Bandas e Artistas de Reggae

País : Jamaica

Representante canções exemplos de Reggae



Videos do Reggae

Video clips do Reggae (YouTube e DailyMotion)

Artistas ou Grupos

340ml(2)[video]  -  Abdel Wright(1)  -  Abdou Day(2)  -  Abdoul Jabbar(1)  -  Abega(3)  -  Abijah(3)  -  Adioa(4)[informações]  -  Admiral Bailey(4)  -  Adrien Bass(1)  -  African Brothers(3)  -  African Bush Doctor(0)[video]  -  African Head Charge(17)[informações]  -  Agana(1)[video]  -  Ahmed Faras(0)  -  Akwe(0)  -  Al Campbell(11)  -  Al Pancho(1)  -  Albert Griffiths(0)  -  Alex Kajumulo(1)  -  Ali Moindzani(0)[video]  -  Alpha Blondy(25)[informações][audio][video]  -  Alpha Mim(1)  -  Alpha Oméga(1)  -  Alpha Rowen(1)[video]  -  Alpha Wess(1)  -  Amazulu(8)  -  Andrew Tosh(4)  -  Anguilé(1)  -  Annette Brissett(1)  -  Anthony B(21)[informações][video]  -  Anthony Johnson(2)  -  Apple Gabriel(4)  -  Arkaingelle(1)  -  Asher Senator(1)  -  Askia Modibo(1)[informações]  -  Aston "Family Man" Barrett(2)  -  Aswad(28)[video]  -  Augustus Pablo(33)[informações]  -  Aziz Wonder(0)[informações]  -  Babadi(5)[video]  -  Baby G(1)  -  Back Jardel(1)  -  Backom(2)  -  Baco(5)[informações][video]  -  Bafing Kul(1)  -  Baloji(1)  -  Baraka Oyuru(1)  -  Barbara Jones(0)  -  Barrington Levy(37)[video]  -  Barrington Spence(3)  -  Barry Brown(4)  -  Baster(12)[video]  -  Bee Pasteef(1)  -  Benjam(6)[video]  -  Benz'n(1)  -  Beres Hammond(28)[informações][video]  -  Big Youth(23)[informações][video]  -  Billy Boyo(2)  -  Bim Sherman(25)[informações]  -  Bingui Jaa Jammy(4)[informações][video]  -  Black Medio(0)  -  Black Roots(6)  -  Black Uhuru(34)[informações]  -  Bob Andy(5)  -  Bob Dahilou(1)[informações]  -  Bob Marley & The Wailers(11)[informações][video]  -  Bobby Ellis(2)  -  Brigadier Jerry(6)  -  Brother Ayouba(1)[video]  -  Buju Banton(19)[informações][video]  -  Bunny Wailer(26)[informações]  -  Burning Spear(41)[informações][video]  -  Burro Banton(3)[informações]  -  Bushman(11)[video]  -  COUP SEC(1)  -  Capleton(20)[informações][video]  -  Carl Harvey(1)  -  Carlene Davis(7)[informações]  -  Cedric "Im" Brooks(5)  -  Cedric 'Congo' Myton(3)  -  CeePee(1)  -  Chaka Demus & Pliers(8)[informações][video]  -  Charlie Chaplin(10)  -  Chata Addy(2)  -  Chezidek(4)[informações]  -  Chow Panachie(1)  -  Chrisinti(2)  -  Clancy Eccles(3)[informações]  -  Cliff Brown Tchiepi(0)  -  Clint Eastwood(3)  -  Clinton Fearon(9)  -  Clive Hunt(1)  -  Cocoa Tea(39)[informações]  -  Cornell Campbell(16)[video]  -  Cultural Roots(2)  -  Culture(32)  -  Défoul' la mêm(4)  -  Daddy Freddy(11)  -  Daddy Nuttea(5)[informações]  -  Daddy Rings(3)  -  Damian Marley(4)[informações][video]  -  Daweh Congo(7)  -  Deïdo Tree(0)  -  Dean Fraser(9)[informações]  -  Delroy Washington(2)  -  Delroy Williams(1)  -  Delroy Wilson(10)[informações]  -  Dennis Brown(90)[informações][video]  -  Dezarie(3)  -  Diana Rutherford(1)  -  Didyé Kérgrain(1)  -  Dillinger(9)  -  Dj Dan(2)  -  Djama(4)[video]  -  Djos Kezo(0)  -  Dolé(0)  -  Don Carlos(1)  -  Doniki(1)  -  Dr Mooch(1)  -  Dr. Alimantado(8)  -  Dread Maxim(2)  -  Earl Chinna Smith(3)  -  Earl Sixteen(5)[informações]  -  Earth and Stone(1)  -  Eek a Mouse(16)  -  Elie Kamano(1)[video]  -  Elijah Prophet(1)  -  Empress Ayeola(1)  -  Energy Crew(1)  -  Eric Donaldson(14)  -  Ernest Ranglin(13)  -  Etana(1)[video]  -  Fôô Fanick(0)[video]  -  Fac Alliance(3)[video]  -  Fadal Dey(0)[video]  -  Frankie Paul(7)[informações]  -  Freaky Joe aka Sing'A'Teh(1)[video]  -  Fred Locks(3)  -  Freddie Mc Gregor(41)  -  Ganga Vibes(0)  -  Garnett Silk(8)[informações]  -  Gato Negro(1)  -  General Degree(3)  -  Gladstone_Anderson(3)  -  Glen Washington(16)  -  Gondwana(5)  -  Guya Tchendo(0)  -  Gyptian(5)[video]  -  Half Cast(0)[video]  -  Harry Mo(1)  -  Hass Keita(0)  -  Hass Mosa(2)[video]  -  Hoba Hoba Spirit(0)[informações]  -  Horace Andy(44)[informações][video]  -  Horace Martin(3)  -  Hugh Mundell(8)  -  I Roy(17)[video]  -  I-Three(2)  -  Ijahman(24)  -  Inner Circle(21)[informações]  -  Innocent Galinoma(1)[video]  -  Ismaël Isaac(7)[informações][video]  -  Ismaël Wonder(1)  -  Israel Vibration(33)[informações][video]  -  Jackie Mittoo(29)[informações]  -  Jacob Miller(8)[informações]  -  Jah Cure(5)[informações][video]  -  Jah Lion(1)  -  Jah Lloyd(3)[informações]  -  Jah Mali(2)  -  Jah Mason(11)[informações]  -  Jah Milk(1)  -  Jah Nesta(1)  -  Jah Prince & The Prophets Band(1)  -  Jah Shaka(17)[informações]  -  Jah Stitch(4)[informações]  -  Jah Woosh(2)  -  Jah'Key Malle(0)  -  Jahel(0)  -  Jahwise(3)[video]  -  Jamadom(2)  -  Jede I Tafari(0)[video]  -  Jerry Jheto(1)  -  Jhiko Manyika(3)  -  Jim Kamson(1)  -  Jimmy Cliff(35)[informações]  -  Jimmy Riley(14)  -  Joe Gibbs(7)  -  Joe Higgs(3)[informações]  -  John Chibadura(7)[informações]  -  John Holt(42)  -  Johnny Clarke(8)[informações][video]  -  Joseph Cotton(8)  -  Josey Wales(3)  -  Judy Mowatt(10)[informações]  -  Julian Marley(4)[informações]  -  June Lodge(2)  -  Junior Delgado(23)[informações]  -  Junior Kelly(9)[informações][video]  -  Junior Murvin(3)[informações]  -  Junior Reid(19)[informações]  -  Justin Hinds(7)[informações]  -  Kajeem(2)[video]  -  Kalash(3)  -  Kaliroots(2)  -  Kalory Sory(1)  -  Kana(2)  -  Keith Hudson(11)  -  Ken Boothe(35)  -  Kiddus I(3)[informações]  -  King David(1)  -  King Sounds(7)  -  Kizito(2)[video]  -  Koko Dembele(1)  -  Kom'Zot(4)  -  Kuami Mensah(0)[video]  -  Kulcha Far I(3)  -  Kussondulola(6)[video]  -  Kwame Bediako(3)  -  Ky Mani Marley(1)  -  Kâyamanga(1)  -  Larry Cheick(1)  -  Lee "Scratch" Perry(22)  -  Leroy Brown(1)  -  Leroy Smart(6)  -  Linton Kwesi Johnson(15)[informações][video]  -  Linval Thompson(3)[video]  -  Little John(4)  -  Little Roy(7)[informações]  -  Lord Of Ajasa(1)  -  Luciano(41)  -  Lucky Dube(20)[informações][audio][video]  -  Lutan Fyah(11)  -  Lyricson(3)[video]  -  Macka B(17)[informações]  -  Mad Cobra(7)  -  Madoxx(0)  -  Maiko Zulu(1)  -  Majek Fashek(4)[informações][video]  -  Manleo(1)  -  Marcel Salem(2)[video]  -  Marcia Aitken(1)  -  Marcia Griffiths(18)[informações]  -  Marlaoui(0)  -  Marlon Asher(2)  -  Marloy(1)  -  Maroghini(2)[informações]  -  Mawana Slim(1)  -  Max Romeo(29)[informações]  -  Maxi Priest(13)  -  Mc Duc(1)  -  Merger(1)[video]  -  Message Roots(1)  -  Michael Prophet(21)[informações]  -  Michael Rose(27)[video]  -  Michael Smith(1)  -  Michel Legris(0)[video]  -  Mikey Dread(21)[informações]  -  Mikey General(2)  -  Mikey Ras Starr(1)  -  Mikey Spice(6)  -  Milton Henry(1)  -  Mireille Tikry(0)[video]  -  Misty in Roots(9)[informações]  -  Mo'Kalamity(2)  -  Momo Roots Soumah(1)  -  Morgan Heritage(14)[informações][video]  -  Moses I(1)  -  Muinguilo(2)  -  Mutabaruka(12)[informações]  -  Mystic Man(1)  -  NNeka(6)  -  NZH(0)[video]  -  Naftaly(1)  -  Nasio Fontaine(5)[informações][video]  -  Nasty D(6)  -  Natty Dread Reunion(4)  -  Nazarenes(3)  -  New Breed(1)  -  Nicy(1)  -  Nikko(4)  -  Niominka-bi(6)[informações]  -  Norris Reid(2)  -  Nuttea(10)[informações]  -  Nyala(1)  -  Nzela(2)  -  O'Yaba(5)  -  Olmyta(0)[video]  -  Pablo Gad(1)  -  Pablo Moses(15)[informações][video]  -  Pach Jahwara(0)  -  Papa San(11)[informações]  -  Paps Natty General(0)  -  Patra(2)[video]  -  Patrick Persée(4)[video]  -  Peter Broggs(9)[informações]  -  Peter Tosh(17)[informações][video]  -  Peterside Ottong(2)  -  Philip Toussaint(1)  -  Poglo(4)  -  Prince Alla (Prince Allah)(13)[informações]  -  Prince Far I(19)[informações]  -  Prince Jazzbo(1)[informações]  -  Prince Lincoln Thompson(5)  -  Prince Osito(0)  -  Queen Ifrica(2)[video]  -  Queen Omega(4)  -  Racine des Iles(1)  -  Ramses De Kimon(1)[informações]  -  Ranking Dread(3)[informações]  -  Ranking Joe(2)[informações]  -  Ras Amadeüs Bongo(1)  -  Ras Dumisani(2)[informações]  -  Ras Elia Hassou(0)  -  Ras Ly(0)[video]  -  Ras Natty Baby(6)[video]  -  Ras Naya(0)  -  Ras Noël(5)  -  Ras kimono(2)  -  Rasbawa(4)  -  Rass Kwame(1)  -  Rass Shiloh(5)  -  Richie Spice(7)[informações][video]  -  Rico Rodriguez(4)[informações]  -  Rita Marley(6)[informações]  -  Rocky Dawuni(5)[informações]  -  Rod Taylor(2)  -  Rootz Underground(2)  -  Salim Jah Peter(1)  -  Sally Nyundo(0)[video]  -  Salone Ishmael(2)  -  Salone JR(1)  -  Samx(4)  -  Saël(4)[video]  -  Scientist(13)  -  Sean Paul(7)[informações]  -  Selasee Atiase(1)  -  Serges Kassy(3)[video]  -  Seyni & Yéliba(2)  -  Shasha Marley(1)  -  Sistah Mad'Ness(0)  -  Sister Carol(7)[informações][video]  -  Sizzla(36)[informações][video]  -  Sly & Robbie(24)  -  Soumaïla Diarra(0)[informações]  -  Spraggy(1)  -  Steel Pulse(18)[informações]  -  Stephen Marley(3)[video]  -  Taj Weekes(3)  -  Takana Zion(4)[video]  -  Tangara Speed Ghôda(2)[video]  -  Tanya Stephens(5)[informações][video]  -  Tarrus Riley(3)[video]  -  Tatu Clan(1)[video]  -  Teba Shumba(0)[video]  -  Teezy(1)  -  Terry Linen(3)  -  The Abyssinians(11)[informações][video]  -  The Aggrovators(13)  -  The Black Missionaries(0)[video]  -  The Chantells(1)[informações]  -  The Congos(13)[informações]  -  The Ethiopians(11)[informações]  -  The Gladiators(40)  -  The Heptones(16)[informações][video]  -  The Itals(10)[informações]  -  The Mandators(1)  -  The Meditations(9)[informações]  -  The Melodians(5)  -  The Mighty Diamonds(38)  -  The Mighty Three's(1)  -  The Rastafarians(1)[informações]  -  The Royals(2)  -  The Slickers(2)[informações]  -  The Tamlins(8)  -  The Twinkle Brothers(45)  -  The Viceroys(5)  -  The Wailers(11)  -  Third World(18)  -  Tiken Jah Fakoly(12)[informações][video]  -  Tommy McCook(15)[informações]  -  Tommy T(1)  -  Tony Roots(1)  -  Tony Tuff(20)  -  Toots and the Maytals(27)  -  Trinity(6)  -  Triston Parmer(1)  -  Turbulence(11)  -  U Brown(5)  -  U Roy(22)  -  V Santym(0)  -  VIB(1)  -  Vagabond Squad(0)  -  Valley(2)  -  Vickson(0)[video]  -  Waby Spider(3)  -  Wailing Roots(1)  -  Wailing Souls(18)  -  Wailing Souls(10)[video]  -  Wanamah(0)  -  Warrior King(3)  -  Wayne Wade(3)  -  Welton Irie(6)  -  Willie Williams(4)  -  Winston Jarrett(6)  -  Winston Mc Anuff(6)  -  X-MAN(1)  -  Yabby You(9)[informações]  -  Yami Bolo(13)  -  Yaya Yaovi(1)[video]  -  YeahmanC(2)  -  Yellowman(56)[informações][video]  -  Yongy Lorenzo(0)  -  Youss Nassa(0)[video]  -  Zêdess(3)[video]  -  Zed-I(1)  -  Zhou-Mack(1)  -  Ziggy Marley(17)[informações]  -  Zoanet Comes(4)  -  

Compilações

Afro Reggae Party(1)  -  Dancehall Nice Again(3)  -  Fly African Eagle(1)  -  Planete Reggae(1)  -  Raggae Gold(10)  -  Raggae-Kolor(1)  -  Reggae Africa(1)  -  Reggae Meets Africa(1)  -  Reggae Over Africa(1)  -  Sun Splash(0)  -  

Notícia : Bandas e Artistas de Reggae

RIO - Usain Bolt vai pedir emprego. Após vencer os 200m, a sua última prova individuam em Olimpíadas, o raio informou que não vai sair do esporte, mas também não sabe como atuará ao se aposentar das pistas.

— Eu, definitivamente, quero continuar no esporte, mas não como técnico. Vou falar com o presidente (da federação jamaicana) e ver o que ele pode fazer por mim. Eu não sei, eu não sei ainda o que vou fazer, não tenho a mínima ideia. Estou dizendo adeus. Essa foi a minha última prova individual em Olimpíadas - disse Bolt.

Ao falar do futuro, o mito jamaicano já sente uma ponta de saudade dos tempos de glória, só que sem nostalgia ou arrependimentos.

— Eu nunca fico desapontado com as coisas que eu faço. Sou campeão olímpico de novo e isso é o que realmente importa. Tudo o que eu queria era correr e ganhar uma medalha nos 200m uma vez. O que aconteceu pode parecer chocante, mas eu me esforço muito para sempre fazer o melhor - declarou o tricampeão dos 100 e 200m.

Prestes a correr o revezamento 4x100m, na sexta-feira, a sua derradeira prova, e a um passo de entrar no panteão histórico de lendas do esporte como Pelé e Muhammad Ali, citados por ele.

— Eu esperei toda a minha vida e carreira por este momento. Alcançar coisas grandes no esporte é o meu foco - afirmou Bolt, emendando uma citação a Bob Marley, legenda do reggae, e que teve a sua música, "One love", a preferida de Bolt, tocada no sistema de som do Engenhão após a conquista do ouro:

— É a minha música favorita, porque todo mundo tem que se amar.

Se Marley rompeu fronteiras com sua música e mensagem, Bolt leva a Jamaica a outro patamar no cenário mundial do esporte.

— Eu realmente botei a Jamaica no mapa. Eu faço o que posso para o maior número de pessoas conhecer a Jamaica, de onde vim. Foi para isto que eu vim aqui e foi isso o que eu fiz. Eu estou feliz por ter feito as coisas que eu queria fazer - encerrou.

Source : Globo Online | 2016-08-19 09:49:00.0
Usain Bolt mostrou nesta quinta-feira que um raio pode, sim, cair mais de uma vez no mesmo lugar. Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o astro sagrou-se tricampeão olímpico nos 200 metros na noite desta quinta-feira e confirmou novamente sua supremacia no atletismo. O jamaicano tornou-se o primeiro homem da história a conquistar três títulos olímpicos consecutivos nos 100m e nos 200m e fez o reggae ecoar nas caixas de som do Engenhão. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-08-19 03:56:00.0

RIO — Ao longo da entrevista, enquanto segue para uma gravação da novela “Êta mundo bom!”, Arthur Aguiar cita em quatro oportunidades sua obsessão por fazer as coisas “bem feitas”. É assim que justifica, por exemplo, o fato de só agora, três anos após o fim do grupo Rebeldes, do qual fazia parte, decidir se aventurar em carreira solo. Em “O que te faz bem” (Sony Music), que chega às lojas nesta sexta-feira, Arthur apresenta a faceta de compositor que o público ainda não conhecia — nove das dez faixas do disco são escritas só por ele, e a outra é parceria com Guga Sabatiê.

Dois nomes surgem como fundamentais nessa guinada na carreira musical do carioca, que interpreta Osório na novela: o primeiro é Luis Araújo, empresário do Natiruts. Foi ele quem pegou as gravações em voz e violão do ex-nadador (Arthur chegou a competir por clubes como Botafogo e Pinheiros) e as apresentou para Alexandre Carlo, vocalista da banda de reggae, que se animou a produzir o material.

— A gente fez o disco junto. Ele (Alexandre) foi muito generoso — diz Arthur, que cita artistas como Djavan, Caetano Veloso e Maria Gadú como referências. — Eu queria fazer o disco com calma para não errar, e consegui. Hoje, ouço o disco e ele está como eu queria.

A aventura, diz, nada se assemelha à época do ex-grupo, gerado a partir da novela “Rebelde”, exibida entre 2011 e 2012 na Record:

— Lá, eu era um personagem. A gente não podia tocar em nada nas músicas, nossa função era cantar. Mas considero uma experiência incrível, pois me fez viajar pelo Brasil, ter noção de palco... Só que usar seu próprio nome é outra onda.

“O que te faz bem” apresenta uma mistura de baladas pop e samba-rocks. O primeiro single, “A flor”, ganhou clipe com participação da atriz Thaila Ayala, com mais de 1 milhão de visualizações no YouTube. No Spotify, liderou a lista “As 50 virais do Brasil”, ranking criado pela plataforma que se baseia nos números de reproduções da faixa. “Qual é?”, o segundo, apareceu nas plataformas digitais na última sexta, e, depois de amanhã, dia do lançamento do CD nas lojas físicas, uma terceira música estará disponível para streaming — a versão digital na íntegra, porém, só no dia 26, a mesma data do final de “Êta mundo bom!”.

O fim da novela das seis, aliás, vai marcar o início de um hiato na carreira do ator Arthur.

— Vai ser inviável conciliar a TV com a divulgação do disco, shows... Abandonar (a televisão) eu nunca vou, mas esse é o momento de priorizar a música.

Source : Globo Online | 2016-08-12 09:30:24.0

Depois de passar pela banda Filhos de Jorge, o cantor e compositor Filipe Escandurras lançou seu primeiro CD em carreira solo. Gravado no estúdio Groove, o álbum é dirigido e produzido pelo cantor baiano Márcio Victor e traz 11 faixas inéditas com composições próprias e de outros parceiros, além da participação da cantora Solange Almeida, da banda Aviões do Forró. O disco mistura vários gêneros, passando do sertanejo ao reggae e eletrônico. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-08-09 00:51:53.0

Nem só de competições vive uma Olimpíada. Esse é o ponto alto do evento, claro, mas os Jogos também são uma oportunidade única para conhecer melhor a cultura de outros países que participam da competição. E o melhor caminho é tirar uma casquinha das casas de hospitalidade montadas por delegações estrangeiras na cidade.

Andar de camelo num deserto do Qatar. Brincar com a neve na Suíça. Sobrevoar países africanos. Provar o famoso currywurst alemão. Dançar ao som do autêntico reggae jamaicano. Praticamente uma volta ao mundo sem sair do lugar — ou, pelo menos, sem sair da cidade.

Os cariocas já sentiram o gostinho das casas estrangeiras durante a Copa, quando países como Rússia e Suíça, para citar só dois, montaram QGs por aqui. O da Suíça fez tanto sucesso que ganhou até apelido, Baixo Suíça, e repete a dose agora em proporções bem maiores, na Lagoa. A maioria das casas, aliás, fica na Zona Sul e tem entrada gratuita. Alguns países, no entanto, abrem as portas apenas para delegações e convidados.

Mas ninguém precisa de convite para ir no point mais concorrido da cidade: o Boulevard Olímpico, no Porto, que tem três palcos com shows gratuitos, todo dia. E ainda tem palcos na Praça Quinze, em Madureira e Campo Grande. Tem que ter fôlego de atleta para conseguir aproveitar tudo. Uma maratona cultural, etílica e gastronômica em que todo mundo sai ganhando.

