçador urso que dá nome à faixa, todos urram ferozmente — desde o garoto com chapéu florido enterrado na cabeça às três meninas de sandálias rasteiras, que dançam juntas, fazendo passinhos de funk. Mãos são levadas para cima. Algumas pessoas giram a cabeça e batem os pés no chão, aumentando ainda mais o barulho. O clima é de catarse coletiva, como se fosse um show de heavy metal ou de hardcore. Mas essa é a Wobble, a festa eletrônica mais rock and roll da cidade.

Com três anos de vida, recém-completados, tocada e produzida pelos DJs Rodrigo S, Fabio Heinz e a dupla Marginal Men (Pedro Fontes e Gustavo Elsas), a Wobble é o chamado talk of the town, reflexo de um diálogo inovador travado pelo quarteto com um público que não parece ter muito mais que 20 anos de idade, e que compõe os dez mil seguidores da festa no Facebook. Longe das afetações que se tornaram comuns em alguns eventos de som eletrônico na cidade — tomadas por poseurs, empoleirados em suas áreas VIPs —, é essa turma, despojada, pé no chão, que comenta e frequenta as diversas edições feitas pela Wobble, uma festa independente, que consagra gêneros bem próximos do funk carioca, como o dubstep e o trap, e que se fez no boca a boca virtual.

— Acho que sem as redes sociais não teríamos a Wobble como ela é hoje. O Facebook é nossa principal mídia e ferramenta de divulgação — conta Rodrigo S, 34 anos, que trabalha com videografismos e animação há mais de uma década, e está finalizando o curso de Comunicação Social. — Temos até uma comunidade dentro da comunidade, o Wobble Crew, com 600 integrantes, superativos, que repercutem a festa e geram um conteúdo próprio. Não poderia ser diferente, até porque temos um público muito jovem, conectado, ligadíssimo, que já ouvia esses sons na internet e até em videogames, mas que não encontrava no Rio uma festa nesse formato.

Esse é o perfil do público que vem lotando os eventos da Wobble, em clubes e ao ar livre (uma nova tendência que a festa ajudou a fortalecer na cidade), por onde já passaram artistas internacionais como Diplo, Mala, DJ Craze, Addison Groove, Hatcha e Zed Bias, nomes facilmente encontráveis na escalação de qualquer grande festival na Europa ou nos Estados Unidos, além de craques locais como Marky e Bruno Belluomini. As celebrações do aniversário da Wobble vão seguir em alto estilo, no próximo dia 12, na Usina, ex-The Week, com a presença dos americanos Machinedrum e DJ Rashad.

— Nós começamos a trazer DJs estrangeiros em 2012, bem devagar, e conseguimos, aos poucos, fazer conexões com produtores na Argentina e no Chile, o que ajuda muito na hora de fechar os contratos — explica Pedro Fontes, 32 anos, que trocou os estudos de Economia pela carreira de produtor de eventos (foi promotor do clube LovE, em São Paulo) e musical (com lançamentos pelo renomado selo Renegade Hardware). — Agora, que já temos mais cancha nessa área, estamos conseguindo puxar as turnês a partir do Rio, já que o boca a boca entre os DJs lá fora também é grande. O Hatcha, por exemplo, disse que a festa em que tocou, na rua, na Vila Mimosa, foi uma das melhores da vida dele.

O Marginal Men, duo que une Pedro e Gustavo Elsas desde 2012, é mais uma das conexões criadas depois que Rodrigo S disparou um e-mail, em 2011, para um grupo de amigos, sugerindo a criação de uma festa de dubstep, então um ritmo ainda restrito ao underground — e que hoje pode ser ouvido até mesmo em um comunicado no site da Casa Branca.

— Antes de me envolver com a noite, eu tinha um selo de punk e hardcore, Oxenti Records, que já trouxe algumas bandas internacionais para tocar no Rio — conta Gustavo, 26 anos, formado em Ciências Sociais e integrante do celebrado grupo de fotógrafos do site I Hate Flash. — É engraçado porque diversos amigos meus, que vieram também do universo hardcore, hoje curtem a atmosfera rock da Wobble.

Menor em estatura, mas não em importância no quarteto multifunção que comanda a festa, Fabio Heinz foi quem pilhou Rodrigo para que enviasse o tal e-mail que resultou na formação da Wobble. Hoje, atua na festa como produtor, mestre de cerimônias e DJ.

