Bandas e Artistas de Reggae

País : Jamaica

Representante canções exemplos de Reggae



Videos do Reggae

Video clips do Reggae (YouTube e DailyMotion)

Artistas ou Grupos

340ml(2)[video]  -  Abdel Wright(1)  -  Abdou Day(2)  -  Abdoul Jabbar(1)  -  Abega(3)  -  Abijah(3)  -  Adioa(4)[informações]  -  Admiral Bailey(4)  -  Adrien Bass(1)  -  African Brothers(3)  -  African Bush Doctor(0)[video]  -  African Head Charge(17)[informações]  -  Agana(1)[video]  -  Ahmed Faras(0)  -  Akwe(0)  -  Al Campbell(11)  -  Al Pancho(1)  -  Albert Griffiths(0)  -  Alex Kajumulo(1)  -  Ali Moindzani(0)[video]  -  Alpha Blondy(25)[informações][audio][video]  -  Alpha Mim(1)  -  Alpha Oméga(1)  -  Alpha Rowen(1)[video]  -  Alpha Wess(1)  -  Amazulu(8)  -  Andrew Tosh(4)  -  Anguilé(1)  -  Annette Brissett(1)  -  Anthony B(21)[informações][video]  -  Anthony Johnson(2)  -  Apple Gabriel(4)  -  Arkaingelle(1)  -  Asher Senator(1)  -  Askia Modibo(1)[informações]  -  Aston "Family Man" Barrett(2)  -  Aswad(28)[video]  -  Augustus Pablo(33)[informações]  -  Aziz Wonder(0)[informações]  -  Babadi(5)[video]  -  Baby G(1)  -  Back Jardel(1)  -  Backom(2)  -  Baco(5)[informações][video]  -  Bafing Kul(1)  -  Baloji(1)  -  Baraka Oyuru(1)  -  Barbara Jones(0)  -  Barrington Levy(37)[video]  -  Barrington Spence(3)  -  Barry Brown(4)  -  Baster(12)[video]  -  Bee Pasteef(1)  -  Benjam(6)[video]  -  Benz'n(1)  -  Beres Hammond(28)[informações][video]  -  Big Youth(23)[informações][video]  -  Billy Boyo(2)  -  Bim Sherman(25)[informações]  -  Bingui Jaa Jammy(4)[informações][video]  -  Black Medio(0)  -  Black Roots(6)  -  Black Uhuru(34)[informações]  -  Bob Andy(5)  -  Bob Dahilou(1)[informações]  -  Bob Marley & The Wailers(11)[informações][video]  -  Bobby Ellis(2)  -  Brigadier Jerry(6)  -  Brother Ayouba(1)[video]  -  Buju Banton(19)[informações][video]  -  Bunny Wailer(26)[informações]  -  Burning Spear(41)[informações][video]  -  Burro Banton(3)[informações]  -  Bushman(11)[video]  -  COUP SEC(1)  -  Capleton(20)[informações][video]  -  Carl Harvey(1)  -  Carlene Davis(7)[informações]  -  Cedric "Im" Brooks(5)  -  Cedric 'Congo' Myton(3)  -  CeePee(1)  -  Chaka Demus & Pliers(8)[informações][video]  -  Charlie Chaplin(10)  -  Chata Addy(2)  -  Chezidek(4)[informações]  -  Chow Panachie(1)  -  Chrisinti(2)  -  Clancy Eccles(3)[informações]  -  Cliff Brown Tchiepi(0)  -  Clint Eastwood(3)  -  Clinton Fearon(9)  -  Clive Hunt(1)  -  Cocoa Tea(39)[informações]  -  Cornell Campbell(16)[video]  -  Cultural Roots(2)  -  Culture(32)  -  Défoul' la mêm(4)  -  Daddy Freddy(11)  -  Daddy Nuttea(5)[informações]  -  Daddy Rings(3)  -  Damian Marley(4)[informações][video]  -  Daweh Congo(7)  -  Deïdo Tree(0)  -  Dean Fraser(9)[informações]  -  Delroy Washington(2)  -  Delroy Williams(1)  -  Delroy Wilson(10)[informações]  -  Dennis Brown(90)[informações][video]  -  Dezarie(3)  -  Diana Rutherford(1)  -  Didyé Kérgrain(1)  -  Dillinger(9)  -  Dj Dan(2)  -  Djama(4)[video]  -  Djos Kezo(0)  -  Dolé(0)  -  Don Carlos(1)  -  Doniki(1)  -  Dr Mooch(1)  -  Dr. Alimantado(8)  -  Dread Maxim(2)  -  Earl Chinna Smith(3)  -  Earl Sixteen(5)[informações]  -  Earth and Stone(1)  -  Eek a Mouse(16)  -  Elie Kamano(1)[video]  -  Elijah Prophet(1)  -  Empress Ayeola(1)  -  Energy Crew(1)  -  Eric Donaldson(14)  -  Ernest Ranglin(13)  -  Etana(1)[video]  -  Fôô Fanick(0)[video]  -  Fac Alliance(3)[video]  -  Fadal Dey(0)[video]  -  Frankie Paul(7)[informações]  -  Freaky Joe aka Sing'A'Teh(1)[video]  -  Fred Locks(3)  -  Freddie Mc Gregor(41)  -  Ganga Vibes(0)  -  Garnett Silk(8)[informações]  -  Gato Negro(1)  -  General Degree(3)  -  Gladstone_Anderson(3)  -  Glen Washington(16)  -  Gondwana(5)  -  Guya Tchendo(0)  -  Gyptian(5)[video]  -  Half Cast(0)[video]  -  Harry Mo(1)  -  Hass Keita(0)  -  Hass Mosa(2)[video]  -  Hoba Hoba Spirit(0)[informações]  -  Horace Andy(44)[informações][video]  -  Horace Martin(3)  -  Hugh Mundell(8)  -  I Roy(17)[video]  -  I-Three(2)  -  Ijahman(24)  -  Inner Circle(21)[informações]  -  Innocent Galinoma(1)[video]  -  Ismaël Isaac(7)[informações][video]  -  Ismaël Wonder(1)  -  Israel Vibration(33)[informações][video]  -  Jackie Mittoo(29)[informações]  -  Jacob Miller(8)[informações]  -  Jah Cure(5)[informações][video]  -  Jah Lion(1)  -  Jah Lloyd(3)[informações]  -  Jah Mali(2)  -  Jah Mason(11)[informações]  -  Jah Milk(1)  -  Jah Nesta(1)  -  Jah Prince & The Prophets Band(1)  -  Jah Shaka(17)[informações]  -  Jah Stitch(4)[informações]  -  Jah Woosh(2)  -  Jah'Key Malle(0)  -  Jahel(0)  -  Jahwise(3)[video]  -  Jamadom(2)  -  Jede I Tafari(0)[video]  -  Jerry Jheto(1)  -  Jhiko Manyika(3)  -  Jim Kamson(1)  -  Jimmy Cliff(35)[informações]  -  Jimmy Riley(14)  -  Joe Gibbs(7)  -  Joe Higgs(3)[informações]  -  John Chibadura(7)[informações]  -  John Holt(42)  -  Johnny Clarke(8)[informações][video]  -  Joseph Cotton(8)  -  Josey Wales(3)  -  Judy Mowatt(10)[informações]  -  Julian Marley(4)[informações]  -  June Lodge(2)  -  Junior Delgado(23)[informações]  -  Junior Kelly(9)[informações][video]  -  Junior Murvin(3)[informações]  -  Junior Reid(19)[informações]  -  Justin Hinds(7)[informações]  -  Kajeem(2)[video]  -  Kalash(3)  -  Kaliroots(2)  -  Kalory Sory(1)  -  Kana(2)  -  Keith Hudson(11)  -  Ken Boothe(35)  -  Kiddus I(3)[informações]  -  King David(1)  -  King Sounds(7)  -  Kizito(2)[video]  -  Koko Dembele(1)  -  Kom'Zot(4)  -  Kuami Mensah(0)[video]  -  Kulcha Far I(3)  -  Kussondulola(6)[video]  -  Kwame Bediako(3)  -  Ky Mani Marley(1)  -  Kâyamanga(1)  -  Larry Cheick(1)  -  Lee "Scratch" Perry(22)  -  Leroy Brown(1)  -  Leroy Smart(6)  -  Linton Kwesi Johnson(15)[informações][video]  -  Linval Thompson(3)[video]  -  Little John(4)  -  Little Roy(7)[informações]  -  Lord Of Ajasa(1)  -  Luciano(41)  -  Lucky Dube(20)[informações][audio][video]  -  Lutan Fyah(11)  -  Lyricson(3)[video]  -  Macka B(17)[informações]  -  Mad Cobra(7)  -  Madoxx(0)  -  Maiko Zulu(1)  -  Majek Fashek(4)[informações][video]  -  Manleo(1)  -  Marcel Salem(2)[video]  -  Marcia Aitken(1)  -  Marcia Griffiths(18)[informações]  -  Marlaoui(0)  -  Marlon Asher(2)  -  Marloy(1)  -  Maroghini(2)[informações]  -  Mawana Slim(1)  -  Max Romeo(29)[informações]  -  Maxi Priest(13)  -  Mc Duc(1)  -  Merger(1)[video]  -  Message Roots(1)  -  Michael Prophet(21)[informações]  -  Michael Rose(27)[video]  -  Michael Smith(1)  -  Michel Legris(0)[video]  -  Mikey Dread(21)[informações]  -  Mikey General(2)  -  Mikey Ras Starr(1)  -  Mikey Spice(6)  -  Milton Henry(1)  -  Mireille Tikry(0)[video]  -  Misty in Roots(9)[informações]  -  Mo'Kalamity(2)  -  Momo Roots Soumah(1)  -  Morgan Heritage(14)[informações][video]  -  Moses I(1)  -  Muinguilo(2)  -  Mutabaruka(12)[informações]  -  Mystic Man(1)  -  NNeka(6)  -  NZH(0)[video]  -  Naftaly(1)  -  Nasio Fontaine(5)[informações][video]  -  Nasty D(6)  -  Natty Dread Reunion(4)  -  Nazarenes(3)  -  New Breed(1)  -  Nicy(1)  -  Nikko(4)  -  Niominka-bi(6)[informações]  -  Norris Reid(2)  -  Nuttea(10)[informações]  -  Nyala(1)  -  Nzela(2)  -  O'Yaba(5)  -  Olmyta(0)[video]  -  Pablo Gad(1)  -  Pablo Moses(15)[informações][video]  -  Pach Jahwara(0)  -  Papa San(11)[informações]  -  Paps Natty General(0)  -  Patra(2)[video]  -  Patrick Persée(4)[video]  -  Peter Broggs(9)[informações]  -  Peter Tosh(17)[informações][video]  -  Peterside Ottong(2)  -  Philip Toussaint(1)  -  Poglo(4)  -  Prince Alla (Prince Allah)(13)[informações]  -  Prince Far I(19)[informações]  -  Prince Jazzbo(1)[informações]  -  Prince Lincoln Thompson(5)  -  Prince Osito(0)  -  Queen Ifrica(2)[video]  -  Queen Omega(4)  -  Racine des Iles(1)  -  Ramses De Kimon(1)[informações]  -  Ranking Dread(3)[informações]  -  Ranking Joe(2)[informações]  -  Ras Amadeüs Bongo(1)  -  Ras Dumisani(2)[informações]  -  Ras Elia Hassou(0)  -  Ras Ly(0)[video]  -  Ras Natty Baby(6)[video]  -  Ras Naya(0)  -  Ras Noël(5)  -  Ras kimono(2)  -  Rasbawa(4)  -  Rass Kwame(1)  -  Rass Shiloh(5)  -  Richie Spice(7)[informações][video]  -  Rico Rodriguez(4)[informações]  -  Rita Marley(6)[informações]  -  Rocky Dawuni(5)[informações]  -  Rod Taylor(2)  -  Rootz Underground(2)  -  Salim Jah Peter(1)  -  Sally Nyundo(0)[video]  -  Salone Ishmael(2)  -  Salone JR(1)  -  Samx(4)  -  Saël(4)[video]  -  Scientist(13)  -  Sean Paul(7)[informações]  -  Selasee Atiase(1)  -  Serges Kassy(3)[video]  -  Seyni & Yéliba(2)  -  Shasha Marley(1)  -  Sistah Mad'Ness(0)  -  Sister Carol(7)[informações][video]  -  Sizzla(36)[informações][video]  -  Sly & Robbie(24)  -  Soumaïla Diarra(0)[informações]  -  Spraggy(1)  -  Steel Pulse(18)[informações]  -  Stephen Marley(3)[video]  -  Taj Weekes(3)  -  Takana Zion(4)[video]  -  Tangara Speed Ghôda(2)[video]  -  Tanya Stephens(5)[informações][video]  -  Tarrus Riley(3)[video]  -  Tatu Clan(1)[video]  -  Teba Shumba(0)[video]  -  Teezy(1)  -  Terry Linen(3)  -  The Abyssinians(11)[informações][video]  -  The Aggrovators(13)  -  The Black Missionaries(0)[video]  -  The Chantells(1)[informações]  -  The Congos(13)[informações]  -  The Ethiopians(11)[informações]  -  The Gladiators(40)  -  The Heptones(16)[informações][video]  -  The Itals(10)[informações]  -  The Mandators(1)  -  The Meditations(9)[informações]  -  The Melodians(5)  -  The Mighty Diamonds(38)  -  The Mighty Three's(1)  -  The Rastafarians(1)[informações]  -  The Royals(2)  -  The Slickers(2)[informações]  -  The Tamlins(8)  -  The Twinkle Brothers(45)  -  The Viceroys(5)  -  The Wailers(11)  -  Third World(18)  -  Tiken Jah Fakoly(12)[informações][video]  -  Tommy McCook(15)[informações]  -  Tommy T(1)  -  Tony Roots(1)  -  Tony Tuff(20)  -  Toots and the Maytals(27)  -  Trinity(6)  -  Triston Parmer(1)  -  Turbulence(11)  -  U Brown(5)  -  U Roy(22)  -  V Santym(0)  -  VIB(1)  -  Vagabond Squad(0)  -  Valley(2)  -  Vickson(0)[video]  -  Waby Spider(3)  -  Wailing Roots(1)  -  Wailing Souls(18)  -  Wailing Souls(10)[video]  -  Wanamah(0)  -  Warrior King(3)  -  Wayne Wade(3)  -  Welton Irie(6)  -  Willie Williams(4)  -  Winston Jarrett(6)  -  Winston Mc Anuff(6)  -  X-MAN(1)  -  Yabby You(9)[informações]  -  Yami Bolo(13)  -  Yaya Yaovi(1)[video]  -  YeahmanC(2)  -  Yellowman(56)[informações][video]  -  Yongy Lorenzo(0)  -  Youss Nassa(0)[video]  -  Zêdess(3)[video]  -  Zed-I(1)  -  Zhou-Mack(1)  -  Ziggy Marley(17)[informações]  -  Zoanet Comes(4)  -  