Source : Globo Online | 2016-08-05 08:25:42.0

A banda Natiruts vem a Salvador lançar o DVD "Natiruts Reggae Brasil". A festa será sábado, 13, às 21h, no Wet´n Wild, e contará ainda com os shows de Saulo e BaianaSystem. O DVD foi gravado em Salvador e contou com as participações de Edson Gomes, Ivete Sangalo e Gilberto Gil. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-08-04 23:54:26.0

RIO — Da mesma forma que o cenário paradisíaco de Trancoso entra em segundo plano logo que o show começa, o tal “acústico” só existe tecnicamente no novo DVD/CD duplo de Ivete Sangalo. Não importa quais sejam os artifícios da embalagem — não há, aqui, nada muito além de Ivete, do seu eletromagnetismo e de seu carnaval que nunca termina.

Dona absoluta do palco e do público, Ivetemachine não sossega. “Pessoa do movimento” (como se define), ela não inventa — e segue em alta velocidade por um roteiro sequenciado.

O início é a noite tropicaliente, onde a Bahia encontra o Caribe num caldeirão fervendo de sopros — desacelerar, só no recurso cinematográfico de slow motion que serve para destacar, aqui e ali, um dos passos de dança. Pé no chão, a cantora se engaja com a sua cozinha num batuque e mostra que é gente como a gente. Ivete apresenta a música para o filho, a voz embarga, mas o sentimentalismo é só um tempero — longas distâncias têm que ser cumpridas.

A cantora ainda tem posições a marcar no reggae (inclusive naquele tipo mais radiofônico e romântico, tocado com ukulele, que é o caso de “Seus planos”), nas baladas, no samba-rock, no soul meio Roberto Carlos (com a boa “Candura”, de Max de Castro) e na bossa (com “Se eu não te amasse tanto assim”). Mas é muita coisa — não dá para evitar um certo cansaço (do ouvinte) quando Ivete entra na reta final, com os funks lincolnolivettianos “Mesma sintonia”, “O melhor pra mim” e “O farol”. Eis aí um “Acústico” contraindicado para quem tem problemas de fôlego.

Cotação: Regular.

Source : Globo Online | 2016-07-30 09:30:00.0

SÃO PAULO — Quando a porta do camarim improvisado na sede da plataforma digital Vevo, em São Paulo, abre para receber a reportagem do GLOBO, Ivete Sangalo é uma pessoa. A cantora e compositora tinha acabado de chegar de Salvador e, do aeroporto de Congonhas, foi diretamente para o prédio no Itaim Bibi onde, mais tarde, daria uma coletiva de imprensa para falar sobre seu novo trabalho, “Acústico em Trancoso” (Universal Music), lançado ontem em CDs — são dois, vendidos separadamente — , DVD e streaming. De roupão, cercada por maquiador e cabeleireiro, Ivete justifica, logo de cara (limpa), a voz baixa, nada comparada à potência habitual: um princípio de gripe a fizera tossir diversas vezes na noite anterior.

No fim do papo, que durou cerca de 40 minutos, ela era outra. A baiana de Juazeiro já estava em processo avançado de transformação para a Ivete Sangalo que sua legião de fãs — muitos esperaram na porta do prédio, por horas, a desejada selfie, que a própria Ivete tira — está acostumada a ver como uma das maiores estrelas pop do país, com mais de 20 milhões de discos vendidos entre carreira solo e o período como vocalista da Banda Eva. Até a voz apresentava uma melhora considerável.

Ao observar a transição, é natural que se faça um paralelo com o momento atual da artista. Aos 44 anos, Ivete se divide entre ser a mãe de Marcelo, hoje com 6 anos, a mulher de Daniel Cady, com quem é casada desde 2011, a proprietária da Iessi Music Entertainment, empresa que gerencia sua carreira, a apresentadora de TV — além de técnica do reality musical “The voice kids”, no qual está confirmada para a segunda temporada, Ivete volta a comandar o “Superbonita”, no GNT, no próximo dia 22 —, a cantora e compositora inquieta e, claro, a Ivete.

— É uma vida só. Ela não se difere. Eu sou uma mulher, uma cantora, que tem filho, tem marido, tem uma empresa, trabalha. A gente consegue carregar a cruz. Sempre. Que, na verdade, não é cruz, é só uma questão de saber administrar — afirma. — Meu filho me perguntou um dia: “Ô, mãe, por que você me leva e me busca na escola todo dia e a mãe de meu amiguinho não faz isso?”. É porque a mãe do amiguinho precisa trabalhar o dia inteiro. Só que eu viajo e a mãe do coleguinha não viaja. Quando chega o fim de semana, o Marcelo fica “p da vida”. Mas esse é o meu trabalho. As facilidades da tecnologia ajudam muito para eu não ter que fazer tantas reuniões. Consigo até ter uma vida social, por mais que seja muito caseira. Graças a Deus, tenho uma vida com tudo muito em paz.

“SEM SOSSEGO”

Em paz, sim, mas, como explica no início do DVD “Acústico em Trancoso”, tudo o que ela não quer é sossego no palco. Tanto é que adaptou o formato desplugado ao melhor estilo Ivete. Nas 25 faixas — oito delas inéditas — distribuídas por uma hora e meia de show, são raras as vezes em que a cantora realmente sossega.

— Na minha ingenuidade de início de carreira, eu achava que acústico era banquinho. E eu pensava: “bicho, não dá para mim”. Quando resolvi fazer esse acústico, me despi de todo e qualquer modelo e formato — justifica Ivete, que assina com o diretor teatral e dramaturgo baiano Elisio Lopes Jr. a direção artística do trabalho. — Um amigo me falou brincando: “Ah, é acústico, mas não tem arranjo de cordas”. Eu não senti a necessidade de tê-las, apesar de adorar e de ter usado em discos de estúdio. A única coisa que eu fiz questão de ter era a sanfona, que remete muito ao lugar de onde eu venho, o que me fortalece musicalmente. Os outros elementos vieram de uma forma muito natural: o cavaco, o ukulele, o bandolim, os violões, aquela coisa de querer muita percussão. E, a partir disso, eu fui no que o conceito me favoreceria.

Ivete

No “Acústico em Trancoso”, gravado no exuberante Teatro L'Occitane, a cantora volta a deixar evidente sua simpatia pelos timbres do reggae ao chamar ao palco Vitin, da banda Onze:20 (em “Perto de mim”), e Helinho, do Ponto de Equilíbrio (“Estar com você”), e retoma, em “Zero a dez”, a parceria com Luan Santana, iniciada no dueto “Química do amor”, faixa lançada pelo sertanejo em seu segundo DVD, “Ao vivo no Rio” (Som Livre, 2011). Além, claro, de dar espaço em “A lua Q eu T dei” ao time que montou na primeira temporada do “The voice kids”, formado pelos cantores mirins Julie de Assis, Luiza Proechet, Robert Lucas, Luna Bandeira, Pérola Crepaldi e Daniel Henrique.

Em seu quinto registro ao vivo, Ivete Sangalo admite a preferência em relação ao estúdio (“o estúdio meio que me oprime um pouco. Aquele preciosismo de ‘volta! Grava de novo!’ tira parte da verve do trabalho”) e reage com bom humor quando a inevitável pergunta chega: afinal, o que Ivete ainda quer fazer?

— Eu quero cantar sempre. É muito engraçado, e eu entendo, quando falam “Ivete, você não precisa fazer mais nada, porque você chegou aonde chegou”. Mas a necessidade não é do lugar, e, sim, de estar sempre fazendo. Porque é o que eu gosto de fazer. O sucesso, no meu caso, não está atrelado a números. Ele abrange exatamente isso: a possibilidade de continuar fazendo música. Eu não pensava em fazer o acústico e fiz. Eu não pensava em fazer o Maracanã e fiz. Eu não pensava em fazer o “Pode entrar” em minha casa e fiz. Quantas outras coisas podem me acontecer daqui em diante? Muitas — crava.

Anteontem, Ivete Sangalo subiu o Corcovado para dar uma palinha de seu novo trabalho durante um evento para convidados, promovido pelo Instagram, abrindo a contagem regressiva para a Olimpíada (leia a cobertura na coluna Gente Boa, na página seguinte). Por mais que seja madrinha do Time Brasil, a cantora não estará na cerimônia de abertura da Rio 2016. Enquanto isso, seus conterrâneos Gilberto Gil e Caetano Veloso, e as cantoras da moda Anitta e Ludmilla tiveram seus nomes confirmados na festa. Ivete relativiza a ausência:

— Eu acho que as escolhas têm os seus momentos e suas horas. Para a Olimpíada, eu não vou fazer a abertura, mas isso (sua participação) não tem que ser uma regra, né? Eu achei tão gostoso ser parte de tantas coisas do esporte, e sou, sim, parte da Olimpíada. É nosso país, é um grande evento acontecendo aqui, mas só eu gosto de comer o doce? Todo mundo gosta. Então, acho que todo mundo tem que fazer, participar... Eu fico lisonjeada quando ouço esses questionamentos. Mas eu sou madrinha, gravei os áudios das meninas da ginástica rítmica e do nado sincronizado, e vou assistir. Acho massa as escolhas que fizeram. Eu não tenho esse ciúme.

As facilidades da tecnologia ajudam muito para eu não ter que fazer tantas reuniões. Consigo até ter uma vida social

Filha da axé music, que a impulsionou ao estrelato na década de 1990 como vocalista da Banda Eva, e discípula de Armandinho, Dodô e Osmar e Luiz Caldas, Ivete construiu uma carreira solo em que, paulatinamente, se distanciou do gênero, abraçando harmoniosamente a música pop. O acústico, obviamente, não tem a guitarra baiana, um dos instrumentos mais marcantes do movimento. Ivete avalia como “natural” o período de decadência comercial do gênero que completou 30 anos em 2015:

— Eu gravei “Festa” no auge da música baiana, e "Festa" é uma das canções mais pop que eu conheço. “Sorte grande” também. Eu acho natural que tenha esses ciclos. Se não, fica essa predominância eterna que emburrece, engessa — afirma. — Mas eu vejo que toda transformação sempre beneficiará o público, o que é um grande barato. A música é feita de movimentos. Neles, você tem a oportunidade de estar em voga e mostrar. Teve a oportunidade, mostrou, e não rolou, pegue seu banquinho e saia de mansinho. É isso. Eu tive a maior sorte de nascer na Bahia, porque é um som muitíssimo próprio, originalíssimo, honesto com as coisas que a gente gosta. Eu não saberia não fazer isso. Mas eu não fico “ai, meu Deus, o movimento, a predominância, a hegemonia”. Isso é tolice, é vaidade demais. Deixa todo mundo pintar aí.

Curiosa, ela observa a movimentação da cena independente baiana, dando especial atenção a um grupo:

— Eu amo o BaianaSystem! Lá nos primórdios, com Armandinho, Dodô, Osmar e o próprio Luíz Caldas, havia essa onda instrumental muito forte na música baiana. O que o BaianaSystem traz é o moderno, as máquinas, os beats, a pick-up, a guitarra baiana com o Robertinho (Barreto, fundador do grupo) e essa onda de dedicar um tempo da música ao instrumental. Os beats viram verdadeiros hits na voz da galera. O Russo Passapusso é muito bom poeta também, a coisa do improviso dele é demais. É linda a pipoca no carnaval do Baiana, e os shows são catarse total.

Por mais antenada que seja, Ivete não sabia que o cantor e compositor Wado, nome presente na cena independente, lançou, no início do mês, um disco com influências de axé e ijexá, batizado de... “Ivete”. Imediatamente, botou para tocar na caixa de som do camarim e, entre risadas de aprovação, fez um comentário sincero:

— Bom para c****!

*Luccas Oliveira viajou a convite da Universal Music

Source : Globo Online | 2016-07-30 09:30:00.0

RIO - Estilo que surgiu na Jamaica nos anos 1950, que foi a base do reggae e que, 20 anos depois, seria revivido na Inglaterra, o ska chegou até o Japão, onde, no fim dos anos 80, músicos do underground da capital formaram a Tokyo Ska Paradise Orchestra — coletivo que, depois de percorrer o mundo, desembarca no Brasil para shows com o rapper Emicida. Hoje e amanhã, junto com Vanessa da Mata e a cantora nipo-brasileira Márcia, eles tocam no Vivo Rio. A cidade da Olimpíada é mais um carimbo para os passaportes desses japoneses que, surpreendentemente, nunca foram ao país do ska.

— É algo curioso, já que os jamaicanos sempre nos perguntam por que tocamos a música de seus avós — conta, de Tóquio, em entrevista por telefone mediada por uma tradutora, o saxofonista (e um dos fundadores do grupo) Atsushi Yanaka. — Queremos ir à Jamaica logo que pudermos.

— Temos 27 anos de atividades e, quando começamos, ninguém conhecia ska no Japão, era música para poucos — comenta o saxofonista tenor (e também fundador) do TSPO, Gamo.

O ska é a base do som da orquestra, mas seu repertório é aberto a outros estilos da América Latina. Num dos seus discos mais recentes (“Walkin”, de 2013), ela gravou até “Brazil” — a “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso.

— Somos grandes fãs da música brasileira — confirma Gamo. — Gosto de Caetano Veloso, João Gilberto, Jorge Ben Jor e de muitos outros artistas daí. "Olha pro céu", Tokyo Ska Paradise Orchestra e Emicida

Em seu novo disco, o recém-lançado “Seleção brasileira”, o grupo traz uma recriação de “Mas que nada” (de Jorge Ben), um “Ska me crazy” com o AfroReggae e “Olha pro céu”, versão em português, gravada com Emicida, de “Sukiyaki”, hit internacional, em 1963, do cantor Kyu Sakamoto.

A letra de “Sukiyaki” foi escrita pelo recentemente falecido Rokusuke Ei após voltar de uma manifestação de estudantes japoneses contra a presença militar americana no país — o que fez com que os versos “olho para o céu enquanto caminho / para que minhas lágrimas nunca caiam” ganhassem algumas interpretações políticas.

— “Sukiyaki” não é exatamente uma canção política, ela tem uma mensagem universal. É uma canção que olha para a frente e que pode falar a muitas pessoas. Quisemos ser essa ponte entre ela e o Brasil — conta Yanaka, que, com o grupo, elaborou uma versão samba-rock.

A adesão do rapper brasileiro foi conseguida sem muito esforço.

— Eles vieram a mim no fim do ano passado, dizendo que tinham se identificado com a minha música, e aí eu fui ouvir a música deles e pirei. Eles me contaram a história da canção, e, para me convencer, é só me contar umas histórias assim — explica Emicida, por telefone, da Colômbia. — Além do mais, sou viciado em mangá, tenho uma paixão muito grande pela cultura japonesa, era uma oportunidade para eu usar meu japonês.

A gravação foi feita em São Paulo no fim do ano passado sob a direção do produtor Dudu Marote.

— Os caras já são nerds da música, aí o Dudu os botou de molho com os discos do Jorge Ben — entrega Emicida, que cantou em japonês na faixa. — Eles não sabiam que eu sabia a língua e começaram a gritar quando me ouviram versar. Só sugeriram trocar uma palavra da letra.

Tokyo Ska Paradise Orchestra e Emicida

Onde: Vivo Rio — Av. Infante Dom Henrique, 85, Aterro do Flamengo (2272-2901)

Quando: Sexta e sábado, às 20h30m

Quanto: R$ 80

Classificação: 16 anos

Source : Globo Online | 2016-07-29 09:30:00.0
A música instrumental não foi feita para ser apreciada, obrigatoriamente, em uma grande ópera ou em meio a um ambiente formal. Do erudito ao popular, ela vai muito além de um programa restrito a 'intelectuais'. É com essa proposta que será realizado, a partir desta quinta-feira, 21, o 'Festival 4 Estações', unindo música a intervenções artísticas na Casa das Caldeiras, na zona oeste de São Paulo. A programação gratuita segue até o domingo, 24.

O nome do festival é uma homenagem aos concertos de violino criados por Vivaldi, que serão apresentados pela Camerata Latino Americana, uma das atrações mais esperadas da festa. O grupo sobe ao palco duas vezes no evento - na abertura, às 21h, e no encerramento, às 20h - acompanhada sempre por projeções de vídeo.

A programação vai apostar na experimentação, priorizando ritmos como afrobeat, funk, soul, cumbia e música eletrônica. No sábado, destaque para a Orquestra Brasileira de Música Jamaicana e seu ska-reggae, e, no domingo, para a animação da Orquestra Voadora e o som transcendental do Pedra Branca.
Source : folhadaregiao.com.br | 2016-07-20 21:18:30.0

RIO — Os tantos "Fora, Temer" ouvidos no lotado Circo Voador, nesta sexta-feira, surgiram como um dos ingredientes de uma noite essencialmente política, recheada de boa música — autoral, contemporânea, brasileira, independente. Quando, já na madrugada de sábado, Liniker e Os Caramelows, As Bahias e a Cozinha Mineira e Tássia Reis, atrações do projeto Salada das Frutas, se reuniram no palco para cantar "Olhos coloridos", de Sandra de Sá, acompanhados em forte coro pelo público, as mensagens estavam todas ali, escancaradas: seis vocalistas negras, três delas transexuais, exalando charme, potência e, acima de tudo, orgulho.

Orgulho exemplificado quando, durante o primeiro show da noite, Raquel Virgínia, vocalista e compositora d'As Bahias e a Cozinha Mineira, moradora de São Paulo, pegou o microfone para contar uma história passada em uma de suas aventuras pela Lapa carioca: "Já beijei muito na boca por aqui. Lembro-me de uma vez em que acabei na delegacia. Estava saindo do motel com o bofe, o policial viu aquilo — uma travesti negra e um homem também negro saindo do motel — e resolveu levar para a delegacia. Claro que, chegando lá, só tinha negro sendo fichado. Mas o importante mesmo, seu policial, é que eu gozei".

Imponente e performática, Raquel dividia o palco com Assucena Assucena, de versátil habilidade vocal, e com a jovem e competente banda formada por Rafael Acerbi, Rob Ashtoffen, Carlos Eduardo Samuel, Vitor Coimbra e Danilo Moura. Eles apresentaram o repertório de "Mulher", álbum de estreia lançado no ano passado, com direito ainda a uma bela versão de "Mamãe coragem", de Gal Costa — "Uma canção para você - Jaqueta amarela", contou com a primeira participação de Liniker e Tássia Reis. O show, dançante e repleto de referências ao nordeste, passou por MPB, rock, baião e chegou ao reggae com notável naturalidade.

Orgulho mostrado também pela rapper Tássia Reis, acompanhada pela backing vocal Lívia Mafrika e pelo DJ Dedé, e suas letras e rimas que exaltam a auto-estima e o empoderamento feminino. Em certo ponto do show, após fazer um cover de Beyoncé, a paulista de Jacareí emendou com uma versão de "Baile de favela", trocando partes do misógino refrão original de MC João para "os menor preparados para respeitar o espaço dela" e "se falar mal das feministas vai voltar com a orelha ardendo". A galera, que já tinha marcado presença cantando junto no hit "No seu radinho" e na nova "Desapegada", aprovou.

Orgulho que transborda de Liniker, um claro exemplo de artista certo na hora certa — em meio a um momento de ebulição política no país, Liniker surge, com seu vozeirão soul, letras de tempero pop e domínio do palco, defendendo diversas frentes importantes, como a igualdade de gênero e a luta contra o racismo. E não se importando em ser um símbolo disso tudo.

Antes mesmo de lançar seu álbum de estreia, previsto para os próximos meses, a cantora — na apresentação da banda, a própria backing vocal Renata Éssis se referiu a Liniker no feminino — já vem lotando shows pelo país. Neles, canta as músicas que estarão no disco e, incrivelmente, é acompanhado pela plateia em grande parte delas — não só as três do EP "Cru".

É notável também a evolução a cada apresentação d'Os Caramelows, formados por Rafael Barone, Péricles Zuanon, Márcio Bortolotti e Willian Zaharanski, com melodias ainda mais suingadas. Destreza em meio a tristeza: a banda se despediu, no fim de junho, de Bárbara Rosa, que dividia o backing vocal com Renata. Ela morreu aos 21 anos, em função de um câncer. Diferentemente do show da Salada das Frutas em Salvador, no começo do mês, quando se emocionou ao falar de Bárbara, Liniker não a citou na apresentação carioca.

Enfim, no momento mais aguardado da noite, quando dividiu seu hit "Zero" com duas mil fiéis vozes, Liniker pediu para as luzes do palco e da plateia serem apagadas, passando a ser iluminada apenas por isqueiros e celulares. E, na divertida e empolgante performance de "Louise do Brésil", contou com o time da Salada todo reunido, pouco antes da já famosa "Benção do lacre" (veja abaixo). Salada das Frutas e a 'Benção do lacre'

Em sua segunda passagem pelo tradicional palco carioca, Liniker abalou as estruturas do Circo e provou que as definições de "jovem promessa do soul e da black music brasileira" soam "janeiro de 2016" demais. Liniker já é uma realidade da nova música popular nacional.

VÍDEOS:

As Bahias e a Cozinha Mineira em "Lavadeira água":

As Bahias e a Cozinha Mineira cantam 'Lavadeira água'

Salada das Frutas em "Uma canção para você - Jaqueta amarela"

Salada das Frutas em 'Uma canção para você - Jaqueta amarela'

Liniker e Os Caramelows em "Remonta":

Liniker e Os Caramelows em "Remonta"

Liniker e Os Caramelows em "Caeu":

Liniker e Os Caramelows em "Caeu"

Liniker e Os Caramelows em "Zero":

Liniker e Os Caramelows em "Zero"

Salada das Frutas em "Louise du Brésil":

Salada das Frutas em "Louise du Brésil"

Source : Globo Online | 2016-07-09 16:09:11.0

RIO - Mesmo estando fora do Brasil, em viagem ao Chile, a apresentadora Glória Maria viu pipocarem em seu telefone mensagens de amigos contando sobre a repercussão de sua visita à Jamaica. No episódio do "Globo repórter" que foi ao ar nesta sexta-feira, ela experimentou em um ritual a “ganja”, uma erva comparada à maconha. Ainda no mesmo programa, fez um test-drive em uma montanha-russa, que acabou gerando uma profusão de memes e gifs na internet. Entre as brincadeiras: “a serenidade do olhar de quem tá bem loco”, “vou comprar um lote na Jamaica e viver tranquila e favorável”, “quando eu olho meu saldo bancário” (sobre sua expressão na montanha-russa). A apresentadora alcançou os trending toppics do Twitter. Criada neste fim de semana, a página “Gloria Maria brisada”, no Facebook, já tem mais de 25 mil seguidores.

