Gregory Isaacs

Instrumento :
Estilos :

Gregory Isaacs : discografia

Gregory Isaacs - Meets Roy Francis At the Mixing Lab album cover Álbum : Meets Roy Francis At the Mixing Lab
Ano : 2010
Gregory Isaacs - Isaacs Meets Isaac (Gregory Isaacs and King Isaacs) album cover Álbum : Isaacs Meets Isaac (Gregory Isaacs and King Isaacs)
Ano : 2010
Gregory Isaacs - Live 1979 album cover Álbum : Live 1979
Ano : 2009
Gregory Isaacs - Live At The Roxy album cover Álbum : Live At The Roxy
Ano : 2009
Gregory Isaacs - My Kind Of Lady album cover Álbum : My Kind Of Lady
Ano : 2009
Gregory Isaacs - The Originals album cover Álbum : The Originals
Ano : 2009
Gregory Isaacs - Brand New Me album cover Álbum : Brand New Me
Ano : 2008
Gregory Isaacs - Cutie Cutie album cover Álbum : Cutie Cutie
Ano : 2008
Gregory Isaacs - Hold Tight album cover Álbum : Hold Tight
Ano : 2007
Gregory Isaacs - Love Songs (Boxset 3CD) album cover Álbum : Love Songs (Boxset 3CD)
Ano : 2006
Gregory Isaacs - The Past, the Present album cover Álbum : The Past, the Present
Ano : 2006
Gregory Isaacs - Gregory Isaacs Sings Dennis Brown album cover Álbum : Gregory Isaacs Sings Dennis Brown
Ano : 2005
Gregory Isaacs - Live in Bahia Brazil album cover Álbum : Live in Bahia Brazil
Ano : 2005
Gregory Isaacs - Mi Name Gregory album cover Álbum : Mi Name Gregory
Ano : 2005
Gregory Isaacs - Substance Free album cover Álbum : Substance Free
Ano : 2005
Gregory Isaacs - The Table Is Going to Turn album cover Álbum : The Table Is Going to Turn
Ano : 2005
Gregory Isaacs - Masterclass album cover Álbum : Masterclass
Ano : 2004
Gregory Isaacs - Open the Door album cover Álbum : Open the Door
Ano : 2004
Gregory Isaacs - Rat Patrol album cover Álbum : Rat Patrol
Ano : 2004
Gregory Isaacs - Here by Appointment album cover Álbum : Here by Appointment
Ano : 2003
Gregory Isaacs - I Found Love album cover Álbum : I Found Love
Ano : 2002
Gregory Isaacs - It Go Now album cover Álbum : It Go Now
Ano : 2002
Gregory Isaacs - Father and Son album cover Álbum : Father and Son
Ano : 2000
Gregory Isaacs - Private & Confidential album cover Álbum : Private & Confidential
Ano : 2000
Gregory Isaacs - So Much Love album cover Álbum : So Much Love
Ano : 2000
Gregory Isaacs - Heartache Avenue album cover Álbum : Heartache Avenue
Ano : 1999
Gregory Isaacs - New Dance album cover Álbum : New Dance
Ano : 1999
Gregory Isaacs - Rasta Business album cover Álbum : Rasta Business
Ano : 1999
Gregory Isaacs - New Millenium album cover Álbum : New Millenium
Ano : 1999
Gregory Isaacs - Dapper Slapper album cover Álbum : Dapper Slapper
Ano : 1998
Gregory Isaacs - Do Lord album cover Álbum : Do Lord
Ano : 1998
Gregory Isaacs - Kingston 14 Denham Town album cover Álbum : Kingston 14 Denham Town
Ano : 1998
Gregory Isaacs - Live At The Maritime Hall album cover Álbum : Live At The Maritime Hall
Ano : 1998
Gregory Isaacs - Cool Down album cover Álbum : Cool Down
Ano : 1997
Gregory Isaacs - Dance Curfew album cover Álbum : Dance Curfew
Ano : 1997
Gregory Isaacs - Enough Is Enough album cover Álbum : Enough Is Enough