Compilações

Afro Reggae Party(1)  -  Dancehall Nice Again(3)  -  Fly African Eagle(1)  -  Planete Reggae(1)  -  Raggae Gold(10)  -  Raggae-Kolor(1)  -  Reggae Africa(1)  -  Reggae Meets Africa(1)  -  Reggae Over Africa(1)  -  Sun Splash(0)  -  

Notícia : Bandas e Artistas de Reggae


O circuito Batatinha do Carnaval de Salvador, no Pelourinho, animou amantes de todos os ritmos: samba, reggae, rock, gospel e pagode. Com tanta diversidade,quem andou pelas ruas do Centro Histórico não ficou parado um minuto. Entre as marchinhas e bloquinhos de Carnaval, a folia no Pelô contou com apresentaçõesgratuitas, em locais diferentes do circuito. No Largo do Pelourinho, os trabalhos foram comandados por Afrocidade, Luedi Luna e Xênia França. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2018-02-11 01:40:00.0

A banda Afrocidade fez o público que estava em frente à casa Jorge Amado, no circuito Batatinha (Pelourinho) vibrar e pular muito durante a apresentação no Centro Histórico de Salvador, na noite deste sábado, 10. Vindos de Camacari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), a banda traz uma mistura de letras politizadas, com ritmos populares como o arrocha e o pagode, além da música afro, dub jamaicano, o reggae, o ragga e o afrobeat. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2018-02-11 00:12:00.0

Começa neste sábado, 10, o Carnaval de Maragojipe (a 156 km de Salvador), com foco, como boa parte dos carnavais do interior da Bahia, na preservação da cultura das fantasias e animação de marchinhas, frevos, sambas e reggae. Na cidade, cujo Carnaval é reconhecido, desde 2009, como Patrimônio Imaterial da Bahia, o tema deste ano é ‘Super-Herói da Folia’. Uma das marcas da folia local é a brincadeira com máscaras. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2018-02-10 14:45:00.0
Sete agremiações abriram o carnaval de avenida na capital paulista na noite dessa sexta-feira ...
Source : Terra Brasil | 2018-02-10 12:24:31.0
Atual campeã do carnaval paulistano, a Acadêmicos do Tatuapé levou carros colossais e fantasias ricas em detalhes para a avenida e deixou o sambódromo, na madrugada deste sábado, 10, como forte candidata ao bicampeonato.A escola da zona leste de São Paulo abusou dos adereços de fauna e flora e até arriscou uma batida estilo reggae para homenagear o Maranhão, chamado no samba-enredo de "terra da encantaria". [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2018-02-10 11:02:00.0

O cantor e compositorEdson Gomesserá a atração deste domingo, 28, do projeto MPB Petrobras, que acontece na Concha Acústica do Teatro Castro Alves. Considerado o maior nome do reggae brasileiro, ele levará ao espaço de shows as canções que marcaram sua trajetória em um resgate histórico. A noite contará ainda com show de abertura da banda baiana OQuadro e intervenção musical de DJ Branco, dentro do projeto Janela Baiana. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2018-01-28 01:24:09.0

Maior artista solo do reggae brasileiro, o cachoeirense Edson Gomes está sempre rodando por aí com seu show, desde os estados do Nordeste até São Paulo. Boa notícia então, saber que, no dia 28 (um domingo), ele dá uma passada em Salvador para um show na Concha Acústica, dentro do Projeto MPB Petrobras. Além de Edson, ainda rolam apresentações do grupo OQuadro e do DJ Branco. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2018-01-17 13:33:00.0