— Estou achando o máximo, adorando. Que venham mais memes. Que as pessoas estimulem a criatividade — exclamou Gloria por telefone.

A apresentadora disse também que a viagem à Jamaica foi importante para quebrar alguns tabus com relação ao fato de que os brasileiros costumam associar o país apenas a música e maconha.

— Quanto mais a gente fala, mais desmistifica. Achei a reação das pessoas careta. Pensei que fossem se surpreender com a beleza da Jamaica. Não pensei que fosse virar uma coisa tão grande (o fato de ter participado do ritual) — afirma a apresentadora.

Segundo ela, é impossível manter a seriedade.

— Não existe maneira de você ficar sério na Jamaica. A energia, a alegria do país, o povo e o reggae são incríveis — concluiu.

Source : Globo Online | 2016-07-02 21:19:19.0

RIO — É Sandra Sá — sem o “de” que usa hoje — quem assina os quatro discos lançados entre 1980 e 1984, reeditados agora pelo selo Discobertas. Mas o que se ouve ali (“Demônio colorido”, “Vale tudo”, “Olhos coloridos” etc.) começou a ser gerado bem antes, quando ela era apenas Sandra, a moradora de Pilares, frequentadora dos bailes que teciam o movimento Black Rio pelo subúrbio do Rio:

— Ia ao CCIP (Pilares), ao Nova América (Del Castilho), ao River (Piedade), ao Vera Cruz (Abolição). — a cantora faz sua lista “Endereços dos bailes”. — E havia as equipes, Cash Box, Furacão. Peguei Big Boy, Ademir Lemos... A vivência dos bailes trouxe o suingar sem medo, algo que está nesses discos. Observar, absorver, jogar nas ancas e deixar fluir. Levo isso pra vida.

Nos discos, o suingar sem medo passa por canções de Fagner, Gilberto Gil, Fábio Jr., Lulu Santos, Jorge Aragão, Luiz Melodia e Guilherme Arantes. Por funk, soul, reggae, samba, ponto de macumba, rock. Por convidados como Barão Vermelho e Tim Maia.

— Criada por uma família altamente musical e democrática, eu ouvia Sarah Vaughan, Dalva de Oliveira, Lana Bittencourt, Celly Campello, Billie Holiday... Se ouço e gosto, não tenho barreira. Quando vejo esses discos, penso: “PQP, estão todos a minha cara”.

Os álbuns registram seu encontro com os ídolos da época dos bailes:

— Conheci a banda Black Rio no primeiro ensaio de “Demônio colorido”, que a gente ia fazer junto no festival MPB-80 (onde a cantora foi revelada). Fui pro ensaio e pensei: “Como vou falar com esses caras?” — conta. — E, quando o Júnior Mendes (produtor e compositor) chegou lá em casa com uma fita dizendo “olha o que o Tim Maia mandou pra você”, a primeira coisa que fiz foi mandá-lo praquele lugar. Vê se Tim Maia ia mandar música pra mim? Ele ligou pro Tim e passou o telefone: “Ô, Sandra, ouviu?”. Congelei por uns segundos, mas depois falamos e ele disse: “Tem mais, vou gravar contigo”.

Source : Globo Online | 2016-06-30 09:30:24.0

RIO — Depois de ganhar o Prêmio da Música Brasileira de melhor álbum de pop / rock / reggae / hip-hop / funk por "A mulher do fim do mundo", a cantora Elza Soares recorreu a um site de financiamento coletivo para levantar recursos e gravar um DVD na ocupação de Centreville, em Santo André. A campanha fica no ar por mais 49 dias e pretende arrecadar R$ 400 mil. Links Elza Soares

No site, Elza explica que quer fazer um show ao ar livre na comunidade, a maior ocupação no país. Em 1982, a área que hoje é o bairro Centreville era um projeto de condomínio, abandonado há oito anos, desde que a construtora responsável foi à falência. Até hoje os moradores enfrentam problemas com a falta de regularização de sua situação e dificuldades com o poder público. A cantora pretende, com o show, deixar um legado na forma de encanamento do entorno e iluminação, além de contratar pessoas da comunidade para trabalhar na produção.

"Mais que um simples DVD, quero mostrar pra mulher que ela tem seu espaço e ele precisa ser ocupado. A escola de samba local fará a abertura do show de gravação e este trabalho vai iniciar as comemorações das minhas oito décadas de vida. Vai ser épico, vai ser histórico e vai esgotar rápido", diz a campanha.

Entre as recompensas estão DVDs, ingressos para o show de lançamento e um chá com Elza Soares. Em um álbum celebrado por levantar questões como violência doméstica e de gênero, a cantora fez questão de ressaltar seu comprometimento com a luta feminista:

"Você poderá participar de debates comigo sobre o movimento feminista e sobre minha história de mulher negra que enfrentou todos os desafios impostos pela sociedade: machismo, violência doméstica mas também muita superação e cabeça erguida, DVDs autografados e antecipados entregues na sua casa, ingresso para o show de lançamento do DVD e várias outras."

Veja o site da campanha.

Source : Globo Online | 2016-06-23 23:34:54.0

Cantor e compositor que enfrentou a ditadura nos anos 1970 com sua música, Luiz Gonzaga do Nascimento Junior (1945-1991), o Gonzaguinha, não viveu para ver o Brasil de 2016, de Operação Lava-Jato, impeachment e luta pelos direitos das minorias. Mas suas palavras e suas canções serviram de combustível para o fervor político que tomou conta do público, no Teatro Municipal, na noite de quarta-feira, durante a cerimônia de entrega do 27º Prêmio da Música Brasileira, no qual era homenageado.

Um coro de "Fora Temer!" eclodiu no momento em que o ator Júlio Andrade, que interpretava o artista e apresentava o prêmio revezando-se com Dira Paes, lembrou a mordaça do regime de exceção no Brasil nos 70. E o rapper Criolo foi aplaudido de pé depois de inserir em "Comportamento geral", irônica e combativa composição de Gonzaguinha, chamados contra a homofobia, o machismo e o racismo.

A festa começou com uma aparição fora do roteiro do criador do prêmio, José Maurício Machline. Ele subiu ao palco a fim de pedir aplausos para "a maior voz masculina de todos os tempos", Cauby Peixoto, que faleceu em maio (e que recebeu o troféu de melhor álbum em língua estrangeira, "Cauby sings Nat King Cole", entregue ao produtor do disco, Thiago Marques Luiz). Lembrado por Dira Paes, o percussionista Naná Vasconcellos, morto em março, acabou recebendo o outro prêmio póstumo da noite, o de projeto especial, pelo álbum "Café no bule", gravado com o cantor Zeca Baleiro e o baixista Paulo LePetit.

Mas a festa era de Gonzaguinha, que começou a cerimônia revivido por Julio Andrade, numa espécie de monólogo autobiográfico (em roteiro escrito pela cantora Zélia Duncan), mas que logo passou a bola para os cantores e grupos, que reinterpretaram sua obra. E a primeira canção da noite foi "Com a perna no mundo", por Alcione. Luiz Melodia se atrapalhou um pouco com "Grito de alerta", no que foi socorrido por Ângela Rô Rô, que chegou rasgando para realizar o dueto. Simone Mazzer ofuscou o parceiro Filipe Catto em "Sangrando", o Dônica empolgou a plateia com "Lindo lago do amor", Ney Matogrosso trouxe grande emoção a "Explode coração", João Bosco carregou na rítmica de "Galope", Elza Soares foi de "O que é, o que é?" com Pretinho e Thiago da Serrinha e Seu Jorge encerrou a noite em alta voltagem com "É".

Mas a grande surpresa da noite foi a das interpretações praticamente mediúnicas de Gonzaguinha feitas por Júlio Andrade (cantando "Guerreiro menino") e pelo filho do cantor, Daniel Gonzaga (que impressiona pela incrível semelhança de timbre de voz), numa "Redescobrir" feita com Fernanda Gonzaga e Amora Pêra, ambas filhas do artista.

Já a premiação, sem discursos este ano, transcorreu sem grandes surpresas. A roteirista Zélia Duncan, que concorria a cinco prêmios, levou três: de álbum e de cantora de samba (por "Antes do mundo acabar") e de melhor canção ("Antes do mundo acabar", sua com Zeca Baleiro). Fafá de Belém arrebanhou os de melhor cantora e melhor álbum ("Do tamanho certo para o meu sorriso") na categoria Canção Popular, e Elba Ramalho abiscoitou os de cantora e álbum de Regional por "Cordas, Gonzaga e afins (Sagrama e Encore)". Já na categoria MPB, só deu a família Veloso. Caetano foi premiado como melhor cantor e melhor álbum, por "Dois amigos, um século de música" (feito junto com Gilberto Gil), e seu filho Tom levou o prêmio de melhor grupo com a banda Dônica.

Lista de vencedores do 27º Prêmio da Música Brasileira.

Canção Popular

Álbum: "Do tamanho certo para o meu sorriso", de Fafá de Belém, produtores Felipe Cordeiro e Manoel Cordeiro

Dupla: Chitãozinho e Xororó ("Tom do sertão")

Grupo: Jamz ("Insano")

Cantor: Roberto Carlos ("Primeira fila")

Cantora: Fafá de Belém ("Do tamanho certo para o meu sorriso")

Categorias especiais

Álbum eletrônico: "Gaia Musica – vol. 1", de Dj Tudo e Sua Gente de Todo Lugar, produtor DJ Tudo

Álbum infantil: "Para ficar com você", de Palavra Cantada, produtores Paulo Tatit e Sandra Peres

Álbum em língua estrangeira: "Cauby Sings Nat King Cole", de Cauby Peixoto, produtor Thiago Marques Luiz

Regional

Álbum: "Cordas, Gonzaga e afins (Sagrama e Encore)", de Elba Ramalho, produtor Sergio Campello

Grupo: Ilê Aiyê ("Bonito de se Ver")

Dupla: Almir Sater e Renato Teixeira ("AR")

Cantor: Xangai ("Xangai")

Cantora: Elba Ramalho ("Cordas, Gonzaga e afins (Sagrama e Encore)")


Pop / rock / reggae / hip-hop / funk

Álbum: "A mulher do fim do mundo", de Elza Soares, produtor Guilherme Kastrup

Grupo: Titãs ("Nheengatu – ao vivo")

Cantor: Lenine ("Carbono")

Cantora: Gal Costa ("Estratosférica")


Revelação:

Simone Mazzer ("Férias em videotape")


Melhor Canção:

"Antes do mundo acabar", de Zeca Baleiro e Zélia Duncan, intérprete Zélia Duncan (CD "Antes do mundo acabar")


Melhor DVD:

"Loucura – Adriana Calcanhotto canta Lupicínio Rodrigues", de Adriana Calcanhotto, direção de Gabriela Gastal


Álbum projeto especial:

"Café no Bule", de Zeca Baleiro, Naná Vasconcelos e Paulo Lepetit, produtores Zeca Baleiro, Naná Vasconcelos e Paulo Lepetit


Instrumental

Álbum: "Tocata à Amizade", de Tocata à Amizade, produtores Yamandu Costa e Rogério Caetano

Solista: Hamilton de Holanda ("Pelo Brasil")

Grupo: Tocata à Amizade ("Tocata à Amizade")


Projeto visual

Tereza Bettinardi por "Dancê", de Tulipa Ruiz


Arranjador

Guinga por "Porto da Madama", de Guinga


Álbum erudito: "Sinfonia nº12, Uirapuru e Mandu-Çarará", de Villa-Lobos, interpretado pela Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, produtor OSESP


Samba

Álbum: "Antes do mundo acabar', de Zélia Duncan, produtora Bia Paes Leme

Grupo: Moacyr Luz e Samba do Trabalhador ("Moacyr Luz e Samba do Trabalhador – 10 anos e outros sambas")

Cantor: Alfredo Del-Penho ("Samba sujo")

Cantora: Zélia Duncan ("Antes do mundo acabar")


MPB

Álbum: "Dois Amigos, um século de música" de Caetano Veloso e Gilberto Gil, produtores Caetano Veloso e Gilberto Gil

Cantor:

Caetano Veloso ("Dois Amigos, um século de música", de Caetano Veloso e Gilberto Gil)


Cantora: Virginia Rodrigues ("Mama Kalunga")

Grupo: Dônica ("Continuidade dos parques")


Source : Globo Online | 2016-06-23 08:47:19.0

RIO — O 27º Prêmio da Música Brasileira começou a noite com uma homenagem fora do script do criador do prêmio, José Maurício Machline, a Cauby Peixoto ("a maior voz de todos os tempos"), falecido em maio passado. Cauby recebeu o prêmio póstumo de melhor álbum em língua estrangeira por "Cauby sings Nat King Cole", entregue ao produtor Thiago Marques Luiz. Outro músico a receber um prêmio póstumo foi Naná Vasconcelos, pelo projeto especial do álbum "Café no Bule", com Zeca Baleiro e Paulo Lepetit.

A festa homenageou Gonzaguinha de várias formas: além da interpretação das canções do compositor morto em 1991 por diversos artistas, como Alcione, Luiz Melodia e Simone Mazzer, o ator Júlio Andrade subiu ao palco do Theatro Municipal falando sempre em primeira pessoa, revisitando o papel que interpretou em "Gonzaga: De pai para filho"" (2012). A entrega dos prêmios ficou a cargo da atriz Dira Paes.

Na categoria MPB, só deu a família Veloso. Caetano foi premiado como melhor cantor e melhor álbum, por "Dois amigos, um século de música", e seu filho Tom levou o prêmio de melhor grupo com a banda Dônica. A noite terminou com Júlio Andrade e Seu Jorge cantando "É".

Confira abaixo os vencedores do 27º Prêmio da Música Brasileira.

Canção Popular

Álbum: "Do tamanho certo para o meu sorriso", de Fafá de Belém, produtores Felipe Cordeiro e Manoel Cordeiro

Dupla: Chitãozinho e Xororó ("Tom do sertão")

Grupo: Jamz ("Insano")

Cantor: Roberto Carlos ("Primeira fila")

Cantora: Fafá de Belém ("Do tamanho certo para o meu sorriso")

Categorias especiais

Álbum eletrônico: "Gaia Musica – vol. 1", de Dj Tudo e Sua Gente de Todo Lugar, produtor DJ Tudo

Álbum infantil: "Para ficar com você", de Palavra Cantada, produtores Paulo Tatit e Sandra Peres

Álbum em língua estrangeira: "Cauby Sings Nat King Cole", de Cauby Peixoto, produtor Thiago Marques Luiz

Regional

Álbum: "Cordas, Gonzaga e afins (Sagrama e Encore)", de Elba Ramalho, produtor Sergio Campello

Grupo: Ilê Aiyê ("Bonito de se Ver")

Dupla: Almir Sater e Renato Teixeira ("AR")

Cantor: Xangai ("Xangai")

Cantora: Elba Ramalho ("Cordas, Gonzaga e afins (Sagrama e Encore)")

Pop / rock / reggae / hip-hop / funk

Álbum: "A mulher do fim do mundo", de Elza Soares, produtor Guilherme Kastrup

Grupo: Titãs ("Nheengatu – ao vivo")

Cantor: Lenine ("Carbono")

Cantora: Gal Costa ("Estratosférica")

Revelação: Simone Mazzer ("Férias em videotape")

Canção: "Antes do mundo acabar", de Zeca Baleiro e Zélia Duncan, intérprete Zélia Duncan (CD "Antes do mundo acabar")

Melhor DVD: "Loucura – Adriana Calcanhotto canta Lupicínio Rodrigues", de Adriana Calcanhotto, direção de Gabriela Gastal

Álbum projeto especial: "Café no Bule", de Zeca Baleiro, Naná Vasconcelos e Paulo Lepetit, produtores Zeca Baleiro, Naná Vasconcelos e Paulo Lepetit

Instrumental

Álbum: "Tocata à Amizade", de Tocata à Amizade, produtores Yamandu Costa e Rogério Caetano

Solista: Hamilton de Holanda ("Pelo Brasil")

Grupo: Tocata à Amizade ("Tocata à Amizade")

Projeto visual: Tereza Bettinardi por "Dancê", de Tulipa Ruiz

Arranjador: Guinga por "Porto da Madama", de Guinga

Álbum erudito: "Sinfonia nº12, Uirapuru e Mandu-Çarará", de Villa-Lobos, interpretado pela Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, produtor OSESP

Samba

Álbum: "Antes do mundo acabar', de Zélia Duncan, produtora Bia Paes Leme

Grupo: Moacyr Luz e Samba do Trabalhador ("Moacyr Luz e Samba do Trabalhador – 10 anos e outros sambas")

Cantor: Alfredo Del-Penho ("Samba sujo")

Cantora: Zélia Duncan ("Antes do mundo acabar")

MPB

Álbum: "Dois Amigos, um século de música" de Caetano Veloso e Gilberto Gil, produtores Caetano Veloso e Gilberto Gil

Cantor: Caetano Veloso ("Dois Amigos, um século de música", de Caetano Veloso e Gilberto Gil)

Cantora: Virginia Rodrigues ("Mama Kalunga")

Grupo: Dônica ("Continuidade dos parques")

Source : Globo Online | 2016-06-23 04:48:10.0

RIO — Criolo empolgou a plateia que lotou o Theatro Municipal na noite desta quarta-feira, no 27º Prêmio da Música Brasileira, ao dar sua interpretação a "Comportamento geral", de Gonzaguinha, o homenageado da noite. Em meio aos versos politizados originais ("Você deve aprender a baixar a cabeça / E dizer sempre: 'Muito obrigado'"), o cantor inseriu improvisos em que criticou a homofobia, o racismo e o machismo.

Durante a apresentação, ele substituiu o "você merece" do refrão por "você não merece", conclamando o público a se levantar por Gonzaguinha e contra o preconceito. O impacto permaneceu mesmo depois que o músico deixou o palco, aplaudido de pé. Quando a mestre de cerimônias Dira Paes foi anunciar a leva seguinte de vencedores, a plateia se manifestou com fervor, levantando-se novamente para aplaudir quando a cantora Elza Soares apareceu para receber o prêmio de melhor álbum de Pop / rock / reggae / hip-hop / funk, por "A mulher do fim do mundo".

Veja aqui a lista completa dos vencedores.

Source : Globo Online | 2016-06-23 04:00:51.0

RIO — No comando do Prêmio da Música Brasileira pela 27ª vez, seu idealizador, José Mauricio Machline, conta que ainda se surpreende com o panorama que tem anualmente da produção nacional. A poucas horas da cerimônia de entrega (que será realizada nesta quarta-feira, no Teatro Municipal, com transmissão ao vivo pelo Canal Brasil na TV e na internet, a partir das 20h45m), ele destaca que seu primeiro impacto é com o volume de discos avaliados pelo júri: Links Prêmio Música Brasileira

— Independentemente de qualquer perfil que a gente trace da música brasileira a partir do prêmio, é importante citar que, nos últimos dez anos, o número de títulos, seja EP, CD ou digital, é maior do que o do ano anterior. As pessoas estão fazendo música, apresentando seu trabalho, e não por dilentantismo, mas porque querem chegar a algum lugar.

Olhando mais atentamente a safra representada pelos indicados do ano, Machline aponta a renovação:

— Você vê indicado como melhor cantor de samba, entre os bambas, alguém como Alfredo Del Penho. Ou cantoras como Simone Mazzer, uma representante da cena underground carioca, que com seu primeiro disco concorre com ícones como Elza Soares e Gal Costa. E temos trabalhos como o do Dônica, de que gostei tanto que quis chamar (o grupo) para cantar no prêmio.

As atrações musicais da noite de hoje, que homenageia Gonzaguinha, são — além do Dônica (“Lindo lago do amor”) — João Bosco (“Galope”), Elza Soares, Pretinho da Serrinha e Thiago da Serrinha (“O que é? O que é?”), Simone Mazzer e Felipe Catto (“Sangrando”), Angela Rô Rô e Luiz Melodia (“Grito de alerta”), Alcione (“Com a perna no mundo”), Ney Matogrosso (“Explode coração”), Criolo (“Comportamento geral”), Júlio Andrade (“Um homem também chora”) e Daniel Gonzaga, Fernanda Gonzaga e Amora Pêra, filhos do homenageado (“Redescobrir”). Gilberto Gil e Lenine, que cantariam “Galope” com João Bosco, não participarão do show, por questões de saúde, como antecipou na internet a coluna Gente Boa. Zélia Duncan assina o roteiro da festa, e Júlio Andrade e Dira Paes são os apresentadores.

PRINCIPAIS INDICADOS (veja aqui a lista completa)

Canção

“Antes do mundo acabar” (Zeca Baleiro e Zélia Duncan), com Zélia Duncan

“Mulher do fim do mundo” (Romulo Fróes e Alice Coutinho), com Elza Soares

“Por água abaixo” (Pretinho da Serrinha, Leandro Fab e Fred Camacho), com Zélia Duncan

Álbum MPB

“Do meu olhar pra fora”, de Elba Ramalho

“Dois amigos, um século de música”, Caetano Veloso e Gilberto Gil

“Mama Kalunga”, de Virginia Rodrigues

Álbum POP/ ROCK/ REGGAE/ HIP-HOP/ FUNK

“A mulher do fim do mundo”, de Elza Soares

“Carbono”, de Lenine

“Dilúvio”, de Dani Black

Álbum Samba

“Antes do mundo acabar”, de Zélia Duncan

“Moacyr Luz & Samba do Trabalhador — 10 anos e outros sambas”, de Moacyr Luz e Samba do Trabalhador

“Terreiros”, de Roque Ferreira

Álbum Canção Popular

“Angela à vontade em voz e violão”, de Angela Maria

“Do tamanho certo para o meu sorriso”, de Fafá de Belém

“Tom do sertão”, de Chitãozinho e Xororó

Álbum Instrumental

“Brasileiro saxofone — Vol. 2”, de Nailor Proveta

“Sebastião Biano e seu terno esquenta muié”, de Sebastião Biano

“Tocata à amizade”, de Tocata à Amizade

Álbum Regional

“AR”, de Almir Sater e Renato Teixeira

“Cordas, Gonzaga e afins”, de Elba Ramalho

“Xangai”, de Xangai

Source : Globo Online | 2016-06-22 09:30:00.0

A banda Olodum, o bloco percussivo mais famoso do Brasil, vai se apresentar no dia 8 de julho na The Best Beach, para comemorar os 37 anos do grupo que espalhou o samba-reggae pelo mundo. No total, são vinte e cinco CD's e LP's gravados, onze nacionais e quatorze internacionais. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-06-20 19:09:00.0

O Parque da Cidade recebeu, no final da manhã deste domingo, 19, diversos fãs  que foram conferir o show da Scambo. A banda abriu a nova temporada do projeto Música no Parque,  dentro da programação de reabertura do local, após reforma. Com um repertório que misturou reggae, rock e MPB, a Scambo fez a galera cantar em coro e sair do chão ao som de músicas como 'Meu bem', 'Carnaval', 'Mergulhar' e 'O Rato'. Fã declarada do grupo, Alexandra Cruz, 28, gostou do show. "Adorei a apresentação deles. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-06-20 05:11:00.0

RIBEIRÃO PRETO - Em sua edição comemorativa de 15 anos, o festival João Rock, em Ribeirão Preto, recebeu 50 mil pessoas no parque permanente de exposições da cidade. Com quatro palcos espalhados pelo terreno, o público pôde escolher entre 18 atrações, distribuídas por 12 horas de programação.
De nomes experientes como Paralamas do Sucesso, Ira! e Titãs a novidades como Far From Alaska e Scalene, passando pelo peso de Criolo e Planet Hemp, o evento ofereceu alguns momentos memoráveis. Separamos quinze deles:

1. O REENCONTRO

Marcelo D2, BNegão e Black Alien, principais compositores do Planet Hemp, voltaram a se apresentar juntos, 15 anos depois do último ter deixado a banda. Black Alien chegou, inclusive, a criticar a reunião do grupo, em 2012. Mas, segundo D2, eles resolveram "deixar as picuinhas de lado". Sorte do público que estava atento e não foi ao bar ou ao banheiro quando o rapper niteroiense encerrou seu show, pouco antes da "ex-quadrilha da fumaça" se apresentar no palco ao lado.