Ano : 1997
Gregory Isaacs - Yesterday album cover Álbum : Yesterday
Ano : 1997
Gregory Isaacs - Mr. Cool album cover Álbum : Mr. Cool
Ano : 1996
Gregory Isaacs - Dem Talk Too Much album cover Álbum : Dem Talk Too Much
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Dreaming album cover Álbum : Dreaming
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Lady Of Your Calibre album cover Álbum : Lady Of Your Calibre
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Memories album cover Álbum : Memories
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Mr Love album cover Álbum : Mr Love
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Not A One Man Thing album cover Álbum : Not A One Man Thing
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Private Lesson album cover Álbum : Private Lesson
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Set Me Free album cover Álbum : Set Me Free
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Two Time Loser album cover Álbum : Two Time Loser
Ano : 1995
Gregory Isaacs - Blood Brothers album cover Álbum : Blood Brothers
Ano : 1994
Gregory Isaacs - Come Closer album cover Álbum : Come Closer
Ano : 1994
Gregory Isaacs - Dance Hall Don album cover Álbum : Dance Hall Don
Ano : 1994
Gregory Isaacs - Holding Me Captive album cover Álbum : Holding Me Captive
Ano : 1994
Gregory Isaacs - Mek Me Prosper album cover Álbum : Mek Me Prosper
Ano : 1994
Gregory Isaacs - Midnight Confidential album cover Álbum : Midnight Confidential
Ano : 1994
Gregory Isaacs - My Poor Heart album cover Álbum : My Poor Heart
Ano : 1994
Gregory Isaacs - Over the Bridge album cover Álbum : Over the Bridge
Ano : 1994
Gregory Isaacs - Absent album cover Álbum : Absent
Ano : 1993
Gregory Isaacs - I Am Gregory album cover Álbum : I Am Gregory
Ano : 1993
Gregory Isaacs - Maximum Respect album cover Álbum : Maximum Respect
Ano : 1993
Gregory Isaacs - Unlocked album cover Álbum : Unlocked
Ano : 1993
Gregory Isaacs - Can't Stay Away album cover Álbum : Can't Stay Away
Ano : 1992
Gregory Isaacs - Feature Attraction album cover Álbum : Feature Attraction
Ano : 1992
Gregory Isaacs - Gregory Isaacs and Dance Hall DJ's album cover Álbum : Gregory Isaacs and Dance Hall DJ's
Ano : 1992
Gregory Isaacs - Hardcore album cover Álbum : Hardcore
Ano : 1992
Gregory Isaacs - No surrender album cover Álbum : No surrender
Ano : 1992
Gregory Isaacs - Pardon Me album cover Álbum : Pardon Me
Ano : 1992
Gregory Isaacs - At The Mixing Lab album cover Álbum : At The Mixing Lab
Ano : 1991
Gregory Isaacs - Boom Shot album cover Álbum : Boom Shot
Ano : 1991
Gregory Isaacs - Cooyah ! album cover Álbum : Cooyah !
Ano : 1991
Gregory Isaacs - No Intention album cover Álbum : No Intention
Ano : 1991
Gregory Isaacs - Past and Future album cover Álbum : Past and Future
Ano : 1991
Gregory Isaacs - State of Shock album cover Álbum : State of Shock
Ano : 1991
Gregory Isaacs - Call Me Collect album cover Álbum : Call Me Collect
Ano : 1990
Gregory Isaacs - Dancing floor album cover Álbum : Dancing floor
Ano : 1990