— Fiz minha estreia na pista principal na sexta-feira passada — conta Fabio, 27 anos, formado em Cinema e que trabalha com marketing digital. — Fiquei um pouco nervoso no começo, mas depois curti. Afinal, a Wobble é uma festa horizontal. Os DJs são tão importantes quanto o público. Todo mundo está junto nessa onda.

O sucesso da festa e dos seus integrantes — o Marginal Men acaba de lançar sua primeira música, “Shake that crack”, enquanto um set recente de Rodrigo S já tem mais de 12 mil “plays” no soundcloud — não tem passado despercebido por quem vem, há tempos, acompanhando a movimentação nas pistas cariocas.

— A Wooble e sua equipe estão entre as melhores coisas que aconteceram na noite do Rio em muito tempo — conta Cabbet Araújo, há dez anos à frente do Fosfobox. — São um retrato perfeito dessa nova geração, curiosa, interessada e ativa, sem pose ou afetação.

Source : Globo Online | 2014-03-22 12:00:00.0

RIO - Continuar reunindo e apoiando gerações de cineastas negros que estão despontando dentro e fora do Brasil, mas sem deixar que o olhar europeu sobre a negritude prevaleça nas produções. Quem assume esse desafio é a diretora de arte Biza Vianna, que, após a morte do companheiro Zózimo Bulbul, em 2013, toma a frente do 7º Encontro de Cinema Negro Brasil, África e Caribe. O evento começa amanhã e vai até o dia 30.

Na entrevista que concedeu à equipe do GLOBO- Zona Sul, em sua casa, no bairro de Botafogo, Biza contou como está sendo dar seguimento, sem Zózimo, ao projeto que existe desde 2007, e já é referência em intercâmbio audiovisual, e um convite irresistível a um mergulho na cultura negra.

Você sempre esteve junto com Zózimo Bulbul à frente dos encontros. Qual é o maior desafio agora que ele se foi?

Está sendo muito difícil dar segmento aos projetos sem ele, sinto uma falta terrível. Ainda não me acostumei. O nosso casamento era também ideológico. Estive sempre na produção dos encontros, mas numa esfera mais burocrática, inclusive correndo atrás de patrocínios. Neste ano em que assumi a direção de arte, preciso manter a qualidade das discussões que são levantadas nos encontros, tarefa que o Zózimo sempre prezou.

Durante todo esse tempo em que vocês organizaram os encontros, qual o maior legado que ficou?

Hoje é possível identificar uma geração de cineastas negros. Sem dúvida, a infinidade de oficinas e palestras que já demos em países da África e os artistas que trouxemos para o Brasil ao longo desses anos são fruto desse trabalho. Atualmente, não existe nada no Brasil como o projeto do Zózimo. Ele preza o encontro. A ideia da reunião é muito importante, porque não é só uma mostra de filmes de altíssima qualidade que aborda o universo negro, a magia está na troca que ocorre ao longo dos dias. São universos muito diferentes que se encontram num espaço democrático.

Quem fez a curadoria dos filmes, como eles foram escolhidos?

A curadoria é do cineasta brasileiro Joel Zito Araújo e conta com a participação de Mansour Sora Wade, do Senegal, e Rigoberto Lopez, de Cuba, dois grandes nomes atuais. Eu assino a direção de arte. A curadoria está sendo feita visando à continuação da influência marcante do olhar de Zózimo. Ele realmente acreditava no poder transformador do cinema, achava que esse tipo de arte era capaz de mudar a concepção de um país. Manteremos essa proposta.

O que mais surpreende na safra de filmes da mostra 2014?

O que mais mexeu comigo foi a idade dos cineastas. Muitos jovens de diversas partes do Brasil, da África e de países da diáspora. Destaco especialmente os jovens Rafhael Barbosa e Viviane Ferreira. E os filmes transcendem a questão racial, partem para uma esfera etnocêntrica poética, para o deleite do espectador.

Que novidades o público pode esperar para este ano?

Com a vinda do Joel Zito Araújo para a curadoria, observamos que poderíamos focar mais no público jovem. Além de contar com vários filmes premiados no Festival Panafricano de Cinema Ouagadougou (Fespaco 2013), vamos realizar seminários no teatro da Livraria Cultura, no Centro. Teremos também ações na Baixada Fluminense.