2. PRESENÇA DE TULIPA

Em um line-up pobre em representatividade feminina, Tulipa Ruiz, convidada de Criolo no show que encerrou o festival, fez bonito ao apresentar para um público que, aparentemente, a desconhecia um pouco de seu alcance vocal e de sua força no palco. Primeiro, fez dobradinha com Criolo em "Cartão de visita", que cantam juntos no álbum "Convoque seu Buda", do rapper. Depois, dividiram "Só sei dançar com você", do álbum de estreia de Tulipa, "Efêmera" (2010). Por último, sem Criolo, a cantora apresentou a carismática "Proporcional", de "Dancê" (2015), seu mais recente disco.

3. SET POLÍTICO EM PARCERIA DE PARALAMAS E NAÇÃO

Repetindo a dobradinha que já tinha rolado em 2014, Palamas do Sucesso e Nação Zumbi dividiram o palco por cerca de 20 minutos, em que tocaram quatro músicas. Destas, duas faziam críticas à atuação policial - "O beco" e "Selvagem". A recorrente "Que país é esse?" (que voltaria a ser executada no show da Legião Urbana XXX Anos) também mostrou o lado político do setlist, que teve ainda homenagem a Chico Science em "Manguetown".

SET POLÍTICO EM PARCERIA DE PARALAMAS E NAÇÃO

4. FAR FROM ALASKA MOSTRA FORÇA

Uma das bandas a representar a nova geração do rock brasileiro no palco Fortalecendo a Cena, a potiguar Far From Alaska não fez feio, e conseguiu angariar cerca de 5 mil pessoas - mesmo com a concorrência dos hits do Paralamas do Sucesso. Com uma performance enérgica, a banda mostrou porque foi premiada como revelação na feira de música Midem, em Cannes, no começo do mês. Deu até para ouvir alguém comentar, com certa surpresa: "Que sonzeira, né, mano?".

5. GERAÇÃO MAIS AFINADA

O Ira! tocou seus hits no palco 2002, que repetia a escalação da primeira edição do João Rock. Em certo momento, o guitarrista Edgard Scandurra brincou com a plateia majoritariamente jovem: "vocês são mais afinados do que seus pais". Colou.

6. TONI VESTE KANYE

Antes do Ira!, o Cidade Negra tinha aberto o palco 2002, em mais um show estilo karaokê, com o público balançando as mãozinhas e cantando alto. Entre discursos a favor do amor, Toni Garrido chamou atenção também pela bela camisa colorida que usava. Na estampa, a cabeça do genial e genioso rapper americano Kanye West.

7. CREPÚSCULO ZUMBI

Quando subiu a um dos palcos principais do João Rock, às 17h30, a Nação Zumbi teve que lidar com um público ainda reduzido e morno, aquém da história da banda pernambucana, que teve posição de maior destaque no line up de 2014. Isso não atrapalhou a performance de Jorge Du Peixe e seus companheiros. Entre novas composições e grandes hits da época de Chico Science, eles ainda foram premiados com uma bela lua que já começava a brilhar no fim de tarde de Ribeirão Preto.

8. NA PONTA DA LÍNGUA

Liderada por Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, a Legião Urbana XXX Anos fez mais sucesso com o público. A teatralidade da performance do vocalista André Frateschi também chamou atenção, principalmente ao entoar a quase interminável "Faroeste caboclo". O público acompanhou a banda em toda a letra de quase dez minutos. Rodando o Brasil há alguns meses, o projeto continua apenas até o fim do ano, segundo Dado. Como ponto negativo, a quase total ausência de citações a Renato Russo na apresentação.

9. BOWIE HOMENAGEADO

Morto em janeiro, David Bowie segue recebendo homenagens pelo mundo. No João Rock, a Legião Urbana XXX Anos tocou "Heroes". Mais cedo, a Nação Zumbi já tinha feito sua versão de "China girl".

10. 'DREAM TEAM' DO NOVO ROCK BRASILEIRO

Em certo momento do show do Far From Alaska, a banda convidou Leonardo Ramos, do Supercombo, para participar de uma música. Depois, aproveitou e convocou o restante da banda, que demorou a aparecer. Foi a canção começar que o palco foi tomado por integrantes de Scalene, Dona Cislene e Supercombo, que se apresentariam no Fortalecendo a Cena mais tarde. A cena se fortalece na base da união.

11. TIMIDEZ POLÍTICA

Apesar do line up repleto de bandas que costumam se posicionar politicamente em seus shows, o João Rock teve poucos discursos sobre a situação do país. Da parte do público também. Só foi possível ouvir um tímido "Fora, Temer!" no fim da apresentação de Paralamas do Sucesso com Nação Zumbi.

12. CULTURA PROFÉTICA

O Natiruts aproveitou o espaço e o ótimo público para homenagear a banda porto-riquenha Cultura Profética, chamada de "a maior banda de reggae da América Latina espanhola" pelo vocalista Alexandre Carlo. Anunciada pela produção horas antes do show, a dobradinha com a Cidade Negra acabou não saindo do papel.

13. LIBRA ANIMADA

O show solo de Black Alien reservou um destaque do festival: a utilização de um profissional que fazia tradução simultânea das letras do rapper para a linguagem brasileira de sinais - iniciativa do próprio artista. Fabiano Esteves, o escolhido para a missão, teve que rebolar (literalmente) para traduzir versos complexos como "depende do Ecad, depende do green card", de "Hell do céu".

14. PREMIUM GIRATÓRIA

Meio paradona ao longo do dia, a pista premium finalmente se aqueceu durante o show do Planet Hemp, um dos mais empolgantes do festival. Rolou até rodinha punk, deixando a turma que queria ficar sossegada de nariz torto. Nada comparado às gigantescas rodinhas que a turma da pista normal promoveu, claro.

15. CURTO E DIRETO

Em um line-up quase nostálgico, o rapper Criolo encerrou a programação para um público muito participativo soando como um sopro de novidade. O paulista deixou a turnê intimista do relançamento de "Ainda há tempo" de lado e apostou em sua big band e nas participações certeiras do amigo Rael e, principalmente, da cantora Tulipa Ruiz. Mais animado do que de costume, Criolo também aproveitou o espaço para levantar bandeiras contra o machismo, a homofobia, e apoiar a ocupação de escolas e centros culturais pelo país, em um show curto para um headliner (cerca de 1h20min), mas que justificou o upgrade em relação à edição do ano passado, quando abriu o festival.

* Luccas Oliveira viajou a convite do festival

Source : Globo Online | 2016-06-19 23:53:08.0

RIO — Datas sempre foram catalisadores de vendas para o comércio. No Rio, segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), o Dia dos Namorados, comemorado no próximo domingo (12), é o terceiro melhor período do ano, atrás apenas do Natal e do Dia das Mães. Depois de um 2015 com vendas abaixo do esperado, este ano a expectativa é de um aumento de 2,5% em relação ao ano passado, segundo o presidente da CDL Rio, Aldo Gonçalves.

— É uma projeção otimista — reconhece.

O economista, consultor e professor universitário Marcos Mazzaroppi explica que, em períodos como o atual, o comerciante precisa investir em promoções e apostar na criatividade para estimular o consumo, situação que pode ser favorável para quem compra:

— Todo mundo está muito bem informado atualmente, e isso impacta na expectativa do consumidor, que fica mais pessimista. O comerciante precisa de ações para mudar isso. Por outro lado, quem estiver capitalizado pode aproveitar para comprar em melhores condições.

Na região da Barra, os comerciantes e prestadores de serviço estão atentos às dificuldades e prepararam atrações especiais para o Dia dos Namorados. O GLOBO-Barra fez uma seleção de opções para se aproveitar a data.

ATRAÇÕES CULTURAIS E DE MODA

Para quem busca um bom programa a dois, uma sugestão é a peça “Enfim, nós”, estrelada por Fernanda Vasconcellos e Cássio Reis. O espetáculo estreia sexta-feira (10) no Teatro Fashion Mall, em São Conrado, e segue até 3 de julho, com apresentações às sextas, aos sábados e aos domingos.

A comédia narra a história de um casal que, no Dia dos Namorados, fica preso no banheiro pouco antes de sair para comemorar a data. Até que consigam sair, os dois terão uma divertida discussão sobre a relação. Apesar de abordar assuntos delicados, Cássio garante que a peça é “recomendável" para os casais e que não vai atrapalhar nenhum relacionamento.

— É uma lição de amor que mostra pontos de vistas distintos, mas todo mundo acaba se identificando. Dá para ver que alguns casais se cutucam e brincam com as situações — diz o ator.

A montagem já tem dez anos, mas Cássio e Fernanda estão em cartaz há nove meses. Eles, que são casados, trabalham juntos pela primeira vez. Para Fernanda, é uma oportunidade de quebrar padrões, já ambos eram resistentes à ideia.

— Somos atores com qualidades artísticas que vemos em outras pessoas com quem gostaríamos de trabalhar. Então, por que não fazermos a peça nós mesmos? — indaga.

Fernanda diz que a convivência em casa e no trabalho não afeta o relacionamento nem diminui o romantismo:

— A gente vive a data todos os dias no palco, mas isso não acaba com o encanto do Dia dos Namorados.

Cássio concorda.

— Vou fazer algo especial, mas não posso contar para não estragar — resguarda-se.

Ainda na linha cultural, o quiosque Coqueirais, na Praia da Reserva, lança o projeto “Coqueirais in concert” no Dia dos Namorados. A programação tem exposição fotográfica, de artes plásticas e de artesanato, além de música gratuita com as bandas Visca e Jandaia, que tocam rock e pop rock. A programação começará ao meio-dia e seguirá até as 18h.

— Estrearemos no Dia dos Namorados por ser uma data emblemática e por querermos oferecer um espaço alternativo na praia, com cultura e espaço para os casais e para a família — explica o produtor Renato Nunes.

Quem pretende se preparar para um Dia dos Namorados mais romântico também tem opções. O Blink by Torquatto se uniu à Clínica Benesse para promover na quarta-feira (8), às 15h, um ciclo de palestras dedicado a clientes e convidados. A intenção, segundo Adriana Ribeiro, sócia das duas empresas, é preparar o clima para a data:

— É uma ação voltada para mulheres, para mostrar como apimentar o relacionamento.

Entre as atividades estão palestra sobre sexualidade, com Tania Netto, PhD em Psicologia e pesquisadora na área de neurociências; com o dançarino e coreógrafo Jaime Arôxa, sobre autoestima; e com a chocolatier Mirian Rocha, que falará sobre os benefícios do cacau e seu poder afrodisíaco.

Na Clínica Benesse, no Shopping Marapendi, Adriana promove um coffe break romântico para os casais no sábado (11), das 9h às 18h, quando eles terão 20% de desconto em diferentes pacotes.

Quem não quer esperar pode participar, domingo (5), das 14h às 21h, de um evento da Spolish Nail Bar & Spa em parceria com a Boreal Studio, no centro comercial do Via Parque. Haverá apresentação de marcas de roupa, oferta de fotos gratuitas, distribuição de serviços e sorteio de brindes.

— Será num estúdio de fotografia, e o visitante vai poder conhecer as marcas e ganhar serviços de moda e de beleza. Eu, por exemplo, vou fazer esmaltação e hidratação das unhas, e a Verônica Nairobith vai fotografar os presentes — explica Andréa Rosolino, proprietária da Spolish.

SHOPPINGS FAZEM PROMOÇÕES

Os shoppings também prepararam atrações para os casais. No Metropolitano Barra, quem acumular R$ 250 em compras, até 13 de junho, pode concorrer a 20 passeios de helicópteros por pontos turísticos do Rio e a estadias para duas pessoas no hotel Hilton. O sorteio será no dia 14.

No Via Parque, patrocinador dos Jogos Rio 2016, o sorteio é de 30 pares de ingressos para a Olimpíada. É necessário acumular R$ 250 em compras. Os consumidores que realizarem compras de segunda a quarta-feira e apresentarem os cupons fiscais nestes dias da semana ganharão cupons em dobro.

No BarraShopping, quem juntar R$ 350 em notas fiscais vai concorrer a R$ 200 mil em prêmios, entre eles um Jeep Renegade e kits tecnológicos, com smartphones e smartwatch.

Também tem promoção com o prêmios garantido. O VillageMall vai dar dois ingressos para um stand up comedy inédito no Rio, com Rafinha Bastos e Marcelo Marrom. As sessões serão no próximo sábado (11) e domingo (12). É preciso acumular R$ 500 em compras até sexta para fazer a troca.

Os fãs do programa “Super star” terão a chance de ver de perto um show da banda Melim, no Américas Shopping. A apresentação gratuita será na sexta-feira (10), às 20h, na praça de alimentação. O repertório terá trabalhos autorais da banda, como as músicas “Meu abrigo” e “Avião de papel".

O grupo é formado pelos irmãos niteroienses Diogo, Rodrigo e Gabi. O som mistura influências pessoais de cada integrante, passeando por pop, surf music, R&B, reggae, jazz e MPB.

SERVIÇO

Moda, beleza e fotografia

Empresárias e representantes de marcas do ramo se reunirão para um evento domingo (5), das 14h às 20h. Será na Avenida Ayrton Senna 3.000, no edifício Grumari, sala 3.028. Será possível experimentar serviços e tirar uma foto profissional gratuitamente. Tel.: 3502-5575.

Para apimentar

O Blink by Torquatto se uniu à Clínica Benesse para promover na quarta-feira (8), às 15h, um ciclo de palestras dedicado a clientes e convidados. Entre as atividades estão palestra sobre sexualidade com Tania Netto, PhD em psicologia e pesquisadora na área de neurociências; com o dançarino e coreógrafo Jaime Aroxa, sobre autoestima. Avenida Olegário Maciel 101, salas 209 e 210. Tel.: 3251-2506.

‘Enfim, nós’

A peça sobre relacionamento estreia sexta-feira (10) no Teatro Fashion Mall. Fica em cartaz até 3 de julho com apresentações às sextas, sábados e domingos. A partir de R$ 80. Tel.: 2111-4444.

Stand up comedy

O VillageMall vai dar dois ingressos para um stand up comedy inédito no Rio, com Rafinha Bastos e Marcelo Marrom. As sessões serão sábado (11) e domingo (12) que vem. É preciso acumular R$ 500 em compras até sexta para fazer a troca. Tel.: 3252-2999.

Coqueirais in concert

O quiosque Coqueirais, na Praia da Reserva, lança o projeto “Coqueirais in concert” no Dia dos Namorados. A programação tem exposição fotográfica, de artes plásticas e de artesanato, além de shows das bandas Visca e Jandaia. A programação vai do meio-dia às 18h.

Nos shoppings

O Via Parque sorteará 30 pares de ingressos para a Olimpíada. O Américas Shopping terá show da banda Melim, do programa “Super star”, será na sexta-feira (10), às 20h. BarraShopping sorteará prêmios como um Jeep Renegade, e o Shopping Metropolitano, passeios de helicópteros e estadias no hotel Hilton.

Source : Globo Online | 2016-06-07 12:00:00.0

Debaixo de um sol de 29ºC, o cantor Saulo Fernandes levou grande público nesta domingo, 5, ao show que integrou a programação de reinauguração do Parque da Cidade, no Itaigara, em Salvador. Saulo abriu apresentação cantando 'Raiz de Todo Bem' e emocionou o público, que cantava os sucessos e o ajudava a superar pequenos problemas técnicos. "Estou muito feliz e realizado. Saudade, Parque da Cidade", disse ele, que fez uma mistura de ritmos, do axé ao reggae. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-06-05 22:51:00.0

RIO - O novo gestor da Lona Cultural de Jacarepaguá tem 21 anos, é tecnólogo em Administração e mora na Cidade de Deus. Em 2010, ele se destacou na comunidade por um projeto vitorioso na Agência de Redes para Juventude — um programa da prefeitura do Rio para incentivar a cultura em lugares carentes da cidade. Agora, Rômulo Johann assume o novo cargo cheio de propostas para o espaço. Seu principal objetivo é driblar a falta de verba estabelecendo parcerias que lhe permitam montar uma agenda diversificada, que vá além das já tradicionais atrações musicais.

Como você chegou à administração da lona?

Fui aluno da Agência de Redes para Juventude, que é um programa da prefeitura do Rio de incentivo à cultura nas comunidades. Eles capacitam jovens para criar projetos onde moram. Com o CDD na Tela, idealizado por mim, ganhei R$ 10 mil para comprar material e oferecer aulas de audiovisual e teatro na Cidade de Deus. Foi por essa iniciativa que me convidaram para ser gestor da lona. Agora, eu me divido para atender aos dois lugares.

Quando você assumiu?

Em novembro, sob muitas dificuldades. Quando chegamos à lona, faltavam ventiladores e lâmpadas fluorescentes. As linhas telefônicas estavam cortadas, e o site, fora do ar. Para piorar, haviam jogado fora todas as fichas dos alunos inscritos nas oficinas. Gastamos uma grana que não estava nos nossos planos para oferecer uma estrutura mínima nos nossos eventos. Mas ainda falta fazer muita coisa.

O que já foi feito?

Abrimos espaço para todos os coletivos culturais de Jacarepaguá. Por meio de parceria com eles, pretendemos oferecer aos frequentadores da lona uma programação mais eclética. Antes, só tinham prioridade os shows. Agora, estamos trazendo mais eventos de teatro e cinema, sem precisar reduzir o número de apresentações musicais. Recentemente, trouxemos a peça “O capitão e a sereia”, e deu muito certo. A casa ficou cheia.

Como está a agenda?

Temos eventos fechados até o mês de setembro, com poucos espaços a serem preenchidos. Entre eles estão shows da banda Black Bird, que faz cover dos Beatles; do sambista Bebeto; e dos rapazes da 3030, que se apresentam amanhã e são bastante conhecidos na região, por seu som que mistura reggae e rock.

Haverá programação especial durante as Olimpíadas?

Sim. Em julho, vamos promover um cineclube, com filmes que abordam o esporte mesmo que muito discretamente. E pretendemos fazer uma parceria com a Vila Olímpica do Campinho para trazer algumas modalidades esportivas que sejam viáveis no nosso espaço, como o xadrez. Vamos contar com as associações de moradores e escolas locais na divulgação. Em agosto, em todos os dias dos Jogos, vamos transmitir as principais partidas.

Há mais projetos?

Quero oferecer eventos gospel para a lona. Aqui, em Jacarepaguá, há muitas igrejas, e queremos trazer o público delas para o espaço. Pretendo oferecer shows de cantores conhecidos por essas pessoas, mas dentro de uma proposta beneficente, já que se trata de de um evento religioso.

Source : Globo Online | 2016-05-31 12:00:00.0

RIO - Uma por todas, todas por uma — e assim segue o bonde do Fifth Harmony em seu segundo álbum. Uma coleção de talentos que funcionam melhor em conjunto (não há quem se destaque, assim como as Spice Girls, que se complementavam como se fossem um cardápio variado de vozes e biotipos), as meninas otimizam esforços para não deixar que o passo acelerado pelo sucesso de “Worth it” (um achado do disco de estreia, “Reflection”) ao menos não diminua e não as deixe no meio do caminho.

Mas a tarefa é difícil. Porque, assim como o recentemente lançado “Dangerous woman”, de Ariana Grande, “7/27” é um disco que arrisca apenas até a página dois. “Work from home” brinca com os timbres e com as batidas do trap e tem um vídeo em que as meninas invertem a folclórica situação da cantada de pedreiro. Mas, canção de trabalho por canção de trabalho, a de Rihanna, “Work”, chegou primeiro, melhor e com voltagem maior.

Outras canções, como “I lied” e “Scared of happy” ainda flertam com trap e “All in my head (Flex)” aposta em uma certa onda reggae, sampleando “Flex”, sucesso do dancehall do MC Mad Cobra. Mas, apesar de algumas letras “explícitas” (as primeiras do grupo), atravessa-se a audição das 12 faixas do álbum sem qualquer excitação ou solavanco. A presença da dupla norueguesa de produtores Stargate em cinco faixas de “7/27” é a garantia de que não haverá nenhuma esquisitice, nenhum refrão que não seja milimetricamente construído ou algo que possa soar minimamente desagradável.

Pouco acrescenta ao disco um convidado como Ty Dolla $ign, rapper do lado mais malvado, que não diz ao que veio em “Work form home”. Já Missy Elliott, que andava sumida, solta um rap de responsa que salva a bem intencionada e oitentista “That kind of girl” da mediania. No geral, “7/27” foge do criticado paradigma de álbum conceitual de Beyoncé e Rihanna. Mas também não traz aquela faixa boa para se acabar na boate.

Cotação: regular.

Source : Globo Online | 2016-05-29 11:00:00.0

KINGSTON - Com pouco mais de um milhão de habitantes, poucas atrações e trânsito movimentado, Kingston não costuma integrar o roteiro de turistas que vão à Jamaica. Os resorts luxuosos e as praias paradisíacas de Montego Bay, Negril e Ocho Rios, na costa norte da ilha caribenha, compreensivelmente são os destinos preferidos de quem visita o país.