Gregory Isaacs - Consequence album cover Álbum : Consequence
Ano : 1989
Gregory Isaacs - I.O.U. album cover Álbum : I.O.U.
Ano : 1989
Gregory Isaacs - Let's Go Dancing album cover Álbum : Let's Go Dancing
Ano : 1989
Gregory Isaacs - No Contest album cover Álbum : No Contest
Ano : 1989
Gregory Isaacs - Warning album cover Álbum : Warning
Ano : 1989
Gregory Isaacs - Come Along album cover Álbum : Come Along
Ano : 1988
Gregory Isaacs - Red Rose For Gregory album cover Álbum : Red Rose For Gregory
Ano : 1988
Gregory Isaacs - Watchman of the City album cover Álbum : Watchman of the City
Ano : 1988
Gregory Isaacs - Encore album cover Álbum : Encore
Ano : 1987
Gregory Isaacs - Talk Don't Bother Me album cover Álbum : Talk Don't Bother Me
Ano : 1987
Gregory Isaacs - Victim album cover Álbum : Victim
Ano : 1987
Gregory Isaacs - All I Have Is Love album cover Álbum : All I Have Is Love
Ano : 1986
Gregory Isaacs - Double Dose album cover Álbum : Double Dose
Ano : 1986
Gregory Isaacs - Private Beach Party album cover Álbum : Private Beach Party
Ano : 1985
Gregory Isaacs - Easy album cover Álbum : Easy
Ano : 1984
Gregory Isaacs - Judge Not album cover Álbum : Judge Not
Ano : 1984
Gregory Isaacs - Live At The Academy album cover Álbum : Live At The Academy
Ano : 1984
Gregory Isaacs - Out Deh! album cover Álbum : Out Deh!
Ano : 1983
Gregory Isaacs - Mr. Isaacs album cover Álbum : Mr. Isaacs
Ano : 1982
Gregory Isaacs - Night Nurse album cover Álbum : Night Nurse
Ano : 1982
Gregory Isaacs - More Gregory album cover Álbum : More Gregory
Ano : 1981
Gregory Isaacs - For Everyone album cover Álbum : For Everyone
Ano : 1980
Gregory Isaacs - Showcase album cover Álbum : Showcase
Ano : 1980
Gregory Isaacs - The Lonely Lover album cover Álbum : The Lonely Lover
Ano : 1980
Gregory Isaacs - Gregory Isaacs Meets Ronnie Davis album cover Álbum : Gregory Isaacs Meets Ronnie Davis
Ano : 1979
Gregory Isaacs - Lonely Days album cover Álbum : Lonely Days
Ano : 1979
Gregory Isaacs - Soon Forward album cover Álbum : Soon Forward
Ano : 1979
Gregory Isaacs - Cool Ruler album cover Álbum : Cool Ruler
Ano : 1978
Gregory Isaacs - Slum In Dub album cover Álbum : Slum In Dub
Ano : 1978
Gregory Isaacs - The Best Of Gregory Isaacs album cover Álbum : The Best Of Gregory Isaacs
Ano : 1978
Gregory Isaacs - Two Bad Superstars album cover Álbum : Two Bad Superstars
Ano : 1978
Gregory Isaacs - Extra Classic album cover Álbum : Extra Classic
Ano : 1977
Gregory Isaacs - Gregory Isaacs/In Person album cover Álbum : Gregory Isaacs/In Person
Ano : 1974
Gregory Isaacs - Greatest And Latest album cover Álbum : Greatest And Latest
Gregory Isaacs - Gregory Isaacs - Live in France album cover Álbum : Gregory Isaacs - Live in France
Gregory Isaacs - One Man Against The World - Best Of album cover Álbum : One Man Against The World - Best Of
Gregory Isaacs - The Prime of Gregory Isaacs album cover Álbum : The Prime of Gregory Isaacs
Gregory Isaacs - Ultimate Collection album cover Álbum : Ultimate Collection
Gregory Isaacs - Willow Tree album cover Álbum : Willow Tree