Oficinas de roteiro e debates

Uma das novidades deste ano do 7º Encontro de Cinema Negro Brasil, África, Caribe é a ocupação da Livraria Cultura, no Centro, antigo Cine Vitória, onde Zózimo Bulbu estreou em 1962, nas telas. No espaço, serão realizados debates e oficinas voltados para o público interessado em conhecer o universo técnico do cinema. Na segunda-feira, às 9h, o senegalês Mansour Wade fala sobre o cinema contemporâneo do Senegal. Já a partir das 11h, a dupla Pascalle Obolo e Nadine Otsobogo dão um panorama sobre a nova geração do cinema africano, a partir da Mostra Cheick Oumar Sissoko.

- Amanhã, faremos a abertura no lugar onde tudo começou. Está sendo maravilhoso reunir jovens cineastas. Estamos recebendo um grupo da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Eles vão ter acesso ao conteúdo atualizado sobre a história do cinema negro, e seus caminhos até aqui. A ideia é fomentar cada vez mais produções - conta o curador Joel Zito Araújo.

O Cine Odeon também abrigará oficinas de roteiro ministradas pelo cineasta cubano Antonio Molina, na terça-feira, às 9h. Já na quarta-feira, haverá um debate sobre produção de séries para TV, às 9h.

Ingressos a R$ 4.

Veja a programação completa no site

Destaques na programação

O dia De Jerusa

Bixiga, coração de São Paulo. Jerusa, moradora de um sobrado envelhecido pelo tempo, em um dia especial, recebe Silvia, uma pesquisadora de opinião que circula pelo bairro convencendo as pessoas a responderem questionários para uma pesquisa de sabão em pó. Direção: Viviane Ferreira. Amanhã, às 17h30m; sábado, às 15h30m; terça-feira (25), às 15h30m; quarta (26), às 15h30m. Duração 20'. Classificação 12 anos.

One Man’s Show

Um ator descobre, aos 50 anos, que tem câncer. Em meio a uma profunda crise existencial, ele terá que recuperar seu ego, cuidar do filho de 12 anos e repassar o fracasso de seus casos de amor com três mulheres que marcaram importantes períodos de sua vida. Direção: Newton I. Aduaka. Amanhã, às 19h30m; e domingo, às 17h30m. Duração 81’. Classificação 14 anos.

Guimba

Sitakili, uma cidade do Sahel, vive sob a dominação de um homem, Guimba Dunbaya, e seu filho Janguiné. Kani Coulibaly é noiva de Janguin desde que nasceu. Ela é agora uma bela moça, mas nenhum pretendente ousa declarar-se, de tão grande o terror imposto por Guimba. Direção: Cheik Omar Sissoko. Duração 93'. Sábado, às 13h30m; e terça-feira (25), às 19h30m. Classificação 14 anos.

Calipso Rose

Calypso Rose é a embaixatriz da música caribenha, a diva incontestável da Calypso Music. A cineasta franco-camaronesa Pascale Obolo passa quatro anos com a diva em uma jornada muito pessoal. Direção: Pascale Óbolo. Sábado, às 15h30m, e segunda-feira (24), às 21h30m. Duração 85'. Classificação 14 anos.

Moi — Zaphira

Burkina Faso

Zaphira, uma jovem que vive com sua filha de 7 anos, não está satisfeita com sua vida e deseja um futuro melhor para a menina. Um dia, ela se depara com uma revista de moda que ilustra muitas jovens bonitas modelos de moda. Ela tem uma revelação: a filha vai ser modelo. Direção: Apolline Traoré. Sábado, às 17h30m; e quarta-feira (26), às 19h30m. Duração 161'. Classificação 18 anos.

Dialemi Gabão

Uma casa à beira-mar. Um Homem, escultor, vive ali sozinho. Ele está sem inspiração. Uma tarde, uma mulher misteriosa aparece. Ele estava esperando por ela. É um filme sobre a criatividade e sobre o amor. Sobre a inspiração que alguém desfruta. Dialemi significa “meu amor”. Direção: Nadine Otsobogo. Sábado, às 19h30m; e quarta-feira(26), às 19h30m. Duração 20'. Classificação 14 anos.