BV_Jamaica

Mas a capital jamaicana guarda uma atração imperdível para fãs de reggae, ou até para quem não curte o tradicional ritmo local. No número 56 da Hope Road, fica o Museu Bob Marley, construído na casa onde o rei do reggae morava em Kingston.

Ao pé da cama, dois violões

A casa de dois andares e arquitetura colonial foi comprada pelo músico em 1975 e transformada em museu 12 anos depois, pela mulher de Bob Marley, Rita. Ali, Bob escreveu alguns de seus grandes sucessos, sofreu uma tentativa de assassinato e viveu até maio de 1981, quando morreu em decorrência de um câncer.

Ao entrar no pátio do museu, é impossível não se encantar com os muros pintados em cores vibrantes. Em uma das paredes estão representados os rostos dos filhos de Bob Marley, como Ziggy e Damian Marley, eles próprios artistas de sucesso. No centro do pátio, repousa imponente uma estátua do cantor, guitarra em punho e braço direito levantado, como se estivesse fazendo um show para quem está prestes a conhecer um pouco mais sobre a vida e a obra do músico.

A partir dali, porém, quem comanda o show é Ricky Chaplin. Músico jamaicano dono de uma voz potente, um bom humor contagiante e dreadlocks de mais de um metro, Ricky leva os visitantes por cada cômodo do museu, contando histórias da carreira de Bob Marley. As paredes são cobertas por discos de ouro e platina recebidos pelo rei do reggae, fotos da carreira, roupas, cartazes, recortes de revistas e jornais. Enquanto lembra aos visitantes que fotos não são permitidas dentro da casa, Ricky canta hits de Bob e puxa um coro formado pelos turistas.

Impacto no local do crime

O tour pelo museu dura 1h15m, passando pelo quarto, onde dois violões descansam ao pé da cama. Passa ainda pela cozinha de Bob Marley, onde o malicioso guia descreve a receita da bebida afrodisíaca que era consumida pelo músico para não ter problema na “hora H”. A deixa é perfeita para Ricky cantar a plenos pulmões o refrão “Get up, stand up! Stand up for your rights!”, arrancando gargalhadas de todos. Para quem duvida do poder da bebida, cabe lembrar que Bob Marley teve nada menos do que 12 filhos...

O quarto transformado em estúdio, onde Bob ensaiava e gravava, não pode ser visitado. Só os filhos do músico têm permissão para entrar no local, considerado sagrado. O tour passa, porém, por uma área nos fundos da casa onde, segundo a lenda, Bob Marley escreveu o sucesso “Three little birds”, sentado em um degrau. A letra da música está pintada na parede, e o lugar é um dos favoritos dos visitantes para fotos.

Em outra área ao ar livre, um enorme mural representa um trecho de outro sucesso de Bob, “No woman, no cry”. Com sorte — foi o meu caso — o visitante pode se deparar com Georgie Robinson passeando pelo local. “Georgie quem?”, você pode se perguntar. Saiba que, certamente, você já cantou o nome dele. Amigo de Bob, Georgie está na letra de “No woman, no cry”: “And then Georgie would make the fire light...” (“e então Georgie acenderia a fogueira”). Lembrou?

Antes de terminar, com um vídeo mostrando trechos de entrevistas de Bob Marley, a visita passa pelo seu momento talvez mais impactante. Nos fundos da casa, o guia mostra o local onde, em 1976, o músico foi vítima de uma tentativa de assassinato. Atiradores dispararam contra ele, a mulher Rita e o empresário Don Taylor. Rita e Don tiveram ferimentos graves, mas se recuperaram, e Bob foi ferido de raspão no peito e no braço esquerdo.

O atentado não impediu Bob Marley de se apresentar no show gratuito organizado pelo primeiro ministro jamaicano, que muitos apontaram como a causa do ataque ao rei do reggae. Quando aconselhado a cancelar o show, pois ainda se recuperava dos ferimentos, Bob respondeu que “as pessoas que estão tentando fazer um mundo pior não tiram um dia de descanso, então também não vou tirar”.

Bob escreveu uma canção sobre o episódio (“Ambush in the night, all guns aiming at me...” / “Emboscada na noite, todas as armas apontadas para mim...”). O caso nunca foi esclarecido, e os buracos de bala continuam nas paredes da casa, numa lembrança triste da noite em que a violência tentou calar um músico conhecido pelas canções de paz, amor e esperança.

SERVIÇO

Bob Marley Museum. 56 Hope Road, Kingston. Preço: a visita guiada sai por US$ 25 (cerca de R$ 87). Horário: das 9h30m às 16h, de segunda a sábado. O museu fecha aos domingos. bobmarleymuseum.com

Source : Globo Online | 2016-05-20 23:00:00.0

De volta a Salvador, a banda norte-americana Soldiers of Jah Army (SOJA) e a jamaicana The Wailers, com Julian Marley nos vocais, reencontram o público baiano para celebrar o reggae. O show acontece na noite desta sexta-feira, 20, no Wet'n Wild. Com um repertório marcado por canções que passam mensagens positivas, a SOJA relembra sucessos da carreira, como True Love e You and Me. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-05-20 12:12:00.0

RIO — Quando ele entrou em cena, parecia que já não havia espaço para mais ninguém. Chegava com uma fórmula mágica: cantando os sambas românticos em que Dick Farney e Lúcio Alves eram os tais, mas com vozeirão de trovador dos tempos de Sílvio Caldas e Orlando Silva. Mais mágica ainda foi a consciência de que, como pop star (ainda não se usava o termo), sem a aparência elegante dos demais cantores, novos ou antigos, venceria.

Links Cauby Peixoto

Essa atitude incluía tudo, das roupas falsamente rasgadas pelas fãs à noiva misteriosa e proibida que escondia numa ilha distante. Diferente em tudo, tornou-se um fenômeno de popularidade em pouco tempo. Não foram poucos os que previram para ele o futuro de “o maior cantor do Brasil”. Musicalidade e voz para isso... tinha.

Mas algo aconteceu no meio de sua corrida para chegar onde as previsões otimistas diziam. Por algum motivo — talvez ambição, talvez vaidade, talvez certeza de que podia fazer o que quisesse — desistiu de ser ele mesmo e passou, ao longo dos anos, a ser vários cantores diferentes.

Mudando o penteado, as cores do que vestia, os gestos e, mais que tudo, o repertório (samba, fox, calipso, tarantella, bolero, fado, reggae), acabou renunciando ao que melhor sabia ser: o cantor romântico dos primeiros tempos. Mas nunca se deixou levar pelas críticas a tais mudanças. Como se sabendo que seu destino não era ser o maior do Brasil, mas, simplesmente, Cauby, viveu feliz até o fim.

Imagens da carreira do cantor Cauby Peixoto

Source : Globo Online | 2016-05-17 11:00:00.0

A Rural Eventos, empresa organizadora da Expô 2016 (Exposição Agropecuária de Araçatuba), anunciou na madrugada deste domingo (8) a grade de shows deste ano. A divulgação contou com apresentação da dupla Zé Neto & Cristiano na Casa do Nelore, no Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado.

A feira será realizada entre os dias 8 e 17 de julho. A grade contempla, sobretudo, o sertanejo universitário, por meio dos cantores Henrique & Juliano (que abrem o evento, dia 8), Matheus & Kauan (dia 14), Jorge & Matheus (dia 15), Luan Santana (dia 16), Jads & Jadson (dia 16), Maiara & Maraisa (dia 17) e ainda de artistas locais durante a "Violada" (dia 12).

Mas há também espaço para outros gêneros, como o "forró eletrônico" com jeito de arrocha de Wesley Safadão (dia 10), a mistura de rock, reggae e rap da banda O Rappa (dia 9), o pagode de Thiaguinho (dia 14), o gospel de André Valadão (dia 11) e do padre Fábio de Melo (dia 17) e o pop rock da banda araçatubense N-Way (dia 13). De todas as atrações, apenas Wesley, Maiara & Maraisa e o padre Fábio são inéditos no evento. Os outros já vieram em edições anteriores.

Para definir a programação, a Rural Eventos levou em consideração os pedidos do público feitos pela página oficial da Expô no Facebook. Wesley Safadão, Jorge & Matheus e Henrique & Juliano foram as três atrações mais solicitadas, segundo o gerente comercial da empresa, Vinícius Ramos.

INGRESSOS
As vendas dos ingressos começam nesta segunda-feira (9), a partir das 10h, na bilheteria principal do recinto de exposições, em Araçatuba. Há também outros pontos de comercialização na região: na Rádio Tropical FM, em Birigui; na Center Cell Loja Tim, em Guararapes; e na Plis Tur, em Penápolis. (Colaborou José Marcos Taveira)

Confira a lista completa de shows e valores dos ingressos no 1º lote:

08/07 (sexta-feira)
HENRIQUE E JULIANO: R$ 60

09/07 (sábado)
O RAPPA - R$ 60

10/07 (domingo)
WESLEY SAFADÃO: R$ 70

11/07 (segunda-feira)
ANDRÉ VALADÃO: R$ 40

12/07 (terça-feira)
VIOLADA: R$ 10

13/07 (quarta-feira)
N-WAY: R$ 10

14/07 (quinta-feira)
MATHEUS & KAUAN - THIAGUINHO: R$ 60

15/07 (sexta-feira)
JORGE & MATHEUS: R$ 70

16/07 (sábado)
LUAN SANTANA - JADS & JADSON: R$ 60

17/07 (domingo)
MAIARA & MARAISA - PADRE FÁBIO DE MELO: R$ 50
Source : folhadaregiao.com.br | 2016-05-08 12:06:15.0
O músico Bunny Wailer, um dos ícones do reggae mundial, cancelou um show em Fort Lauderdale, no ...
Source : Terra Brasil | 2016-05-08 01:22:52.0

A rima do hip-hop e o batuque do samba-reggae foram os meios de comunicação utilizados pelo Ministério da Saúde para alertar as populações de Tororó, Cosme de Farias e Mussurunga II, em Salvador, sobre os riscos da proliferação do mosquito Aedes aegypti, em eventos que aconteceram neste sábado, 7, nos três bairros da capital baiana. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-05-07 19:14:00.0

RIO — Samba, forró, jazz, reggae, música internacional... As nuances de Alcione são muitas, e a gente bem sabe que Marrom não economiza nas tintas quando canta o amor. Neste sábado (7), ela estreia no Metropolitan, na Barra, a turnê nacional de um show só de boleros. É Alcione do jeito que os apaixonados mais gostam: romântica demais! Links Alcione

— Música romântica sempre vai existir. As pessoas nunca vão deixar de se amar, com a graça de Deus. Eu mesma já chorei muito por amor na vida. Ouvindo bolero, então... Nem te conto o que Ângela Maria e Dalva de Oliveira já fizeram comigo! Sou muito romântica mesmo. As vezes em que me apaixonei foram pra valer. Não me apaixono mais ou menos, eu me rasgo toda! A paixão me consome — assume a cantora, de 68 anos, sem meias palavras.

Segundo Marrom, “Alcione boleros” é um sonho artístico acalentado há tempos. E está sendo lançado num momento mais do que especial, quando ela comemora 45 anos de carreira:

— Em junho, esse show vai virar CD e DVD ao vivo, gravado na Cidade das Artes, na Barra. No palco, vão estar comigo Nana Caymmi e Sylvia Nazareth, minha sobrinha, que canta uma versão de “The shadow of your smile” (standard na voz de Tony Bennett).

Filha de Solange Nazareth, irmã e empresária de Alcione, a atriz e cantora Sylvia Nazareth (com ela na foto em detalhe), de 20 anos, atua como backing vocal da tia há seis meses.

— Ela é maravilhosa, me apoia em tudo. Sempre fico nervosa antes de subir ao palco, e ela está mais do que acostumada. Então, me abraça, cozinha para mim... É um conforto estar perto dela — conta a moça.

Nesta véspera de Dia das Mães, o show da Marrom é também dedicado às mulheres com atitude maternal, como ela:

— Não tive filhos biológicos, mas tenho muitos do coração, espalhados por aí... Os filhos de Matinho (da Vila), de Arlindo (Cruz) e de Zeca (Pagodinho) são meus também, não adianta eles negarem. Não ser mãe foi uma escolha minha, em favor da carreira. Sempre tive muito medo de não ser presente.

REFERÊNCIA NO MUNDO DA MODA

Ícone da música, Alcione também virou referência de moda. Seus kaftans cheios de brilho e suas garras de loba, sempre bem esmaltadas, tornaram-se marcas da cantora.

— Não sou escrava da moda! Só uso o que me dá conforto e me deixa bonitinha — afirma a cantora, que aparece na revista “Vogue” deste mês sendo reverenciada pela top model Naomi Campbell: — Não entendi o que aquele povo queria comigo. Sou baixinha, gordinha, nordestina, nunca desfilei em passarela nenhuma... Mas disseram que me adoravam, que queriam fazer uma homenagem à negritude do Brasil. Naomi quis se jogar aos meus pés e me abraçou. Só fiz colocar a mão na cabeça dela, parecia até mãe de santo (risos).

SERVIÇO

Metropolitan: Shopping Via Parque (Av. Ayrton Senna 3.000, Barra — 2156-7300). Sáb, às 22h30m. De R$ 70 (mesa lateral) a R$ 180 (camarote e mesa vip). 14 anos.

Source : Globo Online | 2016-05-07 15:11:23.0

RIO — Quando lançou “Ainda há tempo”, em 2006, Criolo ainda era Doido. O músico, que na época carregava o adjetivo no nome artístico, organizava a Rinha dos MCs em São Paulo e era um nome influente apenas no cena hip-hop. Uma década depois, aos 40 anos, Criolo extrapolou o rap, fez dois bem-sucedidos discos misturando a sonoridade afro-brasileira às rimas, e gravou um álbum de duetos com Ivete Sangalo em homenagem a Tim Maia. Decidiu, então, que era hora de voltar ao começo. Ou, como diria Kanye West, back to basics. Criolo chamou alguns dos beatmakers mais inventivos desta geração — como a dupla do Tropkillaz, Papatinho, Nave e Renan Saman — e gravou uma nova versão para o seu disco de estreia. Com direção musical de Daniel Ganjaman, seu parceiro desde “Nó na orelha” (2011), o disco repaginado está disponível para download gratuito a partir de hoje no site criolo.net.

— Não estou apenas regravando músicas velhas — ele diz. — Estou recontando uma história que algumas pessoas não conhecem. Sem nenhuma pretensão. Muita gente não conseguiu ouvir o disco ao vivo, porque ele nem teve show de lançamento.

Por ter sido lançado sem grande repercussão, “Ainda há tempo” se tornou cultuado apenas pelos fãs mais dedicados. Encontrar uma cópia do disco à venda não é exatamente fácil. Como Criolo pensava em comemorar os dez anos do álbum com uma série de shows acompanhado apenas por um DJ, precisou regravar tudo — dos vocais até as batidas. A fita master do disco se perdeu e, muito por conta disso, surgiu a ideia de convocar novos produtores para reinventar as faixas. Daí acabou surgindo o novo álbum.

DE 22 PARA 9 FAIXAS

CRIOLO CR

O “Ainda há tempo” 2.0 é bem mais enxuto do que o original. Em vez das 22 faixas lançadas há dez anos, agora são apenas nove e uma música-bonus. A duração diminuiu na mesma medida: de 1h09m, o álbum agora tem apenas 33 minutos. O resultado foi uma espécie de “melhores momentos”, uma concentração dos pontos altos do álbum de 2006. Músicas que costumam fazer grande sucesso com o público, como “Breáco” e “Demorô”, ganharam potentes versões.

Criolo diz que usou “a emoção” como critério para selecionar as faixas que ficaram. O que falasse mais alto, ganharia lugar no disco. Das nove, há também uma intrusa, ali: “Vasilhame”. A faixa foi composta depois de 2006 e é outro daqueles hits que empolgam a plateia durante os shows.

De certa forma, a mutação de “Vasilhame” reflete bem o poder do tempo sobre um artista. Originalmente, a faixa, que é uma pregação contra o consumo desenfreado de bebidas alcóolicas, tinha uma menção pejorativa a travestis (“Os traveco tão ali/ Ah, alguém vai se iludir”). Nos últimos tempos, Criolo vinha suprimindo estes versos durante os shows. A versão “consertada” foi a que ganhou registro no disco.

Criolo - Ainda há tempo

— Quando você é jovem, pode magoar alguém sem saber — explica. — Não porque você é mau, mas porque ninguém falou para você que aquilo poderia ser ruim. O conhecimento traz luz. Não foi só essa modificação que fiz nas letras. Revi tudo e mudei aquilo que não tinha necessidade de ficar. Não tenho problemas em dizer que errei.

'Por outro lado, Criolo procurou manter os acertos. Versos inspirados, como “De carro com bitches/ O boy se acha grande/ Olho no lance/ Grande foi Mahatma Gandhi” continuam lá. Assim como antigos parceiros. Rael, que no passado era Da Rima, repetiu sua participação no reggae-rap “Tô pra ver”. E DJ Dan Dan, fiel escudeiro do rapper, divide, pela primeira vez, os vocais de uma faixa com o amigo, em “Até me emocionei”.

Algumas músicas de “Ainda é tempo” se mantêm tragicamente atuais. É o caso de “Chuva ácida”. Com versos como “Mercúrio nos rios/ Diesel nos mares/ O solo estéril/ É, já fizeram sua parte”, o rap parece ter sido feito como um protesto contra o desastre das barragens da Samarco em Mariana (MG), que completou seis meses ontem.

'Não estou apenas regravando músicas velhas. Estou recontando uma história que algumas pessoas não conhecem'

— Compus “Chuva ácida” para um concurso sobre meio ambiente há mais de 20 anos. Infelizmente, as coisas continuam iguais — ele diz.

Em termos de música popular, uma década é um período poderoso (os Beatles, por exemplo, gravaram toda a sua discografia entre 1962 e 1970). Consciente dessa amplitude, Criolo se diz incapaz de projetar os caminhos que estará trilhando daqui a dez anos, quando completará 50. Mas não vacila em apontar o que mudou no rapper do Grajaú de 30 anos para o músico brasileiro de 40:

— Hoje sei que tenho muito mais a aprender do que achava que tinha a aprender há dez anos — filosofa ele, que se diz otimista com o futuro do país. — As atitudes que a gente toma hoje vão se refletir por muito tempo. É bom estar atento. Mas é impossível não ficar esperançoso toda vez que eu vejo a garotada ocupar as escolas e reivindicar melhores condições para alunos e professores.

Source : Globo Online | 2016-05-06 11:00:57.0

RIO - Pensando em viajar no próximo dia 15 de maio? Então, fique atento! Neste dia, será possível pagar apenas R$ 1 na diária de mais de 30 albergues espalhados pelas cinco regiões do país. A promoção da rede Hostelling International (HI) Brasil é para comemorar o Dia do Alberguista, celebrado na data.

BV-Albergues

Segundo a rede, o valor é para estadias em quartos compartilhados e inclui roupa de cama e café da manhã. Porém, a promoção é válida somente para aqueles que apresentarem a carteirinha da HI, que pode ser feita no site da Hostelling.

O dia foi escolhido em homenagem ao professor alemão Richard Schirmann, que fundou o movimento e nasceu no dia 15. Ele organizava excursões com seus alunos e, após se abrigar em uma escola, durante uma tempestade, teve a ideia de criar espaços com dormitórios coletivos, que inicialmente eram mais frequentados por jovens, mas que hoje tem público cada vez mais diverso.

Veja os albergues com diárias a R$ 1 em todo o Brasil:

Alagoas

HI Hostel Ponta Verde – Maceió

HI Hostel Maceió e Pousada – Maceió

Amazonas

HI Hostel Amazon Adventure– Manaus

Bahia

HI Hostel Sossego – Ilha de Boipeba

HI Hostel Escorregue no Reggae – Morro de São Paulo

HI Hostel Caminhos da Chapada – Palmeiras

HI Hostel Barra – Salvador

Ceará

HI Hostel Fortaleza – Fortaleza

HI Hostel Jeri Brasil – Jericoacoara

Distrito Federal

HI Hostel 7 – Brasília

Goiás

HI Hostel 7 – Goiânia

HI Hostel Rua Direita – Pirenópolis

Mato Grosso

HI Hostel Portal do Pantanal – Cuiabá

Minas Gerais

HI Hostel Pampulha Boutique – Belo Horizonte

HI Hostel Adrena Sport – Belo Horizonte

HI Hostel Diamantina – Diamantina

Paraná

HI Hostel Roma – Curitiba

Pernambuco

HI Hostel Liras da Poesia – Porto de Galinhas

HI Hostel Arrecifes– Recife

Rio de Janeiro

HI Hostel Marina dos Anjos – Arraial do Cabo

HI Hostel Alê Friburgo – Nova Friburgo

HI Hostel Brothers – Rio de Janeiro

HI Hostel Copa – Rio de Janeiro

HI Hostel Casa do Rio – Paraty

Rio Grande do Norte

HI Hostel Albergue da Costa – Natal

Rio Grande do Sul

HI Hostel Gramado– Gramado

HI Hostel Porto Alegre Boutique – Porto Alegre

HI Hostel Missões – São Miguel das Missões

São Paulo

HI Hostel O’Riley’s – São Paulo

HI Hostel Okupe Jardins – São Paulo

Sergipe

HI Hostel Aju e Pousada – Aracaju

Source : Globo Online | 2016-05-05 00:00:39.0

RIO - Líder do Skank, Samuel Rosa reconhece que havia “um abismo entre as duas gerações da música de Belo Horizonte”: a sua, dos anos 1990, formada no reggae dancehall e no rock alternativo; e a de Lô Borges, do Clube da Esquina, surgida no começo dos 70, que teve nos Beatles, no jazz e na bossa nova seus pilares musicais.

— A gente se distanciou deles para não ser confundido, era necessário fazer isso. A gente até ironizava, dizendo que o Skank estava longe da esquina. Mas aí o Lô veio quebrando o gelo ao gravar “Te ver” (hit do álbum “Calango”, de 1994). Foi impactante aquilo, o cara descendo do Olimpo e dando uma chance para os plebeus — brinca Rosa, que agora, quase 20 anos depois do primeiro encontro, acaba de lançar com Borges o DVD “Ao vivo no Cine Theatro Brasil", cujo show será apresentado nesta sexta no Vivo Rio.