Noticias sobre Gregory Isaacs

RIO — No fim de junho, quando o Red Hot Chili Peppers fazia no Roskilde, maior festival de música da Dinamarca e um dos mais badalados do verão europeu, uma das apresentações da turnê de seu mais recente disco, “The getaway”, o baixista Flea assumiu o microfone para mandar um “salve” para o povo da Christiania. Antiga base militar no meio da capital Copenhague, o bairro de aproximadamente mil habitantes é, desde 1971, uma comunidade autoproclamada anarquista — seus moradores não aceitam incentivo financeiro ou influência do governo dinamarquês, mesmo que isso signifique ter uma qualidade de vida consideravelmente inferior à do restante do país.

Em 1989, um ano antes de Christiania promulgar a lei especial que a rege (que libera o cultivo e a venda de maconha, mas evita o tráfico de drogas pesadas, por exemplo), nascia por lá Lukas Graham Forchhammer, o homem por trás de um dos maiores sucessos da música pop mundial em 2016: a balada soul-pop “7 years”, muito tocada nas rádios brasileiras e verdadeiro fenômeno nos serviços de streaming — são mais de 500 milhões de reproduções no Spotify e outras 300 milhões de visualizações de seu clipe no YouTube.

— Em Christiania, nós temos nosso próprio sistema de coleta de lixo, nosso mercado de construção civil (ninguém é proprietário de imóvel; quando você deixa sua casa, a devolve à comunidade), nossa creche, escola com cursos extracurriculares, clubes para as crianças, bares, boates, casas de show... — conta Graham, ao telefone. — Ao mesmo tempo, não temos força policial e nem iluminação urbana apropriada. Do que conheci, é o único lugar na Europa que realmente se parece com uma favela brasileira. Lukas Graham - 7 Years [OFFICIAL MUSIC VIDEO]

A comparação com as comunidades daqui tem certo grau de embasamento. Há sete anos, o dinamarquês passou cinco meses morando em Constitución, bairro de classe média baixa em Buenos Aires, e aproveitou para passar um tempinho no Rio, onde ficou hospedado em um apartamento na Rua Paula Freitas, em Copacabana. Por aqui, saiu algumas vezes com os funkeiros Mr. Catra e MC Primo (parceiro de Catra em “Essa mina tá tarada”), de quem virou fã (“não entendo direito a letra, mas sei que chamam de funk proibidão”, diz, forçando o sotaque), foi a festas na Lapa, conheceu bailes funk e aprendeu a dançar forró (“minha namorada adorou o fato de eu ter voltado com algum gingado brasileiro para a Escandinávia”).

Músico desde a infância, quando fez parte de um coral que chegou a se apresentar em cidades como Rio, São Paulo, Salvador, Brasília e Foz do Iguaçu, Graham voltou a Christiania, onde ainda mora (ele apresenta a região no clipe da faixa "Mama said"; veja abaixo), em 2010, e focou de vez na carreira artística. Uniu forças com Stefan Forrest e Morten Ristorp, seus companheiros no grupo de composição Future Animal, e convocou o baterista Mark Falgren, o baixista Magnus Larsson e o próprio Ristorp, que atua como tecladista, para formar a banda Lukas Graham (isso mesmo, a banda tem o nome de seu cantor e compositor). Em 2012, já tinha lançado seu homônimo disco de estreia, que chegou a liderar as paradas dinamarquesas. No ano seguinte, assinou contrato com a Warner Music, que fez, em abril de 2016, o lançamento mundial de seu segundo álbum, também chamado de “Lukas Graham” (ou “o álbum azul”, como costuma se referir). O estrondoso e inesperado sucesso de “7 years” virou a vida do dinamarquês de 27 anos de cabeça para baixo.

— Ainda é tudo muito intenso para mim. Estou triste pela morte recente do meu pai (que o inspirou a escrever seu hit), feliz por estar prestes a me tornar um pai (espera seu primeiro filho para setembro), triste por ter que viajar pelo mundo, feliz por poder viajar o mundo e tocar minhas músicas em diversos lugares, triste por ver minha namorada, minha família e meus amigos menos do que gostaria. Mas, no meio disso tudo, estou muito, muito contente. Tenho a oportunidade de viver à custa do que gosto de fazer — comemora o carismático músico, que também chama a atenção pelo bom humor que leva aos palcos (e às entrevistas). Lukas Graham - Mama Said [OFFICIAL MUSIC VIDEO]

Graham é, definitivamente, uma figura peculiar na indústria musical (da qual é um grande crítico). Além de toda a bagagem cultural que acumulou em sua trajetória ainda recente, ele é um dinamarquês, branco, que faz música pop com influência clara da black music americana (r&b, soul e funk) e com letras que são verdadeiras crônicas do cotidiano, que misturam ficção e acontecimentos reais.