O estádio da Arena Fonte Nova, em Salvador, será palco de um dos eventos mais esperados pelos amantes do reggae. Isso porqueas bandas Natiruts e Soldiers of Jah Army (SOJA) chegam à capital baianano próximo sábado, 20,quando se apresentam para os fãs baianos. Os ingressos variam de R$ 60 a R$ 130 e estão à venda na loja do Pida, no Salvador Shopping,e na Line Bilheteria. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2018-01-13 16:49:00.0

Faltam cerca de 60 dias para o Carnaval, e Salvador, como boa anfitriã, já está em clima de festa. De hoje até o dia 7 de fevereiro – data que marca a entrega das chaves da cidade ao Rei Momo –, a capital baiana será palco de, pelo menos, um evento a cada dois dias. São ensaios, lavagens, shows, festivais de música e programações diversas que reúnem grandes nomes da axé music, como Psirico, Léo Santana, até o samba-reggae do Ilê Aiyê e Olodum. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-12-08 12:00:00.0

Veterano guitarrista de bandas como Inkoma, Scambo e Bailinho de Quinta, Graco Vieira está de projeto novo na praça. Batizado Ba–Co (é underline mesmo), trata-se de um duo com a baixista Nina Campos (Macumba Love), que parte das células rítmicas do samba-reggae, adicionando toques de rock e eletrônica. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-11-21 14:20:00.0
O duo dinamarquês fez furor nos anos 1980 com singles como Sunshine reggae , enquanto, sem saber, a sua música aquecia as pistas de clubes norte-americanos. Estreia-se em Portugal dia 26, no Jameson Urban Routes, no Musicbox.
Source : publico.pt | 2017-10-23 08:35:00.0

A República do Reggae, um dos maiores encontros do reggae, de Salvador, acaba de anunciar a grade de atrações. O evento acontece no dia 18 de novembro, no Wet'n Wild, na avenida Paralela. Nomes como Morgan Heritage, Alpha Blondy, Clinton Fearon, The Congos, Ponto de Equilíbrio, Edson Gomes e Tribo de Jah, já estão entre os primeiros confirmados da festa. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-08-31 16:37:00.0

Os acordes iniciais de "Sol do Meu Amanhecer", primeiro single de Índigo Cristal, novo disco do Natiruts, surgem de forma leve e serena. Lembram, em algum momento, um clássico da música popular brasileira. O dedilhado das guitarras também camuflam a força do reggae consagrado que já é feito há 21 anos. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-08-27 12:07:00.0

Na próxima segunda-feira, 21, o projeto Atitude Bahia abre inscrições gratuitas para oficinas de DanceHall, estilo musical popular jamaicano que nasceu no fim dos anos 70 e hoje se caracteriza por um DJ ou um "MC-jay que canta e produz as próprias batidas com colagens de reggae ou com recursos musicais originais. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-08-18 17:44:00.0
Ritmos musicais vão ganhar endereço fixo em São Paulo. A gestão João Doria (PSDB) quer tirar do papel as quatro primeiras Ruas Musicais até o fim do ano, com shows de bandas ao ar livre aos domingos e feriados. Na pauta do projeto estão o choro, o reggae, o samba-rock e o pagode. Em busca de parceiros privados, a proposta discute até a criação da "Rua do Karaokê", na segunda etapa do programa, com banda contratada para acompanhar quem quiser subir no palco e soltar a voz. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-07-23 15:34:00.0

O Rappa anunciou nesta quarta-feira, 3 que fazerá uma pausa na carreira "sem previsão de volta". Em comunicado oficial, a banda promete cumprir a agenda de shows até fevereiro de 2018, quando inicia a parada. O motivo da decisão não foi detalhado (leia íntegra do comunicado abaixo). Formada em 1993 no Rio de Janeiro, o Rappa ficou conhecido como uma banda de letras de forte cunho social, em uma mescla de rock, reggae, rap e MPB. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-05-04 00:15:00.0

RIO - Um violão com sotaque latino sem brilho, timbres e macetes genéricos de pop radiofônico, um suingue reggaeton baixos teores, versos de sensualidade pouco inspirada em espanhol na voz de um megastar para dar o sabor internacional — a receita não parece especialmente atraente, mas de alguma maneira, funcionou. Lançada em janeiro, a canção "Despacito", do porto-riquenho Luis Fonsi (com participação de Daddy Yankee) não para de bater recordes.

Em janeiro, tornou-se o vídeo em língua espanhola com mais visualizações (5,4 milhões) da história da Vevo. Agora, em sua versão remix que conta com o reforço de Justin Bieber (o tal megastar), a música chegou à primeira posição do ranking das mais tocadas no Spotify — onde se mantém desde o dia 22 de abril. É a primeira latina com letra em espanhol a atingir o feito — a versão original também não foi mal, alcalçando o 12º lugar do ranking global. No Youtube, o remix foi a maior estreia do ano.

'Despacito'

O serviço de streaming registra outros dados impressionantes a respeito da canção. "Despacito" está no Top 20 de pelo menos 14 países que não falam na língua espanhola, como Estados Unidos, Suécia, Alemanha, Dinamarca e Noruega. Mais de 10 milhões de usuários salvaram a música em suas playlists. A popularidade de Fonsi também cresceu vertiginosamente, de 2 milhões de ouvintes mensais para 22 milhões.

O segredo do sucesso de "Despacito" talvez esteja em sua maior fraqueza — sua superficialidade. A sensualidade dos versos não vai além (em inspiração ou ousadia) do "quero despir você com beijos lentamente". O ritmo do reggaeton aparece esvaziado de sua crueza agressiva (apelo central dessa música de periferia, no que se assemelha ao funk carioca). O violão latino soa como reprodução pálida de outros tantos usados antes por Shakira ou Ricky Martin.

Cinco reggaetons melhores do que 'Despacito'

Ou seja, a canção encosta em vários terrenos, mas não mergulha em nenhum. Assim, atinge a um gosto médio global — turbinado com um tempero de "exotismo". A definição do prórpio Fonsi para "Despacito" revela isso de certa forma: "O que eu queria era fazer uma canção divertida, com um sentimento latino e uma melodia que me sentisse confortável em cantar e que faria as pessoas simplemsnete dançarem".

Soma-se a isso o apelo de Justin Bieber (frequentador rotineiro das paradas de rádios e serviços de streaming) e do próprio reggaeton como gênero. Popularizado nos anos 1980, o ritmo — numa definição grosseira, uma fusão de reggae e hip hop — surgiu no Panamá, se firmou em Porto Rico e, a partir dos anos 1990 se espalhou pelas paradas de sucesso mundiais, com letras muitas vezes de forte teor sexual e abordando temas como drogas e crime — o uso do "espanglês" também é comum . Daddy Yankee, que canta com Fonsi e Bieber em "Despacito", é um dos maiores nomes do gênero.

No Brasil, o reggaeton está nas rádios no trabalho de artistas como Anitta (o colombiano Maluma, que faz dueto com a cantora em "Sim ou não", é outro de seus representantes mais populares), Nego do Borel e Wesley Safadão (que juntos com Anitta fazem um reggaeton-forró em "Você partiu meu coração") e mesmo Luan Santana ("Acordando o prédio").

'Você partiu meu coração', com Nego do Borel, Wesley Safadão e Anitta

Source : Globo Online | 2017-04-28 16:45:45.0

Em comemoração aos 38 anos do bloco Afro Olodum, nesta terça-feira, 25, o governo do estado da Bahia, por meio da Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), firmou um termo de compromisso que beneficiará o ícone do samba reggae com um centro de documentação digital. [Leia mais...]
Source : atarde.com.br | 2017-04-26 03:22:00.0

RIO — O prólogo de “Caetano — Uma biografia — A vida de Caetano Veloso, o mais doce bárbaro dos trópicos” (Seoman), de Carlos Eduardo Drummond e Marcio Nolasco, traz a cena de Caetano Veloso cantando “Burn it blue” na cerimônia de entrega do Oscar, em 2003. Nas páginas seguintes, desfolha-se a árvore genealógica santamarense do artista, a vida de seus avós e pais, até seu nascimento, a descoberta das letras (decorando versos de Castro Alves e Arthur de Salles), da música (as melodias cantadas pela mãe Canô, o rádio em casa, as sociedades filarmônicas da cidade), do amor (aos 8 anos, a primeira namorada, a menina Dó). O livro — cujo lançamento será no dia 3 de maio na Travessa do Leblon — desenrola-se entre as duas pontas, traçando o caminho que levou o compositor de Santo Amaro a Hollywood, desde sua formação, passando por suas escolhas estéticas (a aproximação com o samba-reggae em “Livro”, o experimentalismo de “Araçá azul”), pelas polêmicas em que se envolveu (com a crítica, com o público, com Fagner, com Décio Pignatari), por questões de sua vida pessoal (as paixões, o casamento aberto com Dedé, o início do romance com a adolescente Paula Lavigne, a perda de uma filha recém-nascida).

O abrangente apanhado, mais descritivo do que analítico, não traz teses ambiciosas sobre Caetano. Seu mérito é reunir histórias conhecidas do artista — contadas por ele mesmo em seu livro “Verdade tropical”, de 1997, ou em depoimentos ao longo das últimas décadas — e detalhes inéditos, colhidos em mais de cem entrevistas feitas pelos autores desde 1997, quando decidiram escrever o livro. Entre os entrevistados, estão familiares como Dona Canô e Maria Bethânia, artistas como Gal Costa e Chico Buarque, amigos de infância e músicos, além do personagem central.