— Eles vieram com uma música absolutamente diferente da que a gente fazia, o que eu achei muito bom. E “Te ver” me chamava a atenção. Eu estava fazendo um disco experimental (“Meu filme”, de 1996), peguei essa canção de dois acordes e fiz uma versão com 20. Depois, quando conheci o Samuel numa festa, ele veio me reverenciando — recorda-se Borges.

A parceria, de fato, começou em 1999, e rendeu alguns shows esporádicos.

— Foi legal não ter registrado o espetáculo naquela época. A música do Samuel ainda não conversava com a minha, devíamos esperar para amadurecer o encontro — admite o mineiro.

— A harmonia complexa era um desafio para mim e eu elegi o Lô o meu artista favorito do Clube — conta o líder do Skank, que, por influência do amigo, adentrou “um novo campo de composição” ainda em 1998, com “Resposta”, parceria com Nando Reis. — Fomos do dancehall ensolarado para o violão. Precisávamos ter uma música que a garotada fosse tocar no acampamento.

DOIS MELODISTAS

Em 2003, no álbum “Cosmotron”, o Skank teve um grande hit nascido da junção de Samuel, Nando e Lô Borges: a balada “Dois rios”, que, segundo Lô, “foi uma música de ajudou muito a viabilizar o encontro com Samuel”.

— Somos dois melodistas. Ele se arriscou mais na área das letras, eu peço ajuda aos parceiros, como o Nando — explica o líder do Skank, deixando escapar que a parceria com o veterano do Clube contabiliza cerca de 20 canções, “muitas gravadas, algumas engavetadas”.

Para Samuel, era importante que o primeiro registro do encontro com Lô Borges fosse um disco ao vivo.

— Tudo entre nós começou no palco, com aquele prazer que um tem de cantar as músicas do outro — conta ele, que além de sucessos como “Paisagem na janela”, “O trem azul” e “Um girassol da cor do seu cabelo”, pinçou também alguns dos lados B favoritos da obra do amigo, como “Trem de doido” e “Equatorial”.

A turnê de Rosa e Borges, porém, não interrompe a trajetória do Skank. Dia 11 de junho, eles fazem na Fundição Progresso o show do álbum “Velocia”, de 2014. Segundo o vocalista, a banda faz uma média de seis shows por mês.

— Quando penso que vou conseguir uma brecha, tenho que pedir ao Skank para cancelar alguns shows a fim de levar adiante esse projeto com o Lô. Estamos em turnê desde 1993! — brinca Rosa, que em 2016 comemora, com a reedição em LP, os 20 anos do disco mais vitorioso da banda, “O Samba Poconé” (do megahit “Garota nacional”). — Digo aos novos sertanejos: “Vamos ver se vocês estarão fazendo 20 shows por mês quanto tiverem a minha idade!”

LÔ BORGES E SAMUEL ROSA

ONDE: Vivo Rio - Av. Infante Dom Henrique 85, Aterro (2272-2901).

QUANDO: Nesta sexta, 22h.

QUANTO: De R$ 100 a R$ 240.

CLASSIFICAÇÃO: 16 anos

Source : Globo Online | 2016-04-15 10:09:52.0

RIO - A rede internacional HI Hostel no Brasil ganhou sete albergues nos últimos meses. Todos têm quartos privativos e coletivos.

BV Albergues

Na Bahia, o Mox, em Arraial d’Ajuda, está instalado em uma casa na agitada Rua do Mucugê. Belo Horizonte ganhou o BH Boutique, em edifício em estilo art-decó, no bairro Santo Agostinho.

Foz do Iguaçu tem duas novas unidades: o Pousada Caroline e o Evelina, os dois no bairro Vila Yolanda. Em Santa Catarina, o Toca da Moreia fica a poucos metros da praia de Bombinhas; e o Rosamar, na Praia do Rosa, tem quartos que dão vista para as montanhas.

Do Hostel São João, em Corumbá (MS), que fica no Complexo Passo do Lontra, são feitos passeios pelo Pantanal. A carteirinha da HI dá direito a desconto nas diárias (hihostelbrasil.com.br).

DIÁRIAS GRATUITAS NA CONEXÃO NORDESTE

Para quem planeja férias no Nordeste, a associação lançou a campanha Conexão Nordeste, válida para quem se hospeda até 31 de maio, com diárias gratuitas em albergues da rede.

A cada 3 diárias em uma unidade da Hostelling International (HI), o viajante ganha uma diária em outro hostel.

Dos 22 hostels da rede no Nordeste, 20 aderiram à campanha. Quem se hospedar por um minímo de três noites em um hostel participante terá direito a uma diária em quarto compartilhado (coletivo) em outra unidade que faz parte da promoção

A promoção está disponível para associados da Hostelling International (HI) com carteira válida. A carteira pode ser solicitada pelo site (www.hihostelbrasil.com.br) ou no próprio hostel.

Hotéis participantes:

Alagoas

Ponta Verde Hostel, em Maceió: www.pontaverdehostel.com.br

Maceió Hostel e Pousada, em Maceió: www.maceiohostel.com.br

Bahia

Bahia Prime Hostel, em Salvador: www.bahiaprimehostel.com

Praia do Forte Hostel, na Praia do Forte: www.albergue.com.br

Hostel Barra, em Salvador: www.bit.ly/1Rkd2iU

Sossego Hi Hostel, na Ilha de Boipeba: www.ilhaboipeba.org.br/sossego.html

Hostel e Pousada Escorregue no Reggae, em Morro de São Paulo: www.pousadadoreggae.com.br

Hostel Caminhos da Chapada, em Palmeiras (Chapada Diamantina): www.hostelcaminhosdachapada.com

Hostel Chapada, em Lençóis (Chapada Diamantina): www.hostelchapada.com.br

Imbassaí Eco Hostel Lujimba, em Imbassaí: www.imbassaihostel.com.br

Ceará

Fortaleza Hostel, em Fortaleza: www.fortalezahostel.com.br

Jeri Brasil Hostel, em Jericoacora: www.jeribrasil.com.br

Paraíba

Manaíra Hostel, em João Pessoa: www.manairahostel.com.br

Tambaú Hostel, em João Pessoa: www.tambauhostel.com.br

Pernambuco

Arrecifes Hostel, em Recife: www.arrecifeshostel.com.br

Albergue de Olinda, em Olinda: www.alberguedeolinda.com.br

Liras da Poesia Hostel e Pousada, em Porto de Galinhas: www.hostelportodegalinhas.com.br

Rio Grande do Norte

Albergue da Costa, em Natal: www.alberguedacosta.com.br

Pipa Hostel, em Pipa: www.pipahostel.com.br

Sergipe

Aju Hostel e Pousada, em Aracaju: www.ajuhostel.com

Source : Globo Online | 2016-04-14 21:37:09.0

RIO — O rapper carioca BNegão admite que fica arrepiado ao lembrar da primeira apresentação do BaianaSystem que presenciou.

Links BaianaSystem— Foi a mesma impressão que eu tive quando assisti ao show de Chico Science & Nação Zumbi no Recife, no Abril Pro Rock de 1995. O lance de trazer a cultura da terra e os ritmos locais, ter isso no sangue, misturado com a música que tem sido criada em diversos lugares do mundo, um trabalho de pesquisa pesado... Teve um impacto muito forte e sabia que aquilo era revolucionário — lembra o integrante do Planet Hemp e espécie de padrinho do projeto idealizado em 2007 por Roberto Barreto, um discípulo e entusiasta da guitarra baiana eternizada pelos mestres Dodô e Osmar. — Não tenho medo de falar que a música criada em Salvador pode ser dividida entre antes e depois destes caras.

Os “caras” — além de Barreto, o BaianaSystem conta com o vocalista e compositor Russo Passapusso, o baixista SekoBass e o ilustrador e designer Filipe Cartaxo, responsável pela linguagem gráfica e considerado integrante do grupo, além de parceiros recorrentes, como os produtores João Meirelles e Mahal Pitta e os percussionistas Ícaro Sá e JapaSystem — lançaram, ontem, no aniversário de Salvador, seu segundo disco, “Duas cidades”, com exclusividade na plataforma Deezer (o lançamento digital em outros canais será no dia 8).

Com produção assinada pelo paulista Daniel Ganjaman e participações de Siba e das Ganhadeiras de Itapuã, o álbum promete ser um divisor de águas na trajetória do grupo. Adepto do sound system — termo popularizado na Jamaica dos anos 1950 para se referir a um sistema de som improvisado, usado em festas de rua — o BaianaSystem viu, desde o lançamento do EP “Pirata”, em 2013, sua consolidação enquanto nome mais forte da cena independente soteropolitana, baseada em apresentações regulares no Pelourinho, histórico centro cultural da primeira capital federal. Os shows servem como laboratório para as experimentações da guitarra baiana de Barreto sob influências que vão da guitarra congolesa e angolana à guitarrada do interior da Bahia, dos versos políticos e urgentes de Russo e dos grooves e beats lançados na hora pelos produtores que os acompanham, que dialogam com vertentes do reggae como ragga e dancehall. Baiana Carnaval

O resultado dos experimentos é a criação de diversos esqueletos de composições que estão em constante mutação nos shows — raramente uma música é tocada da mesma maneira duas vezes. “Duas cidades” traz, por exemplo, “Playsom” como principal single. Lançada oficialmente em fevereiro de 2015, a música, que faz parte da trilha do popular game de futebol “Fifa 16”, nada mais é que uma recriação em cima da melodia de “Terapia” — ao lado de “Amendoim, pão de mel”, um dos primeiros hits do grupo, lançado no EP “Pirata”. O mesmo acontece com “Jah Jah revolta parte 2” e “Barra Avenida parte 2”, novas roupagens para ideias apresentadas no homônimo disco de estreia, de 2010. Um processo que já foi apresentado em outras capitais nacionais e até em países como China e Japão, e não vai parar com o lançamento do novo trabalho de estúdio.

— Acabei de voltar de um ensaio e resolvemos tocar o disco todo. Na primeira vez, foi tudo igual. Na segunda, eu já estava jogando uma outra letra por cima, o Beto fez uma guitarra diferente, o Seko começou uma linha animal de reggae... (risos) — diverte-se Russo, que começou sua carreira em outro famoso sound system baiano, o Ministereo Público. — O sound system traz um processo que abre campos de experimentações. “Duas cidades” tem samba duro, tem samba reggae, tem rock, tem eletrônico... É o elo de maturação de todas as influências que cada colaborador traz. A gente não precisou atirar para um ritmo ou para uma fórmula certa. #BAIANASYSTEM #NAVIOPIRATA #BSPIRATA

Com músicos que vivem uma Salvador que não é exatamente narrada nos hits radiofônicos que de lá saem, o BaianaSystem também tem o carnaval correndo na veia artística, mas em uma versão bem particular. Nos últimos anos, eles saem com o trio sugestivamente batizado de Navio Pirata, em circuitos alternativos, sem cordas ou privilégios. No começo, como BNegão lembra, o grupo tocava para praticamente ninguém, fora um ou outro folião que olhava torto. Hoje, com o espaço conquistado na cena local, o panorama é diferente. No carnaval deste ano, o trio saiu com o BaianaSystem e com convidados especiais a bordo, como o próprio BNegão, a diva local Margareth Menezes e o líder do Psirico Márcio Victor, outro parceiro de longa data do grupo (na percussão). Atrás deles, cerca de 30 mil pessoas, grande parte delas usando a máscara que é o símbolo gráfico principal do projeto, uma personificação do elo entre artista e público, que surge como parte integrante do movimento. Vídeos da multidão acompanhando o trio entre danças próprias e libertadoras impressionam.

— O carnaval é uma referência muito forte para nós. Sempre tivemos uma visão crítica em relação à transformação dele enquanto produto comercial. O carnaval tem um simbolismo muito importante para a massa, e o mercado vem tirando isso com abadás, camarotes etc. Para nós, o carnaval são as festas de largo, os blocos afros. O sucesso do nosso trio, 100% autoral, de uma banda que não toca nas rádios, é uma confirmação de que isso ainda é popular, ainda tem espaço. — afirma Barreto.

Um sucesso independente em meio ao declínio comercial e popular do axé faz do BaianaSystem uma presa aparentemente fácil para a máquina da indústria. Barreto, Russo e companhia já foram aliciados por artistas e gravadoras para trazer uma cara mais cool para o gênero decadente. Ofertas que vêm sendo negadas em prol da mensagem.

— Queremos mostrar que não é porque um produto tem potencial mercadológico que você vai colocar em jogo seu lado artístico, seus ideais. As parcerias têm que acontecer naturalmente, pela música, pela empatia, como foi com Margareth — conclui o guitarrista. Disco BaianaSystem

Source : Globo Online | 2016-03-30 11:00:20.0

RIO - Não surge do nada esse “Duas cidades”. Numa linha que vai de “Selvagem?” (Paralamas do Sucesso, 1986) ao “Abayomy Afrobeat Orquestra” (2012), passando por “Afrociberdelia” (Chico Science & Nação Zumbi, 1996), “Lado B Lado A” (O Rappa, 1999) e “Enxugando gelo” (BNegão e Seletores de Frequência, 2003), o álbum do BaianaSystem registra de forma exemplar um momento do grande caldeirão musical brasileiro que ferve na chama da indignação.

A Jamaica é o norte desse disco, que recupera um passado não tão distante da música de Salvador, em que reggae, samba e observações sobre a realidade dos desvalidos e segregados andavam lado a lado. Com uma guitarra cheia de vocabulário e um vocalista que transpira estilo, o BaianaSystem tinha meio do caminho andado. Mas, em “Duas cidades”, ele ainda conta com uma consistência rítmica que não se vê por aí, armada a partir de tambores acústicos e digitais, em casamento com devastadoras linhas de baixo.

“Já estou entendendo, não devo mais nada/ Quem está devendo a risada é a piada”, canta Russo Passapusso em “Jah Jah revolta parte 2”, faixa que abre o disco descortinando um universo que vale a pena ser percorrido. Uma Salvador longe da alegria forçada da folia, e que pulsa mais do que pula.

Cotação: bom

Source : Globo Online | 2016-03-30 11:00:00.0

RIO — “O que torna a música tão poderosa?”, parece se perguntar o tempo inteiro o inglês Marcus Boon, que chegou ao Rio esta semana para pesquisar cenas musicais independentes, como a que fervilha a Audio Rebel, em Botafogo; e para dar a palestra “Vanguardas, Underground e Pirataria” nesta segunda-feira, às 18h30m, no Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS), que tem entrada franca. Pesquisador musical, professor de História Cultural da University of York, em Toronto, e colunista da revista de música underground “The wire”, Marcus está sempre em busca desta resposta em todos os estudos que faz. Seja ao investigar as vantagens da “cultura da cópia” contemporânea no livro “In praise of copying” (segundo ele, o grande poder das apropriações musicais de hoje em dia são as novas formas de compartilhamento que geram); ou ao estudar os poderes que a vibração da música têm sobre o nosso corpo, gerando performances ora eróticas, ora violentas, tema de seu próximo livro, “As políticas da vibração”. Ele tenta responder a si mesmo nesta entrevista ao GLOBO: “A música bem-feita nos leva ao coração do ser”.

Quais são os tipos de apropriação musical que você investiga, tema de sua palestra hoje?

Eu estava em Nova York em 1982, quando a cena de hip hop no Bronx e no Harlem começava. Os DJs criavam novas músicas, em cima de outras, pré-existentes; os metrôs eram cobertos com pichações; à noite você ouvia o som do “booming bass” dos sistemas de som dos carros. Era uma apropriação literal dos sons de outras pessoas; do espaço público; da linguagem. E essas práticas de apropriação têm acontecido em todo o mundo, gerando formas locais de apropriação, como o kuduro em Angola ou o funk no Brasil. Eu estou interessado nesta distribuição global das apropriações, e na compreensão de como ela muda de acordo com as condições locais.

E como elas mudam?

O hip hop é uma forma, assim como o reggae e o dub são outra forma, ou o tecnobrega, no Brasil. Ou as “versões” de um ritmo ou canção em particular, que se proliferam infinitamente em novas faixas se tornaram uma das práticas básicas de apropriação na cultura digital. O que há de mais poderoso na cópia, na apropriação, na versão, não é que ela seja pessoal, única, mas específica. Um sampler contém algo de autêntico, de vivo, e envolve algo da cultura local que só pode emergir de um grupo específico de pessoas.

Toda música é uma apropriação?

A apropriação está em toda parte. A nossa História é uma história de apropriação. O colonialismo nas Américas é, em si, um enorme “empenho apropriativo”, assim como foi o comércio de escravos, que constituiu as grandes diásporas africanas. Talvez este seja um exemplo do que crítico Eve Kosofsky Sedgwick chama de “leitura de reparação”: a apropriação como “prática reparadora”. Nos EUA, estudiosos como Jayna Brown têm enfatizado esta “prática reparadora” dos estilos musicais africanos.

O hip hop seria uma espécie de vingança estética dos colonizados?

Sim. É um tipo de “contra-apropriação”. Um dos dilemas das sociedades pós-coloniais é em qual direção tomar essa apropriação. É por isso que é tão interessante para mim que a house music tenha se tornado tão popular na África do Sul depois do fim do apartheid. Como se houvesse uma necessidade de afirmar a diáspora através da apropriação de um estilo musical particular e redefini-lo.

A apropriação está em toda parte. A nossa História é uma história de apropriação. O colonialismo nas Américas é, em si, um enorme “empenho apropriativo”, assim como foi o comércio de escravos, que constituiu as grandes diásporas africanas

Quais são as maiores formas de apropriação musical hoje em dia?

A maioria das formas de apropriação se torna hoje parte de um mercado de mainstream. Estamos famintos por novas formas de apropriação. O comunismo falhou para a maioria das pessoas, o mercado livre não está indo tão bem... Tecnologicamente, nossa capacidade de fazer e compartilhar nunca foi tão grande. Mas como viver juntos e apoiar-nos uns aos outros por meio destes novos tipos de distribuição e produção?

Ou: como pagar quem é copiado?

É uma questão que parece não ter resposta. Pelo menos não antes que se responda uma questão muito mais ampla acerca da organização da sociedade e da distribuição das necessidades e desejos humanos. Não são só os artistas que precisam de ser pagos; são os trabalhadores, são os pobres que trabalham em fábricas ou em áreas rurais. A industrialização é uma economia baseada na produção em massa de cópias; e essa é a nossa sociedade da informação.

O que está em debate hoje em dia quando falamos de apropriação?

O foco é realmente a ideia de propriedade. O neoliberalismo global é em grande parte construído em torno da ideia de propriedade privada. Os direitos humanos são considerados para garantir a cultura e a identidade como uma forma de propriedade privada. A “apropriação” vai contra esta noção de propriedade — que implica a possibilidade ou necessidade de partilha e redistribuição. Claro, o capitalismo global é, em si, altamente “apropriável”. Houve uma reação contra a estética de apropriação nos últimos anos porque os direitos dos povos marginalizados estão muitas vezes sendo garantidos através do direito de propriedade. É compreensível, mas torna mais difíceis as práticas de partilha e da construção de uma noção de “domínio público” mais efetiva.

O que veio pesquisar no Brasil?

Estou muito interessado na música que o Maga Bo faz, como um tradutor ou mensageiro dos sons pelo mundo (DJ, produtor, engenheiro de som e etnomusicólogo americano-brasileiro faz músicas com colagens de estilos de diversos países). Também é muito intrigante o “Bahia bass” do Lord Breu, com poderosos ritmos sintetizados (o movimento une artistas que fundem gêneros baianos com sons eletrônicos). Eu também estou curioso pelas cenas de rock independente e alternativo no Brasil, que inclui o Metá Metá, de São Paulo. Ainda me interessa a improvisação experimental e livre de cenas que estão florescendo em espaços como Áudio Rebel, em Botafogo. Em todos esses casos, quero entender como as redes globais estão sendo formadas em torno de cenas de subcultura sonora, e a possibilidade de novos tipos de “contra-globalização” através deles.

Sobre o que trata seu novo livro?

Em “As políticas da vibração” eu exploro a ideia de que no núcleo da música e das culturas musicais há uma ontologia de energia e vibração. Cenas como a da dancehall são formas conscientes de moldar a energia e as formas vibratórias do corpo. Pesquiso a maneira pela qual a exposição à potência de vibração resulta em uma espécie de erotismo (pelo movimento coletivo e de jogo de corpos), mas também resulta em surtos de violência. É um trabalho que está me ajudando a pensar de forma diferente sobre o que é a música e por que ela é tão poderosa.

E por que é tão poderosa?

A música, quando bem feita, nos leva ao coração do ser. E faz isso com elegância, consensualmente. Não é arbitrária ou aleatória, e qualquer um pode aprender a tocar música de uma forma poderosa e bela (esta é uma das lições do punk). A música é uma forma de som, que é uma forma de vibração. Como meu mentor Catherine Christer Hennix diz, o universo é um campo de vibração (um campo quântico, entre outros). Com a música, nós nos sintonizamos a este fato, e isso é alegre, mesmo quando uma determinada peça de música (o blues, por exemplo) expressa profunda dor ou sofrimento.

Source : Globo Online | 2016-03-21 10:00:00.0

RIO - Este é o último fim de semana para aproveitar o Américas Summer Festival, no terraço do Américas Shopping. O evento, organizado em parceria com O GLOBO-Barra para celebrar os momentos finais do verão, leva o clima de praia para o estacionamento descoberto do centro comercial. Para entrar na onda, nada melhor que show de samba com Gabby Moura, neste sábado e setlist de surf music e reggae tocado pelo DJ Dodô, que será a principal atração deste domingo.

Além da música, a gastronomia é outro atrativo. Dezenas de food bikes estarão espalhadas pelo espaço, como as de Bar do Oswaldo, Genial, Zin e Tequesos. Já a bicicleta do Clube Sou+Rio, programa de relacionamento do GLOBO, oferecerá guarda-volumes, além de carregador de celular e brindes para assinantes.

O DJ Dodô, responsável pela programação musical de todo o evento, fará a sua segunda apresentação no festival. Depois de tocar MPB, no domingo passado, hoje ele convidará o público local a dançar ao som de surf music e reggae:

— Quis captar o espírito diurno do carioca; da música de alto-astral, good vibe. Diria que vou tocar música solar. Vamos trazer a praia para o shopping.

As crianças também não ficam de fora da festa. O espaço de recreação terá cama elástica e mesas de totó.

SERVIÇO

O evento, gratuito, ocorre das 15h às 21h, no estacionamento descoberto do Américas Shopping. O show de Gabby Moura é às 19h e de DJ Dodô será às 17h.