O Grande Kylapy

Joãozinho é um jovem angolano, descendente de uma rica família do período colonial. Embora seja alto executivo do Banco Nacional Angolano, ele desvia os fundos da própria instituição onde trabalha, distribuindo dinheiro aos colegas, militantes pela libertação de Angola. Joãozinho vai preso, mas, quando sai da prisão, é acolhido pela sociedade como um herói local. Direção: Zezé Gamboa. Sábado, às 19h30m. Duração 100'. Classificação 18 anos.

Mostra Nigéria

Filmes do cineasta Tunde Kelane. Domingo, às 13h30m. Classificação 14 anos.

O Que Lembro, Tenho

A idosa Maria vive num apartamento de classe média, aos cuidados da filha Joana. Direção: Rafhael Barbosa. Domingo, às 15h30m; e terça-feira (25), às 17h30m. Duração 20'. Classificação 14 anos.

Cidade de Deus — Dez anos Depois

O filme resgata os dez anos passados desde o lançamento de “Cidade de Deus” (2002) e procura mostrar as transformações vividas pelos atores do longa na última década. Direção: Luciano Vidigal e Cavi Borges. Domingo, às 15h:30m. Duração 75'. Classificação 14 anos.

Aconteceu no Pelô

Em Salvador, Bahia, uma tranceira e um rastafari entram em choque por causa da rivalidade de seus times. Intercessão de uma banda de Reggae muda o desfecho do conflito. Direção: Flávio Leandro. Domingo, às 17h30m, e terça-feira (25), às 15h30m. Duração 6'. Classificação 14 anos.

O Velho Rei

A partir de um pedido inusitado de sua filha Cleonice, que vive fora do país, Climério passa a gravar tudo o que vê à sua volta, com a câmera enviada por ela, contando uma história através das memórias do passado e o encantamento do presente. Direção: Ceci Alves. Domingo, às 19h30m; terça-feira (25), às 15h30m; e quarta-feira (26), às 15h30m. Duração 9'50'. Classificação 14 anos.

Remoção

Filme documentário sobre o processo de remoção das favelas da zona sul do Rio de Janeiro, nas décadas de 1960 e 1970, que deram origem à criação de conjuntos habitacionais, como Vila Aliança, Cidade de Deus, Cidade Alta e Cruzada São Sebastião. Direção: Luiz Antonio Pilar e Anderson Quack. Domingo, às 19h:30m. Classificação 14 anos.

Todos os filmes citados acima, serão exibidos no Cine Odeon Petrobras. Praça Floriano 7, Centro. Ingresso a R$ 4.

Veja a programação completa no site .

Source : Globo Online | 2014-03-22 10:00:00.0

RIO - Musicalmente, o Pará é um Caribe amazônico, formado graças às rotas de contrabando. Nos anos 1950, os navios que traziam perfumes e uísque carregavam também vinis de merengue, salsa e zouk. Sessenta anos depois, a influência das sonoridades caribenhas fez a música paraense desaguar no tecnobrega e em seu principal palco, as festas de aparelhagem.

Não só a música, mas também as estruturas monumentais de som — que piscam, rodopiam e soltam fogo — têm uma história de mais de seis décadas. E é essa memória que o americano Darien Lamen, professor de etnomusicologia da Universidade de Wisconsin, busca preservar. Em parceria com o pesquisador musical Milton Almeida Júnior, de Belém, ele toca o Projeto Sonoro Paraense, site que recolhe depoimentos da velha guarda das aparelhagens (www.sonoroparaense.com). O projeto ainda inclui um documentário para a TV, que está sendo filmado pelo cineasta de Belém Afonso Galindo, e, no futuro, um museu das aparelhagens.

— Quando cheguei ao Brasil, para estudar a influência do Caribe na música brasileira, minha parada inicial foi o Nordeste. Lá, vi pela primeira vez o Mestre Vieira apresentar a guitarrada. E descobri que havia outro Caribe no país, que não é o Caribe do reggae, mas da cumbia e do merengue. Fui para Belém e passei três anos lá. Desde então, costumo voltar duas vezes por ano — conta Lamen, que fez 200 entrevistas durante a pesquisa.