Drummond, que até então tinha publicado apenas um livro de poesias, explica por que ele e Marcio Nolasco escolheram o baiano para biografar. — O primeiro personagem em que pensamos foi Roberto Carlos, mas logo percebemos as dificuldades de trabalhar com ele, algo que pudemos confirmar anos depois acompanhando os problemas que Paulo Cesar de Araújo teve (sua biografia do Rei foi proibida e recolhida das livrarias). Então decidimos por Caetano, sabendo desde o início que não podíamos ficar no meio- termo: ou faríamos direito, ou nem começaríamos. Fizemos um levantamento monstruoso de periódicos e livros, fomos diversas vezes a Santo Amaro e a Salvador, visitamos todas as escolas em que ele estudou, localizamos personagens que ninguém procurou desde os anos 1960, como Johnny Dandurand, o hippie que invadiu o palco enquanto Caetano cantava “É proibido proibir”. .

O escritório de Caetano, comandado por sua mulher e empresária, Paula Lavigne, preferiu não se envolver com o projeto — que sai com status de “biografia não autorizada”. O autor conta que, por isso, a Objetiva, editora que originalmente publicaria o livro, em 2004, se retirou, temendo problemas. “Caetano — Uma biografia” ficou engavetado até 2015, quando foi retomado, desta vez pela editora Seoman. A versão que enfim sai agora foi totalmente revisada e ganhou um posfácio, que cobre em poucas páginas a última década, o que inclui a trilogia com a Banda Cê e a participação de Caetano na formação da Associação Procure Saber, que, entre suas causas, defendia a obrigatoriedade de autorização prévia para a publicação de biografias — causa perdida, aliás.

— A decisão do STF, em 2015, que derrubou a necessidade de autorização prévia para biografias, permitiu que o livro fosse publicado agora — conta Drummond. — Mas é importante ressaltar que “não autorizada” não é sinônimo de “desautorizada”. Caetano e Paula Lavigne autorizaram o uso de fotos, como a da capa (o livro transcreve um parecer de Caetano, dizendo que o que viu do material levantado pelos autores animou-o a “encorajar a continuação da pesquisa”).

Drummond vê o livro que escreveu com Nolasco (que tem como última frase a evocação: “Vida longa e próspera a Caetano Veloso!”) como complementar a “Verdade tropical”:

— “Verdade tropical” é o olhar dele, suas impressões, naquele tom ensaístico e memorialista próprio dele. Nós pusemos essa perspectiva em diálogo com outras.

“Caetano — Uma biografia”

Onde: Livraria da Travessa do Leblon — Av. Afrânio de Melo Franco, 290 (3138-9600). Quando: Lançamento dia 3/5, às 19h. Quanto: R$ 59,90.

Trechos

“Vai atirar em Caetano, pensou”

“No meio do tumulto, aproveitou o momento em que recitaria o poema de Fernando Pessoa e iniciou um esporro monumental: ‘Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder?!...’ Assustada, a plateia se virou para ver e deu início à selvageria. Tomate, latas, ovos, pedaços de pau, eram atirados ao palco, enquanto Caetano, aos gritos, continuava o sermão. ‘... Que juventude é essa? Vocês jamais conterão ninguém...’ Na plateia, Dedé assistia a tudo horrorizada, ao lado do bailarino Lennie Dale. No calor da confusão, viu um homem armado seguir em direção ao palco. “Vai atirar em Caetano”, pensou. Não fossem seus gritos, talvez a segurança não tivesse despertado para o que ocorria. O indivíduo foi arrastado para fora por seguranças e ainda levou uns catiripapos no pé da orelha.”

______

“Nos ensaios, Caetano conversava com Nara Leão, quando Fagner se aproximou. Sempre muito simpática, Nara trocou algumas palavras com o cearense. Já Caetano fingiu que nem era com ele. Ficou de costas para o jovem talento que começava a despontar. Fagner ficou sem entender. No fundo, tinha fascínio pelo baiano, queria ser como ele. Até chegar ali os dois já haviam se trombado algumas vezes pelo caminho. O ranço de um episódio anterior dera sua parcela de contribuição. Durante um encontro, pediram uma canja a Caetano, mas o cansaço não permitiu a reverência. Fagner, por sua vez, chegava motivado, cheio de gás. Nem tinha gravado disco ainda, mas trazia no bolso um repertório inteiro de boas canções. Não se fez de rogado e assumiu o posto. Saiu de lá aclamado pelos presentes. Rivalidade, vaidade, oportunismo, falta de química, muitos sentimentos se misturaram na ocasião. (...). Com o sucesso de seu primeiro LP, ‘Manera fru fru manera’, Fagner se tornou o xodó da gravadora e o paparico das grandes estrelas. Por outro lado, ‘Araçá azul’, de Caetano, continuava recordista em devoluções. O clima de ciumeira aumentou e o bolo desandou de vez.”

Source : Globo Online | 2017-04-21 09:30:27.0

RIO — Quase 14 anos após sua morte, em 2003, Itamar Assumpção segue cada vez mais necessário para desconcertar a fisionomia da música popular brasileira. A importância do autor de “Nego Dito” e a demanda por relançamentos, shows e tributos mantiveram sua banda, Isca de Polícia, positiva e operante. Este “Isca — Volume I” chega após longa gestação, fruto do necessário cuidado para honrar o finado band leader em um repertório relevante.

A batuta do baixista e produtor Paulo Lepetit mantém a alma sonora dos discos de Itamar, sem trair o chefão em antiexperimentos ou reinvenções. Vanguarda paulista como processo não rola aqui, até porque o som — que hoje, ironicamente, já pode reivindicar o status de vintage — permanece contemporâneo sem fazer força.

No círculo expandido de parceiros, cabem tanto um Tom Zé na linha reggae “desossado” (“Itamargou”) quanto um Zeca Baleiro de surpreendente encaixe, “É o que temos, é o melhor”. “Você não sabe como é que vai (...) Pensa, pensa, pensa e nada faz/ Nem samba-jazz nem afrobeat ou rock’n’roll”, alfineta a letra da faixa, que conta com a participação do próprio Baleiro.

Isca de Policia

A propósito, a canção inicial do disco, “Arisca”, um Péricles Cavalcanti de boa cepa, captura de cara o samba torto que tantos artistas mais novos perseguem sem conseguir sequer cercar. Arnaldo Antunes aparece bem como parceiro de Lepetit em duas músicas (“Dentro fora” e “Xis”) e ajuda os guitarristas Jean Trad, único remanescente do primeiro disco de Itamar, e Luiz Chagas a soltar seus demônios.

O rock é referência periférica na ótima “Atração pelo Diabo”, que termina lembrando um clássico dos Stones. A letra de Carlos Rennó sairia com naturalidade da garganta de Itamar, e esse parece ter sido o norte da seleção das composições. Humildemente, é claro, pois, como lembra “As chuteiras do Itamar” (parceria de Lepetit e Vange Milliet com o pernambucano Ortinho), “o que eu queria era ter feito uma canção que amarrasse as chuteiras do Itamar”.

Cotação: bom

Source : Globo Online | 2017-04-18 09:30:00.0

RIO — Nas paredes do estúdio Toca da Onça, localizado na casa de Evandro Mesquita, em um condomínio na Barra da Tijuca, fotos, discos e demais lembranças de uma época áurea da Blitz, banda que o cantor e compositor criou em 1982, ao lado de Lobão, Fernanda Abreu, Ricardo Barreto, Billy Forghieri, Marcia Bulcão e Antonio Pedro Fortuna, e que marcou época como uma das precursoras do BRock.

Entre tantos instrumentos e recordações — como os brilhantes certificados do sucesso de vendas do compacto “Você não soube me amar” e do LP “As aventuras da Blitz 1”, ambos lançados em 1982 —, Mesquita e o tecladista Forghieiri, únicos remanescentes da formação original, ensaiam para o show de gravação do próximo DVD da Blitz, marcado para este sábado, no Circo Voador — casa fundamental para o sucesso da banda, há 35 anos, quando ainda ficava no Arpoador. Em volta deles, o baterista Juba, o guitarrista Rogério Meanda, a baixista Cláudia Niemeyer e as backing vocals Andréa Coutinho e Nicole Cyrne, que completam a “formação estável” que a banda tem desde que decidiu voltar em definitivo, em 2009.

Juntos, na Toca, eles gravaram e lançaram, em novembro passado, “Aventuras 2”, o primeiro álbum de inéditas do grupo em seis anos. Blitz, álbum

— Foi um disco feito com muito prazer, na estrada. Levou dois anos e meio porque a gente vinha um ou dois dias por semana aqui no estúdio, botava uma guitarra, ia colorindo ele aos poucos... Começamos a ver que tinha o prazer do primeiro disco, umas coincidências bacanas. Ele tem a alma da Blitz, de falar as coisas sérias, mas com bom humor, sem ser muito panfletário ou didático — afirma Mesquita, hoje com 65 anos. — Acho que somos melhores em tudo, hoje. Tanto como seres humanos quanto como músicos. Então, o disco traz essa pegada além do primeiro. É um Instagram sonoro.