Source : Globo Online | 2016-03-18 23:23:51.0

RIO - “Um afro-soul em ritmo contagiante, um dos hinos preferidos das principais discotecas locais atualmente.” Assim a coluna de discos “Em 33 rotações”, de O GLOBO, definia “Soul makossa”, música do saxofonista camaronês Emmanuel “Manu” Dibango, que tomou o mundo ao longo dos anos de 1972 e 1973. Primeiro lançamento de um artista africano a ganhar disco de ouro nos EUA, uma das faixas prediletas dos DJs de Nova York que iniciaram o movimento disco e precursora do que se conheceria como world music, ela fez história no pop. Seu cântico “ma-mako, ma-ma-sa, mako-makos-sa” foi adaptado em sucessos como “Wanna be startin' something” (Michael Jackson) e “Don't stop the music” (Rihanna).

— Tive muita sorte de ter um hit, porque não é você que decide se vai ter um hit, é o público. São as pessoas que decidem, ao mesmo tempo, em diferentes lugares do mundo. É magia. Fui o cara certo, na hora certa, no momento certo — conta Manu Dibango, que está no Rio, em mais uma de suas visitas na função de Grande Testemunha da Francofonia para os Jogos Olímpicos de 2016. — Conheci Michael quando ele tinha uns cinco, seis anos de idade, com o Jackson 5. Depois, só o que encontrei foi um monte de advogados. Americanos gostam de pegar as músicas sem pagar. Soul Makossa - Manu Dibango (1973)

Aos 82 anos de idade (mas aparentando bem menos), falando com sua voz grave a acolhedora numa mistura de inglês e francês, Manu agora chega para fazer música. Hoje, ele tem um show aberto, às 21h, na Maison de France, com o baixista Arthur Maia e a cantora francesa Valerie Lu (entrada franca, com reserva de ingressos pelo e-mail cultura@maisondefrance.org.br). E nesta sexta-feira, às 10h, participa de um evento fechado, da francofonia, no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico, ao lado de Hermeto Pascoal.

— Dessa vez, vim para tocar com os brasileiros — diz Manu, que, no domingo, foi ao samba em Madureira, na Feira das Yabás. — Foi muito interessante. Lá, pela primeira vez, pude perceber a grande diversidade da música brasileira. Todos cantam juntos, há brancos e negros... e eu cantei também!

Num mundo em que cerca de 220 milhões de pessoas falam francês (muitos deles, em países africanos), a questão da francofonia assume grande importância para um músico de expressão internacional como Manu Dibango.

— Não é a França, é a francofonia, a nossa história em comum. Há na África países vizinhos que, por causa da colonização, falam a mesma língua mas não têm a mesma cultura. Assim, o que viemos mostrar nos Jogos Olímpicos é a riqueza da nossa diversidade. Fui encarregado de escolher os artistas para isso — informa o músico, que pensa em juntar orquestras sinfônicas brasileiras com cantores eruditos africanos, em um número de abertura que envolva músicos baianos ("a Bahia é um espelho da África", diz) e um projeto com Gilberto Gil. — Vamos começar a conversar sobre isso logo que nos encontrarmos, costumo ver Gil bastante quando ele se apresenta na França. MANU DIBANGO -- REGGAE MAKOSSA

Amigo do nigeriano Fela Kuti, que nos anos 1970 fez, com seu afrobeat, revolução semelhante a de “Soul makossa” (“Fela foi importante porque combinou a música iorubá com a soul music e descobriu uma equação que funcionou; depois, ele mostrou ser um artista com uma mensagem para os jovens”, discorre), Manu Dibango continuou a buscar um som contemporâneo e universal em discos como “Gone clear” (1979, gravado com a grande cozinha jamaicana do reggae, Sly & Robbie) e “Electric Africa” (1985, com o pianista e gigante do jazz Herbie Hancock e o tecladista mestre do funk Bernie Worrell).

— O mais interessante, de fato, é que “Electric Africa” foi uma mistura de personalidades, cada um deu o seu tempero ao disco — diz. — Quando a eletrônica apareceu, ela aportou também na África. E cada lugar se serviu dela de acordo com o seu ambiente. Fela Kuti foi um dos primeiros que aderiram integralmente ao piano elétrico, aos sons eletrônicos. Da mesma forma em que, nos anos 1960, muitos músicos na África começaram a tocar guitarra havaiana. Manu Dibango - Pata Piya

Manter-se ativo, gravando discos e excursionando pelo mundo, é o que, segundo Manu, o faz ficar jovem:

— Além do mais, tenho que garantir o emprego dos meus músicos, que tocam comigo há muito tempo.

Manu Dibango

Onde: Teatro Maison de France - Avenida Antônio Carlos 58, Centro (3974-6644).

Quando: Nesta quinta-feira, às 21h.

Quanto: Grátis.

Classificação: Livre.

Source : Globo Online | 2016-03-17 10:00:00.0

SÃO PAULO — Com periodicidade anual desde 2012, o Lollapalooza pode não gerar a expectativa de um Rock in Rio, mas já se firmou entre os fãs exatamente como uma alternativa mais voltada para a música, enquanto o festival carioca pretende ser uma opção mais ampla de entretenimento. E, nesta edição de 2016, mesmo com nomes menos populares, o Lolla voltou a empolgar o público que foi ao Autódromo de Interlagos com artistas internacionais que estão com trabalhos recém-lançados, apresentados ao público brasileiro pela primeira vez.

Foi o caso de Florence + The Machine, responsável por encerrar o palco principal nesta quinta edição nacional do evento, no domingo. Seu mais recente disco, "How big, how blue, how beautiful" (2015), pode até não representar uma revolução estética na carreira da banda britânica, mas acertou em cheio seu fiel público.

Comandados pela sempre encantadora vocalista Florence Welch, os fãs mostraram que novidades como "What the water gave me", "Ship to wreck" e a faixa-título encaixam-se perfeitamente no setlist repleto de hits, como "Shake it out", "Rabbit heart", "Spectrum" e, claro, "Dog days are over". O semblante de cansaço da vocalista e o som baixo, perceptíveis no início da apresentação, foram rapidamente superados pelo clima de comunhão entre banda (completa, com coral e tudo) e público.

'BAILE DE FAVELA' E MC BIN LADEN

Outra aposta acertada foi a escolha do Jack Ü como um dos headliners. Formado por Skrillex e Diplo, dois dos principais produtores de música eletrônica da atualidade, o projeto idealizado em 2013 já gerou um disco (homônimo, lançado no ano passado) e um mega-hit ("Where are ü now", com Justin Bieber, ouvido 550 milhões de vezes no YouTube). Apesar das credenciais, no Lollapalooza, eles não pensaram duas vezes antes de apelarem pela aprovação do público: tocaram "Baile de favela", Wesley Safadão e convidaram MC Bin Laden para apresentar, ao vivo, o funk "Tá tranquilo, tá favorável". Deu certo.

E deu certo também a mistura insana de rap, indie rock, reggae, música eletrônica, máscaras e adereços da dupla americana Twenty One Pilots, um fenômeno entre os jovens — a ponto de ser possível observar vários deles com tinta preta no pescoço, imitando o vocalista-coreógrafo-tecladista-guitarrista-ukulelista Tyler Joseph. Vale lembrar que eles tocam no Rio na próxima quarta-feira, no Sacadura 154.

Outra banda que se apresenta no Rio (terça-feira, no Circo Voador), o Alabama Shakes era uma das atrações mais aguardadas do domingo, e não fez feio. Impulsionados pelo sucesso do disco “Sound & color”, vencedor de dois Grammys neste ano, os americanos mobilizaram uma multidão em um dos palcos principais, localizado em uma espécie de morro do Autódromo, e fizeram um dos melhores shows do festival. O efeito de anfiteatro natural trouxe o clima perfeito para o baile de blues rock comandado por Brittany Howard e sua poderosa voz.

Aguardado também era o retorno de Noel Gallagher ao Brasil, com sua High Flying Birds. Fanfarrão como sempre, ele chegou a brincar com o público ao dedicar aos fãs de Oasis, banda que o consagrou, a música “You know we can’t go back” (em tradução livre, “vocês sabem que não podemos voltar”), de sua carreira solo. Mas compensou ao lançar, na sequência, “Champagne supernova”, um dos sucessos da banda que criou com seu irmão e hoje desafeto, Liam. E foi assim, dividindo forças entre o poder nostálgico de suas antigas composições (“Listen up”, “Digsy’s dinner”, “Wonderwall” e “Don’t look back in anger”) e seu esforço para se manter relevante que o cada vez mais grisalho Noel conduziu sua apresentação no fim de tarde de domingo.

NO SÁBADO, PSICODELIA, FOLK E EMOÇÃO

O efeito envolvente do “palco do morrinho”, visto no Alabama Shakes, já tinha sido observado no sábado, quando os britânicos do Mumford & Sons fizeram, finalmente, sua estreia no país. O clima lembrava o histórico show que a banda fez em 2012 no anfiteatro Red Rocks, no Colorado, registrado em DVD.

Marcus Mumford e companhia basearam o setlist nos sucessos mais antigos da banda, como “Little lion man”, “Below my feet”, “Awake my soul”, “Lover of the light” e “I will wait”. O clima esfriava quando eles trocavam o clima de folk rock que os consagrou pela pegada meio Coldplay de “Wilder mind”, disco lançado em 2015 que desapontou os fãs por renegar o banjo, o violão e contrabaixo acústico.

Uma fã viveu um momento especial ao ser chamada ao palco para traduzir uma mensagem de Marcus Mumford ao público: "Esse é o meu show favorito pra toda a vida", gritou Isabel, a pedido do músico, após abraçar toda a banda. "Nós amamos o Brasil e o Brasil é o nosso país favorito", continuou.

Mais cedo, também no sábado, Kevin Parker e seus ajudantes no Tame Impala surpreenderam os críticos que duvidavam da força de sua psicodélica apresentação em um palco aberto, de festival. Logo na primeira música, uma versão estendida de “Let it happen”, ficou claro que o diálogo entre os solos recheados de delay de Parker, a profundidade criada pela maior participação do teclado e as projeções alucinantes no telão fizeram do show um dos grandes momentos do festival.

Ainda no primeiro dia, um dos momentos de maior comoção do festival veio no show do Eagles of Death Metal, exatos quatro meses após a banda ter testemunhado o ataque terrorista no Bataclan, em Paris. O trágico evento aproximou a banda de Jesse Hughes do público, que ovacionou os americanos do início ao fim.

Carismático, Hughes fez declarações de amor ao Brasil (“vocês não sabem o quanto eu precisava de vocês, obrigado por não me decepcionarem”), travou uma eletrizante batalha de guitarras com Dave Catching, beijou uma fã e não poupou caras, bocas e palavrões que combinavam com o rock farofa que apresentou.

Mas a grande expectativa do sábado estava mesmo nas costas do rapper Eminem. O veto à transmissão de seu show pela TV deixou no ar uma certa apreensão nos cerca de 85 mil presentes no Autódromo de Interlagos. Mas Eminem apareceu no palco disposto, acompanhado por uma big band e outros dois MCs. O americano dividiu o show de 33 músicas em três atos: no primeiro, usou seu cardápio de rimas rápidas e certeiras para fazer um compilado de sua discografia. Depois, apelou para trechos de sucessos radiofônicos em que esteve envolvido, como “Airplanes, Part II” (gravada com B.o.B), “Forever” (de Drake), “Sing for the moment” e “Love the way you lie” (que gravou com Rihanna). Por fim, empolgou mesmo com os hits do início de sua carreira, como “Lose yourself”, “Not afraid”, “My name is” e “The real Slim Shady”.

DA LAMA AO LUXO

Da parte estrutural, em 2016, pouco foi mudado na configuração do Autódromo de Interlagos em comparação com as duas edições anteriores. A ideia de transformar a tenda eletrônica, que ficou abarrotada no ano anterior, em um quarto palco, foi um acerto. Por lá, se apresentaram desde nomes importantes do eletrônico, como Kaskade, Zedd e Alok, até os rappers Emicida e Karol Conká.

O problema da locomoção entre os palcos também foi bem resolvido. Apesar das grandes distâncias entre eles, foi raro observar os engarrafamentos humanos comuns em outros anos. Mas as fortes chuvas que caíram na capital paulista nos dias anteriores ao festival deixaram claro que toda aquela estrutura pode ser prejudicada pelas condições climáticas: nas áreas cobertas por gramado, a lama acumulada transformava a caminhada entre os dois palcos principais em um desafio constante.

Por fim, mais uma vez, o esquema de trocar dinheiro por mangos, a moeda fictícia de uso obrigatório no festival, serviu mais para mascarar os preços abusivos do que para facilitar a vida dos frequentadores. Todos os produtos comercializados no evento eram vendidos por múltiplos de quatro. Um copo de chope, por exemplo, custava R$ 12, ou 3 mangos, enquanto um almoço ou lanche era vendido por, em média, R$ 24. A se destacar positivamente, porém, a grande oferta de alimentos, com bares, restaurantes, food trucks e a tenda ocupada por chefs.

Source : Globo Online | 2016-03-14 17:40:24.0

RIO — As canções que o acompanharam no noivado, no casamento... ou quando você entrou em um daqueles apuros amorosos. Todas elas, de Lionel Ritchie, o homem dos mil hits românticos e dançantes, que deu as caras na noite de terça na HSBC Arena, em Jacarepaguá, para fazer aquilo que, com rara desenvoltura, vem fazendo há algumas décadas: entreter.

Com um repertório que data de pelo menos 30 anos atrás (mais o rosto e o corpo esguio, que devem ter sido congelados mais ou menos na mesma época do ultimo sucesso), o americano foi acompanhado por uma banda enxuta mas guerreira num espetáculo em que dançou, executou rotinas cômicas, tocou piano e, principalmente, cantou com aquela voz que é um patrimônio tombado das radios FM do mundo.

O título do show – “All hits, all night long” – não era nada cascateiro. Todas as 18 musicas são muito conhecidas (ou parecem ser), venham elas da carreira solo do cantor e compositor, ou de seu antigo grupo, o Commodores. É um pedaço da hístória da música negra americana que, se não chega ao brilho intenso de Stevie Wonder, Earth Wind & Fire ou Michael Jackson, ao menos sobreviveu bem ao teste do tempo.

LIONEL SAFADÃO

De volta ao Rio depois de cinco anos (ao longo dos quais recebeu uma tardia e justa aclamação de festivais como Bonnaroo e Glastonbury, e uma homenagem mês passado no Grammy), Lionel Richie fez quase que o mesmo show da ultima vez – uma bem roteirizada distribuição dos seus mais finos mela-cuecas e esquenta-sovacos, entremeada por papo furado de primeira. Sem surpresas, mas também sem decepções.

Com um sorriso largo por baixo do eterno bigodão, ele abriu a noite com o embalo escancaradamente oitentista de “Running with the night”. O som, todo muito certinho, rescendia um tanto a playback, mas o humor canastrão, meio Lionel Safadão, se encarregou de distrair o público, que afinal tinha ido lá mesmo para ouvir os tais dos hits, e que não estava nem aí nem para as imagens de videokê do telão.

“Penny lover”, na sequência, desarmou corações e preparou a cama para “Easy”, pela qual o showman singrou com uma facilidade aterradora, sambando na cara da sociedade ao injetar um pedaço de “My love” e fazer uma extensão reggae. Logo depois, a terrível (ou linda, depende do ponto de vista) “Ballerina girl”, balada que foi hit nos anos 1980, expôs a grande verdade sobre Lionel Richie: o homem está acima do bem e do brega.

Show que segue. Mesmo com metais sintetizados, “You are” ajudou o público a, como se costuma dizer, sacudir o esqueleto. Com o cantor só ao piano, em momento intimista, “Still”, “Over you” e “Stuck on you” cumpriram a missão de levar a plateia a cantar junto. Já “Brick house” (com citação de “Fire”, dos Ohio Players), “Three times a lady”, “Sail on” e “Lady (you bring me up)” representaram o repertório dos Commodores.

Com a velha pegadinha de sempre, envolvendo Diana Ross, Lionel introduziu “Endless love”, outra que todos cantaram a plenos pulmões. E daí se sucederam “Say you say me”, “Dancing on the ceiling”, “Hello”, “All night long” (com o cantor tentando fazer com que suas latinidades caricatas da canção passassem por samba no Rio) e, no bis, “We are the world” (esforço coletivo-humanitário que ele protagonizou com Michael Jackson em 1985). Foi de bom tamanho. Até porque se tinha mais hit, a gente não lembra.

Cotação: Bom

Source : Globo Online | 2016-03-09 11:22:39.0

A cannabis já foi usada no preparo de bolo, mas agora a sorveteria Perlico, na cidade de Alassio, na Itália, usou o ingrediente na fabricação de um sorvete. A sobremesa foi batizada de "Marley", em homenagem ao cantor de reggae Bob Marley. Aldo De Michelis criou a iguaria com a ajuda do filho Mauro e da mulher Emanuela Baudana. Ele destacou que o sorvete não vai deixar ninguém "alto", mas tem um sabor muito intenso. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2016-03-02 13:52:22.0

RIO - Os temas centrais de “Palavras e sonhos” (Dabliú Discos), de Luiz Tatit, são a mulher (nas personagens, nas cantoras convidadas) e a canção em si (tema do compositor paulistano desde sempre) — muitas vezes sem definir as fronteiras entre eles. Nas 13 faixas, atravessa terrenos comuns aos dois — sedução, logro, beleza, ilusão, magia, leveza, submissão, desejo, eternidade, fugacidade.

Já na abertura, “Mais útil”, os dois universos se cruzam. Sobre levada country, o compositor paulistano canta a inutilidade (na vida, na canção) do “suspirar”. Em vez dele, louva o “se inspirar”. Conduzindo o jogo de palavras, duas mulheres: Palmira, a que suspira, e Elvira, a que se inspira. Diva Silva Reis, de Luiz Tatit

As dinâmicas da paixão e da composição se espelham ao longo das canções. “Diva Silva Reis”, que leva o nome de sua musa, fala da busca obsessiva e alucinada pela mulher que foi embora. Ou pela canção que não se realiza. Da mesma forma, “Musa da música” (parceria com Dante Ozzetti) fala da conquista de uma nova canção, mas numa lógica que remete à da sedução, e mesmo ao sexo (“Grita/ Que é bonita/ A que excita/ E dá tesão”). Em seguida, “Musa cruza” encarna exatamente palavras e sonhos, descrevendo a mulher madura que cruza os mares e as coxas. “Planeta e borboleta” é autorretrato feminino da canção, na voz de Ná Ozzetti — além dela, Lenna Bahule e Juçara Marçal assumem as vozes femininas do disco, e Vanessa Bumagny é parceira em “Do meu jeito”.

Há outras musas (canções ou mulheres) no disco. “Das flores e das dores” (parceria com Emerson Leal) lista algumas com nomes de flores. E é “a nova namorada”, que justifica a alegria de viver contínua, mesmo aos 900 anos, de “Matusalém” (parceria com Arthur Nestrovski). Discos da semana (1/3)

No disco, sob gêneros variados (fox, reggae, toada), Tatit consolida — mais do que desenvolve — sua gramática de canções que desejam a naturalidade das falas, inaugurada em seu trabalho no Rumo. E no diálogo com o cancioneiro brasileiro, explícito na valsa “Feitiço da fila” (referência ao “Feitiço da Vila” de Noel) e “Tristeza do Zé” (parceria com Zé Miguel Wisnik, a moda caipira cita “Tristeza do Jeca” e traz sob sua pele um estudo sobre o papel fundamental, na nossa música popular, da tristeza pela falta da amada). Mais uma vez, mulher e canção — aquelas que, como o compositor tateia em “Estrela cruel” (parceria com Marcelo Jeneci), aproximam mal e mel, vendaval e cascavel.

Cotação: Bom

Source : Globo Online | 2016-03-01 10:00:00.0

RIO - Favorito e dono de 11 indicações, Kendrick Lamar levou cinco troféus e foi o maior premiado da 58ª edição do Grammy, na noite segunda-feira. No entanto, ele não foi o vencedor do prêmio mais importante da cerimônia realizada no Staple's Center, em Los Angeles (EUA). Taylor Swift venceu o rapper e o disco "1989" foi escolhido o álbum do ano.

Grammy 2016

Primeira mulher a receber o prêmio duas vezes na história do Grammy, a cantora deixou um recado para "todas as meninas". Em uma indireta ao desafeto Kanye West, que lançou recentemente uma música em que diz "eu fiz aquela vadia famosa", ela disse:

— Muitas pessoas no caminho vão tentar deter o seu sucesso e tomar os creditos pela sua fama. Não deixe elas te desviem da sua rota.

Swift também recebeu outros dois prêmios. O de melhor álbum vocal pop solo e de melhor videoclipe, este último com "Bad blood" — canção que gravou com Kendrick Lamar.

O prêmio de melhor gravação do ano ficou com Mark Ronson e Bruno Mars, por "Uptown funk. O grupo Alabama Shakes, com três troféus, e Ed Sheeran, com dois, também se destacaram na cerimônia. Meghan Trainor foi eleita a revelação do ano.

A noite foi iniciada com a vitória de Lamar na categoria melhor álbum de rap. Antes mesmo da cerimônia principal começar, o músico já havia levado outros quatro troféus: melhor canção de rap, melhor performance de rap, melhor colaboração de rap e melhor videoclipe, com Swift.

O rapper de Compton justificou o prêmio de melhor perfomance com uma apresentação eletrizante de "The blacker, the berry" e "Alright". O ato, com forte teor político, começou com o rapper acorrentado em uma prisão e terminou em volta de uma enorme fogueira e deixou a audiência de pé.

Ed Sheeran foi premiado com o troféu de melhor canção do ano. Ele ganhou com "Thinking out loud". Ao receber o troféu das mãos de Stevie Wonder, que fez piada com o fato de o resultado estar em braile ("Vocês não podem ler!"), Ed comemorou:

— Se alguém me dissesse, quando eu tinha 11 anos, que eu receberia um prêmio de Stevie Wonder, eu ficaria bem orgulhoso.

No ano passado Sheeran revelou que a canção vencedora foi foi escrita sem muitas pretensões para ajudar uma amiga endividada. Ele também foi premiado com o troféu de melhor performance solo pop.

Dos três brasileiros indicados, apenas Eliane Elias se saiu vitoriosa. A pianista e cantora paulistana de 55 anos venceu na categoria melhor álbum de jazz latino, com "Made in Brazil". Gilberto Gil, que concorria com "Gilbertos samba ao vivo" ao prêmio de melhor álbum de world music, foi derrotado por Angelique Kidjo. Já Catina DeLuna, ao lado do venezuelano Otmaro Ruiz, perdeu na categoria arranjo, instrumentos e vocais.