A história que Lamen e Júnior buscam recuperar é a que veio antes da moderna aparelhagem “ostentação” — caso de Superpop, Rubi, Tupinambá e outras. Elas começaram em carrinhos de mão com um toca-discos ligado a um alto-falante, chamados nos anos 1950 de “picarpes”, e nos “sonoros”, estruturas já potentes de música, mas ainda distantes do espetáculo cheio de som e fúria de hoje. Naquela época, o “projetor de som” levava o singelo apelido de “boca de ferro”. Depois de três músicas, era preciso trocar a agulha, porque os discos de cera de carnaúba a cegavam. No começo, picarpes e sonoros tocavam nas gafieiras da periferia. Depois, nas chamadas “sedes”. A lógica era se apropriar da tecnologia de som estrangeira.

Aparelhagens como essas podem ser vistas nas fotos da mostra “Área 91”, de Thales Leite, em cartaz no Oi Futuro. O fotógrafo reúne tanto estruturas de som contemporâneas quanto as “de raiz”, mas ainda em atividade. É o caso da Brasilândia, que aparece na pesquisa de Lamen e, como outras surgidas no começo do movimento, hoje é vista nos “bailes da saudade” — festas que só tocam músicas daquele tempo, voltadas para um público mais velho. No início dedicadas ao bolero, essas festas ficaram mais agitadas com a entrada no merengue, que deixou os passos dos dançarinos mais soltos. A ele somaram-se, depois, o forró, o brega, a rumba e outros gêneros.

— A narrativa dominante do tempo da ditadura militar era que o avanço tecnológico salvaria a Amazônia. Como se a tecnologia viesse do centro para salvar a periferia — diz Lamen, num português com sotaque paraense. — Mas é o contrário. A periferia se apropria dessa tecnologia e faz outra coisa com ela. Claro que é uma forma de sobrevivência, mas também uma forma de arte. Muitos pensam no Norte do Brasil como um lugar provinciano, mas essas festas de subúrbio eram um espaço muito cosmopolita.

Um dos personagens mais importantes relembrados pelo Projeto Sonoro Paraense é Milton Almeida, pioneiro dos sonoros e pai de Milton Júnior, parceiro de Lamen na pesquisa. Filho de um garimpeiro de ouro no interior da Amazônia, Almeida se apaixonou pela tecnologia num parque de diversões. Era ele que comandava a roda-gigante, a montanha-russa e o Sputnik, um imenso brinquedo de metal que virava de cabeça para baixo em alta velocidade — “Ele guarda até hoje o segredo da transformação da Monga, a mulher monstro, e não revela para ninguém”, diz o filho. Dali para manipular equipamentos de som foi um pulo. A aparelhagem dele, a Alvi Azul, toca até hoje no interior do Pará.

— Meu pai sempre foi um cara curioso. Ele não se conformava com o que já vinha montado do mercado, achava pouco, queria mais amplificação do som. A aparelhagem sempre fez parte da nossa cultura. Ela acompanhava de aniversários a enterros. Eu praticamente nasci dentro de uma — diz Júnior. — Criamos o projeto porque as pessoas mais velhas estão morrendo, e não queremos que essa história vire só um papo de bar.

Como outros donos de sonoros, Milton Almeida gastava noites sem dormir em busca do som mais equalizado, do eco perfeito. O que fazia a diferença entre um sonoro e outro era a personalidade do dono e os discos que ele possuía — com a setlist escolhida pelo “discotecário” e executada pelo “controlista”, o precursor dos DJs das aparelhagens.

Em um ambiente de baixa escolarização, as músicas em espanhol ganhavam apelidos. Um disco com duas vacas na capa, por exemplo, virava o “Merengue da vaquinha”. Se uma música vinda da Guiana Francesa usava a palavra petit, ela virava tipiti, a prensa usada para secar a mandioca.

Os donos de aparelhagem também eram procurados por artistas sem espaço nas rádios, para conseguirem se tornar conhecidos. Também enfrentavam a repressão da polícia, como todos os movimentos culturais na periferia.

— Eles também tiveram um papel fundamental nas gravações de carimbó. Mestre Verequete e Pinduca não tinham suas músicas em vinil e foram convencidos a gravá-las pelos donos de aparelhagens. Era difícil para os grupos de carimbó gravarem suas canções — diz Afonso Galindo, diretor do documentário em produção.