E, para fazer tal “Instagram sonoro”, que mistura rock, pop, funk, reggae, samba e blues, o grupo não poupou na diversidade dos convidados. Estão lá Paralamas do Sucesso, Frejat, Arnaldo Brandão, George Israel, Dadi, Seu Jorge, Sandra de Sá, Zeca Pagodinho, Alice Caymmi, Andreas Kisser, Pretinho da Serrinha e MC Cert, integrante do grupo de rap carioca Cone Crew Diretoria e filho de um amigo de longa data de Mesquita, que descreve os convites como “encontros de aeroportos”:

— O Paralamas foi na ponte aérea, inclusive — diz Evandro. — Já com o Andreas (Kisser, guitarrista do Sepultura), a gente tinha tocado com ele no show que abriu o último Rock in Rio, e ele nos salvou porque o amplificador da guitarra do Rogério tinha falhado. O disco é também uma celebração por termos conseguido tantos convidados bacanas.

PALCO SUNSET

Por falar em Rock in Rio, a Blitz está confirmada como atração do Palco Sunset na próxima edição do festival, em show que contará com participações de Alice Caymmi e Davi Moraes, no dia 16 de setembro. Evandro Mesquita ainda tocará com a banda The Fabulous Tab, formada por amigos dele, no espaço batizado de Rock District, no dia 22, e já avisou que faz questão de assistir ao show do The Who, marcado para o dia seguinte. Esse tesão por ver os ídolos ao vivo pela primeira vez é citado como exemplo quando o artista, que está fechando sua renovação com a TV Globo para entrar no elenco do humorístico “Zorra”, comenta a renovação do público da Blitz.

— A gente tem um pouco disso, de ser cult, de ter acrescentado muito em uma época importante da música brasileira. E os jovens que curtem essas coisas querem nos ver ao vivo. Tem uma garotada que redescobriu a banda. Isso mantém o show vivo e não fica só aquela coisa saudosista — diz Mesquita, que revela ainda “apanhar um pouco” das mudanças que o digital trouxe à indústria. — É uma boa batalha, porque saber usar o digital é fundamental hoje em dia. Por isso, ainda não tenho expectativa (quanto aos números de “Aventuras 2”). Claro, a gente quer fazer sucesso, vender muito, fazer muitos shows, mas sabemos que o mercado caiu muito. O disco é uma boa desculpa para continuar na estrada.

Source : Globo Online | 2017-04-15 09:30:00.0

NITERÓI - O próximo domingo promete ser um dia especial para quem gosta de música e procura por badalação em Niterói. O Festival 3R — Rock, Reggae & Rap reúne shows de O Rappa, Onze:20, Rael, Filipe Ret, Oriente e Sinara numa maratona de dez horas de música que começa a partir das 14h, no Teatro Popular Oscar Niemeyer, no Centro.

Acostumados a arrastar uma multidão, os cariocas do Rappa trazem pela primeira vez a Niterói o show da turnê “O Rappa no Brennand”. O repertório eletroacústico é o mesmo do CD e DVD “O Rappa — Acústico Oficina Francisco Brennand”, gravado pelo grupo no ano passado na galeria de arte a céu aberto que o ceramista pernambucano mantém no Recife: tem clássicos da banda e quatro músicas inéditas. No show de domingo serão usados instrumentos diferentes dos que os músicos estão habituados a tocar, como uma guitarra de 12 cordas, clavinete, piano elétrico, escaleta e os steel drums (tambores de aço). Nas palavras do vocalista Falcão, “é um acústico diferente, pra cima”.

— Uma coisa mais crua, mas sem perder a identidade do nosso som — corrobora o guitarrista Xandão.

SENSAÇÕES DA INTERNET

Outro grande nome do festival é Rael, MC versátil que sabe cantar, rimar e transita muito bem entre os estilos propostos pelo festival, com melodias que vão do rap ao samba, passando pelo reggae, rock, MPB e o R&B. Ele vem para Niterói com repertório fresquinho: apresentará show da sua nova turnê do CD “Coisas do meu imaginário”, lançado no mês passado.

Representando os talentosos músicos da cidade, os niteroienses do Oriente levarão seus hits da internet para o palco do festival. Com mais de 200 milhões de visualizações em seus vídeos no YouTube, os MCs Chino, Nissin, Bruno Silva e Geninho Beatbox não se apresentam na cidade desde o ano passado e prometem um show arrebatador para matar a saudade de casa.

Outro nome que é sensação na internet e também participará do festival é Filipe Ret. Dentro do universo do rap nacional, o carioca é quem mais transita pelo pop, já se apresentou ao lado de Anitta e fez um dueto com Ludmilla. O show que traz para a cidade é baseado em seu último CD “Revel”, que tem hits como “Neurótico de guerra”, cujo clipe tem mais de 31 milhões de visualizações, e “Invicto”, com 24 milhões. O Festival 3R — Rock, Reggae & Rap terá ainda shows da banda mineira Onze:20, que faz um som intitulado por eles de “roots rock reggae”; e da carioca Sinara, formada por cinco músicos, entre eles um filho e dois netos de Gilberto Gil.

Source : Globo Online | 2017-04-07 22:41:36.0

RIO — O grupo Cidade Negra se apresentará no Palco Sunset no dia 23 de setembro, como informou a organização do Rock in Rio nesta quinta-feira. A banda fará uma homenagem a Gilberto Gil, junto com as batidas eletrônicas do coletivo de música Digital Dubs e os seis sopros do Maestro Spok.

O show reunirá do eletrônico ao reggae, bem como o ritmo nordestino, essência do Maestro Spok. No mesmo dia também subirão ao palco Sunset Ceelo Green, Bomba Estéreo com Karol Conka e Quabales, ao lado de Margareth Menezes.

Cidade Negra já foi atração do Rock in Rio em outras edições. Em 2015, o grupo fez parte do Palco Mundo e, em 2011, do Palco Sunset, com Martinho da Vila e Emicida.

Source : Globo Online | 2017-04-06 19:45:05.0

RIO - Novos sons ecoam pelas ruas de Jacarepaguá e da Barra. Jovens artistas da região estão se lançando no mercado fonográfico e, entre vídeos com milhares de visualizações, shows com apelo relevante de público, composições lançadas em plataformas digitais e até assinaturas de contratos com gravadoras, o sucesso começa a ser medido. Enquanto a internet proporciona ferramentas diversas que permitem visibilidade através de filmagens caseiras e até gravações de álbuns sem auxílio profissional, destacam-se aqueles que aliam talento à criatividade e perseverança.

Se a tecnologia traz facilidades, ainda há muitos obstáculos a serem driblados. Um dos principais déficits de Jacarepaguá é a escassez de espaços culturais e palcos para apresentação de novas bandas. A ausência de um centro impulsionador dificulta a consolidação de uma cena consistente, ainda que a criação de conjuntos musicais seja frequente, mas muitas vezes efêmera. Há, porém, iniciativas recentes, como o Festival Movimente-se, que reúne jovens artistas da região, além do fortalecimento do circuito noturno, especialmente na Freguesia, com muitos bares que promovem shows.

Outra característica é a diversidade de gêneros musicais. A aposta no pop, com influências do R&B, funk e até do gospel, levou a dupla UM44K a uma ascensão meteórica. Em pouco mais de um ano, eles angariaram milhares de inscrições no canal do YouTube, escreveram músicas para artistas como Ludmilla e Nego do Borel, e no início de 2017 assinaram com a Warner Music. Já o Bastardo Roots surgiu da intenção de fortalecer o cenário de reggae-rock no Rio, depois de uma temporada de inspirações no Sul. Influenciados pelo som do Charlie Brown Jr, Sublime e Red Hot Chili Peppers, eles estão prestes a lançar dois EPs. Com apenas 19 anos, João Pedro Mello se aproveitou da sua formação em piano clássico e do autodidatismo musical para gravar totalmente sozinho o recém-lançado álbum “Formas”, com composições autorais e estilo próprio, mas que não esconde referências que passam por Caetano Veloso, Los Hermanos, Cícero e Rubel.

A relação de Mello, o nome que ele adotou artisticamente, com a música começou aos 5 anos, quando sua avó passou a lhe ensinar piano. Até os 15 anos, ele continuou com as aulas, especialmente no Conservatório de Música Villa-Lobos, e participou até de concursos, conquistando um quarto lugar na edição nacional. Formado em piano clássico, Mello ainda aprendeu violão, guitarra e baixo e passou a formar bandas com amigos de Jacarepaguá. A brincadeira começou a ficar mais séria quando ele conheceu o aplicativo GarageBand, que permitia a gravação de faixas diferentes e uni-las numa música.

— Quando descobri essas ferramentas, comecei a montar um miniestúdio em casa. No início eu gravava com minha antiga banda, a 404, no celular, com esse aplicativo. Foi ficando legal, as pessoas gostavam e eu quis tornar o negócio mais sério, mas não tinha dinheiro para gravar em estúdio. Gravar um álbum hoje não sai por menos de R$ 60 mil — explica Mello, que já em “carreira solo” começou a estudar sobre produção musical e comprou alguns equipamentos para refinar as gravações caseiras. — Fiquei entre 2014 e 2016 gravando o “Formas” (lançado em janeiro passado). Fiz tudo sozinho, composição, gravação e produção.