— Sempre tenho problemas ao citar minhas referências. É tudo desde James Brown, Al Green, Gregory Isaacs, Dr. Dre, Tupac, Notorious B.I.G., Michael Jackson, Beatles, Rolling Stones, The Who, The Kinks... Entende? É música clássica, folk, rap... — enumera. — O que acho que torna nossa música genuinamente especial é exatamente o fato de pegarmos o que gostamos e misturarmos tudo, sem preocupação com rótulos. E vou te falar que já sofri preconceito pelo tipo de música que faço. Muitas pessoas já vieram me falar que ficaram surpresas ao descobrir que eu era branco e que todos os músicos da banda também eram. No fim das contas, música é sobre romper barreiras.

Leia a entrevista na íntegra:

Como você reage ao sucesso estrondoso que se tornou "7 years"?

Acho que é muito difícil esperar algo assim (risos). Eu sabia que a música era boa, mas eu não estava preparada para que fosse tão grande em todo o mundo.

Na letra, você canta que "logo terá 60 anos". O que você se imagina fazendo nessa idade?

Eu provavelmente ainda vou querer estar cantando e escrevendo músicas. Quero estar sentado em algum lugar, no sol, bebendo um bom vinho, comendo um bom pão com um bom azeite, enquanto meus filhos e netos estarão correndo pelos meus pés e me irritando. Eu adoraria que meus amigos me visitassem e ficassem sempre por perto, e gostaria de ainda ser um cara normal, comum, apesar de saber que com todo esse sucesso provavelmente vai ser difícil.

Isso te assusta de alguma maneira?

É claro. Eu tenho muito medo de tudo o que está acontecendo agora, mas coragem não significa não ter medo, significa controlar seus medos e estar atento a o que você está fazendo naquele momento de medo. Eu acho que saber que você está passando por uma transição perigosa, com muitas mudanças na sua vida, não é algo ruim. É algo realmente bom ter uma perspectiva dos perigos que posso encontrar no caminho.

Your pop songs are surrounded by soul and funk influences. When did you start studying this genres and which artists did you listen to create your sound style?

Você faz música pop cercada de influências da black music americana. Que artistas escutou para criar o estilo de seu som?

ÉSempre tenho problemas ao citar minhas referências. É tudo desde James Brown, Al Green, Gregory Isaacs, Dr. Dre, Tupac, Notorious B.I.G., Michael Jackson, Beatles, Rolling Stones, The Who, The Kinks... Entende? É música clássica, folk, rap... O que acho que torna nossa música genuinamente especial é exatamente o fato de pegarmos o que gostamos e misturarmos tudo, sem preocupação com rótulos. Se gostamos de algo, mantemos, se não, jogamos fora. Tentamos algo bacana, algo novo, especial, diferente, e acho que o mantra que eu e meus companheiros trazemos quando escrevemos música é "contanto que não seja chato ou entediante". Tem que ser especial e, acima de tudo, divertido.

"Lukas Graham", de Lukas Graham

Você chegou a sofrer algum tipo de preconceito por ser um cara branco, dinamarquês, e ter essa clara aproximação com o soul e o r & b?

Sim. Muitas pessoas já vieram me falar que ficaram surpresos ao descobrirem que eu era branco e que todos os músicos da banda também eram. No fim das contas, música sobre romper barreiras. Agora, no mundo, todos estão falando que temos que lutar contra o racismo e a desigualdade em todos os lugares, mas, no fim das contas, as pessoas são preconceituosas com gays, com negros... Até dentro dessa indústria. Acho que deveriamos tentar praticar o não julgamento, tentar não julgar ninguém e talvez consigamos ser um pouco mais felizes (risos).