A noite teve tributos a David Bowie, Lionel Richie e B. B. King. Escalada para se apresentar, Rihanna cancelou o show por conta de uma bronquite.

Ao todo, subiram ao palco do Grammy para se apresentar Taylor Swift, The Weeknd, Adele, Alabama Shakes, Justin Bieber e Jack Ü, Kendrick Lamar, Lady Gaga, Joey Alexander; James Bay e Tori Kelly; o quinteto Luke Bryan, John Legend, Demi Lovato, Meghan Trainor e Lionel Richie; Andra Day e Ellie Goulding; o Hollywood Vampires; Sam Hunt e Carrie Underwood; o grupo country Little Big Town; Miguel; Pitbull, Travis Barker e Robin Thicke.

Veja abaixo, em negrito, os premiados nas principais categorias:

Álbum do ano
"To Pimp a Butterfly" - Kendrick Lamar
"1989" - Taylor Swift
"Sound & Color" - Alabama Shakes
"Traveller" - Chris Stapleton
"Beauty Behind the Madness" - Weeknd

Gravação do Ano
“Really Love” – D’Angelo
“Uptown Funk” – Mark Ronson
"Thinking out loud" – Ed Sheeran
“Blank Space” – Taylor Swift
“Can’t Feel My Face” – The Weeknd

Melhor canção
"Blank Space" – Taylor Swift
"Thinking out loud" – Ed Sheeran
"Alright" - Kendrick Lamar
"See you again" - Wiz Khalifa
"Girl crush" - Litte Big Town

Artista revelação
Courtney Barnett
James Bay
Sam Hunt
Tori Kelly
Meghan Trainor

Melhor performance solo de pop
“Heartbeat Song” - Kelly Clarkson
“Love Me Like You Do” - Ellie Goulding
“Thinking Out Loud” - Ed Sheeran
“Blank Space” - Taylor Swift
“Can’t Feel My Face” - The Weeknd

Melhor performance de grupo pop
“Ship To Wreck” - Florence + The Machine
“Sugar” - Maroon 5
“Uptown Funk” - Mark Ronson e Bruno Mars
“Bad Blood” - Taylor Swift e Kendrick Lamar
“See You Again” - Wiz Khalifa e Charlie Puth

Álbum vocal pop tradicional
"The Silver Lining: The Songs Of Jerome Kern" - Tony Bennett e Bill Charlap
“Shadows In The Night” – Bob Dylan
“Stages” - Groban
“No One Ever Tells You” – Seth MacFarlane
“My Dream Duets” - Barry Manilow

Álbum vocal pop
“Piece By Piece” - Kelly Clarkson
“How Big, How Blue, How Beautiful” - Florence & The Machine
“Uptown Special” - Mark Ronson
“1989” - Taylor Swift
“Before This World” - James Taylor

Melhor canção de rock
"Don't Wanna Fight", de Alabama Shakes
"Ex's & Oh's", de Elle King
"Hold Back The River", de James Bay
"Lydia", de Highly Suspect
"What Kind Of Man", de Florence + The Machine

Melhor álbum de rock
"Chaos And The Calm", de James Bay
"Kintsugi", de Death Cab For Cutie
"Mister Asylum", de Highly Suspect
"Drones", de Muse
"The Gray Chapter", de Slipknot

Melhor show de metal
“Identity” - August Burns Red
“Cirice” - Ghost
“512” - Lamb Of God
“Thank You” - Sevendust
“Custer” - Slipknot

Melhor show de rock
“Don't Wanna Fight” - Alabama Shakes
“What Kind Of Man” - Florence & The Machine
“Something From Nothing” - Foo Fighters
“Ex's & Oh's” - Elle King
“Moaning Lisa Smile” - Wolf Alice

Melhor álbum de música alternativa
"Sound & Color", de Alabama Shakes
"Vulnicura", de Björk
"The Waterfall", de My Morning Jacket
"Currents", de Tame Impala
"Star Wars", de Wilco

Álbum de rap
“2014 Forest Hills Drive” - J. Cole
“Compton” - Dr. Dre
“If Youre Reading This Its Too Late” – Drake
“To Pimp A Butterfly” - Kendrick Lamar
“The Pinkprint” - Nicki Minaj

Canção de rap
“All Day” - Kanye West, Theophilus London, Allan Kingdom e Paul McCartney
“Alright” - Kendrick Lamar
“Energy” - Drake
“Glory” - Common e John Legend
“Trap Queen” – Fetty Wap

Melhor colaboração de rap
“One Man Can Change The World” - Big Sean e Kanye West & John Legend
“Glory” - Common e John Legend
“Classic Man” - Jidenna e Roman GianArthur
“These Walls” - Kendrick Lamar, Bilal, Anna Wise e Thundercat
“Only” - Nicki Minaj, Drake, Lil Wayne e Chris Brown

Melhor performance de rap
“Apparently” - J. Cole
“Back To Back” – Drake
“Trap Queen” - Fetty Wap
“Alright” - Kendrick Lamar
“Truffle Butter” - Nicki Minaj, Drake & Lil Wayne
“All Day” - Kanye West, Theophilus London, Allan Kingdom e Paul McCartney

Melhor performance de R&B
“If I Don't Have You” - Tamar Braxton
“Breathing Underwater” - Hiatus Kaiyote
“Planes” - Jeremih e J. Cole
“Earned It (Cinquenta tons de cinza)” - The Weeknd

Melhor performance de R&B tradicional
“He Is” - Faith Evans
“Little Ghetto Boy” - Allah Hathaway
“Let It Burn” - Jazmine Sullivan
“Shame” – Tyrese
“My Favorite Part Of You” - Charlie Wilson

Melhor canção de R&B
“Coffee” - Brook Davis & Miguel Pimentel
“Earned It (Cinquenta tons de cinza)” - The Weeknd
“Let It Burn” - Jazmine Sullivan
“Really Love” - D'Angelo e The Vanguard
“Shame” - Tyrese

Melhor álbum urbano contemporâneo
“Ego Death” - The Internet
“You Should Be Here” - Kehlani
“Blood” - Lianne La Havas
“Wildheart” – Miguel
“Beauty Behind The Madness” - The Weeknd

Melhor álbum de R&B
“Coming Home” - Leon Bridges
“Black Messiah” - D'Angelo e The Vanguard
“Cheers To The Fall” - Andra Day
“Reality Show” - Jazmine Sullivan
“Forever Charlie” - Charlie Wilson

Melhor gravação de Dance Music
“We're All We Need” - Above & Beyond Featuring Zoë Johnston
“Go” - The Chemical Brothers Featuring Q-Tip
“Never Catch Me” - Flying Lotus e Kendrick Lamar
“Runaway (U & I)” – Galantis
“Where Are Ü Now” – Skrillex, Diplo e Justin Bieber

Melhor álbum de eletrônica
"Our Love", de Caribou
"Born In The Echoes", de The Chemical Brothers
"Caracal", de Disclosure
"In Colour", de Jamie XX
"Skrillex And Diplo Present Jack Ü", de Skrillex e Diplo

Melhor álbum country
“Montevallo” - Sam Hunt
“Pain Killer” - Little Big Town
“The Blade” - Ashley Monroe
“Pageant Material” - Kacey Musgraves
“Traveller” - Chris Stapleton

Melhor canção country
“Chances Are” - Lee Ann Womack
“Diamond Rings And Old Barstools” - Tim McGraw
“Girl Crush” - Little Big Town
“Hold My Hand” - Brandy Clark
“Traveller” - Chris Stapleton

Melhor performance de grupo de country
“Stay A Little Longer” - Brothers Osborne
“If I Needed You” - Joey+Rory
“The Driver” - Charles Kelley, Dierks Bentley & Eric Paslay
“Girl Crush” - Little Big Town
“Lonely Tonight” - Blake Shelton Featuring Ashley Monroe

Melhor performance solo de country
“Burning House” – Cam
“Traveller” — Chris Stapleton
“Little Toy Guns” - Carrie Underwood
“John Cougar, John Deere, John 3:16” - Keith Urban
“Chances Are” - Lee Ann Womack

Melhor álbum de jazz latino
“Made In Brazil” - Eliane Elias
“Impromptu” - The Rodriguez Brothers
“Suite Caminos” - Gonzalo Rubalcaba
“Intercambio” - Wayne Wallace Latin Jazz Quintet
“Identities Are Changeable” - Miguel Zenón

Melhor álbum gospel
“Destined To Win [Live]” - Karen Clark Sheard
“Living It” - Dorinda Clark-Cole
“One Place Live” - Tasha Cobbs
“Covered: Alive In Asia [Live]” - Israel & NewBreed
“Life Music: Stage Two” - Jonathan McReynolds

Melhor álbum de reggae
“Branches Of The Same Tree” - Rocky Dawuni
“The Cure” - Jah Cure
“Acousticalevy” - Barrington Levy
“Zion Awake” - Luciano
“Strictly Roots” - Morgan Heritage

Produtor do ano
Jeff Bhasker
Dave Cobb
Diplo
Larry Klein
Blake Mills

Melhor trilha sonora
"Empire: 1ª Temporada"
"Cinquenta tons de cinza"
"Glen Campbell: I'll Be Me"
"A Escolha Perfeita 2"
"Selma"

Melhor videoclipe
“LSD” - ASAP Rocky
“I Feel Love (Every Million Miles)” - The Dead Weather
“Alright” - Kendrick Lamar
“Bad Blood” - Taylor Swift e Kendrick Lamar
“Freedom” - Pharrell Williams

Melhor filme musical
"James Brown: Mr. Dynamite"
"Sonic Highways”
"What Happened, Miss Simone?"
"The Wall"
"Amy"

Melhor álbum de world music
"Gilbertos Samba Ao Vivo", de Gilberto Gil
"Sings", de Angelique Kidjo
"Music From Inala", de Ladysmith Black Mambazo With Ella Spira & The Inala Ensemble
"Home", de Anoushka Shankar
"I Have No Everything Here", de Zomba Prison Project

Source : Globo Online | 2016-02-16 05:41:18.0

RIO - O carnaval acabou, mas os cariocas só se despedem da folia neste fim de semana. Serão 42 blocos desfilando pelas ruas da cidade, e a expectativa é que mais de um milhão e meio de foliões participem dos festejos finais. O Bloco das Poderosas e o Monobloco, ambos no Centro, são os que prometem reunir maior quantidade de foliões no sábado e no domingo. A Prefeitura, o MetrôRio, a SuperVia e a Polícia Militar voltaram a montar um esquema especial para o último final de semana de folia.

Na manhã deste sábado, às 9h, o Bloco das Poderosas, comandado pela funkeira Anitta, faz sua grande estreia na Avenida Primeiro de Março. No repertório, variedade é o que não falta. Funk, samba, pop, axé e reggae são alguns dos ritmos que prometem animar aos foliões. Músicas da cantora como "Bang"; "Deixa ele sofrer" e "Essa mina é louca" também estão garantidas. As participações especiais ficam por conta da bateria da Mocidade, Banda Eva e de Nego do Borel.

O Quizomba também se apresenta na manhã deste sábado, às 10h, nos Arcos da Lapa. Este ano o bloco faz uma crítica política e usa como tema O Circo. Cerca de 200 ritmistas vão se fantasiar de palhaços e mágicos, e a música também é inspirada no enredo. Conhecido pelo repertório eclético, o bloco toca samba, marchinha, frevo, rock, pop, ijexá, entre outros ritmos. Nomes como Nirvana, Tim Maia e Paralamas do Sucesso não poderiam ficar de fora.

- O motivo pelo qual escolhemos o tema do circo é porque o povo brasileiro, em geral, está fazendo papel de palhaço nas mãos do Governo. Sendo assim, aproveitamos o momento para fazer uma crítica bem-humorada, mas sem deixar de alfinetar quem merece - conta um dos organizadores, André Schmidt.

No domingo, o Monobloco desfila na Rua Primeiro de Março, às 9h. Pela primeira vez em 16 anos de desfile, o bloco conta com uma rainha de bateria: a cantora e atriz Emanuelle Araújo. Além dessa novidade, os cerca de 200 ritmistas também tocarão novos arranjos, como as músicas: "Toda Forma de Amor", de Lulu Santos, "Erva Venenosa", de Rita Lee, e "Felicidade", de Seu Jorge. A apresentação também vai contar com uma ala destinada a 20 pernas de pau.

- A Emanuelle tem tudo que uma rainha de bateria precisa ter e mais! Estamos animados em tê-la conosco. Convidamos também os cantores Rogê o Luiz Carlinhos para estar conosco, mas ainda não temos a confirmação - conta um dos fundadores, Sidon Silva.

Depois do Monobloco, os foliões podem seguir para os Arcos da Lapa, pois vai acontecer a segunda edição da Guerra de Purpurina. A concentração acontece às 17h, e para participar basta levar muito brilho.

- Queremos propagar amor, energia positiva, alegria, essa coisa boa do carnaval. O nosso único objetivo é invadir as ruas do Rio e fazer da nossa cidade um lugar brilhante e cheio de amor - conta o organizador, Léo Caettano.

A Guarda Municipal informou que contará com 250 guardas municipais e agentes da Seop para o bloco da Anitta e 340 para o Monobloco. A PM também afirmou que haverá reforço em todos os blocos que desfilarem neste fim de semana.

Source : Globo Online | 2016-02-13 08:00:00.0

RIO - O bloco Planta na Mente, que luta pela legalização da maconha, reúne foliões nos Arcos da Lapa na tarde desta quarta-feira de cinzas. A expectativa dos organizadores é que aproximadamente 20 mil pessoas compareçam ao desfile que termina na Praça Tiradentes.

Este ano o bloco homenageia o "presidente da Cinelândia", falecido em dezembro. Na abertura do desfile, os organizadores também lembraram o rastafari Ras Geraldinho, que pegou 14 anos de cadeia por plantar maconha para uso religioso.

— Há seis anos desfilamos e temos orgulho de nunca ter tido contusão no nosso bloco. Estamos aqui para mudar as leis e fazer história, sem violência e sem assédio — conta um dos organizadores, Thiago Tomazine.

No repertório, marchinhas e reggae não faltam. Cerca de 30 ritmistas animam os foliões com músicas adaptadas com mensagens sobre a legalização.

Para a design Beatriz Coelho, 27, o bloco é bom para os usuários que querem se sentir mais a vontade.

— Sou a favor da legalização e apoio a causa. Não acredito que a mudança na lei vai influenciar no uso a drogas mais pesadas, até porque quem quer já usa.

As amigas Thais Arantes, 24, e Larissa Alves, 18, concordam. Para elas, a proibição só prejudica quem não é morador da Zona Sul.

— No carnaval é tranquilo, mas no dia a dia ainda há muito preconceito e sem necessidade. Acredito que é melhor legalizar e acabar com o tráfico do que ficar da forma que está — conta Thais.

As organizadoras da Marcha da Maconha também marcaram presença no bloco. Com um estandarte escrito "feminista antiproibicionista", elas lutavam pela liberdade das mulheres que foram presas com pequenas quantidades da droga e para evitar que futuras prisões acontecessem pelo mesmo motivo.

- É bom que as pessoas vejam um movimento mais lúdico da legalização, para variar um pouco da violência que sempre está ligada à luta. A quantidade de mulheres presas por portarem pequena quantidade de drogas prova a perseguição do gênero, e por isso temos a ala das feministas - afirma Constança Barahona.

Source : Globo Online | 2016-02-10 20:47:51.0

RIO - O relógio ainda não marcava 4h30 e um mar de gente já tomava a Rua Uruguaiana, no centro da cidade. Local de comércio e serviço nos dias úteis, a via foi ocupada pelo desfile do Amigos da Onça, que, transcendendo um mero bloco, traz consigo a força e sinergia entre povo e espaço público, numa combinação explosiva do carnaval de rua carioca. No início desta terça-feira, milhares de pessoas percorreram o trajeto até a Praça Tiradentes, passando pela Avenida Chile, ao som de axé, MPB, pop e sambas.

Bloco Amigos da OnçaO horário, inconveniente à primeira vista, não foi um empecilho para os foliões, cuja quantidade cresce a cada ano de desfile do grupo, nascido em 2012. A falta de informações precisas com antecedência muito menos. A imprevisibilidade é uma das marcas do bloco, que não faz divulgação nem na sua página do facebook. O certo é que a saída será na madrugada, mas o endereço e horário exatos são descobertos na véspera pela maioria dos presentes, usualmente através do boca a boca, ou no caso dos tempos modernos, por mensagens no whatsapp. Apesar de não haver estatísticas oficiais, afirmar que o público neste ano foi muito maior que o do ano passado é uma constatação óbvia.

— Fazemos um carnaval no momento, na hora. É sensacional sair num bloco na madrugada, sem uma rota exata, mas com todos curtindo juntos — disse Tadeu Marinho, trompetista do Amigos da Onça há dois anos.

O desfile pode ser dividido em diferentes atos. Do início, ainda escuro, a tomada das ruas e vielas entre Uruguaiana e Praça Tiradentes. Depois, as escadarias ao final da Rua Pedro I viram o palco da orquestra. Após a travessia pela passarela da Avenida Chile, o bloco estaciona no gramado das calçadas da via. Ao final, o retorno à Praça Tiradentes. Em comum, a interação ininterrupta entre público e banda.

Na concentração, misturavam-se olhares cansados, de pessoas cujo sono encerrara havia pouco tempo, e foliões que visivelmente optaram por não dormir. O repertório inicial revisitou clássicos do pop/rock nacional, como Ana Julia e Papo de Jacaré, transformando o bloco num grande karaokê coletivo. Rapidamente, abrigos de pontos de ônibus e tetos das bancas de jornais viraram palco para o público mais dançante. Já os portões das lojas tornavam-se instrumentos de percussão, com batidas sincronizadas às músicas. Nem mesmo um trator das obras do VLT, na Rua Uruguaiana, escapou do povo.

— O que me atrai é o Centro vazio; esse cenário utópico, diferente do usual, de correria e stress. É muito bom poder colocar uma fantasia nesse lugar onde, durante o ano inteiro, precisamos andar arrumados — explicou o engenheiro Vitor Jannes.

Na frente da orquestra, formada por sopros e bateria, uma coreografada comissão de frente, fantasiada de onças assim como os músicos, agitava o público. Em outros momentos, eram os próprios foliões que promoviam a dança e puxavam as músicas. A espontaneidade culminou até no improviso de “Jesus Cristo”, de Roberto Carlos. Moças em pernas de pau também engrandeciam a festa. Muitos transeuntes desavisados eram absorvidos pelo desfile. Já motoristas surpreendidos pela multidão eram orientados pelo próprio público, e encontravam a melhor rota de escape.

Ao final da Rua Pedro I, na escadaria que dá acesso à passarela da Avenida Chile, uma moça fantasiada de gato anunciava que era momento de “dar uma quebrada no ritmo”. Começava “Carinhoso”, clássica canção de Pixinguinha. Em um momento de catarse coletiva, o som dos instrumentos cessou e o público entoou toda a letra à capela. Como num sinal para os céus, os primeiros raios de sol começavam a surgir no meio da música. Depois, durante “Three Little Birds”, os músicos retomaram à caminhada.

Do alto dos prédios do entorno, seguranças esticavam seus celulares pela janela, para registrar o momento. De baixo, o bloco seguia improvisando o seu caminho. Na Avenida Chile, o repertório passou para o reggae, e depois para o axé. A animação apenas aumentava. Durante a canção autoral “Amigos da Onça”, quase todo o público repetia a estranha, porém divertida, coreografia, imitando garras de onças. A paulista Thais Ferreira foi contaminada pelo clima.

— É uma energia muito boa. Nunca vi nada parecido! E a paisagem ajuda muito. Não seria a mesma coisa se fosse em outra cidade.

Com o sol firme e o calor crescente, algumas meninas começavam a dispensar a parte de cima do biquini, numa cena corriqueira do carnaval deste ano. Mesmo numa das principais avenidas da cidade, o espaço era livre para os foliões, que cantavam e dançavam ao som de clássicos do axé e MPB. Em “A Luz de Tieta”, o refrão foi entoado logo após a primeira estrofe, antes do momento correto. Mas não importava, foi decisão do público.

Por volta das 9h, as primeiras pessoas começavam a ir embora. Foi momento, então, do retorno à Praça Tiradentes, onde o estandarte foi abaixado por volta de 10h30 e o bloco teve seu ato final. Ou não, já que no embalo dos foliões, o Amigos da Onça pode ter duração imprevisível e imensurável.

— O carnaval é um tempo de eventos inacreditáveis, e não tem nada mais surreal que um cortejo no Centro do Rio na madrugada — resumiu o jornalista Túlio Brasil.

Source : Globo Online | 2016-02-09 14:04:25.0

RIO - O animado bloco Toca Rauuul!, que homenageia o eterno maluco beleza, abriu seu quinto carnaval na Praça Tiradentes, neste domingo. O repertório da festa revisitou todas as fases da carreira do cantor baiano e contou com 15 instrumentistas, divididos entre guitarra, baixo, cavaco, sopro, percussões e vocais.

Criado em 2011, o bloco mistura o rock de Raul Seixas com ritmos carnavalescos, como frevo, maracatu, samba e marchinha, e não fica para trás no quesito animação e fantasia. A novidade este ano ficou por conta de uma homenagem bastante peculiar às Olimpíadas do Rio. Caracterizado de Deus do Olimpo, um integrante subiu ao palco e "fumou" a tocha olímpica, passando o "cigarro" entre a banda, que tocava reggae.

Quem também entrou no clima foram os foliões Aline Canejo e Renato Bial, que foram fantasiados de David Bowie. Fãs de Raul Seixas e do camaleão do rock, o casal frequenta o bloco há dois anos.

— Nós somos muito fãs de rock, nos conhecemos numa dessas festas alternativas que rolam na cidade. Gostamos muito do bloco por ter uma galera mais diferente do que nos blocos tradicionais, como o Bloco da Preta — contaram.

Source : Globo Online | 2016-02-07 20:14:52.0

Links : Bandas e Artistas de Reggae

reggaeportugal-comReggae Portugal

REGGAE PORTUGAL - Portal da música Reggae


reggaetrade-comReggaeTrade

O maior guia de cds e dvds de Reggae do Brasil.


uol-com-br-tribodejah-centralreggaeCentral Reggae

O reggae em todas as mídias



Pode apresentar uma Link nesta categoria