Para Mello, de 19 anos, o álbum lançado, que pode ser ouvido no Spotify e no iTunes, foi o primeiro objetivo conquistado. Ele também gravou um clipe, com sua câmera e a ajuda de amigos atores, e até pintou quadros que representavam algumas das músicas para usar na foto da capa do CD. Uma característica do trabalho de Mello é falar sobre Jacarepaguá em suas músicas, com referências a episódios pessoais ou processos urbanos, como o crescimento da Freguesia.

Os próximos passos são animadores, graças a um encontro fortuito. Há dois meses, o produtor Rafael Almeida estava procurando uma casa amarela para a gravação do clipe da música “Casa amarela”, da dupla sertaneja Guilherme e Santiago. O local das gravações acabou sendo a casa da avó de Mello. E então os dois se conheceram.

— Ele me chamou para gravar no estúdio dele. Já consegui muitos contatos, e está tudo certo para a produção do meu próximo EP. Por enquanto tenho quatro novas músicas compostas — explica Mello, que voltou ao conservatório agora para cursar Formação Musical.

O UM44K surgiu em 2015, quando um grande amigo de Luan Otten se casou com a irmã de Saulo Poncio. No primeiro encontro dos dois, que têm 21 anos, a música sobressaiu.

— No dia em que nos conhecemos, já escrevemos uma música — lembra Poncio, que é da Barra, enquanto Otten mora na Taquara.

Pouca oferta de palcos é um desafio

A carreira começou de forma até despretensiosa. Na ansiedade de mostrar algumas músicas compostas, a dupla resolveu criar um canal no YouTube, e o retorno foi arrebatador. O UM44K hoje conta com 339 mil inscritos e seus vídeos normalmente recebem mais de um milhão de visualizações.

— Na internet, as coisas podem acontecer de forma muito rápida. Tudo começou quando divulgamos a nossa música “Não dá mais” no canal da irmã do Saulo. Como fez muito sucesso, nós criamos o nosso — explica Otten.

Criado na Igreja Pentecostal Anabatista, Poncio tocou vários instrumentos desde pequeno, como piano, guitarra e violão. Já Otten diz que a música sempre fez parte da sua vida, mas ele só foi estudar mesmo aos 17 anos. No UM44K, os dois cantam e compõem, e Poncio ainda toca guitarra.

Depois de escreverem diversas músicas para artistas como Ludmilla, Nego do Borel, MC Gui e Biel, eles resolveram apostar na própria turnê e estão preparando um EP. O hit do momento é “Isso é ridículo”, que tem mais de 20 milhões de visualizações no YouTube. Hoje, às 17h, eles se apresentam no terraço do Grand Mercure.

— Para nós, tudo é uma novidade. Começamos logo a viajar para fazer shows — diz Poncio, que cita o gospel, o R&B e o pop como principais influências.

A semente do Bastardo Roots foi plantada no carnaval de 2013, na Praia da Ferrugem, em Santa Catarina. Inspirados pela forte presença de bandas de reggae-rock naquela região, os amigos Emanuel Lima, mais conhecido como Jupira, e Renan Guimarães, ou Renan GTM, resolveram fazer algo parecido no Rio.

— Acho que falta um som assim no Rio. Aqui é mais samba, funk, pagode — afirma Jupira, que cita elementos da Califórnia como influência. — Pegamos a parte agitada do rock e a pegada mais praiana do reggae, e assim fazemos um som mais animado, que é a cara da cidade. Ainda misturamos com um pouco de rap.

A dupla se vira como pode. Ambos compõem, produzem e gravam, principalmente no estúdio que Jupira tem na Tijuca. O Facebook e o Instagram são as principais formas de divulgação, e em breve eles vão lançar dois EPs, um semana que vem e outro daqui a dois meses.

— Estamos em todas as plataformas, YouTube, Spotify, Sound Cloud, Deezer iTunes. Fazemos tudo, tem que correr atrás. Estou até aprendendo a editar vídeo agora — diz Jupira, que toca guitarra e canta.

Guimarães, que estudou na Escola de Música Villa-Lobos e toca desde os 9 anos, diz que a intenção do Bastardo Roots sempre foi fazer algo diferente. Como inspirações, ele cita Charlie Brown Jr, Sublime, Red Hot Chili Peppers, CPM 22, Tijuana, For Fun, Natiruts e Ultraman.

— Temos um estilo mais suingado e letras diferenciadas. Gostamos de falar sobre o cotidiano, a realidade do Brasil, do Rio. Queremos sempre inovar, com uma batida bacana — explica Guimarães, que toca percussão e canta.

Morador da Taquara, ele diz que já teve várias bandas no bairro, e lembra quando tocava em festas na região. Hoje, o jeito é ir para a Barra e a Zona Sul se apresentar. Mello, por sua vez, lembra que a Lona Cultural do Pechincha é, basicamente, o único equipamento cultural da região.

— Aqui sempre teve muitas bandas. A lona não chega a ser um polo impulsionador, pois o público fica muito fechado entre pessoas do mesmo círculo social. Mas ainda é algo positivo que temos aqui, ajuda bastante — diz Mello.

O jovem João Magalhães é um dos que lutam pela realização de mais eventos culturais em Jacarepaguá. Criador do Festival Movimente-se, que reúne bandas locais — o próprio Mello já se apresentou lá —, ele cita os novos bares como potenciais palcos para talentos emergentes.

— É difícil fazer cultura em Jacarepaguá. Ao menos surgiu um circuito noturno, principalmente na Freguesia, e hoje conseguimos ouvir sons novos nos bares das ruas — diz Magalhães.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Source : Globo Online | 2017-03-27 09:30:00.0

RIO — Depois de lançar, no ano passado, o EP "O clássico é rock", com versões de Pitty, Titãs, Ira! e Scalene e Far From Alaska, e de sair em uma turnê bem sucedida do "Ventura sinfônico", em que toca Los Hermanos, a Orquestra Petrobras Sinfônica dá sequência, em 2017, ao seu segmento "Mundo pop". Nesta linha, o primeiro lançamento será o EP "O clássico é samba", nesta sexta-feira, com releituras de Arlindo Cruz, Sorriso Maroto, Teresa Cristina e Revelação.

O primeiro single é "Meu lugar", sucesso de Arlindo, que ganha uma interpretação centrada em instrumentos de corda (violino, viola, contrabaixo e violoncelo), sopro (flauta e trompa), além, claro, de percussão e pandeiro. A versão deu origem a um registro em vídeo que O GLOBO antecipa nesta quinta, véspera do lançamento do EP. Veja (e ouça) abaixo: Orquestra Petrobras Sinfônica - Meu Lugar (Arlindo Cruz)

A ideia de homenagear Arlindo Cruz veio, obviamente, muito antes do problema de saúde do músico. O sambista, de 58 anos, está internado desde a última sexta-feira, no Rio, quando passou mal em sua casa e foi socorrido pela ambulância dos bombeiros. Através de exame de tomografia computadorizada cerebral, a equipe médica diagnosticou um AVC hemorrágico (saiba mais).

Além de "Meu lugar", "O clássico é samba" terá ainda “Futuro prometido” (Sorriso Maroto), “Grades do coração” (Revelação) e “Coração leviano” (versão de Teresa Cristina para a canção de Paulinho da Viola). O EP conta com arranjos de Rafael Smith e produção de Rafael Ramos. Em junho, será a vez da OPES fazer uma homenagem ao reggae nacional, com interpretações de sucessos de Natiruts, Cidade Negra, Maskavo, além de uma música da cantora Roberta Campos, que participou da turnê "Ventura sinfônico".

— A nossa ideia é que a Orquestra seja dividida em três mundos: urbano, clássico, que já estão consolidados e, agora, o pop. Acredito que já em 2017 o pop tenha o mesmo tamanho dos outros dois — disse Mateus Simões, diretor executivo da OPES, em entrevista recente ao GLOBO.

Na programação para 2017 do "Mundo pop", está previsto ainda um espetáculo que homenageia o Balão Mágico (em outubro, mês das crianças) e uma nova turnê, em dezembro, que vai suceder o "Ventura": o show “Thriller sinfônico”, relendo o álbum de Michael Jackson que completa 35 anos em novembro.

Source : Globo Online | 2017-03-23 16:36:26.0

Links Rock in RioRIO — Quando a Rock Street nasceu na edição do Rock in Rio de 2011, a primeira homenageada foi a cidade de Nova Orleans, nos Estados Unidos, berço de ritmos como o jazz e o blues. Nas edições seguintes, em 2013 e 2015, o rock da Grã Bretanha e Irlanda e a pluralidade do Brasil tomaram conta da rua do festival, respectivamente. Este ano, como o evento será sediado na Cidade Olímpica, um espaço maior do que nas edições anteriores, o grande homenageado será o continente africano, que será contemplado em sua magnitude com as tradicionais casas, que desta vez representarão 20 países da África, como Egito, Zimbábue e Camarões.

— Nossa ideia foi homenagear a África moderna, porque a música africana está na base da cultura contemporânea. Queremos contar isso paras as novas gerações. Muitas pessoas não sabem que os ritmos que nasceram na África inspiraram outros, como o rap, jazz, reggae e rock. Então, faz sentido trazer essa história para o Rock in Rio — afirmou Roberta Medina, vice-presidente do festival.