Você fala muito sobre sua mãe nas suas músicas. Em seu EP ao vivo "Spotify Session", você fala rapidamente sobre a reação dela ao descobrir que era um personagem das composições. Agora que suas músicas tocam no mundo todo, ela aceita melhor?

Minha mãe é uma mulher muito forte e não precisa que eu tenha sucesso, ela só quer que eu seja feliz. E, sim, ela esteve na turnê comigo nos Estados Unidos durante alguns shows e a reação dela ao ver os americanos cantando "Mama said" foi incrível. Ela pôde ver que isso é real, que em todo o mundo as pessoas estão cantando as minhas músicas e gostando delas. Foi lindo poder dar a minha mãe esse tipo de experiência, levá-la aos Estados Unidos pela primeira vez na vida dela.

Aliás, acho "Mama said" melhor do que "7 years"...

Pois é! Todo mundo me pergunta se estou apreensivo quanto ao sucesso do meu próximo single e eu sempre digo "não, '7 years' sequer é a melhor música do disco" (risos). Por falar nisso, "Mama said" é o próximo single.

Sua vida mudou bastante neste último ano, certo? Como você está lidando com esse novo momento, tocando em grandes festivais pelo mundo, dando entrevistas, enfim, sob os holofotes?

Ainda é tudo muito intenso para mim. Estou triste pela morte recente do meu pai (que o inspirou a escrever seu hit), feliz por estar prestes a me tornar um pai (espera seu primeiro filho para setembro), triste por ter que viajar pelo mundo, feliz por poder viajar o mundo e tocar minhas músicas em diversos lugares, triste por ver minha namorada, minha família e meus amigos menos do que gostaria. Mas, no meio disso tudo, estou muito, muito contente. Tenho a oportunidade de viver à custa do que gosto de fazer. Mas claro que é cansativo. É difícil viajar pelo mundo, ter que ficar dando entrevistas o tempo todo. Essa é a quarta ou quinta entrevista só hoje e eu achava que teria um dia de folga, mas meu empresário falou "sem chances" (risos). Lukas Graham - Drunk In the Morning (LIVE) [EXTRAS]

Qual é a história por trás de "7 years"?

"7 years" foi inspirada em parte, obviamente, na minha vida e a outra parte no que eu gostaria que minha vida fosse. Meio ficção e meio realidade. Então, fizemos essa canção meio folclórica, meio antiquada, mais rítmica. Escrevi a música em apenas três horas e meia e claro que a morte do meu pai tomou grande parte da composição, mas minhas esperanças e sonhos por estar perto de me tornar um pai também estão nesse meio.

Você morou na Argentina por alguns meses, certo? Como você avalia a vida cultural aqui na América do Sul?

Sim, morei em Constitución por cinco meses, sete anos atrás. Foi fantástico. Eu gosto da ideia de que tudo é sobre comida, música ou bebidas. Isso é perfeito para mim. Eu gostei das praias do Brasil, da parrilla da Argentina, da música... Também fiquei um tempo no Rio, onde me hospedei na Rua Paula Freitas, em Copacabana, perto da Avenida Atlântica, e eu costumava sair para tentar aprender a dançar forró (risos). Minha namorada adorou que eu voltei com algum gingado brasileiro para a Escandinávia. É algo que os europeus definitivamente deveriam tentar aprender.

Fale um pouco mais sobre a Christiania, região onde você nasceu e cresceu. Muita gente por aqui não conhece o lugar...

É o único lugar na Europa que realmente parece uma favela. É uma antiga base militar que foi abandonada em 1970 e ocupada em 1971. Então, na comunidade nós temos nossa própria loja de conveniência, nossa própria creche, cursos extracurriculares, clubes para as crianças, mercado de construção civil, bares, boates, casas de shows... Mas não temos forças policias, nem iluminação urbana. Temos nosso próprio sistema de coleta de lixo. Além disso, ninguém é proprietário de imóvel nenhum. Quando você deixa sua casa, você a devolve à comunidade.