“Para além da saudade”

Apesar de os “bailes da saudade” serem comuns no Norte do país, a ideia do Sonoro Paraense, afirma Lamen, é um “resgate para além da saudade”. Por isso, ele e Júnior também se dedicam a recuperar os equipamentos sonoros da época e a promover encontros da velha guarda nas antigas sedes, onde exibem os equipamentos. Montaram, por ora, uma espécie de museu itinerante.

Apesar de querer fugir do saudosismo, Lamen lamenta que, na era da aparelhagem “ostentação”, só o tecnobrega prevaleça como ritmo em meio à riqueza que deságua por ali. E cita o poeta paraense Ruy Barata: “Eu sou de um país que se chama Pará/ Que tem no Caribe seu porto de mar.”

Source : Globo Online | 2014-03-17 12:00:00.0

RIO - Há um novo som em Salvador. Mundialmente conhecida por seu carnaval, pelo axé e também pela forte influência da cultura africana nas tradições locais, a Bahia tem adentrado outro terreno fortemente relacionado com a diáspora negra: a bass music.

Do reggae ao dub, passando pelo hip-hop, onde você escutar um grave pulsando e uma batida conduzindo o transe, pode ter certeza de que a África está ali. Portanto, era de se esperar que o som eletrônico que carrega o grave no nome e que é a base do recente sucesso do dubstep e do trap encontrasse ecos na capital baiana.

Nesse movimento estão grupos como A.MA.SSA, Som Peba e Bemba Trio e DJs como Mauro Telefunksoul, Hashta, Lucas Brasil, Kongo, Toshiro, Murilo Lobo. Recentemente, alguns deles foram reunidos na coletânea “Bass culture Bahia”, lançada pelo governo do estado, que serviu como catalisador dessa cena.

— Esse conceito de bass para nós foi sempre uma experiência bastante familiar — explica Mahal, do A.MA.SSA. — Ouvimos reverberar pela cidade essa sensação de potência, em carros com paredões de som tocando pagodão, muitas vezes distorcido pela obsessão pelo grave, em festas com tropas de percussionistas tocando e, no topo da cadeia do poder sonoro, potentes em trios elétricos empurrando a massa.

Para Mahal, uma revolução na concepção musical vem acontecendo em diversos guetos do planeta, e Salvador não é uma exceção.

— É música de periferia, baseada na tecnologia, ligada ao regional, mas sendo pensada mundialmente — afirma.

Telefunksoul, integrante dos coletivos Pragatecno, Crokant e Naxapa Controle de Som, acredita que a “mandinga, percussão forte, suingue, calor humano e a musicalidade” do baiano são um fator diferencial no som produzido em Salvador. Já Pedro Marighella, nome por trás do Som Peba e do OMÃ (esse com Thiago Felix), enxerga um posicionamento político nesse som.

— Apesar de a música de periferia ter a produção mais instigante da Bahia, o estado ainda sofre muito com as diferenças sociais e o racismo. A parte da população que atua nessa produção não é diretamente atendida pelos benefícios que ela gera. Canibalizar essas referências é também uma ação política.

Apesar dos avanços, Telefunksoul afirma que não é fácil encontrar espaço para esse som em Salvador.

— Todo e qualquer som mais alternativo é complicado de se trabalhar por aqui. Apesar de Salvador ser a terra do reggae e do samba-reggae, temos poucos lugares apropriados para se ouvir um bom soundsystem — diz ele

Mahal, porém, é otimista na expansão desse movimento “bass”:

— A Bahia vem assumindo cada vez mais o legado tropicalista de passear pelo mundo sem sair de casa. Já podemos observar o início dessas movimentações em outras cidades fora de Salvador. Mesmo que ainda bem tímido, já é um sinal de amplitude.

* Bruno Natal escreve na página Transcultura, publicada às sextas-feiras no Segundo Caderno

Source : Globo Online | 2014-03-14 12:00:00.0

"Samba Rock Esporte Club" mistura samba, hip-hop, reggae, entre outros. Músicas autorais fazem parte do show, realizado todos os domingos.
Source : G1.com.br | 2014-03-14 11:10:01.0

Links : Bandas e Artistas de Reggae

reggaeportugal-comReggae Portugal

REGGAE PORTUGAL - Portal da música Reggae


reggaetrade-comReggaeTrade

O maior guia de cds e dvds de Reggae do Brasil.


uol-com-br-tribodejah-centralreggaeCentral Reggae

O reggae em todas as mídias



Pode apresentar uma Link nesta categoria