Durante todos os sete dias de evento, a Rock Street terá uma série de atrações, como a apresentação de dança da Escola Carioca de Danças Negras, grupos de percurssão, como o Les Tambours de Brazza, do Congo, e shows com artistas nativos, como a da cantora Mamani Keïta, nascida no Mali, e a banda Ba Cissoko, da Guiné. Confira o line-up do Rock in Rio 2017

A curadoria artística do espaço será de Toy Lima, em parceria com a diretora artística Marisa Menezes, que está à frente de toda a programação da rua.

— A África é a mãe de todos os ritmos. Queremos destacar como a música africana foi incrementada pelo "novo mundo". A Diáspora Africana tem um papel muito importante na música contemporânea. Então, nada mais feliz do que um festival como o Rock in Rio ter nessa edição de 2017 uma rua dedicada exclusivamente aos artistas do continente africano — disse Toy Lima.

O coreógrafo Fábio Batista, responsável pela parte artística da Escola Carioca de Danças Negras, localizada na comunidade do Andaraí, falou sobre a escolha do grupo, que tem apenas um ano, para se apresentar na Rock Street.

— Fomos convidados pelo Marmita, que fez a Rock Street inspirada no Brasil do ano passado. Nossa escola, além de ensinar danças clássicas como ballet, também é focada em danças de matrizes africanas. Para as coreografias que iremos apresentar este ano, nos inspiramos no grupo Ghetto Kids, de Uganda — afirmou Batista.

Atrações confirmadas na Rock Street:

- Ba Cissoko (Guiné)

- Mamani Keïta (Mali)

- Fredy Massamba (República do Congo)

- Alfred et Bernard (Burundi)

- Tyour Gnaoua (Marrocos)

- Les Tambours de Brazza (República do Congo)

- Escola Carioca de Danças Negras (Brasil)

Source : Globo Online | 2017-03-14 21:40:18.0
Entre os oito nomes agora anunciados estão também o multi-instrumentista camaronês Richard Bona e a grande figura do reggae marfinense, Tiken Jah Fakoly.
Source : publico.pt | 2017-03-07 14:09:45.0

RIO — Está aberta a temporada dos lançamentos de álbuns sobre casais desfeitos. Depois de “Prisioner”, de Ryan Adams, chegou a vez de “Dirty Projectors”, da banda de mesmo nome, uma das mais inventivas e sofisticadas a surgir no painel da música alternativa na última década. Aliás, a esta altura, chamar o Dirty Projectors de banda nem seria o correto: seu novo disco é, na verdade, um projeto solo do cantor, compositor e multi-instrumentista David Longstreth sobre o fim de sua relação com a cantora e guitarrista Amber Coffman, que deixou o grupo (e Longstreth) em 2013.

Bem menos enigmático do que de costume, o músico abre o coração em um ciclo de nove canções que cumprem seu papel confessional sem interromper a admirável trajetória de renovação musical que passa por álbuns como “Bitte Orca” (2009) e “Swing Lo Magellan” (2012).

Desta vez com a ajuda do produtor de música eletrônica Tyondai Braxton e do percussionista brasileiro Mauro Refosco (que toca com os Red Hot Chili Peppers), David Longstreth leva a um novo patamar o seu diálogo entre o indie rock de orientação mais experimental e o r&b. Com estrutura clássica de balada de piano, “I keep your name” abre “Dirty Projectors” com tom de grande tristeza e, também, de incômoda estranheza nos efeitos que desfiguram a voz que canta “você me abandonou, você era minha alma e minha companheira”. Não há guitarras na canção — do velho DP, apenas um sample saudoso (e sofrido) dos vocais femininos de “Impregnable question”, uma das faixas de “Swing Lo Megellan”.

Segunda canção do álbum, “Death spiral” aproxima os Dirty Projectors do hip-hop, com suas batidas, seu violão e piano esparsos e com o registro vocal soul de Longstreth. Ela desemboca em “Up in the Hudson”, talvez a grande faixa do disco, que abre com uma harmonia vocal de doo-wop robótico e navega por um sample de “The first time ever I saw your face”, de Roberta Flack, para contar a história dos tempos felizes dos dois cantores e amantes na estrada com os Dirty Projectors. Na segunda metade da faixa, percussão e microfonia de guitarra compõem uma das mais curiosas passagens instrumentais da história da banda.

O diário do casal avança pela rítmica e cuidadosamente orquestrada “Work together” (“você me fez sentir que talvez o amor / talvez o amor seja competição”), pela falsa balada soul dos anos 1970 “Little bubble” (“nós tivemos a nossa própria pequena bolha por um tempo”) e no r&b zoado de “Winner take nothing”, que explicita na letra a referência a “808s & heartbreak”, álbum de fim de caso do rapper Kanye West, clara influência de “Dirty Projectors”. Em “Ascent through clouds”, o clima muda, com piano e violão em clima folk/prog e várias intervenções eletrônicas.

Penúltima faixa, “Cool your heart” é algo que se poderia dizer que é um reggae, não fosse tão torto. É a faixa quase alegre do disco, com participação da vocalista Dawn Richard, do projeto D?WN. E o encerramento se dá com “I see you”, a música da redenção do ex-casal, com um órgão de inspiração religiosa, à la “Whiter shade of pale”, e a mensagem de letra: “Sim, eu acredito que o amor que fizemos é a arte”. Sim, com um punhado de memoráveis canções e um inspirado resumo da grande babel sônica de 2017, “Dirty Projectors” extrai arte do que seria apenas um registro pessoal.

Source : Globo Online | 2017-02-28 12:11:24.0

RIO - Um desfile parelho e marcado pela qualidades dos sambas-enredo abriu o carnaval 2017 do Grupo Especial. Em uma noite chuvosa de domingo - que também será lembrada pelo gravíssimo acidente com um carro alegórico do Paraíso do Tuiuti, que abria o desfile -, nomes de peso da folia carioca fincaram suas bandeiras na busca pelo título, sem que tenha havido um destaque nítido para ninguém. links_carnaval_domingo

O Tuiuti, em sua segunda passagem pelo Especial em 62 anos de história, vinha com a dura missão de se manter na elite. Ao longo do ano, a amarelo-e-azul de São Cristóvão até fez o dever de casa, contratando nomes como o puxador Wantuir (ex-Portela, Unidos da Tijuca, Porto da Pedra e outras) e o casal de mestre-sala e porta-bandeira Marquinhos e Giovanna, também donos de extenso currículo. Mas isso não seria suficiente, e a escola sabia disso: em anos recentes, agremiações como Renascer de Jacarepaguá, Inocentes de Belford Roxo, Império da Tijuca e Estácio de Sá bateram no Especial e voltaram, e esse deve também ser o destino do Tuiuti. Falando de Tropicália no enredo "Carnavaleidoscópio Tropifágico", do carnavalesco Jack Vasconcelos, a escola apareceu grande e colorida, passando pelas figuras típicas do movimento, como Caetano Veloso, Rita Lee e Carmen Miranda. Sem qualquer dos personagens presentes em carne e osso - curiosamente, Caetano foi enredo da escola em 2011, pelo então Grupo B, e apareceu para desfilar para um Sambódromo às moscas, na manhã da quarta-feira de cinzas, no desfile que deu o título ao Tuiuti -, a abordagem careceu de profundidade, apenas arranhando a superfície de um movimento complexo e interessante como o Tropicalismo.

O pior, de longe, foi o fim, quando o último carro, que representava Carmen Miranda, fugiu do controle e bateu dos dois lados da passarela, em frente ao Setor 1, ferindo 20 pessoas, duas delas em estado grave. A enorme alegoria, cuja movimentação foi prejudicada também pelo chão molhado, ficou avariada e precisou de dezenas de empurradores e diretores para chegar à dispersão. Por tudo isso, é muito difícil que o Tuiuti emplaque o Grupo Especial em 2018.

Do fim tenso, veio a explosão de carisma de Ivete Sangalo, enredo da Grande Rio, num encontro de ícones pop. A cantora baiana esbanjou o carisma e a energia de sempre, apresentando-se com a comissão de frente, que representava pescadores baianos, fazendo a coreografia e sambando no pé, além de levantar o público. No entanto, depois do furacão Ivete, veio uma escola previsível, passeando pela Bahia, pelo Rio e pelo programa "The Voice", da TV Globo, estrelado pela baiana. Até a amiga Xuxa, fulgurante numa roupa prateada, passou praticamente despercebida. O animado samba-enredo ganhou boa performance do intérprete Emerson Dias e da bateria comandada por Thiago Diogo, mas, como sempre, faltou "chão" (o canto e a empolgação do componente) à tricolor de Duque de Caxias. Ivete empolgou novamente ao reaparecer no último carro, mas foi pouco para quem pensava em título. A volta no Sábado das Campeãs já será um resultado bom demais.

Em seguida veio talvez o desfile mais completo da noite, se considerados os quesitos. A Imperatriz pegou um enredo batido, com cara de anos 1970 - "Xingu, o clamor que vem da floresta" -, apresentou uma versão revista e ampliada, emocionando o público. O carnavalesco Cahê Rodrigues ousou e esbanjou criatividade ao mostrar os índios, a Amazônia e os animais, velhos conhecidos de todos, em um conjunto alegórico impecável. O samba, dolente, quase um lamento, foi bem puxado por Arthur Franco e cantado com garra pelos componentes. A Imperatriz não empolgou como algumas das concorrentes, mas, na ponta do lápis, é difícil ver de onde sairão eventuais décimos perdidos.