Como é a questão da segurança?

Tem seus altos e baixos. No momento, a comunidade passa por uma crise de segurança, um aumento nos crimes, muitas gangues estão tentando entrar porque por mais de 20 anos não teve nenhuma gangue nem drogas pesadas por aqui. A vizinhança eliminava isso. E, agora, por conta de uma turbulência em nosso sistema político, esses criminosos estão tentando garantir seu espaço. Mas, como deve ser para os residentes de favelas do Rio, tem seus altos e baixos. Você tem bons anos e outros ruins. Lukas Graham - 7 Years (KROQ Sessions)

Em entrevista ao portal "G1" você revelou que é fã do Mr. Catra, certo? Como ficou sabendo das músicas dele?

Sou sim. Obviamente, eu não consigo entender muito bem o que ele canta, mas eu estive com o Catra algumas vezes, assim como com o MC Primo (parceiro de Catra em "Essa mina tá tarada") e os outros caras, e eles são pessoas realmente bacanas. Quando comecei a traduzir as letras, descobri o que era o tal funk proibidão (risos). Algumas são bem chocantes. Enquanto estivemos no Rio, fomos a uma festa de rua na Lapa, a bailes funks... O que eu gosto na música brasileira é que, na real, eu não preciso entender a letra, porque está tudo no ritmo, de qualquer maneira. Vá para a pista, se mexa, dance, beba alguns drinks e todo mundo vai dançar junto. Não é como se você precisasse de um parceiro. Apenas dance, e isso é incrível. Eu entendi a força cultural da música de vocês assim.

Algum plano para voltar ao Brasil com sua turnê?

Eu realmente quero voltar ao Brasil e ter a maior ressaca da minha vida depois de beber dezenas de capirinhas (risos). Pode admitir, a cachaça dá uma puta ressaca, vai. Mas, no momento, não temos qualquer plano de ir para o Brasil porque estamos com a agenda muito cheia e estou esperando meu primeiro filho para setembro. Então, terei que tirar um tempo de folga para estar com a minha família e com o neném. Mas, sim, assim que possível eu quero ir e tocar em alguns festivais na praia, além de visitar todos os lugares que estive quando era mais novo. Quero ir a Salvador, Recife, ver aqueles tubarões, nadar no Oceano Atlântico e ser livre. É o que sinto quando estou no Brasil. Sinto que tudo é possível.

Source : Globo Online | 2016-07-23 09:30:00.0

RIO - Há cerca de dois meses, quando o documentário “Under the influence” ficou pronto e foi exibido em uma sessão particular, seu principal personagem, Keith Richards, virou-se para o diretor Morgan Neville, sentado uma fila atrás, e fez apenas um comentário.

— Ele disse: “Não mexa em nada. Ficou ótimo” — conta Neville, vencedor de um Oscar em 2014 por outro documentário, “A um passo do estrelato”. — Foi o melhor retorno que eu poderia ter de Keith.

Segunda produção do canal de streaming Netflix (o primeiro foi “What happened, Miss Simone?”, lançado em junho, sobre a cantora Nina Simone), o documentário de Neville, já disponível para os assinantes, traça um sucinto perfil do guitarrista dos Rolling Stones, aproveitando o lançamento do seu novo álbum solo, “Crosseyed heart”. Inicialmente pensado para ser apenas um curta promocional em torno do primeiro trabalho de Richards em 23 anos, o filme ganhou força para chegar aos oitenta minutos depois de um encontro — invejável por qualquer fã dos Stones ou de música em geral — entre o músico e o diretor.