A Unidos de Vila Isabel, quarta a desfilar, foi mais ou menos o contrário disso: empolgou e teve defeitos claríssimos, que custarão pontos preciosos. Com um dos melhores sambas do ano, puxador (Igor Sorriso) e bateria (do mestre Wallan Amaral) impecáveis e o "povo do samba", como a Vila chama seus componentes, quicando no chão molhado, a escola conseguiu empolgar apesar dos muitos problemas com as alegorias. Desde antes do carnaval se falava que "O som da cor", sobre a música de sabor africano nas Américas (samba, reggae, blues, rock e até tango entraram na dança), teria questões com o barracão, e no desfile ficou claro que a parte plástica não estava totalmente pronta. Ainda assim, a criatividade e o humor do carnavalesco Alex de Souza apareceram em alegorias como o navio negreiro prateado que abria o desfile e um quinteto de rapazes representando o grupo Jackson 5, que sambava em um carro.

De Vila Isabel o desfile foi para a Tijuca, com o gigante Salgueiro, na apresentação que pode ter sido a última dos carnavalescos Renato e Márcia Lage - comenta-se que eles teriam fechado com a Unidos da Tijuca para o próximo carnaval - e sua "Divina comédia do carnaval". O início do desfile foi o momento mais impactante da noite, quando as alegorias e fantasias representaram o inferno do livro de Dante Alighieri, lançado no século XIV: diabos, morcegos e outros demônios trouxeram Renato Lage no auge da forma, enquanto o samba-enredo era bem defendido por puxadores e componentes. O bloco inicial foi o que melhor se viu no domingo, mas o desfile caiu quando vieram o purgatório e o paraíso, que são de fato concorrência desleal ao inferno, plasticamente. A prometida homenagem aos carnavalescos Joãosinho Trinta, Arlindo Rodrigues e Fernando Pamplona passou praticamente despercebida. Apesar de impecável, o Salgueiro não entregou tudo o que prometia.

Com o samba eleito o melhor do ano em todas as pesquisas e vindo de um modestíssimo quinto lugar, a Beija-Flor começou avassaladora em sua interpretação de um clássico da literatura brasileira, que levou o nome "A virgem dos lábios de mel - Iracema": alegorias suntuosas e o samba cantado furiosamente por Neguinho da Beija-Flor e pelo povo de Nilópolis davam a impressão de jogo ganho. No entanto, alas e mais alas de índios, com fantasias praticamente idênticas, não explicaram o enredo, promovendo apenas um agradável desfile de bloco ao som de um lindo samba e com carros alegóricos de primeiríssima qualidade entre os setores.

A Beija-Flor acabou tendo um efeito semelhante ao da Vila Isabel: o samba-enredo levou o desfile, tentando mascarar seus defeitos. Ao final, até apareceu um pouco da história da Virgem dos Lábios de Mel, mas o "sacode" que se esperava, e que tinha as condições perfeitas para acontecer, inclusive o raiar do dia, não veio.O bom nível do desfile de domingo credencia várias escolas ao grupo das campeãs, mas, na noite desta segunda-feira, União da Ilha, São Clemente, Mocidade Independente de Padre Miguel, Unidos da Tijuca, Portela e Mangueira tentarão fazer povo e jurados esquecerem a primeira noite.

Source : Globo Online | 2017-02-27 12:30:01.0

A Vila Isabel foi a quarta agremiação a desfilar na primeira noite de exibições das escolas do grupo de elite do Rio de Janeiro, na madrugada desta segunda-feira (27). Com o enredo "O Som da Cor", a escola de Martinho da Vila contou a influência dos negros na música das Américas. O belo samba ajudou a contagiar as arquibancadas, mas a escola pecou em fantasias e alegorias - o acabamento ruim chamou atenção, inclusive no carro onde desfilou Martinho. Outro problema foi mecânico - um dos carros alegóricos espalhou óleo pela pista, fazendo com que a escola seguinte, o Salgueiro, solicitasse à organização uma limpeza cuidadosa antes de sua apresentação. Até serragem foi usada para absorver o óleo. Oitava colocada em 2016, a agremiação do bairro de Noel Rosa, na zona norte do Rio, não deve disputar o título.

O carnavalesco Alex de Souza, responsável pelo enredo, começou sua apresentação pela África, berço dos ritmos negros que mais tarde influenciariam a música americana. Depois seguiram-se referências a mambos, congas, rumbas, reggae, cumbia, tango, blues, jazz, soul, techno e outros ritmos desenvolvidos em países americanos que não o Brasil. Em seguida começaram os estilos musicais brasileiros influenciados pelos negros: calundu, axé, chorinho e, claro, o samba. A rainha da bateria, Sabrina Sato, usou fantasia que remetia ao funk, enquanto os ritmistas homenagearam o rap e o hip hop. Não faltaram perucas black power nem outros adereços típicos da cultura negra.

O sexto e último carro, chamado "Kizomba é a Vila", tinha Martinho da Vila como personagem principal e usava elementos do desfile de 1988, quando a escola de Vila Isabel conquistou seu primeiro título com o enredo "Kizomba, a Festa da Raça", para ilustrar a mistura de ritmos musicais promovida no Rio de Janeiro desde o período da escravidão.
Source : folhadaregiao.com.br | 2017-02-27 11:49:58.0

No seu décimo nono carnaval, o Bangalafumenga reuniu, neste domingo, no Aterro do Flamengo, Zona Sul do Rio, foliões de diferentes cantos do Rio. Com repertório variado da música brasileira, eles animaram o segundo dia de folia carioca.

blocos-2602A diversidade também está na idade do público. Aos 80 anos, Nilda Roriz, foi pela primeira vez assistir à apresentação do bloco. A filha de 53 anos e a neta, de 16, acompanharam a senhora.

— Tocam ciranda, samba de roda, gosto muito disso. Não dá mais para ficar saindo direto para blocos na minha idade, mas estou gostando bastante daqui — contou Nilda, que mora no Flamengo.

A professora Cecília Cardoso,de 67 anos, atravessou a ponte para curtir o som do Bangalafumenga:

— Moro em Niterói. Aqui é muito família e é ótimo poder atingir todas as idades.

A maranhense Elaine Martins, de 25 anos, está no Rio há um ano. Moradora de Bangu, na Zona Oeste do Rio,ela levou o filho Lucas, de 7 anos.

— Tenho medo de levá -lo para blocos em movimento. Assim é mais tranquilo. E eu me identifiquei com o repertório deles. É o primeiro bloco no Rio que participo — confessou.

A analista de Recursos Humanos Aline Mendes, de 27 anos, também decidiu levar a pequena Luiza, de 3, ao Banga. Moradora da Vila da Pena, na Zona Norte, ela disse que a festa é para todas as idades.

— Carnaval é para todos desde que saibam aproveitar com respeito — ressaltou, enquanto aproveitava o bloco com Luiza e o marido, o engenheiro Bruno Jacquen, de 30 anos.

Pretinho da Serrinha, Lucy Alves e Ana Bispo cantaram com o bloco

A cantora e atriz Lucy Alves falou da estreia num bloco do carnaval carioca. Ela foi uma das três participações especiais do grupo este ano.

— Já desfilei na Imperatriz e na Mangueira, ano passado. Agora, estou super feliz com essa estreia aqui. Admiro o trabalho do Rodrigo (Maranhão, compositor, que canta com o bloco), e aqui é uma família. Gosto dessa relação com o povo — disse.

Além de tocar sanfona e cantar, a paraibana de João Pessoal tocou guitarra baiana para delírio dos fãs:

— Esse instrumento representa o que é o nosso carnaval.

O músico Pretinho da Serrinha também fez participação especial. Compadre de Rodrigo Maranhão, ele conta que recebe o convite há anos, mas nunca conseguiu ir:

— Comentando os desfiles, eu não conseguia porque essa hora estava dormindo. Esse ano, só vou comentar o Grupo Especial. Então, deu para vir. Fiquei um pouco nervoso, por causa do tumulto, da multidão. Nunca estive num bloco para curtir.

Músico que toca com grandes nomes como Lulu Santos e Seu Jorge, Pretinho conta que se identifica com o Banga:

— Minha raiz é samba, mas toco com Lulu que é popular, e toquei com o D2 que é rap. Então o bloco tem muito a ver comigo. Além disso, dei aulas para muitos ritmistas daqui.

Se o Bangalafumenga é o bloco da diversidade musical, o ijexá não poderia ficar de fora. A cantora Ana Bispo, do Agitoê, embalou os foliões com o gênero:

— Estava nervosa por ser um bloco grande, essa coisa de bloco no Aterro assusta, mas estou curtindo. Sou cantora de samba e samba reggae. Então já é algo do meu universo.

Source : Globo Online | 2017-02-26 21:16:47.0

Links : Bandas e Artistas de Reggae

reggaeportugal-comReggae Portugal

REGGAE PORTUGAL - Portal da música Reggae


reggaetrade-comReggaeTrade

O maior guia de cds e dvds de Reggae do Brasil.


uol-com-br-tribodejah-centralreggaeCentral Reggae

O reggae em todas as mídias



Pode apresentar uma Link nesta categoria