Trailer

— Passei uma tarde com ele, no seu apartamento em Nova York, batendo papo e ouvindo discos antigos de blues, rock e soul. Foi um momento que nunca vou esquecer. Por mais que estivesse ali profissionalmente, não conseguia parar de pensar que estava no lugar que boa parte das pessoas gostaria de estar, curtindo um som com Keith Richards em sua sala de estar — confessa Neville. — O papo foi tão bom e ele se revelou tão afável que depois daquela tarde comecei a pensar que poderíamos ter mais do que um curta, que valia a pena investir em algo maior.

Registrado informalmente pelo diretor de fotografia Igor Martinovic — que usou lentes especiais a fim de dar ao filme um clima “vintage” — o encontro acabou indo parar na sequência de abertura de “Under the influence”, quando Richards mostra um vinil raro do gaitista de blues Little Walter (“Hate to see you go”, de 1969), coloca no toca-discos a música “Blue and lonesome” e afirma: “Não dá pra ser mais blues que isso. É um material de peso”.

Daí em diante, Neville mantém o clima de intimidade com Richards, acompanhando o músico nos bastidores da recente “Zip Tour” dos Stones, em Nova York, Chicago e Nashville e nos ensaios de “Crosseyed heart”, quando o baterista e produtor Steve Jordan revela que Richards mostrou-se inicialmente relutante em gravar o disco, pensando em se aposentar. “Eu estava falando dormindo”, retruca, entre risos, o guitarrista, um frasista irresistível, numa das suas inúmeras tiradas durante o filme (só comparáveis às do convidado Tom Waits, que, num momento, compara Richards a um taxista “que sabe tudo das ruas”)

— Keith é ele mesmo o tempo todo no filme, uma pessoa charmosa, divertida, despreocupada em proteger sua imagem de qualquer coisa que seja. É raro encontrar um artista assim hoje em dia — garante Neville.

Por sugestão do diretor — que evitou no filme temas delicados como o trágico concerto dos Stones em Altamont, em 1969, e a quase mortal relação de Richards com a heroína — a passagem por Chicago foi aproveitada para levar o guitarrista a lugares que marcaram a sua carreira. Ele visita o local onde morava o titã do blues, Muddy Waters, e a sede da mítica gravadora Chess (onde encontra seu mestre Buddy Guy, que revela, durante uma partida de sinuca, que só conseguiu permissão para gravar com volume e distorção depois que os Stones o fizeram).

Em Nashville, ao caminhar pelo suntuoso Ryman Auditorium (localizado numa antiga igreja), onde se apresentou uma vez com Willie Nelson, Richards revela sua longa paixão pelo som country e por Hank Williams e Johnny Cash em particular (“Eles eram desafiadores”, afirma). Entre um momento e outro, o astro de 72 anos filosofa: “Você só amadurece quando está sete palmos abaixo da terra. Eu não estou envelhecendo, estou evoluindo”.

— Para um filme nascido e gravado de forma tão espontânea, ver Keith dizer essas coisas para as câmeras foi libertador — diz Neville. — Ele foi o melhor roteirista que poderíamos ter contratado.

Crítica 'Crosseyed heart', por Silvio Essinger

Keith Richards nunca foi alguém de aceitar estilo malhado — seja rock, blues, reggae, country ou folk, ele vai em busca das amostras mais puras. Eterno desconfiado das modernidades que Mick Jagger volta e meia tenta injetar nos Rolling Stones, o guitarrista faz de seus álbuns solo uma espécie de exposição dos seus princípios musicais, sem contaminações. O critério na escolha de músicos, repertório e produtores é um só, o da autenticidade. O que vale também para “Crosseyed heart”, seu terceiro álbum solo, primeiro em 23 anos.

Aparentemente menos interessado em mostrar no novo disco como seriam os Stones sob uma ditadura richardiana, Keith solta mais a sua não-voz de Bob Dylan/Lou Reed/Tom Waits/Leonard Cohen em um blues de violão (“Crosseyed heart”), um folk-country (“Robbed blind”), um reggae (“Love overdue”, de Gregory Isaacs), e em um punhado de incorruptíveis rocks, entre os quais se destaca “Trouble”.

Source : Globo Online | 2015-10-05 11:30:55.0